Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BRAGA INAUGURA EXPOSIÇÕES DE FOTOGRAFIA

Inauguração de Exposições de fotografia, Sexta-feira e Sábado, dias 21 e 22 de Abril, Museu da Imagem e Casa dos Crivos

O Município de Braga inaugura duas exposições de fotografia que terão lugar Sexta-feira e Sábado, dias 21 e 22 de Abril, no Museu da Imagem e Casa dos Crivos.

Na Sexta-feira, pelas 18h00, o Museu da Imagem recebe a inauguração da exposição ´Braga e o Tempo”, consubstanciada a partir dos arquivos das Casas Aliança e Pelicano. A exposição estará patente até dia 3 de Junho, de Terça a Sexta, das 11h00 às 18h30, e aos Sábados e Domingos, das 14h30 às 18h30.

Já a exposição «Uma História de Confiança», com curadoria científica e artística de Nuno Coelho, será inaugurada no Sábado, dia 22 de Abril, às 17h00, na Casa dos Crivos. A exposição estará patente até 13 de Maio, de Terça a Sexta, das 09h30 às 18h30, e Segundas e Sábados das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 18h30.

BRAGA REALIZA CONCURSO DE FOTOGRAFIA

A Comissão da Semana Santa de Braga informa que as inscrições para o Concurso de Fotografia decorrem a bom ritmo, estando já completadas mais de 50% dos 250 concorrentes admitidos no Regulamento.

fotbtrag.jpg

Recordamos que a pré-inscrição no Concurso é OBRIGATÓRIA (não serão permitidos trabalhos de concorrentes que não se tenham inscrito previamente) e que o período de pré-inscrição decorre até às 23h59 do próximo dia 19 de abril. O formulário de pré-inscrição está disponível aqui.

Sobre a iniciativa

Esta é uma iniciativa que vai na sua 9ª edição, com lugar já cativo no programa cultural oficial de cada ano da Semana Santa de Braga, e que visa sensibilizar todos os amantes da fotografia para o tema em particular, e em geral para esta época tão especial da cidade de Braga, bem assim como estimular e difundir a criatividade na arte da fotografia.

PRÉMIOS

  • 1º Prémio: EOS 80D 18-55 IS STM (no valor de 1.369 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • 2º Prémio: EOS M3 18-55 STM Accessory kit (no valor de 699 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • 3º Prémio: PowerShot G9 X SL PACK (no valor de 429 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • Menções Honrosas: Assinatura digital anual do Diário do Minho + impressão gratuita de 50 fotos na FNAC *
  • Todos os concorrentes terão direito a vale de desconto de 10% em equipamentos Canon
  • Todos os premiados terão direito a Diploma de Participação

* exclusivamente para impressões em papel fotográfico até ao formato 20x30

PRINCIPAIS DATAS

  • Pré-inscrição: entre as 00h01 de 3 de abril e as 23h59 de 19 de abril de 2017
  • Submissão de trabalhos: entre as 00h01 de 21 de abril e as 23h59 de 26 de abril de 2017
  • Conferência de imprensa do anúncio de resultados: 10 de maio, 21h30, loja FNAC de Braga

Mais informações e Regulamento disponível no sítio oficial da Semana Santa de Braga.

TERRAS DE BOURO EXPÕE FOTOGRAFIAS SOBRE A SEMANA SANTA DE BRAGA

Inaugurada a exposição sobre as Solenidades da Semana Santa de Braga em Terras de Bouro

O Município de Terras de Bouro e a Junta de Freguesia de S. Vítor de Braga procederam à inauguração da exposição de fotografias da autoria do fotojornalista do “Correio do Minho”, Flávio Freitas, cujo mote é “Luzes e Cores – Procissão da Burrinha” e onde são retratadas as várias atividades que decorrem durante a Semana Santa na cidade de Braga.

terbourrr (1).JPG

A exposição conta com 50 fotografias de vários momentos e quadros da Procissão da Burrinha, onde se destaca, naturalmente, a imagem que representa a Fuga de N.ª Sr.ª para o Egipto.

A referida mostra, que foi inaugurada a 7 de abril, na presença do Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro, Dr. Joaquim Cracel, da Vereadora da Educação e Ação Social do município, Dr.ª Liliana Machado, da Vereadora da Educação e Cultura da Câmara Municipal de Braga, Dr.ª Lídia Dias e do Presidente da Junta de Freguesia de S. Vítor, Dr. Ricardo Silva, além do autor e fotojornalista, Flávio Freitas, assim como das várias entidades convidadas, irá estar patente no edifício da Câmara Municipal de Terras de Bouro e no Museu da Geira, do Núcleo Museológico de Campo do Gerês, até dia 30 de abril, no horário normal de funcionamento dos serviços.

terbourrr (2).JPG

terbourrr (3).JPG

terbourrr (4).JPG

terbourrr (5).JPG

terbourrr (6).JPG

TERRAS DE BOURO EXPÕE FOTOGRAFIAS SOBRE A SEMANA SANTA DE BRAGA

Exposição sobre Solenidades da Semana Santa de Braga

O Município de Terras de Bouro e a Junta de Freguesia de S. Vítor de Braga irão promover uma exposição de fotografias da autoria do fotojornalista do “Correio do Minho”, Flávio Freitas, cujo mote é “Luzes e Cores – Procissão da Burrinha” e onde são retratadas as várias atividades que decorrem durante a Semana Santa na cidade de Braga.

A referida mostra, que será inaugurada a 7 de abril, pelas 11 horas, irá estar patente no edifício da Câmara Municipal de Terras de Bouro e no Museu da Geira, do Núcleo Museológico de Campo do Gerês, entre os dias 7 e 30 de abril, no horário normal de funcionamento dos serviços.

ExposiçãoFlávioFreitasTerrasBouro2017_cartaz.jpg

COMISSÃO DA SEMANA SANTA DE BRAGA LANÇA 9ª EDIÇÃO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA

Foi inaugurada hoje, pelas 16h, a exposição de fotografia dos trabalhos premiados na anterior edição deste Concurso de Fotografia. A entrada é gratuita e está disponível para visita de 3 a 18 de abril, de segunda a sexta-feira, das 9h30-13h00 / 14h00-17h30 e aos sábados das 11h00-17h30. Recorda-se que esta exposição está inserida no programa oficial da Semana Santa de Braga 2017.

image001fotogbrag.jpg

Na mesma ocasião, foi lançada a 9ª edição do Concurso de Fotografia “A Semana Santa de Braga”. Esta é uma iniciativa profundamente enraizada na habitual programação cultural que a Comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa de Braga leva a efeito e aguardada com enorme expectativa.

PRINCIPAIS NOVIDADES

  • Inscrições limitadas a 250 concorrentes
  • Obrigatoriedade de inscrição prévia. O período de inscrição é entre as 00h01 de 3 de abril e as 23h59 de 19 de abril de 2017

 

DETALHES IMPORTANTES A TER EM CONTA

  • A pré-inscrição e a submissão de trabalhos é feita exclusivamente online, no sítio oficial emwww.semanasantabraga.com, em formulário próprio e único a disponibilizar com a abertura do período de pré-inscrição e do período de submissão de trabalhos (dois formulários diferentes).
  • Só serão aceites a concurso as obras dos participantes previamente e devidamente inscritos.
  • Os concorrentes devem obrigatoriamente apresentar um mínimo de 4 (quatro) e um máximo de 6 (seis) fotos a concurso;
  • As fotografias devem ser entregues em formato JPEG, resolução de 300 dpi, formato 20x30 cm., a preto e branco ou a cores;
  • O nome dos ficheiros de cada foto deve cumprir a seguinte regra: NumeroBI_01.jpg. Exemplo: 123456_01.jpg, 123456_02.jpg, 123456_03.jpg, 123456_04.jpg
  • O cumprimento destas regras deve ser da responsabilidade de cada um. A Organização não se responsabilizará por os trabalhos não cumprirem as regras e, eventualmente, não serem aceites a concurso.
  • Aconselha-se a todos a leitura atenta do Regulamento, já disponível no sítio oficial.

PRÉMIOS

  • 1º Prémio: EOS 80D 18-55 IS STM (no valor de 1.369 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • 2º Prémio: EOS M3 18-55 STM Accessory kit (no valor de 699 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • 3º Prémio: PowerShot G9 X SL PACK (no valor de 429 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho
  • Menções Honrosas: Assinatura digital anual do Diário do Minho + impressão gratuita de 50 fotos na FNAC *
  • Todos os concorrentes terão direito a vale de desconto de 10% em equipamentos Canon
  • Todos os premiados terão direito a Diploma de Participação

* exclusivamente para impressões em papel fotográfico até ao formato 20x30

PRINCIPAIS DATAS

  • Pré-inscrição: entre as 00h01 de 3 de abril e as 23h59 de 19 de abril de 2017
  • Submissão de trabalhos: entre as 00h01 de 21 de abril e as 23h59 de 26 de abril de 2017
  • Conferência de imprensa do anúncio de resultados: 10 de maio, 21h30, loja FNAC de Braga

Mais informações e Regulamento disponível no sítio oficial da Semana Santa de Braga.

BRAGA EXPÕE SOBRE A SEMANA SANTA

Braga inaugura a exposição de fotografia dos premiados da passada edição do concurso de fotografia “A Semana Santa de Braga”, segunda-feira, dia 3 de abril, pelas 16h, na Fonte do Ídolo, em Braga.

image001braggga.jpg

Na mesma ocasião será anunciado o lançamento da 9ª edição do Concurso, iniciativa da Comissão da Semana Santa de Braga, e que continua a contar com o patrocínio exclusivo da prestigiada marca Canon, com o apoio da entidade regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal e da loja FNAC de Braga, e como media partner o jornal Diário do Minho.

Sobre o Concurso

O concurso de fotografia “A Semana Santa de Braga” tem como objetivo sensibilizar todos os amantes da fotografia para o tema em particular, e em geral para esta época tão especial da cidade de Braga, bem assim como estimular e difundir a criatividade na arte da fotografia.

É uma iniciativa inserida no programa oficial da Semana Santa de Braga e que conta com um crescente aumento de participação e é todos os anos aguardada com grande expectativa, pois o nível de organização e qualidade de trabalhos é por todos reconhecido e valorizado.

ARCOS DE VALDEVEZ REALIZA WORKSHOP DE FOTOGRAFIA DE NATUREZA

A Ardal-Porta do Mezio vai proporcionar-lhe uma oportunidade única, de frequentar um Workshop de Fotografia de Natureza, no próximo dia 18 de Março. 

Cartaz_workshop_fotografia.jpg

Fotografar a Natureza e a vida selvagem, é a forma encontrada de comunhão com o mundo natural. A fotografia que realiza é o reflexo daquilo que vê, uma mistura de estilos, um equilíbrio entre si e as suas influências, uma aprendizagem constante.

O workshop irá ser realizado pelas 14h30 na Porta do Mezio e é dirigida para o público em geral.

Formador: Miguel Dantas da Gama

Dirigente (e um dos fundadores) do FAPAS, Fundo para a Proteção dos Animais Selvagens. Fundou e dirigiu a revista "Tribuna da Natureza – a vida selvagem nas quatro estações."

Co-fundador da associação ambientalista Quercus e recentemente é o representante nacional das ONGA`s (Organizações não governamentais de ambiente) no Conselho Estratégico do Parque Nacional da Peneda-Gerês e no Conselho Consultivo da Cooperação da Reserva da Biosfera Transfronteiriça Gerês-Xurês.
Desde o início do seu envolvimento no movimento ecologista (1985), tem-se concentrado no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), o espaço natural que o apaixona. Dedica-se ao estudo, à defesa e à divulgação da sua vida selvagem, suportando-se numa experiência de campo que foi acumulando ao acompanhar de perto a evolução desta área protegida.

Em centenas de intervenções públicas nos diferentes meios de comunicação social e nos vários livros publicados, tem alertado, com regularidade, para os problemas que condicionam a preservação do património natural do Parque Nacional, nomeadamente os que afetam as suas águias-reias, denunciando causas e efeitos, mas também apontando medidas e soluções inseridas numa estratégia de conservação da natureza com uma visão de longo prazo.

Autor das seguintes publicações:

- A cabra-montês do Gerês: da extinção à reintrodução

- O gato-montês: regresso ao Gerês

- O pinheiro-silvestre primitivo da Serra do Gerês

- A cabra-montês do Gerês, da extinção à reintrodução, um novo desafio

- Conservação do Parque Nacional da Peneda-Gerês, o passado e o presente, que futuro?

- Notas de campo sobre a população de falcão-peregrino do Parque Nacional da Peneda-Gerês 

- Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês 

- Uma longa caminhada com as águias-Reais da Peneda-Gerês

Detalhes do workshop:

Apresentação centrada na experiencia fotográfica de Miguel Dantas da Gama enquanto suporte de projetos que vem desenvolvendo no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Abordagens, ferramentas utilizadas, métodos praticados, motivações,…
Será uma palestra que irá incidir sobre o território do Parque Nacional da Peneda-Gerês mais pessoal mas também mais original.

Para mais informações consultar www.portadomezio.pt

TERRAS DE BOURO ORGANIZA EXPOSIÇÃO SOBRE ALDEIAS HISTÓRICAS DE PORTUGAL

Museu dos Terceiros Organiza Viagem: Aldeias e Vilas Históricas da Beira Baixa e Alto Alentejo

Integrado na já habitual Viagem Cultural, O Museu dos Terceiros promove este ano uma visita a algumas das mais singulares e representativas aldeias e vilas históricas da Beira Baixa e do Alto Alentejo. Trata-se de uma excelente oportunidade para admirar alguns pequenos núcleos urbanos raianos, ricos em património construído, sabiamente integrados na paisagem circundante. A viagem ocorrerá a 20 e 21 de maio de 2017 e será comissariada e acompanhada pelo Diretor do Museu, Prof. Carlos A. Brochado de Almeida.

viagem_mute2.jpg

O dia 21, sábado, será preenchido com a deslocação a Idanha-a-Velha, outrora cidade romana, mais tarde episcopal visigoda, hoje um museu ao ar livre, com inúmeras ruinas, um notável acervo de lápides funerárias e uma basílica catedral que é um dos templos cristãos mais antigos de toda a Península Ibérica.

Segue-se Monsanto, batizada nos anos Trinta como a “aldeia mais portuguesa de Portugal”, alcandorada, com o seu castelo, no cimo do monte, com o casario entre os penedos. Ao fim do dia, já em território espanhol, sobre o rio Tejo, poderemos contemplar a ponte romana de Alcântara, admirável peça de engenharia erguida a mando do imperador Trajano.

No dia 22, domingo, já no Alto Alentejo, a viagem prosseguirá por duas importantes localidades da região: Marvão, com o seu castelo e o Convento de Nossa Senhora da Estrela, e Castelo de Vide, vila que preserva como poucas o seu sabor medieval, com as suas ruas, edifícios, bairro judeu e sinagoga.

As inscrições, a efetuar na receção do Museu dos Terceiros, têm como prazo limite o dia 21 de abril de 2017. Para mais informações, contactar:

Museu dos Terceiros

Av. 5 de Outubro

Ponte de Lima

Tel.: 258 240 220

Email: mute.geral@museuspontedelima.com

SÉRGIO MOREIRA REVELA-NOS A BELEZA E A TRADIÇÃO DO MINHO ATRAVÉS DA FOTOGRAFIA

Sérgio Moreira é um dos mais conhecidos e conceituados fotógrafos minhotos. Natural de Santa Marta de Portuzelo, à sua terra natal dedica muito do seu labor que publica na sua página do Facebook “Imagens da minha terra - Santa Marta de Portuzelo” em https://www.facebook.com/SergioMoreiraFotografia/posts/1430601463664931?comment_id=1430677023657375&notif_t=share_reply&notif_id=1489014307781187

16473869_1414463425245193_2919154031493497612_n.jpg

A ele se devem inúmeras produções fotográficas para cartazes como os de Santa Marta de 2013, 2015, 2016. É também autor dos cartazes da Romaria da Senhora d’Agonia em 2015, de Perre em 2013 e de Serreleis em 2016.

Mas, também a beleza da mulher do Minho não escapa à sua objectiva atenta, dedicando-lhe também a página no Facebook “Beleza e Tradição”, no endereço https://www.facebook.com/belezadamulherdominho/?fref=ts

Sérgio Moreira frequentou a Academia dos Olhares, no Porto, e o Instituto Portuguesa de Fotografia. É fotógrafo da United Photo Press e trabalha na Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Esta paixão e arte é ainda partilhada com Silvia Moreira, sua esposa e companheira também nesta área da fotografia, transmitindo-lhe naturalmente a sua sensibilidade e perspectiva.

Através da fotografia, Sérgio Moreira presta uma verdadeira homenagem ao Minho e à mulher minhota, considerada a mais bela de Portugal!

14231282_1687650584888275_7769799459042858201_o.jpg

SÉRGIO MOREIRA REVELA-NOS A BELEZA E A TRADIÇÃO DO MINHO ATRAVÉS DA FOTOGRAFIA

Sérgio Moreira é um dos mais conhecidos e conceituados fotógrafos minhotos. Natural de Santa Marta de Portuzelo, à sua terra natal dedica muito do seu labor que publica na sua página do Facebook “Imagens da minha terra - Santa Marta de Portuzelo” em https://www.facebook.com/SergioMoreiraFotografia/posts/1430601463664931?comment_id=1430677023657375&notif_t=share_reply&notif_id=1489014307781187

16473869_1414463425245193_2919154031493497612_n.jpg

A ele se devem inúmeras produções fotográficas para cartazes como os de Santa Marta de 2013, 2015, 2016. É também autor dos cartazes da Romaria da Senhora d’Agonia em 2015, de Perre em 2013 e de Serreleis em 2016.

Mas, também a beleza da mulher do Minho não escapa à sua objectiva atenta, dedicando-lhe também a página no Facebook “Beleza e Tradição”, no endereço https://www.facebook.com/belezadamulherdominho/?fref=ts

Sérgio Moreira frequentou a Academia dos Olhares, no Porto, e o Instituto Portuguesa de Fotografia. É fotógrafo da United Photo Press e trabalha na Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Esta paixão e arte é ainda partilhada com Silvia Moreira, sua esposa e companheira também nesta área da fotografia, transmitindo-lhe naturalmente a sua sensibilidade e perspectiva.

Através da fotografia, Sérgio Moreira presta uma verdadeira homenagem ao Minho e à mulher minhota, considerada a mais bela de Portugal!

14231282_1687650584888275_7769799459042858201_o.jpg

DANIEL BASTOS VAI A BRUXELAS APRFESENTAR LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Historiador minhoto Daniel Bastos apresenta livro sobre a emigração portuguesa em Bruxelas

No próximo dia 24 de março (sexta-feira), é apresentado na capital da Europa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

Capa do Livro.jpg

A obra, concebida pelo historiador natural do Minho, Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos 60, é apresentado às 18h30 na Embaixada de Portugal em Bruxelas.

