Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

NOVA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES - AMAR CITRUS PROMETE IMPULSIONAR A LARANJA DE AMARES

Promover e valorizar a laranja de Amares, acrescentando-lhe valor, quer através da inovação e diversificação dos canais de comercialização, quer através da melhoria e diversidade dos métodos de produção, é um dos principais objetivos da recém-criada Associação de Produtores – Amar Citrus.

20170614_191530.jpg

A primeira reunião da Assembleia Geral da respetiva associação decorreu no passado dia 14 de junho, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Amares e teve como ordem de trabalho a eleição dos órgãos sociais para o triénio 2017-2020, a tomada de posse dos órgãos sociais eleitos e a delegação de poderes nos órgãos sociais até a aprovação do regulamento interno.

Assessorar/apoiar produtores e agroindustriais a nível técnico,/formativo e informativo e na comercialização dos seus produtos e reconhecer e contabilizar áreas de produção e quantidade produzida, assim como, elencar opiniões e/ou necessidades manifestadas por quem produz são os primeiros objetivos definidos pela associação que pretende, ainda, desenvolver uma política de proximidade com produtores e agentes locais num clima de confiança e união para um desenvolvimento económico sustentável do concelho.

Na concretização destes objetivos, a associação de produtos locais conta com o apoio da Câmara Municipal de Amares, da ATAHCA – Associação de Desenvolvimento das Terras Altas do Homem, Cávado e Ave e da CASES, Cooperativa António Sérgio para a Economia Social.

“A criação desta associação é fundamental para dinamizar e impulsionar a produção e a comercialização da laranja de Amares, bem como, para incentivar os nossos produtores/empresários a tirar o melhor partido das suas potencialidades que vão muito para além da produção e comercialização do citrino em si”, começa por referir o presidente da Câmara de Amares Manuel Moreira.

“ Esta associação toma corpo com gente dinâmica em quem acredito e, por isso, penso estão criadas as condições para que a laranja de Amares ganhe uma nova dimensão e se torne um fator de desenvolvido da economia do concelho, sublinha o autarca, recordando o protocolo de colaboração existente entre a Autarquia e a Universidade do Minho para estudo e caraterização físico-química do citrino e que poderá servir também de apoio aos produtores locais.

A presidente da Amar Citrus, Adelaide Mota, apontou como “muito positiva a recetividade de várias instituições e pessoas individuais que têm demostrado vontade para apoiar a laranja, referindo que em cerca de 1 mês a associação já conseguiu impulsionar a venda de mais de três toneladas e meia de laranja”.

A sede da associação fica na Galeria de Artes e Ofícios, em Ferreiros, lugar onde todos os interessados poderão efetuar a sua inscrição como sócios.

20170614_193545.jpg

DESPORTO E PATRIMÓNIO PROMOVEM LARANJA DE AMARES

O desporto, a solidariedade e o património de Amares de mãos dadas na “10ª Rota da Laranja”

Foi ontem para a estrada a 10ª edição do passeio de BTT "Rota da Laranja", iniciativa através da qual os participantes percorreram alguns dos locais mais belos e emblemáticos do concelho de Amares. O arranque para este passeio foi dado logo ao início da manhã pelo presidente Manuel Moreira que se fez acompanhar pelo vice-presidente, Isidro Araújo. A Ponte de Porto, Monumento Nacional e onde se encontra situado a poucos metros de distância o novo monumento em homenagem à laranja do concelho, serviu de ponto de partida para os cerca de 300 apaixonados pela modalidade.

Rota da Laranja (1)

A promoção do desporto, nomeadamente do BTT, e dar a conhecer o concelho de Amares, nas suas vertentes turísticas, vínicas, gastronómicas, agrícolas (laranja) e empresariais, entre outras, estiveram na base desta iniciativa”, que recebeu betetistas de Espanha, França, Luxemburgo e Venezuela, “que vieram propositadamente para participar”, conforme explicou Pabelo Marques, do Pedalares – Clube de BTT de Amares, entidade que organiza, anualmente, o passeio.

Este ano, novos trilhos apresentaram um novo desafio físico, pessoal e novas aventuras, num percurso de 40 quilómetros que contemplou, entre outras, novidades a passagem por algumas das quintas vitivinícolas do concelho (Quinta de Amares, Terras de Amares e Solar das Bouças), uma forma de promover um dos símbolos mais marcantes da economia local - o vinho verde da região.

