Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

PONTE DE LIMA REALIZA COLÓQUIO SOBRE AS “MEMÓRIAS E TRABALHOS DA VIDA DE NORTON DE MATOS”

Auditório Municipal de Ponte de Lima – 25 de Março

No âmbito das comemorações dos 150 anos do aniversário do General Norton de Matos, o Município de Ponte de Lima realiza no próximo sábado, 25 de março, um colóquio intitulado “Memórias e trabalhos da vida de Norton de Matos”.

Programa_Norton de Mastos.jpg

A iniciativa, que conta com a inestimável colaboração da Casa Norton de Matos e do Prof. Doutor Armando Malheiro da Silva, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem já confirmada a presença de conceituados investigadores que se dedicaram ao estudo do General Norton de Matos designadamente a Profª. Doutora Heloísa Paulo (Centro de Investigação de Estudos Interdisciplinares do Século XX, da Universidade de Coimbra), a Profª. Doutora Maria Manuel Afonso da Fonte (Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa), o Prof. Doutor Sérgio Neto (Centro de Investigação de Estudos Interdisciplinares do Século XX, da Universidade de Coimbra) e a Profª Doutora Helena Pinto Janeiro (Instituto de História Contemporânea, da FCSH da Universidade Nova de Lisboa).

O colóquio vai realizar-se no Auditório Municipal. Para mais informações contacte o Arquivo Municipal de Ponte de Lima, através do seguinte email: arquivo@cm-pontedelima.pt.

MEMORIAS_E_TRABALHOS_DA_MINHA_VIDA_11713_A_1024x1024.jpg

“BRAGA À LUPA” ABORDA PROCISSÃO DAS CINZAS DA VENERÁVEL ORDEM TERCEIRA DE BRAGA

Próxima sessão a 22 de Março, às 21h15

‘A Procissão das Cinzas da Venerável Ordem Terceira de Braga’ é o tema da próxima sessão do ‘Braga à Lupa’, que se realiza esta Quarta-feira, 22 de Março, às 21h15, na sacristia da Igreja dos Terceiros. Organizada pelo Município de Braga, o ‘Braga à Lupa’ é uma iniciativa integrada no programa ‘À Descoberta de Braga’ e desafia os Bracarenses a descobrir e a reflectir sobre um aspecto desconhecido e aliciante da Cidade.

CMB16022016SERGIOFREITAS000000683.jpg

A próxima sessão terá como convidados José Sousa Ribeiro (Universidade do Minho) e Rui Ferreira (Câmara Municipal de Braga). As inscrições são limitadas, devendo ser efectuadas através do e-mail cultura@cm-braga.pt.

A Procissão das Cinzas costumava marcar o arranque da Quaresma em Braga. Desaparecido do quotidiano da Cidade há mais de um século, este préstito marcava o início da Quaresma com um imponente cerimonial público proveniente da igreja dos Terceiros, onde desfilavam centenas de corporações religiosas carregando andores e lanternins entre cânticos e orações.

Organizado pela Ordem Terceira de S. Francisco desde o último quartel do século XVII, realizava-se na tarde da quarta-feira de Cinzas e era composto por um elevado número de andores. Ainda hoje se conserva, na Igreja dos Terceiros, os exemplares do Património Móvel que compunham esta procissão.

FOLKLOURES É A GRANDE FESTA DA CULTURA TRADICIONAL PORTUGUESA E DAS COMUNIDADES IMIGRANTES

O Folclore contribui para o conhecimento mútuo, paz e amizade entre os povos

A edição deste ano do FolkLoures’17 – Encontro de Culturas, vai ter o seu início no dia 24 de Junho com a realização de uma exposição e de uma palestra, prolongando-se durante toda a semana até ao dia 1 de Julho, altura em que tem lugar o espectáculo de culturas tradicionais.

Cartaz2017Novo.jpg

Trata-se de uma grandiosa iniciativa de cariz tradicional organizada pelo Grupo Folclórico Verde Minho em colaboração com a Câmara Municipal de Loures, a ter lugar por ocasião das festas do concelho de Loures. Este evento privilegia o folclore da região saloia e ainda de todo o país e das comunidades que constituem actualmente o mosaico social e cultural da região, contribuindo para a inclusão e a promoção da paz entre os povos através do encontro das suas culturas tradicionais.

Mais do que qualquer outra manifestação de índole cultural e desportiva, é o Folclore a forma de expressão cultural que melhor contribui para a paz entre os povos, no respeito das suas diferenças e identidade.

FOLKLOURES'16 260

O programa do FolkLoures’17 é o seguinte:

FOLKLOURES'17 - Encontro de Culturas

PROGRAMA

Dia 24 de Junho

- 16 horas. Inauguração da Exposição "Carroças da Região Saloia". Museu Municipal de Loures.

A exposição está patente ao público, até ao dia 1 de Julho, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (Excepto à Segunda-feira)

Entrada gratuita

- 16h30 horas. Palestra sobre "Usos e Costumes tradicionais da Região Saloia", pela Dr.ª Ana Paula de Sousa Assunção, a ter lugar no Auditório do Museu do Museu Municipal de Loures, com passagem pela exposição das Carroças.

Dia 1 de Julho

- 16 horas. Feira de artesanato. Abertura de tasquinhas

- 20 horas. Espetáculo de folclore e recriações da cultura tradicional

- 24 horas. Sessão de encerramento com fogo-de-artifício

GRUPOS PARTICIPANTES

Associação Tira-me da Rua (ATR) – Brasil

Grupo Coral Os Ceifeiros de Cuba - Baixo Alentejo

Gupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho – Minho

Grupo Folclórico “O Cancioneiro de Ovar” – Beira Litoral

Grupo Etnográfico Danças e Cantares da Nazaré – Estremadura

Associatia Miorita Portugalia – Moldávia

Rancho da União Cultural e Folclórica da Bobadela – Estremadura / Região Saloia

Grupo de Danças e Cantares da Madeira – Madeira

12999062_12-dig (30) (1).jpg

MUSEU MUNICIPAL DE LOURES EXPÕE “CARROÇAS DA REGIÃO SALOIA”

O Museu Municipal de Loures participa no FolkLoures’17 com a realização de uma exposição subordinada ao tema “Carroças da Região Saloia”, a ter lugar nas instalações do próprio museu, com inauguração prevista no dia 24 de Junho, pelas 16 horas. A exposição tem entrada gratuita e ficará patente ao público, até ao dia 1 de Julho, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 (Excepto à Segunda-feira).

O Museu Municipal de Loures encontra-se instalado na Quinta do Conventinho, sita na Estrada Nacional, 8, em Santo António dos Cavaleiros, a escassos 4 quilómetros de Loures, um edifício conventual contruído na segunda metade do século XVI.

Constituído em 26 de julho de 1998, o Museu encontra-se instalado no 13.º convento dos frades franciscanos da Província de Santa Maria da Arrábida, apresentaposições de  exposições de temática arqueológica e etnográfica, com o intuito de dar a conhecer a realidade e a vivência das populações rurais do município de Loures, assim como a sua história. Possui duas salas de exposições, oficinas, reservas visitáveis, um centro de documentação especializado em história local, loja, cafetaria com esplanada, parque de estacionamento e acesso para pessoas com mobilidade reduzida.

foto romenia (1).jpg

HISTORIADORA ANA PAULA ASSUNÇÃO PROFERE PALESTRA SOBRE “USOS E COSTUMES DA REGIÃO SALOIA”

A Historiadora e Museóloga Prof. Doutora Ana Paula de Sousa Assunção subordinada ao tema “Usos e Costumes Tradicionais da Região Saloia”, a ter lugar no Auditório do Museu do Museu Municipal de Loures, no dia 24 de Junho, pelas 16h30. A iniciativa insere-se no programa do FolkLoures’17 – Encontro de Culturas que se prolonga até ao dia 1 de Julho, altura em que tem lugar um grandioso festival de cultura tradicional no Parque da Cidade, em Loures.

A Prof. Doutora Ana Paula de Sousa Assunção é historiadora e museóloga, Mestre em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É autora de programas museológicos, reformulações de programas e criação de serviços inovadores. Conceção científica do Centro UNESCO A casa da terra. Comissária de exposições de vária índole com museografia de inclusão e género.

Tem como áreas científicas preferenciais a História Local, Saúde, Património industrial (com destaque para Fábrica de Loiça de Sacavém, Oliveira Rocha/Oliveira do Bairro), Património Cultural Imaterial, Património Religioso /obra de arte total – Cripto -história. Exerceu voluntariado na Igreja Matriz de Bucelas com descobertas de cariz científico sobre entalhador, Francisco Lopes. (Artigo no prelo). Musealização da Igreja e interpretação dos espaços em visitas.

Pelo seu trabalho, tem recebido várias distinções de Mérito Cultural e Prémios no campo da Museologia a nível nacional e internacional.

O FolkLoures apresenta um programa cultural rico e diversificado que, sob o impulso e capacidade organizativa do Rancho Folclórico Verde Minho, catapulta o concelho de Loures para a ribalta da cultura tradicional portuguesa.

11990453_1704674056423198_4190839433383492462_n.jpg

1011304_571855422867079_560564853_n (1).jpg

15669943_kl80v (1).jpeg

12540961_136845383358170_7679897381605889880_n (2).jpg

14264885_1155472347866155_2807760375958106450_n (1).jpg

969870_209986322489112_234369670_n.jpg

779526635499309 (1).jpg

FOLKLOURES’17: HISTORIADORA ANA PAULA ASSUNÇÃO PROFERE PALESTRA SOBRE “USOS E COSTUMES DA REGIÃO SALOIA”

A Historiadora e Museóloga Prof. Doutora Ana Paula de Sousa Assunção profere uma palestra subordinada ao tema “Usos e Costumes Tradicionais da Região Saloia”, a ter lugar no Auditório do Museu do Museu Municipal de Loures, no dia 24 de Junho, pelas 16h30. A iniciativa insere-se no programa do FolkLoures’17 – Encontro de Culturas que se prolonga até ao dia 1 de Julho, altura em que tem lugar um grandioso festival de cultura tradicional no Parque da Cidade, em Loures.

foto romenia.jpg

O Museu Municipal de Loures encontra-se instalado na Quinta do Conventinho, sita na Estrada Nacional, 8, em Santo António dos Cavaleiros, a escassos 4 quilómetros de Loures.

A Prof. Doutora Ana Paula de Sousa Assunção é historiadora e museóloga, Mestre em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É autora de programas museológicos, reformulações de programas e criação de serviços inovadores. Conceção científica do Centro UNESCO A casa da terra. Comissária de exposições de vária índole com museografia de inclusão e género.

Tem como áreas científicas preferenciais a História Local, Saúde, Património industrial (com destaque para Fábrica de Loiça de Sacavém, Oliveira Rocha/Oliveira do Bairro), Património Cultural Imaterial, Património Religioso /obra de arte total – Cripto -história. Exerceu voluntariado na Igreja Matriz de Bucelas com descobertas de cariz científico sobre entalhador, Francisco Lopes. (Artigo no prelo). Musealização da Igreja e interpretação dos espaços em visitas.

Pelo seu trabalho, tem recebido várias distinções de Mérito Cultural e Prémios no campo da Museologia a nível nacional e internacional.

Nesse mesmo dia e local, terá ainda lugar outra iniciativa cultural integrada no programa da edição deste ano do FolkLoures, a qual contamos divulgar muito brevemente. Trata-se, pois, de um programa cultural rico e diversificado que, sob o impulso e capacidade organizativa do Rancho Folclórico Verde Minho, catapulta o concelho de Loures para a ribalta da cultura tradicional portuguesa.

PÓVOA DE LANHOSO DEBATE CAMINHO DE SANTIAGO DE COMPOSTELA

Palestra e abertura da exposição de fotografias. O Caminho de Santiago de Compostela – um Caminho para todos, no Castelo de Lanhoso

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, em parceria com a Associação Espaço Jacobeus (AEJ) – Delegação de Braga, vai organizar uma palestra subordinada ao tema “O Caminho de Santiago de Compostela – um Caminho para todos”, que terá lugar no Castelo de Lanhoso, no dia 10 de março, pelas 21h00.

Caminho de Santiago.jpeg

Além de uma contextualização histórica sobre os principais caminhos que atravessam Portugal em direção a Santiago de Compostela, serão abordadas questões como a recente proposta de inclusão do Caminho Português de Santiago na lista de Património da Humanidade, a candidatar à UNESCO, pela Associação Espaço Jacobeus e pela Associação Via Lusitana, e as implicações que esta candidatura representa para o território português e espanhol.

Serão, também, narradas as constantes peregrinações que os membros da AEJ – Delegação de Braga realizam e, em função dessa experiência acumulada, esta será uma boa forma de dissipar as dúvidas sobre as etapas, as distâncias, o que levar, os albergues e o que visitar ou simplesmente de trocar experiências vividas ao longo do Caminho de Santiago de Compostela.

Em seguida, proceder-se-á à abertura de uma exposição de fotografias, que resulta da recolha fotográfica efetuada pelos membros da AEJ – Delegação de Braga, no decurso de algumas peregrinações inclusivas a Santiago de Compostela, evidenciando as diversas experiências, sensibilidades e dificuldades com que os/as peregrinos/as se deparam ao longo do Caminho.

Apesar de todas as dificuldades inerentes à transposição das barreiras físicas, que ainda subsistem, o espírito colaborativo faz com que as jornadas a Santiago de Compostela sejam um Caminho para todos. Esta exposição pode ser visitada entre 10 e 24 de março de 2017.

EURODEPUTADO JOSÉ MANUEL FERNANDES APROXIMA O MINHO DA EUROPA

Eurodeputado José Manuel Fernandes apresentou em Famalicão a edição Minho de 2017 da obra “Pela Nossa Terra”

Foi “Pela Nossa Terra” que o eurodeputado minhoto José Manuel Fernandes criou a agenda anual que aproxima o Minho da Europa e a Europa do Minho. A edição 2017 da publicação foi lançada na passada sexta-feira, 18 de fevereiro, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, com apresentações do eurodeputado Francisco Assis e do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha.

DSC_2258.jpg

À cerimónia associaram-se perto de duas centenas de pessoas, onde se destacavam vários autarcas minhotos, alguns deputados à Assembleia da República e diversas personalidades de diferentes quadrantes políticos da região.

“Trata-se de uma iniciativa singular, que dá um enorme contributo para o reforço do sentimento de pertença dos cidadãos ao Minho, ao país e à Europa, potenciando o exercício de uma cidadania plena e esclarecida”, disse o autarca famalicense. “Este livro presta um bom serviço à Europa” disse, por sua vez, Francisco Assis realçando a importância do projeto europeu que, considerou, “cada vez mais importante no mundo de incertezas em que nos encontramos”.

Francisco Assis, aproveitou a oportunidade aberta pela apresentação do livro para reafirmar a sua posição de “europeísta convicto”. E fundamentou: “no continente onde tiveram origem os maiores conflitos armados da humanidade, a União Europeia assegurou paz com democracia, paz com desenvolvimento, paz com segurança”.

Por isso, Francisco Assis não tem dúvidas de que “na Europa vamos ter necessidade de voltar a falar uns com os outros e de promover entendimentos".

O Livro “Pela Nossa Terra – Minho 2017” tem como temas centrais os novos desafios da União Europeia e o Plano Juncker, a par de um olhar sobre a realidade atual da região minhota.  Ao longo das 288 páginas do livro, José Manuel Fernandes disponibiliza informação, suscita o interesse e provoca a reflexão sobre matérias relevantes para a atualidade da União Europeia (EU) e da região. Entre os temas europeus focados estão o Brexit, o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) – o chamado Plano Juncker – e a realidade orçamental da UE.

Numa altura em que, como refere o autor, “atingimos o ‘pico’ do movimento global nacionalista” e em que “o mundo está cada vez mais imprevisível e perigoso”, José Manuel Fernandes avisa que “este é o momento da UE unir-se”. Relator do Parlamento Europeu para o reforço do FEIE, o eurodeputado aponta o Plano Juncker como “um exemplo objetivo da capacidade da União Europeia em encontrar respostas e mecanismos comuns para superar as dificuldades”. E destaca a “oportunidade” que este fundo “representa para Portugal e para a região do Minho”, onde tem “incentivado a união de vontades e a parceria de projetos e candidaturas”.

Esta publicação, de edição anual e lançada pela primeira vez em 2011, fornece informações sobre todos os concelhos do Minho. A edição deste ano evidencia números do INE sobre o envelhecimento da população e a diminuição demográfica, “dois grandes desafios que a Europa e Portugal enfrentam e aos quais a Estratégia Europa 2020 procura também dar resposta”, sublinha o eurodeputado.

Na publicação são igualmente partilhadas informações de agenda e respetiva calendarização, onde se incluem as festas e romarias da região, as comemorações dos dias internacionais e citações de diferentes autores, juntamente com definições do Dicionário de Termos Europeus – uma obra em permanente atualização e que é coordenada pelo também eurodeputado social democrata Carlos Coelho.

DSC_2442.jpg

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DE VIANA DO CASTELO PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE A SUSTENTABILIDADE DA FLORESTA E DA PAISAGEM

Conferência sobre a importância do solo para a sustentabilidade da floresta e da paisagem no Minho  

No próximo dia 16 de Fevereiro (quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, Luís Miguel Brito, professor da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, apresenta a comunicação “Importância da matéria orgânica do solo para a sustentabilidade da floresta e da paisagem do Minho”. Trata-se da terceira conferência do VIII Ciclo de Estudos promovido pelo Centro de Estudos Regionais, intitulado “Floresta e Mundo Rural: Património, sustentabilidade e saúde”.

Luís Miguel Brito é professor coordenador da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC). É licenciado em Engenharia Agronómica pelo Instituto Superior de Agronomia, da Universidade de Lisboa (1983), mestre (1989) e doutorado (1994) pela Universidade de Reading, do Reino Unido, e agregado pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (2016). Desenvolve a sua atividade na Área Científica de Ciências da Vida e da Terra do IPVC e no Centro de Investigação de Montanha (CIMO). Tem desenvolvido a sua atividade de investigação em compostagem de resíduos orgânicos, fertilidade do solo, nutrição vegetal e agricultura biológica.

A entrada é livre.

POVOA DE LANHOSO DEBATE REFORMAS ADMINISTRATIVAS DESDE MEADOS DO SÉCULO XIX ATÉ A ACTUALIDADE

A 25 de fevereiro, no âmbito do Ciclo de Conferências “Maria da Fonte no seu e no nosso tempo” Póvoa de Lanhoso debate “Reforma e Reorganização Administrativa Territorial Autárquica em 1836 e hoje”

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promove, no próximo dia 25 de fevereiro e no âmbito do Ciclo de Conferências “Maria da Fonte no seu e no nosso tempo”, a iniciativa intitulada “Reforma e Reorganização Administrativa Territorial Autárquica em 1836 e hoje”.

Maria da Fontemm.jpg

“Na continuação das comemorações dos 170 anos da Revolução da Maria da Fonte, o Município organizará mais este momento, cujo objetivo será estabelecer um paralelo entre a reforma administrativa de 1836 e a atual. Perceber as diferenças entre os impactos causados por ambas as reformas pode dar-nos pistas para o que poderá acontecer numa futura reorganização administrativa”, salienta o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues. “Este é, portanto, um tema atual e consideramos que esta é uma excelente oportunidade para ouvir dois especialistas nesta área”, acrescenta.

A atividade tem início, às 16h00, no Núcleo Documental do Centro Interpretativo Maria da Fonte, com a abertura da exposição “Propostas para uma Reforma Territorial Administrativa da Póvoa de Lanhoso em 1845”.

Seguir-se-ão duas Conferências. A primeira, designada “Municípios e Freguesias – da Maria da Fonte aos Nossos Dias”, terá como orador António Cândido Oliveira, Professor Catedrático Jubilado da Universidade do Minho e membro do NEDAL – Núcleo de Estudos de Direito da Administração Local.

A segunda irá abordar “A Reorganização Administrativa Territorial Contemporânea (2011-2013)” e terá como orador Pedro Madeira Froufe, Professor da Universidade do Minho e membro da UTRAT – Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa do Território. O início está marcado para as 16h30, no Centro Interpretativo Maria da Fonte. A entrada é gratuita.

Evocar os 170 anos da Revolução da Maria da Fonte

De lembrar que, com o intuito de assinalar a passagem dos 170 anos da Revolução da Maria da Fonte, foi preparado um Ciclo de Conferências pelo Centro Interpretativo Maria da Fonte (CIMF), acompanhadas por exposições paralelas e envolvendo alguns dos principais ou mais relevantes parceiros do CIMF.

Este Ciclo de Conferências, para além de evocar historicamente a passagem do 170.º aniversário da Revolução da Maria da Fonte, também denominada Revolução do Minho, propõe-se, conjuntamente com os jornais “Maria da Fonte” e “Correio do Minho” (que cumprem, respetivamente, 130 e 90 anos de existência), fazer transpor para a contemporaneidade um conjunto de temáticas relevantes consideradas “Ao tempo da Maria da Fonte” e que no nosso tempo renovam a sua pertinência.

Em fevereiro é o momento de recuperar a análise em torno da organização territorial administrativa do território nacional, que, entre 2011 e 2013, encetou algumas mudanças, mas muito distantes das reformas liberais de Passos Manoel e Mouzinho da Silveira há 180 anos atrás, as quais tiveram enormes repercussões e reflexos em muitos territórios e comunidades, como aconteceu na Póvoa de Lanhoso ao tempo da Maria da Fonte.

XXVIII JORNADAS TEOTONIANAS DEBATEM EM MONÇÃO “FÁTIMA EM CEM (100) ANOS - 1917/2017”

As jornadas deste ano, nos dias 17 e 18 de fevereiro, assinalam o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima com conferências de Pedro Valinho Gomes e Dário Pedroso. O Arciprestado de Monção refere que as conferências ajudarão a compreender melhor a mensagem de Fátima, um caminho que se percorre nas estradas nacionais ou no interior de cada um de nós.

cartaz Jornadas Teotonianas.jpg

O Arciprestado de Monção promove nos dias 17 e 18 de fevereiro, sexta-feira e sábado, a XXVIII edição das Jornadas Teotonianas. Este ano, que assinala o centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima, o tema central é “Fátima em Cem (100) Anos – 1917/2017”.

As conferências decorrem no Salão Paroquial de Monção, tendo início às 21h00. A semelhança das edições anteriores, a sala promete estar bem preenchida com público interessado e interventivo. Na sexta-feira, o palestrante será Pedro Valinho Gomes e, no sábado, Dário Pedroso.

Pedro Valinho Gomes é licenciado em Teologia com uma especialização em Estudos Bíblicos e doutoramento em Filosofia da Religião. Dário Pedroso é um sacerdote jesuíta com dezenas de obras publicadas, em particular sobre temas de espiritualidade cristã.

Sobre a temática deste ano, o Arciprestado de Monção refere que as conferências ajudarão a compreender melhor a mensagem de Fátima, tão esquecida e ignorada por tanta gente, adiantando que, cem anos depois dos acontecimentos narrados pelos pastorinhos, permanece a oportunidade de uma mensagem que continue a chamar e envolver o homem num caminho de conversão e mudança de vida.

Fátima é um caminho que se percorre nas estradas nacionais ou no interior de cada um de nós. Ainda temos na memória a visita da imagem peregrina a todas as dioceses de Portugal, onde se incluiu o Arciprestado de Monção, arrastando consigo multidões de fiéis que, jubilosamente, acompanharam a imagem peregrina e se concentraram em momentos de oração.

Em 1917, Nossa Senhora apareceu em Fátima a três crianças, trazendo uma mensagem revolucionária de ternura e afeto que transforma as pessoas por dentro e as leva a descobrir o sentido da vida e a alegria de viver em harmonia e saudável convivência.

Paulatinamente, juntaram-semultidões de pessoas que aspiravam por uma mensagem que, em dias de guerra, falava de paz e da conversão. Uma mensagem que Bento XVI definiu como “uma visão de paz e uma luz de esperança que se projeta sobre a história e que nela assumiu um lugar central”.

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DE VIANA DO CASTELO PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE PASTOREIO, PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS E GESTÃO DA BIODIVERSIDADE

No próximo dia 9 de Fevereiro (quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, tem lugar a segunda conferência do VIII Ciclo de Estudos promovido pelo Centro de Estudos Regionais, intitulado “Floresta e Mundo Rural: Património, sustentabilidade e saúde”. Hugo Novo, responsável pelo projeto 5ª Lógica, uma empresa familiar baseada nos princípios do desenvolvimento sustentável, apresentará a comunicação “Pastoreio planeado para a prevenção de incêndios e gestão da biodiversidade e da paisagem”.

Hugo Novo é natural de Viana do Castelo, com formação académica superior nas áreas da agricultura sustentável, biologia e geologia. Tem formação e experiência profissional na área da educação, formação e orientação profissional, bem como, em agronomia, nas áreas da fruticultura e produção de cogumelos saprófitos. Atualmente desenvolve um projeto de caprinicultura para a prevenção de incêndios e na gestão da paisagem e biodiversidade na reserva da biosfera Gerês-Xúres: 5ª Lógica, adote uma cabra.

A entrada é livre e a sessão termina com um período de debate aberto aos presentes.

16507937_1293016434054142_5058415637787269156_n.jpg

“NÃO DESISTO DE MIM” DE PAULA SOUSA APRESENTADO SÁBADO EM CAMINHA

Sessão decorre na Biblioteca Municipal de Caminha, pelas 17H30

No Dia Mundial do Cancro, que se assinala amanhã, dia 4 de fevereiro, em Caminha vai ser apresentada a biografia “Não desisto de mim”, de Paula Sousa, uma mulher que aos 50 anos já conseguiu ultrapassar 2 cancros. A sessão de apresentação vai decorrer na Biblioteca Municipal de Caminha, amanhã, pelas 17H30.

capa livropaulasousa.jpg

“Não desisto de mim” conta uma parte da vida de Paula Sousa que, aos 50 anos, já foi submetida a 29 cirurgias e venceu dois cancros: “a sua história é sobre os desafios ao limite do Ser Humano”. A autora na sua página na rede social Facebook escreve: “ganhei esta história de vida, porque sou forte o bastante para vivê-la. Cada dia é por si só uma vida”.

