Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

LOURDES MAGALHÃES EXPÕE EM MONÇÃO

A Casa Museu de Monção da Universidade do Minho acolhe a partir do próximo dia 1 de abril, pelas 16 horas, a exposição Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, da artista Lourdes Magalhães.

17553521_1310219065698259_5482343998340179133_n.jpg

«A obra de Maria de Lourdes desoculta (mas não desnuda) um imaginário íntimo, de formas voláteis e frágeis, que me lembra o sincelo pictórico de Matisse, a musicalidade de Chagall, a alegria de Klimt; e todos esses retalhos do seu imaginário estão ora imersos num espaço amniótico (os peixes) ora vicejam (frutos, seios, lábios) em terra úbere, sem espaço nem barreiras, onde interroga e contempla (pelos olhos de uma mulher comum) o fascinante e inacessível infinito (as estrelas) num desafio erótico e naif, amoroso e intáctil. E que dizer das suas obras de atelier? Não lembram a angústia sombria e dilacerante de Munch? E aquelas duas obras, que mais parecem o verso e o reverso de uma mesma mater dolorosa não exalam um cheiro de santidade e atemporalidade que dá vontade de morrer para ocupar esse lugar, e lembram Boticelli?! Mas tudo isto são palavras de um "fala-só", não guiam ninguém, antes são uma floresta de enganos; não se fiem, pois, delas….» por Norberto Ferreira da Cunha, Professor Catedrático Ap. da Universidade do Minho.

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de abril.

HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO:

Terça a Sexta Feira - das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábados - das 14h00 às 18h00

Domingos e Segundas: encerrada

BRAGA EXPÕE ARTE E NANOTECNOLOGIA

´Matter of Perspectives´ patente no gnration até dia 17 de Junho. Instalação resulta de parceria entre gnration e INL 

Decorreu hoje, dia 24 de Março, na galeria INL do gnration, a inauguração da instalação ´Matter of Perspectives´, da autoria do conceituado artista visual Holandês Tarik Barri. Para a realização deste trabalho o artista esteve em residência artística durante uma semana no Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia.

nanobrag (1).jpg

A instalação, que estará patente até ao dia 17 de Junho, realiza-se no âmbito do ´Scale Travels´, um programa colaborativo que liga arte e nanotecnologia, fruto da parceria estabelecida no ano transacto entre o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia, que tem a seu cargo a supervisão científica do projecto, e o gnration, que tem sob sua alçada a direcção artística e produção. Durante este ano realizar-se-ão três instalações inseridas neste programa.

Como afirmou Firmino Marques, Vice-presidente da Câmara Municipal de Braga, desta parceria resulta um ´casamento perfeito´ entre a ciência e a arte. “Esta frutífera cooperação coloca o conhecimento produzido no INL ao serviço da criatividade e da arte, o que se traduz em mais um trabalho de enorme qualidade que aqui é apresentado”, disse.

Já Paulo Freitas, Vice-Director Geral do INL, referiu que esta é uma ´excelente´ possibilidade de fazer confluir dois mundos, o da ciência e da visão artística, que habitualmente estão separados. “É uma experiência interessante ver o que o artista absorveu do nosso dia-a-dia durante o período de residência artística. A parceria é também uma forma de o INL se abrir à sociedade, neste caso particular através da arte”, disse.

A galeria INL, localizada no interior do gnration, recebeu já instalações sonoras e audiovisuais dos artistas portugueses Rui Dias e Fernando José Pereira (PT) e do norte-americano Pierce Warnecke (EUA).

Tarik Barri começou a programar aos sete anos de idade e aos 16 a criar música electrónica. Ao desenvolver o seu próprio software, Tarik criou o seu único instrumento audiovisual que usa para explorar novas estéticas na combinação de som e imagem. Para além de fazer visuais para artistas como Nicolas Jaar, Thom Yorke (Atoms for Peace) e Monolake, o trabalho de Barik assume diferentes formas como performances audiovisual, instalação e vídeo.

nanobrag (2).jpg

nanobrag (3).jpg

PONTE DE LIMA EXPÕE CÃES E GATOS

II Exposição Canina Nacional do Alto Minho. II Exposição Internacional de Gatos de Ponte de Lima

O Município de Ponte de Lima, com o apoio do Clube Português de Canicultura, organiza, pelo segundo ano consecutivo a II Exposição Canina Nacional do Alto Minho, que vai juntar nos dias 1 e 2 de Abril, os amantes do mundo canídeo, para mostrarem os seus exemplares, ou apenas para visitar a exposição e assistirem ao concurso que se vai realizar.

Exposicao_Canina_Nacional.jpg

O evento é regido pelos regulamentos da Fédération Cynologique Internationale e do Clube Português de Canicultura e destina-se a todos os exemplares de todas as raças e variedades oficialmente reconhecidas, registados em Livros de Origens ou com Registos Iniciais emitidos por organismos reconhecidos pela Fédération Cynologique Internationale.

Juízes de renome, nacionais e estrangeiros, da Bulgária, da Croácia, do Chipre e da França avaliarão os exemplares que concorrem aos Melhores títulos do Campeonato Nacional.

A Exposição Canina elege o melhor exemplar da exposição “Best in Show”. Os animais, divididos em grupos de acordo com as suas raças, vão ainda disputar os prémios para “Jovem promessa Macho”, “Jovem Promessa Fêmea”, “Melhor Par da Exposição”, “Melhor Grupo de Criador da Exposição”, ”Melhor Veterano da Exposição”, “Melhor Bebé da Exposição”, “Melhor Cachorro da Exposição e “Melhor Exemplar das Raças Portuguesas”.

Durante a exposição haverá, também, atividades paralelas como as Pinturas Faciais e os Passeios de Charrete e Batismo a Cavalo.

Confira o Programa

Exposição Canina

Sábado, 01 de Abril

10h30 – Abertura Oficial

            Verde de Honra de boas vindas

12h00 – Admissão dos Exemplares

13h00 – Início dos Julgamentos

            1º, 3º, 5º, 9º e 10º Grupos

17h00 – Grandes Prémios do Dia

  • Troféu Jovem promessa Macho dos 1º, 3º, 5.º, 9º e 10º grupos (apurados para a Final)
  • Troféu Jovem promessa Fêmea dos 1º, 3.º, 5.º, 9.º e 10º grupos (3 apurados para a Final)
  • Melhor Exemplar dos 1.º, 3.º, 5.º, 9.º e 10º grupos
  • Melhor Bebé dos 1., 3.º. 5.º, 9.º e 10º grupos
  • Melhor Cachorro dos 1.º, 3.º, 5.º, 9º e 10º grupos

Domingo, 2 de Abril

9h00 – Admissão dos Exemplares

10h00 – Início dos julgamentos        

            2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º Grupos

17h00 – Grandes Prémios

  • Troféu Jovem Promessa Macho dos 2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º grupos (3 apurados para a Final)
  • Troféu Jovem Promessa Macho (Final)
  • Troféu Jovem Promessa Fêmea dos 2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º grupos (3 apurados para a Final)
  • Troféu Jovem Promessa Fêmea (Final)

 

  • Melhor Exemplar do 2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º grupos
  • Melhor Par da Exposição
  • Melhor Grupo de Criador da Exposição
  • Melhor Veterano da Exposição
  • Melhor Reprodutor da Exposição
  • Melhor Bebé dos 2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º grupos
  • Melhor Bebé da Exposição (Final)
  • Melhor Cachorro dos 2.º, 4.º, 6.º, 7.º e 8.º grupos
  • Melhor Cachorro da Exposição (Final)
  • Melhor Exemplar das Raças Portuguesas
  • Melhor Exemplar da Exposição (BIS)

Encerramento da Exposição

Exposição de Gatos

Sábado, 01 de abril

10h00 – Admissão dos Exemplares

10h30 – Abertura Oficial

            Verde de Honra de boas vindas

11h00 – Início dos Julgamentos

16h00 – Grandes Prémios

Domingo, 02 de abril

10h00 – Admissão dos Exemplares

11h00 – Início dos Julgamentos

15h00 – Grandes Prémios

PÓVOA DE LANHOSO EXPÕE ESCULTURA

Escultor Dinis Ribeiro expõe no Castelo de Lanhoso “Teresa, mãe de Portugal”

O escultor vimaranense Dinis Ribeiro expõe no Castelo de Lanhoso a partir de sábado, dia 25 de março, a mostra "Teresa, mãe de Portugal". A abertura está marcada para as 15h00.

Exposicao Teresa mae de Portugal.PNG

Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, é o rosto de uma governação firme e inteligente, consolidando e ampliando as linhas de fronteira do Condado Portucalense. As suas relações pessoais, frias e calculistas, e as alianças meticulosamente planeadas, fizeram desta mulher uma personagem fundamental na História de Portugal.

Dinis Ribeiro, escultor de Rendufe, concelho de Guimarães, inspirando-se nesta importante figura histórica e numa correlação com o passado, dará corpo a um conjunto de esculturas tridimensionais e minimalistas, que reforçam o poder de D. Teresa e a sua ligação ao Castelo de Lanhoso.

ARCUENSE MUTES EXPÕE NA SUÉCIA

The Merging of feelings and colours

Mutes e Gudrun Regel, são dois amigos que se conheceram decorria o ano de 2013 ou 2014, onde Gudrun iniciava os seus primeiros passos na pintura. A convite de Mutes, visitou Arcos de Valdevez, onde rapidamente se apaixonou pelo clima e pela nossa Serra. Após alguns dias no atelier a experimentar técnicas, chegaram propostas para exposições. Braga, mais tarde Ponte da Barca e Arcos de Valdevez foram os 3 locais por onde Gudrun já expos entre 2014 e 2016.  Desta feita o convite estendeu-se para Mutes, onde a sua Arte de Des-Cubismo Contornismo, vai conhecer novos Países, desta feita no museu da cidade de Ulricehamn, na Suécia, com inauguração a dia 28 de Abril até ao dia 15 de Maio.

expo suécia.jpg

- Expor na Suécia ou em outro Pais é sempre um desafio para mim, a oportunidade de levar minha arte a outros pontos deste Globo é algo que nos satisfaz imenso, para isso é que trabalho todos os dias na arte, independentemente de ter um trabalho de 7 horas diárias. Nos últimos 3 anos este é já o sétimo Pais onde exponho internacionalmente, nunca deixando de fazer exposições em território nacional, numa média de 15 anuais. Tudo isso dá-me imensa força e vontade para pintar ainda mais, conhecer novas culturas novos locais e levar a minha arte a novos rumos onde ela é pedida, apreciada e comprada.

Mutes,  nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986, reside atualmente em Arcos de Valdevez. È pintor autodidata, expõe com regularidade desde 2004. Está representado em diversas coleções  nos vários Continentes, ultrapassando mais de uma centena de exposições nacionais e internacionais. Através da sua arte somos transportados para um mundo de histórias contadas através da tela, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política em alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário, danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o (DES) Cubismo como forma de se afirmar. Organiza e projeta várias exposições, foi fundador e curador dos coletivos de pintura, M4K1, Um Coletivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo.

GudRun Regel, nasceu na Alemanha e vive atualmente na Suécia desde 2008. É pintora Autodidacta.  A pintura entrou na sua vida relativamente cedo, começou a pintar depois de um verão de inspiração na Sicília em 2011. Já fez cerca de 2 dezenas de exposições, 4 delas em Portugal, Alemanha e outras no seu País de residência, a Suécia. Além da arte, trabalha diariamente na area da saúde, com pessoas física e mentalmente debelitadas, essencialmente pessoas autistas.  Toda esta experiencia, enriquece-a. O lado sentimental é por vezes um peso para si, pois não é facil digerir aquilo com que se depara no seu dia-a-dia, quase que sendo obrigada a fazer-se de inflexível e muda. Todas essa emoções refletem-se no seu trabalho artistico, mexendo com a pintora  interiormente. Quando pinta encontra-se num outro mundo, elevando a sua carga emocional.

- Os meus sentimentos influenciam as minhas pinturas, libertando-me. Aquilo que não consigo exprimir sentimentalmente na profissão, tento faze-lo  através da minha Arte. Nas minhas criações não utiliza pinceis, pinto essencialemnte com os dedos, esta é uma forma tenho de  sentir ainda mais a arte, a forma como pinto transmite em mim um bem estar, agrada-me que a pintura comunique comigo.

PINTORES MUTES DE ARCOS DE VALDEVEZ E MIGUEL MOREIRA E SILVA DE BRAGANÇA EXPÕEM EM LISBOA

Exposição de Pintura (Contrastes) de Mutes  & Miguel Moreira e Silva, na Vernissage, de 19 de Abril a 31 de Maio

Contraste é a base da comunicação visual, permitindo a distinção dos elementos em relação ao espaço circundante existente, na diferenciação dos seus tons de luz. Nesta Exposição de Pintura de nome CONTRASTES apresentada por Mutes & Miguel Moreira e Silva no dia 19/04/2017 com vernissage pelas 18.30, na Galeria Europa América, situada na Avenida Marquês de Tomar, 1B 1050-152, em LISBOA é bem visível a diferença nas propriedades visuais de cada um, contrastando - se na obra de ambos.

17308944_10212175363202066_8691960637568137303_n.jpg

Mutes nasce em França, Margny Les Compiegne em 1976, regressa a Portugal em 1986, reside atualmenteem Arcos de Valdevez. È pintor autodidata, expõe com regularidade desde 2004. Está representado em diversas coleções nos vários Continentes, ultrapassando mais de uma centena de exposições nacionais e internacionais. Através da sua arte somos transportados para um mundo de histórias contadas através da tela, onde é possível ver uma certa crítica social, religiosa e política m alguns dos trabalhos. São figuras mutantes com predominância de fortes e atrativos campos pictóricos, que nos fazem viajar num mundo imaginário, danças de uma mão que desenha de forma despreocupada, usando o (DES) Cubismo como forma de se afirmar. Organiza e projecta várias exposições, foi fundador e curador dos colectivos de pintura, M4K1, Um Coletivo no Individual, H.e.x.a e M.O.C.A. Frequentou alguns ateliês onde aprendeu técnicas do contornismo, acabando por fundir com a sua forma de fazer Cubismo.

- Rompendo com os padrões estéticos que primam pela perfeição das formas na busca da imagem realista, nesta minha coleção designada (Des) Cubismo Contornismo, busco a desestruturação da obra em todos os seus elementos. Decompondo a obra em partes, através de figuras mutantes imaginárias, contornando-a nas suas dimensões, numa superfície plana, sob estranhas e variadas formas com o predomínio de linhas curvas e retas, numa estruturação das figuras e dos objetos desajustados, movimentando-os em torno de si próprios através da sua fragmentação, dando abertura e apresentando todos os seus lados num plano frontal em relação ao espectador.

Miguel Moreira e Silva nasceu em 1967, vive e desenvolve o seu trabalho em Bragança. Licenciado em Animação e Produção Artística desenvolve regularmente os seus trabalhos artísticos desde 1992, expõe de forma permanente em Bragança na galeria História e Arte e no Museu Ibérico da Máscara e do Traje, desde 2007.

Sobre as obras: Os seus trabalhos deambulam entre múltiplas técnicas das quais se destaca a pintura, assemblage e a escultura. Nas telas, o autor explora o contraste das cores cheias que se aplicam sobre figuras humanas. As figuras, tratadas como personagens tipo refletem distintas tipologias de propaganda e aparato, denunciando os diferentes atributos e técnicas que em diferentes tempos e espaços provocaram o mesmo efeito de “fa stupire”. A assemblage constitui uma técnica recorrente na experimentação artística de Miguel Silva que lhe permite explorar o ecletismo dos elementos que as incorporam traduzindo uma atitude livre de categorizações, espaço confortável para a prática do autor. Todos os detalhes estabelecem uma forte carga emocional entre eles e entre o todo que supõe o seu conjunto. São narrativas, episódios pessoais, memórias, diários visuais onde a plasticidade dos objetos e a carga simbólica das formas assumem o valor lexical do registo. O autor mistura elementos que sugerem o ritual, a catarse como processo de exorcismo. Confronta-nos o pesadelo e a agressividade na angulosidade e dureza de materiais. A uniformização das composições é sugerida na envolvência sanguínea que cobre a superfície dos objetos reunidos."

mmmm.jpg

BRAGA: AGRO ASSINALA 50 EDIÇÕES COM PROGRAMAÇÃO DE EXCELÊNCIA

Certame arranca no dia 23 de Março

A 50.ª edição da AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação arranca já na próxima Quinta-feira, dia 23 de Março, no Parque de Exposições de Braga, e prolonga-se até ao dia 26. O certame, organizado pela InvestBraga, é o mais importante do sector primário da região do Norte do país e da Galiza e conta com uma programação especial comemorativa pelas 50 edições.

CMB17032017SERGIOFREITAS0000005805.jpg

Com cerca de 250 expositores, as grandes novidades da 50.ª edição da Agro são a realização de uma Grande Conferência, no dia 24 de Março, com o apoio do Crédito Agrícola, durante a qual serão debatidos temas relevantes do sector, tais como a Política Agrícola Comum, a Reforma da Floresta, o futuro da viticultura, o financiamento do sector agrícola e da indústria agro-alimentar, empreendedorismo e inovação e a internacionalização da agricultura e da indústria agro-alimentar; e, no mesmo dia, a Grande Gala 50.ª AGRO, onde serão distinguidas personalidades e entidades que se têm destacado no sector e que conta ainda com a actuação de Aurea.

CMB17032017SERGIOFREITAS0000005806.jpg

“A AGRO tem vindo a crescer de ano para ano, não só em termos de número de expositores e visitantes, mas sobretudo no que toca à variedade da oferta, nomeadamente, temos muito mais conferências, seminários e workshops disponíveis para os profissionais e apostámos no reforço da área da agro-indústria. Este ano, em que se assinalam os 50 anos do certame, apresentamos uma programação de excelência”, explicou Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga.

O programa contempla a realização de vários seminários dinamizados por instituições parceiras, sobre agricultura biológica e práticas de sustentabilidade agrícola.

Os concursos são também grandes atracções da Feira. Nesta edição, estreia-se o Concurso Avícola de Raças Autóctones. Fazem ainda parte do programa desta edição os Concursos Pecuários das Raças Arouquesa, Maronesa e Minhota, assim como o VI Concurso Pecuário Nacional da Raça Cachena, o 5º Concurso Pecuário da Raça Holstein Frísia e o 29º Concurso Nacional da Raça Barrosã.

No campo cultural e musical, além da actuação de Aurea, inserida na Grande Gala, ainda no dia 24, Daniel Pereira Cristo também subirá ao palco. No dia 25, actua Quim Barreiros e, no dia 26, há festival de folclore. Estará patente, ao longo do evento, uma exposição com os cartazes das 50 edições da AGRO.

Considerada a maior feira do sector na região Norte de Portugal e uma das maiores a nível nacional, a AGRO é a única do país a integrar a Eurasco – European Federation of Agricultural Exhibitions and Show Organizers. A AGRO faz igualmente parte das feiras acreditadas pela UFI – The Global Association of the Exhibition Industry, e a 50.ª edição do certame conta com a presença de um representante desta associação.