A apresentação do livro, uma edição bilingue em português, com prefácio do pensador e ensaísta Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu das mãos do Presidente da República a Ordem do Infante D. Henrique, e estará a cargo do editor da Orfeu, Joaquim Pinto da Silva, e da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades do Porto, Lisboa e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Segundo Daniel Bastos, atualmente docente de História no Colégio João Paulo II em Braga, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade”.

Refira-se que a sessão de apresentação incluirá ainda uma prova de vinho de Porto, um produto emblemático da cultura portuguesa, promovida pela De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho, uma empresa portuguesa sediada na Bélgica que se dedica à distribuição de produtos nacionais.

 

Contra-capa do Livro.jpg

De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho.jpg

O fotógrafo francês Gérald Bloncourt (esq.) com o historiador português Daniel Bastos.JPG

O historiador Daniel Bastos  (esq.) e o fotógrafo Gérald Bloncourt.jpg

O historiador português Daniel Bastos (esq.) e o fotógrafo francês Gérald Bloncourt.JPG

EDUARDO TEIXEIRA PINTO EXPÕE FOTOGRAFIA EM PONTE DA BARCA

O prazer de fotografar... de Eduardo Teixeira Pinto

Exposição de Fotografia, patente no átrio dos Paços do Concelho de Ponte da Barca, até ao dia 13 de março

Eduardo da Costa Teixeira Pinto nasceu em Amarante, em 1933, e começou a tirar as suas primeiras fotografias profissionais em 1950, tendo participado, a partir de 1953, em vários salões de fotografia nos cinco continentes.

P1500073.JPG

A sua vasta obra, de olhar poético sobre a realidade, fez de Eduardo Teixeira Pinto um dos melhores e mais galardoados fotógrafos portugueses do século XX. As suas fotografias abordam diversos temas, com destaque para a Natureza e a figura humana, relação que tão bem soube conciliar.

Com fotografias como «Rodopio», «Igreja de S. Gonçalo», «De Regresso», «Tema de Pintores», «Matinal» e «Quietude», entre outras, obteve inúmeros prémios em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente o Grande Prémio de Camões (1960), na época, uma das mais altas distinções a nível nacional.

Falecido em Janeiro de 2009, Eduardo Teixeira Pinto deixou um espólio fotográfico de valor incalculável.

A exposição itinerante, composta por uma coleção de 38 fotografias, premiadas a nível nacional e internacional, e que já estiveram patentes em diversos locais do país, chega, agora a Ponte da Barca e pode ser visitada até ao dia 13 de março, de segunda a sexta-feira, das 09h às 12h30 e das 14h às 17h30.

P1500050.JPG

P1500063.JPG

BRAGA REALIZA EXPOSIÇÃO DO XIII CONCURSO MUNICIPAL DE FOTOGRAFIA

Amanhã, Quarta-feira, dia 8 de Fevereiro, pelas 17h00, na Fonte do Ídolo, em Braga

O Município de Braga convida o vosso órgão de Comunicação Social a marcar presença na inauguração da exposição dos trabalhos do XIII Concurso Municipal de Fotografia, que terá lugar Amanhã, dia 8 de Fevereiro, pelas 17h00, na Fonte do Ídolo, em Braga.

A cerimónia irá contar com as presenças da vereadora Lídia Dias e do vereador Miguel Bandeira.

De referir que Rune Storetvedt foi o grande vencedor deste XIII Concurso Municipal de Fotografia, que teve como tema ‘O Património Azulejar do Centro Histórico de Braga’. O júri atribuiu menções honrosas a Gabriela Filipa Lopes Ribeiro e a Eduarda Ribeiro Vilares, renovando ainda o voto de reconhecimento e louvor à participação no concurso dos utentes do Centro D. João Novais e Sousa.

A exposição estará patente ao público até 26 de Fevereiro.

MANUEL SANTOS É O FOTÓGRAFO DA AMADORA E DO FOLCLORE

O Sr Manuel Santos é um fotógrafo bastante conhecido e estimado no concelho da Amadora onde vive e também no meio do associativismo regionalista e do folclore. Não raras as vezes, acompanha os grupos folclóricos em longas viagens a fim de lhes garantir a cobertura fotográfica, incluindo a gravação em vídeo das suas actuações, trabalho que sempre faz generosamente. Além disso, é pessoa de trato afável, com grande facilidade de fazer amigos. E, não há entidade com a qual colabore, a começar pela própria Câmara Municipal da Amadora, onde não crie laços de amizade.

unnamedManuelSantos.jpg

O Sr Manuel Santos é um dos colaboradores do BLOGUE DO MINHO o qual lhe deve excelentes reportagens fotográficas que fazem o gáudio dos seus leitores.

Mas, afinal que é o sr. Manuel Santos a quem todos estão habituados a vê-lo de máquina fotográfica em punho?

Natural de Lisboa, cedo rumou para Angola onde passou a trabalhar como funcionário do Estado Português. Em 1966, aos dezoito anos de idade, começou a fotografar e revelar fotos em laboratório. Em 1975 regressou à Metrópole, continuando na Administração Pública a trabalhar no apoio de desenvolvimento rural, constituindo algumas das áreas mais marcantes a Direcção dos Serviços de Documentação e Informação, o emparcelamento agrícola recuperação e construção de habitações em casas rurais um pouco por todo o país, pontões, açudes, caminhos rurais, estábulos, regadio tradicional, barragens e toda a sorte de equipamentos rurais.

Cobriu em fotografia numerosos eventos como feiras agrícolas em localidades como Santarém, Porto, Golegã, Alter do Chão, Macedo de Cavaleiros e o Algarve. Também figuras conhecidas do clero e políticos dos mais variados quadrantes ideológicos não escaparam à sua objectiva. Mais recentemente, ao Jardim Zoológico de Lisboa e aos animais que ali habitam também lhes dedica um especial carinho, registando os seus gestos de ternura e as suas brincadeiras.

Mas foi sobretudo o contacto com as gentes dos meios rurais que lhe fizeram despertar o gosto pelo folclore, captar o movimento das danças, o colorido dos trajes e a beleza das moças nos seus trajes garridos, das crianças e dos jovens transportando uma herança cultural para os vindouros. E, desde então, abraçou com paixão a causa da sua divulgação, da forma que melhor sabe fazer: fotografar!

14650705_559186367604089_3634786119935311897_n.jpg

EXPOSIÇÃO EM GUIMARÃES ASSINALA 15 ANOS DA CRIMINALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

“AQUI MORREU UMA MULHER”

Exposição em Guimarães assinala 15 anos desde que a violência doméstica é crime público

Biblioteca Municipal Raul Brandão recebe mostra fotográfica, que está a percorrer o país. Vimaranenses podem visitar a partir de segunda-feira.

Exposicao_Aqui_Morreu_Uma_Mulher.jpg

A Câmara Municipal de Guimarães, no âmbito do Espaço Municipal para a Igualdade, vai apresentar a exposição nacional “Aqui Morreu uma Mulher”, na Biblioteca Municipal Raul Brandão, entre os dias 23 e 30 de janeiro, em colaboração com a Associação ANIMAR, fundada em 1993, que intervém nas áreas do desenvolvimento local, economia social e solidária, educação formal e não-formal, associativismo e cidadania ativa.

Em périplo pelo país, a exposição, que pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9:30 às 18:30 horas, e ao sábado das 10 às 13 horas, assinalou os 15 anos, em 2015, desde que a violência doméstica passou a ser crime público. A mostra, cujo mote partiu da revista Visão, apresenta fotografias de locais onde ocorrem os delitos e conta histórias de mulheres que viram as suas vidas ceifadas em contexto de violência doméstica.

Durante todo o ano de 2015, os repórteres Teresa Campos e José Carlos Carvalho percorreram o país de norte a sul, depois de terem morrido 42 mulheres no ano anterior. Ouviram histórias de mulheres, novas e idosas, a vítima mais velha tinha 84 anos, a mais nova apenas 23. Estiveram em pequenas aldeias e em grandes cidades. São 28 as histórias de mulheres retratadas, que morreram às mãos de maridos e companheiros.

A exposição é uma ação conjunta da revista Visão, do Gabinete do Ministro Adjunto e da Câmara Municipal de Lisboa. A iniciativa “Roteiro Cidadania em Portugal” reproduziu esta mostra para que seja um recurso, a fim de desafiar as comunidades locais em todo o país a conhecer esta realidade.

CERVEIRA EXPÕE FOTOGRAFIA

“A Arte de Viver Cerveira”registada em fotografia

Pelo segundo ano consecutivo, o Município de Vila Nova de Cerveira, através da Loja Interativa de Turismo, desafiou sete fotógrafos cerveirenses a partilhar vivências captadas pelas suas objetivas. O tema para a exposição 2017 versa a interação humana com a paisagem. Inauguração aberta ao público está agendada para sábado, pelas 16h00.

exposição 2017.jpg

Gilberto Coutinho, João Ferreira, José Duro, José Ferreira, José Gomes, Ricardo Brigadeiro e Vitor Ferreira apresentaram cinco fotografias cada que, após um período de seleção, serão agora dadas a conhecer as três que melhor se enquadram na temática proposta “A Arte de Viver Cerveira” nas mais diversas vertentes.

A presente mostra fotográfica pretende contribuir para consolidar a ideia de que Cerveira, ‘Vila das Artes’ é uma marca que quer deixar a sua marca na memória de quem vive e de quem visita, com a promessa de que aqui as pessoas conseguem encontrar a sensação de bem-estar com o espaço que as rodeia.

No total são 21 ‘molduras de Cerveira’ que vão estar patentes, entre este sábado e o dia 31 de Março, na Galeria da Loja Interativa de Turismo.O Município cerveirense convida a população para a inauguração da exposição, às 16h00.

CAMINHA E PONTAULT-COMBAULT PROMOVEM CONCURSO DE FOTOGRAFIA

Concurso dirige-se a amadores de fotografia dos municípios de Caminha e Pontault-Combault e termina a 15 de março

Os Municípios de Caminha e Pontault-Combault, cidade francesa geminada com a vila de Caminha, e a Associação Portuguesa Cultural e Social (A.P.C.S.) estão a promover o concurso de fotografia “Olhar sobre a minha cidade, natureza humana e urbana”. O objetivo é destacar momentos, ruas, aspetos da natureza, de ambos os locais. O concurso termina a 15 de março e podem concorrer amadores de fotografia de ambos os municípios. O concurso tem duas etapas: serão selecionadas 30 fotografias, que estarão em exposição nas duas localidades e selecionadas as quatro melhores fotografias entre as 30, a quem serão atribuídos três prémios: júri, público e especial jovem.

concurso de fotografia Caminha.jpg

Caminha é geminada com a cidade francesa de Pontault-Combault desde 1978. O Protocolo de Amizade foi assinado em França, sob a égide da "Federação Mundial das Cidades Geminadas - Cidades Unidas" que promove os laços de amizade entre os dois países, em especial entre as populações das duas vilas. A geminação tem como objetivo o desenvolvimento das relações de âmbito cultural, turístico, social e económico.

O concurso de fotografia “Olhar sobre a minha cidade, natureza humana e urbana” divide-se em duas etapas. Numa primeira etapa, o júri composto por elementos das duas localidades selecionará 30 fotografias. Numa segunda etapa serão escolhidas apenas quatro entre as 30 fotografias. Todas as fotografias selecionadas farão parte de uma exposição que estará patente nas duas localidades em datas ainda a designar.

Este concurso dirige-se a todos os amadores de fotografia dos municípios de Caminha e de Pontault-Combault.  Cada participante poderá enviar até três fotografias, a cor ou a preto e branco, com ou sem efeito, em formato JPEG, com indicação do apelido e nome do autor, numerados de 1 a 3 e com título da fotografia e o concorrente deverá preencher e assinar o formulário de inscrição. As candidaturas poderão ser remetidas por correio eletrónico paraconcoursphotopontault@gmail.comou através da página na rede social Facebookhttps://www.facebook.com/Concours-PhotosPontaultCaminha, por mensagem privada. O prazo termina a 15 de março.

Serão atribuídos os prémios do júri, do público e especial jovem. O prémio do júri será o respetivo júri do concurso a escolher; o prémio do público será o público que visitar as exposições a selecionar mediante um boletim do voto e o prémio especial jovem será atribuído a um cidadão com idade inferior a 18 anos.

Os resultados serão publicados na página da internet ConcoursPhotographies, no portal da cidade de Pontault-Combault em http://www.pontault-combault.fr.

Consultar regulamento especifico em www.cm-caminha.pt

CONCURSO DE FOTOGRAFIA DE BRAGA JÁ TEM VENCEDORES

Conhecidos os vencedores do XIII Concurso Municipal de Fotografia. Trabalhos estarão em exposição na Fonte do Ídolo

Rune Storetvedt foi o grande vencedor do XIII Concurso Municipal de Fotografia, que teve como tema ‘O Património Azulejar do Centro Histórico de Braga’. Desenvolvido pelo Município de Braga, esta iniciativa visou aproximar os cidadãos do património da Cidade.

1º Prémio - Rune Storetvedt F1000017.jpg

Após analisar o trabalho dos cinquenta concorrentes, o júri decidiu, também, atribuir menções honrosas a Gabriela Filipa Lopes Ribeiro e a Eduarda Ribeiro Vilares, reconhecendo que os seus trabalhos corporizavam significativo mérito e qualidade.

Nesta edição o júri seleccionou uma foto de cada um dos trabalhos a concurso, para posteriormente integrar uma exposição pública que terá lugar na Fonte do Ídolo, em data a anunciar.

O júri entendeu também renovar o voto de reconhecimento e louvor à participação no concurso dos utentes do Centro D. João Novais e Sousa, instituição que acolhe e apoia pessoas com deficiência mental e cuja participação vem conferindo uma verdadeira dimensão social, genuinamente inclusiva, na medida em que proporciona uma experiência sociocultural em paralelo e harmonia com os demais cidadãos.

O concurso teve por base a utilização de máquinas descartáveis com flash, uma por concorrente, disponibilizadas de forma gratuita aos participantes. O período para captação de imagens iniciou-se no dia 26 de Novembro, decorrendo até ao dia seguinte.

Este concurso visou despertar o interesse e a sensibilidade dos cidadãos relativamente ao património azulejar que reveste e decora diversos edifícios do Centro Histórico da Cidade.

Menção Honrosa - Eduarda Ribeiro Vilares F1000015.jpg

Menção Honrosa - Gabriela Filipa Lopes Ribeiro F1000018.jpg

VILA VERDE REALIZA CONCURSO DE FOTOGRAFIA

Concurso de Fotografia 'A Rota das Colheitas Através das Objetivas' entra na reta final

O último fim-de-semana de novembro trouxe consigo o fim da programação Na Rota das Colheitas, mas você pode continuar a promover e divulgar a riqueza da tradição minhota e ainda se habilita a ganhar alguns prémios pelo caminho. Para isso, basta participar no Concurso de Fotografia 'A Rota das Colheitas Através das Objetivas', cujas inscrições encerram no próximo dia 15 de dezembro. Escolha as suas fotografias favoritas, recolhidas no âmbito das atividades inseridas Na Rota das Colheitas, participe e ajude-nos a eternizar em imagens o brilho do genuíno pulsar do mundo rural.

cartaz 2016vvveerd.jpg

A iniciativa, organizada pela Foto Felicidade com o apoio do Município de Vila Verde, tem como objetivo desafiar a criatividade da população, com o intuito de fomentar o desenvolvimento de hábitos culturais e competências técnicas no âmbito da fotografia. O concurso está subordinado ao tema ‘A Rota das Colheitas de Vila Verde através das objetivas’ e pretende-se que cada trabalho fotográfico revele um olhar único e original que retrate um ou vários aspetos das colheitas (atividades/pormenores da rota das Colheitas e da festa das colheitas). O vencedor do concurso leva para casa 150€, o segundo classificado 75€ e o terceiro tem direito a um vale de 35€ em impressões na Foto Felicidade.

Cada participante está limitado a um máximo de quatro fotografias a concurso, que devem ser entregues em mão ou enviadas pelos CTT (até ao dia 15 de dezembro) para a morada da organização: Foto Felicidade // Av. Prof Machado Vilela nº9 // 4730-721 Vila Verde. Os interessados podem obter mais informações junto da organização, na página narotadascolheitas.blogspot.pt ou consultando o regulamento disponível online em https://drive.google.com/file/d/0B5g7C746h3soMlZjUndZYkNsUkk/view.

VIZELA INAUGURA EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA

De 26 de novembro a 30 de dezembro: Exposição ‘No meu tempo’

A Fundação Jorge Antunes, com a parceria da Câmara Municipal de Vizela e do Rotary Clube Vizela vão inaugurar a Exposição ‘No meu tempo’, no próximo sábado, dia 26 de novembro, pelas 15h00.

no meu tempo exposição.jpg

A exposição conta com fotografias de Jorge Lima e Rui Pacheco, realizadas no âmbito do projeto com o mesmo nome, com a turma de alfabetização do Rotary Club Vizela.

A exposição estará patente até 30 de dezembro e poderá ser visitada de segunda a sexta das 9.00h às 12h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados, das 14h30 às 17h00.

Exposição ‘No meu tempo’

O tempo passa e as pessoas esquecem. A Exposição ‘No meu tempo’ convida a relembrar e a refletir sobre o passado e outra forma de viver, de comunicar, de se relacionar e de olhar o mundo. Nem sempre vivemos mergulhados em tecnologia, nem sempre comunicamos pelos ecrãs, já brincamos nas ruas e o mundo já foi bem maior do que é.

Organização: Fundação Jorge Antunes

Parceria: Câmara Municipal de Vizela, Rotary Clube Vizela

Apoio: Prescript Artes Gráficas e Publicidade

Agradecimentos: Agrupamento de Escolas de Infias - Vizela, Estela Lopes Moda, Eskada, Filasa, Pingo Doce, Sapataria Manuel Alves, Termas de Vizela, Vitalclin.

ESSÊNCIA DO SOALHEIRO CAPTADA PELAS OBJETIVAS DE AMANTES DA FOTOGRAFIA

Já são conhecidos os vencedores do concurso de fotografia “Terroir único, terroir soalheiro”

A Quinta de Soalheiro viu, através destes trabalhos, a valorização do seu terroir e por isso vai expor a partir de janeiro 2017 na adega em Melgaço as mais de 50 fotografias que estiveram a concurso.

1º Lugar Mundo de Carlos Elísio.JPG

Já são conhecidos os vencedores do concurso de fotografia “Terroir único, terroir soalheiro”, promovido pela Quinta de Soalheiro. A fotografia intitulada "Mundo" de autoria de Carlos Elísio conquistou o primeiro lugar. O 2º lugar foi atribuído à fotografia “Vassalagem à serra” de Lídia Faria. No 3ª lugar deu-se um empate técnico pelo que foram atribuir dois prémios: um à fotografia “O Segredo do Néctar” de Carolina Macedo e outro à fotografia “Contra-luz outonal” de Lídia Faria. A marca acolheu com prazer a visita dos amantes da fotografia e deixa a porta aberta para que mais apaixonados pela fotografia visitem a quinta e seu terroir. A Quinta de Soalheiro viu, através destes trabalhos, a valorização do seu terroir e por isso vai expor as mais de 50 fotografias que estiveram a concurso na Sala de Provas da adega em Melgaço. A exposição arrancará em janeiro de 2017 e ficará patente nos primeiros seis meses do ano.

