Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

A VALORIZAÇÃO DO FENÓMENO DA EMIGRAÇÃO EM MELGAÇO

* Opinião de Daniel Bastos

Ao longo dos últimos anos, a vila raiana de Melgaço, sede do concelho mais a norte de Portugal, situada no distrito de Viana do Castelo, tem sabido preservar e valorizar o fenómeno da emigração, cujas marcas estão muito presentes na realidade e identidade desta região fortemente influenciada pela proximidade de Espanha e pelo rio Minho.

Daniel Bastos

Um dos aspetos singulares da preservação e valorização do fenómeno da emigração portuguesa em Melgaço é a sua ligação estratégica ao desenvolvimento da economia e do turismo no território mais setentrional do país. O fenómeno emigratório, a par da gastronomia, das paisagens e das tradições, tem contribuído decisivamente para o crescimento sustentado do concelho.

Desde logo, através do Espaço Memória e Fronteira, um núcleo museológico inserido no antigo edifício do matadouro municipal, remodelado e ampliado em 2007, que no cumprimento da sua missão preserva a história recente do concelho, relacionada com o contrabando e a emigração. Um espaço museológico, onde funciona o Gabinete de Apoio ao Emigrante, que conduz o visitante pelos diversos momentos relacionados com a emigração, como as causas, a preparação da viagem e a viagem, a chegada e vivência no país de acolhimento, sem esquecer os reflexos da emigração no território.

A valorização da temática migratória está igualmente presente nestes últimos anos no município através da realização do Filmes do Homem - Festival Internacional de Documentário de Melgaço. A iniciativa, que este ano se realiza entre 1 e 6 de agosto, organizada pela Câmara Municipal de Melgaço e pela Associação Ao Norte, tem como principal objetivo promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir com os filmes sobre a identidade, memória e fronteira, e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.

Um dos eixos principais do festival é a programação a partir de uma mostra competitiva de documentários candidatos ao prémio Jean Loup Passek. Historiador, crítico e cinéfilo francês, Jean Loup Passek (1936-2016), filmou nos anos 70 em Paris um documentário sobre a emigração portuguesa onde conheceu vários habitantes de Melgaço, começando aí uma relação que culminou em 2005 na criação do Museu de Cinema de Melgaço, e que tem por base o espólio colecionado ao longo da vida pelo antigo responsável do departamento cinematográfico do Centro Georges Pompidou.

JOSÉ VIEIRA, O CINEASTA DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Crónica de Daniel Bastos

A 11.ª edição do Lisbon & Sintra film Festival, um Festival Internacional de Cinema que se realizou entre 17 e 26 de novembro, e que se afirma como um dos maiores eventos culturais em Portugal, incluiu este ano na sua programação uma retrospetiva do realizador José Vieira, aclamado cineasta da emigração portuguesa.

José Vieira

Natural de Oliveira de Frades, uma vila da Beira Alta situada no distrito de Viseu, José Vieira partiu para França em 1965, com sete anos de idade. A sua experiência pessoal como emigrante e as muitas histórias compartilhadas com outros emigrantes em terras gaulesas, inspiraram assertivamente o percurso profissional do realizador que vive e trabalha entre Portugal e França.

Licenciado em Sociologia, José Vieira fez do documentário “uma forma de militância”, porquanto se apercebeu de que a maioria das pessoas “não conheciam a história da emigração portuguesa”, como afirmou no ano passado em entrevista à agência Lusa.

Desde a década de 1980, o cineasta lusodescendente realizou uma trintena de documentários, nomeadamente para a France 2, France 3, La Cinquième e Arte, onde tem abordado sobretudo a problemática da emigração portuguesa para França. Em particular a viagem “a salto”, ou seja, o trajeto clandestino para deixar Portugal rumo a França nos anos 60 e 70, e as condições de vida miseráveis de muitos compatriotas que nessa época habitaram nos "bidonvilles (bairros de lata) em Paris.

Na retrospetiva que lhe foi dedicada no LEFFEST2017, festival que procura reunir o que de melhor se faz no mundo da 7ª arte, estiveram em destaque oito películas suas realizadas entre 2002 e 2016. Como por exemplo, “A fotografia rasgada” (2002), onde José Vieira retrata o código da fotografia rasgada do “passador”, que guardava metade da fotografia de quem emigrava e a outra levava-a o emigrante que, uma vez chegado ao destino, a remetia à família, em sinal de que chegara bem e que poderia ser concluído o pagamento pela sua “passagem”.