De destacar, ainda, cariz solidário desta prova, que contou com o apoio do Município de Amares, já que 1€ do valor de cada inscrição reverterá a favor da Delegação de Amares da Cruz Vermelha Portuguesa.

Laranja de Amares tem monumento evocativo na Rotunda da Ponte do Porte

O dia da Rota da Laranja ficou, também, marcado pela edificação de um monumento em homenagem à laranja do concelho, colocado na rotunda da Ponte do Porto, uma escultura que figura um dos produtos mais emblemáticos do concelho de Amares. Com sete metros de altura e cinco de largura, esta escultura é já um símbolo marcante do concelho e acarinhado pelos amarenses.

Rota da Laranja (2)

Rota da Laranja (3)

Rota da Laranja (4)

Rota da Laranja

FAMALICENSES DEBATEM QUALIDADES DO KIWI DE PELE MACIA

Seminário internacional reúne académicos e produtores de kiwi de pele macia

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão promove nos dias 16 e 17 de maio, na Casa das Artes, o Seminário Internacional Kiwiberry (kiwi de pele macia), cientificamente conhecido como actinidia arguta, com as presenças de especialistas, académicos e produtores nacionais e europeus.

Kiwiberry.jpg

O evento abrirá com uma intervenção do Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, prevista para as 9h00, e tem como entidades parceiras as universidades de Ghent (Bélgica) e de Varsóvia (Polónia), a Caixa de Crédito Agrícola do Médio Ave, a Frutivinhos (Cooperativa Agrícola de Famalicão) e a Vercoope (União das Adegas Cooperativas da Região dos Vinhos Verdes).

Inscrições e programa em www.famalicaomadein.pt.

FAMALICÃO AVANÇA COM LUTA BIOLÓGICA CONTRA A PRAGA DA VESPA DO CASTANHEIRO

Iniciativa arrancou no passado dia 28 de abril, com uma largada de parasitas numa quinta, em Cruz

O combate à vespa das galhas do castanheiro está ser feito em Vila Nova de Famalicão através da largada de parasitas que podem eliminar a praga que afeta a produção de castanha.

DSC_0471.jpg

A luta biológica contra a vespa do castanheiro está a ser concretizada pelos serviços do município de Vila Nova de Famalicão, em conjunto com a Fagricoop - Cooperativa Agrícola e dos Produtores de Leite de Vila Nova de Famalicão, a ASVA - Associação dos Silvicultores do Vale do Ave, a DRAPN - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e a REFCAST - Associação Portuguesa da Castanha.

A iniciativa arrancou no passado dia 28 de abril, com uma largada de parasitas na Quinta de Ribela, na freguesia de Cruz. Entretanto, serão realizadas mais duas largadas estratégicas nas freguesias de Requião e Lemenhe.

DSC_0504 (1).jpg

A luta biológica consiste na largada dos parasitóides ‘Torymus sinensis’, insetos que se alimentam das larvas que estão nas árvores e são capazes de exterminar a vespa. Prevê-se que esta ação prossiga nos próximos anos, mas apenas a médio prazo serão visíveis os seus efeitos, com a progressiva adaptação do Torymus sinensis ao clima da região. O êxito da luta biológica contra a vespa das galhas dos castanheiros depende, em grande parte, da colaboração dos produtores.

As largadas do Torymus sinensis são compostas por cerca de 120 fêmeas e 10 machos. Quando saem dos tubinhos, as fêmeas já vão todas fecundadas, pois estiveram lá juntas com os machos. Uma largada significa que todos os parasitoides que são lançados no mesmo local (um souto ou um pomar de castanheiros).

Refira-se que a vespa das galhas do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus) é um inseto que ataca vegetais do género Castanea, induzindo a formação de galhas nos gomos e folhas, provocando a redução do crescimento dos ramos e a frutificação, podendo diminuir drasticamente a produção e a qualidade da castanha e conduzir ao declínio dos castanheiros.