O papel do júri não foi fácil,cerca de meia centena de fotografias estiveram a concurso e mostraram as belezas do terroir da sub-região de Monção e Melgaço (DO Vinho Verde), dos pormenores desta terra mãe que faz do alvarinho que ali nasce algo único. A avaliação foi feita por Manoel Batista, Presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Dr. Manuel Pinheiro, Presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes; Prof. Ana Rodrigues do Vale, Diretora da Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Anabela Trindade, fotografa "oficial" Soalheiro e Luís Cerdeira, da Quinta de Soalheiro.

2º lugar Vassalagem à serra de Lídia Faria.JPG

O concurso destinava-se a todos os fotógrafos amadores e profissionais, bem como alunos de escolas da especialidade e afins e tinha como objetivo valorizar a fotografia como forma de expressão artística, valorizar o terroir da região e a sua biodiversidade, valorizar o terroir Soalheiro, onde nasceu a primeira marca de alvarinho de Melgaço, promover a paisagem vitícola e a temática associada ao alvarinho (terra, vinha, vinificação, envelhecimento, casta, vinho, enoturismo, etc.), estimular a criatividade e contribuir para a valorização e projeção da região e da casta alvarinho.

AS DIMENSÕES DO SOALHEIRO

O Soalheiro é considerado um especialista em Alvarinho pelos líderes de opinião internacional e nacional, pelo que na sua gama de vinhos se destacam várias dimensões: o Soalheiro clássico, efetivamente um clássico e o vinho com maior presença internacional; o Soalheiro Primeiras Vinhas, uma referência nos Alvarinhos e, por quatro vezes consecutivas, considerado o Melhor Vinho Branco Português; oSoalheiro Reserva, a expressão máxima da casta alvarinho com a fermentação em barrica; os dois espumantes Soalheiro, o clássico Bruto e o Bruto Rosé; não esquecendo ainda os inovadores ALLO e o Soalheiro 9%, que se distinguem pelo teor alcoólico moderado com enorme elegância e frescura, e que procuraram explicar que o álcool moderadamente baixo também está associado a vinhos de grande qualidade; e também a Aguardente Velha, produzida com destilação tradicional a partir de bagaços selecionados da casta Alvarinho.

A Quinta de Soalheiro tem ainda na sua gama de vinhos o Soalheiro Oppaco, cujo lançamento aconteceu em 2015. O Soalheiro Oppaco, com um lote de Vinhão e Alvarinho, marcou um novo capítulo da história da primeira marca de Alvarinho em Melgaço ao apresentar o seu primeiro vinho tinto, também pioneiro por se tratar de um vinho tinto da região com lote de uvas tintas (Vinhão) e uvas brancas (Alvarinho). Em 2015, à família juntou-se ainda o Terramatter que se afirma como um Soalheiro ‘integralmente diferente’. Um Soalheiro que pode ser interpretado como um regresso às origens e que poderá ser, simultaneamente, um olhar para o futuro. O Terramatter é um vinho diferente feito com uvas biológicas.

Em maio de 2016 nasceu o Soalheiro Granit, que revela uma dimensão mais mineral da casta Alvarinho. É um Alvarinho que sai de uma seleção específica de vinhas plantadas acima dos 150 metros de altitude, revelando a mineralidade que relaciona o solo de origem granítica do ‘terroir’ de Monção e Melgaço e da casta Alvarinho, aprimorado com a batonage e o estágio nas borras finas.

3º lugar Contra-luz outonal de Lídia Faria.JPG

PRÉMIOS 2016

Em 2016, a primeira marca de Alvarinho de Melgaço recebeu vários prémios nacionais e internacionais além das referências que pode encontrar no site permanentemente atualizado e que conta todos os detalhes da história, vinhos e notícias. Uma visita a não perder em www.soalheiro.com.

  • Soalheiro Clássico e Soalheiro ALLO nas ‘Melhores Compras’pela Revista de Vinhos
  • Soalheiro Reserva 2014 recebeu prémio de Excelência: distinção máxima na gala dos "Óscares dos Vinhos" da Revista de Vinhos
  • Soalheiro Primeiras Vinhas 2014 recebeu Medalha de Ouro no Japan Women’s Wine Award “SAKURA” 2016, um concurso internacional de vinhos no Japão.
  • Soalheiro Oppaco - o novo tinto do Soalheiro foi nomeado pela revista WINE – A Essência do Vinho para os “Melhores do Ano”
  • Soalheiro Terramatter 2014 está nos “Melhores do Ano” da revista WINE – A Essência do Vinhoe nos “Melhores de Portugal da Região Vinho Verde Alvarinho” pela Revista de Vinhos
  • Soalheiro Alvarinho Primeiras Vinhas no TOP 10 Vinhos Portugueses da Revista Wine
  • Soalheiro Clássico 2015 recebeu medalha de Ouro no Mundus Vini Spring Tasting 2016
  • Soalheiro Primeiras Vinhas 2014 no TOP 50 Vinhos Portugueses(reconhecido e selecionado por 3 Master Sommeliers dos USA)
  • Soalheiro Clássico 2015 atingiu os 94 pontos Parker
  • Allo 2015 com medalha de prata no Concours Mondial de Bruxelles 2016
  • Alvarinho Soalheiro Reserva 2014 conquista medalha de prata no Concurso Vinhos de Portugal 2016
  • Soalheiro Primeiras Vinhas e Soalheiro Reserva no Top Ten 2016, na categoria melhor Vinho Branco do Norte de Portugal, pela Vinino ‘Wine Style Awards 2016’
  • Soalheiro Primeiras Vinhas com a melhor classificação no Top Ten 2016, na categoria Vinho Verde Branco, pela Vinino ‘Wine Style Awards 2016’
  • Soalheiro Clássico 2015 recebe prémio Platinium no Decanter World Wine Awards 2016
  • Revista Wine&Spirits: Soalheiro pelo segundo ano consecutivo (2015 e 2016) no top 100 das melhores adegas mundiais.

27 MERCADOS DE EXPORTAÇÃO

O vinho Soalheiro tem registado um crescimento internacional gradual e constante inclusive no mercado nacional. A presença do Soalheiro em 27 mercados contribui para que um conjunto de amantes do vinho continue a descobrir o Vinho Verde de Monção e Melgaço - A Origem do Alvarinho e o grande potencial dos Vinhos Portugueses. É de salientar que em Portugal a presença nos locais de referência tem-se feito sentir, com maior notoriedade, em estabelecimentos de restauração, garrafeiras e winebars e na exportação em estabelecimentos de restauração e lojas da especialidade nomeadamente na Alemanha, Angola, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do sul, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Letónia, Luxemburgo, Noruega, Nova Zelândia, Polónia, Suécia, Suíça, Singapura, e mais recentemente na Bulgária e na República Trindade e Tobago.

SOALHEIRO, UM REGISTO FAMILIAR

Foi nos anos 70, nomeadamente em 1974, que João António Cerdeira, com o apoio de seu pai, António Esteves Ferreira, plantou a primeira vinha de Alvarinho, criando, em 1982, a primeira marca de Alvarinho em Melgaço. A Quinta de Soalheiro tem um perfil profundamente familiar cuja dedicação aos vinhos se expressa em vinhos elegantes e vibrantes, sendo atualmente Maria Palmira Cerdeira e seus filhos, Maria João Cerdeira e António Luís Cerdeira, a orientar os trabalhos. As sucessivas gerações, com a sua experiência, têm-se empenhado em apurar os conhecimentos e a capacidade de produzir vinhos cada vez melhores. É uma ligação clara entre o passado, o presente e o futuro. As gerações trabalham lado a lado para, juntas, olharem para o futuro deste sector e desta região. Tudo têm feito para implementar as melhores tecnologias vitícolas e enológicas, de forma a potenciar a expressão dos seus “terroirs” criando várias dimensões da casta Alvarinho.

3º Lugar O Segredo do Néctar de Carolina Machado.jpg

BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL APRESENTA “VIZELA. ANOS 20”

Na próxima quinta-feira, dia 10, é apresentado em Lisboa, na Biblioteca Nacional o livro ‘Vizela. Anos 20’, O rural minhoto a par das Termas no olhar de um fotógrafo amador, de Luísa Villarinho Pereira, com fotos de seu pai, Dr. Salvador Villarinho Pereira.

‘Vizela. Anos 20’.jpg

A obra de Luísa Villarinho Pereira é apresentada na Biblioteca Nacional de Portugal por Pedro Aboim Borges, mestre e doutor em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL, investigador no IHC da mesma Faculdade com os temas de fotografia documental e edição (2ª metade do séc. XIX e 1ª metade do séc. XX).

Trata-se de um momento de grande importância para perpetuação do património imaterial do concelho de Vizela.

Devido à coincidência de horário da apresentação do livro, com a reunião de Câmara, a Autarquia far-se-á representar pela coordenadora da Biblioteca Municipal Fundação Jorge Antunes. 

Biografia De Salvador Villarinho Pereira (1879-1948) (Fonte Teatro D. Maria)

Médico ginecologista-obstetra, licenciado por Lisboa em 1906, exerceu clínica no seu consultório, em frente ao teatro da Trindade, na antiga Rua Larga de São Roque, nº 67 -1º ( mais tarde Rua do Mundo e atual Rua da Misericórdia).

Filho do guarda-livros da Mason & Barry, empresa mineira de extração e cobre, concelho de Mértola, nasceu em Corte de Pinto, Minas de São Domingos.

Exímio fotógrafo amador era neto do primeiro fotógrafo comissionado do Governo Português em Moçambique.

Texto da autoria de Luísa Villarinho

Salvador Villarinho Pereira (1879-1948), ginecologista obstectra licenciado pela Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, em 1906, com consultório e residência no Chiado lisboeta, cedo aprendera as técnicas da Fotografia, vindo a preferir os acetatos pela chapa de vidro que oferecia maior exatidão na imagem.

No início do século XX, em Lisboa foram realizados vários encontros de Fotografia. Em Junho de 1913, na Associação de Arte Photographica foi inaugurada a “Primeira Exposição de Photographia Directa das Cores”, onde Villarinho Pereira apresentou 4 autochromes. Três anos mais tarde, em Dezembro de 1916, na Sociedade Nacional de Belas Artes, participou com brometos e cyanotipia na “I Exposição Nacional de Fotografia”, ao lado do amigo Fernando Carneiro Mendes (1893-1976), com quem viria a fotografar as Termas de Vizela. As novas modalidades da Esteroscopia e da Autocromia ofereciam então apelativas opções na captação da imagem.

A Colecção Fotográfica realizada por Villarinho Pereira, nos anos de 1917-20, na modalidade de estereoscopia e alguns brometos, constitui hoje uma memória expressiva das Termas e do meio rural próximo, não faltando uma breve incursão no mundo industrial. Neste trabalho fotográfico visualizamos um amplo conhecimento técnico nos matizes da luz e na escolha dos enquadramentos, bem como rara sensibilidade poética e artística que imortalizou os mais belos recantos de Vizela. O rural, integrado no meio cosmopolita das Termas, oferecia então um deslumbrante desafio ao fotógrafo-amador.

Decorrido quase um século, esta memória fotográfica recorda a época áurea das Caldas de Vizela, ainda integradas no Concelho de Guimarães, assinalando aspectos da indústria local e os encantos do meio rural minhoto a par do luxo dos Casinos e do recreio da canoagem, no frondoso Parque das Termas de Vizela.

BRACARENSES FOTOGRAFAM AZULEJOS NO CENTRO HISTÓRICO DE BRAGA

XIII Concurso Municipal de Fotografia: Município desafia Bracarenses a fotografar património azulejar do Centro Histórico

‘O Património Azulejar do Centro Histórico de Braga’ é o tema do XIII Concurso Municipal de Fotografia, uma iniciativa organizada pelo Município de Braga que visa aproximar os Bracarenses do património da Cidade.

CNV000017 (1).jpg

O concurso tem por base a utilização de máquinas descartáveis com flash, uma por concorrente, a disponibilizar de forma gratuita a um número máximo de 50 concorrentes. A participação implica a formalização da inscrição e o pagamento de uma caução de 10€, que será devolvida, uma vez recebida a máquina de acordo com o regulamento do concurso.

As inscrições vão decorrer no Museu da Imagem entre os dias 5 a 25 de Novembro (todos os dias das 14:30 às 18:30 horas).

As máquinas poderão ser levantadas no Museu de Imagem nos dias 25 e 26 de Novembro entre as 14h30 e as 18h30. O período para captação de imagens inicia-se no dia 26 de Novembro, devendo os concorrentes entregar as respectivas máquinas no Museu da Imagem, até às 18h00 horas do dia 27 de Novembro.

Este concurso visa despertar o interesse e a sensibilidade dos cidadãos relativamente ao património azulejar que reveste e decora muitos edifícios do Centro Histórico da Cidade. Naturalmente que os elementos azulejares mais vetustos e com maior qualidade e singularidade artística e histórica poderão suscitar fotografias de grande plasticidade e sentido artístico, que gerarão um testemunho de um património que importa conhecer, fruir e salvaguardar.

Também os azulejos que decoram muitas fachadas de edifícios comuns do Centro Histórico possuem inequívoco sentido estético, sobressaindo as cores fortes que conferem ao edificado e ao espaço envolvente, um brilho e uma luminosidade ímpares. O concorrente poderá no entanto sentir o apelo e a inspiração pelo lado menos rebuscado e, por vezes, até dissonante de alguns revestimentos azulejares de fachadas de edifícios, apontando para estes a sua objectiva.

A Autarquia através do júri, para além da atribuição do primeiro prémio e menções honrosas nos termos do regulamento do concurso, seleccionará um conjunto vasto de trabalhos destinados a integrar uma exposição alusiva à presente edição a inaugurar em 2017 na Fonte do Ídolo.

O regulamento do concurso está disponível através do link https://goo.gl/RUlvlH

CNV000017.jpg

CNV000018.jpg

PEDRO CABRITA REIS INAUGURA AMANHÃ EM FAMALICÃO “RIDI PAGLIACCIO” NA ALA DA FRENTE

Exposição é inaugurada amanhã, sábado, dia 15 de outubro, pelas 18h00

“Ridi Pagliaccio”, da autoria de Pedro Cabrita Reis, é a proposta para os próximos meses da galeria de arte contemporânea Ala da Frente, em Vila Nova de Famalicão. A exposição, que será inaugurada com a presença do autor este sábado, dia 15 de outubro, pelas 18h00, vai estar patente ao público até dia 21 de janeiro.

Pedro Cabrita Reis - obras-12 (1).jpg

No total são 25 as obras que compõem esta mostra, “onde o desenho e a fotografia nos dão uma forma muito peculiar da figura de Cabrita Reis e onde somos levados a encontrar o seu universo mais particular através de uma ação plástica muito cuidada”, refere António Gonçalves, curador da Ala da Frente.

Sobre os trabalhos apresentados nesta exposição, o responsável explica ainda que “há um pretexto lançado por cada imagem fotográfica e uma resposta do desenho, da tinta, da mancha, para fazer o corpo da obra existir”.

Considerado um dos artistas mais reconhecidos da atualidade, Pedro Cabrita Reis nasceu em Lisboa em 1956, cidade onde atualmente vive e trabalha. Com reconhecimento internacional consolidado, o seu trabalho tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 80. A sua complexa obra, caracterizada por um idiossincrático discurso filosófico e poético, engloba uma grande variedade de meios: pintura, escultura, fotografia, desenho e instalações compostas de materiais encontrados e de objetos manufaturados, “com um cuidado e empenhado labor que lhe tem permitido apresentar obras de grande singularidade e de forte referência”, refere António Gonçalves. E acrescenta: “os materiais que usa e a forma como os compõe nas suas obras, provocam-nos uma atenção particular, são detentores de uma poética original”.

Conta com exposições individuais nas maiores galerias nacionais e internacionais e com obras presentes em importantes coleções - Fundação EDP, Fundação Serralves, Calouste Gulbenkian, Tate Modern - e nas maiores feiras e bienais de arte, como é o caso da Bienal de Veneza e de São Paulo.

Recorde-se que a Galeria Municipal “Ala da Frente”, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, e José Pedro Croft, com “Prova de Estado”.

FICHA TÉCNICA

Título da exposição: "Ridi Pagliaccio"

Autor: Pedro Cabrita Reis

Data: 15 de outubro de 2016 a 21 de janeiro 2017

Horário: Terça a Sexta das 10h00 às 17h30. Sábado das 14h30 às 17h30.

Encerra aos domingos e feriados.

Entrada: Gratuita

Pedro Cabrita Reis - obras-13 (1).jpg

SEM-ABRIGO DESAFIADOS A FOTOGRAFAR O PORTO RECEBEM AS MÁQUINAS DIA 17 NO DIA MUNDIAL PARA A ERRADICAÇÃO DA POBREZA E DOS SEM-ABRIGO

As 15 pessoas sem-abrigo que aceitaram o repto da Dreambooks para fotografar a cidade do Porto vão receber as suas máquinas fotográficas na próxima segunda-feira, dia 17 de outubro, às 14h30, no Instituto Português de Fotografia.

Os participantes desta iniciativa, inserida no projeto “Portugal, o Melhor Destino”, vão ainda participar num workshop ministrado por formadores do Instituto Português de Fotografia.

Depois disso, terão uma semana para a captação das imagens, finda a qual devolverão as câmaras à organização que, depois do processo de revelação das películas, irá colocar as imagens numa plataforma on-line onde as fotografias mais votadas irão integrar uma exposição no Centro Português de Fotografia.

O objetivo é a recolha de imagens que promovam a cidade do Porto enquanto destino turístico, e a primeira edição conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto, Centro Português de Fotografia e Instituto Português de Fotografia, da Fujifilm e do Olhares.

O projeto, que prevê percorrer várias cidades do país, arranca no Porto, sendo que no próximo ano poderá ser Lisboa a recebê-lo.

A organização quer conseguir um olhar diferente sobre as cidades, ao mesmo tempo que promove a integração e valorização dos participantes, assim como a recolha de fundos que irão reverter a favor de instituições com fim social.

Recorde-se que “Portugal, o Melhor Destino” envolveu milhares de fotografias enviadas por portugueses e recebeu o certificado oficial do Guinness do maior álbum fotográfico do mundo. Com 4,5 metros de altura e 8 metros de comprimento por página , incluía 10 mil fotografias que ilustravam todas as regiões de Portugal e várias expressões da portugalidade. O objetivo foi, então, promover Portugal enquanto destino turístico, e contou com Diogo Morgado como embaixador da iniciativ

A Dreambooks é especialista na produção de álbuns digitais, presentes e produtos de decoração personalizados com fotografia.

Desde 2009, é líder do setor em Portugal, tendo uma carteira de mais de 190 mil clientes na vertente consumo, cerca de 40 mil encomendas anuais e estando já presente em mais de mil lojas de fotografia a nível nacional e em várias cadeias de lojas multi-especialistas.

