Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASTRO LABOREIRO ‘VOLTA A TER FÁBRICA DE CHOCOLATE’

À descoberta dos costumes e do Património da vila melgacense

Sabia que Castro Laboreiro tinha uma fábrica de chocolate? E vai voltar a ter, pelo menos será essa a sensação dos presentes! ‘CHOCOLATE SEM FRONTEIRAS’ é o mote da ação que vai permitir recriar a antiga Fábrica de Chocolate da Vila de Castro Laboreiro, em Melgaço, do qual todos poderão fazer parte, durante os dias 26, 27 e 28 de maio. A proximidade com a natureza, as entidades envolvidas e os próprios residentes, convida os participantes a entenderem a cultura e as vivências de Castro Laboreiro noutros tempos.

chocolate sem fronteiras.png

Será um fim de semana diferente, em harmonia com a história, os usos e os costumes locais. A organização vai proporcionar experiências únicas, de contacto com a tradição e com o Património da vila Melgacensecomo sendo as visitas ao castelo de Castro Laboreiro, ao Núcleo Museológico de Castro Laboreiro e a recriação da história da Fábrica de Chocolate, conseguida com a ajuda do grupo de teatro Casca de Noz, da Associação Académica e Cultural de Ermesinde. Também o Centro de dia de Castro Laboreiro se associa ao evento, reavivando a tradição da Carpeada (ciclo da lã), lembrando que no final havia chocolate no lanche tradicional.

A abertura decorre no centro cívico de Castro Laboreiro com uma Welcome Drink, seguida da passagem de alguns excertos de filmes onde Castro Laboreiro desempenhou um papel central, o que permitirá relembrar pessoas, lugares e tradições de outros tempos. No final haverá chocolate quente. No sábado haverá um trilho ao Castelo de Castro Laboreiro, com oferta de pão com chocolate, especialmente produzido para aludir à temática do dia. Este trilho será animado pelo grupo de teatro Casca de Noz que irá surpreender com pequenas encenações e animações ao longo do percurso.

MT_Castro Laboreiro (1) (1).jpg

A tarde será nostálgica, onde o CHOCOLATE será mesmo SEM FRONTEIRAS…: Castro Laboreiro vai recuar no tempo e os participantes vão ser transportados para 1908, data a que é atribuída a fundação da Fábrica do Chocolate. A partir das 14h00, no Museu de Castro Laboreiro, vai ser possível conhecer mais da história da Fábrica de Chocolate e será levado a cabo um pequeno percurso pelas ruas da Vila e espaços com envolvência à história. O Jornal ‘A NEVE’ será igualmente lembrado e recriado, a fim de importar para o presente, este periódico da época, propriedade da Fábrica e onde eram anunciados os seus esmerados chocolates. De seguida, os utentes do Centro de Dia de Castro Laboreiro vão recriar a CARPEADA - transformação da lã depois de tosquiada e lavada até à obtenção do fio. Uma representação de usos e costumes das gentes de Castro Laboreiro de outrora. No final haverá um workshop de chocolate caseiro. A par das atividades é possível deliciar as iguarias da região, patentes numa Feira de produtos. A peça de teatro ‘Crise a quanto obrigas’ e uma Queimada galega, vinda do lado espanhol, fecham o dia.

No domingo haverá uma caminhada solidária, de livre participante e onde cada participante poderá contribuir, com o que pretender, a favor dos Bombeiros Voluntários de Melgaço. Esta caminhada será também ela temática, com a abertura à comunidade de Geocachers (caça ao tesouro por georreferenciação). Os geocachers participantes poderão fazer algumas caches ao longo do percurso.

MT_Castro Laboreiro (2) (1).jpg

Programa:

sexta dia 26 (Centro Cívico de Castro Laboreiro)

21h00 Welcome Drink

22h00 Noite de cinema com chocolate quente

sábado dia 27

10h30 Trilho ao Castelo de Castro Laboreiro, com tetro (encontro: Pastelaria Castrejinha)

14h00 Fábrica do Chocolate com animação teatral (Núcleo Museológico de Castro Laboreiro)

17h00 Carpeada tradicional (Centro de Dia de Castro Laboreiro)

18h30 Workshop de Chocolate artesanal (Centro Cívico de Castro Laboreiro)

20h00 Petiscos e feira de produtos regionais (Centro Cívico de Castro Laboreiro)

21h30 ‘Crise a quanto obrigas’ - Teatro (Centro cívico de Castro Laboreiro)

23h00 Queimada

domingo dia 28

11h00 Trilho solidário Geocaching (Museu)

MT_Castro Laboreiro (3) (1).jpg

Castro Laboreiro é uma das localidades mais emblemáticas do Parque Nacional Peneda-Gerês-PNPG. A freguesia está localizada no planalto com o mesmo nome, em plena serra da Peneda, numa extensa área dentro do PNPG, distando vinte e cinco quilómetros da sede do concelho.

A aldeia possui ainda um milenar e riquíssimo legado histórico, arqueológico e arquitetónico, designadamente os monumentos megalíticos, o Castelo de Castro Laboreiro - classificado como monumento nacional, as pontes e igrejas medievais, os fornos comunitários, os moinhos, a atividade agro-pastoril e as singulares brandas, inverneiras e lugares fixos, testemunhos, também aqui, da prática da transumância.

A saber…Castro Laboreiro, juntamente com Branda da Aveleira, são aldeias candidatas às 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias, as únicas no Norte de Portugal, na categoria de Aldeias Remotas.