A vespa da galha é atualmente considerada uma das pragas mais prejudiciais para os castanheiros em todo o mundo e que na Europa, particularmente na região mediterrânica, pode constituir uma séria ameaça à sustentabilidade dos soutos e castinçais. Sendo o castanheiro uma espécie importante no panorama agro-florestal do país, nomeadamente como produtora de frutos, e estando em risco essa vertente face aos estragos que a praga provoca, é fundamental pôr em execução este plano de ação, no sentido de reduzir ao mínimo, as consequências negativas da presença deste agente biótico nocivo no nosso país.

Com a largada desta luta biológica, o município de Vila Nova de Famalicão demonstra a sua preocupação não só com a plantação de novas árvores autóctones mas também com a preservação das que já existem e que têm o seu papel importante quer a nível ecos sistémico que a nível económico.

DSC_0504 (2).jpg

DSC_0523 (1).jpg

AMARES DÁ A CONHECER A MELHOR LARANJA DO MINHO

A laranja de Amares e seus derivados, o vinho verde, o azeite e o artesanato, produtos emblemáticos do concelho, vão estar em exposição na AGRO - Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, que decorre de 23 a 26 de março de 2017, no Parque de Exposições de Braga.

DSC00563.JPG

Uma excelente oportunidade para divulgar aquilo que de melhor o nosso concelho tem para oferecer naquela que é a principal feira agrícola do país e que tem na sua longevidade uma das garantias da sua relevância enquanto montra da agricultura portuguesa.

Visite o stand de Amares!

ARCOS DE VALDEVEZ: LARANJAS DE ERMELO ENCONTRAM-SE ENTRE OS MAIS APRECIADOS CITRINOS DO MINHO

Laranja de Ermelo: Ponto de situação e propostas de intervenção

No passado dia 17 de Fevereiro, a Ardal reuniu com a Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e com a Associação de Desenvolvimento Local de Ermelo.

laranjermelo (3).jpg

A reunião teve como principais objetivos a avaliação do estado atual da laranja de Ermelo assim como a necessidade de implementar medidas que visem a regeneração dos pomares, a divulgação e promoção da laranja e o aumento da comercialização para potenciar o escoamento da mesma. Como se trata de um produto com excelentes qualidades, pretende-se também melhorar a sua imagem e aumentar a sua notoriedade. Neste encontro ficou acordado que, durante o próximo mês, seja realizado pela Direção Regional de Agricultura e um trabalho de caraterização dos pomares, bem como uma proposta intervenção que vise os objetivos acima descritos.

A ARDAL, juntamente com a Associação de Desenvolvimento Local de Ermelo (ADLE) promoveram, durante vários anos, um projeto de promoção, colheita e distribuição da laranja de Ermelo.

laranjermelo (2).jpg

A laranja de Ermelo é um produto local de grande qualidade, muito apreciado na região e com grande procura pelos consumidores. Este produto, cuja introdução está ligada ao Mosteiro local e aos monges de Cister, é hoje um ex-libris da freguesia.

A laranja de Ermelo tem como principais características a sua casca fina, a ausência de sementes, o abundante sumo e o tipo de produção, próximo da agricultura biológica.

Com estas medidas pretende-se valorizar, promover e dinamizar a produção e comercialização da laranja de Ermelo, a qual integra o catálogo mundial de produtos do movimento internacional Slow Food.

laranjermelo (1).jpg

VILA VERDE É CAPITAL DOS PEQUENOS FRUTOS

Vila Verde afirma-se como a ‘capital nacional dos pequenos frutos’

O concelho de Vila Verde afirma-se de forma cada vez mais contundente como a ‘capital nacional dos pequenos frutos’. O forte crescimento do número e da área de explorações levou o Município de Vila Verde a organizar um programa de três dias, dedicado à divulgação e promoção deste setor de atividade. De 13 a 15 de agosto, milhares de pessoas passaram pela Praça de Santo António para visitar a Mirtifrutos – Feira Nacional de Pequenos Frutos, que contou com a participação de mais de três dezenas de expositores.

13891847_1017733785008241_1044952222372398012_n.jpg

Aos deliciosos frutos frescos somou-se uma enorme variedade de produtos transformados, como compotas, geleias, gelados, bebidas, biscoitos, sabonetes e vinagres, entre muitos outros. Ricos em antioxidantes e vitaminas, estes alimentos aliam o sabor irresistível aos múltiplos benefícios que apresentam para a saúde. Os dois showccokings realizados durante a iniciativa também foram um sucesso. Momentos soberbos para aprender, partilhar ideias, trocar experiências e, como não poderia deixar de ser, de provar as deliciosas iguarias confecionadas pelos especialistas na matéria.

