Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

DOUTORA ELISA LESSA PROFERE EM AMARES CONFERÊNCIA ALUSIVA AO MOSTEIRO DE RENDUFE

Seminário dedicado ao Mosteiro de Rendufe. Conferência “Arte e Devoção no Mosteiro de Rendufe: o canto litúrgico dos monges beneditinos”

Dando continuidade ao Seminário dedicado ao Mosteiro de Rendufe, em Amares, a Direção Regional de Cultura do Norte promove, no próximo dia 23 de setembro, pelas 16 horas, a Conferência “Arte e Devoção no Mosteiro de Rendufe: o canto litúrgico dos monges beneditinos”, proferida pela Doutora Elisa Lessa, professora no Departamento de Música do ILCH da Universidade do Minho. A iniciativa, integrada no programa de comemoração das Jornadas Europeias do Património, decorre no Mosteiro de Rendufe, com entrada livre.

O referido Seminário consiste num conjunto de Conferências intituladas «Conhecer e divulgar o Mosteiro de Rendufe» que contam com a participação de alguns especialistas, com o objetivo de impulsionar o conhecimento e a divulgação do Mosteiro Beneditino de S.º André de Rendufe.

Com origem anterior a 1090, o Mosteiro de Rendufe foi uma das principais casas beneditinas entre os séculos XII-XIV. 

“O papel e ação dos centros beneditinos do ponto de vista cultural, social e económico foram de primordial importância para o desenvolvimento das populações. O seu princípio era o da ocupação constante. As suas obrigações consistiam na celebração do Ofício Divino e na sua preparação para que fosse celebrado com dignidade e esplendor. A liturgia e consequentemente o seu suporte musical foi sempre o principal fundamento da vida monástica, sendo a ocupação principal dos monges, como modo de expressão espiritual e meio de identificação da sua existência. A importância que os beneditinos atribuíam à música, e o desenvolvimento que alcançaram neste domínio, permite afirmar que a congregação teve um papel de relevo na história da música sacra em Portugal.

Os monges músicos tinham privilégios próprios que se traduziam na criação de condições e incentivos ao seu trabalho, fruto do reconhecimento dos seus conhecimentos e dons e da importância do serviço prestado à comunidade. O sinal de agradecimento pela música então ouvida manifestava-se no tempo maior de lazer, na dispensa de algumas Horas Litúrgicas, na alimentação especial e nos doces em ocasiões especiais como o Natal, a Páscoa e as festas dos Santos Padroeiros, momento altos de música polifónica, utilizando-se vários instrumentos, destacando-se o órgão com um papel preponderante na liturgia, com seus Versos, Fantasias, Glosas. O costume de mandar vir músicos de fora em dias de festa era frequente nos mosteiros. Das redondezas vinham até ao mosteiro tocadores de charamelas, que em sintonia com a população celebravam a Festa de S. Bento, de Nossa Senhora do Rosário, dia de Reis, entre outras festividades”. (Elisa Lessa, in «O património artístico musical do Mosteiro de Santo André de Rendufe: conhecer o passado para intervir no presente»)

Conferências Rendufe-set

MUSEU DE OLARIA DE BARCELOS RECEBE CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CULTURAS PARTILHADAS

Museu de Olaria recebe 5.ª Conferência Internacional Sharing Cultures

O Auditório do Museu de Olaria recebe, de 6 a 8 de setembro, o Congresso Sharing Cultures 2017, 5ª Conferência Internacional sobre Património Imaterial, uma parceria entre o Município de Barcelos e a Green Lines - Instituto para o Desenvolvimento Sustentável.

Capturarolaria

A riqueza do património cultural barcelense, como o artesanato, as tradições, a feira semanal, a Festa das Cruzes, o Caminho de Santiago, entre outros, são o mote que tornam Barcelos o lugar perfeito para reunir investigadores e académicos em torno da salvaguarda e promoção do património imaterial.

As sessões de trabalho, com apresentação de trabalhos e artigos científicos, decorrem durante os três dias, das 14h às 15h30. Noutros horários, no dia 7 haverá uma sessão, entre as 9h e as 10h, e no último dia do congresso estão agendadas mais duas sessões, a primeira entre as 9h e as 10h e a segunda das 11h às 12h.

Quanto a visitas e atividades sociais, no primeiro dia os grupos participantes irão ter a oportunidade de fazer uma visita guiada no centro da cidade de Barcelos, que irá mostrar os principais pontos turísticos da cidade, como a Igreja Matriz, a Ponte Medieval, o Palácio dos Condes de Barcelos e o Museu Arqueológico de Barcelos. A visita contemplará também a Câmara Municipal, a Torre da Porta Nova, a Igreja do Senhor Bom Jesus da Cruz, entre outros pontos interessantes, com guias que contarão a história e as lendas de cada lugar.