O concurso pretende demonstrar que Portugal tem um património valioso e diferenciador, que inspira quem visita e as duas aldeias melgacenses têm. A partir de 3 de julho, durante 7 semanas, todos os domingos, a RTP vai transmitir uma Gala dedicada a cada uma das 7 categorias. Os portugueses poderão votar na sua aldeia favorita durante a semana que antecede a gala (de segunda a domingo), através de um telefonema para um número a designar. A primeira Gala tem lugar a 9 de julho. Cada categoria, aldeias monumento, aldeias de mar, aldeias ribeirinhas, aldeias rurais, aldeias remotas, aldeias autênticas e aldeias em áreas protegidas, estará a votação apenas uma semana, entre 3 de julho e 20 de agosto, apurando todos os domingos duas finalistas de cada categoria. A lista final das 14 finalistas fica assim fechada na última Gala, a 20 de agosto e seguem-se duas semanas de votação para as 14 finalistas. A Declaração Oficial das 7 Maravilhas de Portugal® – Aldeias tem lugar a 3 de setembro, altura em que serão reveladas as 7 vencedoras, as 7 aldeias mais votadas, uma por categoria.

Sobre a Fábrica de Chocolate…

«Domingos ‘Carabel’ fundou a Fábrica de Chocolate de Castro Laboreiro em 1908. A Família Carabel tinha vários ofícios: o fabrico de chocolates constituía a sua principal fonte de rendimento, mas, não contente com o que ganharia com isso, ainda tinha loja aberta, em Castro Laboreiro para venda de tamancos, miudezas e fazendas, e também arranjava tempo para tratar de caixões e funerais, além de publicar um jornal.

Ainda hoje ninguém sabe explicar o porquê de Domingos António Alves, ‘Carabel’ (alcunha pela qual era conhecido), ter criado uma fábrica de chocolates em Castro Laboreiro, terra onde o cacau não se produzia. A verdade é que a imprescindível matéria-prima subia à aldeia serrana de Castro Laboreiro, vinda do Brasil. Corria o ano de 1908, quando Domingos Carabel, se pôs a fazer tabletes de um saboroso chocolate, que ganhou fama em Melgaço, Monção e Valença, tendo chegado, mais tarde, aos olhos e ouvidos dos ingleses, que até mandaram pedir, por carta, amostras dos rótulos do dito produto, vá lá saber-se porquê.

As primitivas instalações da Fábrica que ocupavam parte do edifício em pedra do atual Núcleo Museológico de Castro Laboreiro, não tinham ao tempo energia elétrica, e o carvão, a que o pai Domingos Carabel sempre recorrera, onerava os custos. Abílio Carabel consegue então autorização dos Serviços Hidráulicos, onde chegou a trabalhar, para um barracão no rio Laboreiro, e aproveita a força motriz da água.

Após o falecimento do fundador, os dois irmãos, Abílio e Germano, deram-se bem no negócio dos chocolates. As encomendas de cacau eram feitas a importadores do Porto, os pedidos iam por carta, quem as escrevia era sempre Abílio Carabel. Forneciam os chocolates a casas comerciais da região, mas dedicavam-se também à venda direta pelas feiras e romarias. As tabletes iam metidas em papel especial, que nunca se soube onde o arranjavam, mas que conservava o chocolate com a mesma eficácia das pratas.

Foi por adorar o Chocolate Carabel que Aurora Rodrigues, uma bonita viúva de Melgaço com bens no Brasil, se enamorou de Germano Carabel. Foi em setembro de 1920, no fim da romaria da Senhora da Peneda. Aurora tinha ido lá com a mãe e, antes de regressar a Melgaço, quis comprar chocolates. Germano estava em fim de feira e só tinham sobrado duas tabletes. Aurora insistiu que precisava de mais. Germano e o irmão Abílio arrumavam a banca dos chocolates. Aurora fora lá cumprir promessa e não queria regressar a casa sem levar tabletes de chocolate para oferecer a amigos e caseiros. Até parecia mal não levar nada, pensava ela, mas só sobravam duas tabletes. Era pouco. ‘Quando é que fazemos mais chocolates?’, perguntara Germano ao irmão. ‘Para a semana...’, retorquiu Abílio. ‘Pois minha senhora: na próxima semana sou eu mesmo que lhas levo a sua casa, a Melgaço. Fique descansada.’ Aurora e Germano não paravam de se entreolhar nesse fim de feira. Em 25 de dezembro, dia de Natal, desse mesmo ano, casavam-se. Amaram-se até ao fim da vida.

Mais tarde, começara a publicar um jornal, ‘A Neve’. Utilizava-o até para anunciar os seus esmerados chocolates. A  publicidade era também deliciosa nos dizeres: ‘Quereis um bom casamento? – Tomai o chocolate da afamada fábrica “Caravelos” de Castro Laboreiro, que atrai a simpatia’. A alcunha era “Carabel”, mas vá-se lá hoje saber qual o porquê da designação de ‘Caravelos’ no dito anúncio. O jornal surge já quando a fábrica estava sob a gerência dos irmãos Abílio e Germano Carabel. Ambos eram redatores do jornal, tinham jeito para a escrita. Sobretudo, o Abílio Alves Carabel. O diretor era um tal Abílio Domingos, professor primário, que depois se radicou em Braga, onde morreu. Seriam os três que financiavam o jornal, mas que deixou de se publicar, quando Germano Carabel foi dirigir a filial em Melgaço da Fábrica de Chocolates Carabeis Sucessores, antes de ter viajado para o Brasil, com a mulher e filhos, onde permaneceu alguns anos para gerir os bens da esposa. Em 1945, a Fábrica desloca-se para os moinhos do Poço Verde, onde atualmente funciona um espaço de turismo rural, e mais tarde para Melgaço. Não há informações muito claras sobre a data de fecho da Fábrica mas acredita-se que tal tenha ocorrido há cerca de 70 anos.»

‘CHOCOLATE SEM FRONTEIRAS’ é uma organização conjunta de Sónia Nogueira, Gestora da Página de facebook Turismo Parque Nacional Peneda-Gerês: stakeholders, redes e relacionamento (www.facebook.com\turismopnpg) e Doutorada em Marketing de Turismo, de Filipe Esteves, da Divisão da Cultura do Município de Melgaço, e da turma do 3º ano de Atelier de Marketing  (Comunicação Aplicada), da Universidade Lusófona. Conta com o apoio do Município de Melgaço e da União de Freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro e acontece no âmbito das  comemorações do Dia Internacional dos Museus.