Os documentários “O país aonde nunca se regressa” (2005), “Le bateau en carton” (2010) e “A ilha dos ausentes” (2016), que de certo modo descrevem a sua própria experiência de emigrante, estiveram igualmente em foco no festival, e são parte integrante do valioso trabalho cinematográfico de José Vieira sobre os protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram além-fronteiras por uma vida melhor.

VIANA DO CASTELO FESTEJA O CINEMA FRANCÊS

18ª FESTA DO CINEMA FRANCÊS - 8 DE NOVEMBRO - 21h30 - TEATRO MUNICIPAL SÁ DE MIRANDA

Informamos que os bilhetes para  a sessão das 21h30 - JEUNE FEMME de Léonor Serraille - comédia dramática, integrada na 18ª. FESTA DO CINEMA FRANCÊS  a realizar no Teatro Municipal Sá de Miranda, no próximo dia 8 de novembro –  Já se encontram  à venda.

Local de Venda :

  • Teatro Municipal Sá de Miranda:

                Segunda a sexta-feira: das 9h00 às 19h00

                Dias de espetáculo: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 22h00

                Sábado e domingos em dias de espetáculos:  2 horas antes.

NOTA : Aceitam-se reservas de bilhetes, unicamente, para o  email: tmsm@cm-viana-castelo.pt.

                       Prazo de levantamento de 24 horas, caso contrário a reserva ficará sem efeito

Classificação etária : M/12 anos

Custo do bilhete: 5€

image002

OS SOLDADOS PORTUGUESES QUE SE TORNARAM EMIGRANTES EM FRANÇA NO FINAL DA GRANDE GUERRA

Daniel Bastos

A presença da comunidade portuguesa em França, a mais numerosa das comunidades lusas na Europa e uma das principais comunidades estrangeiras estabelecidas no território gaulês, rondando um milhão de pessoas, está historicamente ligada ao processo de reconstrução francês após o fim da segunda Guerra Mundial. Reconstrução, que em parte, foi suportada por um enorme contingente de mão-de-obra portuguesa que motivada pela procura de melhores condições de vida, e nas décadas de 1960-70 pela fuga à Guerra Colonial e à repressão política do Estado Novo, encontrou nos setores da construção civil e de obras públicas da região de Paris o seu principal sustento.

Mas originariamente, a emigração portuguesa para França está ligada à participação do Corpo Expedicionário Português (CEP) na frente europeia da Grande Guerra (1914-1918), acontecimento bélico que levou para França em 1917 cerca de 55 mil portugueses para lutar nas trincheiras dos aliados britânicos contra o inimigo alemão, e do qual milhares de soldados não regressaram, optando por se tornarem emigrantes em terras gaulesas.

Ainda hoje, existem descendentes destes soldados e emigrantes lusos que preservam a sua memória e zelam o cemitério militar português de Richebourg, no norte de França, um cemitério militar exclusivamente português, que reúne um total de 1831 militares mortos na frente europeia. É o caso da nonagenária Felicia Assunção Pailleux, filha do soldado e depois emigrante João Assunção, um minhoto de Ponte da Barca, que fez parte da 2ª Divisão do CEP e que como outros compatriotas que optaram no final do conflito bélico por não regressar a Portugal, onde grassava uma profunda crise política, económica e social, fixou-se na zona onde combateu, no Norte-Pas de Calais, uma zona de minas de carvão que absorveu muita mão-de-obra.

Ao longo das últimas quatro décadas, Felicia Paileux tem sido a porta-estandarte da bandeira de Portugal nas cerimónias evocativas da Grande Guerra no cemitério de Richebourg e no monumento aos soldados lusos em La Couture, no Norte-Pas de Calais, honrando a memória do seu pai, soldado e emigrante português falecido em 1975, que muito antes da emigração maciça dos anos 60 escolheu como muitos outros antigos companheiros de armas a França para viver, trabalhar e constituir família.

