Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

DANIEL BASTOS APRESENTA EM BRUXELAS LIVRO DEDICADO À EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 24 de março (sexta-feira), foi apresentado na capital da Europa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

© Tony Da SIlva _ LusoProductions 1.jpg

Da esquerda para a direita, o historiador Daniel Bastos, a socióloga Maria Beatriz Rocha-Trindade, o embaixador António Alves Machado, o fotógrafo Gérald Bloncourt e o editor Joaquim Pinto da Silva

 

A obra, concebida pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a gesta da emigração lusitana para França nos anos 60 e 70, foi apresentada na Embaixada de Portugal em Bruxelas, numa sessão que encheu a Sala Damião de Goes, e que esteve a cargo do editor da Orfeu, Joaquim Pinto da Silva, e da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

O livro traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com posfácio da petite portugaise Conceição Tina, e prefaciado pelo reputado pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. 

No decurso da sessão, que contou com a presença do consagrado fotógrafo, e vários representantes da comunidade e diplomacia portuguesa na capital da Europa, como o Embaixador de Portugal na Bélgica, António Vasco Alves Machado, e a coordenadora da rede de ensino na Bélgica, Carina Gaspar, todos foram unânimes em considerar que as fotografias de Gérald Bloncourt retratam um período marcante da história da emigração portuguesa. Segundo Daniel Bastos, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade”.

Refira-se que a sessão de apresentação incluiu uma prova de vinho de Porto, um produto emblemático da cultura portuguesa, promovida pela De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho, uma empresa portuguesa sediada na Bélgica que se dedica à distribuição de produtos nacionais.

© Tony Da SIlva _ LusoProductions 2.jpg

CASA DOS ARCOS EM BORDÉUS COMEMORA 6 ANOS DE EXISTÊNCIA

Câmara Municipal no 9º Aniversário da Casa dos Arcos em Bordéus

No passado fim de semana o Presidente da Câmara Municipal, João Esteves e a vereadora Belmira Reis, marcaram presença na comemoração do 9º aniversário da Casa dos Arcos em Bordéus.

aniversario_casa_arcos_bordeus (4).jpg

Os autarcas fizeram questão de estarem presentes neste evento comemorativo para demonstrar o forte apreço que sentem pela comunidade arcuense espalhada pelo estrangeiro, destacando o trabalho que esta Casa dos Arcos realiza ao nível da aproximação e apoio dado aos conterrâneos em Bordéus.

Durante a estadia foram promovidos contactos com a comunidade emigrante, fez-se a promoção da nossa cultura e o orgulho na nossa terra e na nossa gente.

Estas visitas à comunidade arcuense a residir no estrangeiro revestem-se de grande importância para o concelho pois também contribuem para que se faça a promoção dos nossos produtos e empresas. Através deles também se estabelecem contactos com as autoridades locais, onde são apresentadas as potencialidades de Arcos de Valdevez e os apoios concedidos pela Câmara Municipal para a instalação de empresas ou a realização de investimentos no turismo e na reabilitação urbana.

A proximidade à Diáspora está bem patente na participação da Câmara Municipal nas muitas iniciativas promovidas pelas nossas comunidades de emigrantes.

aniversario_casa_arcos_bordeus (1).jpg

aniversario_casa_arcos_bordeus (2).jpg

aniversario_casa_arcos_bordeus (3).jpg

MUNICÍPIO DE CERVEIRA APOIA EMIGRANTES CERVEIRENSES COM SERVIÇO GRATUITO

O Gabinete de Apoio ao Emigrante (GAE) de Vila Nova de Cerveira tem vindo a aumentar o número de atendimentos. A grande maioria dos pedidos de apoio prende-se com a abertura e/ou regularização de processos de reforma do estrangeiro, através de um serviço personalizado, permanente e gratuito.

GAE_logo.JPG

Criado em 2011, através da celebração de um acordo de cooperação entre a Câmara Municipal e a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, o GAE de Vila Nova de Cerveira tem ajudado a obter equivalências e a resolver problemas fiscais, mas o principal motivo da procura são as questões relativas à segurança social (pensões de velhice, viuvez, doença; prestações de doença, familiares, invalidez, maternidade, sobrevivência; subsídio de desemprego) que constituem a grande maioria dos processos.

O GAE presta esclarecimentos aos emigrantes cerveirenses, como também transmite todas as informações que facilitem o regresso definitivo a Portugal ou apoia aqueles que já deixaram de vez os países de acolhimento. Não obstante, também está apto para apoiar aqueles que desejem iniciar um processo de emigração.

Com serviço gratuito, o Gabinete de Apoio ao Emigrante de Vila Nova de Cerveira está localizado na Rua das Cortes, junto à Segurança Social, com horário de atendimento das 09h00 às 12h30.

DANIEL BASTOS VAI A BRUXELAS APRFESENTAR LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Historiador minhoto Daniel Bastos apresenta livro sobre a emigração portuguesa em Bruxelas

No próximo dia 24 de março (sexta-feira), é apresentado na capital da Europa o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

Capa do Livro.jpg

A obra, concebida pelo historiador natural do Minho, Daniel Bastos, a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos 60, é apresentado às 18h30 na Embaixada de Portugal em Bruxelas.

A apresentação do livro, uma edição bilingue em português, com prefácio do pensador e ensaísta Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu das mãos do Presidente da República a Ordem do Infante D. Henrique, e estará a cargo do editor da Orfeu, Joaquim Pinto da Silva, e da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades do Porto, Lisboa e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Segundo Daniel Bastos, atualmente docente de História no Colégio João Paulo II em Braga, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade”.

Refira-se que a sessão de apresentação incluirá ainda uma prova de vinho de Porto, um produto emblemático da cultura portuguesa, promovida pela De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho, uma empresa portuguesa sediada na Bélgica que se dedica à distribuição de produtos nacionais.

 

Contra-capa do Livro.jpg

De Wijn Fontein Bvba – A Fonte do Vinho.jpg

O fotógrafo francês Gérald Bloncourt (esq.) com o historiador português Daniel Bastos.JPG

O historiador Daniel Bastos  (esq.) e o fotógrafo Gérald Bloncourt.jpg

O historiador português Daniel Bastos (esq.) e o fotógrafo francês Gérald Bloncourt.JPG

O FESTIVAL DAS MIGRAÇÕES, CULTURAS E CIDADANIA

No âmbito da ligação que tenho estabelecido ao longo dos últimos anos com as comunidades portuguesas espalhadas pelos quatro cantos do mundo, conexão essa que me tem permitido pessoal e profissionalmente auscultar e aquilatar a mundividência em que muitos desses nossos compatriotas se encontram inseridos, tomo a liberdade de enviar em anexo, para possível divulgação e publicação do vosso órgão de informação, uma crónica subordinada à temática “O Festival das Migrações, Culturas e Cidadania”.

Daniel Bastosfafe.jpeg

No início deste mês de março, realiza-se uma vez mais, no Grão Ducado do Luxemburgo, um país da Europa setentrional circundado pela Bélgica a oeste, a França a sul e a Alemanha a leste, uma nova edição do Festival das Migrações, Culturas e Cidadania, que atrai todos os anos milhares de pessoas.

Este ano, assinala-se a 34.ª edição desta iniciativa do Comité de Ligação das Associações de Estrangeiros (CLAE), que constitui um ponto de encontro anual dos estrangeiros no Luxemburgo, que representam cerca de metade da população do país. O português é mesmo uma das cinco línguas mais faladas no país depois do francês, luxemburguês e alemão, tanto que em 2015, havia mais de 90.000 portugueses no território, representando 17% da população do Luxemburgo.

Valorizar as culturas e partilhá-las, assim se pode resumir a essência deste evento multicultural que inclui exposições, concertos, encontros literários, projeções de filmes e gastronomia dos quatro cantos do mundo.

No decurso do festival na LuxExpo no Kirchberg, decorre a 17ª Feira do Livro e o 5º encontro de culturas e artes contemporâneas, ArtsManif, que como em edições anteriores contará com a presença de escritores e artistas dos quatro cantos do mundo, inclusive do espaço lusófono, que têm nestes dias um palco privilegiado para a promoção e divulgação dos seus trabalhos.

Numa época em que a tentação de construção de muros a separar povos e culturas é grande, onde os populismos parecem ganhar terreno à custa das consequências económicas, da crise de refugiados e de intolerâncias religiosas, o Festival das Migrações, Culturas e Cidadania é uma pedrada no charco que agita as águas, reafirmando a premência da construção de uma cidadania europeia e mundial ativa, assente no primado universal da diversidade cultural, das minorias e dos valores dos direitos humanos.

Daniel Bastos

PORTUGUESES EM NEWARK VÃO AOS FADOS

Sábado 18 de Fevereiro

A apresentação do evento está a cargo de Susana Caetano e Sandro Mouro. O artista plástico Fernando Silva é o responsável pelo cenário e os técnicos de luz e som são Márcio Santos e Nuno Calhau.

sportclubeportug.jpg

Dito isto, é altura de fazer silêncio e deixar ouvir o fado, a primeira expressão artística classificada pela UNESCO como Património Imaterial da Humanidade.

Os prémios de melhor fadista vão ser disputados entre Andrea Miguens, Ana Paula Gouveia, António da Silva, António Amâncio, Carlos Anjos, Domingos Parreira, Jack Almeida, Mário Cunha, Noémia Romano, e como suplentes, Bibito da Silva, Glória de Melo e Luis Lourenço, acompanhados na viola clássica por Viriato Ferreira e na viola portuguesa por José Silva, o duo “Guitarras do Atlântico” que vem de Rhode Island.

Alexandra Marques, a jovem vencedora da edição de 2016, vai actuar como artista convidada assim como Emília Silva, Corina e Pedro Botas

O júri vai avaliar os concorrentes nas categorias afinação, ritmo, dicção e apresentação. O concorrente com mais pontos terá a oportunidade de participar na Gala da Proverbo em Outubro, o segundo classificado ganhará um certificado da ourivesaria Jack & Dee e o terceiro, um jantar para duas pessoas no restaurante Marisqueira.

O público escolherá o fadista mais popular que será convidado de honra numa noite de karaoke do Sport Club Português.

Todos os participantes receberão livros e CD’s.

ARCUENSES INAUGURAM SEDE DO MOTO CLUB PORTUGAIS EM PARIS

Câmara Municipal de Arcos de Valdevez marcou presença no I Aniversário do Moto Club Portugais à Paris e inauguração da sua sede motard

A Câmara Municipal, representada pelo vereador Hélder Barros, esteve nos dias 28 e 29 de Janeiro em Paris para se juntar à festa do I Aniversário do grupo de motociclistas Moto Club Portugais à Paris, bem como à inauguração da sua sede motard, sediada em Vitry-sur-Seine.

16402538_1775639469424315_8012450343036818657_o.jpg

Este convívio juntou inúmeros sócios e amigos do grupo, liderado pelo arcuense Carlos Amorim e composto, maioritariamente, por emigrantes arcuenses.

 O MC Portugais à Paris conta já com mais de uma centena de sócios registados e no dia da inauguração formalizou mais cerca de 30 novas inscrições.

No âmbito desta festa os motards realizaram um passeio até Paris e ao final da tarde, houve espaço para convívio, descerramento da placa inaugural da sede social e festa do 1º Aniversário.

A Câmara Municipal fez-se representar nesta iniciativa porque para o executivo arcuense o apoio às comunidades e as relações de proximidade com elas são aspetos que deverão ser cultivados sempre.

As nossas Comunidades de emigrantes desempenham um papel importante na promoção do que é viver, visitar e investir em Arcos de Valdevez, divulgando a cultura e as potencialidades do nosso Concelho e contribuindo decisivamente para que Arcos de Valdevez fortaleça a sua atratividade.