Todas as atividades são de participação livre e gratuita.

MUSEU DE CASTRO LABOREIRO.png

ROSCAS E PAPUDOS DELICIAM MUNICIPES E VISITANTES EM MONÇÃO

Segunda edição da Festa da Rosca e do Papudo, sem pingo de chuva a contrastar com o ano passado, realizou-se este domingo, durante todo o dia, na Praça Deu-la-Deu Martins, sala de visitas da localidade raiana que recebeu munícipes e visitantes em número significativo.

Roscas 01 (Large).JPG

Além da animação musical e demonstrações em forno a lenha, o certame englobou exposição/venda daquela doçaria típica, encontrando-se disponíveis roscas e papudos tradicionais mas também em anis, chocolate, cacau e canela. Versões mais contemporâneas que “puxaram” pelo paladar dos presentes.

Logo ali, uns apreciavam a qualidade do produto. Outros deixavam para mais tarde, levando no saquinho meia dúzia ou uma dúzia. Pelos comentários, as roscas e os papudos estavam no ponto certo. Algo que facilmente se comprovada pelo escoamento do produto. 

O certame, com organização conjunta da Junta de Freguesia de Cambeses, Grupo Popular “Os Teimosos” e Associação “Ardina”, teve apoio da Câmara Municipal de Monção e Associação de Artesãos de Monção - Post`Arte. O autarca monçanense, Augusto de Oliveira Domingues, deu as boas vindas aos presentes e sublinhou a aposta do município na defesa e valorização das tradições locais.

Além da animação musical, a cargo de agrupamentos tradicionais de Portugal e da Galiza, decorreram demonstrações, em forno a lenha, da confeção da rosca e do papudo. De acordo com a organização, a iniciativa pretende mostrar e potenciar as várias vertentes de uma das atividades mais genuínas do concelho no que respeita à confeção de doçaria tradicional.

Roscas 02 (Large).JPG

Roscas 03 (Large).JPG

Roscas 04 (Large).JPG

MONÇÃO REALIZA FESTA DA ROSCA E DO PAPUDO

Este domingo, 14 de maio, na Praça Deu-la-Deu Martins. Além da animação musical e demonstrações em forno a lenha, certame engloba exposição/venda daquela doçaria típica, encontrando-se disponíveis roscas e papudos tradicionais mas também em chocolate, cacau e canela. Versões mais contemporâneas para agradar a todos os paladares. 

Roscas.JPG

Numa organização conjunta da Junta de Freguesia de Cambeses, Grupo Popular “Os Teimosos” e Associação “Ardina”, a segunda edição da Festa da Rosca e do Papudo realiza-se este domingo, durante todo o dia, na sala de visitas de Monção, Praça Deu-la-Deu Martins.

O certame, apoiado pela Câmara Municipal de Monção e Associação de Artesãos de Monção - Post`Arte, engloba exposição/venda daquela doçaria típica, encontrando-se disponíveis roscas e papudos tradicionais mas também em chocolate, cacau e canela. Versões mais contemporâneas para agradar a todos os paladares. 

Além da animação musical, a cargo de agrupamentos tradicionais de Portugal e da Galiza, estão previstas demonstrações, em forno a lenha, da confeção da rosca e do papudo. De acordo com a organização, a iniciativa pretende mostrar e potenciar as várias vertentes de uma das atividades mais genuínas do concelho no que respeita à confeção de doçaria tradicional.

A cerimónia de abertura realiza-se às 9h45, seguindo-se a entrada e atuação do Grupo de Bombos de Pias. Ao início da tarde, atua a Rusga “Cantares da Ribeira” e, ao final, os grupos populares “Ronco & Folk” e “Os Teimosos”. A meio da tarde, faz-se silêncio para se ouvirem os passos devotos de quem participa na procissão solene em honra a Nossa Senhora da Rosa.

A Festa da Rosca e do Papudo coincide com esta tradição muito acarinhada pela população local, permitindo que munícipes e visitantes possam participar nos atos religiosos e apreciar os tapetes floridos ao mesmo tempo que desfrutam do sabor caraterístico de uma rosca e papudo feito com o saber de quem valoriza a tradição.

Rosca 01.JPG

PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME CHEGA ESTE FIM-DE-SEMANA

Vila Nova de Cerveira celebra a Primavera com um evento que convida todas as faixas etárias para um conjunto de experiências sensoriais. O PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME sugere gastronomia, arte floral e artesanal e animação musical e dança.

PROVA CARTAZ PRIMAVERA (1).jpg

Cerca de 30 mercadores de áreas como doçaria, arte floral, decoração e artesanato vão expor e vender, durante dois dias, no centro histórico, os seus produtos, num ambiente de cor e alegria. 

O programa do PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME é complementado com momentos de dança protagonizados pela ADEIXA e Citius Fit (sábado, 10h30 e 12h00, respetivamente), e concertos com atuação da Banda de Música de Fornos (sábado às 15h00), Pauta de Caprichos e Academia de Música Fernandes Fão (domingo, 15h00 e 16h00, respetivamente).

Promovido pela Câmara Municipal, o evento primaveril decorre entre as 10h00 e as 22h00 de sábado, e as 10h00 e as 19h00 de domingo, com entrada livre.

BARCELOS MOSTRA FOLAR DA PÁSCOA

Mostra do Folar da Páscoa está de regresso ao Posto de Turismo

De 13 a 15 de abril, o Posto de Turismo recebe a mostra do Folar e Doces da Páscoa, e o Largo do Porta Nova será o palco do Feirão da Páscoa que conta com a presença de artesãos do concelho a trabalhar ao vivo.

No âmbito das celebrações da Páscoa, o Município de Barcelos irá realizar, de 13 a 15 de abril, mais uma edição da Mostra do Folar e Doces da Páscoa, no Posto de Turismo de Barcelos. Dinamizar e promover o comércio local, impulsionar a Marca Barcelos e dar a conhecer aos turistas os doces tradicionais desta região nesta época festiva, são o mote desta iniciativa que conta, este ano, com uma forte adesão por parte das pastelarias do concelho: Pastelaria Colonial, Pastelaria Arantes, Pastelaria Chá e Nata, Pastelaria Rosa Cintilante, Pastelaria Doce da Bá, Padaria Pacheco, Padaria Flor de Durrães, Pastelaria S. Bento, Pastelaria Santa Eugénia e Padaria Lina.