António Santos, Dermatologista no IPO do Porto e no Instituto CUF, escreve no prefácio do livro: “Dizem que a vida é um caminho nem sempre linear, algo tortuoso, mas sempre uma dádiva.  Na Medicina, temos a honra, o privilégio e a responsabilidade de cruzar o nosso caminho com a dos pacientes. Há uma dúzia de anos conheci a Paula, poucas queixas, muitos sinais, um deles atípico: um carcinoma basocelular (…). Foi assim que conheci a Fernanda, uma lutadora, estoica, grata, focada, sempre paciente, nunca doente. Afogando o desânimo no seio de uma família estável e feliz, onde o apoio mútuo foi sempre notório e resiliente, nunca lhe perspetivei resignação nem acomodação. (…) É uma paciente que nos transfere vida. (…) A Fernanda mais que um atlas de Medicina, é um compêndio sobre a arte de viver, uma fonte de inspiração para ultrapassar os desafios que amiúde bloqueiam o caminho”.

Na sinopse do livro lê-se: “vencedora de dois cancros. Vinte e nove cirurgias. Um bebé in vitro. Viveu com uma tuberculose oculta durante vários anos. Paula Sousa convive atualmente com três inimigos, uma Paniculite uma Lipodermatoesclerose e um Eritema Nodoso, inimigos que fizeram do seu corpo um repouso e por lá habitam. A sua história é sobre os desafios ao limite do ser humano. Ganhou esta história de vida porque é forte o bastante para vivê-la. É através destas páginas que pretende tocar-vos com a sua biografia e deixar um pouco como inspiração uma atitude de viver. E neste seu gesto de amor à vida surge a magia a cada dia. Deixa que o sol seja o seu guia e faça o seu roteiro. O seu sorriso ergue-a. O mar que a envolve torna-a guerreira. E o vento permite-lhe levar o amor a todo o lado!”

paula sousa.jpg

TERRAS DE BOURO ESCLARECE AGRICULTORES

Colóquios sobre novos apoios aos agricultores de Terras de Bouro

0CAPAtbagro.jpg

O Gabinete de Apoio ao Agricultor do Município de Terras de Bouro irá organizar três sessões destinadas aos agricultores do concelho e a todos os que manifestarem interesse em assistir e participar e onde serão abordados os seguintes temas:

Regime de Pagamento Base;

Pagamento Ecológico – Greening;

Pagamento Redistributivo – NOVA;

Apoio aos Jovens Agricultores;

Pagamentos Ligados à Produção (Vacas Leiteiras, Aleitantes e Ovelhas e Cabras);

Regime da Pequena Agricultura – NOVIDADES;

Medidas Agroambientais (Agricultura Biológica, Produção Integrada, outras);

Manutenção da Atividade Agrícola em Zona Desfavorecida. 

As atividades, que decorrerão na sede da Junta de Freguesia de Carvalheira, dia 11 de fevereiro, pelas 20:30h, na sede da Junta de Freguesia de Rio Caldo, dia 18 de fevereiro, pelas 20:30h e no Salão Nobre dos Paços do Concelho, dia 6 de Março, pelas 10:30h, contarão com a presença e participação de técnicos da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas do Crédito Agrícola de Portugal, CCRL (CONFAGRI) na função de oradores.

tboagr (1).jpg

tboagr (2).jpg

tboagr (3).jpg

 

IRMANDADE DE S. VICENTE DE BRAGA ENCERRA CICLO DE CONFERÊNCIAS

No âmbito do programa cultural da Romaria em honra do Mártir São Vicente e Festividades da Nª Sª da Luz, a Irmandade de São Vicente de Braga e, respetiva Paróquia, levam a efeito amanhã, pelas 21:30h, na igreja, sita na rua de São Vicente, s/ nº, desta cidade de Braga, a última conferência alusiva às festas do padroeiro.

isv_fts_adalberto_0022 (2).jpg

2ª Conferência

03 | fev.(sex)

Tema: “Intervenção arqueológica em espaços religiosos”*

Convidado: Prof. Doutor Luís Fontes, arquólogo da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM) e, docente da UMinho

Moderação: José Pinto, Juiz Presidente da Irmandade

Local: Igreja paroquial de São Vicente, rua de São Vicente, Braga Hora: 21:30h

plantasvice.jpg

*No final da conferência, irá a leilão uma fotografia do interior da Igreja de São Vicente, oferecida por Libório Manuel Silva, editor e co-autor, da mais recente obra «Azulejo em Braga. O Largo Tempo do Barroco». Insere-se este leilão, na campanha de angariação de fundos "Abrigar São Vicente". A base de licitação da foto é de: 25,00 Palmas vicentinas. Os interessados, poderão fazer chegar as suas propostas diretamente na sacristia, das 09:30h às 12:00h e das 16:00h às 18:30h, ou através do email: "irmandadesaovicente@gmail.com"

Com estas duas conferências temáticas, a Irmandade de São Vicente de Braga encerra o programa de 2015 da festa em honra do seu padroeiro.

capa livro.jpg

 

Luís_Fontes_arqueologia_uaum (1).jpg

 

isv_fts_azulejos_igreja0009.jpg

IRMANDADE DE S. VICENTE DE BRAGA ENCERRA CICLO DE CONFERÊNCIAS

No âmbito do programa cultural da Romaria em honra do Mártir São Vicente e Festividades da Nª Sª da Luz, a Irmandade de São Vicente de Braga e, respetiva Paróquia, levam a efeito amanhã, pelas 21:30h, na igreja, sita na rua de São Vicente, s/ nº, desta cidade de Braga, a última conferência alusiva às festas do padroeiro.

isv_fts_adalberto_0022 (2).jpg

2ª Conferência

03 | fev.(sex)

Tema: “Intervenção arqueológica em espaços religiosos”*

Convidado: Prof. Doutor Luís Fontes, arquólogo da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM) e, docente da UMinho

Moderação: José Pinto, Juiz Presidente da Irmandade

Local: Igreja paroquial de São Vicente, rua de São Vicente, Braga Hora: 21:30h

plantasvice.jpg

*No final da conferência, irá a leilão uma fotografia do interior da Igreja de São Vicente, oferecida por Libório Manuel Silva, editor e co-autor, da mais recente obra «Azulejo em Braga. O Largo Tempo do Barroco». Insere-se este leilão, na campanha de angariação de fundos "Abrigar São Vicente". A base de licitação da foto é de: 25,00 Palmas vicentinas. Os interessados, poderão fazer chegar as suas propostas diretamente na sacristia, das 09:30h às 12:00h e das 16:00h às 18:30h, ou através do email: "irmandadesaovicente@gmail.com"

Com estas duas conferências temáticas, a Irmandade de São Vicente de Braga encerra o programa de 2015 da festa em honra do seu padroeiro.

capa livro.jpg

 

Luís_Fontes_arqueologia_uaum (1).jpg

 

isv_fts_azulejos_igreja0009.jpg

IRMANDADE DE S. VICENTE DE BRAGA ENCERRA CICLO DE CONFERÊNCIAS

No âmbito do programa cultural da Romaria em honra do Mártir São Vicente e Festividades da Nª Sª da Luz, a Irmandade de São Vicente de Braga e, respetiva Paróquia, levam a efeito amanhã, pelas 21:30h, na igreja, sita na rua de São Vicente, s/ nº, desta cidade de Braga, a última conferência alusiva às festas do padroeiro.

isv_fts_adalberto_0022 (2).jpg

2ª Conferência

03 | fev.(sex)

Tema: “Intervenção arqueológica em espaços religiosos”*

Convidado: Prof. Doutor Luís Fontes, arquólogo da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM) e, docente da UMinho

Moderação: José Pinto, Juiz Presidente da Irmandade

Local: Igreja paroquial de São Vicente, rua de São Vicente, Braga Hora: 21:30h

4 (1).jpg

*No final da conferência, irá a leilão uma fotografia do interior da Igreja de São Vicente, oferecida por Libório Manuel Silva, editor e co-autor, da mais recente obra «Azulejo em Braga. O Largo Tempo do Barroco». Insere-se este leilão, na campanha de angariação de fundos "Abrigar São Vicente". A base de licitação da foto é de: 25,00 Palmas vicentinas. Os interessados, poderão fazer chegar as suas propostas diretamente na sacristia, das 09:30h às 12:00h e das 16:00h às 18:30h, ou através do email: "irmandadesaovicente@gmail.com"

Com estas duas conferências temáticas, a Irmandade de São Vicente de Braga encerra o programa de 2015 da festa em honra do seu padroeiro.

capa livro.jpg

 

Luís_Fontes_arqueologia_uaum (1).jpg

 

isv_fts_azulejos_igreja0009.jpg

FAMALICÃO: PADRE LINO MAIA PARTICIPA EM CONFERÊNCIA DO PSD SOBRE O SECTOR SOCIAL E O PODER LOCAL

Ciclo de Conferência Dr. Carlos Bacelar regressa sexta-feira, 3 de fevereiro

O Padre Lino Maia, Presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, é o próximo convidado do “Ciclo de Conferências Dr. Carlos Bacelar”, iniciativa da Comissão Política Concelhia (CPC) do PSD de Vila Nova de Famalicão que procura contribuir para o debate de ideias, partilhando opiniões e convocando a população para o exercício de uma cidadania ativa.

Padre Lino Maia(2).jpg

“O Terceiro Sector e o Poder Local” foi o tema escolhido para esta terceira conferência que, seguindo uma lógica descentralizadora, terá lugar na Engenho – Associação de Desenvolvimento Local do Vale do Este, em Arnoso Santa Maria, na próxima sexta-feira, dia 3 de fevereiro, pelas 21h00. Marcarão presença o Presidente e o Vice-Presidente da CPC, Paulo Cunha e Jorge Paulo Oliveira, respetivamente, entre outras figuras do partido. 

Comummente entendido como o conjunto das atividades de organizações da sociedade civil criadas por iniciativa dos cidadãos para prestação de serviços públicos em áreas como a solidariedade social, a saúde, a educação ou a cultura, o terceiro sector tem uma forte expressão em Vila Nova de Famalicão, onde as suas 43 Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) mobilizam perto de 2 mil trabalhadores, acolhendo, auxiliando e acompanhando cerca de 7800 cidadãos.

Padre Lino Maia(1).jpg

IRMANDADE DE S. VICENTE DE BRAGA REALIZA CONFERÊNCIAS DEDICADAS AO MÁRTIR

1ª Conferência

27 | jan.(sex)

Tema: Azulejos entre talha(s)” *

Convidado: Doutor Eduardo Pires de Oliveira, investigador e especialista em História da Arte

Moderação: José Pinto, Juiz Presidente da Irmandade

Local: Igreja paroquial de São Vicente, rua de São Vicente, Braga

Hora: 21:30h

isv_fts_adalberto_0025.jpg

2ª Conferência

03 | fev.(sex)

Tema: “Intervenção arqueológica em espaços religiosos”

Convidado: Prof. Doutor Luís Fontes, arquólogo da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM) e, docente da UMinho

Moderação: José Pinto, Juiz Presidente da Irmandade

Local: Igreja paroquial de São Vicente, rua de São Vicente, Braga

Hora: 21:30h

*No final da conferência, irá a leilão uma fotografia do interior da Igreja de São Vicente, oferecida por Libório Manuel Silva, editor da obra: «Azulejo em Braga - O Largo Tempo do Barroco». Insere-se este leilão, na campanha de angariação de fundos "Abrigar São Vicente". A base de licitação da foto é de: 25,00€. Os interessados, poderão fazer chegar as suas propostas diretamente na sacristia, das 09:30h às 12:00h e das 16:00h às 18:30h, ou através do  email: "irmandadesaovicente@gmail.com", e, ainda no final da Conferência.

Com estas duas conferências temáticas, a Irmandade de São Vicente de Braga encerra o programa de 2017 da festa em honra do seu padroeiro.

isv_fts_adalberto_0022.jpg

1654269_534914086644996_8875194115545053569_n.jpg

10926401_558978184238586_2451275364802925389_n.jpg

FAMALICÃO INICIA NOVO CICLO DE CONFERÊNCIAS NO MUSEU BERNARDINO MACHADO

Arranque do novo ciclo de conferências e lançamento de obras marcam atividades no Museu

O Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, preparou para este fim-de-semana, duas grandes iniciativas, relacionadas com o seu patrono.

Museu Bernardino Machado 001.jpg

Esta sexta-feira, dia 27, pelas 21h30, arranca a primeira conferência do novo ciclo dedicado ao tema “Os partidos e as grandes questões da I República”. A sessão decorre na Sala Júlio Machado Vaz e conta com a intervenção do Prof. Doutor Paulo Ferreira da Cunha que vai debater “Os deputados republicanos e a Lei Fundamental de 1911: convergências e divergências”. O colóquio, com entrada livre, está acreditado para os professores dos grupos 200, 300, 400 e 410 que devem inscrever-se, para o efeito, através do email do Centro de Formação cf@esccb.pt.

O conferencista é professor catedrático e diretor do Instituto Jurídico Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade do Porto.

Entretanto, no sábado, pelas 15 horas, será lançada a Obra “Política III Tomo 6”, de Bernardino Machado, apresentada pelo Prof. Doutor Norberto Ferreira da Cunha, Coordenador Científico deste museu.

O Tomo VI das Obras Políticas de Bernardino Machado divide-se em 2 partes: A primeira contém uma introdução que sintetiza o pensamento de Bernardino Machado, durante o ano de 1920; a segunda é constituída por um conjunto de textos das suas intervenções parlamentares, desde os fins de 1919, até ao final de 1920. Os temas deste volume subdividem-se em estruturais e centrais, entre os primeiros, salienta-se o poder executivo, o poder legislativo, o poder judicial e as questões socioeconómicas; Entre os segundos, os partidos políticos, o dezembrismo e a revolta monárquica de 1919, a questão colonial e a política externa (a Conferência de Paz, a Sociedade das Nações e as relações com o Brasil). A entrada é livre.

Museu Bernardino Machado 035.jpg

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DE VIANA DO CASTELO PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE SUSTENTABILIDADE DO MUNDO RURAL

Conferência sobre sustentabilidade do mundo rural e património cultural promovida pelo Centro de Estudos Regionais

No próximo dia 26 de Janeiro (quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, tem lugar a primeira conferência do VIII Ciclo de Estudos promovido pelo Centro de Estudos Regionais, intitulado “Floresta e Mundo Rural: Património, sustentabilidade e saúde”. Os antropólogos Pedro Pereira e Mário João Braga apresentarão a comunicação com o título “A sombra do tempo - contributos para a sustentabilidade do mundo rural através da valorização do património cultural”.  

16113934_1275763662446086_7422824336786839476_n.jpg

Pedro Pereira é professor adjunto do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, onde leciona diversas Unidades Curriculares do campo da Sócio-Antropologia. Doutorado, mestre e licenciado em Antropologia, desenvolve investigação sobre temas de religião, saúde, enfermagem e património cultural. É investigador do CAPP-ISCSP (Universidade de Lisboa).

Mário João Braga é doutorando em Relações Interculturais e investigador no Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais – CEMRI, da Universidade Aberta.

A entrada é livre e a sessão termina com um período de debate aberto aos presentes.

PONTE DE LIMA EVOCA NORTON DE MATTOS

Memórias e trabalhos da Vida de Norton de Matos. Auditório Municipal de Ponte de Lima – 25 de Março

No âmbito das comemorações dos 150 anos do aniversário do General Norton de Matos, o Município de Ponte de Lima irá realizar no dia 25 de março um colóquio intitulado “Memórias e trabalhos da vida de Norton de Matos”.

norton_de_matos_coloquio.jpg

A iniciativa, que conta com a inestimável colaboração da Casa Norton de Matos e do Prof. Doutor Armando Malheiro da Silva, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, tem já confirmada a presença de conceituados investigadores que se dedicaram ao estudo do General Norton de Matos designadamente a Profª. Doutora Heloísa Paulo (Centro de Investigação de Estudos Interdisciplinares do Século XX, da Universidade de Coimbra), a Profª. Doutora Maria Manuel Afonso da Fonte (Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa), o Prof. Doutor Sérgio Neto (Centro de Investigação de Estudos Interdisciplinares do Século XX, da Universidade de Coimbra) e a Profª Doutora Helena Pinto Janeiro (Instituto de História Contemporânea, da FCSH da Universidade Nova de Lisboa).

O colóquio vai realizar-se no Auditório Municipal. Para mais informações contacte o Arquivo Municipal de Ponte de Lima, através do seguinte email: arquivo@cm-pontedelima.pt.

MUSEU BERNARDINO MACHADO EM FAMALICÃO ORGANIZA CICLO DE CONFERÊNCIAS

Museu Bernardino Machado dá as respostas ao longo de 2017 com ciclo de conferências, encontros, exposições e lançamento de obras. Como surgiram os partidos políticos em Portugal? E quais eram as suas convicções?

Arranca na última sexta-feira de janeiro, dia 27, no Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, um novo ciclo de conferências dedicado ao tema “Os partidos perante as grandes questões da I República”. A temática dá, de resto, o mote para a programação anual do Museu que, para além do ciclo de conferências, se destaca pela organização dos Encontros de Outono e de três exposições documentais.

A problemática dos partidos e movimentos políticos em Portugal no período entre 1910 e 1973 serve, assim, de “chapéu” aos vários eventos programados para 2017. A escolha do tema respeita duas grandes razões, sendo que a primeira tem a ver com o patrono do Museu. “Bernardino Machado demonstrou sempre ao longo da sua vida uma grande preocupação com os partidos políticos, desde logo, pela sua génese, pela sua dimensão e pela sua convergência, daí que esta seja a razão maior pela escolha do tema”, explica a propósito o coordenador científico de Museu, Norberto Cunha. De acordo com o responsável a segunda razão tem a ver com a atualidade do tema e a forma como os cidadãos lidam hoje em dia com os partidos políticos. “Há atualmente uma pressão e exigência enormes dos cidadãos para com os partidos políticos, o que até é saudável do ponto de vista da democracia, mas há também falta de conhecimento e de informação sobre a forma como os partidos surgiram e como se desenvolveram”. Daí que, para Norberto Cunha, com estas iniciativas e através dos oradores convidados – “todos especialistas nos temas abordados” – o Museu “dá um enorme contributo para o conhecimento da história e para compreensão da atualidade”.

O coordenador científico, que é atualmente professor catedrático aposentado da Universidade do Minho, explica ainda as diferentes dimensões dos vários eventos. “Enquanto o ciclo de conferências se centra na relação dos partidos com as grandes questões da I República, como por exemplo, a questão religiosa, a educação, a questão colonial, a operária, entre muitas outras, os Encontros de Outono irão incidir sobre os próprios partidos e a sua constituição, nomeadamente o Partido Republicano Português, Evolucionista, Unionista, entre muitos outros”. Por sua vez, as exposições darão uma perspetiva histórica nacional e internacional sobre a questão dos partidos políticos. Serão ainda divulgadas exposições sobre a realidade local de Vila Nova de Famalicão.

O presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, elogiou a escolha desta temática no âmbito das atividades anuais do Museu, referindo que “o resultado destas atividades enriquecerá ainda mais o Museu, contribuindo para a sua afirmação nacional como um centro de investigação histórica de referência”.

O Museu Bernardino Machado que completou recentemente 15 anos está instalado no Palacete Barão da Trovisqueira, um majestoso edifício do século XIX, localizado bem no centro da cidade de Vila Nova de Famalicão. Para além da divulgação e valorização da figura de Bernardino Machado, um famalicense por adoção que foi Presidente de Portugal, por duas vezes, durante a I República, o Museu tem vindo a destacar-se na organização de diversos eventos e na produção de documentos que têm sido essenciais para investigadores e historiadores.

CICLO DE CONFERÊNCIAS ARRANCA DIA 27

São oito as conferências do ciclo “Os partidos perante as grandes questões da I República”. Decorrem ao longo dos meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho, setembro e outubro, com entrada livre. A primeira é já no próximo dia 27, a partir das 21h30, e o conferencista convidado é o constitucionalista e cultor da filosofia do direito e da política Ferreira da Cunha, Professor Catedrático de Direito da Faculdade de Direito da Universidade do Porto (desde 2001) e Diretor do Instituto Jurídico Interdisciplinar (desde 2002). O tema é “Os deputados Republicanos e a Lei Fundamental de 1911: convergências e divergências”.

Segue-se “Os partidos republicanos e a educação”, com a conferencista Maria Cândida Proença; “Os partidos Republicanos e a questão religiosa”, com Luís Salgado de Matos; “Os partidos políticos da I República e a questão colonial”, com Pedro Aires de Oliveira; “Os partidos políticos e a questão operária”, com Manuel Guimarães; “Os partidos políticos e os contrarrevolucionários monárquicos (1910-1926) com Miguel Santos; “Os partidos políticos e Bolchevismo”, com Norberto Cunha; “Os partidos políticos e as Forças Armadas”, com Luís Alves de Fraga.

Ciclo de Conferências _ Cartazfam.jpg

Elegeu-se como tema privilegiado do Ciclo de conferências, do Colóquio de Outono e de uma das três desejáveis exposições do Museu, para o ano de 2017, a problemática Partidos e movimentos políticos em Portugal (1910-1973). Dada a proliferação dos partidos políticos em tão vasto arco temporal e dado que o Museu tem finalidades gerais, sobretudo ligadas ao seu patrono, Bernardino Machado, que obriga a estabelecer prioridades, excluem-se os partidos políticos que surgiram depois do 25 de Abril de 1974 e não se incluem, como é óbvio, todos os partidos e movimentos políticos da I República, da Ditadura Militar pós-28 de Maio de 1926 e do Estado Novo.

O tema tem sobeja atualidade. Um amplo setor da opinião pública, ignorando e/ou desvalorizando a conexão umbilical e genética entre partidos políticos e democracia, não apenas se mostra céptico quanto aos partidos políticos (solicitando, por isso, tantas vezes, o reforço dos poderes presidenciais, como se a representação da vontade geral estivesse melhor assegurada por um guardião do que muitos) como, frequentes vezes, os acusam de instituições clientelares e sorvedouros da riqueza dos cidadãos, mais servindo para servir-se a eles e aos seus correligionários do que aos interesses gerais da nação que os elegeu; daí até os considerarem inúteis e nefastos, a distância não é longa. É uma hostilidade presente, dissociada duma perspetiva de futuro, que ignora as consequências que traria a supressão dos partidos políticos ou mesmo os perigos que traria, ainda que sendo um mal menor, a sua redução ao famigerado rotativismo bipolar que tivemos durante o período da Regeneração monárquica (que tende a dissociar a base social de apoio dos partidos dos seus órgãos dirigentes e a retirar representatividade político-partidária às minorias; enfim, a diminuir o alcance social da democracia, como sublinhou Locke). Estas são duas das principais razões, a que genericamente se poderia chamar a crise dos partidos políticos, que nos levaram a eleger o tema supracitado, embora esta denominação genérica não seja a mais apropriada, porque os partidos políticos, em democracia, não são estáticos mas dinâmicos e evolutivos e, nessa medida, estão, continuamente, em crise. Mas há uma outra razão que me despertou especial atenção na escolha deste tema: a formação de movimentos cívicos de opinião, de duração efêmera, que se 2 constituem para reivindicarem ou chamarem a atenção da opinião pública e dos poderes instituídos (seja do Governo central e local, seja dos partidos) para determinados temas ou problemas; são movimentos, organicamente, débeis, unidos apenas por um determinado tema nuclear (resíduos tóxicos, violência doméstica, homossexuais, alimentos, geneticamente, manipulados, etc.). Não pretendendo substituir-se aos partidos, mas completá-los têm inúmeras virtualidades políticas: mobilizam a participação política da sociedade civil (condição fundamental de qualquer democracia), interagem com as instituições democráticas, obrigam os partidos políticos a manter a sua atenção desperta para os problemas que preocupam a sociedade civil ou uma parte dela, etc..

Temos, pois, expostas as razões da escolha do tema que predominará nas atividades do Museu para o ano de 1917 que incluirá:

 - Oito conferências sobre Os partidos e movimentos políticos da I República nas suas relações com determinadas questões fundamentais desse período (os partidos e a questão religiosa, os partidos e a Constituição de 1911, o partidarismo e o transpartidarismo, os partidos políticos e os ´adesivos´, os partidos e as greves, os partidos e as ditaduras de Pimenta de Castro e Sidónio Pais, os partidos e a questão colonial, os partidos e a I Guerra Mundial, os partidos e o operariado, etc.).

 - Doze conferências nos Encontros de Outono (Novembro) sobre Os partidos e movimentos políticos (1910-1973) que incidirão sobre os seguintes partidos: o Partido Republicano Português, o Partido Evolucionista, o Partido Unionista, o Integralismo Lusitano, o Partido Republicano Nacionalista, o Partido Liberal, o Partido Reconstituinte, os partidos no ocaso da I República, a Seara Nova, a Aliança Republicano-Socialista, o Grupo de Renovação Democrática, o Partido Comunista, a União Nacional, o MUNAF/MUD, o MDP/CDE, etc.

Exposições: O Museu, como tem vindo a fazer no passado, terá dois tipos de exposições: aquelas que solicita, de empréstimo, a outras instituições e as que ele mesmo elabora. Umas e outras procuram quer manter a contínua atenção do público sobre as atividades do Museu, quer contribuir para a educação cívica dos cidadãos, conjugando nessas exposições o elemento iconográfico com o prosaico. As principais exposições que nos propomos elaborar são as que se seguem:

 - Uma sobre Os partidos e movimentos políticos da I República que terá como fonte principal de informação a obra fundamental do Prof. Ernesto Castro Leal (Universidade de Lisboa) sobre o assunto em epígrafe, cuja presença procuraremos trazer à sua abertura para proferir uma palestra sobre o assunto;

- Uma exposição sobre A Revolução Russa de 1917: uma perspetiva histórica (não só nacional mas internacional e cuja abertura terá uma mesa redonda, constituída por historiadores de renome);

 - As Aparições de Fátima (1917): sociedade, política e religião (que seguirá o modelo prático de execução da exposição anterior).

Para além destas três exposições, iremos organizar as seguintes exposições de âmbito local:

- Os Partidos Políticos em Famalicão durante a I República;

 - A Oposição Democrática em Famalicão.

“Obras” de Bernardino Machado

Como se tem vindo a fazer, também em 2017, continuaremos a publicação das Obras (políticas) de Bernardino Machado. Deste modo, esperamos consolidar, ainda mais, este projeto e continuar o resgaste público deste eminente republicano (desiderato que, até hoje, não se concretizou ainda para qualquer outra grande figura política desse período).