Momentos culturais enriqueceram o programa

 O programa foi enriquecido com vários espetáculos culturais, que permitiram divulgar o potencial dos atores locais, aumentar os motivos de interesse da feira e proporcionar ao público bons momentos de entretenimento. Neste âmbito, o grande destaque vai para o XLIII Festival Internacional de Folclore, que decorreu a 13 de agosto. Uma iniciativa com tradição, que há mais de quatro décadas se dedica à promoção e divulgação do folclore nacional e internacional.

B (1) (2).JPG

Além do grupo anfitrião, o Rancho Típico Infantil de Vila Verde, subiram também ao palco o Grupo de Danzas de San Roque de Pontevedra, o Grupo Folclórico Infantil do Centro Social e Paroquial de Mindelo (Vila do Conde), o Rancho Infantil e Juvenil “Os Herdeiros de Travanca” (Santa Maria da Feira) e o Rancho Infantil “Estrelinhas” de Ponte de Areal, Lousã (Coimbra). Os espetáculos de música popular, a feira de artesanato e animação noturna com DJs foram outros dos predicados que contribuíram para o êxito da Mirtifrutos.

Criar riqueza, fomentar a prática agrícola e promover o território

O presidente do Município de Vila Verde, António Vilela, referiu que a Feira Nacional de Pequenos Frutos se enquadra na visão estratégica de valorização das potencialidades locais para incrementar a criação de riqueza, fomentar a prática agrícola e promover o território. Durante os últimos anos verificou-se um crescimento exponencial da quantidade e da área de explorações de pequenos frutos no concelho, o que fez aumentar consideravelmente o peso do setor na balança comercial vilaverdense e motivou a organização da iniciativa.

B (2).JPG

“Dados do Ministério da Agricultura mostram que, em todo o Norte do país, Vila Verde foi o terceiro concelho na lista do maior número de jovens instalados e a liderar explorações agrícolas. São mais de uma centena de jovens agricultores, com investimentos e projetos aprovados que no total rondam os 10 milhões de euros, em que se destacam os dos pequenos frutos, com cerca de 70 jovens produtores. As explorações de mirtilo, por si só, contabilizam uma área que ronda os 80 hectares”, afirmou o edil, que deu os parabéns aos produtores pelas excelentes dinâmicas e pela criatividade associada ao aparecimento de inúmeros derivados dos pequenos frutos

B (3).JPG

B (4).JPG

B (5).JPG

B (6) (1).JPG

VILA VERDE: MIRTIFRUTOS ESTÁ DE PORTAS ABERTAS PARA TRÊS DIAS DEDICADOS AOS PEQUENOS FRUTOS

A Mirtifrutos – Feira Nacional de Pequenos Frutos já abriu as portas ao público. Durantes três dias, 12 a 15 de agosto, a Praça de Santo António, em Vila Verde, pinta-se em tons de vermelho e azul. No total, mais de três dezenas de expositores divulgam e promovem os seus produtos.

DSC_0739.JPG

Ricos em vitaminas e antioxidantes, os deliciosos e altamente nutritivos frutos frescos (na sua maioria mirtilos, framboesas e amoras) crescem de popularidade um pouco por todo o globo devido aos inúmeros benefícios que apresentam para a saúde. No entanto, o leque de opções está cada vez mais diversificado. As geleias, as compotas, os sumos e os licores são apenas alguns exemplos de derivados dos pequenos frutos, que são também escolha frequente na pastelaria, gelataria e até em cocktails. O programa de três dias inclui ainda momentos culturais, com folclore, música popular e uma feira de artesanato que vai colocar em evidência o talento dos produtores locais.