16402559_1775622976092631_5739708714514460576_o.jpg

16402785_1775643392757256_7158797539595513643_o.jpg

16402816_1775624996092429_714604355569927354_o.jpg

16402836_1775622736092655_2508986138003407096_o.jpg

16403079_1775633929424869_4977225346763987475_o.jpg

16422891_1775639472757648_49217239065373825_o.jpg

16422909_1775643322757263_3293044375259343566_o.jpg

16423154_1775624809425781_1369346194920794362_o.jpg

16463062_1775637496091179_1665384372590136456_o.jpg

16463237_1775638316091097_4532021829804729299_o.jpg

MINHOTOS CANTAM AS JANEIRAS EM ANDORRA SOB O FRIO E A NEVE DOS PIRINÉUS

“As Janeiras despedem-se desafiando o frio e a neve de Andorra

Este domingo, dia 29, os elementos do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ despediram, na paróquia de Escaldes-Engordany, a 12ª edição das Janeiras. Desde o sábado, dia 14, até ao dia 29, cerca de trinta cantadores do Grupo, trajados para a ocasião, percorreram as paróquias de Andorra la Vella, Escaldes-Engordany, Encamp, Ordino e La Massana para levar a tradição portuguesa de cantar de porta em porta e desejar votos de bom ano 2017 em diferentes estabelecimentos comerciais, casas particulares, lares de idosos e nas Igrejas do Principado, Santa Eulália em Encamp, Sant Cornelí e Sant Cebrià em Ordino, Sant Esteve em Andorra la Vella e Sant Pere Mártir em Escaldes-Engordany.

Janeiras_2017 (1).JPG

Durante três fim-de-semanas duas dezenas de espaços no Principado puderam desfrutar dos cânticos das Janeiras e no domingo, dia 22, foi a vez da visita à Catedral de Santa Maria d’Urgell, em Catalunha, onde os cantadores participaram na missa dominical, na presença do Arcebispo e Copríncipe de Andorra, Joan-Enric Vives.

O frio e a neve foram o melhor pretexto para os elementos do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ trajar a roupa de linho e de lã  e percorrer as belas estampas nevadas de Andorra recreando um ambiente festivo e de alegria principalmente junto dos idosos dos Lares: El Cedre, Clara Rabassa e Sar Quavitae Salita.

Este ano a entidade cultural prepara-se para celebrar o 21º aniversario e já está a programar o calendário cultural que se iniciará no dia 30 de Abril com a apresentação do 6º Festival de Folclore Ibérico – Principado de Andorra.”

Janeiras_2017 (2).jpg

Janeiras_2017 (4).jpg

Janeiras_2017 (7).jpg

Janeiras_2017 (8).jpg

Janeiras_2017 (9).jpg

MUNICÍPIO ARCUENSE PRÓXIMO DA DIÁSPORA

Câmara Municipal marcou presença na 2ª edição do festival Toutes Latitudes de Cenon e no IV Aniversário ClássicoArcos de Bordéus

Entre os dias 23 e 27 de Novembro, o Presidente do Município, João Manuel Esteves e a Vereadora Belmira Reis estiveram em Cenon, Bordéus, para participar na segunda edição do festival Toutes Latitudes.

10 (1).jpg

Este festival teve como propósito consolidar os laços criados ao longo dos anos entre Cenon e os 6 países consigo geminados, nomeadamente, Portugal, Espanha, Marrocos, Turquia, Senegal e Estados Unidos da América.

Durante 5 dias houve troca de culturas, valores e convívio de forma a afirmar que a diversidade é uma riqueza, um fator de desenvolvimento e uma força que é necessário fortalecer, bem como um reforço dos laços de amizade entre os habitantes locais e os das vilas geminadas.

Os autarcas aproveitaram a ocasião para estabelecer contactos com a comunidade arcuense lá emigrada e promover o concelho ao nível cultural, turístico e económico.

Foram visitar várias associações e abordaram assuntos relativos às iniciativas que promovem, ao seu relacionamento com outras entidades e autoridades locais, bem como com as associações arcuenses.

No âmbito do festival, houve ainda espaço para a promoção da gastronomia típica de cada nacionalidade, bem como para momentos de troca de experiencias e convívio, proporcionados pelos Serviços Municipais da área da Cultura e as Associações locais.

Já o vereador Helder Barros marcou presença, entre os dias 9 e 11 dezembro, no IV Aniversário ClássicoArcos de Bordéus e na Feira Luso/francesa de Gastronomia e Artesanato, a qual recebeu mais de seis milhares de visitantes.

Hélder Barros, salientou a vitalidade e capacidade organizativa dos portugueses, arcuenses em particular, e sublinhou ainda a importância da política de proximidade que a Câmara leva a efeito, tentando marcar sempre presença nas iniciativas levadas a cabo pela diáspora.

Foram três dias de grande animação com programação variada, que também contou com a presença de algumas empresas arcuenses, as quais levaram ate França artesanato, vinho e enchidos.

Com estes contactos foram reforçadas as ligações com os arcuenses lá emigrados, assim como o trabalho realizado em prol de Arcos de Valdevez.

toutes_latitudes.JPG

“CÂNTICOS NATALÍCIOS” EM PORTUGUÊS EN(CANTAM) EM ANDORRA

A Aldeia de Natal do Principado de Andorra acolheu no passado sábado o primeiro encontro de “Nadales” ou cânticos natalícios, uma organização do Comú (Câmara Municipal) de Andorra la Vella.

Nadales2016 (2).jpg

O evento contou com participação lusitana através do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ que proporcionou aos visitantes da Aldeia cânticos tradicionais portugueses de Natal e cantares ao Menino.

A temperatura negativa que se fez sentir na Praça do Povo da capital andorrana não foi desculpa para que os elementos que integraram o Grupo de cantadores e tocadores apresentassem publicamente cinco peças do cancioneiro português dedicado à quadra natalícia. Temas como “O menino está dormindo”, “Foi na noite de Natal”, Ó menino Jesus”, “Natal de Elvas” e “Entrai pastores, entrai” deleitaram o publico assistente não quis perder a oportunidade de assistir às típicas “Nadales” no idioma de Camões.

Os elementos do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ concluem desta forma um ano repleto de iniciativas culturais para celebrar duas décadas de existência das quais se destaca: a inicio de ano as Janeiras, a organização em Abril do concerto com o artista Mike da Gaita e a sua banda e em Maio do Festival de Folclore “Danças do Mundo”, a organização em Julho da terceira edição do Mercado Tradicional “O Feirão” que este ano contou com a presença do grupo de Cante Alentejano da Casa do Povo de Serpa e a viagem, em Setembro, a Maiorca (Espanha) para intercâmbio com a Agrupación Aires d’Andratx.”

Nadales2016.jpg

DANIEL BASTOS APRESENTA EM COIMBRA LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

O historiador fafense Daniel Bastos apresentou ontem em Coimbra o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

danibast (1).JPG

O historiador Daniel Bastos acompanhado do sociólogo Pedro Góis na sessão de apresentação do livro sobre a emigração portuguesa em Coimbra

 

O livro, concebido e realizado pelo historiador natural de Fafe Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960, foi apresentado na FNAC de Coimbra, numa sessão que esteve a cargo do sociólogo Pedro Góis, professor na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e investigador do Centro de Estudos Sociais na área das Migrações Internacionais.

No decurso da sessão, Pedro Góis qualificou o livro, que se encontra traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e é prefaciado pelo multipremiado ensaísta Eduardo Lourenço, como um “livro de memórias fundamentais para a compreensão da emigração portuguesa da segunda metade do séc. XX”.

A sessão de apresentação em Coimbra incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público na cidade dos estudantes.

Refira-se que esta obra, que reúne testemunhos e imagens originais como as que fotógrafo francês de origem haitiana realizou sobre os emigrantes lusitanos nos bidonvilles dos arredores de Paris nos anos 60, foi também já apresentada nas capitais de distrito de Braga, Porto e Lisboa, assim como junto das comunidades portuguesas em Paris, Luxemburgo e Toronto.

danibast (2).JPG

danibast (3).JPG

 

PÓVOA DE LANHOSO RECORDA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA PARA O BRASIL

Theatro Concerto nos dias 1, 2 e 3 de dezembro no Theatro Club

Depois do enorme sucesso das edições anteriores, com lotação esgotada, nos primeiros dias de dezembro, regressa o Theatro Concerto ao Theatro Club.

Theatro Concerto 2016.PNG

No ano em que se assinala o centenário do Hospital António Lopes, o Theatro Club resolveu relembrar os emigrantes que partiram para o Brasil no final do séc. XIX e início do séc. XX.

“Este ano, o Theatro Concerto releva a importância da viagem que muitos Povoenses fizeram em busca de uma vida melhor do outro lado do Atlântico, no Brasil. Aquele que mais importância teve para o Município foi, sem dúvida, António Ferreira Lopes, que nos deixou um vasto património material e imaterial, sendo o Hospital da Santa Casa da Misericórdia o melhor exemplo disso mesmo. Comemoramos, neste momento, os 100 anos da inauguração do Hospital e não poderíamos deixar de relevar a importância do início do percurso de António Ferreira Lopes no Brasil, a viagem desde Portugal até ao Brasil”, salienta o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

Assim, o Theatro Club transformar-se-á no Vapor TC 1904 e será animado por artistas das mais diversas artes: dança, canto, teatro e poesia.

O evento acontece nos dias 1, 2 e 3 de dezembro, das 22h00 às 24h00.

As reservas ficam limitadas à lotação da sala e deverão ser efetuadas para  theatro.club@mun-planhoso.pt.

O valor do ingresso é de 6 euros, englobando o espetáculo e uma bebida de boas-vindas a bordo.

É destinado para o público em geral (crianças a partir dos sete anos).

Organizado pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, o Theatro Concerto é um evento temático anual, que se realiza sempre no primeiro fim-de-semana de dezembro.

Em 2015, “Shine like a star (Brilhe como uma estrela) foi o tema da edição realizada nos dias 3, 4 e 5 de dezembro e que contou com a “presença” de divas da música e do cinema por todos conhecidas. Em 2014, o mote foi a temática do Cabaret e do Moulin Rouge.

HISTORIADOR DANIEL BASTOS PARTICIPA EM ENCONTRO DEDICADO ÀS COMUNIDADES PORTUGUESAS NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

Município de Esposende encerra presidência na Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios

O Município de Esposende apresentou “Mare Nostrum – Cantigas & Poemas”, cerimónia que incluiu o lançamento de um livro de textos poéticos alusivos ao mar e um CD onde se reúnem composições musicais inéditas, da autoria de Telmo Marques. Estas iniciativas encerraram a presidência do Município de Esposende na Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, iniciada em 2014.

Évora 2.JPG

A contar da esquerda, o historiador Daniel Bastos, a professora catedrática Maria Manuela Tavares Ribeiro, e a professora catedrática Maria de Fátima Nunes

 

O espetáculo “Mare Nostrum – Cantigas & Poemas” facultou o contacto com uma seleção apurada de textos poéticos da literatura portuguesa, do séc. XIII ao Séc. XX, da responsabilidade de Sérgio Guimarães de Sousa, da Universidade do Minho. A esta antologia aliou-se a criação artística de uma nova e promissora geração de esposendenses, nomeadamente Joana de Rosa, a ilustradora, a interpretação original do Coro Ars Vocalis, sob a direção de Helena Venda Lima, acompanhados pelo pianista Diogo Zão, com base numa composição musical inédita de Telmo Marques. A declamação foi protagonizada por Pedro Lamares.

Para o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, “o rio Cávado e o mar são componentes indissociáveis de Esposende e das suas gentes, além de fonte inesgotável de riqueza, porque proporciona a pesca, o lazer, o transporte e a energia”. Porém, Benjamim Pereira entende que “o investimento que o País devia fazer no mar continua adiado. Esse tem sido o desígnio apontado por muitos governantes e nunca cumprido”, disse.