Ciclo de Conferências 2017

"Os partidos perante as grandes questões da I República"

1 – Os deputados republicanos e a Lei Fundamental de 1911: convergências e divergências Conferencista: Prof. Doutor Paulo Ferreira da Cunha

Data: 27 de janeiro

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

2 – Os partidos republicanos e a educação

Conferencista: Prof. Doutora Maria Cândida Proença

Data: 24 de fevereiro

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

3 – Os partidos republicanos e a questão religiosa

Conferencista: Prof. Doutor Luís Salgado de Matos

Data: 24 de março

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

4- Os partidos políticos da I República e a questão colonial

Conferencista: Prof. Doutor Pedro Aires de Oliveira

5 Data: 28 de abril

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado a

5- – Os partidos políticos e a questão operária

Conferencista: Prof. Doutor Manuel Guimarães

Data: 20 ou 27 de maio

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

6 – Os partidos políticos e os contra-revolucionários monárquicos (1910-1926)

Conferencista: Prof. Doutor Miguel Santos

Data: 17 de junho

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

7 – Os partidos políticos e o Bolchevismo

Conferencista: Prof. Doutor Norberto Cunha

Data: 29 setembro

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

8 – Os partidos políticos e as Forças Armadas

Conferencista: Coronel Doutor Luís Alves de Fraga

Data: 13, 20 ou 27 de outubro

Hora: 21h30

Local: Museu Bernardino Machado

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS APRESENTA CICLO DE ESTUDOS SOBRE A FLORESTA E MUNDO RURAL

Apresentação pública do Ciclo de Estudos “Floresta e Mundo Rural: Património, Sustentabilidade e Saúde”

No próximo dia 19 de Janeiro, na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, tem lugar a apresentação do programa do Ciclo de Estudos “Floresta e Mundo Rural: Património, sustentabilidade e saúde”, promovido pelo Centro de Estudos Regionais, no âmbito das atividades da sua Academia Sénior, que decorrerá entre Janeiro e Junho de 2017. 

10460128_948760388549825_905395077894519583_n.jpg

O Ciclo de Estudos “Floresta e Mundo Rural: Património, Sustentabilidade e Saúde” consiste num programa de conferências, visitas de estudo e atividades paralelas, focado na floresta, nos seus recursos e na relação com o espaço rural, visando-se a divulgação, discussão e aprofundamento do conhecimento desse património natural e cultural. Nesta edição, a oitava consecutiva, conceder-se-á particular atenção ao potencial económico e turístico da floresta e do mundo rural; às práticas que asseguram uma gestão sustentável, a proteção e conservação da biodiversidade; e à valorização do património cultural associado aos ecossistemas de montanha e à ruralidade, enquanto fator de desenvolvimento regional.

Nesta sessão pública, José Carlos Loureiro, presidente da direção do Centro de Estudos Regionais e coordenador do ciclo de estudos, apresentará uma breve justificação da iniciativa, indicará os seus objetivos e divulgará o programa.

VIZELA ORGANIZA COLÓQUIO DE REFLEXÃO ACERCA DA MORTE

Ponto Final. Parágrafo Colóquio sobre a Vida e a Morte

No livro “As Intermitências da Morte”, José Saramago escreveu que “morrer é, afinal de contas, o que há de mais normal e corrente na vida” e, embora havendo muitas outras considerações sobre o fenómeno, é um pouco com base nesta constatação que se vai realizar em Vizela, no dia 14 de Janeiro de 2017 às 15:00, um colóquio dedicado à morte designado “Ponto Final. Parágrafo”.

cartaz_pontofinalparagrafo.jpg

 

Decorrerá no auditório da Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Vizela e é de entrada livre. O evento contará com a presença de vários oradores, que em função das suas ocupações profissionais, experiências pessoais e formação académica, abordarão a morte em diferentes e interessantes perspetivas.

Maria do Resgate Salta, médica, numa abordagem pessoal; João Carlos Macedo, enfermeiro, professor e autor do livro “Educar para a morte”, sobre ética no fim de vida e a necessidade de uma educação tanatológica; João Batista, doutorado em psicologia clínica, sobre o projeto Consulta de Luto do qual é corresponsável, Vitor Monteiro, agente funerário, com uma apresentação dedicada à sua experiência profissional e Jorge Coelho, mestre, professor e investigador na área do turismo para explicitação do fenómeno Turismo Negro, são os convidados confirmados.

A presença da morte nas artes será evidenciada com um momento dedicado à poesia levado a efeito por parte de dois ilustres vizelenses, também eles com interesses culturais, Domingos Ferreira e o já mencionado Vitor Monteiro.

O colóquio tem como objetivo principal ajudar à desmistificação de um assunto que, mesmo estando sempre presente, é ainda muito evitado pela grande maioria das pessoas.

De forma descomprometida e informal, embora dedicado à morte, o colóquio servirá também para celebração da vida, sendo moderado por Ricardo Vieira, técnico da Câmara Municipal de Vizela.

Na génese e conceptualização do evento estão elementos da sociedade civil, sendo coorganizado pela Câmara Municipal de Vizela com o apoio da Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Vizela e da Escola Superior de Tecnologias do Instituto de Estudos Superiores de Fafe.

HISTORIADOR LUÍS DE OLIVEIRA RAMOS EVOCA EM PONTE DE LIMA FIGURA DO CARDEAL SARAIVA

 

Brilhantismo de Cardeal Saraiva fecha ciclo de tributo

O historiador Luís A. de Oliveira Ramos encerrou na passada sexta-feira, 6 de janeiro, o ciclo de conferências inserido no programa de comemorações do 250.º aniversário de nascimento de Frei Francisco de São Luís – o insigne Cardeal Saraiva - figura cimeira da história cultural, religiosa e política do Portugal oitocentista.

DSCN9563 (Medium).JPG

 

Numa palestra intitulada “Frei Francisco de São Luís e o nosso tempo”, que decorreu no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, o conferencista destacou os momentos mais marcantes da vida e obra do eminente monge-escritor beneditino e realçou algumas das qualidades e aptidões que o ajudaram a desempenhar com exemplaridade todas as funções para as quais foi nomeado. Referindo-se especificamente aos cargos políticos, religiosos e académicos que ocupou – de que se destacam o de Presidente das Cortes, o de Bispo-conde de Coimbra e o de Reformador-reitor da Universidade - Luís A. de Oliveira Ramos sublinhou a capacidade de negociação de Frei Francisco de São Luís, os seus conhecimentos poliglotas e filológicos, a sua competência em gestão financeira, a defesa que empreendeu pela educação como sustentáculo do progresso dos povos, a sua luta pela liberdade, a devoção pela virtude, fé e caridade e o seu inabalável respeito pela Religião, pela Pátria e pela Casa de Bragança – atributos que ajudaram a consolidar a sua notoriedade e que ainda hoje, com as necessárias adaptações às exigências do nosso tempo, se mantêm essenciais à revalorização da causa pública.

Além da solidez intelectual e da habilidade diplomática de Frei Francisco de São Luís, o conferencista quis também salientar o estoicismo com que suportou dois exílios – o primeiro no Mosteiro da Batalha, o segundo em Serra d’Ossa -, prova de que mesmo na adversidade, num cenário de provação, o monge beneditino não se deixou abater, prosseguindo um dos grandes prazeres da sua vida- a investigação.

A última palestra de homenagem a Cardeal Saraiva – um dos maiores portugueses de sempre, para Luís A. de Oliveira Ramos – contou com a presença do Eng.º Vasco Ferraz, Vereador com o Pelouro da Juventude da Câmara Municipal de Ponte de Lima.

As comunicações inseridas no ciclo de tributo a Frei Francisco de São Luís (1766-2016), que agora se encerra, serão publicadas pelo Município de Ponte de Lima em data a definir.

VIZELENSES DEBATEM SOBRE A VIDA E A MORTE

Ponto Final. Parágrafo: Colóquio sobre a Vida e a Morte

No livro “As Intermitências da Morte”, José Saramago escreveu que “morrer é, afinal de contas, o que há de mais normal e corrente na vida” e, embora havendo muitas outras considerações sobre o fenómeno, é um pouco com base nesta constatação que se vai realizar em Vizela, no dia 14 de Janeiro de 2017 às 15:00, um colóquio dedicado à morte designado “Ponto Final. Parágrafo”. Decorrerá no auditório da Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Vizela e é de entrada livre.

cartaz ponto.paragrafo (1).jpg

O evento contará com a presença de vários oradores, que em função das suas ocupações profissionais, experiências pessoais e formação académica, abordarão a morte em diferentes e interessantes perspetivas.

Maria do Regate Salta, médica, numa abordagem pessoal; João Carlos Macedo, enfermeiro, professor e autor do livro “Educar para a morte”, sobre ética e eutanásia; João Batista, doutorado em psicologia clínica, sobre o projeto Consulta de Luto do qual é corresponsável, Vitor Monteiro, agente funerário, com uma apresentação dedicada à sua experiência profissional, e Jorge Coelho, mestre, professor e investigador na área do turismo para explicitação do fenómeno Turismo Negro, são os convidados confirmados.

A presença da morte nas artes será evidenciada com um momento dedicado à poesia levado a efeito por parte de dois ilustres vizelenses, também eles com interesses culturais, Domingos Ferreira e o já mencionado Vitor Monteiro.

O colóquio tem como objetivo principal ajudar à desmistificação de um assunto que, mesmo estando sempre presente, é ainda muito evitado pela grande maioria das pessoas.

De forma descomprometida e informal, embora dedicado à morte, o colóquio servirá também para celebrar da vida, sendo moderado por Ricardo Vieira, técnico da Câmara Municipal de Vizela.

Na génese e conceptualização do evento estão elementos da sociedade civil, sendo coorganizado pela Câmara Municipal de Vizela com o apoio da Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Vizela e da Escola Superior de Tecnologias do Instituto de Estudos Superiores de Fafe.

BARCELOS PROMOVE SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA EM ESPAÇOS DE RECREIO E DESPORTO

Inscrições devem ser submetidas até dia 17 de Janeiro. Segurança, Gestão do Risco e Normas Técnicas estarão em debate no Auditório da Câmara Municipal de Barcelos

Como garantir a segurança dos utilizadores dos espaços de jogo e recreio é o objetivo central do seminário "Espaço de Recreio e Desporto". Esta iniciativa terá lugar no próximo dia 20 de janeiro, a partir das 14h, no Auditório da Câmara Municipal de Barcelos e será uma oportunidade para informar, formar e esclarecer as dúvidas que possam existir sobre várias questões legais referentes à criação, instalação e utilização de recreios e parques infantis e de equipamentos desportivos públicos.

Caberá a José Azevedo, responsável técnico do departamento de Espaços de Recreio e Desporto do Instituto de Soldura e Qualidade, que tem como uma das suas atividades a inspeção e auditoria de equipamentos similares, dirigir as palestras acerca do enquadramento legal destes espaços de lazer e ao Eng. Pedro Pinto, técnico da Câmara Municipal de Barcelos, moderar o debate com o público.

Durante o mandato, iniciado em 2013, a Câmara Municipal investiu cerca de 400 mil euros, tanto em edifícios escolares como em parques infantis em espaços públicos, num total de 34 equipamentos, com a colaboração das Juntas de Freguesia no tratamento e execução da base e instalação, sendo todo o material necessário fornecido pelo Município.

A autarquia continuará a apostar na segurança das crianças, dotando estes espaços com equipamento fiável e certificando-se da instalação, e a requalificar e construir parques infantis em vários estabelecimentos escolares e espaços públicos.

A entrada para o seminário é gratuita, mas as inscrições devem ser submetidas até dia 17 de janeiro através do e-mail parquesinfantis@cm-barcelos.pt

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Retrato sociopolítico do Alto Minho oitocentista domina palestra de tributo a Cardeal Saraiva

A sexta conferência inserida no quadro das comemorações dos 250 anos de nascimento de Frei Francisco de São Luís (1766-2016) evocou o contexto sociopolítico do Portugal oitocentista na época do Cardeal Saraiva, com especial enfoque nos tumultos e desacatos ocorridos na região alto minhota nas primeiras décadas do período liberal.

Retrato sociopolítico do Alto Minho oitocentista (Medium).JPG

Orientada por Alexandra Esteves – docente na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa – a palestra “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva”, que decorreu na passada sexta-feira, 2 de dezembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, revisitou a torrente de acontecimentos que influenciou o percurso do monge beneditino, desde as invasões napoleónicas que ditaram o seu envolvimento nos movimentos de resistência organizada – caso da Junta Provisional de Viana do Minho – à Revolução Liberal de 24 de agosto de 1820 que determinou a sua nomeação para a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino, organismo incumbido de organizar as eleições para as Cortes, de preparar a Constituição de 1822 e de exercer o poder executivo em nome de D. João VI a quem se exigia o imediato regresso à metrópole.

Reforçando a cada passo a importância da contextualização histórica para o conhecimento da figura visada na conferência de tributo, Alexandra Esteves lembrou as convicções liberais de Frei Francisco de São Luís - opção ideológica que numa fase de acesa conflitualidade entre as forças de apoio ao absolutismo de D. Miguel e a população afeta à monarquia constitucional de D. Pedro lhe custou dois prolongados exílios, além de campanhas difamatórias e persecutórias de adeptos realistas -, e sublinhou os efeitos negativos que o clima de hostilidade partidária provocou no Alto Minho - região onde a implantação definitiva do liberalismo se revelou particularmente difícil, resultando do ambiente de crispação política o aumento exponencial da criminalidade, sobretudo nos anos 20 e 30 do século XIX. Ponte de Lima foi um dos casos tratados pela conferencista, que entre os vários exemplos citados - alguns deles retirados dos Livros de Atas da Câmara Municipal -, destacou um episódio ocorrido em S. João da Ribeira, a 17 de maio de 1836 – dois anos após o final da Guerra Civil – em que elementos da própria Guarda Nacional cometeram “bárbaras atrocidades” contra fações opostas ao regime vigente.

À comunicação de Alexandra Esteves, que contou com a presença do Dr. Paulo Barreiro de Sousa, Vereador da Educação da Câmara Municipal de Ponte de Lima, seguir-se-á a 06 de janeiro de 2017, pelas 19h00, a conferência “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, de Luís de Oliveira Ramos, que encerra o ciclo de palestras inserido no programa comemorativo dos 250 anos de nascimento de Cardeal Saraiva.

LUÍS OLIVEIRA RAMOS ENCERRA EM PONTE DE LIMA CICLO DE CONFERÊNCIAS EM HOMENAGEM A CARDEAL SARAIVA

O conhecido historiador e docente universitário, Luís de Oliveira Ramos, apresenta no próximo dia 6 de janeiro de 2017, pelas 19h00, a palestra “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo” - comunicação que encerra o ciclo de conferências de tributo a uma das personalidades cimeiras do Portugal oitocentista. A sessão, que decorrerá no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, evocará o extraordinário percurso de vida de Cardeal Saraiva numa espécie de remate informativo e homenageante da série de palestras que integra o programa comemorativo dos 250 anos de nascimento do monge beneditino (1766-2016) lançado e dinamizado pelo Município de Ponte de Lima ao longo do ano.

CARTAZ Conferência Oliveira Ramos.jpg

As sete conferências de tributo a Frei Francisco de São Luís serão entretanto compiladas e disponibilizadas numa nova publicação de referência para a cultura local da responsabilidade do Município de Ponte de Lima.

Sobre o conferencista:

Natural da freguesia de S. Victor, Braga, Luís António de Oliveira Ramos nasce a 27 de maio de 1939. Licencia-se em Ciências Históricas e Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1961, onde inicia a sua carreira docente. Em 1972 faz o Doutoramento em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, na especialidade de História Moderna e Contemporânea. Leciona várias cadeiras e dirige seminários no âmbito da História Moderna e Contemporânea de Portugal, da História do Brasil e da Expansão Portuguesa.

Entre 1982 e 1985 exerce o cargo de Reitor da Universidade do Porto, assumindo a Presidência de Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas de 1993 a 1995. A partir de fevereiro de 1999 ocupa o lugar de Presidente do Conselho Científico da Comissão Nacional dos Descobrimentos, de que é vogal desde 1986.

Ao longo da carreira granjeia inúmeras distinções e honrarias. A Universidade de Bordéus atribui-lhe o título de “doutor honoris causa”, é condecorado com a Ordem das Palmas Académias da República Francesa e recebe a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, a Grã-Cruz da Instrução Pública e a Medalha de Ouro da Cidade de Braga.

Autor de vários livros, participa como colaborador em algumas obras e redige inúmeros artigos e ensaios. De entre as publicações da sua autoria ou com a sua participação, destacamos “Da Ilustração ao Liberalismo” (1979); “O Porto na génese do Liberalismo” (1979); “Le Portugal et la Révolution Française” (1989); “História do Porto” - introdução, conclusão e direção (1994); e “História da Universidade em Portugal”, I, tom. 2, cap. I (1997).

Luís de Oliveira Ramos aposenta-se em 2002, mas continua dedicado à investigação histórica e ao desempenho de cargos de relevância cívica e cultural.

(Fontes: https://www.infopedia.pt/$luis-a.-de-oliveiraramos; https://sigarra.up.pt/up/pt/web_base.gera_pagina?

p_pagina=reitores%20da%20u.porto%20-%20lu%C3%ADs%20ant%C3%B3nio%20de%20oliveira%20ramos)

HISTORIADORA LIMIANA ALEXANDRA ESTEVES FALA SOBRE O CARDEAL SARAIVA

Município de Ponte de Lima promove sexta conferência de tributo a Cardeal Saraiva. Biblioteca Municipal - 2 de dezembro / 19 horas

No quadro das comemorações dos 250 anos de nascimento de Frei Francisco de São Luís (1766-2016), o Município de Ponte de Lima organiza a sexta conferência de homenagem a uma das personalidades mais elevadas da história religiosa, política e cultural do Portugal oitocentista.

CARTAZ Conferência Alexandra Esteves.jpg

Intitulada “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva”, a palestra da responsabilidade de Alexandra Esteves - docente na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Católica Portuguesa - abordará um período especialmente conturbado, de dissidência e conflitualidade ideológicas, que desencadeará diversos episódios de contestação e revolta na região alto minhota a partir da segunda década do século XIX e para lá do fim da guerra civil. Alexandra Esteves sublinhará a dificuldade em impor o ideário liberal na vila de Ponte de Lima, destacará as figuras e os momentos marcantes das fações oposicionistas e considerará a atuação de grupos de bandoleiros – mormente o liderado por Tomás das Quingostas - que, à época, alvoroçaram a região e se insurgiram contra o poder instituído.

O ciclo de palestras de tributo a Cardeal Saraiva termina a 6 de janeiro de 2017 com a comunicação “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, de Luís Oliveira Ramos.

Sobre a conferencista:

Natural de Ponte de Lima, Alexandra Patrícia Lopes Esteves é doutorada em História Contemporânea pela Universidade do Minho, com a tese intitulada “Entre o crime e a cadeia: violência e marginalidade no Alto Minho (1732-1870)”, tendo obtido a classificação máxima e o título de doutoramento europeu. Exerce funções docentes na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais – Centro Regional de Braga da Universidade Católica Portuguesa e na Escola Superior de Educação - Instituto Politécnico de Viana do Castelo, é investigadora integrada do Laboratório de Paisagens, Património e Território (Lab2PT) do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho e colabora em vários projetos científicos nacionais e internacionais.

A sua atividade investigativa centra-se no distrito de Viana do Castelo, no período compreendido entre o século XVIII e os inícios do século XX, e abrange a área da História Social, em particular as questões relacionadas com a saúde, a assistência, a marginalidade, a violência e as prisões, bem como a História do lazer e do turismo.

Autora e coautora de diversos livros e capítulos de livros, bem como de dezenas de artigos científicos, Alexandra Esteves tem apresentado os resultados da sua investigação em revistas da especialidade e em congressos nacionais e internacionais. Uma das últimas obras da autora – “Crimes e criminosos no Norte de Portugal: o Alto Minho oitocentista” – é lançado em 2015 pela Editorial Cáritas.

(Informações adicionais sobre Alexandra Esteves em:http://www.cepesepublicacoes.pt/portal/pt/autores/alexandra-esteves)

https://www.wook.pt/livro/crimes-e-criminosos-no-norte-de-portugal-alexandra-esteves/17090166

FAMALICÃO E BRAGA HOMENAGEIAM PADRES BENJAMIM SALGADO E MANUEL FARIA

Vila Nova de Famalicão e Braga homenageiam Padres Benjamim Salgado e Manuel Faria. Homenagem pública decorre na próxima sexta-feira e sábado

A arquidiocese de Braga e os municípios de Vila Nova de Famalicão e Braga promovem na próxima sexta-feira e no sábado, dias 18 e 19, uma homenagem pública aos sacerdotes famalicenses Manuel Faria e Benjamim Salgado no âmbito das comemorações do centenário do seu nascimento, que decorrem desde o início deste ano.

ManuelF_BenjamimS.jpg

A homenagem arranca na sexta-feira, pelas 15h00, na Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, com o Arcebispo Primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, os autarcas Paulo Cunha e Ricardo Rio e o presidente da administração da Fundação Cupertino de Miranda, Pedro Álvares Ribeiro. Caberá a Boaventura Faria (sobrinho e afilhado de Manuel Faria) e ao Padre António Azevedo Oliveira fazer a apresentação do Padre Manuel Faria, enquanto Manuela Salgado (sobrinha de Benjamim Salgado) e Agostinho Fernandes farão a apresentação do Padre Benjamim Salgado. Segue-se a apresentação de dois livros dedicados aos sacerdotes famalicenses.

Pelas 20h00, celebra-se na Igreja Paroquial de Seide S. Miguel uma Missa Solene Comemorativa, com uma deposição de Coroa de Flores junto ao busto de Manuel Faria.

Pelas 21h30, decorre no mesmo local o VII Encontro de coros, com organização da Associação Cultural Manuel Faria e Grupo Coral de Seide S. Miguel.

No dia seguinte, em Braga, no auditório Vita repete-se o programa com a excepção da Missa e do Encontro de Coros. Pelas 21h00, as comemorações encerram com um concerto na Capela Imaculada, no Seminário Menor.

Aquando da apresentação do programa comemorativo, em Janeiro de 2016, Paulo Cunha afirmou que esta homenagem aos sacerdotes famalicenses “não pretende ser um simples exercício de memória”, antes, “a valorização da exemplaridade incontestada destas duas personagens que deixaram um legado cultural forte e influenciaram positivamente tantas instituições da região”.

“Estamos perante duas personalidades que deixaram um legado riquíssimo, que puseram todo o seu conhecimento ao serviço da sociedade. Ao sublinharmos o seu mérito queremos manter vivas as suas criações, também como estimulo para investirmos nas nossas qualidades”, acrescentou, na altura, o autarca famalicense.

Refira-se que Benjamim Salgado nasceu na freguesia de Joane em 1916. Ao longo da sua vida, foram múltiplas as atividades em que se desdobrou, desde o ensino, não apenas da música, mas também do português; à fundação e direção de coros e orfeões; ao jornalismo, tendo sido diretor do Correio do Minho; à política, enquanto Presidente da Câmara Municipal de Famalicão, entre 1965 e 1969. Foi diretor da Casa de Camilo e diretor artístico da Fundação Cupertino de Miranda. Ainda na área da cultura, Benjamim Salgado foi o responsável pelo enriquecimento da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco com as doações valorosíssimas das bibliotecas particulares de Nuno Simões e de Vasco de Carvalho.

Seide São Miguel, em 1916, foi a freguesia que viu nascer o Padre Manuel Faria, considerado um dos maiores compositores de música sacra do país. Foi professor de música sacra no Seminário de Braga, dirigindo, entre outros, o Orfeão da Reguladora de Famalicão e o Orfeão de Braga. Fundou e dirigiu a “Nova Revista de Musica Sacra” e colaborou na Rádio Renascença, nas revistas “Theológica” e “Cenáculo” e no jornal Diário do Minho. Em 1963 é nomeado Cónego da Sé de Braga. Foi agraciado postumamente, em 2 de julho de 1984, com o Grau de Comendador da Ordem de Santiago de Espada.

JOSÉ CÂNDIDO DE OLIVEIRA MARTINS EVOCA CARDEAL SARAIVA

Cultura literária de Cardeal Saraiva domina quinta conferência de tributo

A competência cultural e literária de Frei Francisco de São Luís – personalidade homenageada pelo Município de Ponte de Lima no âmbito das comemorações dos 250 anos de nascimento (1766-2016) – dominou a quinta conferência de tributo, que decorreu na passada sexta-feira, 11 de novembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

DSCN9073.JPG

Orientada por José Cândido de Oliveira Martins, professor associado na Universidade Católica Portuguesa de Braga, a sessão intitulada “D. Frei Francisco de São Luís e os estudos literários” incidiu sobre o legado bibliográfico do religioso beneditino, revelador de “uma erudição vastíssima e de uma bagagem quase enciclopédica”, que lhe permitiu a composição de textos diversos e a tradução de autores clássicos, caso do filósofo romano Séneca.

De entre as obras publicadas por Frei Francisco de São Luís, destacou-se a “Apologia de Camões contra as reflexões críticas do P.e José Agostinho de Macedo sobre o episódio de Adamastor no Canto V dos Lusíadas”, opúsculo escrito em Ponte de Lima, nos meses de julho e agosto de 1812, em resposta à análise anti camoniana do padre graciano que acusou o autor de “Os Lusíadas” de prosaísmo, plágio e falta de originalidade. De acordo com José Cândido de Oliveira Martins, o texto de Cardeal Saraiva – um dos grandes defensores de Luís de Camões – é sintomático da “cultura, sentido cívico, coragem intelectual, equilíbrio emocional e qualidade literária” do monge ponte-limense, que recorrendo a uma metodologia adequada e a um estilo irónico – porém contido - faz da defesa apologética do poeta maior da nação “um exemplo do ponto de vista ético”. Prova disso é o primeiro parágrafo do opúsculo1, onde o insigne religioso sustenta “(…) que quando nas grandes obras de literatura houvermos de notar algum defeito, o façamos com a moderação e atenção devida ao distinto merecimento, e à pública reputação dos seus autores” - recomendação de prudência a que se seguem várias outras notas e refutações ao escrito de José Agostinho de Macedo, que não chega a replicar. Um episódio de relevo na história literária portuguesa que representa – a par das demais distinções decorrentes do brilhante desempenho de cargos diversos nas áreas da religião, política e cultura do Portugal oitocentista - a reconfirmação do nome de Frei Francisco de São Luís como uma das figuras mais proeminentes e justas do nosso passado coletivo.

À sessão de tributo, que contou com a presença do Eng.º Vasco Ferraz, Vereador com o Pelouro da Juventude da Câmara Municipal de Ponte de Lima, seguir-se-á, a 2 de dezembro, a conferência “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo do Cardeal Saraiva”, orientada por Alexandra Esteves.

A 6 de janeiro de 2017, Luís de Oliveira Ramos encerra o ciclo de palestras inserido no quadro das comemorações dos 250 anos de nascimento com a comunicação “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”.