A marca representa cerca de 20% do negócio do grupo LFM Corporate, a que pertence, e conta já com uma forte presença internacional.

FESTIVAL SÉNIOR EM ARCOS DE VALDEVEZ EXPÕE “ROSTOS DOS NOSSOS ANCIÃOS”

No âmbito da realização da II edição do Festival sénior, foi novamente levada a cabo a exposição de fotografia “Rostos dos Nossos Anciãos”, a qual levou orgulhosamente até ao Centro de Exposições os rostos e as histórias da vida de vinte das pessoas mais idosas do concelho, uma das quais, com a maravilhosa idade de 101 anos.

senior-101.jpg

A Sra. Dolores Gonçalves, que reside em Cabreiro fez questão de comparecer acompanhada pela família. Outra arcuense com a idade de 93 anos, a Sra. Custódia Pereira Botelho, explicou num vídeo o segredo da confeção dos Rebuçados dos Arcos. Outros idosos que foram entrevistados e deram o seu testemunho de vida fizeram questão de visitar a exposição de fotografia, nomeadamente o Sr. José Barbosa, de Cabreiro, com 95 anos, o Sr. António Fernandes, de Aboim das Choças, com 91 anos, o Sr. Damião Fernandes, de Paçô, com 91 anos, a Sra. Deonilde Amorim, de Távora S. Vicente, com 94 anos e a Sra. Angelina Rodrigues, de Guilhadeses, com 92 anos. Aqueles que por razões de saúde não puderam estar presentes fizeram-se representar por familiares. 

senior-angelina.jpg

A Câmara Municipal pretende dar continuidade a este projeto, indo ao encontro dos idosos nos seus domicílios, de modo a obter através de entrevistas todas as informações que possam facultar para a ampliação da memória coletiva do concelho.

A base tecnológica para a conservação e divulgação destes testemunhos é o portal da Memoria Arcuense, o qual realiza a recolha e divulgação destes diferentes tipos de património, com incidência nas Histórias de Vida, na Memória e nas Tradições, nas fontes escritas, tais como os jornais locais, através da Hemeroteca Digital, e as publicações municipais. (http://memoriaarcuense.cmav.pt/)

Durante a realização do Festival Sénior, os momentos de animação de palco foram da responsabilidade das IPSS envolvidas, Santa Casa das Misericórdia, CSP de S. Jorge. CPS de Grade, CSP do Vale, CPS de Guilhadeses, CSP de Soajo, Cruz Vermelha  e do Lar  Idade d'Ouro que convidaram associações culturais e recreativas para ajudarem à festa, bem como do Grupo Cantares.

senior-custodia.jpg 

ARCOS DE VALDEVEZ EXPÕE "MULHERES COM HISTÓRIA"

Exposição “Mulheres com História” já se encontra patente ao público

Já se encontra patente ao público na entrada principal da Casa das Artes, a exposição Mulheres com Historia, tendo a inauguração decorrido na passada sexta-feira dia 7 de Outubro.

expo mulheres1.JPG

Esta mostra destaca alguns dos nomes que marcaram a História nacional e internacional na conquista dos direitos das Mulheres e aquelas que na atualidade são o rosto dos direitos conquistados ao longo dos tempos.

Nela poderão ser lidas as histórias de 15 mulheres com passagens de vida importantes na história nacional e mundial como a portuguesa, Maria Barroso nascida a 2 de maio de 1925, e que foi professora e atriz, destacando-se na política e na defesa de causas humanitárias; Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa a exercer o direito de voto, aquando das eleições da Assembleia Constituinte, a 28 de maio de 1911; Madre Teresa de Calcutá, natural República da Macedónia qual sempre dedicou aos mais pobres dos pobres e defendia que a paz começava com um sorriso; Katherine Wilson Sheppard, líder do movimento sufragista da Nova Zelândia, o primeiro país a permitir o direito de voto das mulheres em 1893; ou Margaret Tatcher, a primeira mulher a exercer o cargo de Primeira-Ministra no Reino Unido entre 4 de maio de 1979 e 28 de novembro de 1990.

A exposição estará patente ao público até ao próximo dia 25 de Dezembro.

expo mulheres1.png

FAMALICÃO APRESENTA RETRATOS FILMADOS DE LUCIANA FINA

Instalação da italiana Luciana Fina vai estar patente no Foyer do espaço cultural famalicense até 31 de Outubro. Um retrato em movimento para ver em “Chant Portraits”

Carla Bolito, Vera Mantero e Isabel Ruth. Três mulheres, três gerações de artistas do teatro, da dança e do cinema, em três planos de 60 minutos. São estes os retratos filmados que podem ser apreciados em “Chant Portraits”, a nova instalação em vídeo da artista italiana Luciana Fina que vai estar patente no Foyer da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão até 31 de outubro.

DSC_4006.jpg

“São sessenta minutos para um retrato em movimento. Três rostos, um longo tempo de exposição, um espaço saturado de imagem e tempo”, explica a autora.

Com o vídeo tríptico “Chant Portraits”, realizado nos “Chantiers”, espaço de criação e diálogo entre artes visuais, cinema e artes performativas do Festival “Temps d’Images”, Luciana Fina inaugurou a sua galeria de retratos filmados convocando um universo que lhe é próximo.

A instalação é de entrada gratuita e pode ser visitada entre as 18h00 e as 24h00.

Nascida em Bari, em Itália, Luciana Fina vive em Lisboa desde 1991. Estudou Literatura Francesa e Portuguesa e é programadora de cinema, em Itália e Portugal, onde colabora, principalmente, com a Cinemateca Portuguesa. Em 1998 realizou o seu primeiro filme documentário. Desde então, diversificando estratégias de criação e utilizando diversos media, o seu trabalho migra frequentemente do cinema para as artes visuais e gráficas, focando temas de eleição como o interculturalismo e a relação entre o cinema e as outras artes. Produziu várias instalações e documentários.

Mais informações no site oficial da Casa das Artes de Famalicão, em www.casadasartes.org

GUIMARÃES EXPÕE ROSTOS DOS CIDADÃOS

ATÉ AO DIA 18 DE NOVEMBRO

Exposição na Câmara de Guimarães com rostos de cidadãos conta histórias de vida

Mais de três dezenas de fotografias retratam cidadãos anónimos. Mostra pode ser observada de segunda a sexta-feira.

Guimaraes_Exposicao_Tracos_Rugas.JPG

O Claustro da Câmara Municipal de Guimarães recebe até ao dia 18 de novembro a exposição “Traços e Rugas. Retratos”, de Leonardo Vilela. Trata-se de uma mostra com 35 fotografias captadas numa tarde de outubro de 2012, quando o autor andava pelas ruas da cidade de Guimarães a fotografar, e sem nenhuma intenção, captou um momento único de um senhor de idade avançada com uma expressão fabulosa.

Ao publicar nas redes sociais, o volume de reações positivas, com várias pessoas a comentar que se lembraram dos avós que faleceram, que fazia muito tempo que não viam entes próximos e que a fotografia fez com que pensassem em todas essas situações, acabou por resultar na continuidade de um processo, tendo dado origem a esta exposição, que pode ser visitada diariamente na Câmara Municipal, de segunda a sexta-feira, das 09 às 19 horas.

Nascido a 6 de setembro de 1993, em Formiga, pequena localidade do sudeste brasileiro no estado de Minas Gerais, Leonardo Vilela, pouco antes de completar 19 anos, decidiu arriscar uma carreira fotográfica do lado de cá do Oceano Atlântico, após ter feito vários estudos e projetos de fotografia no Brasil. «Fotografar um rosto bonito é fotografar um rosto bonito, mas fotografar um rosto com rugas é fotografar uma história…», diz frequentemente o autor, citando o seu pai Arlindo Rotundo, também fotógrafo.

BRAGA APRESENTA EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA SOBRE MANIFESTAÇÃO CULTURAL NO PERÚ

Exposição fotográfica dá a conhecer manifestação popular e religiosa do Peru. Iniciativa insere-se na Capital Ibero-Americana da Juventude

Foi inaugurada hoje, dia 26 de Setembro, a exposição «Taytacha Qoyllurit’i - Peregrinação Sagrada», da autoria do fotógrafo Bracarense Manuel Correia. Patente nas Ruas Dr. Justino Cruz e Francisco Sanches, em Braga, a exposição, inserida na programação da Capital Ibero-Americana da Juventude, retracta a incrível manifestação popular e religiosa que se verifica durante a peregrinação ao Senhor de Qoyllurit'i, no Peru.

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002534.jpg

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, é com ´enorme satisfação´ que o Município acolhe esta iniciativa que, ao promover o diálogo intercultural, se enquadra num dos eixos fundamentais assumimos no âmbito do programa da Capital Ibero-Americana. “É um privilégio podermos presenciar este momento de partilha cultural pela câmara de um fotógrafo Bracarense. Desta forma conseguimos trazer a Braga realidades específicas de um país que integra o espaço Ibero-Americano e, ao mesmo tempo, promover o trabalho de um talento do Concelho que é já uma referência na sua área de actuação”, afirmou.

Como sublinhou o Autarca, ´potenciar´ a dimensão social e cultural é fundamental para concretizar os objectivos da Capital. “Para lá da dimensão económica, à qual dedicamos muitos esforços, há outros aspectos importantes naquela que deve ser a acção do Município e que conduzem ao desenvolvimento de parcerias à escala internacional”, referiu.

A iniciativa contou também com a presença da Embaixadora do Peru em Portugal, Lissette Nalvarte. A mostra estará patente ao público de 26 de Setembro a 23 de Outubro.

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002538.jpg

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002543.jpg

VIANA DO CASTELO DEBATE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Na passada sexta-feira (16 de setembro), a Biblioteca Municipal de Viana de Castelo, acolheu um colóquio dedicado às “Perceções sobre a Emigração Portuguesa”.

Biblioteca Municipal de Viana do Castelo ( Da esq. para a dir -José Luís Carvalho, Daniel Bastos, Paulo Pisco, José Maria Costa, Gérald Bloncourt, Rui Pena Pires e Pedro Góis).JPG

A contar da esquerda, José Luís Carvalho, Daniel Bastos, Paulo Pisco, José Maria Costa, Gérald Bonclourt, Rui Pedro Pires e Pedro Góis

 

O evento, que recebeu figuras nacionais para debater a emigração portuguesa, foi promovido pelo deputado eleito pela emigração, Paulo Pisco, em colaboração com o Município de Viana do Castelo, e teve como principal objetivo debater o olhar sobre Portugal de quem vive fora e como são vistos os portugueses residentes no estrangeiro.

Dividido em dois painéis moderados pelo deputado Paulo Pisco, a abertura do colóquio comportou a presença de José Luís Carneiro, Secretário de Estado das Comunidades, e de José Maria Costa, autarca de Viana do Castelo, assim como de historiadores e especialistas, para além do jornalista e fotógrafo Gérald Bloncourt, que teve presente na iniciativa uma exposição evocativa da história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960 e que está na base da conceção e realização do livro “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

No primeiro painel, subordinado à temática “Como são vistos os portugueses residentes no estrangeiro”, intervieram o Presidente do Observatório da Emigração, Rui Pena Pires, que analisou a evolução e as caraterísticas da emigração e das comunidades portuguesas; o historiador Daniel Bastos, que destacou o papel da comunidade portuguesa de Toronto no Canadá, e o investigador da Universidade de Coimbra, Pedro Góis, que abordou a nova emigração e a relação com a sociedade portuguesa.

No segundo painel, subordinado à temática “Olhar sobre Portugal de quem vive fora”, intervieram o fotógrafo Gérald Bloncourt que recordou a sua ligação emblemática à emigração portuguesa para França, o empresário Carlos de Matos, que reviveu o seu percurso de vida desde a viagem a “salto” que empreendeu para França no final da década de 60 até ao sucesso no mundo dos negócios, e o dirigente associativo em Andorra, José Luís Carvalho, que expôs os anseios e desafios da comunidade portuguesa no Principado de Andorra.

CONCURSO E EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA “UM OLHAR SOBRE CAMINHA” INTEGRA COMEMORAÇÕES DO DIA MUNDIAL DO TURISMO

Município de Caminha promove concurso de fotografia

“Um Olhar sobre Caminha” é o tema do concurso e exposição fotográfica que a Câmara vai promover no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se assinala a 27 deste mês.O concurso tem como objetivo divulgar os pontos de interesse turístico do concelho de Caminha e a inscrição deverá ser apresentada a título individual, através de preenchimento de formulário próprio. Os interessados devem inscrever-se com o máximo de três fotografias de locais do concelho de Caminha, da sua autoria, até ao dia 20 de setembro.

No Dia Mundial do Turismo são muitas as ofertas de que se poderá usufruir num concelho com mar, rio, serra, história e património. Entre elas um tour gratuito pelo concelho; concurso e exposição fotográfica; alojamentos turísticos aderentes abertos ao público para visita; surpresas nos restaurantes e alojamentos turísticos aderentes; visitas gratuitas à Torre do Relógio e passagem gratuita no ferry boat.

Sobre todas estas ofertas será divulgada a correspondente informação, bastando para isso que os interessados fiquem atentos ao sítio do Município de Caminha na Internet e à página oficial de Facebook. Relativamente ao concurso e exposição fotográfica - “Um Olhar sobre Caminha” - a inscrição terá de ser realizada através de formulário próprio, até 20 de setembro, que se encontra online, assim como as respetivas Normas de Participação, que deverão ser consultadas também. As imagens serão colocadas online no dia 27 de setembro e estarão a votação através da rede social Facebook em https://www.facebook.com/caminhamun/ até ao dia 01 de outubro.

As três fotografias mais votadas serão premiadas com: 1º – 1 Livro (edição do Município) + 1 noite p/ duas pessoas na Casa da Eira, Moledo (Turismo em Espaço Rural); 2º - 1 Livro (edição do Município) + 1 jantar para duas pessoas na Tasca da Quintinha – Quintinha d’Arga, Dem; 3º - 1 Livro (edição do Município) + 1 Descida do Rio Coura em Kayak para duas pessoas, pela MinhAventura.

As vinte fotografias mais votadas integrarão a Exposição Fotográfica “Um Olhar sobre Caminha”, patente ao público na Biblioteca Municipal de Caminha, de 08 a 22 de outubro. A inauguração decorrerá às 18 horas, com a entrega dos respetivos prémios.

BRAGA REALIZA ENCONTROS DE FOTOGRAFIA

26ª Edição dos Encontros da Imagem propõe reflexão sobre a Felicidade. Iniciativa decorre de 20 de Setembro a 5 de Novembro
De 20 de Setembro a 5 de Novembro, a 26ª edição dos Encontros da Imagem traz a Braga o melhor da fotografia contemporânea nacional e internacional. Mais de 200 fotógrafos, em 15 espaços da cidade de Braga - desde os mais tradicionais como o Museu da Imagem e a Casa dos Crivos, até espaços ocupados de forma alternativa, como é o caso da Casa Esperança - questionam a Felicidade e como a procuramos nas sociedades contemporâneas.

bragafot (1).jpg

Como afirmou Ricardo Rio, presidente da Camara Municipal de Braga, durante a apresentação do festival, que decorreu hoje, dia 8 de Setembro, na Casa Esperança, os encontros da Imagem são uma ´referência incontornável´ no calendário cultural da Cidade e a nível nacional. “É com agrado que verificamos que a iniciativa tem agregado novas parcerias e fortalecido as já existentes, atraindo vários talentos à Cidade. Esta edição volta a ter um cartaz extremamente interessante, misturando artistas e talentos emergentes que despertam o interesse do público nos múltiplos espaços onde se alojam durante este mês e meio. O festival ainda uma forma de responder aos anseios das pessoas, oferecendo-lhes propostas culturais eclécticas”, disse.

O evento propõe então um debate e reflexão sobre o tema da Felicidade utilizando a fotografia. Sob o mote da procura de Um Lugar ao Sol, afinal o que é a Felicidade nas nossas sociedades contemporâneas que parecem cada vez mais caóticas e desgovernadas? É a esta questão que se procura resposta.
Memória, Mudança e Revelações estão também entre os temas desta edição, que ajudam a conhecer os múltiplos caminhos da felicidade através das diversas visões de fotógrafos internacionalmente reconhecidos que, numa sinergia entre artistas, curadores, críticos e estudiosos, exploram posições artísticas contemporâneas que geram estratégias e poéticas visuais muito vincadas, procurando questionar os quadrantes e limites da Fotografia e abordar temas como guerra, riqueza vs. pobreza, ficção e memória.
Nesta odisseia pela procura de Um Lugar ao Sol, revela-se uma edição que torna Braga a “Capital da Fotografia”. A “semana de arranque” Opening Solar Week, que decorre entre 20 e 25 de Setembro, oferece um intenso programa de actividades desde exposições, workshops, conferências, leitura de portfolios, concertos, photobook markets, um simpósio internacional, concertos e muitas festas.

bragafot (2).jpg

bragafot (3).jpg

bragafot (4).jpg

bragafot (5).jpg

BRAGA REALIZA ENCONTROS DE IMAGEM

O Município de Braga apresenta amanhã os Encontros da Imagem 2016,  pelas 15h30, na Casa Esperança, rua dos Janes 7-13, Braga.

A 26ª edição dos Encontros da Imagem decorre de 20 de Setembro a 5 de Novembro e conta com mais de 200 artistas de vários quadrantes da Fotografia, vindos de todo o mundo.

Na apresentação do programa da nova edição do único Festival na área das Artes Visuais em Portugal e um dos mais antigos da Europa, dedicada inteiramente à Felicidade, estará presente o Presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, Ângela Ferreira, presidente da direcção dos Encontros da Imagem, a Presidente do Conselho Cultural da Universidade do Minho, Eduarda Keating, e Pedro Leão Neto, coordenador da Scopio Editions, um sucessor da família Esperança, bem como artistas e parceiros desta edição.

“BRAGA DE ARTUR PASTOR”CONQUISTA BRACARENSES

Mostra é a mais visitada dos espaços municipais em 2016

A mostra fotográfica intitulada “Braga de Artur Pastor”, patente ao público simultaneamente na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem, já foi visitada por quase quatro mil pessoas, confirmando-se como a exposição mais visitada de ambos os espaços municipais.

SAM_6371.jpg

Esta iniciativa, que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Braga e o Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa, abriu ao público no passado dia 3 de agosto e decorre até ao próximo sábado, 10 de setembro. Inicialmente com data de encerramento prevista para o dia 17 de setembro, viu a mesma ser antecipada uma semana em virtude da realização dos Encontros da Imagem.

Esta exposição, que apresenta um retrato da cidade de Braga entre as décadas de 1950 e 1960, resulta de uma seleção de fotos de Artur Pastor, falecido há 17 anos e um dos mais significativos nomes da fotografia do século XX em Portugal.

Este devotado funcionário da Direção Geral dos Serviços Agrícolas, dedicou grande parte da sua vida a fotografar as gentes que trabalhavam os campos, bem como as suas técnicas de cultivo e as sementes que utilizavam no seu labor. Com a sua rolleiflex percorreu quase todos os recantos de Portugal, legando aos vindouros uma exaustiva e significativa obra fotográfica.