Daniel Bastos

NAVIO GIL EANNES RECEBE COMUNIDADE DE SAINT MALO

No próximo dia 6 de setembro às 15h30, no Navio Gil Eannes, a Fundação Gil Eannes recebe a Comunidade de Saint Malo, a qual fará um tributo aos pescadores do arrastão português “Águas Santas” pelo resgate feito ao pescador francês Jean Baptiste, que em março de 1959 no navio francês “Colonel Pleven” caiu ao mar, precisamente no Golfo de São Lourenço, Banco da Pesca do Bacalhau na Terra Nova, mar do Atlântico Norte.

cartaz_rialidades_final2012_A3+.cdr

A tripulação do “Águas Santas” conseguiu resgatar, são e salvo, este jovem pescador francês que foi descoberto por se encontrar a flutuar em cima de um bloco de gelo.

Jean Baptiste refere “Só via o Colonel Pleven afastar-se cada vez mais de mim e eu na água … Perdi a noção do tempo … Vi depois, um outro navio, de cor preta, aproximar-se. Era o Águas Santas. Desceram um dóri do navio e vieram até mim…”

JOVENS DE BRAGAPARTICIPAM EM CAMPO DE FÉRIAS COM CLERMONT-FERRAND

Dez jovens bracarenses partiram esta semana para França, onde vão participar num Campo de Férias promovido pela cidade Clermont-Ferrand, ao abrigo da geminação que existe com o Município de Braga.

JBCF3.jpg

Para a Vereadora do Desporto e Juventude do Município de Braga, Sameiro Araújo, “proporcionar esta viagem a estes jovens é para nós, Município, uma forma de agradecimento pelo bom desempenho e dedicação ao projecto do qual saíram vencedores: a II Edição do Parlamento Concelhio, o «B3 Eco», agradecendo o seu excelente trabalho incentivando-os, ao mesmo tempo, a dar continuidade ao seu bom percurso académico. Além disso, premiar e fomentar os bons exemplos de participação e cidadania é e será sempre o nosso objectivo para com os jovens Bracarenses" referiu.

JBCF2.jpg

Neste campo de férias, que vai decorrer durante 15 dias em Sables d'Olonne, vão ainda participar jovens de Clermont-Ferrand, Regensburg, da Alemanha e Aberdeen, da Escócia. Braga estará representada pelos dez jovens da Escola EB23 de Gualtar.

O Município de Braga apoia esta viagem com os custos das deslocações destes jovens, ficando a cargo da cidade francesa todas as despesas em território gaulês.

Nos últimos anos estas duas cidades voltaram a estabelecer relações e, recentemente, esteve em Braga o Vereador francês Jerome Auslender, que convidou os jovens Bracarenses a participar no encontro anual que organizam em Sables d'Olonne, na costa do Atlântico, onde Clermont-Ferrand possui uma colónia de férias. Braga foi também convidada para integrar o leque de cidades fundadoras da Rede Internacional de Cidades Michellin, que vai iniciar a sua atividade no próximo mês de Novembro, com uma conferência internacional para discutir a sustentabilidade da gestão das cidades.

JBCF4.jpg

VIZELENSES VÃO A FRANÇA COMEMORAR ANIVERSÁRIO DA GEMINAÇÃO COM FRONTIGNAN

Comitiva Vizelense participa nas comemorações do aniversário da Geminação em Frontignan

A partir de amanhã e até ao dia 24 de julho, um grupo de nove vizelenses, oito elementos da Comissão de Festas de Vizela e um jovem estudante de Cozinha, participam nas comemorações do aniversário da Geminação em Frontigan.

JUMELAGE-FRONTIGNAN.jpg

A comitiva deslocar-se-á a Frontignan La Peyrade para um fim-de-semana de festividades, como o Festival 7Sois 7Luas, a celebração do aniversário das geminações de Frontignan com Vizela (Portugal), Gaeta (Itália), e Pineda de Mar (Espanha) e com o Festival Muscat.

Estes Vizelenses vão integrar o cortejo da geminação reproduzindo a “Vizela Romana”.

O jovem estudante de Hotelaria participará no atelier de cozinha preparando pratos tradicionalmente portugueses. Para adoçar  o evento, o nosso tradicional Bolinhol não irá faltar.

Esta será a  31ª edição do Festival Muscat que irá deliciar o paladar através de sua ampla gama de Muscats de Frontignan e o talento de seus enólogos.