A culminar a semana em que se assinalou o Dia do Mar, Benjamim Pereira sobrelevou os aspetos que, em Esposende, marcam a ligação ao mar, desde logo na preservação da memória coletiva. “Além do Museu do Mar, dos sítios arqueológicos com ligação ao mar, desenvolvemos intenso trabalho, por exemplo, com o Fórum Esposendense, na erradicação das redes fantasma, numa iniciativa pioneira de preservação ambiental”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal de Esposende, acrescentando as iniciativas desenvolvidas com a comunidade piscatória e a candidatura a Património Cultural Imaterial da romaria e do Banho Santo de S. Bartolomeu do Mar.

Por seu turno, a vereadora com o pelouro da Cultura, Jaqueline Areias assinalou a importância de todo o trabalho desenvolvido em torno da Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios tem adquirido junto da comunidade, “contribuindo para o reforço da identidade coletiva”.

Inserida na mesma cerimónia de encerramento da presidência esposendense da Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, realizou-se o 6.º Encontro da Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios, presidido pelo Almirante José Bastos Saldanha, em representação da Sociedade de Geografia de Lisboa. No Museu Marítimo de Esposende decorreu o Seminário “A construção naval tradicional do Norte de Portugal” e, no Fórum Municipal Rodrigues Sampaio, decorreu a Assembleia Administrativa da Rede.

O Município de Esposende preside, desde novembro de 2014, à Rede Nacional da Cultura dos Mares e dos Rios (Sociedade de Geografia de Lisboa), tendo desenvolvido diversos projetos e ações, onde se destacam “Tradição Viva: a comunidade piscatória de Esposende – memórias e tradições”, projeto de investigação da cultura marítima e fluvial, os Seminários “A via da água” (2014) e “A Romaria e o Banho Santo de S. Bartolomeu do Mar” (2016), integrados nos 4.º e 5.º Encontros da Rede.

Évora 1.JPG

Évora 3.JPG

Évora 4.JPG

Évora 5.JPG

Évora 6.JPG

HISTORIADOR DANIEL BASTOS PARTICIPA EM ENCONTRO DEDICADO ÀS COMUNIDADES PORTUGUESAS NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

No próximo dia 17 de novembro, o historiador Daniel Bastos é um dos dois oradores convidados dos “Encontros às Quintas”, da Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora, dedicado ao tema das Comunidades Portuguesas.

Daniel Bastos (1).jpg

A iniciativa, organizada por uma das maiores unidades orgânicas da Universidade de Évora, instituição de referência do ensino superior público português, é coordenada pela Profª. Doutora Maria de Fátima Nunes, e decorrerá pelas 15 horas na Sala de Docentes.

Para além do investigador natural de Fafe, antigo aluno da Universidade de Évora e atualmente professor no Colégio João Paulo II em Braga, que abordará o seu percurso de escritor e historiador alicerçado junto das comunidades portuguesas, o encontro conta ainda com a presença de Maria Manuela Tavares Ribeiro, Professora Catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, e Coordenadora Científica do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX da Universidade de Coimbra - CEIS20.

Refira-se que este encontro de 17 de novembro encerra o ciclo da Escola de Ciências Sociais da Universidade de Évora “conversas à quinta”, e tem com principal objetivo debater o papel desempenhado pelas Comunidades Portuguesas espalhadas pelo Mundo.

 

Cartaz - Évora.jpg

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DIRIGE MENSAGEM OFICIAL AO ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS

Presidente da República compartilha com historiador Daniel Bastos empenho no aprofundamento do contacto com a comunidade luso-canadiana

No início do presente mês de novembro, o escritor e historiador minhoto Daniel Bastos, cujo percurso literário tem sido alicerçado junto das comunidades portuguesas, recebeu uma mensagem oficial da Casa Civil do Presidente da República Portuguesa, na qual Marcelo Rebelo de Sousa compartilha com o investigador o empenho no aprofundamento do contacto com a comunidade luso-canadiana.

Daniel Bastos.jpg

Recorde-se, que nas últimas comemorações do Dia de Portugal no Canadá, Daniel Bastos apresentou a convite da Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa, assim como o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”. Uma obra concebida a partir do espólio do consagrado fotógrafo franco-haitiano, condecorado nessa altura em Paris pelo presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, e que reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

Saliente-se que no âmbito dos contactos estabelecidos com a comunidade luso-canadiana, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, atualmente docente no Colégio João Paulo II em Braga, tem delineado a médio prazo a realização de uma obra sobre a emigração portuguesa para o Canadá. Um projeto editorial e de investigação promovido pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá, cuja comunidade chega a quase meio milhão.

of6703-page-001.jpg

MUNICÍPIO DE FAFE CRIA GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

Espaços já promoveram mais de 20 000 atendimentos em todo o país

Foi assinado, esta tarde, o Protocolo de Cooperação entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Município de Fafe para a criação do Gabinete de Apoio ao Emigrante.

DSA_6050.JPG

A sessão contou com a presença do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, e do Diretor Regional dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, Jorge Oliveira.

Raul Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Fafe, abriu a sessão, salientando o papel fundamental que os emigrantes tiveram e continuam a ter no desenvolvimento do concelho.

“Fafe é tradicionalmente um Município de emigração. Nos primeiros anos, uma emigração dirigida, sobretudo, para o Brasil e, a partir dos anos 60 e até aos dias de hoje, uma emigração dirigida, essencialmente, para a Europa. Uma emigração que continua a ser feita com muitos sacrifícios, mas com uma vontade indomável dos fafenses em procurar evoluir, avançar e lutar por uma vida melhor.

Isto tem sido algo que nos tem caracterizado enquanto cidadãos e que nos coloca na obrigação de ter uma estrutura municipal como este Gabinete, que possa fazer a charneira entre quem quer regressar e aqueles que querem sair.”

É um Gabinete que pretendemos que tenha conteúdo, que seja uma porta de relação dos nossos emigrantes com Portugal, no que toca tanto a questões sociais e profissionais, como de investimento e reinserção dos emigrantes quando regressam.

Queremos, no fundo, que este Gabinete, que está pronto a funcionar e ficará localizado junto ao Espaço do Cidadão, seja um interface de relação com os emigrantes.”

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, destacou este acordo como algo que deve ir para além de ciclos políticos, garantindo os apoios necessários a todos os portugueses que vivem no estrangeiros.

“É nosso dever, no Ministério dos Negócios Estrangeiros, acompanhar de forma muito particular a saída e o regresso, definitivo ou temporário, dos portugueses que, por diversas razões, decidiram deixar a sua terra pátria para outras regiões, em buscar de melhores oportunidades de vida ou na realização plena das suas faculdades intelectuais, sociais, cívicas.

Este novo ciclo de Gabinetes de Apoio ao Emigrantes têm três grandes prioridades que passam por alargar os Gabinetes a todo o território nacional, criando capacidade de respostas a todos os estratos sociais, aumentar as competências e funções, dando-lhes novos conteúdos e, finalmente, integrar, no contexto de trabalho destes Gabinetes, a identificação, o apoio e o acompanhamento aos micro investidores.”

José Luís Carneiro aproveitou ainda para fazer um balanço do trabalho desenvolvido pelos mais de 120 Gabinetes de Apoio ao Emigrante espalhados por todo o país.

“Os Gabinetes de Apoio ao Emigrante já contabilizam cerca de 20 mil atendimentos em todos o país, mais de 80 % destes apoios visam recuperar direitos sociais dos portugueses que viveram e trabalharam no estrangeiros.

O objectivo do seu reforço é o de garantir, aos Municípios que têm populações emigradas e que regressam temporária ou definitivamente ao seu país, condições para que possam apoiar estas pessoas, criando um rede cada vez maior.

Quanto maior for a rede deste Apoio ao Emigrante, mais garantias temos que os portugueses que vivem pelo mundo têm uma relação de apoio e protecção consulares.”

Recorde-se que o Gabinete de Apoio ao Emigrante terá um trabalho contínuo na promoção de ações que apoiem os cidadãos que se encontram a residir e a trabalhar nos países de acolhimento e todos aqueles que que queiram regressar com carácter definitivo ao país de origem, promovendo ações que garantam a divulgação de informação relevante para o exercício dos seus direitos e deveres.

Este Gabinete servirá ainda para fomentar projetos de investimento e desenvolvimento locais e ações que apoiem o associativismo e que promovam e favoreçam o conhecimento da cultura portuguesa.

A vinda do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas a Fafe terminou com a visita ao Museu das Migrações e das Comunidades, espaço onde se prevê desenvolvimentos para breve.

“O Museu das Migrações e das Comunidades é dos mais antigos do país e, por isso, é nossa vontade continuar a preservá-lo e investir neste espaço. Já reunimos com o Ministério da Cultura, no sentido de procurar qualificar o Museu, dar-lhe mais conteúdo, modernizar o espaço e as tecnologias que lhe estão associados.

Pretendemos também criar condições e uma rede com outros Municípios que estejam relacionados com esta área de valorização de memória colectiva ligada à emigração, procurando assim intervenção programada e planeada mais eficaz e mais útil para as pessoas.”, explicou Raul Cunha.

DSA_6070.JPG

DSC_3128.JPG

DSC_3179.JPG

DSC_3183.JPG

DSC_3188.JPG

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ VISITA ARCUENSES NO CANADÁ

O incremento das relações com as comunidades de arcuenses no estrangeiro continuam a ser uma das grandes apostas do Município de forma a reforçar a identidade, promover a cultura arcuense e o orgulho na nossa terra e na nossa gente. Estas visitas também serviram para promover os produtos e empresas de Arcos de Valdevez e atrair investimentos.

almoço de despedida em Kitchener (3).jpg

 Fazendo jus a esta política, o presidente da Câmara Municipal, João Esteves, e o vereador Hélder Barros, visitaram a comunidade no Canadá para participarem na celebração do aniversário da Associação Cultural do Minho, em Toronto, e realizarem contactos com Câmaras Municipais, Parlamento e Governo provincial, representantes de Casas Regionais, vários empresários e meios de comunicação sociais.

A festa de aniversário foi vivida com grande alegria e o Presidente da Câmara aproveitou para endereçar a toda a comunidade um forte abraço e dizer que “iniciativas como esta fortalecem e aprofundam os laços fraternos com as raízes.”

De igual modo despertou a curiosidade de todos para o trabalho que o Município está a realizar visando o desenvolvimento de Arcos de Valdevez, enfatizando que “o esforço conjunto está a produzir resultados positivos, quer na atração turística, quer na criação de emprego, nas áreas sociais, ou na construção de equipamentos e infraestruturas. Contamos com todos os arcuenses, residentes e emigrantes, para incrementar este trabalho e melhorar a qualidade de vida dos arcuenses.”

Os autarcas visitaram a Câmara Municipal de Toronto onde foram recebidos pela vereadora portuguesa Ana Bailão. Também foram ao Consulado Português, onde reuniram com o cônsul Luís Ramos, tendo também aproveitado para ir à Assembleia Provincial do Ontário, onde se encontraram com a deputada Cristina Martins e o Ministro das Finanças do Ontário, Charles Sousa. 

Do programa constou igualmente uma visita à cidade de Kitchener onde estiveram com a arcuense Liliana Araújo, assessora de deputado federal do Canadá, e foram ao Communitech, um centro de inovação que apoia as empresas em todas as fases de crescimento e desenvolvimento, desde as Startups de rápido crescimento às empresas de médio porte e grandes empresas de nome mundial como a conhecida Google!

Em Kitchener os autarcas foram recebidos pelo Presidente da Câmara, Berry Vrbanovic, e, após a troca de presentes foi feita uma visita à sala da Assembleia. Nesta localidade encontraram-se com vários arcuenses lá residentes e participaram num almoço convívio.

Nestas reuniões foram apresentadas as potencialidades de Arcos de Valdevez e os apoios concedidos pela Câmara Municipal para a instalação de empresas ou a realização de investimentos no turismo e na reabilitação urbana.