Chamado à Capital do Minho no âmbito da sua missão como regente agrícola fotógrafo, acabou por conhecer a sua futura esposa. As visitas a Braga suceder-se-iam, particularmente nas décadas de 1950 e 1960, período no qual pôde retratar a fisionomia e a alma bracarense.

No seu espólio integram-se dois álbuns inteiramente dedicados à cidade de Braga, totalizando mais de seis centenas de fotografias.

SAM_6414.jpg

GÉRALD BLONCLOURT APRESENTA NO PORTO LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 20 de agosto, foi apresentado na cidade do Porto o livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

blonc (12).JPG

A obra, concebida e realizada pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, e prefaciada pelo pensador Eduardo Lourenço, foi apresentada no Fórum da Fnac Santa Catarina, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França.

A sessão de apresentação esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade, do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, e da presidente do Observatório dos Luso-Descendentes, Emmanuelle Afonso, que asseguraram que as memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais que compõem o livro constituem um valioso contributo para a história portuguesa do último meio século. 

blonc (13).JPG

No decurso da iniciativa, o nonagenário fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, recordou os laços que estabeleceu com os portugueses nos anos 60 e 70, e a viagem que realizou a Portugal durante a ditadura de Salazar, agradeceu emocionado a todos que apoiaram este livro que convida à memória da epopeia da emigração.

A sessão de apresentação na cidade Invicta incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público no Fórum da Fnac Santa Catarina.

Refira-se que durante a sua estadia no Norte de Portugal, o fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, marcou igualmente presença em sessões de lançamento deste livro bilingue traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que decorreram na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto (12 de agosto), e no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves (14 de agosto).

blonc.JPG

blonc (2).JPG

blonc (3).JPG

blonc (4).JPG

blonc (5).JPG

blonc (6).JPG

blonc (7).JPG

blonc (8).JPG

blonc (9).JPG

blonc (10).JPG

blonc (11).JPG

CELORICO DE BASTO RECEBE “O OLHAR DO COMPROMISSO” DE GÉRALD BLONCLOURT

No âmbito das cerimónias dos 10 anos de Geminação entre Celorico de Basto e Houilles, o Centro Cultural da Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu o fotojornalista, Gérald Bloncourt, que apresentou, no dia 12 de agosto, o livro “o Olhar de Compromisso” com os filhos dos grandes descobridores, um dos mais conceituados livros do género que retratam a emigração portuguesa dos anos 50, 60 e 70.

_DSC5631.jpg

Foi numa cerimónia intimista que o fotojornalista mostrou “o seu olhar” sobre o percurso de muitos emigrantes portugueses, num livro escrito por Daniel Bastos e traduzido por Paulo Teixeira.

O presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, marcou presença na cerimónia de apresentação do livro e referiu tratar-se de uma pequena homenagem a um grande fotojornalista. “Esta é uma pequena homenagem feita a um grande fotojornalista que retratou a emigração ao longo de muitos anos a esta parte. Estes retratos expostos nesta exposição são demonstrativos do trabalho feito ao longo dos anos, um testemunho vivo da adaptação dos emigrantes à terra que os acolheu, a forma como fizeram o percurso, o local de onde vinham. Um trabalho cheio de história, memória e muita emoção, que retrata momentos que fizeram parte da nossa realidade e que enriquece a história de Portugal” disse.

_DSC5591.jpg

Gérald Bloncourt nasceu no Haiti em 1926, tendo vivido parte da sua vida em Houilles, arredores de Paris, local onde descobriu a emigração e os Portugueses. Agora, com 90 anos diz que “cada vez que venho Portugal encontro a mesma emoção no povo português. Conheci este povo e fiquei a admirá-lo, pela sua coragem, pelo trabalho, são capazes de fazer tudo. Mas queria saber mais desta gente que chegava a França, de onde vinha, o que os movia, e decidi visitar este país, então vim a Portugal, fiquei fascinado com Lisboa, com o Porto, e esta minha curiosidade fez de mim fotojornalista. Não há nada mais objetivo que a fotografia” destacou. Gérald Bloncourt diz receber muitas mensagens de gente retratada nas fotografias, “tenho que felicitar as pessoas que estão nas imagens, pela coragem, um povo que eu estimo de todo o coração”.

Durante as várias intervenções, o livro de Gérald Bloncourt foi mencionado como um documento histórico. Paulo Teixeira referiu mesmo que se resume em 3 palavras, memória, gratidão e emigração. Segundo Daniel Bastos este livro pertence a uma personalidade que “enriquece a história de Portugal, com um percurso de vida e olhar humanista dos nossos emigrantes. Gérald Bloncourt retratou a história da emigração, esteve em Portugal aquando do 25 de Abril e retratou este momento histórico de forma única tendo vivido histórias muito particulares sobretudo no que concerne ao transporte das fotografias, uma personalidade ímpar”.

Também Maria Beatriz Rocha Trindade, Professora catedrática que estuda sobre a emigração, que descobriu a emigração quando esteve em Paris, destacou nesta cerimónia o facto do “poder político nacional ter verificado que os portugueses estão em todo o mundo, daí a decisão de modificar o dia de Portugal para o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”. Portugal exalta-se pelo mundo pela sua história, “agora mais rica com este livro”.

Uma cerimónia que terminou com a venda do livro “o Olhar de Compromisso” seguida de uma sessão de autógrafos do fotojornalista Gérald Bloncourt. 

Todos os presentes na sessão puderam ver algumas das fotografias de Gérald Bloncourt, em Exposição no Centro Cultural até ao fim do mês de agosto, mediante solicitação nos serviços da Biblioteca Municipal de Celorico de Basto.

 

_DSC5511.jpg

GÉRALD BLONCOURT VISITA FAFE

Presidente da Câmara de Fafe recebeu o conceituado fotógrafo

O conceituado fotógrafo Gérald Bloncourt visitou, ontem, o Museu das Migrações e das Comunidades, em Fafe, criado pela Câmara Municipal, como plataforma virtual, em 12 de Julho de 2001.

DSC_0013.JPG

Conhecido por fotografar os bairros de lata franceses conhecidos como "bidonvilles", Gérald Bloncourt, que ofereceu parte do espólio ao Museu fafense, “achou que podia contribuir com o seu trabalho fotográfico”, demonstrando disponibilidade para continuar a colaborar com o Museu.

A comitiva foi recebida pelo Presidente da Câmara de Fafe, Raul Cunha, no edifício do Arquivo Municipal, agradecendo a presença de Gérald Bloncourt e a sua colaboração.

Fafe é uma terra de emigrantes, o que caracteriza, muito, o carácter do nosso povo – a sua vontade de viver melhor, de não contentar-se com o dia-a-dia. Foi daqui que nasceu a ideia de se criar um museu, que se pretende diferente e que se celebra esta característica que nos define. A oferta do espólio fotográfico do Sr. Bloncourt ao Museu foi uma das razões que nos permitiram avançar com este projecto.”

O Museu contou, desde sempre, com o apoio científico da Professora Doutora Maria Beatriz Rocha Trindade, especialista na temática das migrações, que também esteve presente na visita ao espaço.

DSC_0036.JPG

DSC_0038.JPG

DSC_0052.JPG

DSC_0061.JPG

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA DE LUÍS PASTOR MOSTRA BRAGA DE OUTROS TEMPOS

Fotografias patentes na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem

O Município de Braga inaugurou hoje, dia 3 de Agosto, a exposição ‘Braga de Artur Pastor’, uma mostra fotográfica constituída por 84 fotografias da Cidade de Braga, provenientes do Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa. Esta é a primeira vez que o espólio de Artur Pastor (1922-1999) é apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001458.jpg

Parte do conjunto fotográfico que foi conseguindo ao longo da sua vida é composto por fotografias únicas de pessoas e locais da Cidade que são dadas a conhecer através de dois polos: na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem. Na Casa dos Crivos está patente ‘A Alma e as Gentes’, enquanto o Museu da imagem acolherá ‘Os Lugares da Memória’.

Nesta transposição para o passado, o visitante é desafiado a viajar pela Braga de outros tempos e mergulhar no quotidiano da Cidade do século passado.

A exposição vai estar patente ao público até 17 de Setembro, podendo ser visitada na Casa dos Crivos, às segundas e sábados, das 09h30 às 12h30 e das 13h30 às 18h30, e de terça a sexta-feira, das 09h30 às 18h30; e no Museu da Imagem de terça a sexta, das 11h00 às 19h00 e sábado e domingo, das 14h30 às 18h30. A entrada é livre.

De referir que esta é uma iniciativa da Câmara Municipal de Braga, em parceria com o Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa, instituição à qual pertence o espólio do fotógrafo. 

Artur Arsénio Bento Pastor, falecido há 17 anos, é um dos mais significativos nomes da fotografia do século XX em Portugal. Devotado funcionário da Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, dedicou grande parte da sua vida a fotografar as gentes que trabalhavam os campos, bem como as suas técnicas de cultivo e as sementes que utilizavam no seu labor. Com a suarolleiflex percorreu quase todos os recantos de Portugal, legando aos vindouros uma exaustiva e significativa obra fotográfica.

Mas foi na cidade de Braga que Artur Pastor se apaixonou, não apenas pelos encantos que brotam dos seus edifícios históricos como também por Rosalina, uma professora primária natural de Braga que viria a tornar-se sua esposa em 1953.

Em Junho de 1955, participou no I Salão Nacional de Arte Fotográfica, realizado no Theatro Circo pelo Club de Cinema de Braga em parceria com a Câmara Municipal de Braga e a Comissão de Festas de São João. Antes disso, em 1953, participou no Salão de Arte Fotográfica promovido pela Confraria do Bom Jesus do Monte, no qual recebeu uma menção honrosa pelos trabalhos desenvolvidos no Posto Experimental de Montalegre.

É de assinalar ainda a sua colaboração com o Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga, liderado pelo vereador Sérgio da Silva Pinto, particularmente na edição do “Guia de Braga”, ocorrida em 1959, e que contou com a participação de Artur Pastor na fotografia. Foi na sequência desta encomenda que realizou uma exaustiva reportagem fotográfica da Cidade, contando com uma parceria com a Casa Arcelino, que acabou por ser responsável pela impressão das fotos.

No seu espólio integram-se dois álbuns inteiramente dedicados à cidade de Braga, totalizando mais de seis centenas de fotografias.

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001459.jpg

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001465.jpg

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001468.jpg

BRAGA EXPÕE FOTOGRAFIAS DE ARTUR PASTOR

Inauguração da exposição ‘Braga de Artur Pastor’. Amanhã, 3 de Agosto, pelas 17h00, no Museu da Imagem, em Braga

O Município de Braga inaugura a exposição ‘Braga de Artur Pastor’ em cerimónia que terá lugar amanhã, dia 3 de Agosto, pelas 17h00, no Museu da Imagem, em Braga.

Artur Pastor.jpg

A iniciativa contará com a presença da Vereadora da Cultura, Lídia Dias.

A exposição estará dividida em dois polos. No Museu da Imagem será possível ver ‘Os Lugares da Memória’, enquanto na Casa dos Crivos estará ‘A Alma e as Gentes’. Esta é a primeira vez que o espólio de Artur Pastor (1922-1999) será apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

A exposição vai estar patente ao público até 17 de Setembro, podendo ser visitada na Casa dos Crivos, às segundas e sábados, das 09h30 às 12h30 e das 13h30 às 18h30, e de terça a sexta-feira, das 09h30 às 18h30; e no Museu da Imagem de terça a sexta, das 11h00 às 19h00 e sábado e domingo, das 14h30 às 18h30. A entrada é livre.

ARCOS DE VALDEVEZ EXPÕE FOTOGRAFIA NA PRAIA DA VALETA

Exposição Fotográfica “Biodiversidade do Vez” na Praia da valeta

A praia da Valeta foi o local escolhido para receber uma mostra fotográficas da professora Bernardete Amorim.

exposicao_biodiversidade-do-vez (1).jpg

Porque se assume como amante da Natureza e de todo o concelho, em 2007 começou a registar, em fotos e amadoramente, os locais por onde passava, com uma pequena máquina digital.

Conforme afirma, como equipamento “usa quase exclusivamente uma Sony DSC H400 por ser leve, por poder andar sempre consigo e por lhe permitir conseguir fotografar aves” e para outras fotos utiliza “por vezes a Nikon D40 com objetiva 15-200”.

Bernardete Amorim explica que sempre que tinha oportunidade fazia projetos com os seus alunos sobre o Rio Vez. Mesmo não sendo da sua área, incluiu sempre a Biodiversidade como tema a tratar, por ser um assunto que a motivava e, em seu entender, ser importante para a formação dos jovens. Assim foram crescendo os registos sobre fauna e flora do Vez até que, em Dezembro de 2015, decidiu criar uma página na rede social Facebook, para que os mesmos pudessem ficar disponíveis para os possíveis interessados.

De referir que a maioria dos registos, até ao momento, foi obtida na sede do concelho, nos seus passeios junto ao Rio Vez. Autora continua a fotografar usando a sensibilidade, o sentido de oportunidade e a paciência.

Esta exposição está patente ao público na praia da valeta até ao fim do mês de Setembro.

Fotos: Bernardete Amorim

exposicao_biodiversidade-do-vez (8).jpg

exposicao_biodiversidade-do-vez (9).jpg

GÉRALD BLONCOURT APRESENTA EM PORTUGAL O OLHAR DE COMPROMISSO COM FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES

No próximo mês de agosto, o Norte de Portugal vai ser placo privilegiado de sessões de apresentação da obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

- Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos   (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.).jpg

O livro, concebido pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado no dia 6 de agosto às 17h30 na Galeria de Artes e Ofícios de Amares; no dia 12 de agosto às 19h00 na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto; no dia 14 de agosto às 17h00 no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves; e no dia 20 de agosto às 17h30 na FNAC Santa Catarina no Porto.

Com exceção da sessão no concelho de Amares, a apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se que esta obra que é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, desde o seu lançamento oficial no início deste ano, foi já apresentada junto das comunidades portuguesas em Paris, Luxemburgo e Toronto. Sendo que a sessão de apresentação no Porto, no dia 20 de agosto, incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Capa do Livro.jpg

Contra-capa do Livro.jpg

ARQUITETO MIGUEL VENTURA TERRA PARTICIPOU EM 1911 NO CONGRESSO INTERNACIONAL DE TURISMO

A imagem regista um momento em que o arquitecto Miguel Ventura Terra e o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa Anselmo Braamcamp Freire posam para a fotografia, durante uma pausa do Congresso Internacional de Turismo que em 1911 teve lugar em Lisboa, nas instalações da Sociedade de Geografia de Lisboa, sita na rua das Portas de Santo Antão.

A foto foi feita pelo conceituado fotógrafo Joshua Benoliel. O negativo é de gelatina e prata em vidro, pertencendo ao Arquivo Municipal de Lisboa.

aml-migventerra.jpg

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTOU EM TORONTO LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 12 de junho, o historiador minhoto Daniel Bastos apresentou na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.  

22.jpg

A iniciativa, muito participada pela comunidade portuguesa, foi promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

No decurso da sessão, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, revisitou o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e destino.

Durante o evento, Daniel Bastos apresentou ainda o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”. Uma obra concebida a partir do espólio do consagrado fotógrafo franco-haitiano, condecorado no passado dia 10 de junho em Paris pelo presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, e que reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

A sessão apresentação do livro, cujos exemplares se esgotaram, ficou marcada pelo anúncio da intenção de realizar a médio prazo uma obra sobre a emigração portuguesa para o Canadá. Um projeto editorial e de investigação concebido pelo historiador natural de Fafe, e que será promovido pela Galeria dos Pioneiros Portugueses em parceria com instituições de referência da comunidade luso-canadiana.

Durante a sua estadia na maior cidade do Canadá, a convite da Galeria dos Pioneiros Portugueses, o docente do Colégio João Paulo II em Braga, manteve diversos encontros e participações em iniciativas culturais de associações luso-canadianas, como a cerimónia evocativa do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas que decorreu na Toronto City Hall, o Dundas West Fest e a Parada do Dia de Portugal em Toronto.

Refira-se ainda, que Galeria dos Pioneiros Portugueses entregou 12 exemplares do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, para oferta às bibliotecas públicas de Toronto, com o objetivo de reforçar o interesse pelo estudo da língua e cultura lusitana no Canadá.

1.jpg

2 (1).jpg

3.jpg

4 (1).jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

8.jpg

9.jpg

10.jpg

11.jpg

12.jpg

13.jpg

14.jpg

23.jpg

24.jpg

25.jpg

26.jpg

27.jpg

28.jpg

29.jpg

30.jpg

31.jpg

32.jpg

33.jpg

PORTUGAL HOMENAGEIA GÉRALD BLONCOURT

O Presidente da República vai condecorar com o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique o fotógrafo francês de origem haitiana Gérald Bloncourt. Trata-se do fotógrafo que mais retratou a situação difícil vivida pelos portugueses nos bairros de lata periféricos da cidade de Paris, entre os anos cinquenta e setenta do século passado, contribuindo dessa forma para dar visibilidade à situação miserável em que se encontravam e contribuir para a sua mudança e melhoria das condições de vida no país de acolhimento.

16557198_GO0hr.jpeg

A homenagem terá lugar em Champigny, símbolo da presença portuguesa, onde aliás o associativismo das nossas gentes continua a registar presença marcante e a Rádio Alfa possui os seus estúdios a emitir diariamente para toda a comunidade portuguesa.

Apesar dos progressos entretanto verificados, a emigração continua a ser um flagelo na sociedade portuguesa. Calcula-se em mais de meio milhão o número de portugueses que nos últimos anos terá emigrado em consequência da catastrófica situação do país, da falta de emprego e perspetivas.

Partem sobretudo os mais jovens e com melhores qualificações. Para trás deixam a família e os amigos e consigo levam a saudade e a esperança do regresso. Mas, tal como sucedeu com outras gerações de emigrantes que os antecederam no exílio, acabarão por se fixar nos países de acolhimento onde começam uma nova vida e virão a educar os seus filhos.

Vendo partir os seus filhos, Portugal empobrece e despovoa-se. A partida dos jovens, somada ao acentuado declínio demográfico em breve tornará os portugueses uma espécie em extinção.

Para que a memória não se apague, publicamos algumas fotos da autoria do fotógrafo francês Gérald Blonclourt, que documentam tempos difíceis da emigração portuguesa para frança, precisamente um dos países da então CEE.