(1A “Apologia de Camões…”, inserida no volume 10 das “Obras completas do Cardeal Saraiva”, encontra-se disponível para consulta na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima).

Sobre o conferencista:

Doutorado em Humanidades - especialidade de Teoria da Literatura -, José Cândido de Oliveira Martins é docente e investigador na Universidade Católica Portuguesa, em Braga. Tem diversos artigos publicados em revistas da especialidade, soma colaborações várias em obras coletivas e participações em congressos e colóquios e é autor de alguns livros, de que se destacam os títulos "Teoria da paródia surrealista" (1995), "Fidelino de Figueiredo e a crítica da teoria literária positivista" (2007) e "Viajar com António Feijó" (2009).

(Informações adicionais sobre o palestrante em: http://www.degois.pt/visualizador/curriculum.jsp?key=5295361728152206)

REDE PORTUGUESA DE MOINHOS REALIZA CURSO INTENSIVO DE MOLINOLOGIA

CURSO INTENSIVO DE MOLINOLOGIA – 25 a 27 de Novembro

Inscrições limitadas até 15 de Novembro (folheto de inscrição e condições em anexo)

A pedido de vários membros da Rede Portuguesa de Moinhos (RPM), vai ser organizado um curso intensivo de molinologia de um só fim-de-semana (25 a 27 de Novembro) no centro do país, rentabilizando custos de deslocações (aconselha-se a partilha de carros e existe estação de comboios a 3 Km do local pelo que o Intercidades é também uma opção) e possibilitando melhor acesso a partir de todos os pontos do país.

294607_153673551379833_100002115675968_314650_3387

Aproveitando a época baixa, a organização reservou as instalações do Solar do Morgadio, em Santa Comba Dão, com condições especiais e em exclusivo para o grupo de formação da RPM, o que permitirá um ambiente familiar e de grande proximidade entre todos os participantes, muitos deles amigos e conhecidos de longa data nestas andanças dos moinhos tradicionais portugueses.

A organização espera que, além de um bom programa de formação em molinologia este seja um fim-de-semana bem passado com uns serões à lareira e uns passeios de pausa pela vasta propriedade do solar ou pelo lago da Agueira na Srª da Ribeira, mesmo ali ao lado.

Não podia faltar a ida ao moinho e desta vez para mexer e aprender a por em funcionamento na Ribeira dos Aldrogãos. O mesmo moinho e padaria de onde virá o pão centeio do pequeno-almoço, misturado com os doces de frutos da quinta e o queijo fresco de cabra feito na aldeia, ou para molhar ao almoço no azeite produzido na quinta e regar a coisa com um Dão de excelência uma vez que estaremos na região demarcada.

Enfim, amigos, moinhos e boa companhia são o que se espera neste fim-de-semana que será certamente memorável…

cmol1.jpg

cmol2.jpg

PONTE DE LIMA PRESTA TRIBUTO A CARDEAL SARAIVA

Quinta conferência de tributo a Cardeal Saraiva no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima

O Município de Ponte de Lima promove, no próximo dia 11 de novembro, pelas 19h00, a quinta palestra de homenagem a uma das mais elevadas figuras da história religiosa, política e cultural da primeira metade do século XIX em Portugal.

CARTAZ Conferência Oliveira Martins.jpg

Orientada por José Cândido de Oliveira Martins, professor associado na Universidade Católica Portuguesa de Braga, a conferência “D. Frei Francisco de São Luís e os estudos literários” - inserida num ciclo de sete comunicações dedicado aos 250 anos de nascimento de Cardeal Saraiva (1766-2016) – pretende dar a conhecer a vertente investigadora do monge beneditino no domínio da Literatura, mas também da História e do pensamento filosófico – trabalho que vai desenvolvendo nos vários locais por onde passa, seja enquanto Visitador-geral e Cronista-mor da Ordem Beneditina, seja na qualidade de Reitor da Universidade ou de Guarda-Mor da Torre do Tombo, para apenas citar alguns dos cargos para os quais é nomeado. Uma vida de afincado estudo de que resulta um legado bibliográfico de grande valor informativo e documental que importa conhecer.

A próxima conferência, “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva”, orientada por Alexandra Esteves, está agendada para o dia 02 de dezembro. Segue-se, a 06 de janeiro de 2017, a comunicação “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, de Oliveira Ramos, que encerra o ciclo de palestras comemorativas.

Doutorado em Humanidades – especialidade de Teoria da Literatura –, José Cândido de Oliveira Martins é docente e investigador na Universidade Católica Portuguesa, em Braga. Tem diversos artigos publicados em revistas da especialidade, soma colaborações várias em obras coletivas e participações em congressos e colóquios e é autor de alguns livros, de que se destacam os títulos “Teoria da paródia surrealista” (1995), “Fidelino de Figueiredo e a crítica da teoria literária positivista” (2007) e “Viajar com António Feijó” (2009).

(Informações adicionais sobre o palestrante em: http://www.degois.pt/visualizador/curriculum.jsp?key=5295361728152206)

PÓVOA DE LANHOSO DEBATE “ A IMPRENSA NO PRIMEIRO LIBERALISMO E A IMPRENSA EM DEMOCRACIA

Conferências juntam no Centro Interpretativo Maria da Fonte Jorge Pedro Sousa e Pedro Bacelar de Vasconcelos, sendo antecedida pela abertura de uma exposição

Maria da Fonte.jpg

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso promove, no próximo dia 12 de novembro e no âmbito do ciclo de conferências “Maria da Fonte no seu e no nosso tempo”, uma iniciativa intitulada “Liberdade de Imprensa no Primeiro Liberalismo e nos dias de hoje”. Serão palestrantes Jorge Pedro Sousa, catedrático da Universidade Fernando Pessoa (Porto), e Pedro Bacelar de Vasconcelos, docente da Universidade do Minho (Braga).

“A comparação entre a liberdade de imprensa no liberalismo e nos dias de hoje é, de facto, um tema que nos leva a entender melhor como era a imprensa nos tempos da Revolução da Maria da Fonte. Estas conferências que vêm no seguimento da programação da comemoração dos 170 anos da Revolução têm como fim dar a entender de uma forma mais académica o quanto foi importante a revolta iniciada na Póvoa de Lanhoso para a história nacional”, refere o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues.

A atividade tem início, às 16h30, no Núcleo Documental do município (Centro Interpretativo Maria da Fonte, no Largo António Lopes), com a abertura de uma exposição subordinada ao tema “Primórdios da imprensa nas Terras de Lanhoso”, altura em que será integrada no fundo daquele Núcleo uma coleção do jornal “A Póvoa de Lanhoso” e colocada online parte da coleção do jornal “A Maria da Fonte”, já tratada informaticamente.

Durante estas conferências, os palestrantes irão analisar as semelhanças e dissemelhanças entre o jornalismo e a liberdade de imprensa praticados em períodos tão distantes como os meados do século XIX e os inícios do século XXI. Desta forma, Jorge Pedro Sousa irá abordar “A Imprensa no Primeiro Liberalismo” e  Pedro Bacelar de Vasconcelos irá focar-se n’“A Liberdade de Imprensa 40 anos depois do 25 de Abril”.

Estas conferências irão realizar-se no auditório do Centro Interpretativo da Maria da Fonte, a partir das 17h00. A entrada é gratuita.

Estes momentos integram o ciclo de conferências designado “Maria da Fonte no seu e no nosso tempo” promovido pela Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso em colaboração com os jornais Correio do Minho e Maria da Fonte para assinalar os 170 anos da Revolução do Minho (1846 – 2016).

FAMALICÃO EVOCA ALBERTO SAMPAIO

“O(s) Tempo(s) de Alberto Sampaio” vai estar em debate  em Famalicão

Colóquio realiza-se no próximo dia 11 de novembro, na Casa do Território

A Casa do Território, sita no Parque da Devesa, em Vila Nova de Famalicão, acolhe no próximo dia 11 de novembro, o colóquio O(s) Tempo(s) de Alberto Sampaio no âmbito do programa comemorativo dos 175 Anos do Nascimento de Alberto Sampaio, organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e pelo Instituto Universitário da Maia.

Cartaz Colóquio.jpg

Nesta jornada de trabalho, que congregará vários investigadores e académicos em torno de Alberto Sampaio, irão reunir-se «múltiplos contributos, resultantes de distintos olhares, mas com um objetivo comum: reforçar a centralidade de uma figura excecionalmente preparada e motivada para o serviço público, tanto no plano da intervenção cívica e cultural, como no do estudo das matérias económicas, históricas e sociais.»

Após a abertura do Colóquio, marcada para as 9h30, irão decorrer ao longo do dia, onze comunicações distribuídas por quatro painéis, estando marcados para as 16h40, o debate e o encerramento.

Refira-se que o evento conta com o patrocínio científico de Centro de Estudos de Desenvolvimento Turístico (CEDTUR), Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM), Centro de Estudos Transdisciplinar para o Desenvolvimento (CETRAD), Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS) e Centro de Formação Associação de Escolas de Vila Nova de Famalicão.

O programa está disponível em http://www.vilanovadefamalicao.org/_alberto_sampaio__175_anos

As inscrições gratuitas e obrigatórias (sujeitas à lotação da sala) devem ser feitas para o email:asampaio2016@vilanovadefamalicao.org

CERVEIRA ACOLHE SIMPÓSIO IBÉRICO SOBRE A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MINHO

Simpósio Ibérico quer melhor articulação entre investigação científica e grupos que usufruem do rio Minho

Mais do que um espaço para a divulgação de projetos em curso ou já concluídos, a VIII edição do Simpósio Ibérico sobre a Bacia Hidrográfica do Rio Minho assenta num conceito de compromisso futuro dos participantes, na definição de uma estratégia de maior conjugação entre científicos e os grupos que vivem o rio Minho. De grande referência no contexto ibérico, o evento está agendado para os dias 4 e 5 de novembro, em Vila Nova de Cerveira.

Simpósio Ibérico (1).jpg

Cerca de 80 participantes portugueses e espanhóis voltam a reunir-se, em Vila Nova de Cerveira, para promover um debate de dois dias em torno da bacia hidrográfica do rio Minho, com o objetivo de sensibilizar para a importância da preservação da biodiversidade associada aquele troço de água internacional.

Investigadores, professores, alunos do ensino universitário e politécnico, estudiosos, autoridades marítimas e profissionais da atividade da pesca. Desde o cidadão que tem interesse por estas questões até às instituições que trabalham em prol do conhecimento, como as Universidades do Porto, Lisboa, Vigo e Santiago de Compostela, assim como aquelas que comunicam ciência como o Aquamuseu, o CMIA Viana, e associações de educação ambiental como a ANABAM e a RAIA. Esta edição do Simpósio Ibérico reúne 25 comunicações em áreas como o Turismo, enquanto recurso potencial da região à monitorização da qualidade de organismos aquáticos, o Património Arqueológico e Geológico da região, a Educação Ambiental e a avaliação dos Recursos Biológicos do rio Minho.

A sessão de abertura acontece na sexta-feira, 04 de novembro, às 10h00, com a intervenção do Presidente da Câmara Municipal, Fernando Nogueira, seguindo-se a apresentação das várias comunicações ao longo dos dois dias. O evento culmina, no sábado à tarde, com um espaço reservado para um debate alargado na tentativa de definição de uma estratégia para conjugar a investigação científica com os interesses de grupos que usam o rio Minho, seja numa perspetiva de lazer (pesca desportiva) ou como recurso económico (pesca artesanal). De forma a envolver o maior número de interessados, serão convidados pescadores desportivos e profissionais, a título individual ou associativo.

O Simpósio Ibérico sobre a Bacia hidrográfica do Rio Minho, com uma periodicidade bienal, é organizado pelo Aquamuseu do Rio Minho (Município de Vila Nova de Cerveira), com coorganização do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) – Universidade do Porto.

simpib.jpg

simpib (2).jpg

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Liberalismo cartista de Cardeal Saraiva em destaque na quarta conferência de tributo

A quarta conferência inserida nas comemorações dos 250 anos de nascimento de Frei Francisco de São Luís (1766-2016) evocou o carácter moderno do pensamento do Cardeal Saraiva no quadro do liberalismo português - movimento em contraponto com o absolutismo monárquico que provocou transformações profundas no tecido social, politico e religioso do país.

Conferência _ Cardeal Saraiva (Small).JPG

Orientada pelo Professor Afonso Moreira da Rocha, a comunicação “O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa”, que decorreu na passada sexta-feira, 21 de outubro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, centrou-se nos acontecimentos que marcaram o conturbado período de 1820 a 1850 e no posicionamento do monge beneditino em face da nova corrente ideológica de igualdade, justiça e liberdade. O palestrante discorreu sobre algumas ações concretizadas por Frei Francisco de São Luís que fragilizam as acusações de passividade e de alheamento diante da conflituosidade entre os poderes político e religioso - mormente o seu contributo para a regularização das relações com a Santa Sé, não obstante defender a necessidade de um reposicionamento da igreja em consequência das mudanças operadas em Portugal – e sublinhou a sua coragem em rejeitar o absolutismo monárquico, atitude que lhe valeu, por duas vezes, a perda da liberdade individual e episcopal nos exílios a que foi subjugado, primeiro na Batalha, mais tarde na Serra d’Ossa.

Afonso Moreira da Rocha destacou ainda a superior lucidez de Frei Francisco de São Luís, o seu pensamento inovador e o facto de ter conseguido compreender a história do seu tempo - posição singular e pioneira na Alta Igreja, que o transforma numa figura política e eclesiástica de importância suprema.

À palestra de tributo, que contou com a presença do Eng.º Vasco Ferraz, Vereador com o Pelouro da Juventude da Câmara Municipal de Ponte de Lima, seguir-se-ão, a 11 de novembro, a comunicação “D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários”, orientada por Cândido Martins e, a 02 de dezembro, a conferência “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva”, da responsabilidade de Alexandra Esteves. Por seu turno, a comunicação “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, de Luís de Oliveira Ramos, está agendada para o dia 06 de janeiro de 2017, pelas 19 horas.

PONTE DE LIMA ACOLHE SEMINÁRIO “SCHENGEN, LIBERDADE DE CIRCULAÇÃO E REFUGIADOS”

Auditório Rio Lima - 31 de outubro

“Schengen, Liberdade de circulação e refugiados” é o tema de um seminário que vai decorrer em Ponte de Lima, no dia 31 de outubro, enquadrando-se no mais recente fenómeno dos refugiados e sobre a continuidade do Espaço Schengen, enquanto área internacional de liberdade de circulação de pessoas.

Imagem refugiados.jpg

Neste sentido, o Município de Ponte de Lima apoia a realização do Seminário, no próximo dia 31 de outubro, a partir das 10h00, no Auditório Rio Lima.

Este seminário resulta de uma parceria entre o Centro Europe Direct de Ponte de Lima com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e com o apoio do Clube Europeu da Escola Secundária de Ponte de Lima, da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa e da Associação COR UNUM.

Os oradores do Seminário serão: a Profª Alice Cunha da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e da profª Mariana Reis Barbosa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa e de Manuel Barbosa / Margarida Silva da Associação COR UNUM.

Confira o programa:

10h10 Sessão de abertura

10h30 “Europa e mobilidade: o antes e o depois de Schengen” – Profª Alice Cunha, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

11h00 ”Refugiados: Um testemunho da realidade vivida in loco”- Profª Mariana Reis Barbosa, Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa.

11h30 “ Uma experiencia de acolhimento de refugiados “- Manuel Barbosa ou Margarida Silva, Associação COR UNUM.

12h00 Debate

FAMALICÃO DEBATE MODERNIDADE NA ARQUITECTURA

Paulo Cunha abre colóquio sobre as “Marcas de Modernidade” na arquitetura de Famalicão. Colóquio promovido pela Câmara Municipal e pela Escola Superior Artística do Porto arranca amanhã, sexta-feira, pelas 09h15, no Salão da Assembleia dos Paços do Concelho

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, abre amanhã, sexta-feira, dia 21 de outubro, pelas 9h15, o colóquio “Famalicão, Marcas de Modernidade”, que vai decorrer no Salão da Assembleia Municipal, nos Paços do Concelho. O arranque da iniciativa conta também com a presença da diretora do Centro de Estudos Arnaldo Araújo da Escola Superior Artística do Porto, Helena Maia.

Paços do Concelho de Famalicão.JPG

O arquiteto Januário Godinho (1910 – 1990), autor de diversas obras no concelho de Vila Nova de Famalicão, entre as quais os Paços do Concelho, dá o mote para um conjunto de iniciativas que abordam a temática da arquitetura moderna no território famalicense.

O colóquio que vai reunir conceituados investigadores do panorama nacional, vai ficar marcado pelo lançamento do Prémio de Arquitetura Januário Godinho, que terá como objetivo galardoar a melhor reabilitação de edifício no concelho. De periodicidade bianual, o Prémio Januário Godinho terá um valor pecuniário de 7 mil euros, cabendo dois mil euros ao promotor da obra e cinco mil à equipa projetista.

Será ainda realizada uma visita guiada às obras de Januário Godinho no concelho, nomeadamente nas freguesias de Louro e Famalicão. O evento termina com a inauguração da exposição “Januário Godinho Arquiteto (1910 – 1990). Através da materialidade.”, que estará patente até 25 de novembro, nos Paços do Concelho.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “a vasta obra que Januário Godinho deixou no nosso território e a sua sensibilidade à relevância do património constituem ensinamentos que merecem ser preservados e divulgados”. Além disso, o evento aborda ainda a arquitetura moderna no território de Famalicão, os edifícios e os arquitetos que os desenharam.

As iniciativas inserem-se no âmbito da colaboração entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e o Grupo de Estudos de Arquitetura do Centro de Estudos Arnaldo Araújo da Escola Superior Artística do Porto, contando com o apoio da Ordem dos Arquitetos – Secção Regional Norte.

JANUÁRIO GODINHO

Arquiteto português nascido em 1910, em Ovar, e falecido em 1990 Januário Godinho estudou na ESBAP - Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1925 e 1930, tendo obtido o diploma com o estudo para o Hotel do Parque-Vidago em 1941, onde começa a esboçar algumas das preocupações que o perseguem ao longo da sua carreira, como a leitura e interpretação do lugar, o ritual dos acessos, a relação entre paisagem e espaço interior e a criteriosa escolha de materiais.

Inicia o seu período de estágio na década de 30, em colaboração com o arquiteto portuense Rogério de Azevedo, participando ativamente no desenvolvimento do seu trabalho, entre o modernismo e a aproximação que faz ao regionalismo.

Ao longo do seu percurso profissional é notório o relacionamento cada vez mais distanciado de alguns modelos dominantes na Europa Central, sendo evidente um sentido de afirmação da arquitetura como um problema de cruzamento entre modernidade e contemporaneidade, tradição e sítio, afirmando-se numa lógica de contextualização disciplinar, levando a um regionalismo crítico antecipado.

As suas principais obras são: o Mercado do Peixe de Massarelos, Porto (1932); as pousadas realizadas para a Hidroelétrica do Cávado (1949-1959), para Vila Nova, Salamonde, Sidroz e Pisões; Casa Afonso Barbosa, Famalicão (1941); a Sede da Hidroelétrica, Porto (1953); os palácios da Justiça de Tomar (1951), de Vila do Conde (1953), de Ovar (1960) e de Lisboa (1960), em coautoria com João Andersen; o Edifício Calouste Gulbenkian no LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa (1961), igualmente em coautoria com João Andersen, e os Planos de Urbanização de Coimbra (1968) e de Amarante (1965).

Refira-se que a relação de Januário Godinho com Vila Nova de Famalicão surge nos anos 40 e prolonga-se até ao final da década de 80. As suas obras pontuam o território, mas é no Louro que se encontra um número mais significativo.

Da obra deixada no concelho por Januário Godinho destaca-se o edifício dos Paços do Concelho e o antigo Tribunal; na freguesia de Antas o edifício para o Banco Português do Atlântico (1953); na freguesia de Brufe a casa Afonso Barbosa (1940-42); na freguesia do Louro várias construções na Quinta de Seara, propriedade do banqueiro Artur Cupertino de Miranda, o mercado, a igreja, a Casa do Povo, o centro paroquial e o cemitério. Na freguesia de Requião, cujo promotor foi o industrial Manuel Gonçalves, destaca-se o projeto da Casa Manuel Gonçalves, a Quinta de Compostela e a Têxteis Manuel Gonçalves.

Mais informações em

http://www.vilanovadefamalicao.org/_coloquio_famalicao_marcas_de_modernidade

PAREDES DE COURA RECEBE SEMINÁRIO SOBRE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO

21 e 22 outubro

“Escola – Aprendizagens, Indisciplina e Avaliação” é o tema em discussão no Curso de Outono da Casa do Conhecimento de Paredes de Coura, da Universidade do Minho, que decorre esta sexta-feira e sábado, 21 e 22 de outubro, nesta vila do Alto Minho.

Seminário Outono cartaz.jpg

Dirigido a educadores, professores, técnicos de educação, pais e outros elementos da comunidade, este Seminário de Outono promovido pelo Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de Educação / Escolas do Alto Lima e Paredes de Coura, em colaboração com o Município de Paredes de Coura e a Universidade do Minho, debruçar-se-á sobre temas como ‘Diversidade de alunos e aprendizagens’, ‘Escalando o pódio - A excelência académica na escola’, ‘Os 30 anos da Lei de Bases do Sistema Educativo e a avaliação em educação’ e ‘Indisciplina em contexto escolar’.

Temas que serão abordados por especialistas reconhecidos academicamente, numa altura de inegável oportunidade até pela comemoração dos trinta anos da Lei de Bases do Sistema Educativo, com a exploração de muitos cenários possíveis para uma alteração que responda aos atuais desafios.

Para além da discussão em torno da “Escola – Aprendizagens, Indisciplina e Avaliação”, este Seminário de Outono em Paredes de Coura contempla também uma visita cultural ao ‘Românico, Barroco’ e a visita ao Centro Mário Cláudio.

O Centro de Formação e Inovação dos Profissionais de Educação / Escolas do Alto Lima e Paredes de Coura tem por missão proporcionar formação ao pessoal docente e não docente, em funções nas escolas associadas, para o exercício da função educativa, para o exercício do apoio à ação educativa e, ainda, para exercício de funções de gestão e administração, tendo em vista assegurar a atualização, a reconversão e o aperfeiçoamento profissional.

Recorde-se que no espaço de poucos dias, Paredes de Coura volta a acolher jornadas científicas. Ainda há pouco tempo cerca de 40 investigadores se reuniram no Centro de Educação e Interpretação Ambiental (CEIA), da Paisagem Protegida de Corno do Bico, no âmbito da reunião anual do CONGEN, grupo de investigação para a Conservação e Gestão de Espécies, Populações e Ecossistemas, do CIBIO - Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos, da Universidade do Porto.

PONTE DE LIMA EVOCA ALVES DOS SANTOS

Município de Ponte de Lima assinala os 150 anos de nascimento de Alves dos Santos

O Município de Ponte de Lima vai assinalar o 150.º aniversário de nascimento de Augusto Joaquim Alves dos Santos (1866-2016) – personalidade limiana notabilizada nas áreas da Educação e da Psicologia – com um destaque biobibliográfico patente na Sala de Adultos da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL), de 14 a 31 de Outubro.

PL-AlvesSantos.jpg

Uma oportunidade para descobrir a vida e a obra de uma figura menos conhecida do grande público, mas que se destacou em diferentes esferas de atuação. Alves dos Santos foi precursor da Pedologia em Portugal, criou o primeiro laboratório nacional de Psicologia, em Coimbra, exerceu vários cargos políticos de notoriedade e chegou a Ministro do Trabalho na Primeira República.

Além de dois painéis biográficos e da disponibilização para consulta de documentos de e sobre Alves dos Santos, a BMPL facultará um folheto com o essencial do tributo.

Associe-se à homenagem a Augusto Joaquim Alves dos Santos, cujo currículo eclético enobrece o legado cultural de Ponte de Lima, e visite a Biblioteca Municipal.

FAMALICENSES DEBATEM CENSURA À OBRA DO ESCRITOR AQUILINO RIBEIRO

Museu Bernardino Machado debate a censura ao romance de Aquilino Ribeiro “Quando os Lobos Uivam”

O romance "Quando os Lobos Uivam" que foi publicado em 1958, por Aquilino Ribeiro e lhe valeu um mandato de captura e a apreensão de todos os exemplares pelo regime salazarista, dá o mote para mais uma conferência do ciclo “A Censura na Ditadura Militar e no Estado Novo”, que vai decorrer esta sexta-feira, pelas 21h30, no Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão.

jose seabra pereira.jpg

O livro que retrata a saga dos beirões em defesa dos terrenos baldios durante a ditadura, nos finais dos anos 40 e início dos anos 50, é o exemplo de uma obra literária que foi censurada pelo Estado Novo. Caberá a José Seabra Pereira recuperar este episódio da nossa história e lançar o debate sobre o tema.

Nascido no Luso, concelho da Mealhada, em 1949, José Seabra Pereira é Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo desempenhado, entre outros, os cargos de Presidente da Comissão Científica do Grupo de Estudos Românicos, Diretor do Instituto de Língua e Literatura Portuguesas e Membro da Comissão Coordenadora do Conselho Científico da FLUC.

Refira-se que o Museu Bernardino Machado é, durante este ano de 2016, o destino obrigatório para quem se dedica ao estudo e investigação do tema da censura em Portugal.

A programação do Museu Bernardino Machado tem sido quase inteiramente dedicada ao tema da censura em Portugal no período entre 1910 e 1974. É por isso um ano excecional em termos de debates, conferências e exposições subordinadas à temática da censura e uma oportunidade única para estudantes e académicos explorarem de forma transversal e abrangente este assunto.

O Museu Bernardino Machado, localizado num palacete do século XIX, no centro da cidade, é um equipamento cultural do município famalicense que se tem afirmado por um trabalho de qualidade, que é reconhecido nos meios académicos e que faz desta casa um centro de investigação histórica de referência nacional.

1573 - B.M. de Pé, com traje Académico.jpg

Os "150 anos da entrada de Bernardino Machado na Universidade de Coimbra" em exposição

O Município de Vila Nova de Famalicão, através do Museu Bernardino Machado, comemora os 150 anos da entrada de Bernardino Machado na Universidade de Coimbra com a apresentação da exposição "150 anos da entrada de Bernardino Machado na Universidade de Coimbra" e do respetivo catálogo. A mostra abre portas ao público este sábado, dia 15 de outubro, pelas 15h00.