Aniversario da Associação (5).jpg

Aniversario da Associação (11).jpg

Câmara de Kitchener - mayor Berry Vrbanovic (5).jpg

Consulado Português em Toronto (3).jpg

Incubadora de Empresas Communitech (2) - Cópia.jpg

Ministro das Finanças de Toronto - Charles Sousa e a deputada Cristina Martins Parlamento (8).jpg

Visita à Câmara de Toronto (6).jpg

MUNICÍPIO DE FAFE CRIA GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

Na próxima segunda-feira, 24 de Outubro, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, vem a Fafe para a assinatura de um Protocolo de Cooperação para a criação do Gabinete de Apoio ao Emigrante.

O Gabinete de Apoio ao Emigrante terá um trabalho contínuo na promoção de ações que apoiem os cidadãos que se encontram a residir e a trabalhar nos países de acolhimento e todos aqueles que que queiram regressar com carácter definitivo ao país de origem, promovendo ações que garantam a divulgação de informação relevante para o exercício dos seus direitos e deveres.

Este Gabinete servirá ainda para fomentar projetos de investimento e desenvolvimento locais e ações que apoiem o associativismo e que promovam e favoreçam o conhecimento da cultura portuguesa.

A assinatura do Protocolo tem início marcado para as 15h00, no Arquivo Municipal de Fafe.

ARCOS DE VALDEVEZ CRIA PROXIMIDADE COM A DIÁSPORA

Presidente da Câmara Municipal visita comunidade emigrante no Canadá

O presidente da Câmara Municipal, João Esteves, e o vereador Hélder Barros, rumaram ao Canadá para participarem na celebração do aniversário da Associação Cultural do Minho, em Toronto.

Durante a estadia serão promovidos contactos com a comunidade emigrante, far-se-á a promoção da nossa cultura e o orgulho na nossa terra e na nossa gente.

Estas visitas à comunidade arcuense a residir no estrangeiro revestem-se de grande importância para o concelho pois também contribuem para que se faça a internacionalização dos nossos produtos e empresas. Através deles também se estabelecem contactos com as autoridades locais e as associações empresariais, onde são apresentadas as potencialidades de Arcos de Valdevez e os apoios concedidos pela Câmara Municipal para a instalação de empresas ou a realização de investimentos no turismo e na reabilitação urbana.

A proximidade à Diáspora está bem patente na participação da Câmara Municipal, de várias empresas e produtores locais, nas muitas iniciativas promovidas pelas nossas comunidades de emigrantes.

FIRA D’ANDORRA LA VELLA VAI TER “SABOR” LUSITANO

“A capital do Principado de Andorra, Andorra la Vella, vai acolher nos próximos dias 21, 22 e 23 de Outubro a 38ª edição da “Fira d’Andorra la Vella”, uma feira multissectorial de Andorra e Pirineus, evento que no ano passado recebeu cerca de 70.000 visitantes.

Fira2015.gif

Este ano a portugalidade estará representada pelo Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ integrada na 6ª Feira de Associações formada por 55 stands de entidades culturais, escolares, de solidariedade e desportivas, entre outras.

O Grupo de Folclore vai dispor, juntamente com as comunidades de Filipinas, Russia, Equador, Perú, entre outros, dum espaço para a promoção e venda de produtos de artesanato e de produtos alimentares destinados ao imenso publico que visita a amostra.

Além do artesanato regional português tem sido um êxito, ano após ano, os tradicionais petiscos portugueses como: bolinhos e pataniscas de bacalhau, rissóis, moelas e fêveras, tudo bem regado com vinho branco ou tinto e que os andorranos e outros apreciam e não arredam pé até acabar com o stock.

No sábado 22 o Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ apresenta em palco a partir das 19 horas, o folclore tradicional do seu repertório como os viras, rusgas e gótas, momento que, como vem sendo tradição, atrai o imenso publico que não quer perder as danças, as cantigas e a riqueza do trajar do Minho.

Este ano 2016 tem sido especial para os elementos do Grupo que celebram no Principado duas décadas de cultura e amizade e tem tido uma intensa atividade cultural e lúdica para celebrar a efemérida destacando o concerto do artista Mike da Gaita, a primeira edição do festival de folclore “Danças do Mundo”, a terceira edição do mercado tradicional “O Feirão” que contou com a presença do Cante Alentejano de Serpa e a digressão a Maiorca no passado mês de Setembro.”

Fira 2015.gif

Fira 2015a.gif

VIANA DO CASTELO DEBATE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Na passada sexta-feira (16 de setembro), a Biblioteca Municipal de Viana de Castelo, acolheu um colóquio dedicado às “Perceções sobre a Emigração Portuguesa”.

Biblioteca Municipal de Viana do Castelo ( Da esq. para a dir -José Luís Carvalho, Daniel Bastos, Paulo Pisco, José Maria Costa, Gérald Bloncourt, Rui Pena Pires e Pedro Góis).JPG

A contar da esquerda, José Luís Carvalho, Daniel Bastos, Paulo Pisco, José Maria Costa, Gérald Bonclourt, Rui Pedro Pires e Pedro Góis

 

O evento, que recebeu figuras nacionais para debater a emigração portuguesa, foi promovido pelo deputado eleito pela emigração, Paulo Pisco, em colaboração com o Município de Viana do Castelo, e teve como principal objetivo debater o olhar sobre Portugal de quem vive fora e como são vistos os portugueses residentes no estrangeiro.

Dividido em dois painéis moderados pelo deputado Paulo Pisco, a abertura do colóquio comportou a presença de José Luís Carneiro, Secretário de Estado das Comunidades, e de José Maria Costa, autarca de Viana do Castelo, assim como de historiadores e especialistas, para além do jornalista e fotógrafo Gérald Bloncourt, que teve presente na iniciativa uma exposição evocativa da história da emigração portuguesa para França nos anos de 1960 e que está na base da conceção e realização do livro “O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

No primeiro painel, subordinado à temática “Como são vistos os portugueses residentes no estrangeiro”, intervieram o Presidente do Observatório da Emigração, Rui Pena Pires, que analisou a evolução e as caraterísticas da emigração e das comunidades portuguesas; o historiador Daniel Bastos, que destacou o papel da comunidade portuguesa de Toronto no Canadá, e o investigador da Universidade de Coimbra, Pedro Góis, que abordou a nova emigração e a relação com a sociedade portuguesa.

No segundo painel, subordinado à temática “Olhar sobre Portugal de quem vive fora”, intervieram o fotógrafo Gérald Bloncourt que recordou a sua ligação emblemática à emigração portuguesa para França, o empresário Carlos de Matos, que reviveu o seu percurso de vida desde a viagem a “salto” que empreendeu para França no final da década de 60 até ao sucesso no mundo dos negócios, e o dirigente associativo em Andorra, José Luís Carvalho, que expôs os anseios e desafios da comunidade portuguesa no Principado de Andorra.

MINHOTOS EM ANDORRA CANTAM E DANÇAM EM MAIORCA (ESPANHA)

Grupo de Folclore 'Casa de Portugal' leva o folclore português de Andorra a Maiorca (Espanha)

O Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ regressou no passado domingo à noite da digressão pela ilha espanhola de Maiorca onde participou num intercâmbio cultural com a Agrupació Aires d’Andratx. No dia 8 de setembro, depois de uma estadia de lazer pela cidade de Barcelona, os elementos do Grupo embarcaram no ferryboat carregados com os trajes e ilusionados com a viagem pelo mar Mediterrâneo que os transportaria até à cidade de Palma.

GFCasaPortugal_Mallorca2.jpg

A manhã do dia 9 foi destinada a uma visita guiada pelo centro histórico de Palma com destaque para a imponente Catedral. Pala tarde, o grupo deslocou-se para Andratx e pela noite a Plaça Major de S’Arracó serviu de cenário para o primeiro encontro cultural de folclore a cargo da Agrupació Aires d’Andratx e o Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’ seguindo-se um jantar de confraternização.

No dia seguinte os elementos do Grupo deleitaram-se na praia de Sa Camp de Mar, uma das mais belas de Andratx, e no final da tarde viajaram para a localidade de Llubí, situada no centro geográfico de Maiorca onde, conjuntamente com o grupo anfitrião e a Agrupació Taperers en Festa de Llubí proporcionaram uma tarde de folclore tradicional maiorquino e português. Entre o publico assistente, encontrava-se Fernando Cabaço, presidente da Associação Casa Portuguesa em Maiorca e vários dirigentes e simpatizantes portugueses que puderam “matar” saudades da musica tradicional portuguesa.

Depois de uma emotiva despedida entre os elementos do Aires d’Andratx e do Grupo de Folclore ‘Casa de Portugal’, o regresso ao Principado de Andorra foi no domingo no qual os elementos do Grupo puderam desfrutar da viagem pelo Mediterrâneo em pleno dia com escala, em Menorca, incluida.

O intercambio de folclore surgiu dum intercambio escolar entre a Escola Andorrana de Secundaria d’Encamp e o Instituto Baltasar Porcell (Andratx) em fevereiro e maio ultimo, respetivamente, no qual dois estudantes conheceram-se e descobriram que partilhavam o mesmo interesse pela cultura tradicional.

GFCasaPortugal_Mallorca1.jpg

GFCasaPortugal_Mallorca3.jpg

GFCasaPortugal_Mallorca4.jpg

GFCasaPortugal_Mallorca5.jpg

GÉRALD BLONCLOURT APRESENTA NO PORTO LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 20 de agosto, foi apresentado na cidade do Porto o livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

blonc (12).JPG

A obra, concebida e realizada pelo historiador minhoto Daniel Bastos a partir do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, e prefaciada pelo pensador Eduardo Lourenço, foi apresentada no Fórum da Fnac Santa Catarina, numa sessão muito concorrida que contou com a presença do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França.

A sessão de apresentação esteve a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade, do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco, e da presidente do Observatório dos Luso-Descendentes, Emmanuelle Afonso, que asseguraram que as memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais que compõem o livro constituem um valioso contributo para a história portuguesa do último meio século. 

blonc (13).JPG

No decurso da iniciativa, o nonagenário fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, recordou os laços que estabeleceu com os portugueses nos anos 60 e 70, e a viagem que realizou a Portugal durante a ditadura de Salazar, agradeceu emocionado a todos que apoiaram este livro que convida à memória da epopeia da emigração.

A sessão de apresentação na cidade Invicta incluiu a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que estará durante os próximos três meses patente ao público no Fórum da Fnac Santa Catarina.

Refira-se que durante a sua estadia no Norte de Portugal, o fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, marcou igualmente presença em sessões de lançamento deste livro bilingue traduzido para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, que decorreram na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto (12 de agosto), e no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves (14 de agosto).

blonc.JPG

blonc (2).JPG

blonc (3).JPG

blonc (4).JPG

blonc (5).JPG

blonc (6).JPG

blonc (7).JPG

blonc (8).JPG

blonc (9).JPG

blonc (10).JPG

blonc (11).JPG

ARCOS DE VALDEVEZ REÚNE EMIGRANTES ARCUENSES ESPALHADOS PELO MUNDO

Câmara Municipal renova Protocolo do Gabinete de Apoio ao Emigrante

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez levou a cabo mais um encontro com a comunidade arcuense espalhada pelo mundo, que contou com a presença de cerca de 60 arcuenses que fazem parte dos órgãos sociais de associações localizadas numa dezena de Países.

arcemigr.png

Os objetivos destes encontros são o reforço da proximidade e a valorização da Diáspora no desenvolvimento do concelho, nomeadamente na promoção da cultura e do turismo, na internacionalização dos nossos produtos e empresas e na atração de novos investimentos.

Esta proximidade e apoio está bem patente na participação da Câmara Municipal e de várias empresas e produtores locais nas muitas iniciativas promovidas pelos emigrantes nos países de acolhimento.