Nos dias 13 e 14 de abril, no Largo da Porta Nova, realizar-se-á também o Feirão da Páscoa que contará com a presença de alguns artesãos a trabalhar ao vivo (Elsa Machado, Carlos Dias, Lourdes Ferreira, Fernando Soares, Irene Salgueiro, João Rego, Luís Gonzaga Coelho, João Veiga, Ermelinda Rodrigues e João Ferreira) e produtores de produtos biológicos (APACI e a Horta da Lola).

Durante estes dias, os barcelenses e turistas que passarem por Barcelos têm a oportunidade de degustar um pouco das iguarias realizadas a nível da doçaria local e ainda a oportunidade de apreciar o trabalho ao vivo dos artesão do concelho.

CERVEIRA FESTEJA A PRIMAVERA COM LICORES E DOÇARIA

Abertura de inscrições para o PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME

Vila Nova de Cerveira volta a encher-se de cor e animação para celebrar a presente estação do ano. O PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME está agendado para o primeiro fim-de-semana de maio, e o período de apresentação de candidaturas decorre entre 12 e 18 de abril.

Durante dois dias, 6 e 7 de maio, Vila Nova de Cerveira enaltece a gastronomia associada ao ambiente primaveril. O centro histórico cerveirense transforma-se num mercado de doçaria tradicional, licores, flores e jardins atrativos, associando uma vasta animação de rua.

Os mercadores interessados deverão apresentar a sua candidatura de 12 a 18 de abril na Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, acompanhados dos documentos necessários: ficha de inscrição, carta de artesão, cópia do início de atividade, cópia do NIF, fotografias dos artigos e declaração de responsabilidade assinada.

Organizado pelo Município cerveirense, o PRIMAVERAEMCERVEIRA.COME decorre nos dias 6 e 7 de maio, entre as 10h00 e as 22h00 de sábado e as 10h00 e as 19h00 de domingo.

GUIMARÃES DÁ A PROVAR AS TORTAS E O BACALHAU COM BROA

ENTRE ESTA SEXTA-FEIRA E DOMINGO

Bacalhau com Broa e Tortas de Guimarães no fim de semana dedicado à gastronomia

Evento divulga a cultura e a tradição gastronómica de Guimarães. Nona edição é promovida pela Porto e Norte de Portugal, em parceria com a Câmara Municipal.

Tortas_Guimaraes.jpg

Oito restaurantes e seis estabelecimentos hoteleiros aderiram à iniciativa “Fins de Semana Gastronómicos”, que decorre em Guimarães entre esta sexta-feira e domingo, 07 e 09 de abril. Durante três dias, o público é convidado a conhecer a excelência dos estabelecimentos de restauração e os sabores da mesa vimaranense, sugerindo-se este ano as especialidades do Bacalhau com Broa, prato característico da região, e as Tortas de Guimarães, um doce tradicional de origem conventual.

No decurso desta iniciativa, os restaurantes vimaranenses Chello’s, Cor de Tangerina, Dan José, GE Restaurante, Hool, Nora do Zé da Curva, Solar do Arco e Tapas e Manias, que aderiram ao Fim de Semana Gastronómico 2017, vão oferecer um copo de vinho da região Norte de Portugal, enquanto os seis empreendimentos turísticos aderentes (Casa do Juncal, Hotel da Oliveira, Hotel Mestre de Avis, Open Village Sports Hotel, Quinta Pedras de Baixo, em Longos, e Trovador City Guest Houses) efetuam um desconto de 20% nas noites desta sexta-feira e sábado.

Concelho de pergaminhos gastronómicos, Guimarães convida os seus visitantes a conhecer os pratos fundamentais da cozinha do Minho, num significativo conjunto de restaurantes conhecidos por oferecer o que de melhor foi criado ao longo dos séculos na cozinha local. A oferta gastronómica da mesa vimaranense é diversificada e vai desde a gastronomia regional – os pratos quentes e substanciais do Minho – aos petiscos. Os estabelecimentos de Guimarães guardam bons cozinheiros, possuem um ambiente acolhedor e muitas histórias para contar.

VILA PRAIA DE ÂNCORA APRESENTA “BISCOITOS DE FARINHA DE PAU”

A Maior Mesa de Páscoa do País, no dia 15 de abril de 2017, em Vila Praia de Âncora, vai ser palco do lançamento dos novos Biscoitos de “Farinha de Pau”, um produto que resultou da parceria do Patronato Nossa Senhora da Bonança, IPSS com Creche e Jardim de Infância, e o grupo de pastelarias Petinga Doce.

folheto_frente_final.png

Esta iniciativa insere-se no Plano de Atividades de 2017 da Instituição e surgiu pelo facto da farinha de mandioca, também conhecida por “farinha de pau”, fazer parte, desde sempre, das ementas do Patronato (por ser um alimento muito rico nutricionalmente). Todo aqueles que já passaram no Patronato recordam este prato como uma boa recordação, utilizando expressões como “Não há farinha de pau como a do Patronato!” e “A minha mãe já fez em casa, mas não fica igual!”. Houve, em tempos, inclusive crianças que depois de terem ido para a escola básica, vieram de propósito almoçar no Patronato a “famosa farinha de pau”. Assim, fazendo esta farinha parte da história e da imagem da Instituição, surgiu a ideia de criar um produto, cujo o ingrediente principal fosse a mandioca. Pusemosas “mãos namassa” e no Patronato foram sendo experimentadas algumas receitas, que resultaram em biscoitos muito deliciosos. Depois disto e uma vez que, o Patronato não tinha capacidade de produção, foi proposta uma parceria ao grupo Petinga Doce, que prontamente acedeu ao projeto, tornando-se parceiros da Instituição, sendo agora os responsáveis pelo fabrico dos biscoitos. Este projeto contou, também, com a colaboração da empresa CTM – Serviços de Consultoria Alimentar, que colaborou com a análise nutricional, e da Câmara Municipal de Caminha, que colaborou na produção do material de divulgação.