CMB17032017SERGIOFREITAS0000005808.jpg

CELORICO DE BASTO CELEBRA O AMOR E A VIDA

“Celebração” ao amor e à vida em exposição em Celorico de Basto

A exposição “Celebração” de José Rodrigues em colaboração com a pintora Raquel Rocha está presente no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, de 10 a 31 de março. Na cerimónia de abertura da exposição os convidados tiveram a oportunidade de conhecer a “obra” ao pormenor meticulosamente explicada pela coautora Raquel Rocha.

_DSC7868.jpg

“É uma honra para Celorico de Basto ter patente no centro cultural uma exposição tão rica de tão prestigiada figura das artes e autor da estátua do cardeal D. António Ribeiro, José Rodrigues. Como diz a Raquel Rocha, artista fantástica e coautora deste trabalho, o mestre era de facto um homem de quem só se pode ter uma admiração profunda pela entrega, pelo preciosismo, pela dedicação à arte”, disse o vereador da Cultura da Câmara Municipal de Celorico de Basto, presente na abertura da exposição.

Uma exposição que não é mais que a “celebração ao amor e à vida, tendo como tema o erotismo, em que o mestre tem um gesto livre e solto e eu um traço minucioso” disse Raquel Rocha. A coautora percebeu que tinha algo em comum com José Rodrigues, também o mestre nos seus desenhos se centrava na temática do erotismo então, por intermédio de Filha Ágata Rodrigues, em 2012, foi apresentada ao mestre que aceitou fazer este trabalho conjunto. “A minha admiração pelo mestre é de tal forma profunda que tive que pedir de forma indireta para desenvolver este trabalho conjunto, eu propôs mas temi ao mesmo tempo. E, de facto, ter os olhos do mestre sobre a minha obra não foi fácil mas, nos momentos em que me vi fraquejar o mestre ensinou-me a ter coragem e incentivou-me sempre a trabalhar sem nunca perder o meu traço, muito complexo, minucioso e estruturado. É um trabalho que se complementa, o traço de um vai ao encontro do traço do outro. É um gosto particular de falar sobre amor e representa-lo na obra de arte” reforçou a pintora.

A filha de José Rodrigues mostrou-se muito agradecida e diz que esta exposição vem “celebrar José Rodrigues, o amor e vida”.

A abertura contou com uma série de convidados nomeadamente com a esposa de José Rodrigues, Deolinda Rodrigues.

Importa salientar que a exposição estará em exposição até ao dia 31 de março e que no dia 19 a coautora fará uma visita guiada à mesma com todos os interessados.

_DSC7892.jpg

_DSC7905.jpg

_DSC7915.jpg

MONÇÃO: EXPOSIÇÃO COLETIVA DE PROFESSORES DE ARTE DA ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA

Até 31 de março

Casa Museu de Monção/Universidade do Minho

Nesta exposição coletiva, os docentes da licenciatura em artes plásticas e multimédia da Escola Superior Gallaecia apresentam os seus trabalhos artísticos fruto do percurso individual de cada um. Participam Alexandre Costa, Damião Matos, Emília Simão, Henrique Silva, Hermano Passos, José Vicente, Margarida Leão, Samuel Barbosa e Teresa Correia.

Ana Zanatti.jpg

Horário: Terça a sexta das 10h00 às 12h00 e das 14h00 às 17h00. Sábados das 14h00 às 18h00.

Dia 17, Sexta-feira, 21h30

ENCONTRO COM A ESCRITORA ANA ZANATTI

Biblioteca Municipal de Monção

Ana Zanatti, escritora, atriz e apresentadora de televisão, desloca-se a Monção para apresentação do seu mais recente romance “O Sexo Inútil”, um livro sobre o que de mais profundo vive no coração da condição humana e sobre o direito de nos tornarmos, perante nós e os outros, aquilo que realmente somos.

Para muitos leitores, estas páginas constituem uma revelação carregada de sofrimento mas portadora de gestos e testemunhos que alimentam e fortalecem a esperança, sentimento que nunca deve esmorecer ou perder-se no caminho da vida.

Exposição casa Museu.jpg

FOLKLOURES’17: MUSEU MUNICIPAL DE LOURES EXPÕE “CARROÇAS DA REGIÃO SALOIA”

O Museu Municipal de Loures participa no FolkLoures’17 com a realização de uma exposição subordinada ao tema “Carroças da Região Saloia”, a ter lugar nas instalações do próprio museu, com inauguração prevista no dia 24 de Junho, pelas 16 horas. A exposição tem entrada gratuita e ficará patente ao público, até ao dia 1 de Julho, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (Excepto à Segunda-feira).

12999062_12-dig (30).jpg

Ainda no dia 24 de Junho, a Historiadora e Museóloga Prof. Doutora Ana Paula de Sousa Assunção profere uma palestra subordinada ao tema “Usos e Costumes Tradicionais da Região Saloia”, a ter lugar no Auditório do Museu.

O Museu Municipal de Loures encontra-se instalado na Quinta do Conventinho, sita na Estrada Nacional, 8, em Santo António dos Cavaleiros, a escassos 4 quilómetros de Loures, um edifício conventual contruído na segunda metade do século XVI.

Constituído em 26 de julho de 1998, o Museu encontra-se instalado no 13.º convento dos frades franciscanos da Província de Santa Maria da Arrábida, apresentaposições de  exposições de temática arqueológica e etnográfica, com o intuito de dar a conhecer a realidade e a vivência das populações rurais do município de Loures, assim como a sua história. Possui duas salas de exposições, oficinas, reservas visitáveis, um centro de documentação especializado em história local, loja, cafetaria com esplanada, parque de estacionamento e acesso para pessoas com mobilidade reduzida.

O FolkLoures apresenta um programa cultural rico e diversificado que, sob o impulso e capacidade organizativa do Rancho Folclórico Verde Minho, catapulta o concelho de Loures para a ribalta da cultura tradicional portuguesa.

romaria_senhor_serra_f3

Cartaz2017Novo.jpg

PINTOR MANUEL MALHEIRO EXPÕE EM BARCELOS

A exposição do pintor Manuel Malheiro, "Metamorfoses Solares II", inaugura a 11 de março, na Sala Gótica dos Paços do Concelho, e pode ser visitada até 16 de abril.

O artista expõe em Barcelos um conjunto de obras que versa sobre a figura do galo em múltiplos contextos e culturas. Ao longo da História, o galo assimilou diferentes simbolismos um pouco por todo o mundo, desde o país do sol nascente às terras gaulesas. Na exposição, o artista propõe novos olhares sobre o galo à luz destas representações.

Informação adicional

Nasceu em Monção. Reside e trabalha em Matosinhos. Possui o Curso Superior de Desenho e o Mestrado em Artes Visuais e Intermédia da Escola Superior Artística do Porto, ESAP, onde foi professor. Foi assistente do Prof. Sá Nogueira na Escola Superior – Gallaecia, Vila Nova de Cerveira. Entre 1994 e 1998 lecionou no CLIP – Escola Internacional do Porto e no ensino oficial, em Viana do Castelo. Estágio de Desenho na National Academy of Design School of Fine Arts of New York. Leciona Artes Visuais no curso superior de Artes e Multimédia do ISMAI.

Participou em várias exposições individuais e coletivas, nacionais e internacionais: Mónaco / Alemanha / França / Espanha. Presente em várias coleções particulares.

PROFESSORES DE ARTES DA ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA EXPÕEM EM MONÇÃO

Monção inaugura a Exposição de Professores de Artes da Escola Superior Gallaecia,  hoje, pelas 16h00, nas instalações da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, sitas na vila de Monção.

Trata-se de uma iniciativa da, Unidade Cultural da Universidade do Minho que conta com o apoio da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho e da Fundação Bienal de Cerveira. Os docentes da Licenciatura em Artes Plásticas e Multimédia da Escola Superior Gallaecia têm a honra de apresentar os seus trabalhos artísticos, fruto do percurso individual de cada docente.

Artistas: Alexandre Costa, Damião Matos, Emília Simão, Henrique Silva, Hermano Passos, José Vicente, Margarida Leão, Samuel Barbosa e Teresa Correia.

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de março.

HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO:

Terça a Sexta Feira - das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábados - das 14h00 às 18h00

Domingos e Segundas: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

PONTE DA BARCA PROMOVE SAÚDE E BEM-ESTAR

Câmara de Ponte da Barca promove Expo Saúde e Bem-estar. De 21 a 23 de Abril | Praça da República

A Câmara Municipal de Ponte da Barca promove no próximo mês de abril, nos dias 21,22 e 23, na Praça da República, a Expo Saúde e Bem Estar. Com esta iniciativa, a autarquia barquense pretende constituir um espaço de reflexão, debate, conhecimento e contacto com equipamentos ou serviços no âmbito da saúde e bem-estar. O evento inclui também atividades pedagógicas na área das medicinas convencionais, das medicinas alternativas, da alimentação saudável, do desporto, tertúlias, workshops, entre outras.

Sendo a saúde e o bem estar o principal mote deste evento, a Câmara Municipal abre inscrições para todos os interessados na área expositiva. A ficha de inscrição está disponível no site da autarquia em www.cmpb.pt, bem como as respetivas normas de participação.

Após o preenchimento da ficha de inscrição, a mesma deve ser enviada por email para: saude@cmpb.pt; pelo correio para o endereço: Serviço de Saúde, Ação Social e Juventude, Rua Conselheiro Rocha Peixoto, n.º 3, 4980-626 Ponte da Barca, ou entregue pessoalmente no mesmo endereço, até ao dia 3 de abril de 2017.

Mais informações através dos seguintes contactos: email: saude@cmpb.pt, telefone: 258 488 272 ou no site da autarquia: www.cmpb.pt.

FAMALICÃO EXPÕE UNIVERSO PICTÓRICO DE PEDRO CASQUEIRO

Universo pictórico de Pedro Casqueiro na Ala da Frente em Famalicão. Exposição “Desordem Vertical” patente ao público até 27 de maio com entrada livre

Há ordem e desordem em simultâneo na Galeria Municipal de Arte Contemporânea em Vila Nova de Famalicão. Não se trata propriamente de uma coexistência, mas antes da forma como cada visitante pode interpretar os quadros que Pedro Casqueiro trouxe até à cidade famalicense com uma temática “suficientemente vaga para abranger o conjunto das coisas”.

DSC_7249.jpg

A exposição “Desordem Vertical” foi inaugurada no passado sábado, 4 de março, com a presença do autor, e estará patente ao público até ao dia 27 de maio de 2017, com entrada livre.

Na pequena sala do Palacete Barão da Trovisqueira pode assim ser apreciado o universo pictórico de Pedro Casqueiro, que explora formas, registos, diagramas, estruturas mentais e visuais, denunciando uma pintura de pendor abstratizante.

“Na Ala da Frente apresentam-se obras que nos permitem aceder a este onde somos desafiados a uma observação cuidada e de atenção demorada, tempo necessário para convivermos com o corpo da pintura”, refere a propósito da exposição António Gonçalves, curador da galeria.

DSC_7115.jpg

Pedro Casqueiro tem tido um percurso singular, coerente e com uma prática exigente do exercício da pintura. A pintura como forma de pensamento que vai sendo explorada nas mais cuidadas pesquisas, com recurso à cor, às formas geométricas que constroem universos de reflexão, de ironia, de profundidade de observação.

Pedro Casqueiro nasceu em Lisboa em 1959 onde vive e trabalha. Frequentou o curso de Pintura da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa. Desde de 1981 que tem apresentado o seu trabalho em numerosas exposições individuais e coletivas.

Recorde-se que a Galeria Municipal “Ala da Frente”, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, José Pedro Croft, com “Prova de Estado”, e Pedro Cabrita Reis com “Ridi Pagliaccio”.

FICHA TÉCNICA

Título da exposição: "Desordem Vertical"

Autor: Pedro Casqueiro

Data: 4 de março de 2017 a 27 de maio de 2017

Horário: Terça a Sexta das 10h00 às 17h30. Sábado das 14h30 às 17h30.

Encerra aos domingos e feriados.

Entrada: Gratuita

DSC_7117.jpg

BRAGA INAUGURA EXPOSIÇÃO "LAUSPERENE"

Inauguração da Exposição ‘Lausperene’ tem lugar amanhã, Sábado, dia 4 de Março, pelas 16h00, no Museu da Imagem, Braga

O Município de Braga inaugura amanhã a Exposição ‘Lausperene’, pelas 16h00, no Museu da Imagem, em Braga.

A iniciativa contará com a presença de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e do cónego Luís Miguel Figueiredo Rodrigues, presidente da Comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa.

A Exposição, da autoria do fotógrafo Bracarense Adalberto, estará patente ao público até 16 de Abril, e poderá ser visitada de Terça a Sexta-feira, das 11h00 às 19h00 e aos Sábados e Domingos, das 14h30 às 18h30.

PROFESSORES DE ARTES EXPÕEM EM MONÇÃO

O Presidente e a Direção da Casa Museu de Monção, Unidade Cultural da Universidade do Minho, promovem a Exposição de Professores de Artes da Escola Superior Gallaecia, no próximo dia 8 de março (quarta feira), pelas 16h00, nas instalações da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, sitas na vila de Monção.

Com o apoio da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho e da Fundação Bienal de Cerveira, os docentes da Licenciatura em Artes Plásticas e Multimédia da Escola Superior Gallaecia têm a honra de apresentar os seus trabalhos artísticos, fruto do percurso individual de cada docente.

Artistas: Alexandre Costa, Damião Matos, Emília Simão, Henrique Silva, Hermano Passos, José Vicente, Margarida Leão, Samuel Barbosa e Teresa Correia.

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de março.

HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO:

Terça a Sexta Feira - das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábados - das 14h00 às 18h00

Domingos e Segundas: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

NAVIO GIL EANNES RECEBE EXPOSIÇÃO “ARTE & MEDICINA”

De 4 de março a 30 de abril, vai estar patente no Navio Museu Gil Eannes a exposição “Arte & Medicina”.

É uma exposição do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, a qual foi idealizada por uma equipa de curadoras Cristina Nogueira e Carolina Gomes.

EXPO_ArteMedicina.jpg

A exposição exibe 61 reproduções de pinturas e iluminuras de museus de todo o mundo tendo como objetivo induzir o visitante a refletir na forma como a arte representou a medicina, os médicos, as doenças e os hospitais, e a sua evolução história. Exibem-se ainda objetos de uso médico do acervo da Escola Superior de Saúde de Viana do Castelo.

A exposição que conta com o apoio da Fundação Gil Eannes, será inaugurada no próximo dia 4 de março às 18h, e poderá ser visitada todos os dias a partir das 9.30h.

FAMALICÃO REALIZA EXPOSIÇÃO SOBRE LINO LIMA

Biblioteca Municipal recebe exposição itinerante sobre Lino Lima

No âmbito das comemorações do centenário de nascimento de Lino Lima, a Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco acolhe, a partir desta quinta-feira, dia 2 de março, a exposição itinerante “Lino Lima – Uma Vida pela Liberdade”.

Exposição Lino Lima.jpg

A mostra, que começou por estar patente no edifício dos Paços do Concelho, desloca-se agora para a biblioteca famalicense onde estará patente ao público até ao dia 31 de março, sexta-feira.

Recorde-se que as comemorações são promovidas pela autarquia famalicense em associação com a Direção da Organização Regional de Braga do PCP. O programa evocativo arrancou no passado dia 21 de fevereiro e vai prolongar-se ao longo de 2017, nomeadamente, com a edição de uma brochura com depoimentos e testemunhos de familiares e amigos e com a realização de um colóquio sobre a plurifacetada personalidade de Lino Lima: distinto advogado famalicense, destacado membro da Oposição Democrática à ditadura do Estado Novo e militante de PCP desde 1941.

Nascido no Porto, Lino Lima veio com os pais, ainda criança, para Vila Nova de Famalicão, onde cresceu, viveu e trabalhou. Veio a  tornar-se um dos advogados mais importantes do seu tempo, quer na comarca, quer na defesa dos presos políticos nos Tribunais Plenários. Apesar disso, teve uma intensa atividade política, inicialmente na clandestinidade e, no final da grande guerra na “luta legal”, ligando-se aos movimentos políticos criados ou apoiados pelo PCP, como o MUNAF e o MUD, a cujas comissões nacionais pertence. Tornou-se Líder da Oposição Democrática do Distrito de Braga, que nos anos 60 ousou autodenominar-se “Os Democratas de Braga”, granjeando notoriedade nacional ao lado de Victor Sá, Santos Simões, Humberto Soeiro e Eduardo Ribeiro.

EDUARDO TEIXEIRA PINTO EXPÕE FOTOGRAFIA EM PONTE DA BARCA

O prazer de fotografar... de Eduardo Teixeira Pinto

Exposição de Fotografia, patente no átrio dos Paços do Concelho de Ponte da Barca, até ao dia 13 de março

Eduardo da Costa Teixeira Pinto nasceu em Amarante, em 1933, e começou a tirar as suas primeiras fotografias profissionais em 1950, tendo participado, a partir de 1953, em vários salões de fotografia nos cinco continentes.

P1500073.JPG

A sua vasta obra, de olhar poético sobre a realidade, fez de Eduardo Teixeira Pinto um dos melhores e mais galardoados fotógrafos portugueses do século XX. As suas fotografias abordam diversos temas, com destaque para a Natureza e a figura humana, relação que tão bem soube conciliar.

Com fotografias como «Rodopio», «Igreja de S. Gonçalo», «De Regresso», «Tema de Pintores», «Matinal» e «Quietude», entre outras, obteve inúmeros prémios em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente o Grande Prémio de Camões (1960), na época, uma das mais altas distinções a nível nacional.

Falecido em Janeiro de 2009, Eduardo Teixeira Pinto deixou um espólio fotográfico de valor incalculável.

A exposição itinerante, composta por uma coleção de 38 fotografias, premiadas a nível nacional e internacional, e que já estiveram patentes em diversos locais do país, chega, agora a Ponte da Barca e pode ser visitada até ao dia 13 de março, de segunda a sexta-feira, das 09h às 12h30 e das 14h às 17h30.

P1500050.JPG

P1500063.JPG

ACÁCIO VIEGAS INAUGURA EXPOSIÇÃO EM VIANA DO CASTELO

A exposição estará patente até 26 de Março.

Nascido em 1976, em Viana do Castelo é mestre em Design Industrial, pela Universidade do Porto. Designer desde 1999, tem passado pelas mais diversas áreas, desde o design do produto, design gráfico, web design ao retail design. Em 1999, expõe na primeira edição da  Experimentadesign,  Meeting Point, com o objeto “Quatro L. Constam do seu portfólio trabalhos reconhecidos internacionalmente, obtidos pela participação em concursos e selecionados por meios de comunicação, nas áreas do design gráfico e de produto.

convite_sc_03_20017.jpg

Em 2002, por convite, ingressa na carreira docente, no Instituto Politécnico de Viana do Castelo, como assistente onde permaneceu por vários anos.