Reconhecendo a importância das comunidades arcuenses dispersas pelo mundo, bem como os fortes elos de ligação que estes mantêm com Arcos de Valdevez, reveste-se de maior importância dar resposta às informações solicitadas pela nossa comunidade. Neste âmbito, este encontro ficou assinalado pela presença do Sr. Secretário de Estado das Comunidade Portuguesas, Dr. José Luís Carneiro, o qual presidiu à sessão de renovação do Protocolo de Cooperação entre a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas e a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez para a 2ª Geração do Gabinete de Apoio ao Emigrante. Este gabinete em funcionamento nas instalações da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, visa prestar apoio e informação aos emigrantes e ao investidor da diáspora.

Neste encontro, também foram realizadas visitas a empresas instaladas nos parques empresarias do concelho de produção de produtos locais e com ligação à Diáspora. Houve, ainda, espaço para a exibição de filmes promocionais do concelho.

Para João Manuel Esteves, é importante manter esta proximidade e fortalecer o relacionamento com a Diáspora Arcuense, em torno do propósito comum “continuar a contruir o futuro de Arcos de Valdevez”.

CELORICO DE BASTO RECEBE “O OLHAR DO COMPROMISSO” DE GÉRALD BLONCLOURT

No âmbito das cerimónias dos 10 anos de Geminação entre Celorico de Basto e Houilles, o Centro Cultural da Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu o fotojornalista, Gérald Bloncourt, que apresentou, no dia 12 de agosto, o livro “o Olhar de Compromisso” com os filhos dos grandes descobridores, um dos mais conceituados livros do género que retratam a emigração portuguesa dos anos 50, 60 e 70.

_DSC5631.jpg

Foi numa cerimónia intimista que o fotojornalista mostrou “o seu olhar” sobre o percurso de muitos emigrantes portugueses, num livro escrito por Daniel Bastos e traduzido por Paulo Teixeira.

O presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, marcou presença na cerimónia de apresentação do livro e referiu tratar-se de uma pequena homenagem a um grande fotojornalista. “Esta é uma pequena homenagem feita a um grande fotojornalista que retratou a emigração ao longo de muitos anos a esta parte. Estes retratos expostos nesta exposição são demonstrativos do trabalho feito ao longo dos anos, um testemunho vivo da adaptação dos emigrantes à terra que os acolheu, a forma como fizeram o percurso, o local de onde vinham. Um trabalho cheio de história, memória e muita emoção, que retrata momentos que fizeram parte da nossa realidade e que enriquece a história de Portugal” disse.

_DSC5591.jpg

Gérald Bloncourt nasceu no Haiti em 1926, tendo vivido parte da sua vida em Houilles, arredores de Paris, local onde descobriu a emigração e os Portugueses. Agora, com 90 anos diz que “cada vez que venho Portugal encontro a mesma emoção no povo português. Conheci este povo e fiquei a admirá-lo, pela sua coragem, pelo trabalho, são capazes de fazer tudo. Mas queria saber mais desta gente que chegava a França, de onde vinha, o que os movia, e decidi visitar este país, então vim a Portugal, fiquei fascinado com Lisboa, com o Porto, e esta minha curiosidade fez de mim fotojornalista. Não há nada mais objetivo que a fotografia” destacou. Gérald Bloncourt diz receber muitas mensagens de gente retratada nas fotografias, “tenho que felicitar as pessoas que estão nas imagens, pela coragem, um povo que eu estimo de todo o coração”.

Durante as várias intervenções, o livro de Gérald Bloncourt foi mencionado como um documento histórico. Paulo Teixeira referiu mesmo que se resume em 3 palavras, memória, gratidão e emigração. Segundo Daniel Bastos este livro pertence a uma personalidade que “enriquece a história de Portugal, com um percurso de vida e olhar humanista dos nossos emigrantes. Gérald Bloncourt retratou a história da emigração, esteve em Portugal aquando do 25 de Abril e retratou este momento histórico de forma única tendo vivido histórias muito particulares sobretudo no que concerne ao transporte das fotografias, uma personalidade ímpar”.

Também Maria Beatriz Rocha Trindade, Professora catedrática que estuda sobre a emigração, que descobriu a emigração quando esteve em Paris, destacou nesta cerimónia o facto do “poder político nacional ter verificado que os portugueses estão em todo o mundo, daí a decisão de modificar o dia de Portugal para o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”. Portugal exalta-se pelo mundo pela sua história, “agora mais rica com este livro”.

Uma cerimónia que terminou com a venda do livro “o Olhar de Compromisso” seguida de uma sessão de autógrafos do fotojornalista Gérald Bloncourt. 

Todos os presentes na sessão puderam ver algumas das fotografias de Gérald Bloncourt, em Exposição no Centro Cultural até ao fim do mês de agosto, mediante solicitação nos serviços da Biblioteca Municipal de Celorico de Basto.

 

_DSC5511.jpg

GÉRALD BLONCOURT VISITA FAFE

Presidente da Câmara de Fafe recebeu o conceituado fotógrafo

O conceituado fotógrafo Gérald Bloncourt visitou, ontem, o Museu das Migrações e das Comunidades, em Fafe, criado pela Câmara Municipal, como plataforma virtual, em 12 de Julho de 2001.

DSC_0013.JPG

Conhecido por fotografar os bairros de lata franceses conhecidos como "bidonvilles", Gérald Bloncourt, que ofereceu parte do espólio ao Museu fafense, “achou que podia contribuir com o seu trabalho fotográfico”, demonstrando disponibilidade para continuar a colaborar com o Museu.

A comitiva foi recebida pelo Presidente da Câmara de Fafe, Raul Cunha, no edifício do Arquivo Municipal, agradecendo a presença de Gérald Bloncourt e a sua colaboração.

Fafe é uma terra de emigrantes, o que caracteriza, muito, o carácter do nosso povo – a sua vontade de viver melhor, de não contentar-se com o dia-a-dia. Foi daqui que nasceu a ideia de se criar um museu, que se pretende diferente e que se celebra esta característica que nos define. A oferta do espólio fotográfico do Sr. Bloncourt ao Museu foi uma das razões que nos permitiram avançar com este projecto.”

O Museu contou, desde sempre, com o apoio científico da Professora Doutora Maria Beatriz Rocha Trindade, especialista na temática das migrações, que também esteve presente na visita ao espaço.

DSC_0036.JPG

DSC_0038.JPG

DSC_0052.JPG

DSC_0061.JPG

CELORICO DE BASTO APOIA EMIGRANTES

Gabinete de Apoio ao emigrante de nova geração assinado em Celorico de Basto

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, esteve em Celorico de Basto, no dia 13 de agosto, para a cerimónia de assinatura do novo protocolo do GAE, agora com novos apoios direcionados ao emigrante.

_DSC6222 (1).jpg

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas anunciou três objetivos centrais no que concerne a este novo projeto, tendo realçado o trabalho promovido no GAE de 1ª geração “que tem tido um trabalho digno de registo sobretudo, no que concerne às áreas do apoio social, agora, com este novo projeto, queremos dar-lhe um novo alcance institucional de modo a generaliza-lo a todo o território nacional, enriquecendo os serviços prestados pelo GAE”. Afinal a “emigração é um fenómeno transversal todo o território”. “É preciso quebrar a imagem de que os municípios menos densamente povoados têm mais emigrantes, nada mais falso” disse. José Luís Carneiro afirmou haver um conjunto de respostas que o Secretário de Estado não pode resolver, por isso, “temos pivôs de várias áreas de intervenção, uma equipa que garante respostas com responsabilidade e celeridade às questões colocadas pelos emigrantes. Estamos a trabalhar para a valorização e apoio ao investidor da Diáspora, apoios que ajudem a investir quem quer investir no seu país. De facto, em dois meses de trabalho encontramos vários investidores da Diáspora, estamos a criar uma rede e a identificar micro e pequenos investidores, neste território dedicados sobretudo ao agroalimentar e às vinhas”.

“Hoje, vamos renovar os compromissos do GAE não apenas no contexto social mas também económico e industrial” reforçou o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas. José Luís Carneiro terminou o seu discurso referindo que “ o GAE é uma porta de entrada na relação com o território das origens, identidade e memória”.

O GAE tem como destinatários os portugueses ainda emigrados, aqueles que já regressaram ou que irão regressar, bem como os que pretendem iniciar um processo migratório.

Na cerimónia de assinatura do GAE e estando parte deste processo vinculado aos municípios o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, realçou que “um gabinete de apoio ao emigrante é essencial numa visão agora aprofundada onde é aproveitado o know-how dos nossos emigrantes”. Não há um país que não tenha portugueses, portugueses empenhados e dedicados, que funcionam como uma alavancagem do desenvolvimento económico, é preciso pensar local e agir global e pensar global e agir local. O secretário de Estado é uma pessoa com muita experiência que tem noção do território ao nível da região, com noção local das necessidades”. Joaquim Mota e Silva elogiou o novo projeto e os emigrantes “está a ser levado por diante mais um passo para apoiar os emigrantes, que queremos, quando estão cá, que se sintam verdadeiramente integrados. É gente tenaz, que se esforça e de muito trabalho. Este projeto é uma forma de promover o crescimento económico, a coesão nacional, todos juntos fazemos o que realmente interessa” concluiu.

Este protocolo do GAE de nova geração foi assinado entre o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto e o embaixador da Direção Geral dos Assuntos consulares e das Comunidades Portuguesas, João Maria Cabral. O mesmo foi homologado pelo Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Este serviço funciona, agora com novos apoios, nos serviços sociais da Câmara Municipal de Celorico de Basto.

_DSC6238 (1).jpg

_DSC6287 (1).jpg

MUNICÍPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ PROMOVE ENCONTRO COM A DIÁSPORA ARCUENSE

As nossas Comunidades de emigrantes desempenham um papel importante na promoção do que é viver, visitar e investir em Arcos de Valdevez.

P8129948.JPG

Neste sentido, aproveitando a presença da comunidade de emigrantes arcuenses e luso-descendentes em Arcos de Valdevez, a Câmara Municipal vai reunir no próximo dia 17 de agosto, membros dos órgãos de Associações espalhadas por cerca de uma dezena de Países.

A renovação do Protocolo relativo ao Gabinete de Apoio ao Emigrante que será assinado entre a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas e a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez será o mote para a participação do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Dr. José Luís Pereira Carneiro neste encontro.

O objetivo deste encontro consiste em reforçar os laços entre a nossa vasta comunidade de emigrantes e a sua terra natal, em termos culturais, sociais, turísticos e empresariais. De igual modo pretende-se congregar os esforços e os talentos das nossas comunidades, o seu dinamismo, o seu apego à terra, o seu espírito de fidelidade às raízes e aos valores que a distinguem.

Também será um momento que servirá para a troca de contactos e experiências entre os vários participantes e abrir espaço para um diálogo mais vantajoso e intenso entre a Autarquia e os vários arcuenses da nossa Diáspora.

Trata-se de uma oportunidade única para a valorização do papel das comunidades arcuenses e para o fortalecimento dos laços que nos unem em torno de um propósito comum: o melhor para Arcos de Valdevez e para os Arcuenses.

No âmbito deste encontro irão realizar-se visitas a Empresas dos Parques Empresariais e ao Paço de Giela.

CABECEIRAS DE BASTO VAI TER GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo que visa a instalação de um Gabinete de Apoio ao Emigrante em Cabeceiras de Basto

O Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Dr. José Luís Carneiro, homologou ontem, dia 13 de agosto, no Salão Nobre da Câmara Municipal, o protocolo de colaboração estabelecido entre a Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP) e o Município de Cabeceiras de Basto que visa a instalação de um Gabinete de Apoio ao Emigrante. Este foi, aliás, o assunto que esteve em destaque na última reunião do Executivo Municipal que se realizou na passada sexta-feira, dia 12 de agosto, e que foi aprovado por unanimidade.