Os biscoitosvão estar disponíveis para degustação na mesa de abertura da Maior Mesa de Páscoa do País e estarão à venda no espaço que o Patronato ocupará neste evento. Posteriormente os biscoitos estarão à venda na Instituição e nas pastelarias do Grupo Petinga Doce.

O Patronato Nossa Senhora da Bonança é uma IPSS com mais de 65 anos que apoia 85 crianças dos 3 meses aos 6 anos de idade. Ao adquirir um saquinho de biscoitos estará a contribuir com metade do valor para a missão da Instituição.

Além de serem biscoitos muito saborosos, são também isentos de glúten e uma ótima fonte de energia. Diz, quem já provou, que depois de comer o primeiro, não há como resistir aos próximos!

folheto_verso_final.png

GUIMARÃES PROMOVE DOÇARIA E MÚSICA RELIGIOSA

ENTRE 03 E 05 DE ABRIL

Doçaria no Convento e Festival de Música Religiosa de Guimarães promovidos no Norte e em Espanha

Ações promocionais do destino Guimarães estão integradas numa estratégia de alavancagem do turismo na região. Oportunidade permitirá divulgar doçaria conventual.

Guimaraes_Docaria_Festival_Musica_Religiosa.jpg

A Câmara Municipal de Guimarães vai realizar, no início do mês de abril, três ações promocionais de dois eventos que decorrerão na Páscoa, período de especial afluxo de turistas. A edição deste ano da Doçaria no Convento e o segundo Festival de Música Religiosa de Guimarães serão promovidos em Espanha e em dois espaços do Norte do país de elevada afluência.

No dia 03 de abril, o Município de Guimarães, reconhecendo a importância do turismo para a economia nacional, em particular para a vimaranense, estará presente na Loja Interativa de Turismo do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, com a realização de uma ação de promoção das duas iniciativas, enquanto no dia seguinte marcará presença na Loja Interativa de Santiago de Compostela e no dia 05 de abril no Porto Welcome Center.

Estas ações permitirão ainda a divulgação e promoção da doçaria conventual vimaranense, através de uma mostra e degustação das Tortas de Guimarães e do Toucinho do Céu, assim como a divulgação dos vinhos produzidos no concelho, sob a forma de um Welcome Drink, que receberá todos os visitantes. Os doces e vinhos para a degustação são oferta das empresas Clarinha, Adega Cooperativa de Guimarães, Quinta do Ermízio, Sociedade Agrícola S. Gião e Casa de Sezim.

CAMINHA DOCE REGISTOU A MELHOR EDIÇÃO DE SEMPRE

Número de visitantes, sucesso de vendas, qualidade dos expositores e dos produtos responsáveis pelos resultados alcançados

Qualidade e diversidade de produtos, afluência de visitantes, vendas, workshops e showcookings a cargo dos expositores foram a chave para mais um sucesso da Caminha Doce, que fez de Caminha a Vila mais doce de Portugal nos últimos dias. Segundo a organização, esta edição superou as espectativas, considerando-a mesmo a melhor de todas. O certame ficou ainda marcado pelo lançamento de um novo produto do concelho, o pão com chocolate, e pela presença de produtos da Ilha da Madeira, entre outros pontos do país, e de Espanha.

Caminha Doce 2017 (1).jpg

De 24 a 28 de fevereiro, a Caminha promoveu mais uma edição feira de doçaria Caminha Doce, que fechou portas na passada terça-feira, com um balanço muito positivo. De acordo com a organização, a afluência de visitantes foi a melhor de sempre, com destaque para o dia de segunda-feira, dia do cortejo carnavalesco “A famosa Cegada é o Carnaval em Caminha”, que trouxe milhares de visitantes à Vila, quer para desfilar no corso quer para assistir ao desfile, também ele o melhor de sempre.  

Os 20 expositores presentes, entre os quais quatro participantes no programa televisivo “Best Bakery”, transmitido pela SIC, mostraram-se muito satisfeitos com esta edição, nomeadamente a nível das vendas, e com vontade de marcar presença já no próximo ano.

Caminha Doce 2017 (2).jpg

Este certame contou, pela primeira vez na sua história, com expositores da Ilha da Madeira, considerados “uma das almas da festa”, que trouxeram a consagrada “poncha”, uma bebida tradicional e emblemática da Madeira, confecionada com aguardente de cana-de-açúcar, açúcar e sumo de limão ou de outras frutas, como o maracujá e a tangerina. Ourense trouxe gelados artesanais e também conseguiu destacar-se, principalmente junto dos mais novos.

Para além da Madeira e de Espanha, nesta edição estiveram representados os doces tradicionais e conventuais provenientes de Caminha, Vila Praia de Âncora, Porto, Barcelos, Ermesinde, Viseu, Felgueiras, Vila Real, Lousada, Santa Maria da Feira, Ponte de Lima e Guimarães.

Sobre a qualidade dos produtos e da feira em si, a organização garante que a qualidade superou todas as edições anteriores. A título de exemplo, refira-se que o expositor da Ilha da Madeira recebia diariamente produtos frescos, porque todos os dias, duas pessoas viajavam até ao Continente para poderem vender produtos frescos.

Os workshops e showcookings realizados pelos próprios expositores também fizeram a diferença, sempre com muita gente a assistir. Esta foi a primeira edição que contou exclusivamente com doces. De referir ainda, a Camipão, empresa do concelho, que lançou um novo produto - “Pão com Chocolate” – e apresentou a nova receita do “Pão com Chouriço”.

Caminha Doce 2017 (3).jpg

A animação a cargo da Academia de Música Fernandes Fão, Banda Musical Lanhelense, Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho e Universidade Sénior do Rotary Clube de Caminha também contribuiu para estes extraordinários resultados.