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA ‘OLHAR SOBRE A MINHA VILA’ INAUGURA AMANHÃ EM CAMINHA

Mostra resulta do concurso de fotografia promovido no âmbito da geminação entre Caminha e Pontault-Combault

A partir de amanhã, o Museu Municipal de Caminha vai ter patente ao público a exposição de fotografia ‘Olhar sobre a minha vila’, promovida pelos municípios de Caminha e Pontault-Combault. A cerimónia de inauguração está agendada para amanhã, pelas 16H00.

exposição olhar sobre a minha vila.jpg

Esta exposição resulta do concurso de fotografia “Olhar sobre a minha cidade, natureza humana e urbana”, promovido no âmbito da geminação entre Caminha e Pontault-Combault, a que se juntou a Associação Portuguesa Cultural e Social (A.P.C.S.).

A mostra é composta por fotografias de ‘fotógrafos’ amadores do concelho de Caminha e da cidade de Pontault-Combault. É de referir que a maioria das fotografias a concurso são de pessoas do concelho de Caminha. Nesta exposição podemos admirar trabalhos de António Andrade; Amália Cunha; Berto Biandota; Ana Diogo; António Garrido; Mário Rocha; João Cruz; Maria Glória Correia; Jorge Meira, Nuno Pires, entre outros.

Durante a cerimónia serão revelados os vencedores do concurso. Por atribuir fica o prémio do público, que como já referimos será o público que visitar a exposição a escolher. A exposição estará patente até 11 de agosto e poderá ser visitada de terça-feira a domingo das 10H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00.

Recorde-se que Caminha é geminada com a cidade francesa de Pontault-Combault desde 1978. O Protocolo de Amizade foi assinado em França, sob a égide da "Federação Mundial das Cidades Geminadas - Cidades Unidas" que promove os laços de amizade entre os dois países, em especial entre as populações das duas vilas. A geminação tem como objetivo o desenvolvimento das relações de âmbito cultural, turístico, social e económico.

GUIMARÃES GEMINA-SE COM DIJON

SESSÃO SOLENE NO PAÇO DOS DUQUES

Geminação com Dijon formalizada em Guimarães este sábado, 24 de junho

Acordo de geminação resulta da assinatura de uma Carta de Amizade e Cooperação. Raízes históricas na base da união com a capital da Borgonha, que a UNESCO elevou a Património Mundial em 2015.

Guimaraes_Geminacao_Dijon.jpg

O Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, conclui este sábado, 24 de junho, o processo de geminação com Dijon, depois de ter assinado primeiramente o protocolo na cidade francesa onde nasceu o Conde D. Henrique, pai de D. Afonso Henriques. A cerimónia protocolar decorrerá no Paço dos Duques de Bragança, a partir das 16:30 horas, na sessão solene evocativa do 889º aniversário da Batalha de S. Mamede.

Em 2016, no dia 31 de outubro, o primeiro ato da geminação realizou-se na Salle des Etats do Município de Dijon, lotada com a presença de membros da Union Luso Française Européenne (ULFE), presidida pelo português António Costa, que sucedeu na direção a Odália Novais, promotora inicial da geminação. Capital da Borgonha, região vinhateira com uma extensão de 60 quilómetros e 600 hectares de espaços verdes, Dijon foi classificada em julho de 2015 como Património Cultural da Humanidade.

A relação de amizade e cooperação com Guimarães resulta também do interesse manifestado pela vasta comunidade portuguesa que reside nesta cidade francesa, com a particularidade de um grande número dos seus membros ser originário do concelho vimaranense. Entre os 155 mil habitantes, 10 mil são de proveniência portuguesa. A pouco menos de duas horas da capital de França, Dijon, conhecida como “Cidade de Arte e de História”, é o local onde nasceu Gustave Eiffel, engenheiro francês que participou na construção da Estátua da Liberdade em Nova Iorque e da Torre Eiffel, em Paris.

FAMALICÃO REFORÇA GEMINAÇÃO COM SAINT-FARGEAU-PONTHIERRY

Famalicão e Saint-Fargeau-Ponthierry reencontram-se

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, recebeu na terça-feira da semana passada, dia 13 de junho, o autarca de Saint-Fargeau-Ponthierry.