No final desta visita guiada, haverá ainda a possibilidade de fazer um percurso de 4 quilómetros do Caminho Português de Santiago, entre o Senhor da Cruz e a Igreja de Abade de Neiva, com transporte gratuito de regresso ao Museu.

No dia 7, quinta-feira, está reservada uma visita à feira semanal e a participação em workshops com artesãos locais que, no Museu de Olaria, irão ensinar as técnicas para moldar o barro e criar peças únicas pelas próprias mãos.

A participação é de inscrição obrigatória, para isso utilize o contacto e-mail do secretariado do congresso sc2017@greenlines-institute.org. Para mais informações consulte o website http://sharing.greenlines-institute.org ou a página de Facebook da Green Lineshttps://www.facebook.com/Greenlines/

Nota sobre a Green Lines

A Green Lines é uma organização não-governamental (ONG) que desenvolve os seus esforços na promoção das várias vertentes que integram o amplo conceito de desenvolvimento sustentável. A sua intervenção está organizada em torno de um conjunto de ações de investigação, formação e divulgação. Este conjunto de ações assenta prioritariamente na cooperação internacional com organizações similares, fundações, universidades, académicos e investigadores, procurando ter uma ação positiva e interventiva na promoção e sedimentação dos princípios do desenvolvimento sustentável, tanto no âmbito científico, quanto nos âmbitos sócio-cultural, de desenvolvimento e de cooperação.

ESPECIALISTAS DEBATEM 'CASOS DE SUCESSO E BOAS PRÁTICAS NA GESTÃO AUTÁRQUICA’ DE MELGAÇO

Segunda-feira, 31 de julho, pelas 17h00, no Auditório da Porta de Lamas de Mouro

Porta de Lamas de Mouro reúne no dia 31 de julho, em volta de uma tertúlia, especialistas para Pensar Melgaço. ‘Casos de Sucesso e Boas Práticas na Gestão Autárquica’ tem como propósito abordar o que de melhor se fez e faz no concelho, identificando os principais motores de crescimento do município. O momento acontece no auditório de Porta de Lamas, pelas 17h00, e é aberto ao público em geral.

CARTAZ (1).png

O Professor Doutor Jorge Costa (Presidente do IPDT - Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo), Professor Doutor Álvaro Campelo (Doutorado em Antropologia), o Engº Pedro Silva (Especialista em Planeamento e Transportes) e o Arquiteto José António Lopes (Autor de estudos estratégicos de planeamento territorial e ordenamento), serão os oradores convidados, juntamente com o autarca melgacense, Manoel Batista. Octávio Ribeiro, diretor do Correio da Manhã, será o Moderador do momento.

A iniciativa é da Cofina, que com esta ação pretende fazer renascer a tradição das TERTÚLIAS a partir do Município Mais a Norte de Portugal.

DR DANIEL CAFÉ VAI A LOURES FALAR ACERCA DO FUTURO DO MOVIMENTO FOLCLÓRICO

A pedido do Rancho Folclórico Verde Minho, o Presidente da Federação do Folclore Português vai a Loures proferir uma palestra subordinada ao tema “40 Anos da Federação do Folclore Português: O Passado, Presente e Futuro do Movimento do Folclore Nacional”. A iniciativa tem lugar no próximo dia 21 de Outubro, pelas 15 horas, no auditório do Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte.

CapturarDanicafe.PNG

A conferência, especialmente dirigida a todos os grupos folclóricos da região da grande Lisboa e a todos quantos se interessam pela temática do folclore, é aberta ao público em geral e deverá contar com a presença de representantes da área cultural da Câmara Municipal de Loures.

Trata-se de uma excelente oportunidade para os grupos folclóricos sediados na região, esclarecerem diversos aspectos relacionados nomeadamente com a elaboração do processo técnico.

O Palácio doa Marqueses da Praia e Monforte encontra-se instalado junto ao Parque da Cidade e trata-se do local onde reúne a Assembleia Municipal de Loures, dispondo das melhores condições para a realização de palestras e conferências.

PONTE DE LIMA PRESTA TRIBUTO AO CONDE DA BARCA

Trajetória política de António de Araújo de Azevedo em palestra de tributo

A conferência “António de Araújo de Azevedo (Conde da Barca): trajetória de um intelectual, político e diplomata iluminista” – ação integrada nas comemorações dos 200 anos da morte de uma das personalidades mais destacadas da vida pública portuguesa da segunda metade de setecentos e dos primeiros dezassete anos do século XIX – decorreu na passada sexta-feira, 7 de julho, no Auditório da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima.

António Araújo _ Palestre de Tributo (Medium).JPG

Orientada por Joaquim Pintassilgo, professor associado do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, a palestra procurou trazer o essencial da vida e obra de um homem que se movimentou num período particularmente sensível da história nacional, caracterizado sobretudo por transformações de ordem social e política e pela conflitualidade crescente entre estados europeus – mormente a França e a Inglaterra – que forçaram o país a uma diplomacia de refreamento e cautela.