Em 2014, em busca de novas formas de expressão, fruto de uma necessidade interior de manifestação espiritual e expansão da consciência, encontra na arte a forma de extrapolar a funcionalidade dos objetos e a objetividade da comunicação imposta pelo design, abrindo novos caminhos de exploração semântica da forma para comunicar com a alma.

A mistura de conhecimentos influenciam claramente a escolha das técnicas e dos suportes, apresentando o artista uma abordagem pragmática na representação. Explora o digital como forma de estudo, preferindo as técnicas industriais e contemporâneas para materializar as suas ideias e pensamentos relacionados com manifestações espirituais, culturais e de essência da própria vida.

Na sua arte, propõe-se provocar um despertar da consciência, uma mudança de significado ou de perspetiva.

Os seus primeiros ensaios artísticos são mostrados ao grande público, pela primeira vez, na edição de 2015 do Guimarães nos noc, com a exposição “Consciência” e em seguida, em Lisboa, no Instituto Macrobiótico de Portugal, com a exposição individual “Ser”, com obras inspiradas em textos originais de vários autores portugueses.

MÁRIO REBELO DE SOUSA EXPÕE EM BARCELOS

Exposição de Mário Rebelo de Sousa inaugura em Barcelos

“Só-mentes” é o título da exposição artes plásticas que o artista ancorense Mário Rebelo de Sousa apresenta ao público, na Biblioteca Municipal de Barcelos, no próximo dia 18 de fevereiro e até 18 de março. A inauguração está marcada para as 17h.

Cartazbarcexp.jpg

A obra de Mário Rebelo de Sousa, que atravessa o desenho e a pintura, pauta-se pela abordagem surrealista, convocada por cores e colagens, ao imaginário do quotidiano e à decomposição do corpo humano. O artista autodidata conta com dezenas de décadas de carreira artística, tendo participado em várias exposições individuais e coletivas.

Informação adicional

Mário Rebelo de Sousa nasceu em Âncora em 1953. Autodidata em artes plásticas iniciou a sua atividade artística nos anos 60, participando ao longo dos anos em inúmeras exposições coletivas e individuais em Portugal e no estrangeiro. É curador dos mais variados eventos artísticos e projectos de cariz sociocultural. É membro fundador do “NUCLEARTES”, núcleo de artes e estudos do Vale do Âncora e do GALG, grupo de artistas luso-galaico. Além de estar editado na Revista d’Arte “PARTAGE” 2014/2016 (Limoges) e nos livros “Um homem só”, “Carne para canhão” e “O Estrangulador de bonecos de neve”, possui os seguintes prémios: Menção honrosa pintura 1982; Prémio Nacional de Criatividade 1982; Prémio Internacional Pintura Salvaterra do Minho; menção honrosa Bienal Vidigueira, 2010; Prémio pintura, Marvão, 2010, Pincel d’ouro FEBLACIA, 2014; Menção honrosa pintura Hans C. Andersen-Ourém, 2015; Prémio pintura Aveiroarte, 2015; Menção honrosa grau platina-Lisboa, 2015; Menção honrosa, grau ouro-Lisboa, 2015; Menção honrosa grau ouro-Porto, 2015: Pjncel d’ouro Viseu 2016;

PINTORA BARCELENSE SABINA FIGUEIREDO EXPÕE EM VIZELA

13 de fevereiro a 30 de março: Exposição de Sabina Figueiredo na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição ‘Contrastes’, de Sabina Figueiredo, de 13 de fevereiro a 30 de março.

10885311_580542698756521_5629514049729680073_n.jpg

“Contrastes”

“Contrastes” foi o nome que escolhi para esta exposição onde quis mostrar dois estilos (o figurativo e o abstrato), em dois suportes distintos (o papel e a tela) e tonalidades diversas (o preto, o branco e o colorido).

Em estilo figurativo apresento várias representações do corpo humano nu. Imagens que criei, desenhei e pintei com a sensibilidade que o tema merece, tendo procurado para cada uma delas uma visão poética, que parta de imagens vulgares e as torne singulares. O corpo humano é na realidade uma obra de arte e o “nu artístico” tem a capacidade de inspirar e despertar emoções.

Em estilo abstrato, apresento apenas duas obras, a carvão, que têm como base o contraste em traços rectos e curvos (que definem a imagem) e entre tons claros e escuros (que preenchem os espaços). Foram desenhados sem a intenção de mostrar “algo”, mas sempre com a inspiração artística em mente. Não são uns “rabiscos”. Isso ninguém pode dizer. Também não precisam de parecer alguma coisa… são simplesmente abstratos! Deixo ao critério dos diferentes observadores a sua interpretação. 

15936705_1016418965168890_137120503315259070_o.jpg

SABINA FIGUEIREDO

Pintura

Sabina Figueiredo nasceu em Vila Seca, no concelho de Barcelos, a 1 de Julho de 1958, mas foi em Moçambique que estudou e viveu até aos 17 anos. Regressada desta ex-colónia, em 1975, prosseguiu os seus estudos em Barcelos, onde iniciou também o seu percurso profissional. Desde 1984, trabalha como Agente da Polícia de Segurança Pública, em Braga, cidade onde vive desde então.

O seu interesse pela pintura e pelo desenho foram notados desde cedo e já na adolescência, esboços, aguarelas e desenhos ocupavam parte do tempo livre de Sabina. No entanto, apenas em 1996, decidiu retomar este hoby e apostar sua formação artística, de forma maioritariamente autodidata. No sentido de aprofundar e consolidar os seus conhecimentos, entre 2005 e 2009, frequentou o curso de formação em Artes Plásticas, no Atelier Livre da junta de freguesia de S. Tiago da Cividade, em Braga.

Exposições anteriores

2006 | Excertos do Real – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

2007 | Formas e Natureza – Torre de Menagem (Braga)

           Formas e Natureza – Posto de Turismo de Esposende

           Exposição coletiva de artes plásticas no Instituto Português da Juventude (Braga)

           Dias da Criação – Exposição coletiva na Casa da Eira Longa (Boticas)

2007-11 | I, II, III, IV e V Encontros de Pintura do Regimento de Cavalaria n.º 6 (Braga)

2007-10 | Exposição Aberta – Exposição coletiva de artes plásticas no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

2008 | Arte e Criação II – Exposição coletiva em Vieira do Minho

2008 | Filo-café “Salvação e Justiça” no Orfeão do Porto

2009 | Tons de Laranja – Bar Gato Escaldado (Braga)

           Arte e Criação III – Exposição coletiva em Vieira do Minho

2010 | Aromas da Natureza – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

           Arte do Carvalho – Exposição coletiva em Travassos (Póvoa de Lanhoso)

2011 | Pintura é dança, Pintura é melodia – Auditório da Junta de Freguesia de Real (Braga)

2012 | Arte no feminino – Galeria Nimbus (Braga)

           Pintura é dança, Pintura é melodia – Bragatruthotel (Braga)

           Vivências – Junta de freguesia de S. Vítor (Braga)

2013 | Vivências – Espaço Só Arte (Braga)

           Sunset Ballet – Bar Casa Velha (Braga)

2014 | A vida – Space Feng Shui (Braga)

           Exposição Aberta – Exposição coletiva de artes plásticas no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

           O sentido da Mudança – Fundação Jorge Antunes (Vizela)

           O sentido da Mudança – Galeria da Junta de Freguesia de S. Victor (Braga)

           Vivências – Museu Municipal de Esposende

2015 | A vida – Pastelaria Belsarini (Vizela) 2015

           Encontro de Artes – Exposição coletiva no Museu D. Diogo de Sousa (Braga)

           Encontro de Artes – Exposição coletiva no Cine Teatro João Verde (Monção)

           Exposição Aberta – Exposição coletiva no Theatro Club (Póvoa de Lanhoso)

           Traces et taches – Les Forgerons (Paris)

2016 I Perspectivas – Casa Museu Mestre Adelino Ângelo (Vieira do Minho)

           Belsarini Pastelaria (Vizela)

           Café Galeria  (Guimarães)

           Teatro dos Sonhos (Vizela)

           Café Astória (Braga)

           Polícia de Segurança Pública de Braga

           Expoética de Braga 

           Espaço Alquimik (Braga)

13508919_877790065698448_1146304978057743876_n.jpg

BRAGA REALIZA EXPOSIÇÃO DO XIII CONCURSO MUNICIPAL DE FOTOGRAFIA

Amanhã, Quarta-feira, dia 8 de Fevereiro, pelas 17h00, na Fonte do Ídolo, em Braga

O Município de Braga convida o vosso órgão de Comunicação Social a marcar presença na inauguração da exposição dos trabalhos do XIII Concurso Municipal de Fotografia, que terá lugar Amanhã, dia 8 de Fevereiro, pelas 17h00, na Fonte do Ídolo, em Braga.

A cerimónia irá contar com as presenças da vereadora Lídia Dias e do vereador Miguel Bandeira.

De referir que Rune Storetvedt foi o grande vencedor deste XIII Concurso Municipal de Fotografia, que teve como tema ‘O Património Azulejar do Centro Histórico de Braga’. O júri atribuiu menções honrosas a Gabriela Filipa Lopes Ribeiro e a Eduarda Ribeiro Vilares, renovando ainda o voto de reconhecimento e louvor à participação no concurso dos utentes do Centro D. João Novais e Sousa.

A exposição estará patente ao público até 26 de Fevereiro.

MINISTRO DA CULTURA PRESENTE NA INAUGURAÇÃO EM CAMINHA DA EXPOSIÇÃO DE SERRALVES “MÚSICA E PALAVRAS: OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES”

Sessão terá lugar amanhã, dia 7 de fevereiro, pelas 18H00

Caminha “Vila Serralves” vai acolher a primeira exposição a partir de amanhã. “Música e Palavras – Obras da coleção de Serralves” inaugura, amanha, dia 7 de fevereiro, pelas 18H00, com uma sessão especial no Salão Nobre do Edifício Paços do Concelho. A inauguração conta com a presença do Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, do Presidente da Câmara Municipal de Caminha, Miguel Alves, e da Presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho.

Serralves Música e Palavras Dara Birnbaum.jpeg

A exposição itinerante “Música e Palavras – Obras da coleção de Serralves” vai estar patente até ao dia 16 de abril, em vários espaços culturais da vila: Museu Municipal, Galeria de Arte Caminhense, o edifício do antigo Posto de Turismo e a Torre do Relógio. Esta mostra faz parte do intenso programa de exposições itinerantes que o Museu de Serralves desenvolve e que tem como grande objetivo tornar a Coleção de arte contemporânea de Serralves acessível para além das portas do Museu, permitindo assim o alargamento da rede de acesso e de aproximação das populações à arte e à cultura.

Para o Município de Caminha, esta aposta na cultura prestigia o concelho e vai permitir aos caminhenses ampliarem os seus hábitos culturais e contactarem com manifestações artísticas de criadores portugueses e estrangeiros de maior relevância, bem como vai atrair novos públicos ao concelho.

“Música e Palavras: Obras da Coleção de Serralves” é uma exposição que apresenta trabalhos que testemunham o interesse de artistas visuais nas últimas cinco décadas pelos universos da música, do som, da palavra dita. A aproximação a estes mundos serviu-lhes para saírem do contexto estrito da história das artes visuais e para produzirem obras que se inspiram na vitalidade da música, nomeadamente na música rock. Evidência desta relação entre música e artes visuais são as capas de discos de vinil pertencentes à Coleção Salvador Massada, também apresentadas na exposição. Esta seleção conta com capas desenhadas por artistas portugueses e internacionais como Jean-Michel Basquiat, Robert Frabnk, Barbara Kruger, Jorge Martins, Paulo Nazolino, entre outros.

“Música e Palavras: Obras da Coleção de Serralves” apresenta obras de Dara Birnbaum, Luís Paulo Costa, Luisa Cunha, Dan Graham, Ricardo Jacinto, Tony Oursler, Rui Toscano, Pedro Tudela.

Desde a visão estética do acontecimento, ao papel do artista como performer, passando por práticas sonoras experimentais, esta mostra propõe uma aproximação à experiência sonora a partir da sua dimensão social no contexto contemporâneo. A materialidade do som, o poder da palavra como ferramenta sonora, a catarse envolvente dos elementos musicais e alusões à frenética estética do videoclipe, criam, nesta exposição, um percurso com diferentes propostas, ligadas de maneira mais ou menos transversal, ao som, à música e à palavra.

Serralves Música e Palavras Luis Paulo Costa.jpg

Serralves Música e Palavras Ricardo Jacinto.jpg

GERAÇÃO CÔTA, UMA EXPOSIÇÃO D’OS DIABOS EM BARCELOS

Pelas Mãos de Côta e Geração Côta, dia 4 de fevereiro, às 18h, no Museu de Olaria

"Geração Côta", uma retrospetiva da obra familiar, estará em exposição na Sala de Exposições Temporárias do Museu de Olaria de Barcelos, a partir do dia 4 de fevereiro, e poderá ser visitada até ao final do ano. Um universo íntimo e próprio com mais de 130 peças, provenientes do acervo do Museu de Olaria e da coleção particular de Prazeres Côta, que cruzam a mitologia sagrada e profana em metamorfoses e cores aguerridas.

côtabarcelos (1).jpg

Paralelamente, na Sala da Capela, é inaugurada uma exposição dedicada exclusivamente à obra de Júlia Côta, "Pelas Mãos de Côta". São 75 peças, na sua maioria da coleção particular da própria barrista, de uma carreira construída ao longo de várias décadas e que se demarca pelo recorrente emprego do apito nas peças decorativas.

Ambas as exposições integram a segunda mostra do ciclo dedicado às famílias mais carismáticas do figurado artesanal barcelense. A primeira mostra, dedicada à ceramista Rosa Ramalho, decorreu entre abril e dezembro de 2016.

côtabarcelos (2).jpg

EXPOSIÇÃO RETROSPETIVA 2016 INAUGURA AMANHÃ EM CAMINHA

Inauguração agendada para as 16H00

O Museu Municipal de Caminha tem patente a partir de amanhã a exposição Retrospetiva 2016. Esta mostra reúne as obras cedidas ao Município pelos artistas que escolheram a Galeria de Arte Caminhense para expor o seu trabalho durante o ano de 2016. A exposição inaugura amanhã, dia 28 de janeiro, pelas 16H00.

A exposição Retrospetiva põe em evidência, no início de cada ano, a atividade da Galeria de Arte Caminhense, espaço cedido a vários artistas para exporem a sua obra. Para além de divulgar o trabalho de cada um dos artistas, esta exposição pretende ainda aproximar os públicos das artes plásticas, através das várias atividades desenvolvidas pelos serviços educativos.

Em 2016, foram mais de duas dezenas os artistas que escolheram uma das salas de visita do concelho para divulgarem o seu trabalho: Lúcio Danin Torres, Marcos Viana, ConchiCuadrado, Joel Correia / Diana Pinheiro, José Luís Pais, Santarelli, João Barros, Puskas, Vitor Carneiro, Lucie Esteve, Isa Dora Cruz, João Marrocos, Dacha, Cachi / Tino Riveiro, Isabel Ferreira, Alfonso Vicente Rey, David Lopes / Rosário Pedro, Ricardo Dantas, Maria Mondim Pereira, José Manuel Rocha Pereira e Mário Rebelo de Sousa.

Em Caminha, esta mostra estará patente até dia 5 de março. Depois, rumará até Vila Praia de Âncora, à Galeria Guntilanis, onde poderá ser visitada de 11 de março a 2 de abril.

A exposição Retrospetiva pode ser visitada de terça-feira a domingo das 10H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00.

EXPOSIÇÃO RETROSPETIVA 2016 INAUGURA SÁBADO EM CAMINHA

Museu Municipal de Caminha acolhe exposição dos artistas que expuseram na Galeria de Arte Caminhense em 2016

A exposição Retrospetiva 2016 marca o arranque da programação do Museu Municipal de Caminha. Esta mostra reúne as obras cedidas ao Município pelos artistas que escolheram a Galeria de Arte Caminhense para expor o seu trabalho durante o ano de 2016. A exposição inaugura sábado, dia 28 de janeiro.

retrospetiva 2016.jpg

A exposição Retrospetiva põe em evidência, no início de cada ano, a atividade da Galeria de Arte Caminhense, espaço cedido a vários artistas para exporem a sua obra. Para além de divulgar o trabalho de cada um dos artistas, esta exposição pretende ainda aproximar os públicos das artes plásticas, através das várias atividades desenvolvidas pelos serviços educativos.

Em 2016, foram mais de duas dezenas os artistas que escolheram uma das salas de visita do concelho para divulgarem o seu trabalho: Lúcio Danin Torres, Marcos Viana, ConchiCuadrado, Joel Correia / Diana Pinheiro, José Luís Pais, Santarelli, João Barros, Puskas, Vitor Carneiro, Lucie Esteve, Isa Dora Cruz, João Marrocos, Dacha, Cachi / Tino Riveiro, Isabel Ferreira, Alfonso Vicente Rey, David Lopes / Rosário Pedro, Ricardo Dantas, Maria Mondim Pereira, José Manuel Rocha Pereira e Mário Rebelo de Sousa.

Em Caminha, esta mostra estará patente até dia 5 de março. Depois, rumará até Vila Praia de Âncora, à Galeria Guntilanis, onde poderá ser visitada de 11 de março a 2 de abril.

A exposição Retrospetiva pode ser visitada de terça-feira a domingo das 10H00 às 13H00 e das 14H00 às 18H00.

PONTE DE LIMA RECEBE EXPOSIÇÃO DE ARTE CONTEMPORÂNEA

LETHES ART Ponte de Lima 2017. Memória & Identidade (s) – Candidaturas até 31 de março

A Vila de Ponte de Lima vai receber mais uma grande exposição de Arte Contemporânea.

O projeto artístico Lethes Art, que promove a criação e exibição de obras de arte contemporânea de Artistas nacionais e estrangeiros, vai permanecer numa da Vilas Mais Antigas de Portugal entre 1 de julho a 30 de setembro, ocupando diversos locais de exposição.

Printscreen-1.jpg

Já em 2016 o Município de Ponte de Lima abriu as portas do seu património a idêntica iniciativa promovendo a mostra em vários museus municipais, um jardim temático, uma capela, ou uma casa senhorial.

Em 2017, esta mostra internacional de arte contemporânea irá apresentar-se em diversos edifícios e locais históricos da vila, desde espaços museológicos, jardins, capelas, igrejas ou uma antiga prisão de mulheres constituem a geografia física dos locais de exposição do roteiro do LETHES ART Ponte de Lima.

Artistas de todo o mundo estão convidados a participar com os seus trabalhos nesta mostra de arte contemporânea. O tema do LETHES ART em 2017, ‘Memória & Identidade(s)’, convida à participação em diversas áreas: Arquitetura, Cerâmica, Desenho, Escultura, Fotografia, Ilustração, Instalação de Arte, Livro de Artista, Pintura, Poesia, Vídeo, Computer Art, Land Art, Projection Art, Sound Sculpture.

As candidaturas são feitas online, na opção ‘Área do Artista’, de 16 de janeiro a 31 de março de 2017. Leia as Condições de Participação e o Conceito 2017 e registe-se na plataforma do LETHES ART para submeter as suas obras de arte à participação. Lethes Art!