AFS_9374.jpg

Jerôme Guyard integrou a delegação da cidade francesa que esteve em Vila Nova de Famalicão durante três dias para conhecer a força económica e a dinâmica cultural do concelho. Um programa que permitiu viver de perto as Festas Antoninas e visitar equipamentos e instituições culturais e de ensino famalicenses.

O encontro entre Paulo Cunha e Jerôme Guyard serviu para fortalecer uma cooperação internacional de quase três décadas e teve lugar na Fundação Cupertino de Miranda.

Saint-Fargeau-Ponthierry foi a primeira cidade com a qual o Município de Vila Nova de Famalicão celebrou um acordo de geminação, em 1989, na presidência de Agostinho Fernandes.

EXECUTIVO MUNICIPAL DE AMARES VISITA FILHOS DA TERRA EM LYON

No fim-de-semana em que se assinalou o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas o presidente da Câmara Municipal de Amares, Manuel Moreira, e o vice-presidente, Isidro Araújo, estiveram de visita à cidade de Lyon, na localidade de Jassans-Riottier, onde tiveram oportunidade de contactar de perto com a comunidade em portuguesa, particularmente com os emigrantes naturais ou com ligações afetivas a Amares.

20170610_154719.jpg

Já no local, o executivo municipal de Amares foi recebido pelo presidente da Câmara Municipal de Jassans-Riottier, Jean Pierre, e pelo Conselheiro das Comunidades Portuguesas em Lyon, Cardia Lima, e pelo presidente da Associação Portuguesa de Jassans-Riottier Delfim Fernandes, que estabeleceram o elo de ligação entre os autarcas amarenses e os filhos da terra na localidade.

“O convite para esta visita surgiu do presidente da Associação Portuguesa de Jassans-Riottier que é um filho da terra e honrou-nos muito porque há nesta zona muitas pessoas naturais do concelho de Amares, sobretudo da freguesia de Rendufe”, começou por referir Manuel Moreira. 

“Foi com muito gosto que visitámos a nossa comunidade e os restantes emigrantes luso descendentes. Foi gratificante perceber que a nossa visita também lhes trouxe alguma alegria e a verdade é que nos sentimos em casa no meio de tantos portugueses e tanta gente do nosso concelho”, sublinhou o autarca, deixando uma palavra de reconhecimento a todos aqueles que saem da sua terra natal em busca de melhores condições de vida.

Esta visita, que contou ainda com a presença do presidente da Junta de Freguesia de Rendufe, contemplou um périplo por várias associações portuguesas com sede Jassans-Riottier, um tour  pelo centro histórico de Lyon e a ida ao Festival de Folclore Português de Lyon, entre outras iniciativas.

AMARENSES FORAM A LYON AO ENCONTRO DOS SEUS CONTERRÂNEOS

Uma comitiva do Concelho de Amares esteve em Jassans-Riottier (Lyon)

A comitiva do Concelho de Amares, liderada pelo Presidente Manuel Moreira, em frente à Mairie da cidade de Jassans-Riottier, nos arredores de Lyon

20170611_151357.jpg

No fim de semana do 10 e 11 de Junho 2017, a convite da Associação Cultural Desportiva Portuguesa (ACSP) de Jassans-Riottier, presidida pelo rendufense (Concelho de Amares), Delfim Fernandes, uma comitiva deslocou-se do Norte de Portugal para ir ao encontro dos amarenses que se encontram radicados nesta região de França. Fizeram parte desta deslocação o Presidente do Municipio Manuel Moreira, o Vice-Presidente Isidro Araujo e o Presidente da Junta de freguesia de Rendufe, Domingos Alves.

Este convite surgiu no âmbito do Festival Internacional de Fólclore que decorreu no domingo 11 de Junho na localidade francesa de Jassans-Riottier. Este evento é organizado anualmente pela associação portuguesa daquela localidade e estiveram presentes vários grupos fólcloricos de tradição portuguesa, presentes na região de Lyon e arredores.

Esta deslocação surge também na quadra das comemorações do 10 de Junho, dia des Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas. Assim o actual executivo minhoto do Município de Amares, pretendeu destacar a importância, o orgulho e coragem dos milhões de portugueses que compõem as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, para os municípios e territórios portugueses.