Fotos: Gérald Bloncourt / http://bloncourt.over-blog.net/

16557145_bj76J (1).jpeg

16557147_wCYgW (1).jpeg

 

16557149_eV2ZR (1).jpeg

16557150_W7SBJ (1).jpeg

 

16557151_qLYYh (1).jpeg

 

16557152_RK00G (1).jpeg

16557155_qPHih (1).jpeg

16557156_yUpZl (1).jpeg

16557157_0Lsh5 (1).jpeg

16557164_D60ab (1).jpeg

16557166_pTLpZ (1).jpeg

 

16557169_0bhFw.jpeg

16557171_m9LFl.jpeg

16557174_eUAfS.jpeg

16557175_1uUJn.jpeg

16557176_eJfVz.jpeg

16557178_skzwg.jpeg

16557174_eUAfS (1).jpeg

16557179_vo4qI.jpeg

 

16557183_qHnWi.jpeg

16557186_8Uotl.jpeg

16557189_Bd4Z9.jpeg

 

16557194_uDNpA.jpeg

 

16557198_GO0hr (1).jpeg

HISTORIADOR DANIEL BASTOS VAI AO CANADÁ APRESENTAR O LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Historiador Daniel Bastos apresenta em Toronto conferência e livro sobre a emigração portuguesa

No âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, o historiador minhoto Daniel Bastos apresenta no dia 12 de junho (domingo), às 18h00, na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.

A iniciativa, aberta à comunidade portuguesa de Toronto, estimada em cerca de 300 mil portugueses e luso-descendentes, é promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

A convite da instituição, que pretende dar-se a conhecer à comunidade canadiana em geral e a outras culturas, e numa altura em que a emigração portuguesa atinge níveis históricos, Daniel Bastos vai revisitar o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e de destino.

Durante o evento, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, que tem agendado durante a sua estadia na maior cidade do Canadá diversos encontros com as comunidades lusófonas, apresentará o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A obra, uma edição bilingue, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, foi concebida a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, e reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. Como as que o fotógrafo realizou sobre a viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, as da sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, ou as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 na capital portuguesa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se, que ainda no dia 10 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador natural de Fafe vai ser recebido no Consulado Geral de Portugal em Toronto, e que no dia 11 de junho (sábado), participará na quarta edição do Dundas West Fest, um evento cultural de referência da comunidade portuguesa em Toronto.

Com diversas participações em conferências nacionais e internacionais, assim como artigos e livros publicados no domínio da História Portuguesa, Daniel Bastos é licenciado em História e Pós-Graduado em Ética e Filosofia Política. Docente no Colégio João Paulo II em Braga, historiador e escritor, tem ao longo do seu percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, recebido várias distinções e prémios.

GÉRALD BLONCOURT E DANIEL BASTOS APRESENTAM EM PARIS LIVRO QUE EVOCA A SAGA DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA PARA FRANÇA

Paris foi palco de apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado dia 12 de maio (quinta-feira), foi apresentado na capital francesa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

A obra, concebida pelo escritor e historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano, foi apresentada no Consulado-Geral de Portugal em Paris, numa sessão que encheu a Sala Eça de Queirós e que esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

No decurso da sessão, que contou com a presença do consagrado fotógrafo, e vários representantes da comunidade e diplomacia portuguesa em terras gaulesas, como o Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, o Cônsul-Geral de Portugal em Paris, António Albuquerque Moniz, e o deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, todos foram unânimes em considerar que as fotografias de Gérald Bloncourt imortalizaram a história da emigração portuguesa para França. E que este livro constitui uma homenagem aos protagonistas anónimos da história nacional das décadas de 50, 60 e 70, todos eles representados num homem que durante mais de 30 anos escreveu com luz essa grande epopeia dos emigrantes lusitanos.

©Mário Cantarinha - Consulado de Portugal em Par

Foto: ©Mário Cantarinha

O encerramento da sessão ficou marcado pelo anúncio oficial do Embaixador de Portugal em França, José Filipe Moraes Cabral, de que o Presidente da República irá condecorar, durante as cerimónias do 10 de Junho em Paris, o fotógrafo Gérald Bloncourt com a Ordem do Infante D. Henrique.

A sessão de apresentação do livro, que é patrocinado por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, incluiu ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, uma dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

© Isabelle Repiton – Lusofolies 3

Foto: © Isabelle Repiton

Refira-se que o lançamento da obra na capital francesa serviu de mote para a realização na tarde de 14 de maio (sábado), de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, que encheu um dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris e comportou a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, foi promovida pela Associação Memória das Migrações, que em cooperação com o Museu das Migrações e das Comunidades, divulgou os seus objetivos de proceder à recolha de conteúdos de natureza diversa relacionados com a história da comunidade portuguesa em França.

© Isabelle Repiton – Lusofolies 1

Foto: © Isabelle Repiton

GUIMARÃES INCENTIVA JOVENS A FOTOGRAFAR A SUA CIDADE

“NUM INSTANTE... O PATRIMÓNIO!” ATÉ 12 DE JUNHO

Passatempo desafia jovens a fotografar monumentos e sítios favoritos de Guimarães

Aproveite os dias de sol que se avizinham e participe na 9ª edição do concurso “Num instante… o Património!”. Está na hora de usar a máquina fotográfica, o telemóvel ou o tablet para registar imagens inéditas.

A Câmara Municipal de Guimarães convida os jovens vimaranenses, dos 14 aos 21 anos, a fotografarem os seus monumentos ou sítios favoritos de Guimarães, tendo como objetivo a participação no passatempo de fotografia “Num instante… o Património!”, que decorre até ao dia 12 de junho de 2016. Fontes, igrejas, estátuas, casas ou ruas podem servir de inspiração para captar imagens inéditas do património cultural.

A iniciativa é organizada pela Direção Geral do Património Cultural em parceria com o portal “Olhares” e integra-se no projeto Experiência Fotográfica Internacional dos Monumentos (EFIM), do Conselho da Europa. Através de um convite à captação de imagens fotográficas inéditas, “Num Instante ... o Património!” desafia os jovens a descobrirem a riqueza patrimonial do país, através de novos olhares sobre os monumentos, paisagens e sítios simbólicos.

Além de consultarem o regulamento, disponível no endereço eletrónico da Direção Geral do Património Cultural, os participantes terão de criar uma conta no website Olhares (www.olhares.com) onde são inseridas as fotografias a concurso. Após seleção, os trabalhos mais criativos serão dados a conhecer durante a cerimónia de abertura oficial das Jornadas Europeias do Património, em setembro de 2016, ocasião onde também serão atribuídos os prémios a cada um dos dois vencedores do passatempo, que terão oportunidade de ver publicados os seus trabalhos (monumentos ou sítios favoritos) no Catálogo Digital da EFIM.

FOTÓGRAFO LUÍS QUINTA EXPÕE PORTUGAL SUBAQUÁTICO NO AQUAMUSEU DO RIO MINHO

O reconhecido fotógrafo português, Luís Quinta,apresenta, entre esta terça-feira e o 12 de junho, no Aquamuseu do rio Minho, uma exposição itinerante intitulada ‘Portugal Subaquático’. A mostra exibe uma pequena parte da beleza do mundo subaquático que compõe a biodiversidade associada ao vasto património natural de Portugal.

Psubaquático site

Tendo como missãoa promoção e divulgação do património natural da bacia hidrográfica do rio Minho, o Aquamuseu, em colaboração com CMIA de Viana do Castelo, acolhe uma exposição de âmbito nacional que aborda uma riqueza subaquático à qual dificilmente temos acesso.

A objetiva de Luís Quinta tem captado alguns animais marinhos em águas portuguesas, cuja vida está diretamente relacionada com o fundo do mar (bentónicos), ou que vivem no seio de massas de água e dependem das suas propriedades físico-químicas e alimento nelas existentes (pelágicos). A mostra versa igualmente sobre um universo de organismos vegetais que permitem a existência desta diversidade animal marinha tão significativa.

Luís Quinta é um fotógrafo português de renome com diversos trabalhos publicados e que, em Novembro de 2004, foi homenageado pelo Governo Português pelo seu trabalho na área da fotografia subaquática, sendo designado um dos "Novos Heróis do Mar". Em 2009 integrou o “DreamTeam" de fotógrafos de natureza no maior projeto de fotografia sobre o mundo natural - WildWondersofEurope.

Esta exposição ‘Portugal Subaquático’ pretende ser mais um passo no gosto e respeito por espécies mais desconhecidas, o que levará a descobrir novas formas de preservar os seus habitas naturais. Estará patente no Aquamsueu do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira, entre esta terça-feira e o dia 12 de junho, no período de funcionamento daquele equipamento.

DANIEL BASTOS APRESENTA EM MONTALEGRE o LIVRO "GÉRALD BLONCOURT - O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES"

Terras de Barroso receberam apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado domingo (8 de maio), foi apresentada nas Terras de Barroso o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

14

A obra, concebida e realizada pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, foi apresentada no Centro Interpretativo das Minas da Borralha, em Salto, concelho de Montalegre, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do presidente do Município de Montalegre, Orlando Alves, do presidente da Junta de Freguesia de Salto, Alberto Fernandes, e da Diretora da Biblioteca Municipal de Montalegre, Gorete Afonso.

17

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

No decurso da sessão promovida pela Associação Recreativa e Cultural das Minas da Borralha, e que esteve a cargo do antropólogo João Azenha, coordenador do Centro Interpretativo das Minas da Borralha-Ecomuseu do Barroso, quer o autarca montalegrense e como o responsável cultural assinalaram a importância da obra no contexto da história da emigração portuguesa. Realçando o simbolismo da apresentação da mesma numa antiga localidade mineira que é fortemente marcada pelo fenómeno migratório.

1

Refira-se que na próxima quinta-feira (12 maio), o livro será apresentado no Consulado de Portugal em Paris, às 18h30, numa sessão aberta à numerosa comunidade portuguesa radicada na capital francesa, e que contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França.

2

ESCRITOR DANIEL BASTOS VAI A PARIS MOSTRAR COMO OS EMIGRANTES PORTUGUESES ALI VIVIAM NOS ANOS SESSENTA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital francesa

No próximo dia 12 de maio (quinta-feira), é apresentada na capital francesa a obra “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo historiador minhoto, Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado às 18h30 no Consulado de Portugal em Paris.

A apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e estará a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, e que fazem parte do arquivo da Cité nationale de l’histoire de l’immigration, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades lusófonas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade. Todos eles representados por uma personalidade ímpar que durante mais de trinta anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que esta apresentação na “cidade luz” incluirá ainda uma prova de vinho verde, promovida pelos Vinhos Norte, um dos maiores produtores nacionais de vinho verde.

O lançamento do livro na capital francesa será o mote para a realização no dia 14 de maio (sábado), a partir das 16h00, de uma tertúlia no Lusofolies em torno da temática da emigração. Esta iniciativa, num dos espaços culturais de referência da Lusofonia em Paris, é promovida pela Associação Memória das Migrações, e comportará a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal.

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS VAI A MONTALEGRE APRESENTAR O LIVRO "GÉRALD BLONCOURT - O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES"

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” nas Terras de Barroso

No próximo dia 8 de maio (domingo), é apresentado nas Terras de Barroso a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 15h00 no Centro Interpretativo das Minas da Borralha, em Salto, concelho de Montalegre.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do ensaísta Eduardo Lourenço, estará a cargo do antropólogo João Azenha, coordenador Centro Interpretativo das Minas da Borralha, um polo temático do Ecomuseu do Barroso.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Refira-se que o Centro Interpretativo das Minas da Borralha, insere-se num projeto cultural que visa recuperar e divulgar o património mineiro desta antiga localidade mineira que é fortemente marcada pela emigração.

ANTÓNIO JOSÉ SEGURO APRESENTA EM LISBOA OBRA SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA DA AUTORIA DO ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS

Lisboa recebeu apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

Foi ontem apresentada em Lisboa a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

18

O livro, concebido e realizado pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, foi apresentado na FNAC do Chiado, numa sessão muito participada e que esteve a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo multipremiado ensaísta Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

21

No decurso da sessão, António José Seguro, que enalteceu as qualidades humanas e intelectuais do historiador e escritor Daniel Bastos, qualificou a obra como sendo um relevante contributo para a história e memória da emigração portuguesa da segunda metade do séc. XX.

1

A sessão de apresentação em Lisboa incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público no Fórum da FNAC - Chiado.

Refira-se que no dia 12 maio (quinta-feira), às 18h30, o livro será apresentado no Consulado de Portugal em Paris, numa sessão aberta à numerosa comunidade portuguesa radicada na capital francesa, e que contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França.

4

MORREU O FOTÓGRAFO ANTÓNIO AGUIAR

António Aguiar foi o único fotógrafo que registou a celebração da escritura notarial da fundação em Lisboa da Casa do Concelho de Ponte de Lima

António Aguiar, repórter fotográfico durante décadas no DN, morreu esta sexta-feira, em Lisboa, aos 83 anos, disseram à Lusa amigos do fotógrafo.

image

António Luís Santos Aguiar nasceu em 4 de março de 1933, em Lisboa, passou por várias redações, como a do Jornal do Comércio, Diário de Lisboa, Jornal de Notícias e República, depois de ser ter iniciado como fotógrafo de batizados e casamentos, lê-se na notícia que o DN publicou hoje na edição "on-line" sobre a morte do fotojornalista.

No Diário de Notícias trabalhou desde a década de 1970 até se reformar, em 1995, embora continuasse a tirar fotografias.

Como profissional no DN, fotografou a Revolução de 1974 e 1975 e também grandes acontecimentos, como o incêndio no Chiado, em Lisboa, em 1988, ou a a visita do papa João Paulo II a Portugal.

António Aguiar ficou conhecido pelos seus instantâneos em Lisboa, como a fotografia de José Saramago, mais tarde Nobel da Literatura, a engraxar os sapatos em 1992, junto ao Jardim da Estrela.

Fonte: LUSA

img293

Foto de António Aguiar, publicada na edição de 3 de Fevereiro de 1987, no Diário de Notícias

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA HOJE EM LISBOA O LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital portuguesa

É hoje apresentado em Lisboa a obra “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 17h00 na FNAC do Chiado.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação em Lisboa incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Ainda no último Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, um dos eventos culturais e literários de referência no panorama europeu, que decorre anualmente em Março no Luxemburgo, o livro foi uma das obras em destaque e alvo dos mais rasgados elogios das comunidades portuguesas.

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA EM LISBOA LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT E A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores” na capital portuguesa

No próximo dia 30 de abril (sábado), é apresentada em Lisboa a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido pelo escritor e historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 17h00 na FNAC do Chiado.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do professor universitário e ex-secretário-geral socialista, António José Seguro.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, investigador da nova geração de historiadores portugueses com um percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação em Lisboa incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Ainda no último Festival das Migrações, das Culturas e da Cidadania, um dos eventos culturais e literários de referência no panorama europeu, que decorre anualmente em Março no Luxemburgo, o livro foi uma das obras em destaque e alvo dos mais rasgados elogios das comunidades portuguesas.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA DA SEMANA SANTA DE BRAGA JÁ TEM VENCEDORES

Ocorreu ontem, dia 15 de abril, pelas 21:30h, na loja FNAC do shopping Braga Parque, de Braga, o anúncio dos premiados e entrega de prémios nesta que foi a 8ª edição do Concurso de Fotografia subordinado ao tema “A Semana Santa de Braga”, iniciativa da Comissão da Semana Santa de Braga, com o apoio à divulgação da entidade regional de turismo do Porto e Norte de Portugal e da loja FNAC de Braga, como media partner o jornal “Diário do Minho”, e com o patrocínio da prestigiada marca Canon.

1premio_BrunoMartins_01

O júri atribuiu os principais prémios aos seguintes concorrentes:

1º prémio: Bruno Martins, 34 anos, de Braga

2º prémio: João Miguel Gomes Silva, 24 anos, de Braga

3º prémio: Luis Filipe Gomes Silva, 25 anos, de Braga

Também todas as 10 Menções Honrosas previstas no Regulamento foram atribuídas a:

Alexandre Ribeiro, 22 anos, de Braga

Bruno Gabriel Ferreira Silva, 28 anos, de Braga

Carlos Manuel Cunha Ferreira, 43 anos, de Braga

João Paulo Morais Caldas Moreira da Costa, 49 anos, de Braga

Jorge Manuel Rocha Pimenta, 47 anos, de Braga

José Carvalho, 24 anos, de Braga

José Rodrigo de Carvalho Faria Lima, 42 anos, de Braga

Luís Filipe Gomes Vilaça, 25 anos, de Braga

Silvino Jorge Rodrigues, 47 anos, de Braga

Tiago Araújo, 26 anos, de Braga

Recordamos os prémios que estavam a concurso:

1º Prémio:

Canon EOS 70D C/ 18-135 IS Pack (no valor de 1.299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

2º Prémio:

Canon EOS M3 + 18-55 STM Accessory kit (no valor de 699 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

3º Prémio:

Canon PowerShot S120 Pack (no valor de 299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

Para todas as Menções HonrosasAssinatura digital anual do Diário do Minho + impressão gratuita de 50 fotos na FNAC *

* Exclusivamente para impressões em papel fotográfico até ao formato 20x30

Todos os concorrentes têm direito ainda a um vale de 10% de desconto em equipamentos Canon e recebem um Diploma de Participação.

1premio_BrunoMartins_02

Para quem não esteve presente na cerimonia de ontem, os vales de impressão de fotos FNAC, o vale de 10% de desconto Canon e os Certificados de Participação podem ser levantados na secção de fotografia da loja FNAC de Braga, mediante apresentação do BI ou Cartão de Cidadão.

Esta edição foi, sem dúvida, a maior e mais participada de sempre: 231 das 250 pré-inscrições foram preenchidas (um aumento de 14% relativamente à edição anterior) tendo submetido trabalhos a concurso 133 concorrentes, um aumento de 32% relativamente ao ano anterior.

Alguns dados estatísticos:

um total de 757 fotos a concurso

um total de 21 fotos premiadas

média de idades: 38 anos

mais novo: 18 anos

mais velho: 70 anos

participantes masculinos: 96 = 72% dos concorrentes

participantes femininos: 37 = 28% dos concorrentes

O júri foi composto pelas seguintes personalidades:

Presidente: Hugo Delgado

Representante da Comissão: José Alberto de Sousa Ribeiro

Representante da Canon: Domingos Araújo

Representante do Diário do Minho: Luis Carlos Fonseca

Sérgio Freitas, convidado

Todos os trabalhos serão alvo de exposição, esta no âmbito do programa cultural da Semana Santa de Braga de 2017.

2premio_JoaoMiguelGomesSilva_01

2premio_JoaoMiguelGomesSilva_02

3premio_LuisVilaca

CONCURSO DE FOTOGRAFIA "A SEMANA SANTA DE BRAGA" JÁ TEM VENCEDORES

Tal como previsto, o júri reuniu ontem e as fotos premiadas, relativas à 8ª edição do Concurso de Fotografia “A Semana Santa de Braga”, com o 1º, 2º e 3º prémios, bem assim como as Menções Honrosas, estão já escolhidas!

O anúncio dos premiados e a entrega de prémios ocorre na loja FNAC do Shopping Braga Parque, na sexta-feira, dia 15, pelas 21:30h.

image001

NOVIDADE este ano: o Diário do Minho sorteia uma assinatura digital anual do jornal entre todos os presentes!