Printscreen-2.jpg

Printscreen-3.jpg

EXPOSIÇÃO EM GUIMARÃES ASSINALA 15 ANOS DA CRIMINALIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

“AQUI MORREU UMA MULHER”

Exposição em Guimarães assinala 15 anos desde que a violência doméstica é crime público

Biblioteca Municipal Raul Brandão recebe mostra fotográfica, que está a percorrer o país. Vimaranenses podem visitar a partir de segunda-feira.

Exposicao_Aqui_Morreu_Uma_Mulher.jpg

A Câmara Municipal de Guimarães, no âmbito do Espaço Municipal para a Igualdade, vai apresentar a exposição nacional “Aqui Morreu uma Mulher”, na Biblioteca Municipal Raul Brandão, entre os dias 23 e 30 de janeiro, em colaboração com a Associação ANIMAR, fundada em 1993, que intervém nas áreas do desenvolvimento local, economia social e solidária, educação formal e não-formal, associativismo e cidadania ativa.

Em périplo pelo país, a exposição, que pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9:30 às 18:30 horas, e ao sábado das 10 às 13 horas, assinalou os 15 anos, em 2015, desde que a violência doméstica passou a ser crime público. A mostra, cujo mote partiu da revista Visão, apresenta fotografias de locais onde ocorrem os delitos e conta histórias de mulheres que viram as suas vidas ceifadas em contexto de violência doméstica.

Durante todo o ano de 2015, os repórteres Teresa Campos e José Carlos Carvalho percorreram o país de norte a sul, depois de terem morrido 42 mulheres no ano anterior. Ouviram histórias de mulheres, novas e idosas, a vítima mais velha tinha 84 anos, a mais nova apenas 23. Estiveram em pequenas aldeias e em grandes cidades. São 28 as histórias de mulheres retratadas, que morreram às mãos de maridos e companheiros.

A exposição é uma ação conjunta da revista Visão, do Gabinete do Ministro Adjunto e da Câmara Municipal de Lisboa. A iniciativa “Roteiro Cidadania em Portugal” reproduziu esta mostra para que seja um recurso, a fim de desafiar as comunidades locais em todo o país a conhecer esta realidade.

PONTE DE LIMA RECEBE EXPOSIÇÃO DE ARTE CONTEMPORÂNEA

LETHES ART Ponte de Lima 2017. Memória & Identidade (s) – Candidaturas até 31 de março

A Vila de Ponte de Lima vai receber mais uma grande exposição de Arte Contemporânea.

lethesart (1) (Custom).png

O projeto artístico LETHES ART que promove a criação e exibição de obras de arte contemporânea de artistas nacionais e estrangeiros, vai permanecer na Vila Mais Antiga de Portugal entre 1 de julho a 30 de setembro, ocupando diversos locais de exposição.

Já em 2016 o Município de Ponte de Lima abriu as portas do seu património a idêntica iniciativa promovendo a amostra em vários museus municipais, um jardim temático, uma capela, ou uma antiga ‘prisão das mulheres’.

Em 2017, esta mostra internacional de arte contemporânea irá apresentar-se em diversos edifícios e locais históricos da vila, desde espaços museológicos, jardins, capelas ou igrejas constituem a geografia física dos locais de exposição do roteiro do LETHES ART Ponte de Lima.

Todos os artistas nacionais e estrangeiros estão convidados a participar com os seus trabalhos nesta mostra de arte contemporânea. O tema do LETHES ART em 2017, ‘Memória & Identidade(s)’, convida à participação em diversas áreas: Arquitetura, Cerâmica, Desenho, Escultura, Fotografia, Ilustração, Instalação de Arte, Livro de Artista, Pintura, Poesia, Vídeo, Computer Art, Land Art, Projection Art, Sound Sculpture.

As candidaturas são feitas online, na opção ‘Área do Artista’, de 16 de janeiro a 31 de março de 2017. Leia as Condições de Participação e o Conceito 2017 e registe-se na plataforma do LETHES ART para submeter as suas obras de arte à participação.

CASA DOS CRIVOS EM BRAGA MOSTRA OBRA DE LUÍS DE CAMPOS

Exposição patente ao público na Casa dos Crivos até 12 de Fevereiro

Casa dos Crivos mostra obra de Luís de Campos

Foi inaugurada hoje, 13 de Janeiro, na Casa dos Crivos, em Braga, uma exposição de pintura de Luís de Campos (1913-1982) considerado o artista plástico mais proeminente da história de Braga no século XX.

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004693.jpg

Segundo Lídia Dias, vereadora da Cultura do Município de Braga, esta exposição é uma forma de dar a conhecer a obra de Luís da Campos, cujo espólio faz parte do quotidiano da Autarquia. “Muitos destes quadros estão expostos nas paredes dos gabinetes da Câmara, pelo que esta é também uma forma de homenagear este pintor que doou a sua obra à Autarquia”, referiu Lídia Dias, notando que outro dos objectivos da exposição passa por divulgar ao público “toda a riqueza do espólio municipal”.

A exposição de Luís de Campos pode ser visitada até 12 de Fevereiro, de Terça a Sexta, das 9h30 às 18h30 e às Segundas e Sábados das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h30.

A vida e obra do pintor

Nascido em Lisboa, Luís de Campos fez de Braga a sua casa a partir da década de 1950 e daqui jamais partiu.

Apaixonado pela paisagem minhota, deixou-se encantar pela candura e espontaneidade das gentes e pela genuinidade dos lugares, onde foi aguçar o seu génio e buscar a inspiração que regeu uma parte da sua obra.

Formado na Academia de Belas Artes de Lisboa, rapidamente se integrou na comunidade Bracarense onde beneficiou da ausência de operários da sua arte. Foi muito procurado para pintar retratos individuais, tendo-se dedicado particularmente a ministrar cursos de pintura, além da realização de exposições e execução de ilustrações para monografias.

Nas Festas de São João de 1957 foi um dos responsáveis pela realização do I Salão de Escultura e Pintura, que pretendia promover os artistas independentes residentes no Minho. O edifício do Turismo foi um dos baluartes do seu labor, tendo ainda efectuado diversas iniciativas culturais com a Biblioteca Pública, Junta Distrital de Braga, Grémio do Comércio, Associação Jurídica, Museu D. Diogo de Sousa ou Sociedade Martins Sarmento.

A 30 de Abril de 1982, pressentindo o epílogo da sua vida em virtude de doença prolongada, efectiva a doação de cerca de duas centenas de telas e ilustrações da sua autoria à Câmara Municipal de Braga. Na mesma data, a edilidade deliberou agraciá-lo com a Medalha de Mérito da Cidade.

Faleceu a 22 de Setembro de 1982 na Cidade que adoptou como sua. O espólio que legou ao Município de Braga encontra-se exposto nos gabinetes da Câmara Municipal de Braga, estando outra parte em depósito no Arquivo Municipal.

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004696.jpg

CMB13012017SERGIOFREITAS0000004698.jpg

BARCELOS INAUGURA EXPOSIÇÃO DE CESTARIA

Inauguração da exposição "Da Vida Rural à Decoração - Percurso da Cestaria Tradicional"

Inaugura hoje, às 17h00, na Torre Medieval, a exposição coletiva "Da Vida Rural à Decoração - Percurso da Cestaria Tradicional", uma exposição que conta com a participação dos cesteiros do concelho de Barcelos e que visa retratar o percurso da cestaria nas últimas décadas.

Mais um registo onde a criatividade das gentes de Barcelos é um argumento de inovação e valorização cultural de um produto de identidade.

MELGAÇO INAUGURA EXPOSIÇÃO: ‘LA EXPRESIÓN A TRAVÉS DE LA MANO’

Até 4 de fevereiro, na Casa da Cultura | Entrada livre

A Casa da Cultura tem patente uma nova mostra de arte: ‘La expresión a través de la mano’, de Estefanía Rodríguez Flores, uma mostra de arte onde o acrílico sobressai.

Cartaz-Exposição La expresión a través de la mano.png

‘La expresión a través de la mano’ é um olhar sobre a ilustração e a pintura. A artista, e também professora de pintura, cria as suas obras de uma forma espontânea e com plena liberdade estética e de expressão que a define de estilo Naïf. As obras retratam diversos temas, mas a grande maioria são de relações entre personagens onde o foco são os olhares, com o propósito de captar a atenção do espectador e fazendo com que o mesmo imagine uma história.

Esta é a terceira vez que a artista expõe os seus trabalhos em Melgaço: a primeira em 2015, com ‘Ilustração, diálogos pictóricos’, e em 2016 com a mostra ‘Isto vai de olhares’. Os interessados podem visitar a exposição durante o horário normal da Casa da Cultura: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (segunda a sexta-feira), e aos sábados das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00.

PONTE DE LIMA EXPÕE PINTURA

Exposição de Pintura “Traços do Minho!...” realiza-se na Torre da Cadeia Velha – Ponte de Lima, até 31 de janeiro

O Município de Ponte de Lima apresenta na Torre da Cadeia Velha mais uma exposição de pintura. Sob o tema “Traços do Minho!..” a mostra é da autoria de Rosário Pedro e David Lopes.

_tracos_do_minho.jpg

Os autores pintam em óleo sobre tela, acrílicos e técnicas mistas. Dos vários trabalhos realizados, já efetuaram diversas exposições individuais e coletivas. Desde 1990 já realizaram as seguintes amostras, nomeadamente no Salão Nobre da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Trofa, Barcelos, Guimarães, Caminha e em França.

Venha conhecer os “Traços do Minho!..” na Torre da Cadeia Velha, podendo visitar de segunda a sábado, entre as 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30.

A exposição vai ficar patente até 31 de janeiro.

ROSA IGLESIAS EXPÕE PINTURA EM MONÇÃO

Exposição de pintura "Camelias, inspiración y pasión" de Rosa Crespo Iglesias na Casa Museu de Monção/UMinho

Encontra-se patente ao público de 3 de janeiro e até ao final do mês de fevereiro, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição de pintura da artista Rosa Crespo Iglesias, intitulada "Camelias, inspiración y pasión".

"Inspirada nas camélias, essa flor tão frágil esta exposição de pintura mostra-nos diferentes espécies desta lindíssima flor".

A entrada é livre!

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho:

Terça a sexta-feira: das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábado: das 14h00 às 17h30

Domingo e segunda-feira: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

BARCELOS INAUGURA EXPOSIÇÃO DE PINTURA

“ENTRE…TANTO” abre o Ciclo de Exposições do Novo Ano

Exposição de pintura inaugura a 7 de janeiro, às 16h,na Biblioteca Municipal de Barcelos

“É através da arte que encontramos o verdadeiro caminho - o belo!”, considera Monteiro da Silva, artista plástica barcelense que abrirá o ciclo de exposições do novo ano na Biblioteca Municipal de Barcelos. A exposição intitulada “Entre…tanto”, que será inaugurada, no próximo sábado, dia 7 de janeiro, pelas 16h00, apresenta 25 quadros a óleo, a acrílico e técnica mista, de cariz surrealista.

A obra de Monteiro da Silva, representada em várias coleções particulares, é a terceira exposição individual que realiza na Biblioteca Municipal, depois de ter feito uma coletiva, “Eu creio”, com Maria das Dores Quinta e Costa. Anteriormente, tinha já realizado, também uma exposição coletiva, “Olhares sobre o Terço”, na Igreja Beneditina de Nossa Senhora do Terço, em Barcelos.

A exposição poderá ser visitada até ao dia 10 de fevereiro, com o seguinte horário: de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 18h00 e aos sábados, das 9h30 às 12h30.

Maria Manuela Monteiro da Silva nasceu em Barcelos. Depois de uma vida dedicada ao ensino, é na pintura que continua a encontrar-se. A expressão através deste modo sublime sempre esteve presente, inspirada pelo parentesco a Paulo Vilas Boas e António Lino Ferreira Pedras.

A experiência de vida, as viagens pelas mais variadas culturas, o contacto com diferentes formas de ver o mundo, o privilégio de trabalhar com crianças especiais, como na APACI, da qual é co-fundadora, permitem fazer da pintura o rio que corre incessantemente, trazendo sempre algo de novo, pelo que vale a pena continuar a sonhar.

EXPOSIÇÃO NA BIBLIOTECA RAÚL BRANDÃO EVOCA CINQUENTENÁRIO DA PRIMEIRA BIBLIOTECA PÚBLICA EM GUIMARÃES

PARCERIA COM O “CAR”

Exposição assinala 50 anos da primeira biblioteca de leitura pública em Guimarães

Mostra pode ser vista na Biblioteca Municipal Raul Brandão até ao final do mês. No início de 2017, é transferida para o CAR, as suas primeiras instalações.

Guimaraes_Biblioteca_Fundacao_Calouste_Gulbenkian.jpg

A exposição que assinala os 50 anos da instalação da Biblioteca Fixa nº 127 da Fundação Calouste Gulbenkian, numa parceria com o Círculo de Arte e Recreio (CAR), está disponível ao público na Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, até ao próximo sábado, 31 de dezembro de 2016.

A mostra poderá ser observada, depois, nas instalações do CAR a partir do mês de janeiro, onde no dia 14 terá lugar uma tertúlia com os testemunhos de algumas das pessoas que estiveram na génese da criação desta Biblioteca Fixa nº 127 e de outras que lhe deram continuidade até ao surgimento, em 1992, da atual Biblioteca Municipal Raul Brandão, que celebra o seu 25º aniversário em 2017.

A comemoração do meio século da instalação da Biblioteca Fixa nº 127 da Fundação Calouste Gulbenkian no Círculo de Arte e Recreio será ainda abrilhantada com a realização de vários projetos de cooperação entre as duas instituições ao longo do próximo ano.

Da carta ao Largo da Oliveira… até às atuais instalações

A primeira biblioteca de leitura pública em Guimarães foi inaugurada a 3 de outubro de 1966, em regime de leitura local e domiciliária. Dois anos antes, em 1964, mais concretamente a 16 de julho, a Direção do CAR enviou à Fundação Gulbenkian - Serviço de Bibliotecas uma exposição escrita, manifestando o interesse de constituir na cidade uma biblioteca que fosse capaz de proporcionar aos vimaranenses o acesso mais facilitado ao livro e à leitura.

A missiva tinha o objetivo de instalar uma Biblioteca Fixa em Guimarães, disponibilizando o CAR uma sala nas suas instalações, então no Largo João Franco. A equipa motora foi constituída por Jaime Martins, da Direção do CAR, Joaquim Santos Simões e Joaquim Fernandes. Ao longo do tempo outras pessoas se foram juntando, conseguindo, num verdadeiro espírito de entreajuda, garantir a orientação e acompanhamento dos leitores, a arrumação diária dos livros e o controlo dos empréstimos domiciliários.

A funcionar nas instalações do CAR de 1966 a 1975, a Biblioteca Fixa nº 127 viria depois a ser instalada no edifício municipal dos antigos Paços do Concelho, no Largo da Oliveira, por vontade expressa da Câmara Municipal, iniciando as suas atividades em 12 de maio de 1975 nas novas instalações da Domus Municipalis.

Com a inauguração da atual Biblioteca Municipal Raul Brandão, a 7 de março de 1992, e por acordo com a Fundação Calouste Gulbenkian, todo o fundo documental da então Biblioteca Fixa nº 127 foi integrado e disponibilizado aos leitores da nova Biblioteca Pública Municipal, tornando-a num polo dinamizador de cultura, um centro de socialização e um espaço de fruição acessível a todos.

BRAGA PROMOVE CAMINHO PORTUGUÊS DE SANTIAGO

Braga acolherá a exposição “Caminhos: o Caminho, a Arte e o vinho no Caminho Português!”

Realizou-se na Casa da Luz, em Pontevedra, a apresentação da exposição itinerante “Caminhos: o Caminho, a Arte e o vinho no Caminho Português!”. Esta exposição estará patente em Braga nos meses de Maio e Junho de 2017, no âmbito do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na valorização e promoção do Caminho Português de Santiago, ao qual Braga tem ligações ancestrais.

Caminhos de Santiago.JPG

António Barroso, do Gabinete e Apoio à Presidência da Câmara Municipal de Braga, marcou presença na inauguração da exposição dinamizada por Celestino Lores, Presidente da Fundação do Caminho Português a Santiago e conta com o apoio da Associação Espaço Jacobeus, associação nacional de peregrinos. A iniciativa contou também com a presença do Alcaide de Pontevedra, Miguel Anxo Fernández Lores, e demais Autarcas e representantes dos outros Municípios portugueses e galegos envolvidos nesta iniciativa.

“Esta é uma importante acção de divulgação do Caminho Português a Santiago, não só pela cooperação que estimula entre estes Municípios portugueses e galegos, mas também pela forma diversa e distinta como se conjuga este caminho ancestral que é religioso, mas também um itinerário cultural e turístico que importa valorizar e promover com a arte e o vinho”, referiu António Barroso, salientando que “o código Calixtino, assim como outros relatos escritos que são preponderantes para as evidências históricas da passagem de peregrinos pelos nossos territórios, apresentam várias referências ao convívio e à degustação do vinho, um produto endógeno e com muita importância na economia local”.

Esta mostra estará patente durante 2017 em oito Municípios galegos e portugueses e incluiu uma exposição de fotografia, outra de pintura e ainda de oito adegas, sendo uma de Braga - Peixoto Rodrigues.

“Existe uma estreita relação entre as peregrinações e o vinho, uma bebida que é oferecida como sinal de hospitalidade aos caminhantes e que deve ser consumida com moderação. Aliar o vinho com a arte, através da pintura e da fotografia, é um casamento feliz neste Caminho que nos une e será mais um momento de afirmação de Braga nas rotas Jacobeias”, enfatizou António Barroso.

AMARES EXPÕE OBRAS DE JOÃO SANTOS

“JOni” em exposição na Galeria de Artes e Ofícios

Foi inaugurada, esta manhã, na Galeria de Artes e Ofícios, uma exposição de quadros do jovem artista amarense João Santos, mais conhecido por “JOni”. Desenhadas à mão e essencialmente marcadas pela cor preta, as cerca de obras 50 obra, de um total de 150 criações do desenhador, podem ser apreciadas até ao dia 3 de janeiro.

DSC00408.JPG

“Esta é uma exposição numa fase ainda de afirmação e apresentação da obra deste jovem artista amarense e a nossa responsabilidade enquanto autarcas é dar visibilidade e criar espaços de promoção para estes jovens para que eles tenham um dia muito sucesso e consigam impor-se na sua vida com esta vertente cultural que gostam para além da sua vida profissional”, sublinhou o vice-presidente da Câmara Municipal de Amares e vereador da Cultura, Isidro Araújo.

“Este é um bom exemplo e há muito outros em Amares e esta foi uma forma que a Câmara Municipal encontrou de promover aquilo que de melhor se faz no concelho, valorizando a criatividade dos nossos jovens”, acrescentou.

“JOni” refere que desde tenra idade ganhou gosto pelo desenho sem bases, nem formação na área do desenho. “Aquilo que posso dizer é que desde cedo senti um gosto imenso e uma paixão muito grande por esta arte”.