Podemos dizer que os objetivos foram largamente conseguidos. A Caminha Doce potenciou o concelho como destino turístico nesta altura do ano e dinamizou economia local.

Depois do balanço, a organização já está a pensar na próxima edição, que promete voltar ainda com mais qualidade e muitas novidades.

17021347_1265807843473742_7576389313643720073_n.jpg

CAMINHA PRESTES A TORNAR-SE A VILA MAIS DOCE DE PORTUGAL

Esta edição conta com doces da Ilha da Madeira e de Espanha

De 24 a 28 de fevereiro, Caminha vai “tornar-se a vila mais doce de Portugal” com a promoção da feira de doçaria “Caminha Doce”. Doces das várias regiões do país, inclusive da Ilha da Madeira, e de Espanha, showcookings e workshops realizados pelos expositores e vários momentos culturais vão dar o mote a esta edição. A abertura está agendada para sexta-feira, às 19H30, com a atuação da Academia de Música Fernandes Fão e Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho.

16864194_1259070267480833_2076603309669234006_n.jpg

Com o Rio Minho como pano de fundo, esta edição da Caminha Doce conta com várias novidades. Destacam-se as presenças, pela primeira vez, de expositores oriundos de Espanha e da Ilha da Madeira e os showcookings realizados pelos próprios expositores.  Os objetivos são potenciar Caminha como destino turístico nesta altura do ano, contrariando a sazonalidade turística, dinamizar o concelho e a economia local.

De 24 a 28 de fevereiro, na Caminha Doce vai encontrar desde os doces tradicionais até aos conventuais, passando pelos chocolates, compotas e licores, de Caminha, Vila Praia de Âncora, Porto, Barcelos, Ermesinde, Viseu, Felgueiras, Vila Real, Lousada, Santa Maria da Feira, Ponte de Lima, Guimarães, Madeira e de Ourense. Para além dos doces, esta edição conta com a promoção de vários workshops e showcookings a cargo dos próprios expositores, que vão mostrar como confecionam as suas especialidades. Quanto à animação, a feira da doçaria vai contar com momentos musicais pela Academia de Música Fernandes Fão e pela Banda Musical Lanhelense e poesia doce pela Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho.

Ao longo dos cinco dias, são muitos os showcookings e workshops que vão animar o espaço. No dia da abertura destaca-se o showcooking “pão de deus e fogaça”, orientado por Doces Regionais e Conventuais da Santa Maria da Feira. No sábado, ao longo do dia, vão decorrer vários showcookings, com destaque para o Workshop “Viagem à Terra do Cacau”, orientado por Ana Rute, Flor da Cacau; e “Delícias do Norte da Madeira”, orientado por Delícia da Bia, Santana, Madeira. No domingo, destacam-se os showcookings infantil orientado por LICOMDA, Vila Praia de Âncora; “Queijinhos de Noz”, orientado por Fernanda Viana, Universidade Sénior do Rotary Club de Caminha; e as “Várias formas de Gofres, Crepes e gelados”, apresentado por La Central Heladera, Ourense. Na segunda-feira, destaca-se o showcooking “Doce Húngaro” orientado por Camipão - Padaria e Pastelaria, Vila Praia de Âncora. Na terça-feira de Carnaval destacam-se os o showcookings “Brigadeiros tradicionais e cupcakes decorados”, orientado por Combinações Perfeitas, Vila Praia de Âncora e “Escolha a fruta! Escolheu? Vamos fazer a compota!”, a cargo da Licomda, Vila Praia de Âncora.

No fim de semana, à Caminha Doce juntar-se-ão o afamado Baile do Assalto no Valadares Teatro Municipal de Caminha, no dia 25 e o Desfile de Carnaval Noturno, no dia 27.

CAMINHA É UMA DOÇURA!

CAMINHA DOCE DE 24 A 28 DE FEVEREIRO

Ana Guiomar, apresentadora do programa BestBakery, uma das presenças no certame

De 24 a 28 de fevereiro, Caminha vai “tornar-se a vila mais doce de Portugal” com a promoção da feira de doçaria “Caminha Doce”. Doces das várias regiões do país, workshops e a presença de Ana Guiomar, a apresentadora do programa televisivo BestBakery, vão dar o mote a esta edição.

caminha doce 6 2017 4.jpg

A Câmara Municipal de Caminha está a ultimar os preparativos para que esta edição faça a diferença. Os objetivos sãopotenciar Caminha como destino turístico nesta altura do ano, contrariando a sazonalidade turística, dinamizar o concelho e a economia local.

Uma das atrações deste ano é a presença de Ana Guiomar, figura pública portuguesa. Além de atriz, Ana Guiomar apresentou um dos concursos televisivos do momento “BestBakery”, transmitido pela SIC, que escolheu a melhor pastelaria de Portugal.

Para além da estrela de televisão, o Caminha Doce vai contar com doces das várias regiões do país, a que se vão juntar os tipicamente do concelho, com destaque para os caminhenses, mokas, telhas, farripas, entre muitos outros, e com a promoção de vários workshops.

Nesse fim-de-semana, ao Caminha Doce juntar-se-ão o afamado Baile do Assalto no Valadares Teatro Municipal de Caminha, no dia 25 e o Desfile de Carnaval Noturno, no dia 27.

caminha doce2017.jpg

IRMANDADE DE S. VICENTE DE BRAGA DÁ A CONHECER LICORES E DOÇARIA TRADICIONAL

“IIIª Mostra de Moletinhos de São Vicente e Licor Vicentino”

Partindo do sucesso alcançado aos mais variados níveis, vai Irmandade do Mártir São Vicente de Braga, levar a efeito a "3ª Mostra de Moletinhos de São Vicente e, Licor Vicentino", inserida no programa da Romaria em honra do Santo Mártir, a levar a efeito no próximo domingo, 29 do mês em curso.

isv_moletinhos_romaria0011.jpg

Quando: 29 (Domingo) de Janeiro de 2017

Local: Adro da igreja paroquial de São Vicente de Braga (espaço alternativo, salão da Igreja)