Recordamos os excelentes prémios a atribuir:

1º Prémio:

Canon EOS 70D C/ 18-135 IS Pack (no valor de 1.299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

2º Prémio:

Canon EOS M3 + 18-55 STM Accessory kit (no valor de 699 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

3º Prémio:

Canon PowerShot S120 Pack (no valor de 299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

Para todas as Menções Honrosas: Assinatura digital anual do Diário do Minho + impressão gratuita de 50 fotos na FNAC *

* Exclusivamente para impressões em papel fotográfico até ao formato 20x30

TODOS OS CONCORRENTES têm direito a um vale de 10% de desconto em equipamentos Canon e Diploma de Participação.

Esta é uma iniciativa da Comissão da Semana Santa de Braga, com o apoio à divulgação da entidade regional de turismo do Porto e Norte de Portugal e da loja FNAC de Braga, como media partner o jornal “Diário do Minho”, e com o patrocínio da prestigiada marca Canon.

MONÇÃO EXPÕE "EXPRESSÕES DE CIDADANIA NO FEMININO"

Inserido no “Colóquios Eurocidades Monção e Salvaterra del Miño - expressões de cidadania no feminino na região luso galaica “, a Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, acolhe a partir do dia 8 de abril, pelas 17 horas a inauguração da exposição intitulada Expressões de cidadania no feminino.

Nesta exposição estão patentes ao público obras de pintura, escultura e fotografia de artistas das duas margens do Norte de Portugal e da Galiza e ainda da diáspora.

A exposição estará patente ao público até ao dia 28 de abril.

A exposição Expressões de cidadania no feminino, estará também patente ao público na adega da Quinta de Santiago e no Castillo de Doña Urraca.

Artistas “anfitriões” das Exposições:

Rosa Porto, Ricardo de Campos, Patrícia Oliveira, Puskas e Joana Degues.

Expressões de Cidadania no Feminino, é o tema do Iº Colóquio Eurocidades inserido nos Projetos Eurocidade Salvaterra/ Monção e Igualdade de Género, que visa reforçar identidades e solidificar relações culturais e de cidadania entre duas regiões que têm muito a partilhar problemáticas que envolvem a diáspora, a igualdade, e as mulheres na literatura, na arte, na história...

FAMALICÃO APRESENTA IMAGENS INÉDITAS DO 25 DE ABRIO DE 1974

Programa comemorativo da Revolução dos Cravos arranca já este domingo

Imagens inéditas da Revolução dos Cravos nas ruas de Vila Nova de Famalicão vão ser projetadas no próximo dia 25 de abril, pelas 17h00, no Arquivo Municipal Alberto Sampaio, no âmbito das comemorações do 42.º aniversário da Revolução. Os filmes, desconhecidos da maior parte dos famalicenses, estavam guardados no arquivo dos estúdios da RTP, sendo agora resgatado pela autarquia para o domínio público.

Luta pela liberdade em Famalicão (1)

“São imagens únicas e marcantes que demostram bem a forma como os famalicenses saíram à rua e viveram o 25 de abril de 1974”, refere a propósito o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, adiantando que a aquisição da pelicula insere-se no âmbito do projeto “25 de abril – Memória e Futuro”, que visa recolher e preservar as fontes históricas sobre a Revolução do 25 de abril. O projeto arrancou em 2015 com a criação da “Biblioteca Digital – Fundo Local da Oposição Democrática”, que disponibiliza online através do site da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco documentos exclusivos das lutas pela liberdade no concelho.

O filme do 25 de abril em Famalicão será ainda enriquecido com imagens  exclusivas captadas por particulares e será acompanhado de uma tertúlia que promete desvendar muitos dos episódios daquele dia libertador e dos que se seguiram.

As comemorações do 42.º aniversário da Revolução dos Cravos coincidem este ano com o 40.º aniversário da Constituição da República Portuguesa, o que motiva, desde logo, a organização da conferência “Conta-me a História”, que vai decorrer também no Arquivo Municipal, já no próximo domingo, dia 3, com a presença de Diogo Freitas do Amaral que irá recordar o que está por detrás da redação e aprovação da Lei Fundamental da República Portuguesa.

No dia 22 inaugura-se na Biblioteca Municipal a mostra documental: “25 de abril na literatura, no cinema e na música”, que vai estar patente até ao final do mês.

Entre a multiplicidade de iniciativas culturais que vão atravessar as várias freguesias do concelho destaca-se ainda os Versos e Sons de Abril, que vão decorrer no dia 23, no Museu Bernardino Machado, o recital de Poesia Dita e Cantada, no Café-Concerto da Casa das Artes, na noite de 24 e claro a tradicional sessão solene comemorativa do 25 de abril, que junta as diferentes forças partidárias no Salão Nobre da Assembleia Municipal, nos Paços do Concelho.

Para Paulo Cunha “a liberdade artística e cultural foi, sem dúvida, uma das grandes conquistas de abril e neste âmbito não vão faltar espetáculos musicais, cinema e teatro.”Ao todo são mais de dezena e meia de eventos para celebrar abril. Citando a música de Vítor Espadinha, “Recordar é Viver”, Paulo Cunha acrescenta que “com estas iniciativas queremos também transmitir às novas gerações o verdadeiro sentido do que foi o 25 de Abril de 1974”.

Luta pela liberdade em Famalicão (2)

HISTORIADOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA NA CASA DA BEIRA ALTA NO PORTO LIVRO SOBRE O FOTÓGRAFO GÉRALD BLONCOURT

Casa da Beira Alta no Porto recebeu apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No passado domingo (20 de março), a Casa da Beira Alta no Porto, uma genuína “embaixada” da cultura beirã na cidade Invicta, recebeu a apresentação do livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A sessão de apresentação da obra, concebida e realizada pelo escritor Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, esteve a cargo da investigadora brasileira Ana Pessoa, da Fundação Casa de Rui Barbosa, uma instituição pública federal, vinculada ao Ministério da Cultura do Brasil.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo renomado ensaísta Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação na Casa da Beira Alta no Porto integra-se num conjunto diverso de apresentações do livro, ao longo do presente ano, junto de instituições de referência da comunidade nacional e das comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo.

BRAGA REALIZA CONCURSO DE FOTOGRAFIA

A Comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa de Braga anuncia a 8ª Edição do Concurso de Fotografia “A Semana Santa de Braga”. Com o patrocínio da Canon, o apoio à promoção da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal e do jornal Diário do Minho e também da loja Fnac de Braga.

image001

Lembramos as principais novidades e alguns detalhes que os participantes devem ter em conta na inscrição e submissão de trabalhos a concurso:

  • Há um número máximo de participantes– limitado a 250 concorrentes.
  • Mantém-se a obrigação de pré-inscrição. A pré-inscrição deverá ser feita entre as 00:00h de 17 de março e as 23:59h de 27 de março de 2016 e é feita exclusivamente onlineaqui.
  • O período de submissão de trabalhos é entre as 00h00 de 28 de março e as 23h59 de 4 de abril também em formulário que será disponibilizado oportunamente (apenas durante o período de submissão de trabalhos).
  • Os concorrentes devem obrigatoriamente apresentar um mínimo de 4 (quatro) e um máximo de 6 (seis) fotos a concurso;
  • As fotografias devem ser entregues em formato JPEG, resolução de 300 dpi, formato 20x30 cm.,a preto e branco ou a cores;
  • O nome dos ficheiros de cada foto deve cumprir a seguinte regra: NumeroBI_01.jpg. 
    Exemplo: 123456_01.jpg, 123456_02.jpg, 123456_03.jpg, 123456_04.jpg
  • O cumprimento destas regras deve ser da responsabilidade de cada um. A Organização não se responsabilizará por os trabalhos não cumprirem as regras e, eventualmente, não serem aceites a concurso.
  • Aconselha-se a todos a leitura atenta do Regulamento, já disponível no sítio oficial.

Os prémios, como habitual são excelentes e este ano até substancialmente melhorados:

PRÉMIOS

1º Prémio:

Canon EOS 70D C/ 18-135 IS Pack (no valor de 1.299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

2º Prémio:

Canon EOS M3 + 18-55 STM Accessory kit (no valor de 699 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

3º Prémio:

Canon PowerShot S120 Pack (no valor de 299 €) + assinatura digital anual do Diário do Minho

Para todas as Menções Honrosas: Assinatura digital anual do Diário do Minho + impressão gratuita de 50 fotos na FNAC *

* Exclusivamente para impressões em papel fotográfico até ao formato 20x30

Todos os concorrentes terão direito a um vale de 10% de desconto em equipamentos Canon e Diploma de Participação.

PRINCIPAIS DATAS a ter em conta

– Pré-inscrição: entre as 00h00 de 17 de março e as 23h59 de 27 de março de 2016

– Submissão de trabalhos: entre as 00h00 de 28 de março e as 23h59 de 4 de abril de 2016

– Conferência de imprensa do anúncio de resultados: 17 de abril 2016, 21h30, loja FNAC de Braga

Qualquer dúvida deve ser colocada via email para concursofoto@semanasantabraga.com.

Por fim, recordamos que está patente, desde o passado dia 3, na sala de exposições temporárias da Fonte do Ídolo, a exposição dos trabalhos premiados da 7ª edição (2015), que pode ser visitada até ao dia 29 de março.

PAREDES DE COURA APRESENTA EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA

‘Um Dia na Terra’: visita guiada com Gonçalo Cadilhe. 6ª feira | 18 março | 21h00 | Centro Cultural

‘Um Dia na Terra’, a exposição fotográfica que retrata vivências e aventuras por vários continentes, culturas e paisagens, tem esta 6ª feira, 18 de março, a partir das 21h00, a visita guiada pelo seu autor Gonçalo Cadilhe.

Um dia na terra

Patente no Centro Cultural de Paredes de Coura, esta visita guiada a ‘Um Dia na Terra’ é uma oportunidade para (re)descobrir novos mundos junto de quem nos anos 2003 e 2004 deu uma volta ao mundo sem aviões, da mesma forma que em 2007 seguiu a rota do navegador português Fernão de Magalhães.

A exposição ‘Um Dia na Terra’ ocupa-se de fotografia de viagem e apresenta uma retrospetiva de duas décadas de carreira de Gonçalo Cadilhe como autor viajante.

Natural da Figueira da Foz, colheita maio 68, Gonçalo Cadilhe vive há 20 anos a viajar e escrever sobre viagens. Tem onze livros publicados, todos com várias edições, onde desenvolve temas relacionados com as suas andanças: biografias históricas, itinerários temáticos e também o seu envolvimento com o surf.

Gonçalo Cadilhe escreve em várias publicações, assina documentários televisivos e é responsável por algumas propostas do projeto “Viagens com os Autores”, do catálogo da agência Pinto Lopes Viagens.

Em 2011 Gonçalo Cadilhe foi distinguido com o Prémio Jornalismo de Viagens atribuído pelo Clube de Jornalistas.

Quando lhe perguntam qual a melhor viagem que já fez, Gonçalo Cadilhe responde sempre: “a próxima”.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA PROMOVE PATRIMÓNIO DE VIZELA

“Igreja de S. João” e “Condizente” venceram quinta edição do concurso “Vizela Sentida”

José António Freitas Guimarães, de Vizela, foi o vencedor da melhor fotografia na categoria do Concurso Tema Vizela com o título “Igreja de S. João”. Na categoria Tema Livre, o vencedor foi Manuel António Pereira Fernandes, de Guimarães, com o tema “Condizente”.

IGREJA S. JOÃO - 1º TEMA VIZELA

De relembrar que a Câmara lançou em outubro transacto o 5.º Concurso de Fotografia “Vizela Sentida”, com o objetivo de envolver a comunidade local e de outras regiões do país e do mundo, numa recolha original de fotografias. Foram apresentadas 27 fotografias a concurso.

O concurso comportou duas vertentes: a primeira direcionada para o tema “Vizela”, e a segunda para um tema “Livre”.

O concurso destinou-se a fotógrafos amadores e profissionais, sem qualquer restrição de idade, podendo participar no concurso pessoas residentes no Concelho de Vizela ou de outras localidades.

Aqui ficam os vencedores das melhores fotografias do 5.º Concurso de Fotografia “Vizela Sentida”:

TEMA VIZELA

1º CLASSIFICADO - Igreja de S. João

José António Freitas Guimarães

VIZELA

Prémio, 1 almoço ou jantar – Frango à Merendeiro (prato típico de Vizela), para 2 pessoas, no restaurante Adega Avelino

2º CLASSIFICADO - Janela Fechada

Maria da Graça da Silveira Cortez Antas

VILA NOVA DE FAMALICÃO

Prémio, 1 Circuito Turkish Spa no Mourisco Hamman Turkish Spa, para 2 pessoas

3º CLASSIFICADO - Espelho Meu

Anabela da Silva Ramos

GUIMARÃES

Prémio, 1 cabaz com produtos regionais de Vizela (1 bolinhol da Pastelaria Fina, 1 garrafa de vinho verde das Caves Casalinho, 1 frasco de mel e 1 peça de artesanato da Associação de Artesãos de Vizela)

TEMA LIVRE

1º CLASSIFICADO – Condizente

Manuel António Pereira Fernandes

GUIMARÃES

Prémio, 1 almoço ou jantar – Frango à Merendeiro (prato típico de Vizela), para 2 pessoas, no restaurante Adega Avelino

2º CLASSIFICADO - Descanso

Anabela da Silva Ramos

GUIMARÃES

Prémio, 1 Circuito Turkish Spa no Mourisco Hamman Turkish Spa, para 2 pessoas

3º CLASSIFICADO - Por do Sol

Anabela da Silva Ramos

GUIMARÃES

Prémio, 1 cabaz com produtos regionais de Vizela (1 bolinhol da Pastelaria Fina, 1 garrafa de vinho verde das Caves Casalinho, 1 frasco de mel e 1 peça de artesanato da Associação de Artesãos de Vizela)

PÓVOA DE LANHOSO REALIZA CONCURSO DE FOTOGRAFIA

Concurso de Fotografia + Igualdade sobre Cidadania, Igualdade e Oportunidades com inscrições a decorrer

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através dos Serviços de Ação Social, nomeadamente na resposta SIGO – Serviço para a Promoção da Igualdade de Género, e da Comissão “+ Igualdade + Cidadania”, já tem abertas as inscrições para o Concurso de Fotografia, que visa assinalar o Dia Municipal para a Igualdade (23 de março).

As fotografias devem obedecer às temáticas da Cidadania, Género e Oportunidades. O prazo para entrega, na Divisão de Gestão Administrativa da Câmara Municipal, nos Paços do Concelho, termina a 18 de março. Os prémios serão entregues no dia 15 de maio, Dia Internacional da Família.

De lembrar que a Autarquia da Póvoa de Lanhoso instituiu o 23 de março - data do início da revolta da Maria da Fonte - como Dia Municipal para a Igualdade, isto no seguimento da sua missão e em favor da Cidadania, como boa prática no âmbito do projeto LocalDiguais - Plano Municipal para a Igualdade, que decorreu entre 2011 e 2013.

Desde então, no âmbito do SIGO, todos os anos o dia tem vindo a ser assinalado das mais variadas formas. Em 2016, a data será assinalada através da promoção deste concurso de fotografia, designado "+ Igualdade", com base numa ideia surgida no seio da Comissão "+ Igualdade, + Cidadania".

Lembre-se que esta Comissão, que oficialmente foi apresentada na passada Semana Municipal para a Igualdade (anualmente assinalada de 19 a 25 de novembro), é constituída por vários elementos - internos e externos ao Município, tentando ser heterogéneo em termos de formação e atividade profissional dos seus elementos - e tem como vocação analisar e ponderar a execução das políticas locais no âmbito da Igualdade, Cidadania e Direitos Humanos, propondo a realização de ações no âmbito das referidas temáticas, vindo desta forma reforçar um serviço da Autarquia, que foi e continua a ser reconhecido, dentro e fora do país, ou seja, o SIGO - Serviço para a Promoção da Igualdade de Género, resposta dos Serviços de Ação Social e Saúde.

CELORICO DE BASTO EXPÕE FOTOGRAFIA

Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto recebe exposição fotográfica

As 10 fotografias finalistas do concurso da CIM-TS “Tâmega e Sousa Único” estão em exposição na biblioteca Municipal de Celorico de Basto desde o dia 10 ao dia 29 de fevereiro. Uma das imagens expostas é do Celoricense José Castro num trabalho intitulado“ O mesmo território, novos usos!”.

_DSC1299

O presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, recordou a importância de participar em projetos agregadores que têm por objetivo “fazer-nos parte integrante de um mesmo território. Esta exposição, para além do cariz agregador é uma forma particularmente interessante de mostrar as especificidades desta região, as suas características únicas que merecem ser conhecidas, reconhecidas e valorizadas. Temos imagens absolutamente fabulosas” concluiu. O autarca apelou à visita a esta exposição que dá a conhecer, sem sair do mesmo local, paisagens sublimes de um mesmo território.

Este concurso fez parte do concurso Tâmega e Sousa Empreendedor na categoria Criativa – Fotografia “Tâmega e Sousa único”. Um concurso de âmbito nacional que procurou retratar as singularidades da região do Tâmega e Sousa (a paisagem, a cultura, as tradições e as pessoas, respondendo ao repto “Tâmega e Sousa Único”). A fotografia vencedora foi aquela que melhor traduziu as diferenças e singularidades da região do Tâmega e Sousa.

Em Celorico de Basto é destaque a fotografia “o mesmo território, novos usos!” da autoria do celoricense José Castro.

_DSC1293

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DE VIANA DO CASTELO EXPÕE FOTOGRAFIAS DE LUÍS OCTÁVIO COSTA @ KITATO

O Centro de Estudos Regionais expõe, entre os dias 15 e 26 de fevereiro, fotografias de Luís Octávio Costa, que assina no Instagram @ kitato. A exposição integra-se na programação do VII Ciclo de Estudos “Arte, da criação à fruição”, promovido pela referida associação cultural no âmbito das actividades da Academia Sénior.

Luís Octávio Costa, um vianense nascido na década de 1970, foi considerado pelo The Huffington Post como um dos dez instagrammers mais criativos do mundo. Desde 2011, usa a aplicação para nos revelar um modo muito particular de observar e captar a realidade, explorando a geometria e o cromatismo de forma criativa. Sem perder o carácter instantâneo, as imagens produzidas por @kitato evidenciam uma capacidade inusitada de suster o tempo, eternizar o momento, colocando em dialéctica os homens e o espaço e propondo-nos um olhar distinto sobre o mundo.

A abertura da exposição ocorrerá na próxima segunda-feira, dia 15 de fevereiro, pelas 19 horas, na sede do Centro de Estudos Regionais, no Largo do Instituto Histórico do Minho, junto à Sé Catedral de Viana do Castelo. A entrada é livre.

VIZELA LEMBRA TRADIÇÃO DA "SERRAÇÃO DA VELHA"

A Câmara Municipal de Vizela, em parceria com a Associação de Artesãos de Vizela, a Fundação Jorge Antunes e o Callidas Club, vão promover uma série de atividades subordinadas à temática da ‘Serra-a-velha’.