Realizada em oito painéis, a exposição encontra-se organizada da seguinte forma: I - O Ingresso na Universidade (1866); II - Os Amigos; III - A Formatura; IV - O Professor; V - Criação da Cadeira de Antropologia; VI - A Socialização do Ensino, com referência à Academia de Estudos Livres e ao Instituto de Coimbra; VII - Orações de Sapiência, com destaque para a “Universidade e a Nação” (1904) e, finalmente, VIII - A Greve Académica. Com documentação única e original do arquivo do Museu, por exemplo, o diploma de doutoramento ou da correspondência à volta do texto “A Universidade e a Nação”, caso de Afonso Costa, Teófilo Braga, Adolfo Coelho ou de Guerra Junqueiro, a exposição “Bernardino Machado na Universidade de Coimbra – 150 Anos” reflete igualmente as preocupações pedagógicas de Bernardino Machado, nomeadamente com o ensino de adultos e o ensino profissional, evidenciados com recortes de imprensa do arquivo do Museu.

Se uma das preocupações de Bernardino Machado foram as reformas estruturais curriculares da Universidade, com a criação da disciplina de Antropologia, preocupou-se igualmente com a autonomia da própria Universidade, com a elegibilidade do Reitor, com a abolição do juramento e do foro académicos, ao lado de uma teorização e prática pedagógica reformista. Tal atividade reformista terá o seu corolário com a Greve Académica em 1907, ano em que terá uma Homenagem Nacional.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “o papel de Bernardino Machado como político e estadista, mas também como pensador e pedagogo foi de uma enorme importância e abrangência. O seu pensamento continua a influir os dias de hoje, mantendo-se atual e pertinente, sendo muitas vezes citado”, refere, acrescentando que“recordar os 150 anos da entrada de Bernardino Machado para a Universidade de Coimbra, é uma excelente oportunidade para redescobrimos a sua faceta de cientista e pedagogo”.

CartazA3_14OUT_web.jpg

FAMALICÃO DEBATE AS “MARCAS DE MODERNIDADE” E LANÇA PRÉMIO DE ARQUITETURA

Colóquio promovido pela Câmara Municipal e pela Escola Superior Artística do Porto realiza-se no próximo dia 21, nos Paços do Concelho

O arquiteto Januário Godinho (1910 – 1990), autor de diversas obras no concelho de Vila Nova de Famalicão, entre as quais os Paços do Concelho, dá o mote para um conjunto de iniciativas que arrancam no já próximo dia 21 de outubro, e abordam a temática da arquitetura moderna no território famalicense.

Paços do Concelho de Famalicão11.JPG

“Famalicão, Marcas de Modernidade” é o tema do colóquio, que vai decorrer nos Paços do Concelho, e vai reunir conceituados investigadores do panorama nacional. O evento realiza-se a 21 de outubro, a partir das 9h15 e tem inscrições limitadas à capacidade de sala (os interessados devem enviar a sua inscrição através do e-mail: planeamento@vilanovadefamalicao.org).

O evento vai ficar marcado pelo lançamento do Prémio de Arquitetura Januário Godinho, que terá como objetivo galardoar a melhor reabilitação de edifício no concelho. De periodicidade bianual, o Prémio Januário Godinho terá um valor pecuniário de 7 mil euros, cabendo dois mil euros ao promotor da obra e cinco mil à equipa projetista.

Neste dia será ainda realizada uma visita guiada às obras de Januário Godinho no concelho, nomeadamente nas freguesias de Louro e Famalicão. O evento termina com a inauguração da exposição “Januário Godinho Arquiteto (1910 – 1990). Através da materialidade.”, que estará patente até 25 de novembro, nos Paços do Concelho.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “a vasta obra que Januário Godinho deixou no nosso território e a sua sensibilidade à relevância do património constituem ensinamentos que merecem ser preservados e divulgados”. Além disso, o evento aborda ainda a arquitetura moderna no território de Famalicão, os edifícios e os arquitetos que os desenharam.

As iniciativas inserem-se no âmbito da colaboração entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e o Grupo de Estudos de Arquitetura do Centro de Estudos Arnaldo Araújo da Escola Superior Artística do Porto, contando com o apoio da Ordem dos Arquitetos – Secção Regional Norte.

JANUÁRIO GODINHO

Arquiteto português nascido em 1910, em Ovar, e falecido em 1990 Januário Godinho estudou na ESBAP - Escola Superior de Belas Artes do Porto, entre 1925 e 1930, tendo obtido o diploma com o estudo para o Hotel do Parque-Vidago em 1941, onde começa a esboçar algumas das preocupações que o perseguem ao longo da sua carreira, como a leitura e interpretação do lugar, o ritual dos acessos, a relação entre paisagem e espaço interior e a criteriosa escolha de materiais.

Inicia o seu período de estágio na década de 30, em colaboração com o arquiteto portuense Rogério de Azevedo, participando ativamente no desenvolvimento do seu trabalho, entre o modernismo e a aproximação que faz ao regionalismo.

Ao longo do seu percurso profissional é notório o relacionamento cada vez mais distanciado de alguns modelos dominantes na Europa Central, sendo evidente um sentido de afirmação da arquitetura como um problema de cruzamento entre modernidade e contemporaneidade, tradição e sítio, afirmando-se numa lógica de contextualização disciplinar, levando a um regionalismo crítico antecipado.

As suas principais obras são: o Mercado do Peixe de Massarelos, Porto (1932); as pousadas realizadas para a Hidroelétrica do Cávado (1949-1959), para Vila Nova, Salamonde, Sidroz e Pisões; Casa Afonso Barbosa, Famalicão (1941); a Sede da Hidroelétrica, Porto (1953); os palácios da Justiça de Tomar (1951), de Vila do Conde (1953), de Ovar (1960) e de Lisboa (1960), em coautoria com João Andersen; o Edifício Calouste Gulbenkian no LNEC - Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa (1961), igualmente em coautoria com João Andersen, e os Planos de Urbanização de Coimbra (1968) e de Amarante (1965).

Refira-se que a relação de Januário Godinho com Vila Nova de Famalicão surge nos anos 40 e prolonga-se até ao final da década de 80. As suas obras pontuam o território, mas é no Louro que se encontra um número mais significativo.

Da obra deixada no concelho por Januário Godinho destaca-se o edifício dos Paços do Concelho e o antigo Tribunal; na freguesia de Antas o edifício para o Banco Português do Atlântico (1953); na freguesia de Brufe a casa Afonso Barbosa (1940-42); na freguesia do Louro várias construções na Quinta de Seara, propriedade do banqueiro Artur Cupertino de Miranda, o mercado, a igreja, a Casa do Povo, o centro paroquial e o cemitério. Na freguesia de Requião, cujo promotor foi o industrial Manuel Gonçalves, destaca-se o projeto da Casa Manuel Gonçalves, a Quinta de Compostela e a Têxteis Manuel Gonçalves.

Mais informações em

http://www.vilanovadefamalicao.org/_coloquio_famalicao_marcas_de_modernidade

GUIMARÃES APOSTA NA SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

ENCONTRO INTERNACIONAL

Boas práticas ambientais de Guimarães apresentadas durante conferência em Nantes

Mais de um milhar e meio de participantes, provenientes de 140 países. Guimarães deu a conhecer o caminho que está a percorrer para a sustentabilidade ambiental.

Guimaraes_Nantes.jpg

Guimarães participou na Conferência Internacional “Climate Chance” em Nantes, França, evento que reuniu alguns dos principais atores não estatais que participam na luta contra as alterações climáticas, como autoridades locais, empresas, associações, sindicatos ou a própria comunidade científica, demonstrando a importância de uma ação conjunta nesta missão.

Na cimeira, com a presença de 140 países e mais de 1.500 participantes, Guimarães co-organizou um workshop subordinado ao tema da “Mobilização e Sensibilização para as Alterações Climáticas”, no qual teve a oportunidade de apresentar o caminho que está a desenvolver para a sustentabilidade ambiental, com um conjunto de projetos, investimentos, mas também programas e atividades de consciencialização e sensibilização ambiental.

A presença em Nantes foi ainda aproveitada para um encontro entre a comitiva vimaranense e os seus homólogos daquela cidade francesa, Capital Verde Europeia em 2013, numa reunião que serviu para conhecer a sua experiência, mas também para partilhar o caminho que Guimarães tem trilhado na preparação da sua candidatura.

A cimeira juntou igualmente, num grupo de trabalho, algumas das cidades que conquistaram o galardão de “Capital Verde Europeia”, como são os casos de Vitoria-Gasteiz (2012), Nantes (2013), Copenhaga (2014), Ljubljana (2016) ou Essen (2017) e, curiosamente, a cidade sueca de Umea que, mesmo sem ter atingido o galardão, apresentou já por quatro vezes a sua candidatura. Este foi mais um momento para Guimarães, além de dar a conhecer uma vez mais o seu projeto, conhecer algumas das decisões implementadas por estas cidades, bem como as medidas que contribuíram para obter o título de “Capital Verde Europeia”.

A “Climate Chance”, considerada como um World Summit para as Alterações Climáticas e um evento chave para a sociedade civil, serviu igualmente para preparar a COP22, em Marrakesh. O mote foi dado pelas palavras da Presidente da COP 21 Ségolène Royal e do Ministro do Ambiente e Energia francês. Os dois responsáveis aproveitaram para sublinhar o efeito das ações climáticas no futuro do planeta, referindo ainda a importância das decisões tomadas aquando da última Cimeira do Clima.

Guimaraes_Nantes2.jpg

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Legado filológico de Cardeal Saraiva evocado em palestra de tributo

A palestra “Frei Francisco de São Luís: académico e filólogo” – a terceira de um ciclo de sete conferências inseridas nas comemorações dos 250 anos de nascimento do insigne Cardeal Saraiva – decorreu no dia 23 de setembro, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. A sessão, que contou com as presenças do Presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Eng.º Vítor Mendes, e do Vereador da Juventude, Eng.º Vasco Ferraz, foi orientada por Telmo Verdelho, professor catedrático da Universidade de Aveiro, que abordou a vertente filológica da personalidade homenageada, cujo sentido enciclopédico e ecletismo de funções continua a merecer o elogio dos seus estudiosos.

Cardeal saraiva _ Conferência.JPG

Perante casa cheia, e feito o retrato biográfico de Frei Francisco de São Luís, Telmo Verdelho destacou a meritória ação do monge beneditino em benefício da memória literária e realçou o seu incansável esforço na salvaguarda “da grande tradição humanista de «defesa, ilustração e louvor» da língua”.

Recorrendo a duas das suas mais emblemáticas obras de filologia – “Ensaio sobre alguns dos sinónimos da Língua Portuguesa” e “Glossário das palavras e frases da Língua Francesa” – títulos que se encontram coligidos nos 10 tomos que compõem as “Obra completas do Cardeal Saraiva”, Telmo Verdelho sublinhou o compromisso de Frei Francisco de São Luís com o estudo do vocabulário e o seu contributo na criação do sistema derivacional da língua portuguesa – porventura um dos maiores legados do religioso beneditino.

À palestra votada às investigações filológicas de Frei Francisco de São Luís seguem-se, a 21 de outubro, a comunicação “O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa”, orientada por Afonso Rocha e, a 11 de novembro, a palestra “D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários”, por Cândido Martins. Em dezembro abordar-se-ão as “Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva” – uma conferência a cargo de Alexandra Esteves – ficando por confirmar a data de realização da sessão subordinada ao tema “Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo”, ministrada por Oliveira Ramos.

Cardeal Saraiva _ Conferência_ (Small).JPG

CIENTISTAS DE PORTUGAL E ESPANHA DEBATEM EM CERVEIRA HIDROGRAFIA DA BACIA DO RIO MINHO

Inscrições abertas para o VIII Simpósio Ibérico Sobre a Bacia Hidrográfica do Rio Minho

A 4 e 5 de novembro, Vila Nova de Cerveira volta a ser palco de mais um encontro científico em torno da bacia hidrográfica do rio Minho, reunindo investigadores, professores,estudantes, pescadores, autoridades locais e público em geraldo lado português e galego. O período de inscrições para esta oitava edição do Simpósio Ibérico já está a decorrer até 15 de outubro.

Simpósio Ibérico.jpg

Promovido pelo Aquamuseu do Rio Minho com coorganização do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) – Universidade do Porto, este evento agrega a apresentação de trabalhos e projetos em curso ou já concluídos, abrangendo diferentes temáticas e tendo a bacia hidrográfica do Rio Minho como área de investigação.

Tendo como oradores convidados Maria Paz Ondina (Universidade de Santiago de Compostela), José Brilha (Universidade do Minho), Fernando Cobo (Universidade de Santiago de Compostela) e Sandra Touza(Diplomada em Turismo), o programa deste ano distribui-se em quatro painéis temáticos, nomeadamente os Recursos Naturais, a Atividade Humana, a Gestão e a Educação Ambiental.

A realização do Simpósio Ibérico Sobre a Bacia Hidrográfica do Rio Minho, com uma periodicidade bienal, é uma das vias para atingir missão divulgar a informação científica junto do público em geral, estudantes, professores, investigadores, pescadores, autoridades locais, entre outras, reunindo participantes de ambos os países, no sentido de atualizar informação e promover a discussão sobre temas pertinentes para a região, tendo por base os recursos naturais.

Desde a abertura ao público em 2005, o Aquamuseu do Rio Minho tem vindo a desenvolver um trabalho de divulgação do património natural e etnográfico associado à pesca artesanal do rio Minho.

As inscrições são livres e podem ser efetuadas via e-mail fornecendo os dados solicitados na ficha de inscrição, disponível em http://aquamuseu.cm-vncerveira.pt/

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Terceira conferência sobre Cardeal Saraiva. Biblioteca Municipal de Ponte de Lima. 23 de setembro | 19h00

O Município de Ponte de Lima promove no próximo dia 23 de setembro, pelas 19h00, a terceira conferência dedicada a uma das personalidades mais elevadas da cultura local – o insigne Cardeal Saraiva. Intitulada Frei Francisco de S. Luís: académico e filólogo, a palestra orientada por Telmo Verdelho, professor catedrático da Universidade de Aveiro, versará sobre a importante passagem do monge beneditino pela academia de Coimbra, evocará o seu legado literário e abordará a vertente filológica do ilustre limiano.

CARTAZ Conferência Telmo Verdelho (1).jpg

A sessão, inserida nas comemorações dos 250 anos sobre o nascimento do Cardeal Saraiva, decorrerá no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima - palco privilegiado do ciclo de sete conferências de tributo que se estende até final do ano.

A próxima comunicação – O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa -, orientada por Afonso Rocha, está agendada para 21 de Outubro. Seguem-se, a 11 de Novembro, D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários, por Cândido Martins, e, a 02 de Dezembro, Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva, por Alexandra Esteves. Por seu turno, a conferência Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo, de Oliveira Ramos, contínua sem previsão de data.

Sobre o palestrante:

Natural de Vale de Gouvinhas, Mirandela, Telmo dos Santos Verdelho é licenciado pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e doutorado pela Universidade de Aveiro, onde é professor catedrático na área da Linguística.

Considerado o maior especialista português em Lexicografia, Telmo Verdelho congrega no seu currículo diversos artigos e publicações de que destacamos As palavras e as ideias na Revolução Liberal de 1820 (1981), Latinização na história da língua portuguesa: o testemunho dos dicionários (1987), As origens da gramaticografia e da lexicografia latino-portuguesas (1995), Terminologias na língua portuguesa: perspetiva diacrónica (1998), entre outros.

PONTE DE LIMA COMBATE ILITERACIA

Município de Ponte de Lima promove palestra sobre educação para a literacia

O Município de Ponte de Lima vai assinalar o Dia Internacional da Literacia - que todos os anos se comemora a 08 de setembro - com uma palestra intitulada “Educação para a literacia no século XXI: práticas e desafios”, orientada por Fernando Fraga de Azevedo, docente do Instituto de Educação da Universidade do Minho. Por razões de conveniência de calendário, a comunicação - que incidirá sobre o desenvolvimento sustentado de competências de literacia, em diferentes contextos e sob variáveis distintas - decorrerá no dia 22 de setembro, pelas 10h00, no Auditório Rio Lima.

O evento, dirigido à comunidade estudantil e ao público em geral, surge associado aos 50 anos do Dia Internacional da Literacia e ao 23.º aniversário da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, enquanto instituição promotora do conhecimento e da democratização do acesso à informação e às novas tecnologias.

Associe-se ao Dia Internacional da Literacia - este ano sob o tema “Ler o passado, escrever o futuro” - e passe pelo Auditório Rio Lima.

Esperamos por si!

Sobre o palestrante:

Fernando José Fraga de Azevedo é docente do Instituto de Educação da Universidade do Minho, onde é responsável pela regência de unidades curriculares de pós-graduação nas áreas da Literatura Infantil e Juvenil e na formação de leitores. Doutorado em Ciências da Literatura, publicou mais de 34 artigos em revistas especializadas, produziu 22 trabalhos em atas de eventos e editou 30 livros, entre diversas outras contribuições escritas que versam essencialmente sobre a competência literária e literácita, a educação, a escola e a leitura.

Fernando Fraga de Azevedo é membro do Centro de Investigação em Estudos da Criança (CIEC) e integra o Observatório de Literatura Infanto-Juvenil (OBLIJ) e a Rede Internacional de Universidades Leitoras (RIUL).

(Fonte:http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt/escolas/uploads/formacao/fernando_jose_fraga_azevedo.pdf)

Palestra_Literacia (Small).jpg

Palestra_Literacia_banner-01 (Small).jpg

ACIAB REALIZA SEMINÁRIO

ACIAB Realiza Seminário Intitulado “IVA Deduções para Empresas – IVA na Restauração – E-Fatura”

Dia 22 de setembro | 14h30 | Auditório do Turismo Arcos de Valdevez

A ACIAB vai realizar, em parceria com a AT – Autoridade Tributária, um seminário que tem como temática “IVA Deduções para Empresas – IVA na Restauração – E-Fatura”. A iniciativa terá lugar no dia 22 de setembro (quinta-feira), pelas 14h30, no Auditório Municipal de Informação e Turismo, no Campo do Trasladário, em Arcos de Valdevez.

A sessão de esclarecimento necessita de inscrição que deve ser enviada por email (aciab@aciab.pt), ou entregue nas instalações da ACIAB, até ao dia 21 de setembro (12h30). Para qualquer esclarecimento contactar a ACIAB através dos telefones 258 521 473 ou 258 454 524.

A Ficha de Inscrição para o Seminário “IVA Deduções para Empresas – IVA na Restauração – E-Fatura” encontra-se disponível no site da ACIAB em www.aciab.pt.

Programa

14h30 – Sessão de Abertura

Presidente da Direção da ACIAB – António Marques Campos

14h40 – Introdução – Vice-presidente da Direção da ACIAB - Francisco Peixoto Araújo

14h50 IVA Deduções para Empresas - IVA na Restauração

Luís Filipe Esteves – Inspetor Tributário/Chefe da Divisão de Justiça Tributária Direção de Finanças Viana do Castelo

16h00 - E-Fatura

Pedro Torres Veiga – Inspetor Tributário da Direção de Finanças de Viana do Castelo

17h00 Debate

17h30 ~– Encerramento

PONTE DE LIMA EVOCA CARDEAL SARAIVA

Biblioteca Municipal de Ponte de Lima acolhe terceira conferência sobre Cardeal Saraiva

O Município de Ponte de Lima promove no próximo dia 23 de Setembro, pelas 19h00, a terceira conferência dedicada a uma das personalidades mais elevadas da cultura local – o insigne Cardeal Saraiva. Intitulada Frei Francisco de S. Luís: académico e filólogo, a palestra orientada por Telmo Verdelho, professor catedrático da Universidade de Aveiro, versará sobre a importante passagem do monge beneditino pela academia de Coimbra, evocará o seu legado literário e abordará a vertente filológica do ilustre limiano.

CARTAZ Conferência Telmo Verdelho.jpg

A sessão, inserida nas comemorações dos 250 anos sobre o nascimento do Cardeal Saraiva, decorrerá no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima - palco privilegiado do ciclo de sete conferências de tributo que se estende até final do ano.

A próxima comunicação – O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa -, orientada por Afonso Rocha, está agendada para 21 de Outubro. Seguem-se, a 11 de Novembro, D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários, por Cândido Martins, e, a 02 de Dezembro, Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho no tempo de Cardeal Saraiva, por Alexandra Esteves. Por seu turno, a conferência Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo, de Oliveira Ramos, contínua sem previsão de data.

Sobre o palestrante:

Natural de Vale de Gouvinhas, Mirandela, Telmo dos Santos Verdelho é licenciado pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e doutorado pela Universidade de Aveiro, onde é professor catedrático na área da Linguística.

Considerado o maior especialista português em Lexicografia, Telmo Verdelho congrega no seu currículo diversos artigos e publicações de que destacamos As palavras e as ideias na Revolução Liberal de 1820 (1981), Latinização na história da língua portuguesa: o testemunho dos dicionários (1987), As origens da gramaticografia e da lexicografia latino-portuguesas (1995), Terminologias na língua portuguesa: perspectiva diacrónica (1998), entre outros.

FAMALICÃO PROMOVE DEBATE NACIONAL SOBRE INCURSÕES VIKINGS EM PORTUGAL

Colóquio comemorativo “Mil anos de incursão normanda ao Castelo de Vermoim” conta já com cerca de 100 inscritos

O que fez o Castelo de Vermoim, cabeça de terra reconhecida, “merecer” ser atacado por um grupo de invasores tão popular como mortífero, como os vikings, durante uma incursão à região Entre-Douro-e-Minho, em 1016. Quais foram as suas motivações e qual a verdadeira importância do Castelo Vermoim? As questões que foram levantadas pelo professor da Universidade do Porto, Armando Coelho, serão certamente respondidas por especialistas no assunto, no próximo dia 17 de setembro, durante o colóquio comemorativo dos “Mil anos de incursão normanda ao Castelo de Vermoim”.

Castelo de Vermoim 03 (2).jpg

No dia em que se completaram exatamente mil anos sobre este acontecimento histórico, que se registou no dia 6 de setembro de 1016, Armando Coelho e Mário Jorge Barroca, ambos coordenadores científicos do colóquio, e ainda Nélson Pereira, responsável pela divisão da Cultura da Câmara Municipal de Famalicão, apresentaram em conferência de imprensa o evento, assim como as razões que levaram a autarquia famalicense a promover este debate sobre os vikings, algo que acontece pela primeira vez em Portugal.

O colóquio que conta já com cerca de cem pessoas inscritas, vai realizar-se no Centro de Estudos Camilianos, em S. Miguel de Seide, e trará a Portugal alguns dos mais destacados especialistas internacionais no tema das incursões normandas ou vikings na Europa. É o caso de Gareth Williams (British Museum, Londres), Stefan Brink (University of Aberdeen, Escócia), Alban Gautier (Université du Littoral, Boulogne, França), Irene García Losquiño (University of Aberdeen, Escócia), Fernando Alonso Romero (Universidade de Santiago de Compostela), Hermenegildo Fernandes (Universidade de Lisboa), Hélio Pires (IEM - FCSH, Universidade Nova de Lisboa), André Oliveira Marques (IEM - FCSH, Universidade Nova de Lisboa), Luís Amaral (Universidade do Porto), Mário Barroca (Universidade do Porto) e Francisco Queiroga (Universidade Fernando Pessoa).

Ao reunir alguns dos maiores especialistas internacionais na questão das incursões vikings, a organização pretende por um lado suscitar o interesse e atenção dos investigadores para este acontecimento, e por outro valorizar e salvaguardar o património cultural e paisagístico famalicense.

“Tem-se dado pouca importância histórica a esta vaga de incursões que atingiu o Castelo de Vermoim, sendo que o episódio era até desconhecido por muitos historiadores, no entanto, os vikings estiveram no Vale do Ave durante nove meses e é importante estudar mais sobre este acontecimento determinante no processo da fundação da nacionalidade portuguesa”, assinalou Armando Coelho. Para Mário Barroca“seria interessantíssimo que Portugal se começasse a interessar pelas incursões vikings”.

Desta forma, a autarquia irá aproveitar este evento para reforçar o processo de classificação como monumento nacional do conjunto arqueológico e patrimonial desta área do concelho, que se encontra pendente na Direção Geral da Cultura do Norte.

De acordo com Nélson Pereira  “existe neste momento um processo em curso que tem a ver com a intenção da Câmara Municipal de classificar toda aquela área dos montes de Vermoim, onde se enquadra o Castelo, mas também as mamoas, e os castros lá existentes”. “O colóquio servirá também para sublinhar a importância e urgência desta classificação”, acrescentou o responsável.

De acordo com o programa, o colóquio irá decorrer ao longo de todo o dia.  “Vamos fazer uma aproximação por grandes ciclos: vamos começar por uma visão europeia, depois vamos chegar à dimensão peninsular, depois à visão portuguesa e finalmente ao Castelo de Vermoim”, explicou Mário Barroca que considerou o programa “muito interessante para Famalicão, mas principalmente para os investigadores da arqueologia medieval”.

Armando Coelho abre o debate, pelas 10h10, com o tema “O espírito do tempo e do lugar”. Seguem-se Gareth Williams com “O Mundo Viking” e Stefan Brink com “Vikings escandinavos de volta para casa, fora da Europa; e o caso especial de Bjorn e Háteinn.

Da parte da tarde, pelas 15h00, é a vez de Alban Gautier falar sobre os “Grupos armados em ambos os lados do canal (865 – 899): Podemos investigar gangues vikings individuais?”. Seguem-se Irene Garcia Losqiño com o tema “Os Vikings na Península Ibérica: Novas perspetivas sobre o caso da Galiza”; Fernando Alonso Romero com “A navegação e itinerário do exército normando de Gunderedo (967 – 969); e Hermenegildo Fernandes com “Os Vikings e o mundo mulçumano”.

Por fim, a partir das 17h30, decorrem as intervenções de Hélio Pires “De Norte para Sul: os vikings em Portugal”; André Oliveira Marques com “As incursões vikings no Norte de Portugal: uma revisitação historiográfica”; e Francisco Queiroga com o tema do “Castelo de Vermoim”.

Mário Barroca, Nélson Pereira e Armando Coelho.jpg

GUIMARÃES É LABORATÓRIO DA PAISAGEM

Workshop Agricultura Biológica: Desenvolvimento Rural e Sustentável

A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar em Guimarães, no Laboratório da Paisagem, no próximo dia 9 de Setembro com o Workshop “Agricultura Biológica – Desenvolvimento Rural e Sustentável”.

Folheto Wsdesenvolvimentoruralguimaraes.jpg

A iniciativa acontece numa parceria com o Município de Guimarães cada vez mais focado na sustentabilidade do concelho. O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meio ambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.

Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores.

A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.