Um setor em franco crescimento, com uma dinâmica notável e com um peso cada vez maior na balança comercial vilaverdense e nacional, que impulsionou a criação da Mirtifrutos. “Temos em Vila Verde um conjunto muito grande de produtores e queremo-nos afirmar como um concelho de referência nos pequenos frutos e frutos vermelhos. Foi por essa razão que decidimos avançar com esta feira de pequenos frutos e derivados. Está-se a gerar uma dinâmica muito grande no território que terá aqui a oportunidade de se multiplicar e promover”, afirmou o presidente do Município de Vila Verde, António Vilela, depois de uma visita pelos stands da feira. A sessão de abertura contou com um espetáculo de música popular minhota, protagonizado pelos Amigos das Concertinas de Godinhaços.

O edil aproveitou também para frisar que esta é uma iniciativa com imenso potencial de crescimento e que fasquia é para elevar já em 2017. “No próximo ano vamos alterar a data, a feira passa para meados de julho, altura em que se verifica o maior pico de produção”, afirmou, acrescentando que a Feira Nacional de Pequenos Frutos se afigura como uma excelente oportunidade para encurtar distâncias entre o público e os produtores. “O nosso objetivo é sensibilizar as pessoas para os benefícios decorrentes do consumo de pequenos frutos. Ainda há muita gente que ainda nem conhece os pequenos frutos e esta feira será um contributo essencial nesse sentido, de divulgar e promover”, referiu António Vilela, acrescentando que o evento representa “uma oportunidade de valorizar o território vilaverdense, afirmando-se num setor de grande crescimento na economia local e nacional”.

DSC_0749.JPG

DSC_0785.JPG

DSC_0987.JPG

VILA VERDE REALIZA FEIRA DE PEQUENOS FRUTOS

Mais de três dezenas de expositores em Vila Verde para a Mirtifrutos – Feira Nacional de Pequenos Frutos!

A Praça de Santo António, em pleno centro da sede do concelho de Vila Verde, prepara-se para receber mais de trinta expositores (entre produtores de pequenos frutos, associações de produtores e produtores de derivados e transformados), que chegam ao coração do Minho para participar na primeira edição da Mirtifrutos – Feira Nacional de Pequenos Frutos, de 13 a 15 de agosto. Para garantir o conforto dos visitantes, o recinto contará também com o serviço de dois bares, uma chocolataria, uma pastelaria e uma roulotte de gelados artesanais, que vão utilizar os pequenos frutos aguçar a criatividade nas respetivas áreas de especialidade. O programa de três dias inclui ainda momentos culturais, com folclore, música popular e uma feira de artesanato que vai colocar em evidência o talento dos produtores locais.

DSC_0450.JPG

Frutos frescos e produtos transformados

O programa da Mirtifrutos foi apresentado à imprensa durante a manhã de hoje, 10 de agosto, na Sala de Conferências dos Paços do Concelho. Presente na sessão, o presidente do Município de Vila Verde explicou que a Feira Nacional de Pequenos Frutos se enquadra na visão estratégica de valorização das potencialidades locais para incrementar a criação de riqueza e fomentar a prática agrícola. Durante os últimos anos verificou-se um crescimento exponencial da quantidade e da área de explorações de pequenos frutos no concelho, o que fez aumentar consideravelmente o peso do setor na balança comercial vilaverdense e levou ao aparecimento da iniciativa.

“Dados do Ministério da Agricultura mostram que, em todo o Norte do país, Vila Verde foi o terceiro concelho na lista do maior número de jovens instalados e a liderar explorações agrícolas. São mais de uma centena de jovens agricultores, com investimentos e projetos aprovados que no total rondam os 10 milhões de euros, em que se destacam os dos pequenos frutos, cerca de 70. As explorações de mirtilo, por si só, contabilizam uma área que ronda os 80 hectares”, afirmou o edil. O sabor delicioso e os inúmeros benefícios para a saúde decorrentes do consumo regular de pequenos frutos são fortes atrativos e a dinâmica comercial vai continuar a aumentar com o aparecimento de diversos produtos transformados, como as compotas, geleias, sumos, gelados, cocktails e até sabonetes.