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (1).JPG

Nesta sessão marcaram presença o presidente da Câmara Municipal, Francisco Alves, o Embaixador João Maria Cabral, Diretor-geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, os vereadores Dra. Isabel Coutinho e Alfredo Magalhães, demais autarcas das freguesias e do município, entre outros convidados, como Dominique Bard, adjunta do Município de Rives, localidade francesa geminada com Refojos de Basto, e público em geral.

De referir que o Secretário de Estado foi recebido em frente à Câmara Municipal pelos autarcas do município e das freguesias, bem como por vários emigrantes se encontram de férias em Cabeceiras de Basto, sua terra Natal.

Depois de agradecer a presença do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, o presidente da Câmara Municipal destacou que a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto foi uma das primeiras autarquias a assinar um Protocolo de Cooperação, em janeiro de 2005, para a criação de uma estrutura de apoio ao emigrante denominada Apoio às Comunidades Portuguesas que mais tarde viria a chamar-se Gabinete de Apoio ao Emigrante. Este Gabinete tem funcionado no SAU (Serviço de Atendimento Único) e disponibiliza informações e serviços a emigrantes e ex-emigrantes.

“A assinatura deste novo Protocolo de Cooperação, de segunda geração, justifica-se na medida em que acrescenta aos objetivos iniciais outros, designadamente naquilo que tem a ver com as questões inerentes ao regresso e reinserção bem como com projetos e investimento e desenvolvimento local em conjugação com o Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora”, disse Francisco Alves, afirmando que será “um espaço com a função de desenvolver ações de apoio aos cidadãos que pretendam emigrar, já emigrados, ou que queiram regressar ao país de origem”.

E sublinhou: “estou certo que continuaremos a poder-nos apoiar junto da Direção-geral dos Assuntos Consulares e agora também do Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora para a obtenção de informação sempre que tal se justifique para que possamos dar respostas concretas aos cidadãos e em tempo útil”.

E finalizou: “o Município de Cabeceiras de Basto está empenhado em responder às necessidades e desafios das populações e que, entre outras, a assinatura deste Protocolo é mais um instrumento para atingirmos esse objetivo porque somos um Município com uma comunidade muito grande de pessoas emigradas”.

Objeto do protocolo

De salientar que o protocolo, assinado ontem pela Câmara Municipal e pela Direção-Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas, tem por objeto o estabelecimento de cooperação nas áreas em que ambos os órgãos tenham manifesto interesse, nomeadamente, em ações que apoiem os cidadãos que pretendam emigrar e dos que se encontrem a residir e a trabalhar nos países de acolhimento; ações que incentivem e acompanhem os cidadãos que regressam com carater definitivo ao país de origem; ações que garantam a divulgação de informação relevante para o exercício dos seus direitos e deveres; ações que, aproveitando o poder económico das Comunidades Portuguesas, associado às potencialidades oferecidas pela região, promovam projetos de investimento e desenvolvimento locais, em conjugação com o Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora (GAID); e ações que apoiem o associativismo e que promovam e favoreçam o conhecimento da cultura portuguesa.

Mosteiro de S. Miguel de Refojos

O presidente da Câmara Municipal, aproveitando a presença do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas em Cabeceiras de Basto, não pôde deixar de lhe manifestar “a enorme tristeza” sentida pelos Cabeceirenses quando há pouco tempo foram informados da não integração do Nosso Mosteiro na Lista indicativa a Património da UNESCO. Francisco Alves explicou que “a Câmara Municipal decidiu imediatamente, após a comunicação da não integração do Mosteiro na Lista Indicativa, continuar este processo e aprofundar ainda mais os estudos da presença dos Beneditinos em Cabeceiras de Basto e da criação deste Mosteiro” e pediu ao Secretário de Estado “apoio para esta nossa causa”, informando-o de que “há poucos dias vimos aprovada uma candidatura ao Programa Norte 2020 para a execução de obras de beneficiação e promoção do Mosteiro num montante de investimento global de cerca de 2 milhões de euros”.

Após a cerimónia de assinatura do protocolo, o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas procedeu à abertura oficial da ‘Exposição Venda de produtos locais’ inserida na iniciativa ‘Mosteiro em Festa’ que decorre até ao final deste domingo em Cabeceiras de Basto, um evento dinamizado pela Câmara Municipal que encerra com a atuação do artista Jorge Lomba e uma sessão de fogo preso no Mosteiro de S. Miguel de Refojos.

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (1) (2).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (2) (1).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (3) (1).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (4) (1).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas homologou protocolo (5).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas visitou 'Mosteiro em Festa' (1).JPG

Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas visitou 'Mosteiro em Festa' (2).JPG

AMARES DEDICA FESTA AO EMIGRANTE

Mais um fim-de-semana em grande em Amares com a Festa do Emigrante – Petiscos e Vinho Verde

A Festa do Emigrante – Petiscos e Vinho Verde é a proposta do Município de Amares para o fim-de-semana prolongado. A iniciativa, que pretende ser um momento de acolhimento aos emigrantes naturais ou com ligações afetivas a Amarese, simultaneamente, uma verdadeira montra de promoção dos produtos mais emblemáticos do concelho, arranca amanhã, às 19h00, na Praça do Comércio, em Ferreiros e decorre até ao dia 15.

festa emigrante (1).jpg

Naquela que é a I edição deste evento, promovido pelo Município de Amares, com a colaboração da União de Freguesias de Ferreiros, Prozelo, e Besteiros, os visitantes vão poder encontrar tendas de petiscos, um stand de venda e promoção do Vinho Verde de Amares, artesanato, divertimentos, e vão poder, ainda, apreciar as atuações das marchas populares do concelho (21h30).

“Sabemos que os nossos emigrantes não estão cá na altura em que fazermos as festas concelhias em honra de Santo António e, portanto, achamos que faz todo o sentido trazer até eles um dos momentos altos dessas festividades e que são as marchas de Santo António”, refere o vice-presidente da Câmara Municipal de Amares, Isidro Araújo.

“Este será um evento que assentará num dos produtos mais determinantes da nossa economia, que é o Vinho Verde, e ao qual juntamos a nossa gastronomia e a imensa vontade de prestar aos nossos emigrantes uma boa e merecida receção.”

A programação arranca com a Marcha Popular a animar o dia da inauguração. A festa prossegue com as atuações da Marcha da Vila e de Barreiros, no dia 13, ficando o dia 14 reservado à Marcha do Povo e o dia 15 a Marcha de Caldelas.

GÉRALD BLONCOURT APRESENTA NO PORTO LIVRO SOBRE A EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No próximo dia 20 de agosto (sábado), é apresentado na cidade do Porto o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

Capa do Livro (1).jpg

A obra, concebida pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado às 17h00 no Fórum da Fnac Santa Catarina.

A apresentação do livro, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, e estará a cargo da socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade, e do deputado eleito pelo círculo da Europa, Paulo Pisco.

Contra-capa do Livro (1).jpg

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades do Porto, Lisboa e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

-Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos  (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.).jpg

Segundo Daniel Bastos, a edição do espólio fotográfico de Gérald Bloncourt, composto por um conjunto de centena e meia de imagens da maior importância para a história portuguesa do último meio século, constitui “um justo reconhecimento aos protagonistas anónimos da história portuguesa que lutaram aquém e além-fronteiras pelo direito a uma vida melhor e à liberdade. Todos eles representados por uma personalidade ímpar que durante mais de trinta anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal”.

Refira-se que o livro é patrocinado por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, e que a sessão de apresentação no Porto incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal.

Agenda Fnac.jpg

EMIGRANTES REVIVEM TRADIÇÕES EM FAMALICÃO

Bulir em Terras de Santa Maria foi um êxito
É no primeiro fim-de-semana de agosto que se realiza, na freguesia de Oliveira Santa Maria, uma feira muito singular com caraterísticas próprias e que atrai muitas centenas de pessoas. Este ano não foi exceção, o “Bulir em Terras de Santa Maria” foi um êxito.

Bulir1.jpg

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “o Bulir é uma forma muito especial de reunir as pessoas e de receber os nossos emigrantes que, por estes dias, regressam às suas origens”. E foram muitos os emigrantes que passaram pelo recinto da feira, durante todo o fim-de-semana, fosse para provar as tradicionais iguarias portuguesas, fosse para matar saudades dos objetos artesanais tão familiares.

Com um vasto programa onde esteve ainda inserido um desfile de moda que promoveu o comércio local e muita animação através da música tradicional, da dança e do desporto, a feira é organizada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em parceria com a Junta de Freguesia.

Paulo Cunha visitou evento1.jpg

Paulo Cunha visitou evento2.jpg

Paulo Cunha visitou evento3.jpg

FAFE DEDICA FESTA AO EMIGRANTE

Amanhã, o Município de Fafe dá as boas vindas aos emigrantes. A tradicional Festa do Emigrante terá lugar no Parque da Cidade e tem início marcado para as 20h00.

Depois de servida a vitela assada à moda de Fafe, a animação é garantida com música popular, baile, dança e a actuação dos Aronis Show.

As inscrições podem ser feitas na Loja Interactiva de Turismo, na Praça 25 de Abril, até ao final do dia de hoje. Adultos e crianças com mais de 10 anos pagam 10 euros, sendo que para menores de 10 anos, o bilhete é gratuito.

emigrante-cartaz-WEB-01.jpg

MUSEU DE PAREDES DE COURA RECEBE FESTA DO EMIGRANTE

Lançamento do catálogo da exposição “Impressão Digital”

9 agosto | 20h00 | Paredes de Coura

O Museu Regional de Paredes de Coura volta a acolher esta terça-feira, 9 de agosto, pelas 20h00, a Festa do Emigrante. Uma manifestação de alegria, afetos e boas vindas a estes filhos da terra com os quais os courenses têm uma “dívida de gratidão e reconhecimento”.

“Os emigrantes são pessoas corajosas, dispostas aos maiores sacrifícios e a fazer aquilo que nunca fizeram em prol das suas famílias e do bem-estar daqueles que lhes são mais próximos”, acrescentou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira, que mais uma vez elegeu o Museu Regional como o espaço privilegiado para receber tão ilustres courenses.

Petiscos tradicionais e muita música, nomeadamente pelo Grupo de Cantigas da Associação de Padornelo e pelo Grupo de Cantares Ré Maior da Associação de Mozelos dão as boas vindas a estes filhos da terra, num reencontro em ambiente descontraído com courenses dos quatro cantos do Mundo: “Queremos criar um ambiente familiar de regresso a casa, a esta que é a casa de nós todos”, explica Vitor Paulo Pereira, para quem a música e os cantares tradicionais “contribuirão para criar a desejada atmosfera familiar”, à qual também se juntam as indispensáveis iguarias e petiscos do Alto Minho e tão características de Paredes de Coura.

Aproveitando o simbolismo da iniciativa, será também lançado o catálogo da exposição “Impressão Digital em Terras de Coura”, concebida por Cláudia Freire e Jorge Murteira, que recentemente foi galardoada com uma menção honrosa do Prémio Inovação e Criatividade atribuído pela APOM – Associação Portuguesa de Museologia.

Num calendário recheado de iniciativas, a Festa do Emigrante é mais um dos pontos altos destas Festas do Concelho que se prolongam até 14 de agosto -- o Dia do Concelho é a 10 de agosto --, e que trazem a Paredes de Coura muita música, zés pereiras, grupos de bombos, ranchos folclóricos, bandas de música, cortejo etnográfico, fogo-de-artifício e a majestosa procissão em honra de Nossa Senhora das Dores. Há ainda a registar os arraiais noturnos com os Kalhambeke, Hugo Band, Orquestra Royal e Night Shadow, que oferecem por estes dias um colorido ímpar a esta vila no coração do Alto Minho.