FAMALICÃO PROMOVE DEBATE SOBRE “O VINHO VERDE E ALBERTO SAMPAIO”

Colóquio realiza-se a 16 de setembro, no Palacete do Conde Silva Monteiro, no Porto

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e a Associação Portuguesa da História da Vinha e do Vinho (APHVIN/GEHVID) promovem no próximo dia 16 de setembro, o colóquio “O Vinho Verde e Alberto Sampaio” no âmbito do programa comemorativo dos 175 Anos do Nascimento de Alberto Sampaio. O evento realiza-se no Palacete do Conde Silva Monteiro, sede da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, no Porto, e conta com o apoio da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, Câmara Municipal de Guimarães, Banco Português de Investimento e Quinta de Boamense.

Casa da Boamense, Famalicão (1).jpg

Invocando as palavras do Presidente da Associação Portuguesa da História da Vinha e do Vinho, Professor Barros Cardoso, neste encontro «procurar-se-á fixar os contributos, menos conhecidos, de Alberto Sampaio à melhor prática da vitivinicultura» a partir do estudo de documentação inédita do Fundo de Alberto Sampaio, depositado no Arquivo Municipal, e da sua obra publicada. Para isso, um conjunto de investigadores convidados a apresentar comunicações sobre o tema, propôs-se, acrescenta Barros Cardoso, «revisitar os seus métodos, olhar as suas ligações a outros viticultores, colher dados da aplicação prática da inovação que absorveu nos contactos internacionais que manteve, ou discutir a precocidade do olhar crítico que lançou às formas mais arcaicas de condução da vinha na Região dos Vinhos Verdes».

Após a abertura do Colóquio, marcada para as 10h00, irão decorrer ao longo do dia as onze comunicações previstas, repartidas por quatro mesas, estando marcado para as 16h30 o debate e encerramento, a que se seguirá um verde de honra nos jardins do Palacete do Conde Silva Monteiro, oferecido pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes.

As inscrições devem ser feitas por email: aphvin@gmail.com

QUEM FOI ALBERTO SAMPAIO

Alberto Sampaio (1841-1908), um vimaranense de nascimento, passou parte da sua vida na Casa de Boamense, situada no concelho de Vila Nova de Famalicão. Relacionou-se com figuras de grande relevo no meio intelectual e político da época, tais como Antero de Quental, Oliveira Martins, José Falcão e Teófilo Braga. Personalidade multifacetada, foi pioneiro da história económica e das instituições rurais em Portugal e um estudioso em matéria de agronomia onde se distinguiu no domínio da viticultura e na produção de vinhos de qualidade, na sua Quinta de Boamense, premiados em vários certames nacionais e internacionais. Sobre ele, escreveu José Salvador na sua obra Portugal Vinhos Cultura e Tradição: «Alberto Sampaio foi um notável estudioso da viticultura do Minho, sugerindo uma revolução na agricultura do setor ao defender a criação de regiões vitivinícolas no nosso país e a seleção de castas de qualidade para os encepamentos, entre outras sugestões que apresentou para a melhoria da cultura da vinha e do fabrico do vinho. A grande inovação deste historiador foi encarar o conceito de vinho como uma questão de harmonia: cor, perfume, sabor, frescura e, claro, teor alcoólico, sendo necessário todo este conjunto equilibrado para se atingir um vinho de grande nível. Estudioso até à exaustão dos problemas da viticultura e da enologia, defendeu na época a produção de vinhos varietais depois de estudar mais de 40 castas. Na viticultura propôs também o cordão simples, que viria a ser adotado muito mais tarde em substituição das vinhas de enforcado e de ramada. Este verdadeiro lavrador pretendia obter vinhos de perfil moderno, apontando como modelo os de Bordéus e da Borgonha.»

PROGRAMA

9h30 – Abertura

Presidente da Câmara Municipal de V.N. de Famalicão, Dr. Paulo Cunha *

Presidente da CVRVV, Dr. Manuel Pinheiro

Coordenadora da Comissão Organizadora, Eng.ª Emília Nóvoa Faria

* sujeita a confirmação

10h00 – Mesa 1 | Moderador: Francisco Ribeiro da Silva

Alberto Sampaio e os vinhos da Quinta de Boamense em Famalicão (1871-1908)

António Barros Cardoso

As castas que Alberto Sampaio cultivou

Teresa Mota

Conduzir a videira do Verde: o passado e o presente

Rogério de Castro

11h30 – Mesa 2 | Moderador: Henrique Rodrigues

A viticultura minhota nos estudos sampaianos da Revista Guimarães

José Luís Braga

Alberto Sampaio nas exposições nacionais e internacionais

José António Oliveira

As freguesias na revitalização da sociedade portuguesa de oitocentos no tempo de Alberto Sampaio

José Viriato Capela

12h30 – Debate

14h30 – MESA 3 | Moderador: José António Oliveira

O ambiente social em que se moveu Alberto Sampaio

Ana Sílvia Albuquerque Nunes

Correntes de papel e tinta: uma abordagem à correspondência de Alberto Sampaio

Henrique Rodrigues

Alberto Sampaio e a política oitocentista

Célia Taborda

15h50 – MESA 4 | Moderador: Célia Taborda

Alberto Sampaio e Oliveira Martins

Francisco Ribeiro da Silva

Alberto Sampaio e a Revista de Portugal

  1. Gonçalves Guimarães

16h30 – Debate e encerramento

17h00 – Verde de Honra nos Jardins da CVRVV (gentileza da CVRVV)

LOCAL

Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes

Rua da Restauração, 318 – 4050-501 Porto

INFORMAÇÕES

Associação Portuguesa de História da Vinha e do Vinho

TL: 22 607 7340 | Email: aphvin@gmail.com

Arquivo Municipal Alberto Sampaio

TL: 252 312 661

NORMANDOS INVADIRAM O MINHO HÁ MIL ANOS

Famalicão apresenta colóquio comemorativo dos “Mil anos de incursão normanda ao Castelo de Vermoim”

Completam-se na próxima terça-feira, 6 de setembro de 2016, mil anos sobre a incursão militar normanda à região Entre-Douro-e-Minho, que destruiu quase por completo o Castelo de Vermoim. É precisamente neste dia que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão realiza a conferência de imprensa de apresentação do colóquio comemorativo “Mil anos de incursão normanda ao Castelo de Vermoim”. O encontro com os jornalistas está agendado para as 11h00, na Casa do Território, localizada no Parque da Devesa e conta com as presenças de Armando Coelho Ferreira da Silva e Mário Jorge Barroca, da Faculdade de Letras do Porto, coordenadores científicos do colóquio.

Castelo de Vermoim 03 (1).jpg

Refira-se que alguns dos mais destacados especialistas internacionais no tema das incursões normandas ou vikings na Europa vão estar em Vila Nova de Famalicão, a 17 de setembro, para participar no evento. É o caso de Gareth Williams (British Museum, Londres), Stefan Brink (University of Aberdeen, Escócia), Alban Gautier (Université du Littoral, Boulogne, França), Irene García Losquiño (University of Aberdeen, Escócia), Fernando Alonso Romero (Universidade de Santiago de Compostela), Hermenegildo Fernandes (Universidade de Lisboa), Hélio Pires (IEM - FCSH, Universidade Nova de Lisboa), André Oliveira Marques (IEM - FCSH, Universidade Nova de Lisboa), Luís Amaral (Universidade do Porto), Mário Barroca (Universidade do Porto) e Francisco Queiroga (Universidade Fernando Pessoa).

O tema é debatido pela primeira vez em Portugal, num colóquio internacional de cariz científico que conta já com cerca de uma centena de inscrições. Os interessados podem inscrever-se no site do município em www.vilanovadefamalicao.org. Promovido pela Câmara Municipal de Famalicão, o evento é coordenado pelos professores doutores Armando Coelho Ferreira da Silva e Mário Jorge Barroca da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e CITCEM e decorrerá no Centro de Estudos Camilianos em S. Miguel de Seide.

Refira-se que, de acordo com os relatos patentes na Chronica Gothorum, o registo mais antigo da história da fundação do reino português, o Castelo de Vermoim foi tomado pelos vikings a 6 de setembro de 1016, durante a sua incursão militar demolidora na região Entre-Douro-e-Minho. Reza a história que o Castelo foi totalmente destruído provocando a morte do conde de Portugal, Alvito Nunes que governava o Condado Portucalense no século XI e defendia o castelo. Os estragos foram de tal forma violentos que o castelo nunca mais recuperou.

De acordo com o presidente da autarquia famalicense, Paulo Cunha, este colóquio “será um acontecimento muito importante para o país a nível histórico e científico, que para além de trazer até Famalicão cerca de uma dezena de prestigiados investigadores internacionais, para abordar a questão da passagem dos vikings pela nossa região irá explorar também a questão do nosso Castelo de Vermoim”.

Com esta iniciativa pretende-se debater, compreender e esclarecer um pouco melhor este período histórico e cronológico que ainda hoje suscita a curiosidade e o interesse de muitas pessoas sobre as implicações e relações estabelecidas que são ainda atualmente tidas por desconhecidas.

FEIRA DO LIVRO EM PONTE DE LIMA RECEBE SEGUNDA CONFERÊNCIA SOBRE CARDEAL SARAIVA

A Feira do Livro de Ponte de Lima vai acolher a segunda conferência dedicada a D. Frei Francisco de S. Luís – o insigne Cardeal Saraiva - porventura uma das personalidades mais elevadas da cultura local. Orientada pelo historiador António Barros Cardoso, a palestra Cardeal Saraiva: o homem e os livros tem início marcado para as 19h00 da próxima quinta-feira, 21 de julho, dia de abertura do maior evento livreiro do concelho.

o_cardeal_saraiva (Small).jpg

Doutorado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde exerce funções de docente, António Barros Cardoso tem dedicado parte da sua atividade profissional à investigação. Publicou mais de 70 artigos em revistas especializadas e editou, até ao momento, 12 livros. Um dos títulos lançados – Ler na livraria de Frei Francisco de São Luís Saraiva – pode ser consultado na Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

Visite a Feira do Livro e assista à conferência de homenagem inserida nas comemorações dos 250 anos sobre o nascimento do Cardeal Saraiva (1766-2016)

Esperamos por si!

Próximas conferências:

- 23 de setembro - Frei Francisco de S. Luís: académico e filólogo, por Telmo Verdelho;

- 21 de outubro - O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa, por Afonso Rocha;

- 11 de novembro - D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários, por Cândido Martins;

- 02 de dezembro - Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho, no tempo de Cardeal Saraiva, por Alexandra Esteves.

NB - A conferência Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo, de Oliveira Ramos, contínua sem previsão de data.

HISTORIADOR MONÇANENSE HENRIQUE BARRETO NUNES FALA EM FAMALICÃO SOBRE A CENSURA NO ESTADO NOVO

A censura à leitura no Estado Novo dá mote para conferência

O Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, recebe esta sexta-feira, dia 15 de julho, pelas 21h30, mais uma sessão do ciclo de conferências 2016. Henrique Barreto Nunes é o conferencista convidado, numa sessão com entrada livre e que terá como tema “Estes Escritores Morreram: a censura aos livros e à leitura no Estado Novo”.

Henrique Barreto Nunes vai estar esta sexta-feira no Museu Bernardino Machado.jpg

Sobre o convidado, refira-se que nasceu em Monção, em 1947. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1972) e diplomado com o Curso de Bibliotecário-Arquivista da mesma Faculdade (1974), Henrique Barreto Nunes foi diretor da Biblioteca Pública de Braga, de 2000 a 2009, e também do Arquivo Distrital de Braga de 2006 a 2009, data em que se aposentou.

Foi membro do Conselho Superior de Bibliotecas Portuguesas, sendo atualmente membro da comissão de honra do Plano Nacional de Leitura

É autor dos livros “Da biblioteca ao leitor” (Braga: Autores de Braga, 1996; 2ª ed. 1998) e “Amigos maiores que o pensamento” (Porto: Associação de Jornalistas e Homens de Letras, 2010) e de diversos artigos sobre bibliotecas, arqueologia e património cultural publicados em revistas da especialidade, além de comunicações em atas de congressos e de outros encontros científicos ou profissionais em que participou em Portugal, França e Espanha.

Foi diretor das revistas “Mínia” (ASPA), “Bibliomédia” e “Solta Palavra: boletim do CRILIJ”. Foi coordenador editorial, sendo atualmente diretor da revista “Forum” (Conselho Cultural da Universidade do Minho). Tem colaboração regular em diversos jornais locais e regionais, nomeadamente “A Terra Minhota” (Monção), “Notícias do Minho” (Braga) e “Diário do Minho” (Braga), bem como na “Rádio Universitária do Minho”.

Recorde-se que o ciclo de conferências do Museu Bernardino Machado é este ano dedicado ao tema “A Censura na Ditadura Militar e no Estado Novo”.

PAREDES DE COURA RECEBE JORNADAS CIENTÍFICAS INTERNACIONAIS SOBRE EDUCAÇÃO

A Casa do Conhecimento de Paredes de Coura, bem como o Centro Cultural e a Biblioteca Municipal Aquilino Ribeiro acolhem esta terça-feira, 12 de julho, o segundo dia do I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016.

Organizado pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM), com o apoio do Centro de Investigação em Educação (CIEd), pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Universidade Federal do Pará (UFPA) e em colaboração com o Município de Paredes de Coura, o I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016 é um importante momento para criar sinergias entre os grupos de pesquisa e a comunidade interessada na discussão de questões que envolvem o currículo, a inclusão e a educação em Portugal e no Brasil.

Entre os vários especialistas e grupos de pesquisa contam-se entidades como o Observatório de Autoavaliação de Escolas - AAE (UMinho/CIEd), o Observatório de Práticas Escolares - OPE (UDESC) e o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Currículo e Formação de Professores na perspetiva da Inclusão - INCLUDERE (UFPA). 

Após um primeiro dia de trabalhos que teve lugar ontem no Instituto de Educação da Universidade do Minho, em Braga, e em cuja cerimónia de abertura participou a Vereadora da Educação e Cultura da Câmara Municipal de Paredes de Coura, Maria José Moreira, hoje prosseguem os trabalhos no nosso Município com a conferência ‘Educação inclusiva: problematizações epistemológicas’, prosseguindo com as mesas redondas ‘Educação Inclusiva: garantias ou demolição de Direitos?’ e ‘Desafios curriculares perante a inclusão’.

Encerram esta jornada científica a conferência ‘Currículo e exclusão escolar: (in)variantes educacionais’, pelo Professor José A. Pacheco, à qual se segue o encerramento deste I Seminário "Currículo, Inclusão e Educação Escolar" - CIEE 2016 pelo presidente da Câmara de Paredes de Coura, Vitor Paulo Pereira

FAMALICÃO RECEBE CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENGENHARIA BIODENTAL

Casa das Artes acolhe engenheiros e médicos dentistas de todo o mundo. IV Conferência Internacional de Engenharia de Biodental decorre em Famalicão

Está a decorrer até amanhã, dia 23, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão a IV Conferência Internacional de Engenharia de Biodental, promovida pela Universidade do Porto, através das Faculdades de Engenharia e de Medicina Dentária. A Conferência reúne engenheiros e médicos dentistas de todo o mundo representando vários campos científicos relacionados com a Medicina Dentária, Engenharia, Biomecânica, Bioengenharia, Biomateriais, entre outros.

DSC_1406.jpg

O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, e o professor José Reis Campos, que faz parte do Comité de Organização da conferência, abriram esta quarta-feira os trabalhos.

O famalicense José Reis Campos que é atualmente professor associado na Faculdade de Medicina Dentária, da Universidade do Porto, agradeceu a cooperação da autarquia e da Casa das Artes na organização deste evento internacional deixando muito elogios à atuação de Paulo Cunha. Por sua vez, o autarca retribuiu os elogios e mostrou-se muito satisfeito, “por terem escolhido Vila Nova de Famalicão como palco desta iniciativa”. “É uma enorme honra e privilégio receber este evento internacional, dando-nos a possibilidade de dar a conhecer o nosso concelho, a nossa gastronomia e a nossa cultura”.

A conferência arrancou esta terça-feira e tem como objetivos solidificar conhecimentos no campo da engenharia aplicada à odontologia. Durante os debates, os participantes terão a oportunidade de apresentar e discutir temas relevantes e serão expostos a novas ideias e possibilidades para novos desenvolvimentos relativos aos campos de engenharia e medicina dentária.

Refira-se que a odontologia é um ramo da medicina com suas peculiaridades e muito diversas áreas de atuação. A utilização de novas técnicas e tecnologias é atualmente objeto de grande interesse, e esta série de conferências tem sido um espaço privilegiado de discussão entre todas as partes interessadas.

SEMINÁRIO INTERNACIONAL EM CABECEIRAS DE BASTO FOI UM SUCESSO

II Seminário Internacional encerrou com balanço positivo

Mais de 100 pessoas participaram nos dias 16 e 17 de junho no II Seminário Internacional intitulado ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’ que decorreu na Casa do Tempo em Cabeceiras de Basto e que contou, na sessão de encerramento, com as intervenções dos presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal, Francisco Alves e Eng. Joaquim Barreto, respetivamente.

II Seminário Internacional encerrou com balanço positivo.JPG

O II Seminário Internacional foi organizado pelo Município de Cabeceiras de Basto e pelo CITCEM/FLUP – Centro de Investigação Transdisciplinar ‘Cultura, Espaço e Memória’/Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Na sua intervenção, o autarca Francisco Alves, fazendo um balanço muito positivo deste II Seminário Internacional, em que foram atingidos os objetivos definidos, disse: “foram dois dias que permitiram reforçar os saberes sobre a dimensão local, regional e internacional do Nosso Mosteiro; dois dias que provam que o Mosteiro de S. Miguel de Refojos, além de ter sido o centro criador de um Concelho e o motor de desenvolvimento de uma região, tem uma dimensão cultural universal que, em grande parte, era conhecida por poucos”.

Afirmando estar “convencido que o Nosso Mosteiro já é Património Cultural da Humanidade, só nos falta que tal dimensão seja reconhecida por quem de direito”,  o edil reforçou: “vamos por isso continuar este caminho, um caminho de estudo e investigação que nos leve a conhecer desde os alvores da nacionalidade o valor do Mosteiro na criação da Nação Portuguesa; um caminho que clarifique ainda mais a importância do Mosteiro no financiamento da Universidade de Coimbra no tempo do seu nascimento e consolidação; um caminho que mostre as razões pelas quais todos os Reis portugueses se relacionaram com o Mosteiro; um caminho que exige uma maior promoção da imagem do Mosteiro para atrair mais visitantes; um caminho que passará pelo reconhecimento por parte da UNESCO dos valores materiais e imateriais com caráter excecional e universal que o Nosso Mosteiro possui. Pode levar tempo. Mas vamos conseguir; um caminho que nos obriga a encontrar meios financeiros para continuar as obras de recuperação e renovação do Mosteiro e de todos os seus elementos – obras que a Câmara Municipal assumiu há vários anos”.

A este propósito, Francisco Alves anunciou aos presentes a aprovação de quatro projetos por parte da Câmara Municipal, entre os quais a reabilitação das coberturas do Tempo Religioso e ala nascente do Mosteiro; a elaboração do projeto hidráulico da Ribeira na área de influência do Mosteiro; a conservação e restauro da fachada principal e torres sineiras; e o restauro e conservação da antiga livraria do Mosteiro.

Por fim, agradeceu a participação de todos os que se interessaram por este Seminário e que acreditam nos valores culturais do Nosso Mosteiro; agradeceu aos conferencistas que connosco partilharam os seus densos conhecimentos; agradeceu à Comissão Organizadora; e agradeceu à Professora Cristina Cunha, presidente do CITCEM e nela à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, pelo contributo decisivo para a organização deste seminário.

Por seu turno, o presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto, depois de felicitar a Câmara Municipal, a Comissão Organizadora do II Seminário, bem como os oradores, realçou as intervenções físicas realizadas ao longo dos últimos anos no Mosteiro de S. Miguel de Refojos, destacando também a importância dos estudos e debates realizados em torno da história do nosso Mosteiro. “É desta forma que fazemos também a história do Mosteiro de S. Miguel de Refojos”, garantiu.

Ao longo de dois, vários foram os especialistas nacionais e estrangeiros de universidades e instituições de cultura muito conceituadas que abordaram temáticas relacionadas com a ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’. Foram, por isso, dois dias de grande trabalho e de partilha de conhecimentos sobre personalidades e ideias que fazem parte do legado cultural e histórico do Mosteiro Beneditino de S. Miguel de Refojos.

ESPECIALISTAS DEBATEM EM CABECEIRAS DE BASTO RELAÇÃO DO MOSTEIRO DE S. MIGUEL DE REFOJOS COM A EUROPA

O Diretor Regional de Cultura do Norte, Dr. António Ponte, presidiu esta manhã, dia 16 de junho, à abertura do II Seminário Internacional, segunda edição dedicada ao tema ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’ que decorre até amanhã na Casa do Tempo em Cabeceiras de Basto, onde se encontram especialistas nacionais e estrangeiros de várias universidades e instituições de cultura muito conceituadas que ao longo destes dois dias se centrarão sobretudo na figura de humanistas de Quinhentos, do talhe de D. Diogo de Murça, Sá de Miranda, ou António Pereira, cuja obra e perfis são bem reveladores de um intercurso cultural de ideias e projetos de reforma que não conhecia fronteiras nacionais nem regionais.

Especialistas debatem relação do Mosteiro de S. Miguel de Refojos com a Europa (1).JPG

 Nesta sessão de abertura, que teve lotação esgotada e que junta mais de 100 pessoas, marcaram também presença o presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, e os vereadores; a presidente do CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar ‘Cultura, Espaço e Memória’ (sediado na Faculdade de Letras da Universidade do Porto – FLUP), Dra. Cristina Cunha; o Prof. Pedro Vilas Boas Tavares que é investigador do CITCEM e membro da Comissão Organizadora do Seminário Internacional; e o presidente da Junta da União de Freguesias de Refojos de Basto, Outeiro e Painzela, Leandro Campos, entre outros autarcas.

Na oportunidade e depois de cumprimentar os conferencistas, participantes e restantes convidados, o presidente da Câmara começou por afirmar que “apesar da Comissão Nacional da Unesco não ter incluído agora o Mosteiro de S. Miguel de Refojos na Lista Indicativa de Portugal a Património Mundial, a Câmara Municipal aprovou, por unanimidade, esta segunda-feira, uma deliberação onde se decide que vamos continuar com o processo de candidatura do Nosso Mosteiro a Património Cultural da Humanidade”.

E continuou: “vamos continuar porque no Mosteiro, com natural destaque para o Templo Religioso, vemos valores excecionais de extraordinária beleza; vamos continuar porque não somos gente de desistir perante as dificuldades; vamos continuar porque queremos também que a curto prazo o Nosso Mosteiro seja declarado Monumento Nacional; vamos continuar os estudos com iniciativas como esta e outras no sentido de aprofundarmos cada vez mais o conhecimento da história deste Bem que consideramos universal”.

Perguntando à plateia “como se explica que metade dos bens da Lista sejam da cidade de Lisboa (5) e do Alentejo (6)?, Francisco Alves reafirmou a vontade da Câmara Municipal em continuar com o projeto de candidatura “porque o trabalho feito valeu a pena. Sabemos mais sobre o Mosteiro do que alguma vez se soube antes. Reforçamos a identidade do Mosteiro com os Cabeceirenses e com a Região. Nunca o Mosteiro foi tanto visitado como nos últimos dois anos”, justificou.

Especialistas debatem relação do Mosteiro de S. Miguel de Refojos com a Europa (2).JPG

Por fim, Francisco Alves agradeceu à Comissão Organizadora deste II Seminário todo o trabalho e empenho neste evento que será certamente mais um passo marcante na investigação sobre a história e a importância do Mosteiro, nomeadamente no que diz respeito a Frei Diogo de Murça, um intelectual de dimensão europeia, mostrando-se também honrado com a presença do Diretor Regional da Cultura “que sempre tem estado ao nosso lado na defesa, valorização, proteção e também divulgação do Nosso Mosteiro”.

Na sua intervenção, o Diretor Regional de Cultura do Norte salientou que “a Europa precisa de um novo renascimento”, congratulando-se com o facto de a Câmara Municipal não desistir da candidatura a Património da UNESCO.

Sobre a inclusão do Mosteiro de S. Miguel de Refojos na Lista Indicativa a Património Mundial, António Ponte disse acreditar numa inclusão futura “à luz de uma nova égide cultural” de que é exemplo o roteiro cultural em torno de S. Bento. 

Por seu turno, os investigadores do CITCEM, Dra. Cristina Cunha e Prof. Pedro Vilas Boas Tavares, explicaram à plateia os objetivos deste segundo seminário que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e o CITCEM/FLUP, dando também a conhecer todos os conferencistas, bem como todo o trabalho desenvolvido pelos mais de 300 investigadores CITCEM/FLUP em prol da divulgação e conservação do nosso Património.

Ao longo do dia de hoje estiveram em cima da mesa temas como ‘Courants réformateurs et irénique de la première moitié du XVI Siècle au Portugal et en Castille’ por Michel Boeglin da Universidade de Montpellier Paul-Valéry Montpellier 3; ‘Canela, clabo y otras cosas orientales: especias para reformar la vida monástica en Refojos’, um trabalho da autoria de Jacobo Sebastián Sanz Hermida da Universidade de Salamanca; ‘O culto litúrgico dos monges de Basto’ por José Amadeu Coelho Dias da Universidade do Porto/CITCEM; ‘Ora et labora: a interpretação franciscana de um lema beneditino. Exemplos Quinhentistas’ por Thiago Maerki, UNICAMP, Bolseiro CAPES/Brasil; ‘Leituras profanas em campo sagrado’ por Isabel Almeida da Universidade de Lisboa/CITCEM; ‘Leituras e letrados: exemplos beneditinos na livraria monástica antiga’ por Ana Isabel Líbano Monteiro da Biblioteca Nacional de Portugal; ‘Irmão Pedro de Basto (S.J.): a construção da sua memória hagiográfica’, um trabalho da autoria de Paula Almeida Mendes da Universidade do Porto/CITCEM; e ainda ‘Práticas e representações devotas em S. Miguel de Refojos’ por Luísa Jacquinet da Universidade de Coimbra.

O II Seminário Internacional ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’ organizado pelo Município de Cabeceiras de Basto e pelo CITCEM/FLUP vem, assim, de novo colocar em evidência a importância e significado patrimonial e cultural do Mosteiro Beneditino de Refojos de Basto às escalas regional e nacional mas também europeia.