Participaram activamente na realização e organização desta deslocação os Conselheiros das Comunidades Portuguesas de Strasbourg, Rui Ribeiro Barata e o dinâmico Conselheiro das Comunidades Portuguesas de Lyon, Cardia Lima.

No sábado 10 de Junho a comitiva de Amares, acompanhada pelos Conselheiros das Comunidades Portuguesas de Lyon e de Strasbourg, pela Cônsul Geral de Portugal em Lyon e pelo Presidente da associação portuguesa de Jassans-Riottier, foram recebidos no edificio da Câmara pelo Maire de Jassans-Riottier.

No domingo 11 de Junho, a comitiva foi ao encontro de várias associações portuguesas da região de Lyon, onde há uma forte presença de portugueses naturais da Freguesia de Rendufe e do Concelho de Amares. Depois houve ainda tempo, ao inicio da tarde, antes de regressar a Portugal,  para participar na inauguração do Festival Internacional em Jassans-Riottier.

CABECEIRAS DE BASTO CELEBRA 20 ANOS DE GEMINAÇÃO COM NEUVILLE-SUR-SAONE (FRANÇA)

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, visitou no passado fim-de-semana, 27 e 28 de maio, a localidade de Neuville-sur-Saone por ocasião do 20º aniversário da geminação que Cabeceiras mantém com aquele município francês da região de Lyon.

Cabeceiras de Basto celebrou 20 anos de geminação com Neuville-sur-Saone - assinatura de novo protocolo

Para além do presidente da Câmara, integraram a comitiva de Cabeceiras de Basto o presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto, e o vereador Alfredo Magalhães. A Banda Cabeceirense deslocou-se, também, a Neuville-sur-Saone para abrilhantar a celebração dos 20 anos de geminação.

Philippe Cochet, deputado da Assembleia Nacional e Maire de Caluire et Cuire; o deputado Carlos Gonçalves; Maria de Fátima Mendes do Consulado Português e demais dirigentes associativos associaram-se também à comemoração dos 20 anos da geminação assinalada em Neuville. Nesta cerimónia esteve também presente o presidente de Câmara da localidade alemã Alpirsbach, terra com a qual Neuville está também geminada há 45 anos.

Para celebrar esta data, Francisco Alves e Valérie Glatard, presidente da Câmara de Neuville-sur-Saone, voltaram a reforçar os laços de amizade com a celebração de um novo protocolo tendo em vista o desenvolvimento de ações de cooperação e colaboração, designadamente no âmbito do intercâmbio de experiências culturais, sociais, turísticas e económicas; bem como no intercâmbio entre moradores e associações, garantindo a qualquer cidadãos a oportunidade de participar em iniciativas entre os dois municípios, no respeito pelas diferenças e num espírito de solidariedade.

Reforçar os laços de amizade e cooperação entre os dois municípios são, assim, os principais objetivos desta geminação firmada em agosto de 1997.

Na oportunidade, e depois de saudar todos os presentes, o presidente da Câmara de Cabeceiras de Basto elogiou e deixou o seu reconhecimento público a Neuville-sur-Saone pelo acolhimento que deu aos Cabeceirenses que ali têm a sua segunda casa, recordando a decisão tomada há 20 anos que levou os autarcas de então – Eng. Joaquim Barreto e o Sr. Paul Lafly – a assinar um protocolo de cooperação e amizade, “geminação que significa uma amizade sólida, um relacionamento forte, uma união duradoura que importa continuar a reforçar”, disse Francisco Alves, sublinhando que é “necessário continuar a promover e a fortalecer os laços de amizade das populações de Cabeceiras de Basto e de Neuville-sur-Saone”.

De acordo com as palavras do autarca cabeceirense, “o desafio futuro da nossa geminação deverá centrar-se, para além dos demais cidadãos, nos jovens de ambos os Municípios, proporcionando a estes a possibilidade de os apoiar a participar em projetos comuns, através da convivência e da partilha como forma de estabelecerem ligações cada vez mais coesas”.

De salientar que, durante o passado fim de semana, a Banda Cabeceirense atuou para os naturais de Neuville-sur-Saone e de Cabeceiras de Basto que se encontram radicados naquela região de Lyon. A visita a Neuville ficou, ainda, marcada por um programa cultural que integrou a realização de um festival folclórico.