Hora: 09:30h - Inauguração da “3ª Mostra 

Hora: 09:45h - Abertura da 'Mostra' ao público 

Lema: “Tradicionais ou inovados, os Moletinhos são amostrados”

Objectivos da Mostra:

Esta “3ª Mostra de Moletinhos de São Vicente” tem por objectivos:

- Preservar este doce típico da Romaria de São Vicente, quer seja na sua versão ‘fina’ (confeccionada e comercializada pelas pastelarias, confeitarias e padarias de Braga e seu termo), quer seja na sua versão ‘parola’ (comercializados pelos ‘vendedores ambulantes’ nas Festas e Romarias);

- Salvaguardar este doce tradicional, associado às festividades do Mártir São Vicente, enquanto legado herdado e transmitido ao longo dos tempos, de geração em geração;

- Divulgar e Promover mais e melhor, a marca ‘Moletinhos de São Vicente’;

- Angariar verbas, no âmbito da campanha ‘Abrigar São Vicente’, cuja finalidade é, a reabilitação dos telhados e respectivos tectos da igreja de São Vicente (classificada como património de interesse público).

- Apresentação do ‘Licor Vicentino’

isv_moletinhos_romaria0019.jpg

Paralelamente à mostra dos Moletinhos, será uma vez mais apresentado o ‘Licor Vicentino’ feito a partir de frutos vermelhos (silvestres). Em termos da simbólica inerente, a cor avermelhada, e respectiva textura/espessura do licor, remete-nos para o martírio de São Vicente. Uma bebida recomendável para acompanhar os Moletinhos.

Chef Vinagre do Grupo 'Amar Terra Verde' e Agostinho Peixoto da 'Confraria Pudim Abade Priscos', são os padrinhos da 3ª Mostra/2017

isv_moletinhos_romaria0033.jpg

A edição deste ano, tem como padrinhos, o Chef José Vinagre da Escola Profissional Amar Terra Verde (EPATAV) e, Agostinho Peixoto, Confrade-Mor da 'Confraria Pudim Abade Priscos'.

Para além das pastelarias e padarias repetentes - Confeitaria Luxa, Pastelaria Bom Jesus, Pastelaria e Padaria Ferreira Capa, Pastelaria Cabanelas, Doçaria de São Vicente, Padaria Pastelaria Cairense, Pastelaria São João, Padaria da Morreira, Padaria e Confeitaria Maximinense -, confirmaram já a sua primeira participação as; Pastelaria Lusitana, Pastelaria Ralha e a 'Casa dos Croissants', uma das finalistas do concurso "best bakery" da estação de televisão sic.

isv_fts_adalberto_0022 (1).jpg

isv_fts_adalberto_0025 (1).jpg

ARCOS DE VALDEVEZ REALIZA FEIRA DOS DOCES E DO CHOCOLATE

Arcos de Valdevez voltou a viver dias doces com a “Feira dos Doces e do Chocolate”

Iniciativa voltou a atrair centenas pessoas que aproveitaram para se divertirem e degustar os excelentes produtos expostos

15370128_1270058799720082_3076835778562103279_o.jpg

Entre os dias 8 e 11 de dezembro, Arcos de Valdevez voltou a adoçar a boca dos arcuenses e das centenas de visitantes que por cá passaram com a realização da Feira dos Doces e do Chocolate, no Campo do Trasladário.

Esta iniciativa, segundo o presidente da Câmara Municipal, João Manuel Esteves, reveste-se de total importância porque há, através dela, uma forte aposta na promoção do comércio e dos produtos da terra, conseguindo-se ao mesmo tempo “Atrair mais visitantes ao concelho e dinamizar a economia local”.

A feira contou com expositores oriundos do concelho e vindos de várias partes do país, denotando-se assim o interesse dos participantes neste tipo de ações promocionais.

Para quem visita ou é oriundo de Arcos de Valdevez, esta foi uma excelente oportunidade para fazer um roteiro pelos sabores tradicionais arcuenses e de comprovar a qualidade da doçaria tradicional, como o Bolo de Discos, Bolo de Mel e os Charutos de Ovos, com Laranja de Ermelo, e ainda de inovações realizadas por parte de doceiros locais como é o caso do bolo de feijão terrestre.

Da programação da Feira dos doces e do chocolate fez parte variada animação, tanto para os mais pequenos como para os adultos.

A Feira inseriu-se na programação da Campanha - Magia de Natal 2016, organizada pela Câmara Municipal e a ACIAB - Associação Comercial e Industrial de Arcos de Valdevez e de Ponte da Barca, com o objetivo de promover o que se faz em Arcos de Valdevez, pensar na dinamização do comércio local e Turismo, bem como na população, tanto a mais jovem como a mais adulta.

Próximas Iniciativas:

“ MAGIA DE NATAL ”

Iluminação de Natal, Decoração e Sonorização de Ruas, Exposição de Árvores de Natal 

MERCADO DE NATAL DE SOAJO
16,17 e 18 de Dezembro

FEIRA ARTESANAL DE NATAL 
17 e 18 de Dezembro de 2016
Animação de Rua

19 a 23 Dezembro

Campo de Férias de Natal – Porta do Mezio

19 a 30 de Dezembro

Aventuras de Natal no Paço de Giela 

21, 22, 27 e 28 Dezembro

Espetáculo de Natal pelo Coral Infantil “Vozes do Vez”
22 de Dezembro - Auditório da Casa das Artes

Cinema Infantil: "CANTAR! / SING"

23 de Dezembro
Em Português. Entrada gratuita para crianças até aos 12 anos

Programa: “Somos Portugal” - TVI

31 de Dezembro
Passagem de Ano

31 de Dezembro

Campo do Trasladário

Grande Concerto de Ano Novo pela Banda da Sociedade Musical de Arcos de Valdevez

7 de Janeiro de 2017
21h30- Auditório da Casa das Artes

feira_doces_chocolate_2016 (1).jpg

feira_doces_chocolate_2016 (2).jpg

feira_doces_chocolate_2016 (3).jpg

PONTE DE LIMA É UMA DOÇURA MINHOTA

Ponte de Lima - I Feira do Mel, Sidra e da Doçaria superou todas as expectativas

A 1ª Feira do Mel, Sidra e da Doçaria atraiu a atenção de milhares de pessoas este fim-de-semana a Ponte de Lima.