Especialistas debatem relação do Mosteiro de S. Miguel de Refojos com a Europa (3).JPG

CABECEIRAS DE BASTO REALIZA SEMINÁRIO INTERNACIONAL

Cabeceiras de Basto realiza a sessão de abertura do II Seminário Internacional, desta feita dedicado ao tema ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’, que se vai realizar na próxima quinta-feira, dia 16 de junho, pelas 10h00, na Casa do Tempo, sessão esta que será presidida pelo Diretor Regional da Cultura do Norte, Dr. António Ponte.

O II Seminário Internacional ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’ organizado pelo Município de Cabeceiras de Basto e pelo CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar ‘Cultura, Espaço e Memória’/Faculdade de Letras da Universidade do Porto, vem de novo colocar em evidência a importância e significado patrimonial e cultural do Mosteiro Beneditino de Refojos de Basto às escalas regional e nacional mas também europeia.

Os especialistas nacionais e estrangeiros de várias universidades e instituições de cultura muito conceituadas, acolhidos pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto esta quinta e sexta-feira, dias 16 e 17 de junho, com as suas competências específicas, centrar-se-ão sobretudo na figura de humanistas de Quinhentos, do talhe de D. Diogo de Murça, Sá de Miranda, ou António Pereira, cuja obra e perfis são bem reveladores de um intercurso cultural de ideias e projetos de reforma que não conhecia fronteiras nacionais nem regionais.

Estando a ser preparado há já quase um ano, este II Seminário Internacional assume, ainda, maior relevância numa altura em que a Comissão Nacional da UNESCO decidiu não inscrever o Bem ‘Mosteiro de S. Miguel de Refojos’ na Lista Indicativa de Portugal ao Património Mundial. Mas a Câmara Municipal não vai ‘baixar os braços’ e irá continuar com o projeto para que, numa futura avaliação, a candidatura do Mosteiro possa ocupar o lugar que se considera merecer pelos valores materiais e imateriais de caráter excecional que testemunha, dando o maior destaque ao II Seminário Internacional ‘Religião, Letras e Armas da Europa Renascentista para Basto’, como elemento relevante do processo de candidatura do Nosso Mosteiro a Património Cultural da Humanidade.

PÓVOA DE LANHOSO EVOCA MARIA DA FONTE

"A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional" em debate a 18 de junho

"A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional" é o momento que se segue no âmbito do ciclo de conferências sobre a "Maria da Fonte no seu e no nosso tempo", que visa assinalar os 170 anos da revolução (1846-2016).

Centro Interpretativo Maria da Fonte 1.jpg

De lembrar que, com o intuito de assinalar a passagem dos 170 anos da Revolução da Maria da Fonte, foi preparado um ciclo de conferências pelo Centro Interpretativo Maria da Fonte (CIMF), envolvendo alguns dos principais ou mais relevantes parceiros do CIMF.

Este ciclo de conferências, para além de evocar historicamente a passagem do 170.º aniversário da Revolução da Maria da Fonte, também denominada Revolução do Minho, propõe-se, conjuntamente com os jornais “Maria da Fonte” e “Correio do Minho” (que assinalam, respetivamente, 130 e 90 anos de existência em 2016), fazer transpor para a contemporaneidade um conjunto de temáticas relevantes consideradas “Ao tempo da Maria da Fonte” e que no nosso tempo renovam a sua pertinência.

Volvidos 170 anos sobre a Revolução do Minho, com o afastamento do Administrador do Concelho, José Joaquim Ferreira de Mello e Andrade, e com a substituição por António Salvador da Cunha Rocha, as mulheres da Póvoa de Lanhoso, retornam às suas lides. Em junho de 1846 já a Revolução portuguesa ardia alto em todo o país, com demissões e nomeações, numa perfeita guerra civil, a Maria da Fonte continuava presente renovando fôlegos de vitória, dedicando-lhe o cancioneiro, a literatura ou a imprensa uma carga simbólica que não parou de crescer e se glorificar.

A 18 de junho próximo, no Centro Interpretativo Maria da Fonte – Póvoa de Lanhoso, pelas 18h00 e subordinada à temática A Maria da Fonte na encruzilhada do local e do nacional”, Maria de Fátima Sá, Professora do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (Escola de Sociologia e Políticas Públicas), uma das maiores especialistas com obra publicada sobre esta temática do Liberalismo em Portugal, apresentará em sessão pública as suas leituras a propósito do que apelida de encruzilhada.

A sessão será moderada por José Viriato Capela, Professor Catedrático do Departamento de História da Universidade do Minho.

CONFRARIA DA VITELA ASSADA PROMOVE EM FAFE COLÓQUIO SOBRE GASTRONOMIA E PÃO DE LÓ

A Confraria da Vitela Assada à Moda de Fafe promove, esta sexta-feira, pelas 21h30, na Biblioteca Municipal de Fafe, um colóquio sobre a gastronomia brasileira em geral e pernambucana, em especial, como património multicultural e designadamente da influência de Portugal e África sobre a formação culinária e gastronómica do povo daquele país.

8.JPG

É oradora a pesquisadora brasileira Ana Cláudia Frazão, que está a fazer investigação sobre as raízes do pão de ló de Fafe (e da região) e a sua difusão por todo o território brasileiro e que se encontra em residência entre nós, a convite da plataforma Fafe Cidade das Artes.

A ideia da sua pesquisa é traçar o caminho histórico percorrido pela receita do pão de ló, que vai desde os utensílios, ingredientes, formas de barro, modos de confecção (forno a lenha), até a sua apresentação e aceitação no mercado.

índice.jpg

Gastrónoma, investigadora, pós graduada em gestão cultural, Ana Cláudia Frazão é autora da série “Comedoria Popular”, desde 2005, que conta já com cinco livros lançados e dois no prelo.

Todos os trabalhos se relacionam de alguma forma com a cultura gastronómica de Portugal.

Trabalha com processo de formação e capacitação profissional, sendo também consultora e professora de cozinha brasileira e pernambucana.

É proprietária do espaço gastronómico Benedito - gastronomia e cultura, no Recife, cidade onde reside.

A entrada é livre.

ana cláudia frazão.jpg

GERÊS DEBATE DESENVOLVIMENTO E SUSTENTABILIDADE DO TURISMO

Desenvolvimento e Sustentabilidade do Turismo em discussão no Gerês

Três temas serão tratados em workshop que vai acontecer no Gerês, todos eles relevantes para o desenvolvimento e para a sustentabilidade do turismo. 

Associativismo e Parcerias em Turismo,  Gestão de Resíduos em Destinos Turísticos e Eficiência Energética e Preocupações Ambientais serão abordados respectivamente por Sónia Almeida, Administradora Delegada da associação ADERE-PG, Ida Sousa, do Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente da Câmara Municipal de Terras de Bouro e Nuno Forner, representante da Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável.

A entrada é livre e todos os presentes serão convidados a participar, dado que o evento tem como objectivo a partilha de conhecimento e experiências. A organização é da associação Gerês Viver Turismo e conta com o apoio da Câmara Municipal de Terras de Bouro. Será no dia 2 de Junho às 14:30, no auditório do Centro de Animação Termal da Vila do Gerês.

FAMALICÃO ANALISA A CENSURA NO ESTADO NOVO

A censura do Estado Novo no teatro universitário dá mote para conferência

O Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, recebe esta sexta-feira, dia 27 de maio, pelas 21h30, mais uma sessão do ciclo de conferências 2016. José Oliveira Barata é o conferencista convidado, numa sessão com entrada livre e que terá como tema “A Censura do Estado Novo sobre o Teatro Universitário”.

Sobre o convidado, refira-se que foi Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra até 2008, ano em que decidiu reformar-se. Enquanto estudante participou no Teatro dos Estudantes da Universidade de Coimbra como ator e membro da direção.

O percurso de José Oliveira Barata concilia a reflexão teórica com a prática cénica. É autor de numerosos livros e artigos publicados em revistas nacionais e internacionais, com particular relevo para: Criação e Realidade (1985); História do Teatro Português (1991); O Espaço Literário do Teatro, Estudos sobre literatura dramática portuguesa I (2001).

Ligado desde sempre à prática teatral, participou na fundação de vários grupos de teatro amador, onde encenou espectáculos de dramaturgias. Foi membro do Conselho Consultivo de Teatro do ACARTE (Fundação Calouste Gulbenkian). Entre 1995 e 1997 foi Diretor do Instituto de Estudos Portugueses da Universidade de Macau. Lecionou na Universidade Aberta a disciplina de História do Teatro Português. Prepara atualmente para a Fundação Calouste Gulbenkian, em colaboração do Museu Nacional do Teatro, uma História do Teatro e do Espectáculo em Portugal.

Recorde-se que o ciclo de conferências deste ano é dedicado ao tema “A Censura na Ditadura Militar e no Estado Novo”.

PONTE DE LIMA REALIZA CICLO DE CONFERÊNCIAS SOBRE O CARDEAL SARAIVA

Frei Geraldo Coelho Dias abre ciclo de conferências sobre Cardeal Saraiva

No âmbito das comemorações dos 250 anos do nascimento de D. Frei Francisco de S. Luís – o insigne Cardeal Saraiva – o Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima acolhe a conferência O beneditina Cardeal Saraiva e os estudos históricos, orientada por D. Frei Geraldo Coelho Dias.

O evento promovido pelo Município de Ponte de Lima, agendado para o próximo dia 03 de junho, pelas 19h00, abre o ciclo de sete comunicações dedicadas a esta figura cimeira da cultura local, que contemplará vários aspetos da vida e obra de um homem que se destacou em múltiplos domínios, da religião à política, passando pela filologia e pela historiografia.

Seguem-se, a 21 de julho, O Cardeal Saraiva: o homem e os livros, da responsabilidade de António M. Barros Cardoso; a 23 de setembro, Frei Francisco de S. Luís: académico e filólogo, por Telmo Verdelho; a 21 de outubro, O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa, ministrada por Afonso Rocha; a 11 de novembro, D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários, a cargo de Cândido Martins; e, finalmente, a 02 de dezembro, Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho, no tempo de Cardeal Saraiva, por Alexandra Esteves. Por seu turno, a conferência Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo, de Oliveira Ramos, contínua sem previsão de data.

Sobre o conferencista

Geraldo José Amadeu Coelho Dias nasce a 17 de setembro de 1934 em S. Tiago de Lordelo, Guimarães. Dali segue para o Mosteiro de Singeverga, Santo Tirso, onde se dedica aos estudos humanísticos e filosófico-religiosos. Faz profissão como monge beneditino a 01 de outubro de 1951 e, decorridos sete anos, é ordenado sacerdote. Enviado para Roma conclui, em 1960, a licenciatura em Teologia, frequenta o Pontifício Instituto Bíblico, ainda na capital italiana e, no biénio de 1961-1962, faz um estágio bíblico-arqueológico no Studium Biblicum Franciscanum, em Jerusalém. De regresso a Portugal ocupa vários cargos de destaque na Ordem de S. Bento, leciona no Colégio e Escola Teológica de Singeverga e exerce a função de diretor do Colégio de Lamego. Em 1976 matricula-se no curso de História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, licenciatura que conclui em 1981 com 16 valores. Ali faz o doutoramento, em 1994, e inicia a atividade letiva, sendo a disciplina de maior relevo a de História Comparada das Religiões. De entre os vários estudos publicados, salientamos Filisteus em Canaã: uma cultura desaparecida; Uma relíquia epigráfica dos judeus de Braga; Do sacrifício de Isaac a uma nova teoria do sacrifício; Perspetivas bíblicas da mulher e monaquismo medieval feminino; O Mosteiro de Tibães e a reforma dos beneditinos portugueses no século XVI; e Os beneditinos portugueses e as sequelas da Revolução Francesa na “Arcádia Tibanense”.1

1 MARQUES, José – Prof. Doutor José Amadeu Coelho Dias: obra histórica [Em linha]. (2004). [Consult. 23 maio 2016]. Disponível na Internet:< http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/4403.pdf>

PONTE DE LIMA DEBATE DEMOGRAFIA E GENEALOGIA

Colóquio Interdisciplinar: Comportamentos Demográficos e Sociais em Ponte de Lima e no Alto Minho. Auditório Municipal de Ponte de Lima | 28 de maio

O Município de Ponte de Lima apoia a realização de um Colóquio Interdisciplinar organizado pela AEPL – Dep. Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Minho em parceria com o Cenfipe – Centro de Formação de Professores, no dia 28 de maio, no Auditório Municipal de Ponte de Lima.

O programa abordará temáticas diversas relacionadas com a demografia, genealogia, entre os quais destacamos: Estudos genealógicos, demográficos e sociais: as fontes de informação do Arquivo Municipal de Ponte de Lima; Estudos genealógicos, demográficos e sociais: as fontes de informação para o Alto Minho; A situação demográfica recente em Ponte de Lima no contexto da evolução demográfica no Alto Minho; Comportamentos sociodemográficos marginais. O estudo dos expostos nas Casas da Roda do Alto Minho; A Reconstituição de Paróquias no Alto Minho: os exemplos de S. Miguel da Facha (Ponte de Lima) e de Vila Praia de Âncora (Caminha).

Os temas serão apresentados por académicos das universidades de Coimbra; Instituto Politécnico de Viana do Castelo; Escola Superior Agrária de Ponte de Lima; Universidade do Minho e Universidade Católica de Braga

O Colóquio terminará com a apresentação do projeto Repositório Genealógico Nacional. Sedeado na Universidade do Minho, o Repositório Genealógico Nacional visa organizar numa base de dados central e de âmbito geográfico nacional, os registos paroquiais de batizados, casamentos e óbitos, realizados sistematicamente a partir da segunda metade do século XVI.

FADISTA RICARDO RIBEIRO REALIZA CONFERÊNCIA E CONCERTO EM FAMALICÃO

Fadista participa em iniciativa do projeto Empresariato a partir das 21h00. Conferência e concerto com Ricardo Ribeiro sábado na Casa das Artes

É já no próximo sábado, 21 de maio, que o fadista Ricardo Ribeiro apresenta em Famalicão o seu novo álbum. O concerto, gratuito, está inserido na segunda conferência do projeto Empresariato, a realizar no grande auditório da Casa das Artes, a partir das 21h00, onde o fadista falará também sobre o sucesso da internacionalização do fado. 

Ricardo Ribeiro

Depois de participar na conferência, em que são também convidados Vasco Sacramento, Joaquim Oliveira e Ricardo Fonseca, Ricardo Ribeiro, a quem chamam “purista do fado” por lhe ouvirem na voz a tradição fadista de outras vozes e outros tempos, interpretará então temas de “Hoje é Assim, Amanhã Não Sei”, o novo disco que acaba de lançar.

A entrada na conferência e no concerto é gratuita, mas está sujeita à lotação do grande auditório mediante levantamento prévio do ingresso na bilheteira da Casa das Artes.

Em junho haverá uma terceira conferência dedicada a outra área onde Portugal se afirmou internacionalmente, o Vinho do Porto, depois desta com enfoque no Fado e de outra sobre Futebol realizada a 19 de abril.

Estas ações fazem parte do projeto Empresariato que a Câmara Municipal, através do Famalicão Made IN, está a desenvolver com o objetivo de colocar o pensamento empresarial na ordem do dia, potenciando a reconhecida capacidade produtiva e industrial e a vocação exportadora do concelho.

CABECEIRAS DE BASTO ACOLHE SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE RELIGIÃO, LETRAS E ARMAS

Cabeceiras de Basto acolhe o II Seminário Internacional ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’. A apresentação pública tem lugar no próximo dia 23 de maio, segunda-feira, pelas 16h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, em Cabeceiras de Basto.

O II Seminário Internacional ‘Religião, Letras e Armas: da Europa Renascentista para Basto’ organizado pelo Município de Cabeceiras de Basto e pelo CITCEM - Centro de Investigação Transdisciplinar ‘Cultura, Espaço e Memória’/Faculdade de Letras da Universidade do Porto, vem de novo colocar em evidência a importância e significado patrimonial e cultural do Mosteiro Beneditino de Refojos de Basto às escalas regional e nacional mas também europeia, desta feita em sintonia com as grandes correntes de espiritualidade, literatura e cultura desenvolvidas além Pirenéus desde os alvores de Quinhentos, então sob influxo de uma nova consciência universal e de uma primeira economia globalizada, em virtude dos descobrimentos e conquistas dos povos ibéricos.

Os especialistas nacionais e estrangeiros de várias universidades e instituições de cultura muito conceituadas, acolhidos pela Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto nos próximos dias 16 e 17 de junho, com as suas competências específicas, centrar-se-ão sobretudo na figura de humanistas de Quinhentos, do talhe de D. Diogo de Murça, Sá de Miranda, ou António Pereira, cuja obra e perfis são bem reveladores de um intercurso cultural de ideias e projetos de reforma (na vida monástica, prática religiosa, nas tendências artísticas, literárias e estéticas) que não conhecia fronteiras nacionais nem regionais.

Apesar das naturais limitações de tempo e espaço, neste Simpósio a variedade das comunicações, ao mesmo tempo que se debruçará sobre a cultura das elites, não deixará esquecidas nem na penumbra a religiosidade popular e os mesteres das classes laboriosas e iletradas, vivendo ao ritmo do calendário litúrgico e dos sinos do Mosteiro de Refojos de Basto.

RUSGA DE SÃO VICENTE DE BRAGA REALIZA TERTÚLIA SOBRE O MUTUALISMO

"Montepio Geral: Mutualismo para o futuro e para todos, como?!" - Serão/Tertúlia

A Rusga de São Vicente de Braga - Grupo Etnográfico do Baixo Minho leva a efeito na próxima sexta-feira, dia 20, pelas 21:30h, na sua sede social, sita na Av. Artur Soares (Palhotas), nº 73, Braga, mais uma edição dos "Serões no Burgo/Tertúlias Rusgueiras", que terá por tema; "Montepio Geral - Associação Mutualista: Mutualismo para o futuro e para todos, como?!". Para nos falar desta instituição financeira, com implantação em todo o território nacional, teremos connosco na 83ª edição dos "Serões/Tertúlias", o Vogal do Conselho de Administração, o prof. Fernando Ribeiro Mendes.

 

"Mutualismo à portuguesa"

O Montepio Geral - associação mutualista: celebrou o ano transato, os seus, já muito longos 175 anos de vida. Vida, recheada de muitas histórias.

As suas origens, tem por berço, a Academia de Belas Artes, em 1840.

Nesse ano, um conjunto de cidadãos reuniu-se, no sentido de, em conjunto, pensarem um 'sistema financeiro' que os salvaguarda-se em termos do seu futuro. Daí resultou, um sistema voluntário de contribuições, complementar ao obrigatório para a 'segurança social' de então. Os produtos financeiros de poupança então criados, tinham por propósito, dar alguma estabilidade financeira aos seus associados.

Passados mais de 175 anos, Francisco Álvares Botelho, autor da convocatória da primeira reunião, estaria longe de imaginar que, estaria a fundar aquela que é nos dias de hoje, a maior associação mutualista em Portugal.

Os valores que estiveram na base da constituição desta associação mutualista foram: a igualdade, a liberdade, responsabilidade e solidariedade. Se estas foram as 'grandes bandeiras' que estiveram na génese do mutualismo do Montepio, importa avaliar hoje, se os desígnios permanecem válidos. - Quais deverão ser as preocupações dos seus mais de 630 mil associados na atual conjuntura económica? - Que propostas/respostas tem a atual administração para os seus associados?

Estas e outras questões, servirão de mote para a conversa informal que se pretende entre convidado e público presente.

Os momentos artísticos da seranzada, serão da responsabilidade da Rusga de São Vicente de Braga - GEBM.

CAMINHA PROMOVE CONFERÊNCIA “40 ANOS DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA” COM JORGE MIRANDA E ROLEIRA MARINHO

Caminha lembra os 40 anos da Constituição sábado, pelas 16 horas, no Salão Nobre do Edifício Paços do Concelho

Caminha vai assinalar os 40 anos da Constituição da República Portuguesa com uma conferência a cargo do constitucionalista Jorge Miranda e do deputado constituinte honorário Roleira Marinho. A sessão terá lugar pelas 16 horas, no Salão Nobre do Edifício Paços do Concelho.

Este ano, fez 40 anos que a Assembleia Constituinte aprovou a Constituição da República Portuguesa. A Constituição da República Portuguesa foi aprovada a 2 de abril de 1976 e sofreu sete revisões desde essa data. Com o objetivo de marcar a data, a Câmara Municipal vai promover a conferência “40 anos da Constituição da República Portuguesa” cujos conferencistas são o constitucionalista Jorge Miranda e o deputado constituinte honorário Roleira Marinho. Luis Mourão, presidente da Assembleia Municipal de Caminha será o moderador.

Jorge Manuel Moura Loureiro de Miranda tem uma forte ligação com o concelho de Caminha, nomeadamente com Moledo. É professor de Direito e jurisconsulto português. “Licenciado em Direito (1963) e doutor em Ciências Jurídico-Políticas (1979), Jorge Miranda foi eleito nas listas do Partido Popular Democrático e foi deputado à Assembleia Constituinte (1975-1976), tendo um tido um papel importante na feitura da Constituição da República Portuguesa de 1976. A sua colaboração estendeu-se também à elaboração das Constituições de São Tomé e Príncipe (1990), de Moçambique (1990), da Guiné-Bissau (1991) e de Timor-Leste (2001). Foi membro da Comissão Constitucional (1976-1980), órgão precursor do atual Tribunal Constitucional. Saiu do PSD na cisão que deu origem à Ação Social Democrata Independente, que lhe garantiu uma nova eleição como deputado à Assembleia da República (1980-1983), na coligação Frente Republicana e Socialista. Apoiado pelo PS, foi candidato ao cargo de Provedor de Justiça (2009), mas retirou-se em virtude da sua não eleição à primeira volta. É autor de mais de duas centenas e meia de publicações, entre monografias, manuais, lições policopiadas e artigos científicos, salientando-se os títulos Contributo para uma teoria da inconstitucionalidade (1968), A Revolução de 25 de Abril e o Direito Constitucional (1975), A Constituição de 1976: formação, estrutura e princípios fundamentais (1978), Manual de Direito Constitucional (1981), Direito da Economia (1983), Estudos de Direito Eleitoral (1995), Direito Internacional Público (1995), O Constitucionalismo Liberal Luso-Brasileiro (2001) e Teoria do Estado e da Constituição (2002). É Doutor Honoris Causa em Direito, pela Universidade de Pau (França, 1996), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Brasil, 2000), Universidade Católica de Lovaina (Bélgica, 2003) e pela Universidade do Porto (2005). A 9 de Junho de 1994 foi feito Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, a 9 de Junho de 2001 recebeu a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade e a 9 de Junho de 2005 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique”.

António Roleira Marinho residente em Campos Vila Nova de Cerveira é deputado constituinte honorário. Bancário aposentado, atualmente é o Presidente do Centro de Cultura de Campos e o Presidente da Assembleia Geral da UNISENIOR- Universidade Sénior de Vila Nova de Cerveira.

Ao longo da sua carreira profissional desempenhou várias funções: foi membro da Assembleia Municipal de V. N. Cerveira, sendo coordenador do Grupo do PSD 1985/1989; 1997/2001; 2001/5; 2005/9/; 2009/2013; membro da Assembleia Intermunicipal do Minho Lima –CIM- 2005/9 e 2009/2013, sendo coordenador do Grupo do PSD); Deputado à Assembleia Constituinte; Deputado à Assembleia da República nas II, III, IV, V, VI, VII Legislaturas, com suspensão de mandato nas V e VI Legislaturas para exercer o cargo de Governador Civil de Viana do Castelo (entre 18/05/89 a 26/07/91 e de 16/12/91 a 02/08/95); Presidente da Assembleia Distrital de Viana do Castelo (1989/91), enquanto Governador Civil de Viana do Castelo; Presidente do Serviço Distrital de Proteção Civil (inerente ao cargo de Governador Civil): Presidente da Comissão Distrital de Segurança Rodoviária (inerente ao cargo de Governador Civil); Presidente da Comissão Distrital de Luta contra a Sida (inerente ao cargo de Governador Civil); Vereador da Câmara Municipal de V. Cerveira (1976/79- 1979/1982- 1982/85- 1985/89 (com suspensão de mandato para assumir funções na Assembleia Municipal); vice- Secretário da Mesa da Assembleia da República na III Legislatura; Vogal da Comissão Política Distrital do PSD de Viana do Castelo 1982/87; Presidente da Assembleia Distrital do PSD de Viana do Castelo de 1987 a 1999; Presidente da Secção Concelhia do PSD de V. N. Cerveira de 1975/91; Delegado aos Congressos do PSD do 1.ºao 18.º; Membro das seguintes Comissões Parlamentares (ao longo das Legislaturas): Administração do Território, Poder Local e Ambiente (sendo coordenador do Grupo de Deputados do PSD); Regimento e Mandatos; Agricultura e Pescas (sendo Vice- Coordenador do Grupo de Deputados do PSD); da Defesa Nacional; de Valorização do Património da A. R.; e Eventuais para Acompanhamento da situação em Timor Leste; Luso- Brasileira para as Comemorações dos 500 anos da Descoberta do Brasil; e eventual para as comemorações dos 75 anos da Constituição de 1911.

Recorda-se que a conferência “40 anos da Constituição da República Portuguesa” integrava o programa das comemorações dos 42 de Abril que o Município levou a cabo mas que teve que ser alterada devido à alteração de agenda do constitucionalista Jorge Miranda.

JOÃO CERQUEIRA REALIZA CONFERÊNCIA SOBRE ARTE PÚBLICA NO CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS DE VIANA DO CASTELO

No próximo dia 11de Maio (quarta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17 horas, João Cerqueira apresenta a comunicação com o título “Arte Pública”, no âmbito do ciclo de estudos “Arte, da criação à fruição”, promovido pelo Centro de Estudos Regionais e sua Academia Sénior.

João Cerqueira é doutorado em História da Arte pela Faculdade de Letras do Porto, onde apresentou uma tese sobre a obra do artista plástico José de Guimarães. Sobre este artista publicou dois livros, um dos quais publicado na China pela TodayArtMuseum. Colaboroucom a revista Arte Ibérica, tem artigos dispersos por diversas revistas internacionais e é autor dos títulos “Arte e Literatura na Guerra Civil de Espanha”, “A Culpa é destas Liberdades”, “As Reflexões do Diabo”, “Maria Pia: Rainha e Mulher”, em co-autoria com Manuel Pavão, e “A Tragédia de Fidel Castro”. Este livro, publicado em Portugal pela Saída de Emergência, venceu o USA BestBookAwards 2013, o Beverly HillsBookAwards 2014, o Global EbookAwards 2014, foi finalista do Montaigne Medal 2014, foi finalista do WishingShelfIndependentBookAwards 2014, foi considerado pela revista ForewordReviews a terceira melhor tradução publicada nos EUA em 2012, e foi recentemente adaptado ao teatro nos EUA.