Quanto à inspiração, essa, pode vir das mais variadas coisas já que o artista confessa que desenha com liberdade aquilo que lhe vai na alma. “Os meus desenhos são trabalhos sem nome, ou estilo, e, embora tenham algumas caraterísticas comuns como sendo os tons escuros, o preto, não têm uma denominação própria.

A exposição pode ser visitada no horário de funcionamento da Galeria de Artes e Ofícios: às segundas-feiras das 14h00 às 18h00, às terças, quartas, quintas e sextas, entre as 9h00 e as 12h00, da parte da manhã, e as 14 e as 18h00, da parte da tarde. Aos sábados o horário de visita ocorre entre as 10h00 e as 13h00.

DSC00417.JPG

MELGAÇO EXPÕE “OFÍCIOS E TRADICIÓNS POPULARES DA GALIZA”

Um leque de trabalhos que retrata as atividades etnográficas do mundo rural galego

A Casa da Cultura tem patente uma nova mostra de arte: até 30 de dezembro é possível observar a exposição ‘Ofícios e tradicións populares da Galiza’, da autoria do galego Adolfo Fernández Dafonte. As peças, realizadas em argila, que compõem a coleção são uma homenagem ao mundo rural galego onde desfilam afiadores, emigrantes, barbeiros etc. Figuras próximas, feitas para serem entendidas por todos os públicos e por detrás das quais se esconde um árduo trabalho de pesquisa.

Exposição OFÍCIOS E TRADICIÓNS POPULARES DA GALIZA  (5).jpg

Trata-se de uma mostra em que o autor trabalha o barro com as mãos: ‘As minhas obras são figuras representativas das mulheres e dos homens do mundo rural galego, desempenhando as suas tarefas agrícolas, muitas das quais já inexistentes’, considera o autor.

Adolfo Fernández Dafonte nasceu em 1964 em Ourense. É um escultor autodidata e investigador de técnicas ancestrais de cozedura do barro e do uso de fornos milenários. Trabalha o barro com as mãos para criar peças mais singulares e únicas, barro esse maioritariamente extraído da zona da Baixa Limia.

A mostra já esteve patente em diversos concelhos de Lugo e de Ourense, e agora, pela segunda vez, em Portugal. Pode ser visitada durante o horário normal da Casa da Cultura: das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (segunda a sexta-feira), e aos sábados das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00.

Exposição OFÍCIOS E TRADICIÓNS POPULARES DA GALIZA  (1).jpg

Exposição OFÍCIOS E TRADICIÓNS POPULARES DA GALIZA  (2).jpg

ESPOSENDE EXPÕE: TODA A CRIANÇA TEM O DIREITO A SER FELIZ"

Biblioteca Municipal acolhe Exposição 'Toda a Criança tem o Direito a Ser Feliz'

À semelhança do que tem acontecido nos anos anteriores, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens - CPCJ - assinala o Aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança, que se comemorou a 20 de novembro, com a Exposição 'Toda a Criança tem o Direito a Ser Feliz'.

DSA_9245A.jpg

A Exposição conta com a participação do Agrupamento de Escolas de Fafe, do Agrupamento de Escolas de Montelongo, do Agrupamento de Escolas Prof. Carlos Teixeira, da Associação Cultural e Recreativa de Fornelos, da CoopFafe, da Delegação de Fafe da Cruz Vermelha Portuguesa, da Escola Profissional de Fafe e da Santa Casa da Misericórdia de Fafe.

Estas entidades trabalharam com as crianças e jovens para promover atividades de reflexão e produção de trabalhos sobre a temática em apreço.

Pompeu Martins, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Fafe, visitou, esta tarde, a exposição e revelou enorme satisfação pela iniciativa.

Esta é uma excelente forma de se comemorar o Aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança, sobretudo, porque envolve as crianças e jovens do nosso concelho que, tão prontamente, desenvolveram diversos trabalhos sobre este tema, alertando-os, assim, para a importância dos Direitos da Crianças.

A exposição está patente na Biblioteca Municipal até ao dia 30 de Novembro.

DSA_9259A.jpg

VIZELA INAUGURA EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA

De 26 de novembro a 30 de dezembro: Exposição ‘No meu tempo’

A Fundação Jorge Antunes, com a parceria da Câmara Municipal de Vizela e do Rotary Clube Vizela vão inaugurar a Exposição ‘No meu tempo’, no próximo sábado, dia 26 de novembro, pelas 15h00.

no meu tempo exposição.jpg

A exposição conta com fotografias de Jorge Lima e Rui Pacheco, realizadas no âmbito do projeto com o mesmo nome, com a turma de alfabetização do Rotary Club Vizela.

A exposição estará patente até 30 de dezembro e poderá ser visitada de segunda a sexta das 9.00h às 12h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados, das 14h30 às 17h00.

Exposição ‘No meu tempo’

O tempo passa e as pessoas esquecem. A Exposição ‘No meu tempo’ convida a relembrar e a refletir sobre o passado e outra forma de viver, de comunicar, de se relacionar e de olhar o mundo. Nem sempre vivemos mergulhados em tecnologia, nem sempre comunicamos pelos ecrãs, já brincamos nas ruas e o mundo já foi bem maior do que é.

Organização: Fundação Jorge Antunes

Parceria: Câmara Municipal de Vizela, Rotary Clube Vizela

Apoio: Prescript Artes Gráficas e Publicidade

Agradecimentos: Agrupamento de Escolas de Infias - Vizela, Estela Lopes Moda, Eskada, Filasa, Pingo Doce, Sapataria Manuel Alves, Termas de Vizela, Vitalclin.

BRAGA PROMOVE CIRCUITO INAUGURAL DE EXPOSIÇÕES

Circuito inaugural de exposições do ‘Braga em Risco – 1.º Encontro de Ilustração’

Amanhã, Sábado, dia 12 de Novembro, às 15h00, na Casa dos Crivos, Braga

O Município de Braga promove o circuito inaugural das exposições do ‘Braga em Risco – 1.º Encontro de Ilustração’, que terá lugar Amanhã, Sábado, dia 12 de Novembro, a partir das 15h00, na Casa dos Crivos.

O circuito inaugural inclui a abertura das seguintes exposições:

15h00 | Casa dos Crivos

‘Braga 22x22’ – Colectiva de ilustração

‘Dança’, de João Fazenda | Antiga sapataria Arcádia, Praça da República

‘Braga em Cartoon’, de Adão Silva | Posto de Turismo

‘Rostos de Braga’ | Torre de Menagem

17h00 | Museu da Imagem

‘J O E’, de Paulo Oliveira

‘O Jardim’, de Vasco Araújo | Colecção Fundação de Serralves

Organizado pelo Município de Braga, este primeiro encontro visa uma abordagem de forma artística e criativa ao mundo da ilustração. Seis exposições, colóquio, apresentação de livros, mercado riscado, visitas guiadas, sessões de animatógrafo, concertos, teatro, performance e um espaço de oficinas farão de Braga a Cidade do Risco.

O programa completo pode ser consultado em https://goo.gl/KDbcuv

BRAGA PROMOVE ENCONTRO DE ILUSTRAÇÃO

1.º Encontro de Ilustração decorre de 12 a 20 de Novembro: ‘Braga em Risco’ reúne o melhor da ilustração portuguesa

De 12 a 20 de Novembro, a Cidade de Braga vai reunir o melhor da ilustração portuguesa com a realização do ‘Braga em Risco’. Organizado pelo Município de Braga, este 1.º Encontro de Ilustração inclui exposições, apresentação de livros, um mercado, visitas guiadas, sessões de animatógrapho, concertos e outras performances.

CMB09112016SERGIOFREITAS0000003434.jpg

Segundo Lídia Dias, vereadora da Cultura da Câmara Municipal, o ‘Braga em Risco’ pretende marcar pela diferença e aliar a ilustração a outras formas de arte como a música, o cinema e o teatro. “Elaborámos um programa rico, que vai ajudar a formar novos públicos e que tem potencial para se transformar numa referência em termos nacionais”, salientou a Lídia Dias, na apresentação do evento que decorreu hoje, 09 de Novembro, na Torre de Menagem.

Para a vereadora da Cultura, este é “mais um contributo inequívoco para a dinâmica cultural que, indiscutivelmente, se instalou em Braga nos últimos anos” e que “poderá levar à instituição de um Prémio Ibérico de Ilustração, através de uma parceria com o Eixo Atlântico”.

O grande destaque do ‘Braga em Risco’ vai para a mostra colectiva de ilustração, que estará patente ao público na Casa dos Crivos, e que reúne 23 artistas de renome e talentos emergentes da ilustração. Com a curadoria de Pedro Seromenho, a exposição ‘Braga 22x22’ resulta de um desafio lançado aos ilustradores que “aceitaram ver, sentir e representar a Cidade de Braga com os seus traços inconfundíveis”.

Com uma forte componente pedagógica, o ‘Braga em Risco’ conta com o envolvimento das escolas do Concelho, desde logo na exposição que estará patente na Torre de Menagem – ‘Rostos da Minha Terra’ – mas também através da realização de ‘Oficinas do Risco’ que terão lugar, maioritariamente, na Casa dos Crivos e que visam “explorar as ideias, sonhos e emoções que estruturam e inspiram o processo da ilustração”.

A par da participação de João Fazenda, vencedor do Prémio Nacional de Ilustração 2015, o evento traz a público a primeira exposição ao abrigo da parceria estabelecida entre o Município de Braga e a Fundação de Serralves. É neste âmbito que o Museu da Imagem recebe ‘O Jardim’, de Vasco Araújo.

O ‘Mercado Riscado’ é outro dos pontos de interesse do programa que, no dia 12 de Novembro, transformará a rua do Castelo numa “galeria viva com um mercado de ilustração, onde será possível comprar, observar o trabalho ao vivo ou conversar com os ilustradores”. Adão Silva, Anabela Dias, Mafalda Milhões, Raquel Costa, Margarida Botelho, Rachel Caiano ou Sara Feio.

O ‘Braga em Risco’ inclui a apresentação de livros, com destaque no dia 12 para ‘A Cidade que queria viver no campo’, de Pedro Seromenho, um colóquio que irá juntar ilustradores e editores em torno do ‘Livro Infantil – Da ideia ao prelo’, o animatographo e o concerto do projecto ‘Filho da Mãe’, marcado para o dia 12, às 16h00, na rua do Castelo.

O programa completo do ‘Braga em Risco’, com a descrição de todas as iniciativas e respectivos horários, pode ser consultado em https://goo.gl/y9eRBQ

CMB09112016SERGIOFREITAS0000003441.jpg

CMB09112016SERGIOFREITAS0000003443.jpg

 

BIBLIOTECA NACIONAL DE PORTUGAL APRESENTA “VIZELA. ANOS 20”

Na próxima quinta-feira, dia 10, é apresentado em Lisboa, na Biblioteca Nacional o livro ‘Vizela. Anos 20’, O rural minhoto a par das Termas no olhar de um fotógrafo amador, de Luísa Villarinho Pereira, com fotos de seu pai, Dr. Salvador Villarinho Pereira.

‘Vizela. Anos 20’.jpg

A obra de Luísa Villarinho Pereira é apresentada na Biblioteca Nacional de Portugal por Pedro Aboim Borges, mestre e doutor em História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UNL, investigador no IHC da mesma Faculdade com os temas de fotografia documental e edição (2ª metade do séc. XIX e 1ª metade do séc. XX).

Trata-se de um momento de grande importância para perpetuação do património imaterial do concelho de Vizela.

Devido à coincidência de horário da apresentação do livro, com a reunião de Câmara, a Autarquia far-se-á representar pela coordenadora da Biblioteca Municipal Fundação Jorge Antunes. 

Biografia De Salvador Villarinho Pereira (1879-1948) (Fonte Teatro D. Maria)

Médico ginecologista-obstetra, licenciado por Lisboa em 1906, exerceu clínica no seu consultório, em frente ao teatro da Trindade, na antiga Rua Larga de São Roque, nº 67 -1º ( mais tarde Rua do Mundo e atual Rua da Misericórdia).

Filho do guarda-livros da Mason & Barry, empresa mineira de extração e cobre, concelho de Mértola, nasceu em Corte de Pinto, Minas de São Domingos.

Exímio fotógrafo amador era neto do primeiro fotógrafo comissionado do Governo Português em Moçambique.

Texto da autoria de Luísa Villarinho

Salvador Villarinho Pereira (1879-1948), ginecologista obstectra licenciado pela Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, em 1906, com consultório e residência no Chiado lisboeta, cedo aprendera as técnicas da Fotografia, vindo a preferir os acetatos pela chapa de vidro que oferecia maior exatidão na imagem.

No início do século XX, em Lisboa foram realizados vários encontros de Fotografia. Em Junho de 1913, na Associação de Arte Photographica foi inaugurada a “Primeira Exposição de Photographia Directa das Cores”, onde Villarinho Pereira apresentou 4 autochromes. Três anos mais tarde, em Dezembro de 1916, na Sociedade Nacional de Belas Artes, participou com brometos e cyanotipia na “I Exposição Nacional de Fotografia”, ao lado do amigo Fernando Carneiro Mendes (1893-1976), com quem viria a fotografar as Termas de Vizela. As novas modalidades da Esteroscopia e da Autocromia ofereciam então apelativas opções na captação da imagem.

A Colecção Fotográfica realizada por Villarinho Pereira, nos anos de 1917-20, na modalidade de estereoscopia e alguns brometos, constitui hoje uma memória expressiva das Termas e do meio rural próximo, não faltando uma breve incursão no mundo industrial. Neste trabalho fotográfico visualizamos um amplo conhecimento técnico nos matizes da luz e na escolha dos enquadramentos, bem como rara sensibilidade poética e artística que imortalizou os mais belos recantos de Vizela. O rural, integrado no meio cosmopolita das Termas, oferecia então um deslumbrante desafio ao fotógrafo-amador.

Decorrido quase um século, esta memória fotográfica recorda a época áurea das Caldas de Vizela, ainda integradas no Concelho de Guimarães, assinalando aspectos da indústria local e os encantos do meio rural minhoto a par do luxo dos Casinos e do recreio da canoagem, no frondoso Parque das Termas de Vizela.

JOÃO VERDE: O HOMEM. O POETA. O JORNALISTA.

Promovida pelo Cine Clube de Monção, exposição sobre a vida e obra de João Verde, patente no Arquivo Municipal de Monção, assinala a passagem do 150º aniversário do nascimento do poeta. Referência para a apresentação do quadro de Robert Délaunay, datado de 1916, onde é notória a admiração do artista francês por João Verde com a inclusão do poema “Vendo-os assim tão pertinho…”

joão 01 (Large).JPG

João Verde, pseudónimo de José Rodrigues Vale, poeta maior das letras monçanenses, nasceu a 2 de novembro de 1866, no Largo da Palma, e faleceu a 7 de fevereiro de 1934, na “Casa do Arco”, Rua Conselheiro Adriano Machado, conhecida localmente como Rua Direita.

Para assinalar a passagem do 150º aniversário do seu nascimento, o Cine Clube de Monção com o apoio da Câmara Municipal de Monção tem patente ao público, até 7 de fevereiro do próximo ano, uma exposição sobre a vida e obra da figura maior das letras monçanenses.

A presente exposição, que pode ser visitada no Arquivo Municipal de segunda a sexta das 9h00 às 17h00, consta de painéis explicativos, recortes de jornais e publicações de João Verde, trazendo à memória coletiva a criação poética em verso e prosa de um monçanense ilustre, cuja obra está perpetuada de diferentes formas no quotidiano local.

Os painéis, ilustrados com fotografias, revelam o percurso de vida de João Verde desde o nascimento até à morte, bem como a sua intervenção cívica, profunda e apaixonada, através da escrita em diversos jornais regionalistas. Demonstram também a paixão pela sua terra com poemas eternos evidenciados em “Musa Minhota”, 1887, “Na Aldeia”, 1890, e “Ares da Raia, 1902.

Nesta exposição comemorativa do 150º nascimento de João Verde, que terá continuidade no próximo ano com uma conferência sobre o autor, referência ainda para a apresentação do quadro de Robert Délaunay, datado de 1916, com o nome “Natureza Morta Portuguesa”.

Desconhecido até bem pouco tempo, o quadro apresenta-se em reprodução do original. Nele descortina-se o encantamento do artista francês pela zona de fronteira com adereços típicos da região (os lenços garridos, os barros, a viola e a gaita galega), e a admiração por João Verde com a inclusão do poema “Vendo-os assim tão pertinho…”

joão 03 (Large).JPG

joão 04 (Large).JPG

João 08 (Large).JPG

FAMALICÃO CONTA A HISTÓRIA DA FÁBRICA DE PNEUS CONTINENTAL

História da Continental em Famalicão vai ter novos capítulos

Exposição “Percurso da Continental por Terras Famalicenses” patente ao público até final de janeiro na Casa do Território, no Parque da Devesa

DSC_2536.jpg

“O futuro não é uma bola de cristal, mas posso garantir que nós não vamos parar!”. A garantia é do presidente do Conselho de Administração da Continental Mabor, Pedro Carreira, que afirmou ontem em Vila Nova de Famalicão que a aventura do grupo Continental em Portugal, concretamente, em Lousado, Vila Nova de Famalicão, vai conhecer novos episódios nos próximos tempos. “Para além dos investimentos em curso, que são conhecidos da opinião pública, estamos a trabalhar em mais projetos, alguns deles já aprovados e que em devido tempo serão conhecidos.”

As palavras do responsável máximo pela quinta empresa mais exportadora do país foram proferidas ontem durante a inauguração da exposição “Percurso da Continental por Terras Famalicenses”, que conta a história dos 25 anos de presença do grupo em Famalicão, “uma história de muitos homens e mulheres e de muitas horas de trabalho” que conseguiram captar um investimento de 600 milhões de euros ao longos destas duas décadas e meia. A mostra, cuja inauguração, para além de Pedro Carreira contou com a presença do presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, do administrador da Continental ITA – Eduardo Dinis e de outros quadros da empresa, fornecedores e amigos, vai estar patente ao público de forma gratuita até ao final de janeiro, na Casa do Território, no Parque da Devesa. 

É um guião de sucesso aquele que conduz os visitantes pela evolução do Grupo Continental, nomeadamente pelos acontecimentos que trilharam o seu desenvolvimento e as relações económicas e sociais estabelecidas no território famalicense e no mundo, durante mais de duas décadas. 

“São paginas de uma história brilhante”, referiu o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, realçando a capacidade produtiva da empresa e os laços de compromisso permanente com a comunidade. “É um grupo empresarial sólido, consistente e socialmente responsável”, referiu o autarca Paulo Cunha. 

“Uma indústria não é apenas uma fábrica que produz” é o título e a mensagem que a Continental Mabor e a Continental ITA deixam ao visitante refletindo os laços, os compromissos e as afinidades   criadas e desenvolvidas ao longo dos anos com o território e a comunidade em que se inserem.  