PROGRAMA:

8 a 23 FEV CONCURSO “SERRA A VELHA”

Consultar regulamento em www.cm-vizela.pt

13 FEV - 15h WORKSHOP SOBRE O TEMA

Inscrição obrigatória em cultura@cm-vizela.pt

26 FEV a 15 ABR EXPOSIÇÃO DE VELHAS

Praça da República

2 MAR Praça da República

20.30h Inscrição das 'velhas' - concurso infantil

           Divulgação dos vencedores dos concursos

21.00h Queima das 'velhas'

FONTE DO ÍDOLO EM BRAGA RECEBE TRABALHOS DO XII CONCURSO MUNICIPAL DE FOTOGRAFIA

Exposição estará patente até dia 28 de Fevereiro

Foi inaugurada ontem, dia 03 de Fevereiro, a Exposição dos trabalhos do XII Concurso Municipal de Fotografia. Composta por mais de 50 fotografias, a exposição estará patente ao público até dia 28 de Fevereiro, na Fonte do Ídolo.

DSCF4534

Subordinado ao tema “Vistas, perspectivas e postais sobre o Centro Histórico”, o XII Concurso Municipal de Fotografia teve como novidade o facto de as fotografias terem sido reveladas a Preto e Branco. Esta opção técnica e artística, conjugada com o tema escolhido, despertou o interesse e a sensibilidade dos concorrentes relativamente ao Centro Histórico nas suas múltiplas dimensões. O período para captação de imagens prolongou-se por cerca de 24 horas, com início no dia 20 de Dezembro de 2015.

DSCF4493

Segundo Miguel Bandeira, vereador do Planeamento, Ordenamento e Urbanismo, o concurso tem por objectivo a divulgação, conhecimento e atracção pelo património histórico e cultural de Braga, mais concretamente o centro histórico, a área alvo deste concurso. “Temos fotografias de nível profissional, sendo que o uso de máquinas descartáveis condiciona a tipologia das imagens e vem relançar a importância da fotografia para além do que o digital oferece. Trata-se de uma expressão artística que merece ser compreendida e contemplada”, afirmou.

Por seu turno, Lídia Dias, vereadora da Cultura, sublinhou que o facto de as fotografias estarem expostas na Fonte do ídolo vem dar um brilho ainda maior ao concurso. “A exposição está localizada num espaço único da Cidade e permite aos visitantes terem a oportunidade de verem a Cidade a preto e branco e apreciarem, apo mesmo tempo, um núcleo museológico ímpar do nosso legado romano”, afirmou.

DSCF4538

O júri atribuiu o Primeiro Prémio ao concorrente Nuno Miguel Silva Costa e Menções Honrosas aos concorrentes Pedro Emanuel Sardo Alvim e Marcelo Gonçalves Marques, registando que estes trabalhos corporizavam significativo mérito e qualidade.

O júri entendeu também deixar registado um voto de reconhecimento e louvor à participação no concurso de utentes do Centro D. João Novais e Sousa, instituição que acolhe e apoia pessoas com deficiência mental e cuja participação vem conferindo a esta iniciativa uma verdadeira dimensão social, genuinamente inclusiva, na medida em que proporciona uma experiência sociocultural em paralelo e harmonia com os demais cidadãos.

Cada concorrente deixou-se inspirar pelas mais de 110 Ruas, Largos, Campos, Praças e Avenidas, que compõem o Centro Histórico de Braga, bem como pelos mais de 2500 edifícios que o integram, de entre os quais se destacam mais de 40 imoveis classificados como Bens Culturais, e teve a oportunidade de captar as mais belas e extraordinárias vistas, perspectivas e postais sobre o Centro Histórico.

Ao longo das suas 12 edições, o Concurso Municipal de Fotografia teve, no total, 617 participantes, 15.829 fotos reveladas e 716 fotos expostas publicamente que passaram a integrar o acervo do Museu da Imagem.

DSCF4559

BRAGA EXPÕE FOTOGRAFIA

Exposição XII Concurso Municipal de Fotografia inaugura-se amanhã, Quarta-feira, dia 03 de Fevereiro, pelas 17h30, na Fonte do Ídolo, Braga

O Município de Braga inaugura amanhã a Exposição dos trabalhos do XII Concurso Municipal de Fotografia, pelas 17h30, na Fonte do Ídolo, em Braga.

Subordinado ao tema “Vistas, perspectivas e postais sobre o Centro Histórico” o XII Concurso Municipal de Fotografia teve como novidade o facto de as fotografias terem sido reveladas a Preto e Branco. Esta opção técnica e artística, conjugada com o tema escolhido, despertou o interesse e a sensibilidade dos concorrentes relativamente ao Centro Histórico nas suas múltiplas dimensões.

A exposição, composta por mais de 50 fotografias, estará patente ao público de 03 a 28 de Fevereiro, na Fonte do Ídolo, em Braga.

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRAGA LIVRO SOBRE GÉRALD BLONCOURT

Braga foi palco de apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

Na passada sexta-feira (22 de janeiro), foi apresentado na capital do Minho o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, uma obra realizada pelo escritor Daniel Bastos, professor de História no Colégio João Paulo II, uma instituição de referência no campo do ensino em Braga.

19

Concebida partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, a obra foi apresentada no Fórum da FNAC em Braga, numa sessão que se encheu por completo e que esteve a cargo do antigo Diretor da Biblioteca Pública de Braga, Henrique Barreto Nunes.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo ensaísta Eduardo Lourenço, recentemente galardoado com o Prémio Vasco Graça Moura – Cidadania Cultural, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

11

No decurso da sessão, que contou com momento musical executado pelo compositor Nelson de Quinhones, criador de “Música de Arte” que compôs uma peça de piano original em homenagem ao fotógrafo francês Gérald Bloncourt, o investigador Henrique Barreto Nunes, figura incontornável da cultura e património bracarense, qualificou o livro como “um álbum ilustrado da história da emigração portuguesa para França entre os anos de 1950 e 1970”.

Refira-se que esta sessão de apresentação em Braga computou a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará patente ao público durante os próximos três meses, e que após a capital do Minho a mesma circulará por todos os espaços da FNAC no território nacional durante os próximos dois anos.

2

“MELGAÇO: IMAGENS COM MEMÓRIA” ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE MELGAÇO CEDE FOTOGRAFIAS AO ARQUIVO MUNICIPAL

O Arquivo Municipal de Melgaço promove desde 2010 uma iniciativa para a recolha de património junto dos Melgacenses que depende também da vontade e colaboração de todos, por isso a autarquia está muito grata à Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Melgaço com quem foi assinado mais um protocolo para a cedência de fotografias do espólio desta corporação.

Este projeto de proximidade pretende preservar a memória concelhia através da digitalização e divulgação do material recolhido, que fará posteriormente parte da realização de exposições, conferências, estudos entre outras iniciativas acerca de monumentos, tradições, festas populares, entre outras temáticas de interesse histórico sobre o património e a história do concelho de Melgaço.

O Município lança mais uma vez o desafio aos Melgacenses para colaborarem nesta iniciativa, através do empréstimo temporário mediante acordo de entrega de fotografias, cartazes e panfletos entre outros documentos.

DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRAGA O LIVRO “GÉRALD BONCLOURT – O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES”

No próximo dia 22 de janeiro (sexta-feira), é apresentada em Braga a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido e realizado pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 21h30 no Fórum da FNAC na capital do Minho, solar tradicional da emigração portuguesa.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do antigo Diretor da Biblioteca Pública de Braga, Henrique Barreto Nunes.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, atualmente professor de História no Colégio João Paulo II em Braga, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Para Eduardo Lourenço, ensaísta recentemente galardoado com o Prémio Vasco Graça Moura-Cidadania Cultural que assina o prefácio do livro, os retratos de Gérald Bloncourt sobre a emigração portuguesa para França nos anos 60 “salvaram do esquecimento” a saga dos portugueses que partiram em busca de melhores condições de vida.

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação em Braga computará a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que irá circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

A imagem mostra Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos à direita e pelo tradutor da obra, Paulo Teixeira, à esquerda

MUSEU MUNICIPAL DE CAMINHA CONVIDA A POPULAÇÃO A PARTICIPAR NA EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA “AMAR-TE”

A exposição estará patente na Galeria de Arte Caminhense de 13 a 28 de fevereiro

“Amar-te” é o nome da exposição de fotografia subordinada ao tema“Afetos”que o Museu Municipal de Caminha está a organizar. Trata-se de uma mostra aberta a qualquer amador ou profissional de fotografia. Para participar é simples: basta registar três momentos que sintetizem o que é o Amor e enviar via email para o Museu até ao dia 11 de fevereiro.

Esta exposição coletiva dá o mote para as comemorações do Dia de São Valentim e estará patente de 13 a 28 de fevereiro na Galeria de Arte Caminhense.

Para fazer deste um grande momento, o Museu Municipal convida a população a participar. Deste modo, os interessados devem enviar três fotografias cujo teor seja o “Amor” para museu@cm-caminha.pt, até ao dia 11 de fevereiro. Posteriormente, o Museu procederá à sua impressão e de 13 a 28 de fevereiro estarão expostas na Galeria de Arte Caminhense, de forma a serem apreciadas por todos aqueles que visitem a exposição.

Paralelamente a esta mostra, durante as comemorações do Dia de São Valentim, o Município de Caminha irá promover outras atividades.

CONCURSO DE FOTOGRAFIA EM BRAGA JÁ TEM VENCEDORES

Conhecidos os vencedores do XII Concurso Municipal de Fotografia

A Câmara Municipal de Braga, em conjunto com o Museu de Imagem, promoveu a 12ª edição do Concurso Municipal de Fotografia, subordinado ao tema “Vistas, perspectivas e postais sobre o Centro Histórico”.

1º Premio Nuno Costa CNV000025 (PB)

O júri do concurso decidiu atribuir o Primeiro Prémio ao concorrente Nuno Miguel Silva Costa e Menções Honrosas aos concorrentes Pedro Emanuel Sardo Alvim e Marcelo Gonçalves Marques, registando que estes trabalhos corporizavam significativo mérito e qualidade. O júri entendeu também deixar registado um voto de reconhecimento e louvor à participação no concurso de utentes do Centro D. João Novais e Sousa, instituição que acolhe e apoia pessoas com deficiência mental e cuja participação vem conferindo a esta iniciativa uma verdadeira dimensão social, genuinamente inclusiva, na medida em que proporciona uma experiência sociocultural em paralelo e harmonia com os demais cidadãos.

1º Premio Nuno Costa CNV000017 (PB)

O Concurso teve por base a utilização de máquinas descartáveis com flash (uma por concorrente, limitadas a 50) disponibilizadas de forma gratuita aos participantes. O período para captação de imagens prolongou-se por cerca de 24 horas, com início no dia 20 de Dezembro. 

A presente edição teve como novidade o facto de as fotografias a realizar pelos concorrentes terem sido reveladas a Preto e Branco e não a cores, como habitualmente. Esta opção técnica e artística, conjugada com o tema escolhido para esta edição do concurso, tiveram como objectivo despertar o interesse e a sensibilidade dos concorrentes, em particular, e dos munícipes e cidadãos em geral relativamente ao Centro Histórico nas suas múltiplas dimensões e esferas de interesse. Desde logo, enquanto agregado de espaços urbanos, definidos e delimitados por conjuntos edificados e por edifícios singulares de excepcional valia patrimonial, mas também enquanto cidade viva, activa e fruída pelos cidadãos enquanto “utilizadores” da cidade antiga, centro cívico, cultural e económico do Município por excelência.

Neste enquadramento cada concorrente deixou-se inspirar pelas mais de 110 Ruas, Largos, Campos, Praças e Avenidas, que compõem o Centro Histórico de Braga, bem como pelos mais de 2500 edifícios que o integram, de entre os quais se destacam mais de 40 imoveis classificados como Bens Culturais, e teve a oportunidade de captar as mais belas e extraordinárias vistas, perspectivas e postais sobre o “nosso” Centro Histórico.

Decidiu ainda o júri seleccionar fotos de todos os trabalhos a concurso para integrarem uma exposição pública alusiva ao mesmo que irá ser inaugurada no espaço museológico da Fonte do Ídolo em data a anunciar brevemente.

LIVRO "GÉRALD BLONCOURT - O OLHR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES" APRESENTADO ONTEM EM GUIMARÃES

Guimarães foi palco de apresentação do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

Foi ontem apresentado na “cidade berço” de Portugal o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

11

A obra, concebida e realizada pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, foi apresentada no Fóum da FNAC em Guimarães, numa sessão que contou com a presença de muito público e que esteve a cargo do antigo Presidente da Federação das Associações Portuguesas de França, José Machado.

Com chancela da Editora Converso, o livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciado pelo ensaísta e pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. Como a é o caso das imagens históricas que o fotógrafo de 89 anos captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles de Paris, e que já integraram várias exposições em Portugal e França.

16

No decurso da sessão, José Machado, antigo Presidente do Conselho das Comunidades Portuguesas, e da Federação das Associações Portuguesas de França, elogiou o percurso de vida e profissional do fotógrafo Gerald Bloncourt, titular da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa, a mais alta distinção civil de França, assegurando que “este livro é um importante contributo para a história e memória da emigração portuguesa para França”.

Refira-se que o livro é apoiado por duas dezenas de empresas representativas do tecido económico luso-francês: Companhia de Seguros Fidelidade em Paris, E.Leclerc, Quinta de Naíde, Pensiltex, RTL, Imagine o Prestígio, Aluminel, Almeca, Ramiro&Carvalho, Norchapa, Leets, ERA, Vinhos Norte, Quinta do Labaçoso, LS Opticas, Berci, Fiscofafe, Fafetur, Luciano Correia Seguros, Transnos e Citroen.

No início de 2016 estão agendadas várias sessões de apresentação da obra junto das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro, em particular da numerosa comunidade portuguesa radicada em Paris, uma sessão carregada de grande simbolismo que contará com a presença do fotógrafo que durante mais de vinte anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal.

4

3

OBRA DE GÉRALD BLONCOURT VAI SER APRESENTADA EM GUIMARÃES

Apresentação na cidade berço de Portugal do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”

No próximo dia 19 de dezembro (sábado), é apresentada em Guimarães a obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

O livro, concebido e realizado pelo historiador Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, é apresentada às 21h00 no Fórum da FNAC em Guimarães, cidade historicamente associada à fundação da nacionalidade e identidade nacional.

A apresentação do livro com chancela da Editora Converso, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que conta com prefácio do ensaísta e pensador Eduardo Lourenço, estará a cargo do antigo Presidente da Federação das Associações Portuguesas de França, José Machado.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne igualmente memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa.

Segundo Daniel Bastos, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, é “um convite a uma viagem de redescoberta de um país e de um povo entre os povos”.

Para Eduardo Lourenço, intelectual que assina o prefácio do livro, os retratos de Gérald Bloncourt sobre a emigração portuguesa para França nos anos 60 “salvaram do esquecimento” a saga dos portugueses que partiram em busca de melhores condições de vida.

Refira-se que a obra é patrocinada por empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, designadamente, a Companhia de Seguros Fidelidade em Paris, Hipermercado E.Leclerc, Quinta de Naíde, Pensiltex, RTL, Imagine o Prestígio, Aluminel, Almeca, Ramiro&Carvalho, Norchapa, Leets, ERA, Vinhos Norte, Quinta do Labaçoso, LS Opticas, Berci,

Fiscofafe, Fafetur, Luciano Correia Seguros, Transnos e Citroen.

Além de fotógrafo, Gérald Bloncourt é pintor e poeta, tendo participado na criação do Centro de Arte Haitiana (1944) e publicado vários livros, com destaque para “Le Paris de Gérald Bloncourt” (2010), foi no início deste ano condecorado cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa, a mais alta distinção civil de França.

Com diversas participações em conferências nacionais e internacionais, assim como livros publicados no domínio da História Local e da História Contemporânea, Daniel Bastos exerce atualmente atividades docentes no Colégio João Paulo II e na Cooperativa de Ensino Didáxis, instituições de referência no campo do ensino particular e cooperativo no norte de Portugal.

O tradutor Paulo Teixeira, especialista em Administração Educacional com experiência profissional no Centro Europeu de Línguas, colabora regularmente na publicação de várias obras com a tradução de textos, em prosa e em verso, para Francês e para Inglês.

Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.)

“BRAGA VISTA DO CÉUS” OFERECE PERSPETIVA ÚNICA SOBRE A CIDADE

Apresentação Pública decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho

Uma visão única e surpreendente sobre a Cidade é o que oferece a obra ´Braga Vista do Céu´, apresentada hoje, dia 11 de Dezembro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho. Com textos de Miguel Bandeira, vereador do Município, e fotografias de Filipe Jorge, o livro espelha uma viagem emocionante que se inicia no centro histórico e segue deambulando pelas suas ruas, praças, jardins e alamedas, continuando pelos locais mais emblemáticos da cidade como o centro histórico, a universidade, os estádios e o rio Cávado, sempre à descoberta da história, símbolos e paisagens.

CMB11122015SERGIOFREITAS0000002270

Inserido na colecção ´Visto do Céu´, a obra contém cerca de 100 imagens inéditas e uma dúzia de imagens antigas que nos dão a conhecer a Cidade de ontem e a que hoje admiramos. Um livro que é um testemunho actual e indispensável para conhecer a cidade bimilenar e que simultaneamente mais cresce em Portugal.

CMB11122015SERGIOFREITAS0000002267

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, esta é uma obra que vem corresponder ao compromisso e ambição do Executivo Municipal em dotar a Cidade de um espólio livreiro que, do ponto de vista histórico e fotográfico, possa dar um rico e valioso testemunho para as gerações vindouras. “Têm sido muitos os autores que contam com a nossa colaboração na edição de obras de carácter diversos e que, actualmente, nos permitem chegar a qualquer livraria do pais e adquirir obras de referência que são u excelente cartão-de-visita da nossa cidade”, afirmou.

O Edil sublinhou que a fotografia aérea possibilita uma descoberta, já que permite observar detalhes que, de outra forma, dificilmente seriam percepcionados. “É um testemunho que fica e que tem duas componentes fundamentais: uma estética que se relaciona com a qualidade artística das fotografias e outra pedagógica ligada ao testemunho riquíssimo que o livro transmite, graças ao conhecimento e qualidade expressos na sua escrita”, referiu.

Por seu turno, Miguel Bandeira salientou que esta obra representa uma transferência de conhecimento para o domínio do público que vai contribuir para reforçar os factores de identidade e autoconhecimento da Cidade. “O livro tem uma primeira em que, de modo ousado, e na sequência dos estudos que tenho feito, apresento a síntese da evolução urbana de Braga, rica do ponto de vista da historiografia urbano-ocidental. Essa síntese é depois complementada por uma segunda parte em que a narrativa segue as fotografias”, disse.

O livro tem edição bilingue Português/Inglês e é mais uma ferramenta importante para a promoção do Concelho no plano nacional e internacional. A obra tem o patrocínio da Câmara Municipal de Braga e o apoio da Universidade do Minho e da Empresa Navarra.

CMB11122015SERGIOFREITAS0000002266