DSC_0471.JPG

“Empregabilidade e criação de riqueza”

Com as candidaturas da ATAHCA a fundos europeus abertas, António Vilela aproveitou para relembrar a importância destes investimentos para a requalificação e crescimento da agricultura vilaverdense e para frisar que que encara o futuro com confiança. “Com o apoio das medidas comunitárias e a capacidade criativa das nossas gentes e empresas, daqui a algum tempo esta será certamente uma grande área de empregabilidade e criação de riqueza no concelho de Vila Verde. Esta é a nossa estratégia, tirar partido das potencialidades do território, e está comprovado que a qualidade dos nossos mirtilos é de excelência”, afirmou o presidente do Município, lembrando que a Mirtifrutos s insere na programação turístico-cultural Na Rota das Colheitas, que, de agosto a novembro, se desdobra em mais de 30 iniciativas dedicadas à promoção da tradição e da cultura minhota.

António Vilela deixou também uma palavra de apreço à ATAHCA, associação sediada em Vila Verde que é parceira nesta iniciativa. “Tem sido um parceiro essencial do Município e de promoção e apoio de projetos do Município associados às medidas de desenvolvimento e também a eventos como o que estamos a apresentar, de promoção do território e do mundo rural”, referiu, relembrando que o Município de Vila Verde tem em vigor medidas de estímulo económico, que isentam de taxas municipais todos os investimentos nas áreas da Agricultura e do Turismo.

DSC_0549.JPG

Miritilo: Mil milhões de toneladas previstas para 2018

Por sua vez, o presidente da ATAHCA começou por avançar com projeções entusiasmantes para os próximos anos, revelando que se prevê que em 2018 o concelho de Vila Verde esteja a produzir mil toneladas de mirtilos, o que equivale a uma receita na casa dos três milhões de euros. Mota Alves revelou o enorme orgulho que sentiu quando “o mirtilo de Vila verde foi referenciado como o melhor do país” e aproveitou também para lançar um desafio. “Temos um clima excecional para produzir outro pequeno fruto, a Baga de Sabugueiro, com imensas aplicações na cosmética e farmacêutica”, afirmou, deixando rasgados elogios à posição do Município nesta matéria.

Candidaturas abertas para apoios comunitários

 “É desta dinâmica, destes municípios e destas parcerias que precisamos para rentabilizar os recursos. Queremos manter a dinâmica no novo quadro comunitário para que Vila Verde continue a ser um território de referência nacional pelo investimento, pelas condições que cria para fixar pessoas e por fazer o melhor aproveitamento da terra”, vincou Mota Alves, deixando ainda algumas informações adicionais. “A atenção que o Município tem dado a quem se instala no concelho, com isenção de taxas e outras medidas, é uma excelente forma de impedir o despovoamento e até de repovoar. Estamos num concelho muito atrativo, próximo de Braga, Porto e Espanha, perto das grandes vias de comunicação e com uma enorme quantidade de água doce, dos rios, ribeiros e riachos que se espalham pelo território e criam condições muito favoráveis para a agricultura”, afirmou o presidente da ATAHCA.

Estão abertas até ao dia 9 de setembro as candidaturas de apoios comunitários para pequenos investimentos agrícolas, entre mil e 40 mil euros. Para montantes entre os 10 e 220 mil euros as candidaturas terminam a 6 de setembro. Em breve vão estarão disponíveis para diversificação da atividade agrícola, devendo o prazo de inscrições estender-se até outubro.

DSC_0597.JPG

LARANJA DE AMARES É DAS MAIS APRECIADAS DE PORTUGAL

“Showcooking” deu a conhecer as potencialidades da laranja de Amares na AGRO

O Município de Amares despertou a atenção dos visitantes na 49ª edição da AGRO - Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação através de um showcooking no qual foram apresentados alguns produtos confecionados à base da laranja do concelho. Uma iniciativa complementar à promoção realizada no stand do Município, onde a própria laranja e seus derivados, o vinho verde e o azeite - produtos emblemáticos do concelho, estiveram em destaque durante o evento.

DSC00649

No decorrer do “showcooking”, protagonizado pela “Quelha Branca”, uma empresa que se dedica à transformação da laranja em diversas iguarias doces e salgadas, Arminda Costa preparou uma compota de laranja e uma tarde de compota de laranja, uma mousse com base no mesmo citrino e, ainda, uns pequenos doces denominados “laranjinhas”, dando a conhecer aos visitantes as imensas possibilidades de transformação deste fruto.

DSC00643

Antes do “showcooking”, que contou com a presença da vereadora do Município de Amares, Cidália Abreu, uma das principais produtoras de laranja do concelho (Natália Almeida) apresentou ao público as particularidades que distinguem a laranja de Amares.