Algumas dessas afinidades foram realçadas e premiadas pela empresa no decurso da inauguração da exposição, com a atribuição de diplomas de mérito e reconhecimento a empresas e instituições com quem a Continental tem vindo a desenvolver parcerias ao longo dos anos. À Câmara Municipal, a Continental Mabor e a Continental – ITA, entregaram o Diploma de Mérito, pela “excelente colaboração desenvolvida ao longo dos anos”.

Recorde-se que a Continental Mabor de Lousado é tida como a melhor das vinte fábricas de pneus do grupo alemão, tendo sido escolhida recentemente para albergar uma nova unidade de produção de pneus radiais agrícolas do grupo, num investimento próximo dos 50 milhões de euros que vai gerar mais de uma centena de empregos e cujo arranque da produção está previsto para 2017.

DSC_2593.jpg

DSC_2626.jpg

ORLANDO POMPEU INAUGURA EXPOSIÇÃO DE AGUARELAS EM GUIMARÃES

 

O mestre-pintor Orlando Pompeu inaugurou ontem, na Galeria quarenta do Hotel Mestre de Avis, uma unidade hoteleira no centro de Guimarães, a exposição de aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”.

Exposição 1.JPG

O mestre-pintor Orlando Pompeu, acompanhado da empresária Maria Roeder, do historiador Daniel Bastos, e da artista plástica galega Carmen Touza

 

A inauguração da exposição de um dos mais conceituados artistas plásticos portugueses da atualidade, detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Estados Unidos, Dubai e Japão, contou com a presença de um grande número de pessoas da região Norte e da Galiza.

A exposição marcada pelo início de um novo ciclo temático do artista natural de Fafe, que inicialmente realista e impressionista, e também com multicolores obras gestualistas, mergulha agora na pintura em aguarela. Uma técnica de pintura na qual os pigmentos se encontram suspensos ou dissolvidos em água, e que evidencia a plena maturidade de Orlando Pompeu, e a sua extraordinária delicadeza estética e talento criativo.

A apresentação da obra e do seu autor esteve a cargo do escritor e historiador Daniel Bastos, que destacou a sensibilidade cultural da proprietária do Hotel Mestre de Avis, a empresária Maria Roeder. Segundo o investigador da nova geração de historiadores portugueses, Orlando Pompeu detém uma carreira e currículo nacional e internacional ímpar, que o tornam atualmente uma figura incontornável da pintura portuguesa.

Visivelmente emocionado, o artista agradeceu a presença dos inúmeros amigos, admiradores e colecionadores que lotaram o espaço da Galeria quarenta, e reconheceu a oportunidade desta nova exposição através do papel da empresária e colecionadora Maria Roeder, que esteve na base do impulso do novo ciclo temático do artista plástico. 

Refira-se que a exposição estará patente ao público até 5 de março de 2017, durante o período normal de funcionamento da unidade hoteleira integrada no território classificado pela UNESCO.

Exposição 2.JPG

Exposição 3.JPG

Exposição 4.JPG

Exposição 5.JPG

Exposição 6.JPG

Exposição 7.JPG 

ARTISTAS DE GAIA EXPÕEM EM BARCELOS

Ondas da Bienal de Gaia invadem Barcelos. Dia 5 de novembro, às 17h, na Galeria Municipal de Arte

A Galeria Municipal de Arte recebe no próximo sábado, dia 5 de novembro, às 17h, a exposição coletiva de artes plásticas “Onda Bienal em Barcelos”. Um projeto que engloba o trabalho de quarenta e oito artistas plásticos e que escolheu Barcelos como ponto de paragem obrigatória.

Depois do sucesso da 1ª Bienal de Gaia 2015, a “Artistas de Gaia – Cooperativa Cultural”, com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, decidiu desenvolver o projeto “ONDA BIENAL”, que pretende divulgar e incentivar os artistas plásticos, criar novos públicos de forma a mostrar a importância da arte na formação das pessoas.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, “ é uma honra para o Município abrir as portas a esta exposição coletiva de artes plásticas, num concelho onde a criatividade espelha as gentes que o compõem, onde as cores, o barro, os bordados, a madeira, o ferro são a base de uma arte sem igual”.

Um dos objetivos da “Artistas de Gaia – Cooperativa Cultural” é também realizar em Barcelos, entre julho e setembro de 2017, um polo da 2ª Bienal Internacional de Arte de 2017.

Esta mostra de pintura, escultura e fotografia será acolhida na Galeria Municipal de Arte e estará patente até 31 de dezembro, com entrada gratuita.

BRAGA REALIZA EXPOANIMAL

Expo Animal afirma-se como evento de referência a nível nacional. Certame realiza-se este fim-de-semana

A Expo Animal está de regresso ao Parque de Exposições de Braga nos dias 5 e 6 de Novembro. Com mais de 1500 cães e 200 gatos e várias espécies de animais exóticos em exibição, a organização espera receber dezenas de milhares de visitantes nesta 4ª edição do certame.

CMB03112016SERGIOFREITAS0000003286.jpg

Para além dos animais, o leque de expositores inclui produtos e serviços para canicultura, felinicultura e, claro, animais exóticos, nomeadamente nas áreas da alimentação, higiene, bem-estar, saúde, imprensa especializada e da formação profissional – a grande novidade desta edição –, para todos os que têm interesse em trabalhar com animais.

Segundo Humberto Carlos, administrador da InvestBraga, este é um evento que tem vindo a ´crescer de ano para ano´ em número de expositores, criadores, visitantes e também empresas presentes. “O certame ganhou uma dimensão significativa no plano nacional e é talvez, neste sector, o evento mais representativo. Tem ainda um importante impacto na dinâmica da economia local ao trazer a Braga um número significativo de participantes e visitantes”, referiu, lembrando que na edição transacta passaram pelo certame cerca de 35 mil pessoas.

Humberto Carlos destacou também a dimensão internacional do evento, com criadores ´oriundos de Espanha, França, Inglaterra e outros países´. “Temos igualmente juízes internacionais de várias nacionalidades que conferem maior notoriedade ao evento”, disse.

A 4ª edição da Expo Animal terá ainda várias actividades lúdicas à disposição dos visitantes e será palco dos julgamentos da 11ª Exposição Canina Nacional, da 8ª Exposição Canina Internacional e das10ª e 11ª Exposições Internacionais de Gatos, avaliados por juízes nacionais e internacionais de grande qualidade técnica.

Nas exposições caninas, a edição de 2016 conta com as avaliações de três juízes nacionais e oito juízes internacionais, oriundos da Rússia, Espanha, Eslovénia, Sérvia, Grécia, Malásia, Hungria e Roménia. Já as exposições felinas serão avaliadas por dois juízes internacionais, da Finlândia e da Alemanha.

O evento é organizado pela InvestBraga, em parceria com o Clube Português de Canicultura, o Clube Português de Felinicultura e a Ilha Exótica,e tem o apoio da Royal Canin. 

CMB03112016SERGIOFREITAS0000003287.jpg

AURORA FERNANDES EXPÕE PINTURA EM MONÇÃO

Exposição de pintura "Cores da Vida" de Aurora Fernandes na Casa Museu de Monção/UMinho

Encontra-se patente ao público, de 2 de novembro e até ao final do mês, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição de pintura da artista Aurora Fernandes, intitulada "Cores da Vida".

AuroraF.JPG

"Autodidata, apaixonada pelas cores e pela vida, nesta, que é a sua segunda exposição, tenciona mostrar excertos de vida banhados pela cor. Segundo a artista, enquanto pinta viaja para outro mundo descrevendo-o como o seu refúgio, onde sonha e é feliz!!"

A entrada é livre!

ARCOS DE VALDEVEZ MOSTRA ROCHAS E MINERAIS

Um olhar sobre o nosso planeta: A Terra. Exposição de Rochas e Minerais. 

A pensar no público escolar, mas também no público em geral, a Biblioteca Municipal tem em exibição desde março, uma vasta coleção de Minerais e Rochas que reúne mais de três centenas e meia de exemplares, alguns muito raros e outros de rara beleza. Os exemplares pertencem a dois colecionadores: o Dr. José da Silva Ferreira e o Sr. Taciano Rodrigues Lages, que motivados pelo interesse e dos visitantes, continuam a incluir novos exemplares na coleção. 

rochas_minerais5.jpg

Na semana passada o Dr. José da Silva Ferreira acrescentou um meteorito de ferro, procedente da Argentina que terá sido encontrado no século XVI. Trata-se de um meteorito recolhido em Campo del Cielo, uma área que está situada a 1.000 quilómetros a noroeste de Buenos Aires. O local cobre uma área de  cinquenta e cinco quilómetros quadrados e contém pelo menos 26 crateras, tendo a de maior dimensão 115 m de comprimento por 91 metros de largura.

Em 1576, os indígenas da região, relataram a existência de crateras com avultadas massas de ferro que suscitaram o interesse das autoridades ao serviço da coroa espanhola.

rochas_minerais7.jpg

Atualmente as crateras e a área ao redor contêm numerosos fragmentos de um meteorito de ferro que terá atingido a superfície terrestre há 4.000-5.000 anos.

Volvidos cerca de 500 anos, o peso total das peças recuperadas é superior a 100 toneladas, podendo um desses fragmentos ser agora observado na Biblioteca Municipal Tomaz de Figueiredo. O exemplar em questão surpreende pelo facto de ser muito pesado devido à sua composição: Ferro 93%, Níquel 6% Carbono, Cobalto e Sulfúrio 1%

Organizada de uma forma didática, a exposição pretende captar a atenção dos alunos e demais visitantes e exibir de uma firma direta e clara a incrível variedade do mundo mineral. Entre outras curiosidades destacam-se uma bala vulcânica, obsidianas, vários exemplares de fósseis dos quais várias trilobites, pedras parideiras, ágatas, ametistas e múltiplos e variegados cristais. A exposição poderá ser visitada até 31 dezembro 2016. 

rochas_minerais8.jpg

rochas_minerais9.jpg

ORLANDO POMPEU APRESENTA AGUARELAS EM GUIMARÃES

Orlando Pompeu inaugura exposição aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”

No próximo sábado (5 de novembro) o mestre-pintor Orlando Pompeu inaugura às 18h00 na Galeria quarenta do Hotel Mestre de Avis, uma unidade hoteleira no centro de Guimarães, integrada no território classificado pela UNESCO, a exposição de aguarelas “Pré-Textos do Sub-Consciente”.

Orlando Pompeu.jpg

Nascido em Cepães, concelho de Fafe, Orlando Pompeu, estudou desenho, pintura e escultura em Barcelona, Porto e Paris, tendo criado um estilo pictórico pessoal, heterogéneo, criativo, original e contemporâneo. Detentor de uma obra que está representada em variadas coleções particulares e oficiais em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Brasil, Dubai, Estados Unidos e Japão, Orlando Pompeu é atualmente um dos mais consagrados artistas plásticos portugueses.

A apresentação da obra e do seu autor, que revela-se em amplos movimentos gestualistas e em trabalhos que combinam o rigor formal com ricos cambiantes multicolores, estará a cargo do escritor e historiador Daniel Bastos.

BENTO ABREU EXPÕE EM VIZELA

1 a 30 novembro de 2016. Exposição de Bento Abreu na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de Bento Abreu, de 1 a 30 de novembro.

flyer exp. Bento Abreu (1).jpg

Bento de Assunção Pinheiro de Abreu é natural de Polvoreira – Guimarães, atualmente vive na freguesia de Infias, concelho de Vizela.

Começou com mais afinco a trabalhar em artesanato após a sua aposentação como Desenhador Projetista na Câmara Municipal de Guimarães.

Sempre gostou de juntar elementos apanhados no mar ou em terra e transformar em algo inspirado no momento.

A exposição tem uma gama muito diversa de artigos desde: presépios, moinhos, azenhas, alpendres, espigueiros, casas rústicas, castelos, figuras diversas, artigos religiosos, etc.

Nunca fez duas peças iguais. Uma vez que em princípio é o elemento recolhido que inspira a peça a construir. Atualmente é membro da Associação de Artesanato de Vizela e já expôs os seus trabalhos em vários eventos em Vizela, Infias, Polvoreira, etc.

Bento de Assunção Pinheiro de Abreu continua no seu passatempo favorito a RECICLAR transformando tudo o que ao seu olhar chame a atenção e que ao olhar geral passe despercebido e dar-lhe forma e conteúdo.

GUIMARÃES EVOCA RAUL BRANDÃO

FESTIVAL HÚMUS: Exposição “Contra-culturas” na Biblioteca Raul Brandão até final de outubro

Duas dezenas de ilustrações retratam diferentes perspetivas culturais na última década. Iniciativa enquadra-se na comemoração dos 150 anos do nascimento do escritor Raul Brandão.

Guimaraes_Exposicao_Festival_Humus.jpg

A Biblioteca Municipal Raul Brandão, em Guimarães, recebe a exposição “Contra-culturas”, por Pedro Vieira, até ao dia 31 de outubro, podendo ser visitada durante o seu horário de funcionamento. A mostra, que se realiza no âmbito do Festival Húmus, uma das iniciativas que assinala a comemoração dos 150 anos do nascimento do dramaturgo Raul Brandão, é composta por 20 ilustrações.

Do referendo na Grécia à liberdade de pensamento em Angola, passando pelo terror em Bruxelas, pelo irrequieto e nuclear Ahmadinejad, pela fraude na Volta à França e pelos 40 anos do maio de 68, a exposição Contra-culturas fixa instantes da última década das relações internacionais.

Licenciado em Publicidade e Marketing pela Escola Superior de Comunicação Social, Pedro Vieira é ilustrador residente da revista LER e trabalhou no Canal Q das Produções Fictícias como criativo, tendo sido um dos responsáveis pelo programa “Ah, a Literatura!”. Apresentou o programa diário “Inferno”, passou pelo grupo Almedina, pela Bulhosa Livreiros e pelo Centro Cultural Olga Cadaval, enquanto livreiro. Fez formação adicional na área da Ilustração, que exerce em regime freelancer, em cursos promovidos pela Ar.Co e pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Trabalha com regularidade no meio editorial e fez trabalhos de ilustração para a Booktailors, Quetzal Editores, Guerra & Paz, Almedina ou Sextante Editora. Estreou-se na ficção com “Última Paragem: Massamá”, com o qual venceu o prémio P.E.N. Clube Português para Primeira Obra 2012, distinção atribuída à melhor obra publicada na modalidade de Ensaio. Bloguista indefetível, é o criador do “irmãolúcia”. Em 2012, foi publicado “Éramos Felizes e Não Sabíamos” (Quetzal Editores), uma compilação de crónicas, enquanto em 2015 saiu o segundo romance, “O Que não Pode Ser Salvo”. Os direitos dos seus livros já foram vendidos para o Brasil e para Itália.

FAMALICÃO: RUSGA DE JOANE A DANÇAR HÁ 25 ANOS!

Exposição: "Rusga de Joane - 25 anos em perspetiva"

No presente ano de 2016, o Grupo Etnográfico Rusga de Joane, celebra 25 anos de existência, tendo marcado esta efeméride através de atividades mensais, desde tertúlias, encontros de amigos folcloristas, entre outros. No presente mês de outubro, realizamos uma das grandes atividades destas comemorações, a exposição "Rusga de Joane - 25 anos em perspetiva".

CONVITE_final(1)joan.jpg

A exposição preconiza o trabalho que a Rusga de Joane tem vindo a desenvolver ao longo de todos estes anos, através, inclusive, da aproximação e valorização ao património local, neste caso específico, o cultural e tradicional, que sustém uma boa parta da identificação e definição das origens do povo minhoto.

Desta forma, convida-se V/Ex.ª a visitar e divulgar a exposição, que decorrerá no  Foyer do Centro Cultural da Juventude de Joane (auditório do ATC), entre os dias 28 e 31 de outubro.

A exposição tem o seguinte horário:

  • 28 e 31 OUT (6ª e 2ª feira): 10h às 12h - 14h às 18h
  • 29 e 30 OUT (sábado e domingo): 14h às 18h

BARCELOS INAUGURA EXPOSIÇÃO SOBRE O FIGURADO

O Figurado de Barcelos, pelas mãos de Rosa Portela

De 21 de outubro a 20 de novembro, na Torre Medieval e no Posto de Turismo

É já esta sexta-feira, 21 de outubro, que abre ao público a exposição “O Figurado de Barcelos, pelas mãos de Rosa Portela”.

Esta exposição, que estará patente na Torre Medieval e no Posto de Turismo até 20 de novembro, retrata a arte da artesã Rosa Portela. Uma obra marcada pelas representações da mulher do Minho, do traje regional e do quotidiano rural nas suas mais puras tradições e quadros. Um figurado de excelência que respeita na íntegra a linguagem de base desta produção onde a alegria, a diversidade, o garrido a tradição são marcas maiores.

PEDRO CABRITA REIS INAUGURA AMANHÃ EM FAMALICÃO “RIDI PAGLIACCIO” NA ALA DA FRENTE

Exposição é inaugurada amanhã, sábado, dia 15 de outubro, pelas 18h00

“Ridi Pagliaccio”, da autoria de Pedro Cabrita Reis, é a proposta para os próximos meses da galeria de arte contemporânea Ala da Frente, em Vila Nova de Famalicão. A exposição, que será inaugurada com a presença do autor este sábado, dia 15 de outubro, pelas 18h00, vai estar patente ao público até dia 21 de janeiro.

Pedro Cabrita Reis - obras-12 (1).jpg

No total são 25 as obras que compõem esta mostra, “onde o desenho e a fotografia nos dão uma forma muito peculiar da figura de Cabrita Reis e onde somos levados a encontrar o seu universo mais particular através de uma ação plástica muito cuidada”, refere António Gonçalves, curador da Ala da Frente.

Sobre os trabalhos apresentados nesta exposição, o responsável explica ainda que “há um pretexto lançado por cada imagem fotográfica e uma resposta do desenho, da tinta, da mancha, para fazer o corpo da obra existir”.

Considerado um dos artistas mais reconhecidos da atualidade, Pedro Cabrita Reis nasceu em Lisboa em 1956, cidade onde atualmente vive e trabalha. Com reconhecimento internacional consolidado, o seu trabalho tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 80. A sua complexa obra, caracterizada por um idiossincrático discurso filosófico e poético, engloba uma grande variedade de meios: pintura, escultura, fotografia, desenho e instalações compostas de materiais encontrados e de objetos manufaturados, “com um cuidado e empenhado labor que lhe tem permitido apresentar obras de grande singularidade e de forte referência”, refere António Gonçalves. E acrescenta: “os materiais que usa e a forma como os compõe nas suas obras, provocam-nos uma atenção particular, são detentores de uma poética original”.

Conta com exposições individuais nas maiores galerias nacionais e internacionais e com obras presentes em importantes coleções - Fundação EDP, Fundação Serralves, Calouste Gulbenkian, Tate Modern - e nas maiores feiras e bienais de arte, como é o caso da Bienal de Veneza e de São Paulo.

Recorde-se que a Galeria Municipal “Ala da Frente”, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, e José Pedro Croft, com “Prova de Estado”.