CELORICO DE BASTO ASSINA PROTOCOLO DO GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE

Celorico de Basto recebe o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas

José Luís Carneiro, Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, deslocar-se-á a Celorico de Basto, no próximo dia 13 de agosto, para assinar o Protocolo do Gabinete de Apoio ao Emigrante.

cartaz-webb (1).jpg

“Temos que estabelecer mecanismos de apoio junto dos nossos emigrantes. Este protocolo surge no sentido de atribuir mais competências ao GAE, existente e instalado nos serviços sociais do Município, agora protocoladas com o governo” disse o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva. “Queremos que os emigrantes se sintam protegidos e apoiados enquanto estão fora e quando estão em Celorico” realçou.

A cerimónia de assinatura deste protocolo decorrerá pelas 17h00, no Centro Cultural Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa.

De seguida, irão decorrer as cerimónias de celebração dos 10 anos de geminação entre Celorico de Basto e Houilles (França). Dois concelhos que oficializaram esta geminação a 13 de agosto de 2006.

 “Celebramos 10 anos de geminação, de amizade, de partilha de conhecimentos onde existe uma grande comunidade portuguesa” disse o presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva. O autarca salientou que “estabelecemos laços de cooperação não só ao nível cultural mas também social e, estamos a trabalhar para reforçar ainda mais a ligação que nos une na partilha de conhecimentos no ramo empresarial e do ensino”. Joaquim Mota e Silva sublinhou a proximidade como fator facilitador neste intercâmbio. “Estamos a curta distância de Houilles o que também nos facilita os laços de cooperação que temos vindo a estabelecer”.

Recordar que Celorico de Basto receberá uma comitiva de Houilles no âmbito das celebrações dos 10 anos de geminação, com um programa que contempla a visita à Feira de Artesanato e Gastronomia entre outras ações promovidas pelo Gabinete de Geminação e Relações Internacionais.  

CELORICO DE BASTO RETRATA “MEMÓRIAS DA EMIGRAÇÃO”

O Município de Celorico de Basto, através da Comissão de Geminação e Relações Internacionais, está a proceder a uma recolha fotográfica que retrate a emigração desde o início do Séc. XX até aos dias de hoje. 

A abertura da exposição decorrerá no dia 12 de agosto, pelas 18h30, e contará com a apresentação do livro “o Olhar de Compromisso”, do e pelo autor e fotojornalista Gérard Bloncourt, que imortalizou a emigração.

cartaz-emigração-web.jpg

Esta recolha acontece no âmbito das comemorações dos 10 anos de geminação entre Celorico de Basto e Houilles.

O Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, diz tratar-se de uma forma de “valorizar os nossos emigrantes que tanto amam esta terra”. O autarca vê esta recolha fotográfica como “um meio de eternizar momentos de homens e mulheres que partiram pelo mundo fora à procura de melhores condições de vida. Serão memórias partilhadas com a comunidade” disse.

De facto, esta recolha fotográfica procurará realçar todos os momentos que os emigrantes entendam como importantes na sua odisseia.

Um retrato de momentos variados marcados por emoções. A apresentação do livro “O Olhar do Compromisso” de Gérald Bloncourt vem dar um brilho especial a uma exposição que pretende também, imortalizar a emigração local.

GÉRALD BLONCOURT APRESENTA EM PORTUGAL O OLHAR DE COMPROMISSO COM FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES

No próximo mês de agosto, o Norte de Portugal vai ser placo privilegiado de sessões de apresentação da obra Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

- Gérald Bloncourt ladeado pelo historiador Daniel Bastos   (dir.) e pelo tradutor Paulo Teixeira (esq.).jpg

O livro, concebido pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração lusitana para França nos anos de 1960, é apresentado no dia 6 de agosto às 17h30 na Galeria de Artes e Ofícios de Amares; no dia 12 de agosto às 19h00 na Biblioteca Municipal Prof. Doutor Marcelo Rebelo de Sousa em Celorico de Basto; no dia 14 de agosto às 17h00 no Auditório do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso em Chaves; e no dia 20 de agosto às 17h30 na FNAC Santa Catarina no Porto.

Com exceção da sessão no concelho de Amares, a apresentação da obra, uma edição bilingue traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, com prefácio do pensador Eduardo Lourenço, contará com a presença do fotógrafo que seguiu durante trinta anos a vida dos portugueses em França, e que nas comemorações oficiais do 10 de junho em Paris recebeu a ordem de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique.

Além das fotografias históricas que Gérald Bloncourt captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles dos arredores de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra reúne ainda memórias, testemunhos e imagens originais que o fotógrafo francês de origem haitiana realizou durante a sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves. Assim como as da viagem a “salto” que fez com emigrantes lusitanos além Pirenéus, e as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 em Lisboa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se que esta obra que é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês, desde o seu lançamento oficial no início deste ano, foi já apresentada junto das comunidades portuguesas em Paris, Luxemburgo e Toronto. Sendo que a sessão de apresentação no Porto, no dia 20 de agosto, incluirá a abertura de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal, que está a circular pelos diversos espaços da FNAC no território nacional.

Capa do Livro.jpg

Contra-capa do Livro.jpg

PAREDES DE COURA APOSTA NO GABINETE DE APOIO AO EMIGRANTE COMO “CANAL DE INVESTIMENTO”

Paredes de Coura responde aos novos desafios -- “tempos de transição”, como parafraseou o presidente da Câmara Vitor Paulo Pereira, recorrendo ao filósofo Antonio Gramsi --, com um Gabinete de Apoio ao Emigrante, onde não só serve para “apoiar os nossos emigrantes e ajudar a resolver pequenos problemas, mas também como canal de investimento que temos que privilegiar”.

DSC_4135 (1).jpg

Na assinatura do protocolo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, no qual participou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, o presidente da Câmara de Paredes de Coura realçou a importância da “diplomacia económica, diplomacia do investimento” para estes tempos, salvaguardando a importância da imagem que se dá junto de potenciais investidores, evidenciando a “maior agilidade e velocidade institucional do município”.

Também José Luís Carneiro chamou a atenção para o “oceano de oportunidades que temos que aproveitar e apoiar”, sublinhando que com a criação deste Gabinete de Apoio ao Emigrante e a sua interação com o Gabinete de Apoio ao Investidor da Diáspora e toda a rede consular, Paredes de Coura passa a ter “a chave de uma porta que permite aceder a uma rede consular espalhada pelo Mundo”.

Este GAE da nova geração não se limita ao reconhecimento e validação de direitos pessoais, bem como ao reconhecimento e validação de competências. Vai mais longe, permitindo “identificar micro e pequenos investidores que estejam em Paredes de Coura ou em qualquer ponto do país e que queiram projetar os seus negócios, mas também quando pretendam vir para as suas terras de origem”, enfatizou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Para a concretização desta nova valência a proporcionar pelo Município de Paredes de Coura, muito pesou o facto de no concelho sempre se ter verificado um elevado índice de emigração, fato com claros reflexos na sociedade e na economia local. Pretende-se ainda que, com a conjugação do poder económico da diáspora e potencialidades regionais, estimular um ambiente favorável aos negócios e investimentos da comunidade residente nos países de acolhimento, com desejável impacto no desenvolvimento local.

CANTE ALENTEJANO ESTREMECE PIRINÉUS

O Cante Alentejano foi o protagonista da terceira edição do Mercado Tradicional em Andororra. O Feirão é uma iniciativa do Grupo de Folclore 'Casa de Portugal', coletividade que este ano celebra o seu vigésimo aniversário.

No passado sábado, 2 de Julho, a Praça Guillemó da capital do Principado de Andorra acolheu a partir das 18 horas o 'Feirão', ponto de encontro de sabores, artesanato, e folclore português que contou com o apoio do Comú(Câmara) de Andorra la Vella.

Feirao2016_Cante1.JPG

Os elementos do Grupo de Folclore 'Casa de Portugal', trajados para a ocasião, recriaram um mercado tradicional dividido em cinco zonas temáticas - Artesanato, onde se podia encontrar roupa regional, brinquedos antigos e peças de artesanato elaboradas pelas moças do Grupo.

Horta, com os principais produtos hortícolas como alfaces, couves, feijão, assim como ovos caseiros, coelhos e galos. Sabores, onde os visitantes podiam adquirir licores e aguardente, a broa de milho, o azeite transmontano ou os melhores enchidos.

Doces, onde os pasteis de Belém se misturavam com bolos caseiros e o doce sortido. Tasca, ponto de encontro de sabores onde os visitantes podiam degustar rissóis, pataniscas de bacalhau, bifanas e feijoada, tudo regado com um bom vinho verde ou maduro. Durante a atividade do Mercado Tradicional os elementos do Grupo amenizaram a tarde com as danças tradicionais do seu reportório e convidando o publico a dançar o Vira Geral.

Da praça Guillemó o publico dirigiu-se ao Centro Cultural la Llacuna onde foi inaugurada a exposição fotográfica 'Mosaicos de uma cultura' formada por vinte painéis nos quais os elementos do Grupo de Folclore 'Casa de Portugal' representaram a atividade das gentes do norte de Portugal integrada no património paisagístico do Principado.

Feirao2016_D2.JPG

O Grupo Coral e Etnografico da Casa do Povo de Serpa inaugurou o evento com Cante Alentejano e posteriormente Jose Luis Carvalho, Diretor do Grupo de Folclore 'Casa de Portugal' deu as boas-vindas às personalidades assistentes, Sr. Carlos Alves, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Serpa, Sr. Miquel Canturri, Vereador de Serviços Públicos do Comú (Câmara) de Andorra la Vella, Dr. Paulo Lima, Diretor da Casa do Cante e ao numeroso publico que assistiu aos discursos das personalidades e desfrutou do Cante.

Após a inauguração, a Praça Guillemó voltou a ser de novo ponto de encontro da cultura tradicional portuguesa desta vez com a presença do Grupo Coral e Etnografico da Casa do Povo de Serpa que com as vozes do Cante enriqueceu o mercado tradicional e emocionou muitos dos assistentes incluído um casal de noivos que pararam na praça e foram agraciados com o Cante.

Transmitido em direto pela Radio Ondas de Portugal, durante varias horas manteve-se o convívio entre o publico, o Grupo coral e os elementos do Grupo de Folclore 'Casa de Portugal', orgulhosos de ter proporcionado à sociedade andorrana o mercado tradicional, a inauguração da exposição e o Cante Alentejano, património imaterial da humanidade pela UNESCO.

José Luís Carvalho / Grupo de Folclore Casa de Portugal

Feirao2016_Grupos.JPG

Feirao2016_H.JPG

Feirao2016_Llacuna.JPG

Feirao2016_S.JPG

Feirao2016_T.JPG

“60 POEMAS” - NOVO LIVRO DE ARTUR FERREIRA COIMBRA A LANÇAR EM FAFE ESTA QUINTA-FEIRA

Tem o título de 60 POEMAS o novo livro do escritor e investigador Artur Ferreira Coimbra, o qual vai ser apresentado na Sala Manoel de Oliveira, em Fafe, no próximo dia 16 de Junho (quinta-feira), pelas 21h30.

FOTO AUTOR.JPG

A obra será apresentada por César Freitas, professor e diretor da Escola Superior de Educação de Fafe e autor do prefácio, registando-se ainda a intervenção do poeta Carlos Afonso, professor da Escola Secundária de Fafe, que subscreve o posfácio.

A anteceder, atua o Coro de Pais e Amigos da Academia de Música José Atalaya, sob a direcção do maestro Tiago Ferreira.

60 POEMAS, que inclui ainda uma dezena de fotografias de Manuel Meira, e tem capa elaborada a partir de uma pintura da artista fafense Dulce Barata Feyo, é uma edição da Labirinto com a qual o autor quis associar aos 60 anos de existência, que evocou em Maio, uma obra poética inédita.