O momento serviu também para uma degustação da laranja ao natural, abrindo o apetite aos presentes a uma visita ao stand do Município de Amares que, este ano, ocupou um lugar de destaque, situando-se logo à entrada do pavilhão da exposição.

DSC00639

DSC00638

PONTE DE LIMA APOSTA NA PRODUÇÃO DE CITRINOS

Terra Incubadora de Empresas – Câmara Municipal de Ponte de Lima aprova candidatura “Produção de Citrinos e Outras Culturas Permanentes”

A Câmara Municipal de Ponte de Lima aprovou na reunião realizada a 7 de dezembro, uma candidatura ao projeto Terra Incubadora de Empresas, denominada “Produção de Citrinos e Outras Culturas Permanentes”.

vila 2003 ctr 2

O projeto Terra Incubadora de Empresas visa potenciar o surgimento de micro empresas na área da organização e promoção turística. De acordo com o regulamento deste projeto podem candidatar-se aos incentivos todas as empresas constituídas há menos de um ano ou as que venham a constituir com sede no concelho e tenham como objeto o desenvolvimento de atividades ligadas ao ambiente, agricultura, design gráfico e industrial entre outros.

Esta candidatura, da autoria de uma jovem licenciada em Arquitetura, com especialização em Planeamento e Gestão do Território, apostará no desenvolvimento de uma atividade secundária, tendo como base a produção de cogumelos Shiitake em tronco de eucalipto, em estufa e produção de citrinos em modo ecológico.

Com base na sustentabilidade ambiental e económica, o projeto aposta no desenvolvimento de culturas pouco exploradas na região e em planos fundamentais no escoamento do produto, com base no cooperativismo, na promoção e nas redes já estabelecidas ou que se preveem criar.

O promotor do projeto pretende instalar-se na freguesia de Refoios, de forma a rentabilizar um sector envelhecido abrindo novas precedências em investimentos na prática agrícola, proporcionando a integração de população ativa na freguesia e no concelho.

FORMAÇÃO SOBRE FRUTOS SILVESTRES TEM ALTERAÇÃO DE DATA

Iniciativa realiza-se no dia 12 de dezembro, entre as 10h00 e 18h00, no Estádio Cidade de Barcelos

Foi adiada para 12 de dezembro a ação de formação dirigida ao público em geral, intitulada “Frutos Silvestres”, inicialmente prevista para amanhã, dia 5 de dezembro.

Promovida pela Câmara Municipal de Barcelos, através do Pelouro do Ambiente, a iniciativa, inserida no plano anual de atividades de Educação Ambiental, decorrerá entre as 10h00 e as 18h00, no auditório do Estádio Cidade de Barcelos.

A participação é gratuita e limitada a 30 formandos. Para efetuar a inscrição, os interessados deverão enviar email com nome, morada e contacto telefónico para o seguinte endereço eletrónico: gambiente@cm-barcelos.pt.

Com esta ação, o público pode ficar a conhecer e identificar plantas arbóreas e arbustivas cujos frutos são comestíveis, a sua caraterização e modo de cultivo, como é o caso das groselhas, mirtilos, framboesas, physalis, gji, entre muitas outras.

O programa de formação inclui a apresentação geral dos frutos silvestres e sua importância, a identificação botânica e as caraterísticas de cultivo de diversas espécies, autótones e exóticas, o método de multiplicação e as respetivas aplicações e usos.

BARCELOS DÁ A CONHECER FRUTOS SILVESTRES

Formação sobre frutos silvestres no Estádio Cidade de Barcelos

A Câmara Municipal de Barcelos, através do Pelouro do Ambiente, promove na próxima sexta-feira, dia 5 de dezembro, entre as 10h00 e as 18h00, mais uma formação dirigida ao público em geral, intitulada “Frutos Silvestres”, inserida no plano anual de atividades de Educação Ambiental.

A formação decorrerá no auditório do Estádio Cidade de Barcelos e será orientada por José Pedro Fernandes. A participação é gratuita e limitada a 30 formandos. Para efetuar a inscrição, os interessados deverão enviar email com nome, morada e contacto telefónico para o seguinte endereço eletrónico: gambiente@cm-barcelos.pt.