FICHA TÉCNICA

Título da exposição: "Ridi Pagliaccio"

Autor: Pedro Cabrita Reis

Data: 15 de outubro de 2016 a 21 de janeiro 2017

Horário: Terça a Sexta das 10h00 às 17h30. Sábado das 14h30 às 17h30.

Encerra aos domingos e feriados.

Entrada: Gratuita

Pedro Cabrita Reis - obras-13 (1).jpg

PONTE DE LIMA EXPÕE BRINQUEDOS MÁGICOS NO MUSEU DO BRINQUEDO PORTUGUÊS

Exposição no Museu do Brinquedo Português – Ponte de Lima. Brinquedos Mágicos – A Marca Arlo. 15 de outubro a 15 de abril de 2017

O Museu do Brinquedo Português, em Ponte de Lima, apresenta uma nova exposição temporária, intitulada “Brinquedos Mágicos – A Marca Arlo”.

arlo_cartaz.jpg

A mostra vai ser inaugurada no próximo dia 15 de outubro, às 17 horas, e vai ficar patente até 15 de abril de 2017.

A fábrica de Construções ARLO, fundada por Arnaldo Luizello da Rocha-Brito, nasceu em 1939 no Porto curiosamente na mesma data de uma também igualmente importante e famosa marca ligada à manufatura de jogos e brinquedos em Portugal: A MAJORA

Sita na Rua de Passos Manuel nº178, teve como objetivo principal a criação de caixas de construção de variados modelos nas suas mais variadas disciplinas temáticas, de forma a tentar proporcionar aos aficionados de trabalhos manuais a aquisição de modelos que após construídos, pudessem colmatar então, a onerosa obtenção de brinquedos e miniaturas importados, dado o grave período de contenção inerente à beligerante época e seu infeliz cortejo de calamidades inerente ao mundo de então.

A sua vertente de caixas de construção, que incluíam todo o material necessário à montagem dos modelos, apelando assim também à criatividade dos aficionados a esta tipologia de entretenimento, foi inclusive patenteada e pode considerar-se como sendo a pioneira deste género de passatempo a que modernamente se apelida como sendo a "montagem de kits".

A empresa extinguiu-se em 1964, por força da necessidade do espaço ocupado para o então já proeminente negócio de representação de automóveis tidos pela família desde 1916. Hoje a marca, essa ainda existente e registada mantém-se em mãos da quarta geração.

ARCOS DE VALDEVEZ EXPÕE "MULHERES COM HISTÓRIA"

Exposição “Mulheres com História” já se encontra patente ao público

Já se encontra patente ao público na entrada principal da Casa das Artes, a exposição Mulheres com Historia, tendo a inauguração decorrido na passada sexta-feira dia 7 de Outubro.

expo mulheres1.JPG

Esta mostra destaca alguns dos nomes que marcaram a História nacional e internacional na conquista dos direitos das Mulheres e aquelas que na atualidade são o rosto dos direitos conquistados ao longo dos tempos.

Nela poderão ser lidas as histórias de 15 mulheres com passagens de vida importantes na história nacional e mundial como a portuguesa, Maria Barroso nascida a 2 de maio de 1925, e que foi professora e atriz, destacando-se na política e na defesa de causas humanitárias; Carolina Beatriz Ângelo, a primeira mulher portuguesa a exercer o direito de voto, aquando das eleições da Assembleia Constituinte, a 28 de maio de 1911; Madre Teresa de Calcutá, natural República da Macedónia qual sempre dedicou aos mais pobres dos pobres e defendia que a paz começava com um sorriso; Katherine Wilson Sheppard, líder do movimento sufragista da Nova Zelândia, o primeiro país a permitir o direito de voto das mulheres em 1893; ou Margaret Tatcher, a primeira mulher a exercer o cargo de Primeira-Ministra no Reino Unido entre 4 de maio de 1979 e 28 de novembro de 1990.

A exposição estará patente ao público até ao próximo dia 25 de Dezembro.

expo mulheres1.png

GUIMARÃES EXPÕE ROSTOS DOS CIDADÃOS

ATÉ AO DIA 18 DE NOVEMBRO

Exposição na Câmara de Guimarães com rostos de cidadãos conta histórias de vida

Mais de três dezenas de fotografias retratam cidadãos anónimos. Mostra pode ser observada de segunda a sexta-feira.

Guimaraes_Exposicao_Tracos_Rugas.JPG

O Claustro da Câmara Municipal de Guimarães recebe até ao dia 18 de novembro a exposição “Traços e Rugas. Retratos”, de Leonardo Vilela. Trata-se de uma mostra com 35 fotografias captadas numa tarde de outubro de 2012, quando o autor andava pelas ruas da cidade de Guimarães a fotografar, e sem nenhuma intenção, captou um momento único de um senhor de idade avançada com uma expressão fabulosa.

Ao publicar nas redes sociais, o volume de reações positivas, com várias pessoas a comentar que se lembraram dos avós que faleceram, que fazia muito tempo que não viam entes próximos e que a fotografia fez com que pensassem em todas essas situações, acabou por resultar na continuidade de um processo, tendo dado origem a esta exposição, que pode ser visitada diariamente na Câmara Municipal, de segunda a sexta-feira, das 09 às 19 horas.

Nascido a 6 de setembro de 1993, em Formiga, pequena localidade do sudeste brasileiro no estado de Minas Gerais, Leonardo Vilela, pouco antes de completar 19 anos, decidiu arriscar uma carreira fotográfica do lado de cá do Oceano Atlântico, após ter feito vários estudos e projetos de fotografia no Brasil. «Fotografar um rosto bonito é fotografar um rosto bonito, mas fotografar um rosto com rugas é fotografar uma história…», diz frequentemente o autor, citando o seu pai Arlindo Rotundo, também fotógrafo.

ROSITA EXPÕE EM VIZELA

3 a 31 outubro 2016. Exposição de Rosita na Loja Interativa de Turismo

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de Rosita, de 3 a 31 outubro. Antónia Rosa Amaral Alves Pinto - Rosita

Tipo de Artesanato: Bordado Regional em Quadros, Tabuleiros de Chá e Bonecas de Trapos

O interesse e a dedicação de "Rosita", como é conhecida pelo "Bordado Regional”, já vem de longa data quando estudante na extinta Escola Industrial e Comercial de Guimarães quando executiva trabalhos manuais na disciplina de "Lavores".

Depois adquiriu por iniciativa própria, tabuleiros de chá e quadros nos quais utiliza como materiais linhas de bordado de ouro e prata, entre outros tipos de bordado.

No ano de 2000, sabendo que a Fundação Jorge Antunes abriu as portas para toda a população do Vale de Vizela nessa área, e como sempre teve gosto pela agulha e dedal, aderiu a Oficina de Bordados com entusiasmo e muita dedicação. Houve uma exposição final.

Empenhando-se ao máximo, entendeu que deveria divulgar os seus trabalhos expondo-os na Montra da Sede do Município. Tendo já participado pelo terceiro ano consecutivo, nas Feiras de Artesanato do concelho de Vizela, assim como na Mostra de Artesanato Local - Venda Tradicional de Natal.

Como o saber não ocupa lugar, continuou durante estes catorze anos a aprender e aperfeiçoar a sua arte na decoração. Através das novas tecnologias e pesquisas, começou a desenvolver novas técnicas artesanais, tais como os trabalhos em pasta de papel, jornal, vidro, parafina, argila, tricot etc. sendo sempre reconhecida como “a Rosita dos bordados”, e poesia nos tempos livres.

Já foi por várias vezes contactada para participar noutras feiras de Artesanato de outros concelhos. O seu objetivo é fazer do bordado a sua profissão, adquirindo a Carta de Artesão e sendo certificada para dar formação nessa área, para não deixar que esta arte desapareça pois faz parte das nossas raízes e tradições.

Embora hoje em dia o Artesanato esteja cada vez mais a ser divulgado, o bordado regional é bem diferente, pois é uma arte que exige uma aprendizagem no terreno, paciência e um amor especial pela “agulha e o dedal”. Assim sendo, o seu maior objetivo será formar uma turma onde possa ensinar esta arte tão antiga. Espera que cada vez mais existam pessoas interessadas nesta arte.

- Participação na VI, VII, IX e Xª edição da Feira de Artesanato de Vizela

- Participação em todas as edições da Mostra de Artesanato Local de Vizela – - Venda Tradicional de Natal

- Realização de várias exposições na Montra de Turismo no Edifício-sede do Município de Vizela

PEDRO CABRITA MOSTRA “RIDI PAGLIACCIO” NA ALA DA FRENTE EM FAMALICÃO

Exposição estará patente ao público, de forma livre e gratuita, de 15 de outubro a 21 de janeiro

É com a obra de um dos artistas mais conhecidos da atualidade que a galeria de arte contemporânea Ala da Frente, em Vila Nova de Famalicão, vai fechar o ano de 2016. A exposição “Ridi Pagliaccio” de Pedro Cabrita Reis é a proposta do espaço cultural para os próximos meses e estará patente ao público a partir de 15 de outubro.

Pedro Cabrita Reis - obras-12.jpg

No total são 25 as obras que compõem esta mostra, “onde o desenho e a fotografia nos dão uma forma muito peculiar da figura de Cabrita Reis e onde somos levados a encontrar o seu universo mais particular através de uma ação plástica muito cuidada”, refere António Gonçalves, curador da Ala da Frente.

Sobre os trabalhos apresentados nesta exposição, que poderão ser apreciados de forma livre e gratuita até 21 de janeiro do próximo ano, o responsável explica ainda que “há um pretexto lançado por cada imagem fotográfica e uma resposta do desenho, da tinta, da mancha, para fazer o corpo da obra existir”.

Pedro Cabrita Reis nasceu em Lisboa em 1956, cidade onde atualmente vive e trabalha. Com reconhecimento internacional consolidado, o seu trabalho tornou-se crucial para o entendimento da escultura a partir de meados da década de 80. A sua complexa obra, caracterizada por um idiossincrático discurso filosófico e poético, engloba uma grande variedade de meios: pintura, escultura, fotografia, desenho e instalações compostas de materiais encontrados e de objetos manufaturados, “com um cuidado e empenhado labor que lhe tem permitido apresentar obras de grande singularidade e de forte referência”, refere António Gonçalves. E acrescenta: “os materiais que usa e a forma como os compõe nas suas obras, provocam-nos uma atenção particular, são detentores de uma poética original”.

Cabrita Reis conta com exposições individuais nas maiores galerias nacionais e internacionais e com obras presentes em importantes coleções - Fundação EDP, Fundação Serralves, Calouste Gulbenkian, Tate Modern - e nas maiores feiras e bienais de arte, como é o caso da Bienal de Veneza e de São Paulo.

Recorde-se que a Galeria Municipal “Ala da Frente”, assim chamada pelo facto da sala de exposição se encontrar na ala da frente do Palacete Barão da Trovisqueira, e por referência à contemporaneidade e vanguardismo associados ao espaço, foi inaugurada em 30 de maio de 2015, tendo iniciado o seu percurso com uma exposição de obras de Jorge Molder. Seguiu-se Rui Chafes, o vencedor do Prémio Pessoa 2015, com a mostra “Exúvia”, e José Pedro Croft, com “Prova de Estado”.

FICHA TÉCNICA

Título da exposição: "Ridi Pagliaccio"

Autor: Pedro Cabrita Reis

Data: 15 de outubro de 2016 a 21 de janeiro 2017

Horário: Terça a Sexta das 10h00 às 17h30. Sábado das 14h30 às 17h30.

Encerra aos domingos e feriados.

Entrada: Gratuita

Pedro Cabrita Reis - obras-13.jpg

YOLA VALE EXPÕE EM BARCELOS NA SALA DA CAPELA DO MUSEU DE OLARIA

A exposição estará patente até 3 de janeiro de 2017 com entrada gratuita

A Câmara Municipal de Barcelos inaugura no próximo sábado, dia 1 de outubro, na Sala da Capela do Museu de Olaria, a exposição de cerâmica “Fragmentos Suspensos: Inquietudes" da artista Yola Vale.

Neste seu mais recente trabalho, através de uma série de murais fragmentados, suspensos por delicados fios, a artista explora os limites da cerâmica, remetendo-nos para o universo da tapeçaria ou da armadura oriental, num constante equilíbrio entre a fragilidade dos fragmentos e a robustez do material.

Os pontos de partida dos trabalhos de Yola Vale são os mais diversos, procurando inspiração nas viagens que realiza ou simplesmente na natureza. Inquieta-se com todos os problemas do mundo atual, refletindo e materializando as suas dúvidas e preocupações no próprio trabalho.

Yola Vale nasce no ano de 1975, em Espinho. Concluiu a licenciatura em Escultura na Universidade das Artes de Coimbra – ARCA|EUAC em 1999, ano em que partiu para Cabo Verde como docente das disciplinas de desenho e geometria descritiva durante dois anos. Em 2001, mudou-se para Proença-a-Nova onde ainda hoje tem o seu atelier. Desde então, tem sido promotora de inúmeros cursos e workshops de cerâmica ao nível da iniciação, modelação, ou murais cerâmicos, dedicando especial atenção à técnica do rakú. Participa regularmente em exposições, simpósios e bienais internacionais e as suas obras estão representadas em diversas coleções públicas e privadas.

A exposição estará patente até 3 de janeiro de 2017 e pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h30; sábados e domingos das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

MONÇÃO INAUGURA EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS E JOALHARIA

A Casa Museu de Monção, Unidade Cultural da Universidade do Minho inauguram a exposição de artes plásticas e joalharia das artistas Margarida Nunes e Maria Guia Pimpão, intitulada "(Sem) Linha de Fronteira", no próximo dia 1 de outubro (sábado), pelas 15h30, nas instalações da Casa Museu de Monção da Universidade do Minho, sitas na vila de Monção.

"Dois nomes, dois olhares, diferentes técnicas e abordagens.... Que pontos de contacto? Onde as semelhanças? Que linha de fronteira? Sempre que o olhar se lança, em exercício de liberdade e sem prévios conceitos, todas as linguagens artísticas se tocam, as linhas de fronteira como que se contorcem, juntando-se até se esbaterem. As fronteiras são uma criação do Homem. Mesmo quando a natureza nos dificulta o contacto, através de linhas físicas, como rios e relevos, sempre se encontrou forma de as ultrapassar. Certo é, que também o Homem as formou, através de linhas imaginárias, ou mesmo impostas pela força das armas, estanques como muros... alguns literalmente falando. Também essas foram superadas e são-no em cada momento histórico e na dependência da vontade. Na arte como na vida, encontrar semelhanças na diferença, é também um exercício de abertura e despojamento, e é este exercício que hoje vos propomos.... aqui fica o nosso!"

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de outubro.

HORÁRIO DA EXPOSIÇÃO:

Terça a Sexta Feira - das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

Sábados - das 14h00 às 17h30

Domingos e Segundas: encerrada

BRAGA APRESENTA EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA SOBRE MANIFESTAÇÃO CULTURAL NO PERÚ

Exposição fotográfica dá a conhecer manifestação popular e religiosa do Peru. Iniciativa insere-se na Capital Ibero-Americana da Juventude

Foi inaugurada hoje, dia 26 de Setembro, a exposição «Taytacha Qoyllurit’i - Peregrinação Sagrada», da autoria do fotógrafo Bracarense Manuel Correia. Patente nas Ruas Dr. Justino Cruz e Francisco Sanches, em Braga, a exposição, inserida na programação da Capital Ibero-Americana da Juventude, retracta a incrível manifestação popular e religiosa que se verifica durante a peregrinação ao Senhor de Qoyllurit'i, no Peru.

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002534.jpg

Segundo Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, é com ´enorme satisfação´ que o Município acolhe esta iniciativa que, ao promover o diálogo intercultural, se enquadra num dos eixos fundamentais assumimos no âmbito do programa da Capital Ibero-Americana. “É um privilégio podermos presenciar este momento de partilha cultural pela câmara de um fotógrafo Bracarense. Desta forma conseguimos trazer a Braga realidades específicas de um país que integra o espaço Ibero-Americano e, ao mesmo tempo, promover o trabalho de um talento do Concelho que é já uma referência na sua área de actuação”, afirmou.

Como sublinhou o Autarca, ´potenciar´ a dimensão social e cultural é fundamental para concretizar os objectivos da Capital. “Para lá da dimensão económica, à qual dedicamos muitos esforços, há outros aspectos importantes naquela que deve ser a acção do Município e que conduzem ao desenvolvimento de parcerias à escala internacional”, referiu.

A iniciativa contou também com a presença da Embaixadora do Peru em Portugal, Lissette Nalvarte. A mostra estará patente ao público de 26 de Setembro a 23 de Outubro.

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002538.jpg

CMB26092016SERGIOFREITAS0000002543.jpg

BRAGA INAUGURA EXPOSIÇÃO “TAVTACHA QOYLLURIT’I”

Segunda-feira, dia 26 de Setembro, pelas 15h00, na Rua Dr. Justino Cruz, Braga

O Município de Braga inaugura a exposição «Taytacha Qoyllurit’i - Peregrinação Sagrada» que terá lugar na próxima Segunda-feira, dia 26 de Setembro, pelas 15h00, na Rua Dr. Justino Cruz, em Braga.

13322172_994491440619630_8868628030313492368_n.jpg

A iniciativa contará com a presença de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e da Embaixadora do Peru em Portugal, Lissette Nalvarte.

A exposição, inserida na programação da Capital Ibero-Americana da Juventude, é da autoria do fotógrafo bracarense Manuel Correia e retrata a incrível manifestação popular e religiosa que se verifica durante a peregrinação ao Senhor de Qoyllurit'i, no Peru. A mostra estará patente ao público de 26 de Setembro a 23 de Outubro, nas ruas Dr. Justino Cruz e Francisco Sanches, em Braga.

BARCELOS APRESENTA "PAISAGENS TRASNFIGURADAS" DE ANTÓNIO MIRANDA

Paisagens Transfiguradas de António Miranda na Biblioteca Municipal de Barcelos

O pintor barcelense António Miranda regressa à Biblioteca Municipal de Barcelos, no próximo sábado, dia 10 de setembro, com a exposição “Paisagens Transfiguradas”, que será inaugurada, pelas dezassete horas.

Aparentemente, dir-se- á que a vocação do António Miranda para a pintura é tardia, pois é assumida consciente e voluntariamente desde 2009. No entanto, já tinha nascido com ele num tempo imemorial que remonta aos tempos da Escola Preparatória Gonçalo Nunes. Digamos também que persistência e fidelidade, sensibilidade e visão imaginante de mundos outros são timbres do seu emblema existencial e marcas do seu estilo paisagístico.

Quando decide aparecer ao público, a 21 de novembro de 2014,  na Biblioteca Municipal de Barcelos, o trabalho artístico de António Miranda já era apreciado, valorizado e reconhecido noutras latitudes. É assim que, a 25 de fevereiro de 2014, a sua paisagem, “A casa na profundeza”, obteve um terceiro lugar atribuído pela galeria I Love Art Award de Nova Iorque. Já a 19 de abril do mesmo ano, o quadro, “O riacho na pedreira”, recebe uma Menção honrosa pela Best International Art Contest and Gallery. Ainda em abril deste ano inaugural e promissor para o artista, António Miranda, o quadro acabado de referir recebe uma Menção honrosa com a atribuição do quinto lugar pela I Love Art Award, na modalidade “Sunset & Sunrise Award”. Desde então, novas paisagens do António Miranda têm sido reconhecidas e valorizadas por Galerias americanas, inglesas e indianas.