A sessão é pública.

PONTE DE LIMA ADIA CONFERÊNCIA SOBRE CARDEAL SARAIVA

A conferência Frei Francisco de S. Luís e o nosso tempo, agendada para o dia 20 de maio, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima, vai ser adiada por motivos de força maior.

Ainda sem nova previsão de data, a sessão, orientada por Oliveira Ramos, é a primeira de uma série de outras conferências organizada no âmbito do programa comemorativo dos 250 anos de nascimento do insigne Cardeal Saraiva, dinamizado pelo Município de Ponte de Lima.

Seguem-se, a 3 de junho, O beneditino Cardeal Saraiva e os estudos históricos, por D. Frei Geraldo Coelho Dias; a 21 de julho, O Cardeal Saraiva: o homem e os livros, a cargo de António M. Barros Cardoso; a 23 de setembro, Frei Francisco de S. Luís: académico e filólogo, ministrada por Telmo Verdelho; a 21 de outubro, O Cardeal Saraiva e o conflito entre o Estado e a Igreja na Revolução Liberal portuguesa, orientada por Afonso Rocha; a 11 de novembro, D. Frei Francisco de S. Luís e os estudos literários, da responsabilidade de Cândido Martins; e, por último, a 02 de dezembro, Tensões e conflitos entre liberais e absolutistas no Alto Minho, no tempo de Cardeal Saraiva, por Alexandra Esteves.

Todas as conferências têm início agendado para as 19h00, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

CABECEIRENSES DEBATEM APOIO ÀS EMPRESAS

Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto promove Seminário ‘Portugal 2020 - Apoio às Empresas’

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto encontra-se a promover o Seminário ‘Portugal 2020 - Apoio às Empresas’, uma iniciativa que decorre no próximo dia 3 de maio, terça-feira, na Casa do Povo do Arco de Baúlhe, a partir das 15h00, e que tem como destinatários os empresários e os potenciais investidores.

São objetivos deste seminário proporcionar aos participantes um conhecimento mais aprofundado sobre o modelo de funcionamento do Novo Quadro Comunitário de Apoio e seus principais programas de incentivo ao investimento das empresas.

O programa, cuja sessão de abertura estará a cargo do presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, contará com a intervenção do Prof. Dr. Emídio Gomes, Gestor do Norte 2020 e presidente da CCDRN – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte. Após um período de debate, para as 16h00 está prevista uma comunicação sobre os ‘Novos incentivos às empresas no âmbito do Portugal 2020’ da responsabilidade da CCDRN - Unidade de Apoio aos Sistemas de Incentivo das Empresas, seguindo-se a apresentação de um caso de sucesso.

No âmbito deste seminário estão também previstas outras ações, designadamente uma reunião de trabalho com o Executivo Municipal e ainda uma visita ao edifício dos Paços do Concelho e centro histórico da vila.

O Município, ciente do seu papel dinamizador, pretende dar um novo elã à economia de Cabeceiras de Basto, promovendo os seus recursos e estimulando o empreendedorismo. É aqui que reside a importância da realização deste seminário que proporcionará o debate sobre os desafios e as oportunidades para desenvolver Cabeceiras de Basto, informando, em simultâneo, os empresários e os potenciais investidores sobre as linhas de financiamento disponíveis para apoio às empresas no âmbito do Portugal 2020.

A este propósito e na lógica da aproximação do Município aos empresários, de referir que está a ser criado o GAE - Gabinete de Apoio ao Empresário para apoiar a modernização e expansão do tecido empresarial do concelho; disponibilizar ferramentas para potenciar negócios; facilitar a captação de investimento estratégico; sensibilizar e formar os interessados em melhorar a sua capacidade de gestão, assim como, a capacidade de resposta a eventuais oportunidades.

PÓVOA DE LANHOSO DEBATE HOMOFOBIA E TRANSFOBIA

Seminário debate homofobia e transfobia no dia 17 de maio

A Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através dos serviços de Ação Social e Saúde e do SIGO - Serviço para a Promoção da Igualdade de Género, promove, no próximo dia 17 de maio, a evocação do Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia e a Transfobia, através da realização de um Seminário.

Esta iniciativa, que decorre no Fórum dos Bombeiros Voluntários, com início pelas 15h15, será dinamizada pela professora doutora Ana Maria Brandão do ICS da Universidade do Minho. Destina-se a estudantes de ensino secundário, profissionais das áreas da Saúde e Educação e pessoal técnico de IPSS's. 

A entrada é gratuita, mas necessita de inscrição para sigo@mun-planhoso.pt.

Numa sociedade verdadeiramente democrática, torna-se fundamental assegurar o respeito pelos Direitos Humanos, promovendo a igualdade, a solidariedade, a tolerância, o diálogo, o respeito pela diversidade e a dignidade da pessoa humana.

Neste sentido, o combate à discriminação baseada na orientação sexual, na religião ou crença, na deficiência, na idade, na origem ou raça constitui uma das tarefas centrais na prossecução dos nossos objetivos.

O Dia Internacional de Luta contra a Homofobia e Transfobia é já assinalado em muitos países, mas, em muitos deles, o preconceito contra as pessoas LGBT continua enraizado nas mentalidades e relações sociais. A homofobia e a transfobia a nível social contribuem para negar a milhões de pessoas em todo o mundo a sua dignidade humana. “Por isso, as organizações públicas ou privadas desempenham um papel fundamental na promoção dos princípios de não discriminação tanto no que respeita à sua ação e intervenção na sociedade como relativamente à sua própria organização interna” (Comité da Europa).

No âmbito do Serviço para a Promoção da Igualdade de Género, dos Serviços de Ação Social e Saúde da Autarquia, este dia será assinalado através da promoção de um Seminário, que abordará e trará a debate e reflexão as discriminações das pessoas, cuja orientação sexual e identidade de género não é heterossexual.

VIANENSES DEBATEM ARQUITETURA MODERNISTA

Centro de Estudos Regionais promove um percurso pela arquitectura modernista em Viana do Castelo

No próximo dia 28 de Abril (quinta-feira), o Centro de Estudos Regionais promove um percurso urbano, no âmbito do programa do Ciclo de Estudos “Arte, da criação à fruição”, pela arquitectura modernista em Viana do Castelo, conduzido por Francisco Carneiro Fernandes.

“A Arquitectura Modernista em Viana do Castelo - primeira metade do século XX" é um percurso urbano, centrado na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, que nos permitirá revisitar os principais exemplares de arquitectura da cidade referentes ao referido período, conhecer melhor os seus autores e as características do seu trabalho.

Guiado por Francisco Carneiro Fernandes, autor de diversos artigos e livros sobre a história da cidade, o percurso terá início pelas 15 horas, junto do Café Girassol, no Jardim Público, tendo uma duração prevista de duas horas a duas horas e meia.

A participação é gratuita e não carece de inscrição.

DISCIPLINA ORÇAMENTAL É DETERMINANTE PARA SUSTENTABILIDADE DO PAÍS

- Afirmou Ricardo Rio, Presidente do Município de Braga, na conferência em que participou sobre dívida pública e integração europeia

CMB20042016SERGIOFREITAS0000001832

Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, participou ontem, dia 20 de Abril, numa conferência intitulada "Dívida pública e a integração europeia, prioridade ou segundo plano?", que decorreu na Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho e esteve integrada nas V Jornadas de Economia organizadas pela NAECUM - Núcleo de Alunos de Economia da UM.

CMB20042016SERGIOFREITAS0000001830

Na ocasião, o Autarca defendeu que, independentemente do processo de integração europeia e das regras externas que são impostas ao país, é importante ter em conta a necessidade de disciplina orçamental, até pela necessidade de sustentabilidade das contas a médio e longo prazo. “É impossível perspectivarmos um Estado, uma Autarquia, empresa, organização ou um cidadão que sistematicamente não consiga gerar o volume de receitas suficiente para fazer face aos seus encargos. Com a agravante que, no Estado, estes não são encargos pontuais, porque existe uma estrutura de custos de natureza fixa com a máquina de funcionamento estatal que não é prescindível”, afirmou.

Segundo o Edil, a discussão e preocupação com as contas públicas generalizou-se nos últimos anos. “Actualmente conceitos económicas e medidas de combate à dívida e défice orçamental são discutidos incessantemente na opinião pública porque as pessoas têm clara consciência que estas questões têm um impacto directo no seu dia-a-dia”, disse.

CMB20042016SERGIOFREITAS0000001835

Olhando para esta realidade no contexto da União Económica e Monetária, Ricardo Rio sublinhou que Portugal, um membro de pleno direito e empenhado no crescimento do projecto europeu, tem de cumprir regras e compromissos que obrigam a corresponder ao que os outros estados-membros esperam do país. “A situação que se vivia em 2011 era insustentável, dai que, ao longo do período de resgate, Portugal se tenha comprometido a encetar políticas e reformas que condicionaram e muito o desempenho económico mas que produziram resultados a nível financeiro e levaram à saída limpa. No entanto, tiveram um custo elevado com um período de retracção económica, baixa do consumo, quebra do investimento e aumento do desemprego”, referiu, salientando que, a nível das instâncias internacionais, se deve discutir a necessidade de maior equilíbrio entre o ajustamento orçamental e a garantia de um nível mínimo relevante de crescimento económico que torne o processo sustentável para o futuro: “A determinado momento, só o crescimento económico garante a sustentabilidade das contas públicas, devendo este ser gerado pelo investimento e competitividade internacional”.

Ainda assim, continuou, a expectativa do Estado não pode passar por esperar que Bruxelas aligeire os critérios. “Temos de conseguir encontrar o equilíbrio certo entre os nossos compromissos, a defesa do nosso interesse por via do processo de consolidação orçamental e o cumprimento dos critérios internacionais”, disse.

Relativamente à administração local e ao seu papel no processo de ajustamento orçamental, Ricardo Rio afirmou que esta tem cumprido o seu papel no período de ajustamento, com as Autarquias a reduzirem o endividamento num panorama de restrições a vários níveis.

“Entre 2012 e 2015, a administração local reduziu de forma generalizada os excedentes orçamentais, numa média superior a 5% da receita anual, reduziu o valor da divida em 2343 milhões de euros, ou seja, 25% do que é hoje a sua divida acumulada”, enfatizou.

CMB20042016SERGIOFREITAS0000001836

SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO ABRE CICLO DE CONFERÊNCIAS - JOVEM AGRICULTOR EM CAMINHA

Caminha recebe amanhã a primeira conferência do “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”

Caminha acolhe amanhã o “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”, da AJAP - Associação dos Jovens Agricultores de Portugal.A iniciativa terá inicio pelas 14h30, no Valadares, Teatro Municipal e conta com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

Caminha é um dos sete concelhos que vai receber o “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”. As restantes vão decorrer em Faro, Peso da Régua, Nelas, Estremoz, Funchal e Lisboa.São objetivos deste ciclo de conferências: debater as oportunidades do PDR2020, conhecer a análise de peritos em Investimento Agrícola e testemunhos locais de entidades, empresas e jovens agricultores de sucesso.

Em Caminha, a sessão de abertura será presidida pelo Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, a que se seguem as intervenções de Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, João Pedro Borges, presidente do Conselho de Administração da CA Seguros, José Gonçalves Correia da Silva, representante do Crédito Agrícola Noroeste e Eduardo Almendra, presidente da AJAP.

Subordinada ao tema “Ser Jovem Agricultor – desafios e oportunidades” esta conferência apresenta como oradores: Miguel Freitas, especialista em assuntos agrícolas europeus; Pedro Santos, consultor de projetos de investimento agrícola da empresa Consulai, José Martins, Jovem Agricultor da empresa Raiz da Terra e Firmino Cordeiro, diretor geral da AJAP.

A sessão de encerramento estará a cargo de Guilherme Lagido Domingos, vice-presidente da Câmara Municipal de Caminha e de Eduardo Almendra.

Trata-se de uma iniciativa que visa ajudar a dinamizar a agricultura no concelho, enquanto fator de desenvolvimento e criação de riqueza.

O “Ciclo de Conferências – Jovem Agricultor” conta com os patrocínios da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, do Crédito Agrícola Seguros, da Epagro e da Magos IrrigationSystems.

CENTRO DE ESTUDOS REGIONAIS PROMOVE CONFERÊNCIA SOBRE A ARTE MEDIEVAL NO ALTO MINHO

No próximo dia 21 de Abril (quinta-feira), na Sala Couto Viana da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, às 17.00 horas, António Matos Reis apresenta uma comunicação sobre a arte medieval no Alto Minho, integrada no Ciclo de Estudos “Arte, da criação à fruição”, promovido pelo Centro de Estudos Regionais.

António Matos Reis, natural de Fornelos (Ponte de Lima), é doutor em História, pela Universidade do Porto, com a tese intitulada “Os Concelhos na Primeira Dinastia à luz dos forais e de outros documentos da Chancelaria Régia”. Fez, na Università Internazionale del'Arte, em Florença, os cursos de Museologia e de Estudos Especiais de Crítica de Arte. Tem exercido várias actividades e funções, entre as quais se contam as de docente de História, no ensino oficial, as de Conservador e Director do Museu Municipal de Viana do Castelo, e as de Director do Departamento de Desenvolvimento Económico, Social e Cultural, na Câmara Municipal de Viana do Castelo. Actualmente trabalha como investigador independente, integrado no C.E.P.E.S.E. (Projecto “Sociedade Medieval Portuguesa”). Tem cerca de duas centenas de trabalhos publicados, entre os quais se destacam os livros seguintes: Origens dos Municípios Portugueses (com duas edições, 1991 e 2002), O Foral de Valença (1996), A Santa Casa da Misericórdia de Ponte de Lima no passado e no presente (1997), Entre o sucesso e desgraça – Pero do Campo Tourinho, fundador de Porto Seguro (2000), Ponte de Lima no Tempo e no Espaço (2000); A Louça de Viana (2003), História dos Municípios 1055-1385 (2007), que lhe mereceu o Prémio Nacional de História Medieval “Almeida Fernandes” no ano de 2008; Foral Manuelino de Viana da Foz do Lima (2012) e Foral Manuelino de Valença (2013).

O Ciclo de Estudos “Arte, da criação à fruição” é promovido pelo Centro de Estudos Regionais, no âmbito das actividades da sua Academia Sénior, e desenvolve-se até finais de Junho, incluindo conferências, visitas de estudo e exposições.  

A sessão é pública.

Nota: encontra-se patente nas instalações do Centro de Estudos Regionais, situadas no Largo do Instituto Histórico do Minho, junto à Sé Catedral de Viana do Castelo, uma exposição de fotografia organizada pelo Clube de Fotografia da Academia Sénior do Centro de Estudos Regionais. A entrada é livre.

FAMALICÃO DEBATE CENSURA DO ESTADO NOVO AO "JORNAL DE NOTÍCIAS"

Isabel Forte fala em Famalicão sobre “A censura do Estado Novo no Jornal de Notícias”

O Museu Bernardino Machado, em Vila Nova de Famalicão, acolhe no próximo dia 29 de abril, sexta-feira, a conferência “A Censura do Estado Novo no Jornal de Notícias”.

Inserida no ciclo de conferências do museu que, recorde-se, decorre este ano decorre sob o tema “A Censura na Ditadura Militar e no Estado Novo”, a iniciativa contará com a participação da jornalista Isabel Salazar, autora do livro “A Censura de Salazar no Jornal de Notícias”, lançado em 2000 pelas Edições Minerva Coimbra.

CICLO DE CONFERÊNCIAS - JOVEM AGRICULTOR COMEÇA EM CAMINHA

Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação abre a sessão

Caminha é um dos 7 concelhos que vai receber o “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”, da AJAP - Associação dos Jovens Agricultores de Portugal.A iniciativa vai decorrer no dia 21 de abril, pelas 14h30, no Valadares, Teatro Municipal e conta com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira. Trata-se de uma iniciativa que visa ajudar a dinamizar a agricultura no concelho, enquanto fator de desenvolvimento e criação de riqueza.

Caminha recebe a primeira conferência do “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”. As restantes vão decorrer em Faro, Peso da Régua, Nelas, Estremoz, Funchal e Lisboa. Este ciclo de conferências pretende debater as oportunidades do PDR2020, conhecer a análise de peritos em Investimento Agrícola e testemunhos locais de entidades, empresas e jovens agricultores de sucesso.A sessão de abertura será presidida pelo Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, a que se seguem as intervenções de Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, João Pedro Borges, presidente do Conselho de Administração da CA Seguros, José Gonçalves Correia da Silva, representante do Crédito Agrícola Noroeste e Eduardo Almendra, presidente da AJAP.

Subordinada ao tema “Ser Jovem Agricultor – desafios e oportunidades” esta conferência apresenta como oradores: Miguel Freitas, especialista em assuntos agrícolas europeus; Pedro Santos, consultor de projetos de investimento agrícola da empresa Consulai, José Martins, Jovem Agricultor da empresa Raiz da Terra e Firmino Cordeiro, diretor geral da AJAP.

“O novo programa PDR 2020 já começou e, neste momento, urge unir esforços, convergir estratégias e objetivos, continuar a apostar de forma sólida e responsável no rejuvenescimento do setor agrícola, e organizar o mais possível as diferentes formas de comercialização das produções dos nossos agricultores. Consciente destas dificuldades e das oportunidades que se colocam aos agricultores, nomeadamente aos Jovens, a AJAP lança este ano o seu primeiro “Ciclo de Conferências – Jovem Agricultor”. Queremos debater, analisar e encontrar soluções num debate amplo e aberto, onde além de especialistas, o público em geral também é convidado a participar», disse a propósito Firmino Cordeiro, Diretor-geral da AJAP.

Miguel Alves, autarca de Caminha e anfitrião da primeira Conferência, considera que “é uma distinção para o concelho de Caminha acolher a iniciativa, em primeiro lugar porque a AJAP é a entidade que mais se tem preocupado em promover o empreendedorismo dos jovens que na agricultura procuram o seu modo de vida, em segundo lugar, porque os temas da conferência, certamente, estimularão o interesse dos jovens do concelho, e mesmo do Alto Minho, pela atividade agrícola”.

O setor agropecuário do Alto Minho dá mostras de dinamismo, com novas iniciativas a surgirem nos últimos anos e algumas com grande sucesso, nomeadamente nas áreas da horticultura e da floricultura em estufa ou ainda da kiwicultura.

“Caminha tem condições no domínio da agricultura para proporcionar aos jovens uma atividade rentável. É necessário que a opção se faça nas culturas que melhor se adaptem em termos ecológicos e de estrutura da propriedade. Consciente disso, o Município tem promovido uma série de encontros/debate dirigidos para atividades que pensamos ser boas opções – pequenos frutos, kiwi, horticultura, transformados de porco. Têm sido debates muito participados e estamos certos que, com este evento da AJAP no concelho de Caminha, novas iniciativas surgirão”, conclui o autarca de Caminha.

O “Ciclo de Conferências – Jovem Agricultor” conta com os patrocínios da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, do Crédito Agrícola Seguros, da Epagro e da Magos IrrigationSystems.

ANTÓNIO GUTERRES ESTEVE HOJE EM FAFE E FALOU SOBRE O PROBLEMA DOS REFUGIADOS

Candidato a secretário-geral das Nações Unidas homenageado no âmbito do Terra Justa

“Negócio dos traficantes de refugiados é um negócio fabuloso” – A declaração de António Guterres foi feita, esta manhã, durante uma Conversa de Café, no café Arcada, em Fafe.

Subordinada ao tema “Uma ca(u)sa para o mundo”, o candidato a secretário-geral das Nações Unidas ONU, enalteceu a decisão da autarquia fafense em chamar à discussão um tema tão abrangente e importante para a sociedade.

Guterres alertou para o facto da Europa e o mundo estarem a presenciar uma tragédia sem fim à vista.

“Estamos perante uma tragédia para a qual não se vislumbra uma solução, pelo menos para já. O sofrimento dos migrantes aumenta a cada dia, pela falta de soluções para a sua condição humana. Por isso, urge respeitarmos estas pessoas, principalmente o nosso país, um país tradicionalmente ligado à emigração”.

Perante um café repleto de curiosos, António Guterres defendeu ainda que estas pessoas têm como objetivo regressar à sua terra natal e que o que “falta é cooperação internacional no que respeita a este problema”.

“Ninguém imagina o que estas pessoas sofrem nas mãos dos traficantes e, por isso, a Europa não pode ficar indiferente a essa situação e deve criar condições para ajudá-las. É necessário ter uma grande capacidade para receber estas pessoas com dignidade”.

Na ocasião, o antigo chefe do governo e ex-Alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), admitiu que o mundo “está perante uma tragédia, para a qual não se vislumbra uma solução aceitável”.

PÓVOA DE LANHOSO EVOCA MARIA DA FONTE

"Camilo Castelo Branco e a Póvoa de Lanhoso" abre ciclo de conferências no dia 23 de abril

No intuito de assinalar a passagem dos 170 anos da Revolução da Maria da Fonte, a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, através do Centro Interpretativo Maria da Fonte (CIMF), preparou um ciclo de conferências, as quais, na maioria dos casos, serão acompanhadas por exposições paralelas e envolvendo alguns dos principais ou mais relevantes parceiros do CIMF.

Este Ciclo de Conferências, para além de evocar historicamente a passagem do 170.º aniversário da Revolução da Maria da Fonte, também denominada Revolução do Minho, propõe-se, conjuntamente com os jornais “Maria da Fonte” e “Correio do Minho” (que assinalam, respetivamente, 130 e 90 anos de existência em 2016), fazer transpor para a contemporaneidade um conjunto de temáticas relevantes consideradas “Ao tempo da Maria da Fonte” e que no nosso tempo renovam a sua pertinência.

"Estamos numa fase de instalação do Núcleo Documental do Centro Interpretativo Maria da Fonte. Esta iniciativa emana dessa vontade de transformar este espaço num ponto de excelência para o estudo e divulgação da nossa heroína. E este ciclo de conferências comemorativas dos 170 anos da revolução do Minho vai nessa linha de orientação", afirma o Vereador para a Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, Armando Fernandes. "Espero que os povoenses adiram às iniciativas que, conjuntamente com os jornais “Maria da Fonte” e “Correio do Minho”, iremos promover até ao final do ano. Os povoenses que já visitaram o Centro Interpretativo Maria da Fonte saem de lá maravilhados. Espero que muitos outros encontrem disponibilidade para nos fazerem uma visita e fruírem da informação que temos disponível", acrescenta.

Com periodicidade mensal, este ciclo inicia-se a 23 de abril com a temática “Camilo Castelo Branco e a Póvoa de Lanhoso”.

Camilo Castelo Branco dedicou, na sua obra, uma relevância significativa à Póvoa de Lanhoso. Para além de referências esporádicas ao topónimo desta terra em obras como Novelas do Minho, há pelo menos três romances do mestre de Ceide que têm este concelho como importante palco das suas tramas, nomeadamente O Demónio do Ouro (1873), A Brasileira de Prazins (1882) e Maria da Fonte (1885). Obras que se tornaram não apenas excelentes crónicas de costumes do tempo, mas, também, um espelho onde encontramos refletido o pensamento político do autor em determinada fase da vida.

A primeira destas iniciativas tem o seguinte programa:

23 de abril (sábado) | 17h00

Centro Interpretativo Maria da Fonte

Póvoa de Lanhoso

“Porquê Ler Camilo?”

Prof. Doutor Sérgio Guimarães de Sousa

Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho / Casa de Camilo

“Camilo e a Herança de Londres: da realidade à ficção”

Dr. José Abílio Coelho

Centro Interpretativo Maria da Fonte

"Vida e Obra de Camilo"

Exposição Bibliográfica

CIMF / Centro de Estudos Camilianos

24 de Abril (domingo) | 10h00

“Nos Passos da Revolta”

Itinerário cultural pedestre

Parceiros: Centro Interpretativo Maria da Fonte | Jornais "O Correio do Minho” (1926-2016) e “Maria da Fonte” (1886-2016)

Apoios: Casa de Camilo | Centro de Estudos Camilianos | Junta de Freguesia de Fontarcada e Oliveira 

MAESTRO ANTÓNIO VITORINO D´ALMEIDA REALIZA CONFERÊNCIA/CONCERTO EM MONÇÃO

Englobado nos “Colóquios da Eurocidade Monção – Salvaterra de Miño”, espetáculo realiza-se na próxima sexta-feira, pelas 21h30, no Cine Teatro João Verde, contando também com as palavras e a música do maestro Miguel Leite e a criação performativa dos artistas monçanense Ricardo de Campos (pintura) e Patricia Oliveira (escultura).

Maestro

Englobado na primeira edição dos “Colóquios da Eurocidade Monção – Salvaterra de Miño”, decorre esta sexta-feira, 8 de abril, pelas 21h30, no Cine Teatro João Verde, uma conferência/concerto do maestro António Victorino D`Almeida que, tanto nas palavras como na música, estará acompanhado pelo maestro Miguel Leite.

O espetáculo, cujas entradas podem ser adquiridas na Loja Interativa de Turismo (T. 251 649 013) ou no próprio local uma hora antes do início, contempla ainda uma criação performativa dos artistas monçanenses Ricardo de Campos (pintura) e Patricia Oliveira (escultura). As mãos vão mexer-se ao ritmo da sonoridade dos maestros e, no final, vai celebrar-se simbolicamente o princípio da vida através da arte.

Assim, a conferência/concerto,intitulada “A música de expressão ibérica”, promete mesclar música e arte num palco envolvente e cativante que abordará junto do público, em rasgos de criatividade e pedaços de improviso, as relações ibéricas de fronteira nas diferentes variantes de criação artística como música, escultura e pintura.  

O diálogo oral e musical de António Victorino D`Almeida e Miguel Leite fluirá com total naturalidade, evocando caraterísticas intrínsecas da cultura ibérica e abordando figuras tão diferentes do sentir português como Amália Rodrigues, Carlos do Carmo, Carlos Paredes, Frederico de Freitas e Braga Santos. A entrada para o espetáculo custa 10.00 €.

Refira-se que a primeira edição dos “Colóquios da Eurocidade Monção - Salvaterra de Miño” decorre nasexta-feira e sábado, dias 8 e 9 de abril, em vários espaços das duas localidades raianas sob a temática geral “Expressões de Cidadania no Feminino na Região Luso-Galaica”. A iniciativa envolve exposições, música e conferências, visando reforçar identidades locais e solidificar a ligação cultural entre as duas regiões.