Feira do Mel.JPG

O mel, a sidra, a doçaria, os licores, as compotas, os frutos secos e o artesanato, entre outras ofertas típicas desta quadra, eram os ingredientes principais do evento. De salientar, a venda de mais de 2000 kg de mel durante a Feira.

Para além da promoção dos produtos tradicionais do concelho, produtores e expositores consideraram que a feira superou todas as expectativas, face ao significativo volume de vendas que se registou.

Na abertura oficial da Feira, o Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng.º Victor Mendes, assegurou que o objetivo principal é o de “promover os nossos produtos locais, neste caso, o mel e a sidra, projeto enquadrado no Terra Incubar e que que conta com o apoio do Município desde a sua fundação.”

O último dia da Feira foi dedicado ao concelho de Xinzio de Limia, da Galiza – Espanha, como forma de assinalar a geminação existente há mais de 20 anos, entre os dois municípios. Reforçando este intercâmbio cultural, o Município de Xinzio de Limia fez-se representar com um stand institucional, bem como um conjunto de grupos culturais, que desfilaram pela Vila e atuaram no recinto da feira, mostrando a sua cultura e tradição.

Esta 1ª feira do Mel, Sidra e Doçaria, insere-se no projeto 'Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta', que visa promover e valorizar os recursos endógenos, os produtos e serviços dos vários setores económicos, assim como o aumento da atratividade e visibilidade turística do concelho e da região. Recorde-se que até abril realizam-se mais 8 eventos, de um conjunto de 13 no total, sob diversas temáticas, enquadrando-se na sua maioria nos temas da época em que se realizam.

Feira do Mel, Sidra e Doçaria (1).JPG

Feira do Mel_Sidra e Doçaria.JPG

MEL _ FEIRA (Medium).JPG

Sidra_feira_ (Medium).JPG

 

MAIOR BOLO DE MEL DE PORTUGAL É DE PONTE DA BARCA!

Ponte da Barca vai apresentar, pelo segundo ano, o Maior Bolo de Mel de Portugal. Iniciativa integra a Tradicional Feira do Mel que decorre de 17 a 22 de dezembro, na Praça da República

Quatro pastelarias de Ponte da Barca vão confecionar, pelo segundo ano consecutivo, um bolo de mel, com mais de 50 metros e mais de 200 quilos de peso que será montado no dia 22, junto à Praça da República, onde vai decorrer o Mercado de Natal (de 17 a 22 de dezembro). Para tal, vão ser utilizados na confeção do bolo mais de 100 quilos de farinha, 30 litros de mel, 50 quilos de açúcar, mais de 200 ovos, e 20 quilos de nozes.

IMG_6724.JPG

A duração da confeção do bolo gigante, a cargo das pastelarias Cascata, Caracas, Doce Lima e Liz, que voltaram aaceitaram o desafio lançado pela autarquia, e esperam superar o do ano passado (que tinha 50 metros) está estimada em mais de seis horas, sem contabilizar o tempo necessário para que a montagem, no dia 22, a partir das 14h00.

A iniciativa, segundo a Vereadora, Sílvia Torres, pretende valorizar "os ingredientes mais tradicionais do concelho - o mel e as nozes e impulsionar a programação de Natal preparada pela autarquia com objetivo de dinamizar o comércio tradicional, dando visibilidade às pastelarias do concelho".

Concurso de Mel, Bolo e Rabanadas de Mel

Paralelamente, vai decorrer a Feira do Mel, que inclui os concursos de mel, bolos e rabanadas de mel, cujas inscrições devem ser efetuadas até ao dia 21 de dezembro. Os regulamentos e respetiva ficha de inscrição estão disponíveis no site da Câmara Municipal (www.cmpb.pt). O certame vai contar com a presença de mais de uma dezena de expositores, entre produtores e artesãos locais, associações, instituições particulares de solidariedade social e Epralima - Escola Profissional do Alto Lima.

Mercado de Natal que inclui diversas iniciativas como vários musicais e contos de Natal, diversos ShowCookings, um dos quais com Eva Gonçalves, uma das finalistas do programa televisivo Master Chef

Apesar de ser na Praça da República onde vão decorrer a maioria das atividades, a animação de Natal irá estender-se a outros espaços com propostas que farão as delícias de miúdos e graúdos, das quais se destaca as da Biblioteca Municipal com o Concurso de escrita criativa e ateliers. Vai ter lugar também a iniciativa Natal Solidário - Ofereça um sorriso às crianças que menos têm que consiste em apadrinhar uma criança de uma família carenciada do concelho, oferecendo um presente, numa iniciativa que envolve os funcionários da Câmara Municipal e da Unidade de Saúde Familiar do Centro de Saúde Local . Além do som de rua, da iluminação que vai encher de cor as principais artérias e a chegada do Pai Natal, destaque para o Mercado de Natal onde vai ser possível adquirir presentes originais executados pelas Associações concelhias e por todas as IPSS's locais e onde vai decorrer ao longo dos seis dias que vai estar patente (17 a 22) o Musical de Natal com a participação dos Grupos Corais de Entre Ambos-os-Rios e Britelo; Vila Chã S. João; Oleiros e Santa Maria de Moía, Vila Nova de Muia; os Showcookings 'Patelaria de Natal', pela Patelaria Caracas, o 'Biscoitos de Mel', e o 'Doce de Natal fora da Caixa', com Eva Gonçalves, o espetáculo Musical “Pai Natal Onde Estás?” de Miguel Fernandes, o Concerto dos Contraponto, o workshop 'O ciclo do mel explicado aos mais pequenos', os concursos de Bolo de Mel e Rabanadas de Mel, entre muitas outras atratividades.