Com esta ação, o público pode ficar a conhecer e identificar plantas arbóreas e arbustivas cujos frutos são comestíveis, a sua caraterização e modo de cultivo, como é o caso das groselhas, mirtilos, framboesas, pysalis, gji, entre muitas outras.

O programa de formação inclui a apresentação geral dos frutos silvestres e sua importância, a identificação botânica e as caraterísticas de cultivo de diversas espécies, autótones e exóticas, o método de multiplicação e as respetivas aplicações e usos.

"PRODUÇAO DE KIWIS – QUE FUTURO?" EM DEBATE NO AUDITÓRIO DO MUSEU MUNICIPAL DE CAMINHA

Sessão de esclarecimento decorre dia 10 de julho, às 14h15

“Produção de Kiwis – Que Futuro” é a temática da próxima sessão de esclarecimento relacionada com as potencialidades do setor primário. O debate vai decorrer no dia 10 de julho, pelas 14h15, no auditório do Museu Municipal de Caminha. Esta atividade dirige-se à população ligada ao setor agrícola. A participação é gratuita.

A plantação de Kiwis é considerada uma área potencial para a agricultura em Portugal. Assim, o objetivo desta sessão é dotar os participantes de conhecimentos técnicos científicos relacionados com as tecnologias de produção e dos conhecimentos práticos necessários para a correta instalação e gestão de pomares de kiwis.

Esta sessão “Produção de Kiwis – Que Futuro” apresenta três painéis: a presentação de dois casos práticos “A Cultura de Kiwis”, com o orador António Pereira Barroso, da Delegação do Alto Minho da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte; a instalação de um pomar de kiwis, a cargo de Augusto Assunção, da Direção de Serviços de Desenvolvimento Agroalimentar e Licenciamento da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e a comercialização do kiwi, pelo orador Fernão Veloso, da Frutas Douro Ao Minho

Recorda-se que o Município de Caminha está a promover sessões de esclarecimentos relacionadas com o setor primário.

PRODUÇÃO DE PEQUENOS FRUTOS EM DEBATE NO MUSEU MUNICIPAL DE CAMINHA

A sessão de esclarecimento vai decorrer no dia 29 e a participação é gratuita

O Auditório do Museu Municipal de Caminha vai acolher a sessão de esclarecimento “Produção de pequenos frutos” no dia 29 de maio, às 14h30. A sessão dirige-se a jovens empresários agrícolas, juntas de freguesia, agricultores, associações e demais instituições ligadas ao setor primário. A participação é gratuita.

O objetivo é transmitir conhecimentos técnico - científicos relacionados com as tecnologias de produção, ou seja, dotar os participantes com os conhecimentos práticos necessários à correta instalação e gestão de pomares de alguns tipos de frutos vermelhos, como são os casos dos mirtilos e das framboesas.

Esta sessão é composta por três painéis: investimentos em pequenos frutos e experiências em técnicas de produção de mirtilos e framboesas.

José Martino, representante da Espaço Visual, Consultores e Engenharia Agronómica, Lda; Tatiana Matos, da Tberries Nature Flavours e Rui Pereira da Silva, da Soft Port Farms, são os oradores convidados para esta sessão.

Esta ação é organizada pela Câmara Municipal de Caminha. Trata-se de mais uma das sessões de esclarecimento ligadas ao sector primário promovidas pelo Município.

ESPOSENDE ENSINA A COMBATER PRAGAS E DOENÇAS NAS ÁRVORES DE FRUTO

Vai realizar-se em Esposende uma ação de formação sobre "Pragas e Doenças das árvores de fruto". A iniciativa tem lugar Centro de Educação Ambiental, no dia 29 de março, entre as 14h30m e as 17h30m.

Nesta formação, a cargo do Eng.º Virgílio Peixoto, pretende-se que os formandos adquiram conhecimentos ao nível da identificação de sinais e sintomas de doenças e pragas das árvores de fruto. Serão também abordados métodos de prevenção e controlo de pragas e doenças.

As inscrições são obrigatórias até ao próximo dia 26 de março, apresentam um custo de 12 euros, e poderão ser efetuadas através do contacto de e-mail cea@esposendeambiente.pt.