Escreve César Freitas, a abrir o prefácio:

Sessenta poemas de temática «íntima, singular e pessoal» que expressam os sentimentos, as inquietações e os desejos do poeta no decurso de dois anos e que, em simultâneo, celebram seis décadas do homem. Uma escrita de si com raízes nas memórias mais fundas e doces, se não vividas, por certo inteiras no sentimento poético. Um «resumo de toda uma vida» de emoções e de valores, dos sonhos pueris, dos encantos da natureza, das alegrias, dos amores, mas também das perdas, das saudades e da angústia pela fragilidade do outro. Uma voz poética original porque se veste das palavras claras que desnudam a alma humana, que dizem de si, dos outros e do mundo: amor, terra, água, vento, fogo, primavera, melros, ninhos, semente, verão, outono, sol, laranjeiras, flor, cristal, mãos, olhar, perfume, pai, mãe, filhos, mulher…

São poemas de afirmação de uma singularidade de pensamento e de fazer poético...

Estão nas páginas da obra poemas escritos nos dois últimos anos, a seguir à antologia As Palavras nas Dunas do Tempo (2014).

Artur Coimbra publicou o seu primeiro livro de poesia, O Prisma do Poeta, em 1978, seguindo-se Máquina de Liberdade (1988), Cais do Olhar (1995) e 25 Anos de Palavras (2003).

Publicou, em prosa, mais de duas dezenas de obras na área da investigação histórica sobre Fafe, a sua memória, as suas gentes, instituições, freguesias e património, a que se acrescenta meia dúzia de obras em co-autoria.

Este ano já havia publicado a monografia de Armil (Fafe), com o título Sancti Martini de Armir -História de Terra e Gente com História, de parceria com Paulo Moreira.

Prefaciou inúmeras obras e colaborou em coletâneas de poesia e prosa.

Recebeu diversos prémios jornalísticos pelo seu trabalho literário e foi galardoado com as mais altas condecorações do município (Medalha de Ouro de Mérito Concelhio) e da Junta de Freguesia de Fafe (Medalha de Ouro), ambas em 2003.

CAPA MEU LIVRO.png

ESCRITOR FAFENSE DANIEL BASTOS APRESENTOU EM TORONTO LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

No passado dia 12 de junho, o historiador minhoto Daniel Bastos apresentou na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.  

22.jpg

A iniciativa, muito participada pela comunidade portuguesa, foi promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

No decurso da sessão, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, revisitou o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e destino.

Durante o evento, Daniel Bastos apresentou ainda o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”. Uma obra concebida a partir do espólio do consagrado fotógrafo franco-haitiano, condecorado no passado dia 10 de junho em Paris pelo presidente da República Portuguesa com a Ordem do Infante D. Henrique, e que reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

A sessão apresentação do livro, cujos exemplares se esgotaram, ficou marcada pelo anúncio da intenção de realizar a médio prazo uma obra sobre a emigração portuguesa para o Canadá. Um projeto editorial e de investigação concebido pelo historiador natural de Fafe, e que será promovido pela Galeria dos Pioneiros Portugueses em parceria com instituições de referência da comunidade luso-canadiana.

Durante a sua estadia na maior cidade do Canadá, a convite da Galeria dos Pioneiros Portugueses, o docente do Colégio João Paulo II em Braga, manteve diversos encontros e participações em iniciativas culturais de associações luso-canadianas, como a cerimónia evocativa do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas que decorreu na Toronto City Hall, o Dundas West Fest e a Parada do Dia de Portugal em Toronto.

Refira-se ainda, que Galeria dos Pioneiros Portugueses entregou 12 exemplares do livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”, para oferta às bibliotecas públicas de Toronto, com o objetivo de reforçar o interesse pelo estudo da língua e cultura lusitana no Canadá.

1.jpg

2 (1).jpg

3.jpg

4 (1).jpg

5.jpg

6.jpg

7.jpg

8.jpg

9.jpg

10.jpg

11.jpg

12.jpg

13.jpg

14.jpg

23.jpg

24.jpg

25.jpg

26.jpg

27.jpg

28.jpg

29.jpg

30.jpg

31.jpg

32.jpg

33.jpg

PORTUGAL HOMENAGEIA GÉRALD BLONCOURT

O Presidente da República vai condecorar com o grau de comendador da Ordem do Infante D. Henrique o fotógrafo francês de origem haitiana Gérald Bloncourt. Trata-se do fotógrafo que mais retratou a situação difícil vivida pelos portugueses nos bairros de lata periféricos da cidade de Paris, entre os anos cinquenta e setenta do século passado, contribuindo dessa forma para dar visibilidade à situação miserável em que se encontravam e contribuir para a sua mudança e melhoria das condições de vida no país de acolhimento.

16557198_GO0hr.jpeg

A homenagem terá lugar em Champigny, símbolo da presença portuguesa, onde aliás o associativismo das nossas gentes continua a registar presença marcante e a Rádio Alfa possui os seus estúdios a emitir diariamente para toda a comunidade portuguesa.

Apesar dos progressos entretanto verificados, a emigração continua a ser um flagelo na sociedade portuguesa. Calcula-se em mais de meio milhão o número de portugueses que nos últimos anos terá emigrado em consequência da catastrófica situação do país, da falta de emprego e perspetivas.

Partem sobretudo os mais jovens e com melhores qualificações. Para trás deixam a família e os amigos e consigo levam a saudade e a esperança do regresso. Mas, tal como sucedeu com outras gerações de emigrantes que os antecederam no exílio, acabarão por se fixar nos países de acolhimento onde começam uma nova vida e virão a educar os seus filhos.

Vendo partir os seus filhos, Portugal empobrece e despovoa-se. A partida dos jovens, somada ao acentuado declínio demográfico em breve tornará os portugueses uma espécie em extinção.

Para que a memória não se apague, publicamos algumas fotos da autoria do fotógrafo francês Gérald Blonclourt, que documentam tempos difíceis da emigração portuguesa para frança, precisamente um dos países da então CEE.

Fotos: Gérald Bloncourt / http://bloncourt.over-blog.net/

16557145_bj76J (1).jpeg

16557147_wCYgW (1).jpeg

 

16557149_eV2ZR (1).jpeg

16557150_W7SBJ (1).jpeg

 

16557151_qLYYh (1).jpeg

 

16557152_RK00G (1).jpeg

16557155_qPHih (1).jpeg

16557156_yUpZl (1).jpeg

16557157_0Lsh5 (1).jpeg

16557164_D60ab (1).jpeg

16557166_pTLpZ (1).jpeg

 

16557169_0bhFw.jpeg

16557171_m9LFl.jpeg

16557174_eUAfS.jpeg

16557175_1uUJn.jpeg

16557176_eJfVz.jpeg

16557178_skzwg.jpeg

16557174_eUAfS (1).jpeg

16557179_vo4qI.jpeg

 

16557183_qHnWi.jpeg

16557186_8Uotl.jpeg

16557189_Bd4Z9.jpeg

 

16557194_uDNpA.jpeg

 

16557198_GO0hr (1).jpeg

PRESIDENTE DA REPÚBLICA HOMENAGEIA EMIGRANTES PORTUGUESES

No próximo dia 10 de Junho, o Presidente da República vai homenagear os cidadãos portugueses emigrados em França que aquando dos últimos atentados em Paris arriscaram as suas vidas para ajudar as vítimas dos atentados terroristas ocorridos no passado dia 13 de novembro.

ng5740229

A cerimónia vai decorrer na Mairie de Paris, no âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, e os nossos compatriotas serão agraciados com a Ordem da Liberdade.

Os portugueses que vão ser condecorados pelo Presidente da República são Manuela Gonçalves, natural de Fafe, Margarida dos Santos Sousa, de Penafiel e Natália Teixeira Syed, de Alvaiázere.

HISTORIADOR DANIEL BASTOS VAI AO CANADÁ APRESENTAR O LIVRO SOBRE EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Historiador Daniel Bastos apresenta em Toronto conferência e livro sobre a emigração portuguesa

No âmbito das comemorações do Dia de Portugal no Canadá, o historiador minhoto Daniel Bastos apresenta no dia 12 de junho (domingo), às 18h00, na Galeria dos Pioneiros Portugueses em Toronto, uma conferência sobre a história da emigração portuguesa.

A iniciativa, aberta à comunidade portuguesa de Toronto, estimada em cerca de 300 mil portugueses e luso-descendentes, é promovida pela Galeria dos Pioneiros Portugueses, um Museu criado em 2003 que se dedica à perpetuação da memória e das histórias dos pioneiros da emigração portuguesa para o Canadá.

A convite da instituição, que pretende dar-se a conhecer à comunidade canadiana em geral e a outras culturas, e numa altura em que a emigração portuguesa atinge níveis históricos, Daniel Bastos vai revisitar o fenómeno migratório como um dos traços estruturais da história de Portugal, e o seu impacto nas comunidades de origem e de destino.

Durante o evento, o investigador da nova geração de historiadores portugueses, que tem agendado durante a sua estadia na maior cidade do Canadá diversos encontros com as comunidades lusófonas, apresentará o seu mais recente livro “Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

A obra, uma edição bilingue, que conta com prefácio do multipremiado pensador Eduardo Lourenço, foi concebida a partir do espólio do conhecido fotógrafo franco-haitiano Gérald Bloncourt, e reúne mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século. Como as que o fotógrafo realizou sobre a viagem a “salto” que fez com emigrantes portugueses além Pirenéus, as da sua primeira viagem a Portugal na década de 1960, onde retratou o quotidiano das cidades de Lisboa, Porto e Chaves, ou as das comemorações do 1.º de Maio de 1974 na capital portuguesa, que permanecem como a maior manifestação popular da história portuguesa.

Refira-se, que ainda no dia 10 de junho (sexta-feira), o escritor e historiador natural de Fafe vai ser recebido no Consulado Geral de Portugal em Toronto, e que no dia 11 de junho (sábado), participará na quarta edição do Dundas West Fest, um evento cultural de referência da comunidade portuguesa em Toronto.

Com diversas participações em conferências nacionais e internacionais, assim como artigos e livros publicados no domínio da História Portuguesa, Daniel Bastos é licenciado em História e Pós-Graduado em Ética e Filosofia Política. Docente no Colégio João Paulo II em Braga, historiador e escritor, tem ao longo do seu percurso literário alicerçado junto das comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo, recebido várias distinções e prémios.

PRESIDENTE DA REPÚBLICA CONDECORA FAMALICENSE EMIGRADO EM FRANÇA

Natural de Riba d’Ave, Manuel Faria vai ser condecorado em Paris por Marcelo Rebelo de Sousa no Dia de Portugal

O famalicense Manuel Faria foi para França com a família aos 12 anos, em 1974. Aos 16 começou como aprendiz de pintor de decoração e aos 22 já era dono da empresa. Depois, foi sempre a empreender, tanto nos negócios como na vida cívica, valorizando a comunidade portuguesa em Paris e criando espaços para a sua afirmação. No próximo dia 10 de junho, Dia de Portugal, Manuel Faria será um dos quatro condecorados pelo Presidente da República em Paris como empresário de mérito.

Presidente da República vai condecorar empreended

O empresário foi recebido esta semana nos Paços do Concelho da sua terra natal pelo Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, que o felicitou pela homenagem que o país lhe vai prestar e à qual “o Município de Vila Nova de Famalicão se associa pelo percurso de vida exemplar que dignifica e valoriza Portugal e a comunidade portuguesa além-fronteiras” refere o Presidente da Câmara Municipal.

Manuel Faria nasceu em 1963 na vila de Riba d’Ave e foi empresário em Paris durante quase 30 anos na construção civil, sobretudo na área da decoração. Construiu e financiou, entre outros projetos, a Casa de Portugal em Plaisir, a Casa do Benfica em Paris e as novas salas da Residência André de Gouveia. Este ano foi já considerado um dos portugueses de valor pela Lusopress.

“Os bons exemplos são um farol para a nossa comunidade, ancestralmente reconhecida como uma terra de gente empreendedora, e o trajeto socialmente comprometido e responsável de Manuel Faria é um digno exemplo”, refere Paulo Cunha.