Sabemos hoje que o pintor António Miranda tem outros projetos em vista e que, na fidelidade aos motivos da sua inspiração e às suas matrizes de influência, continuará a explorar novos caminhos, tendo como protagonista a Terra amata, dada a ver de modo singular em quadros que consistem em perceções dinâmicas e visões transfiguradas pela sua imaginação criadora!

No fim de tudo, permanece esta obra plural, composta por séries de paisagens e, sobre elas, o puro espírito do pintor deslocando-se como uma nuvem sobre as ondas da vida!

“BRAGA DE ARTUR PASTOR”CONQUISTA BRACARENSES

Mostra é a mais visitada dos espaços municipais em 2016

A mostra fotográfica intitulada “Braga de Artur Pastor”, patente ao público simultaneamente na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem, já foi visitada por quase quatro mil pessoas, confirmando-se como a exposição mais visitada de ambos os espaços municipais.

SAM_6371.jpg

Esta iniciativa, que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Braga e o Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa, abriu ao público no passado dia 3 de agosto e decorre até ao próximo sábado, 10 de setembro. Inicialmente com data de encerramento prevista para o dia 17 de setembro, viu a mesma ser antecipada uma semana em virtude da realização dos Encontros da Imagem.

Esta exposição, que apresenta um retrato da cidade de Braga entre as décadas de 1950 e 1960, resulta de uma seleção de fotos de Artur Pastor, falecido há 17 anos e um dos mais significativos nomes da fotografia do século XX em Portugal.

Este devotado funcionário da Direção Geral dos Serviços Agrícolas, dedicou grande parte da sua vida a fotografar as gentes que trabalhavam os campos, bem como as suas técnicas de cultivo e as sementes que utilizavam no seu labor. Com a sua rolleiflex percorreu quase todos os recantos de Portugal, legando aos vindouros uma exaustiva e significativa obra fotográfica.

Chamado à Capital do Minho no âmbito da sua missão como regente agrícola fotógrafo, acabou por conhecer a sua futura esposa. As visitas a Braga suceder-se-iam, particularmente nas décadas de 1950 e 1960, período no qual pôde retratar a fisionomia e a alma bracarense.

No seu espólio integram-se dois álbuns inteiramente dedicados à cidade de Braga, totalizando mais de seis centenas de fotografias.

SAM_6414.jpg

CASA MUSEU DE MONÇÃO EXPÕE PINTURA

Exposição de pintura: "6M" de Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa na Casa Museu de Monção/UMinho

Está patente ao público de 1 de setembro e até ao final do mês, na Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho, a exposição coletiva de pintura dos artistas Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa, intitulada "6M".

11150304_809340035786167_7159175907303346661_n.jpg

"De estreitos caminhos campestres a velhas ruelas citadinas, entre minas floridas e histórias que sempre encantam, perfumes de poesia, gritos de liberdade em uníssono, num momento em que a alma se põe a nu nas obras de seis sonhadores. Vidas e histórias que se cruzam num espaço onde impera o mágico e o desejo de dar voz ao não dito. Seis formas de olhar o mundo através da arte de Maria de Lurdes Rodrigues, Maria Flor Rocha, Madalena Macedo, Manuel Lima, Mário Garrido e Mário Rebelo de Sousa. 6M reúne estilos diferentes, do surrealismo ao abstrato num abraço amigo que exalta o que de mais belo se desenha no interior de cada um, libertando dores, angustias ou simplesmente gritos de amor. Orgasmos de sonhos em luz e cor lançados a nu na brancura da tela ou moldados na matéria."

A entrada é livre!

Muito agradecemos a sua visita e a melhor divulgação da exposição.

Horário da Sala de Exposições Temporárias da Casa Museu de Monção/Universidade do Minho:

Terça a sexta feira: das 09h30 às 12h00 e das 14h00 às 17h00

sábado: das 14h00 às 17h30

domingo e segunda feira: encerrada

Mais informações em:

www.casamuseumoncao.uminho.pt

www.facebook.com/pages/Casa-Museu-de-MonçãoUniversidade-do-Minho/809321412454696

14034994_1086033481450153_4054473418895277301_n.jpg

PÓVOA DE LANHOSO EXPÕE ARTES PLÁSTICAS

Galeria do Theatro Club acolhe Exposição Aberta de Artes Plásticas

Está patente até ao dia 28 de agosto a XX Exposição Aberta de Artes Plásticas, na Galeria de Exposições do Theatro Club. A abertura decorreu no dia 6 de agosto, na presença do Vereador da Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, que entregou os certificados de participação.

Abertura Exposicao Artes Plasticas 1.jpg

"A Exposição Aberta de Artes Plásticas já é uma iniciativa municipal com créditos firmados e o facto de ser a XX Edição comprova-o. A aposta que o Município tem feito na cultura e na promoção dos nossos artistas dá cada vez mais frutos e eleva o nosso concelho", nota o referido Vereador.

Divulgar os novos valores emergentes das artes plásticas bem como artistas com carreiras firmadas; e reforçar a proximidade entre o público e a fruição plástica, estética e simbólica da produção artística, são objetivos desta iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso.

Estão em exposição cerca de 37 obras de arte, na Galeria e no Jardim António Lopes, em frente ao Theatro Club.

Participam artistas de todo o país, com trabalhos nas áreas de pintura, escultura, desenho e técnica mista. Para além da Póvoa de Lanhoso, os participantes são de Braga, Seia, Guimarães, Barcelos, Açores, Lisboa, Famalicão, Vieira do Minho, Fafe, Arcos de Valdevez e Santa Maria da Feira.

Durante a cerimónia de abertura, para além de artistas de todo o país, estiveram dois músicos a tocar flauta. A decoração esteve a cargo da Quinta Cedro do Ave e de Ana Mota Decor. Foi ainda servido um verde de honra, pela Associação de Turismo da Póvoa de Lanhoso.

Abertura Exposicao Artes Plasticas 2.jpg

Abertura Exposicao Artes Plasticas 3.jpg

Abertura Exposicao Artes Plasticas 4.JPG

ANTÓNIO MENDES EXPÕE PINTURA EM VIZELA

Exposição de António José Mendes Rodrigues na Loja Interativa de Turismo. Dia 3 agosto a 5 de setembro 2016

A Loja Interativa de Turismo de Vizela recebe a exposição de António José Mendes Rodrigues, de 3 agosto a 5 de setembro.

‘António José Mendes Rodrigues, mais conhecido na cidade como “Valença”, é um vizelense de 49 anos, que assume com grande entusiasmo a sua paixão pela pintura.

Este gosto não será de estranhar, uma vez que esta arte tem vindo a ser desenvolvida pelos seus antepassados.

Desde os 16 de idade que trabalha como pintor, particularmente no restauro de igrejas e capelas.

Decidido a expandir as suas ideias, iniciou a sua atividade artística, enquanto autodidata, há cerca de oito anos, onde a influência e incentivo de um amigo foram cruciais.

Tem desenvolvido e aprofundado as suas capacidades artísticas, ao longo destes últimos anos, tendo inclusivamente já realizado exposições no concelho.’

flyer.jpg

ALUNOS DE FAMALICÃO LANÇAM EXPOSIÇÃO ITINERANTE SOBRE ALBERTO SAMPAIO

Mostra está patente durante o mês de agosto no Arquivo Municipal

Durante o mês de agosto, está patente no Arquivo Municipal Alberto Sampaio, no centro da cidade de Vila Nova de Famalicão a exposição “Percursos Divergentes, Destinos Concordantes: olhares sobre cinco áreas de interesse de Alberto Sampaio (1841-1908)”.

Exposição _ 1 (1).JPG

A mostra inserida na programação dos 175 Anos do Nascimento de Alberto Sampaio foi criada pelos alunos e professores dos Cursos Profissionais de Técnico de Design Gráfico, Técnico de Audiovisuais e ainda a equipa educativa da Biblioteca do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco.

“A ideia nasceu a partir de um desafio lançado pelo Arquivo Municipal com o objetivo de vermos o Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco associado às comemorações de Alberto Sampaio”,começa por explicar o diretor do curso de Design Gráfico, Nuno Antunes.

“A resposta dos alunos foi excelente e com o apoio da docente da disciplina de História e Cultura das Artes, o resultado começou a surgir, sendo que cada suporte gráfico foi elaborado com as propostas dos alunos”, referiu o responsável, acrescentando que “o projeto durou um ano letivo a ser concretizado e envolveu cerca de 20 alunos do 10.º ano e seis professores”.

A mostra é composta por cinco telas que exploram cinco áreas de interesse de Alberto Sampaio, nomeadamente: Política, História, Cultura, Industria e Agricultura.

A exposição foi inaugurada na escola sede do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco no passado dia 8 de Junho, ganhando agora o caráter itinerante, percorrendo escolas e espaços culturais da região norte.

Na altura da inauguração, Emília Nóvoa, técnica do Arquivo Alberto Sampaio abordou o relacionamento existente entre Alberto Sampaio e o escritor Camilo Castelo Branco, patrono do agrupamento. “O relacionamento entre os dois ocorreu, sobretudo, num período muito preciso das suas vidas, tinha Camilo perto de cinquenta anos e Sampaio trinta e poucos. É provável que se tivessem conhecido na Casa do Mosteiro de Landim, propriedade de António Vicente de Carvalho Leal e Sousa, sogro do irmão de Alberto Sampaio, com quem Camilo privava desde que fora viver para Seide, ou talvez tivessem sido apresentados pelo sobrinho de Camilo, António de Azevedo Castelo Branco, amigo dos irmãos Sampaio e colega de curso na Faculdade de Direito de Coimbra. Certo é que foi o gosto pela literatura a razão da aproximação entre ambos e o leitmotiv para Camilo propor ao jovem Alberto Sampaio a tradução, a “quatro mãos”, da Formosa Lusitania, obra escrita por Catherine Lady Jackson e, quase em simultâneo, a colaboração na sua empresa literária “Leitura para Todos”, fundada no Porto, em 1873.”

Para o vereador da Educação da autarquia famalicense, Leonel Rocha, “a exposição cumpre vários propósitos, sendo de destacar, obviamente, a divulgação de Alberto Sampaio, através da perspetiva dos alunos, mas cumpre, também, o propósito de conseguir envolver a nossa comunidade escolar com os valores humanos e patrimoniais da nossa terra. Estamos a pôr em prática o território educador.”

FICHA TÉCNICA

“Percursos Divergentes, Destinos Concordantes: olhares sobre cinco áreas de interesse de Alberto Sampaio (1841-1908)”

Exposição Itinerante

Local: Arquivo Municipal Alberto Sampaio

Data: Agosto

Horário: 9h00 às 17h30

Entrada Livre

Exposição _ 2 (1).PNG

EXPOSIÇÃO DE FOTOGRAFIA DE LUÍS PASTOR MOSTRA BRAGA DE OUTROS TEMPOS

Fotografias patentes na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem

O Município de Braga inaugurou hoje, dia 3 de Agosto, a exposição ‘Braga de Artur Pastor’, uma mostra fotográfica constituída por 84 fotografias da Cidade de Braga, provenientes do Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa. Esta é a primeira vez que o espólio de Artur Pastor (1922-1999) é apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001458.jpg

Parte do conjunto fotográfico que foi conseguindo ao longo da sua vida é composto por fotografias únicas de pessoas e locais da Cidade que são dadas a conhecer através de dois polos: na Casa dos Crivos e no Museu da Imagem. Na Casa dos Crivos está patente ‘A Alma e as Gentes’, enquanto o Museu da imagem acolherá ‘Os Lugares da Memória’.

Nesta transposição para o passado, o visitante é desafiado a viajar pela Braga de outros tempos e mergulhar no quotidiano da Cidade do século passado.

A exposição vai estar patente ao público até 17 de Setembro, podendo ser visitada na Casa dos Crivos, às segundas e sábados, das 09h30 às 12h30 e das 13h30 às 18h30, e de terça a sexta-feira, das 09h30 às 18h30; e no Museu da Imagem de terça a sexta, das 11h00 às 19h00 e sábado e domingo, das 14h30 às 18h30. A entrada é livre.

De referir que esta é uma iniciativa da Câmara Municipal de Braga, em parceria com o Núcleo Fotográfico do Arquivo Municipal de Lisboa, instituição à qual pertence o espólio do fotógrafo. 

Artur Arsénio Bento Pastor, falecido há 17 anos, é um dos mais significativos nomes da fotografia do século XX em Portugal. Devotado funcionário da Direcção Geral dos Serviços Agrícolas, dedicou grande parte da sua vida a fotografar as gentes que trabalhavam os campos, bem como as suas técnicas de cultivo e as sementes que utilizavam no seu labor. Com a suarolleiflex percorreu quase todos os recantos de Portugal, legando aos vindouros uma exaustiva e significativa obra fotográfica.

Mas foi na cidade de Braga que Artur Pastor se apaixonou, não apenas pelos encantos que brotam dos seus edifícios históricos como também por Rosalina, uma professora primária natural de Braga que viria a tornar-se sua esposa em 1953.

Em Junho de 1955, participou no I Salão Nacional de Arte Fotográfica, realizado no Theatro Circo pelo Club de Cinema de Braga em parceria com a Câmara Municipal de Braga e a Comissão de Festas de São João. Antes disso, em 1953, participou no Salão de Arte Fotográfica promovido pela Confraria do Bom Jesus do Monte, no qual recebeu uma menção honrosa pelos trabalhos desenvolvidos no Posto Experimental de Montalegre.

É de assinalar ainda a sua colaboração com o Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Braga, liderado pelo vereador Sérgio da Silva Pinto, particularmente na edição do “Guia de Braga”, ocorrida em 1959, e que contou com a participação de Artur Pastor na fotografia. Foi na sequência desta encomenda que realizou uma exaustiva reportagem fotográfica da Cidade, contando com uma parceria com a Casa Arcelino, que acabou por ser responsável pela impressão das fotos.

No seu espólio integram-se dois álbuns inteiramente dedicados à cidade de Braga, totalizando mais de seis centenas de fotografias.

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001459.jpg

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001465.jpg

CMB03082016SERGIOFREITAS0000001468.jpg

PÓVOA DE LANHOSO EXPÕE ARTES PLÁSTICAS

XX Exposição Aberta de Artes Plásticas

A XX Exposição Aberta de Artes Plásticas abre já no próximo sábado, dia 6 de agosto, na Galeria de Exposições do Theatro Club. A abertura está marcada para as 17h00.

Cartaz Expo Aberta.GIF

Participam 38 artistas de todo o país, que irão expor 76 obras nas áreas de pintura, escultura, desenho e técnica mista. “Desafiamos os Povoenses e quem nos visita a desfrutar de cada obra exposta nesta XX Exposição Aberta de Artes Plásticas, pois vai valer mesmo a pena e esta edição é um marco simbólico, pois é já a vigésima”, refere o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Manuel Baptista, destacando a participação de artistas locais.

Para além da Póvoa de Lanhoso, os participantes são de Braga, Seia, Guimarães, Barcelos, Açores, Lisboa, Famalicão, Vieira do Minho, Fafe, Arcos de Valdevez e Santa Maria da Feira.

Os artistas participantes pertencem a gerações diferentes e trabalham com técnicas muito diversificadas, numa fusão de géneros e de correntes estéticas.

De lembrar que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do Pelouro da Cultura e Turismo, organiza a XX Exposição Aberta de Artes Plásticas da Póvoa de Lanhoso, que visa a promoção e divulgação da arte e dos artistas, não havendo prémios. Divulgar os novos valores emergentes das artes plásticas bem como artistas com carreiras firmadas; e reforçar a proximidade entre o público e a fruição plástica, estética e simbólica da produção artística, são também objetivos.

Esta XX Exposição Aberta de Artes Plásticas fica patente até 28 de agosto.

CERVEIRA EXPÕE E VENDE TRAJES TRADICIONAIS DO MINHO

Identidade e tradição do “Traje Regional do Minho” na LIT

Associando-se ao conceito da II BIA – Artes e Ofícios Tradicionais, a decorrer de 10 a 14 de agosto, a Loja Interativa de Turismo de Vila Nova de Cerveira tem patente uma mostra/venda de trajes regionais que fazem parte de uma coleção particular. Fato de Noiva de Cerveira é um dos destaques desta exposição aberta ao público até ao final do mês de agosto.

IMG_7324.JPG

São mais de 15 trajes de noiva e de noivo, de dó, à lavradeira, de trabalho e à meia-senhora, para além de peças individuais como algibeiras, lenços, coletes e casacos regionais. Um vasto conjunto de trabalhos produzidos pela sensibilidade e mãos de Maria Cândida, uma vianense com fortes ligações familiares a Vila Nova de Cerveira.

Até ao final deste mês de agosto, integrada na BIA – Artes e Ofícios Tradicionais e aproveitando o facto de ser uma época com muito turismo e regresso de emigrantes às suas raízes, a Galeria da LIT veste-se de tradição e muita cor, dando a conhecer as roupas usadas pelas mulheres alto-minhotas em épocas festivas, quer de carácter religioso quer social, que vão desde o casamento, ao trabalho e ao funeral.

Através de diversas expressões culturais, o objetivo desta iniciativa é enfatizar e valorizar a riqueza de costumes e tradições da nossa região ao nível etnográfico, realçando os laços identitários e culturais nos trajes de antigamente, colocando-os para visita das gerações mais vindouras e outros interessados.

A mostra/venda “Traje Regional do Minho” encontra-se aberta ao público até ao final do mês de agosto, no período de funcionamento da Loja Interativa de Turismo de Vila Nova de Cerveira.

BRAGA EXPÕE FOTOGRAFIAS DE ARTUR PASTOR

Inauguração da exposição ‘Braga de Artur Pastor’. Amanhã, 3 de Agosto, pelas 17h00, no Museu da Imagem, em Braga

O Município de Braga inaugura a exposição ‘Braga de Artur Pastor’ em cerimónia que terá lugar amanhã, dia 3 de Agosto, pelas 17h00, no Museu da Imagem, em Braga.

Artur Pastor.jpg

A iniciativa contará com a presença da Vereadora da Cultura, Lídia Dias.

A exposição estará dividida em dois polos. No Museu da Imagem será possível ver ‘Os Lugares da Memória’, enquanto na Casa dos Crivos estará ‘A Alma e as Gentes’. Esta é a primeira vez que o espólio de Artur Pastor (1922-1999) será apresentado publicamente em Braga, cidade à qual devotou um particular interesse.

A exposição vai estar patente ao público até 17 de Setembro, podendo ser visitada na Casa dos Crivos, às segundas e sábados, das 09h30 às 12h30 e das 13h30 às 18h30, e de terça a sexta-feira, das 09h30 às 18h30; e no Museu da Imagem de terça a sexta, das 11h00 às 19h00 e sábado e domingo, das 14h30 às 18h30. A entrada é livre.