Traçado o percurso biográfico de António de Araújo de Azevedo - de que se destaca a participação nas atividades da Sociedade Económica de Ponte de Lima, nos anos de 1779 a 1786 -, o conferencista centrou-se especialmente na tentativa de o futuro Conde da Barca conservar a neutralidade na contenda entre franceses e ingleses, objetivo conciliador que diante das circunstâncias fracassou, optando Portugal por ceder às pretensões da velha aliança contra os interesses napoleónicos.

Além da enumeração de alguns dos cargos diplomáticos ocupados por António de Araújo de Azevedo, que lhe permitiram inúmeras estadas no estrangeiro e a observação privilegiada dos principais acontecimentos e progressos das nações por onde andou, Joaquim Pintassilgo sublinhou o ecletismo do político ponte-limense que se dedicou a interesses diversificados, desde a exploração de uma fazenda à criação de um laboratório de química e de um jardim botânico.

Admirador da figura do Conde da Barca, o conferencista salientou ainda, para remate da comunicação de tributo, o espírito reformista de António de Araújo de Azevedo – apesar de moderado e pragmático -, a capacidade intelectual do diplomata, a sua personalidade cosmopolita e multifacetada, o empreendedorismo revelado no projeto iniciado de construção de uma fábrica de fiação nas margens do Lima, o seu poliglotismo e a bibliofilia, consubstanciada numa extensa biblioteca, e a inequívoca fidelidade à monarquia e ao Príncipe Regente D. João (futuro D. João VI).

Em face do interesse em torno da vida e obra do Conde da Barca - título obtido em dezembro de 1815 -, a Biblioteca Municipal de Ponte de Lima vai disponibilizar em breve a tese de mestrado de Joaquim Pintassilgo versada no legado de António de Araújo de Azevedo.

Sobre o palestrante:

Licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1982), Mestre em História Cultural e Política pela Universidade Nova de Lisboa (1987) e Doutor em História pela Universidade de Salamanca (1996), Joaquim António de Sousa Pintassilgo é autor, coautor e organizador de diversas obras, sobretudo dedicadas à área de História da Educação, de que se destaca o título de 2014 "O 25 de abril e a educação: discursos, práticas e memórias docentes". De entre os numerosos artigos publicados, salienta-se o texto "A Revolução Francesa na perspetiva de um diplomata português: (a correspondência oficial de António de Araújo de Azevedo), lançado na Revista de História das Ideias de 1988.

JORNADAS SOBRE “A LÍNGUA COMO OPORTUNIDADE” REALIZARAM-SE EM SANTIAGO DE COMPOSTELA

Língua Portuguesa é um ´veículo privilegiado´ de ligação entre os povos

Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga e do Eixo Atlântico, participou hoje, dia 10 de Julho, nas Jornadas “A Língua como Oportunidade”, organizadas pela União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e pelo Concello de Santiago de Compostela, contando com o apoio da Academia Galega de Língua Portuguesa. O Autarca Bracarense integrou a cerimónia de abertura e um painel dedicado ao tema ´A oportunidade do Camiño Português de Santiago´.

CMB10072017SERGIOFREITAS0000008144.jpg

Assinalando a entrada do Município de Santiago de Compostela para a UCCLA, como Membro Observador - no dia 19 de Abril, por ocasião da sua XXXIIIª Assembleia Geral, realizada em Luanda - as duas organizações decidiram realizar umas jornadas com o objectivo de abordar a importância da língua, nomeadamente na vertente económica.

Segundo o Edil, este tipo de iniciativas ´corporiza o esforço de abrir portas´ à colaboração entre instituições, cidadãos e Cidades. “Cada vez mais as Cidades são o espaço natural de colaboração e são muitas as redes que, a nível internacional, têm o compromisso de suprimir barreiras, estreitar laços culturais, promover o desenvolvimento das regiões e a partilha de boas praticas para que os resultados sejam os melhores”, referiu.

De acordo com Ricardo Rio, a língua é um veículo privilegiado de ligação entre as Cidades, cidadãos e Estados distantes entre si. “Em todo o mundo temos Cidades com as quais dispomos de um canal de comunicação que deve potenciado. Este é o momento de saudar a iniciativa de Santiago de Compostela de se juntar à UCCLA, um espaço de colaboração que contribui para a união entre os povos e para a promoção do desenvolvimento integrado”, disse.

A proximidade entre o galego e o português permite ser entendido na forma de relacionamentos económicos com as Cidades UCCLA e os mercados em que se inserem, inclusive os mais distantes, como os da China. Os percursos do turismo, nomeadamente o turismo religioso e o arquitectónico a ele ligado são, igualmente, formas de intercâmbio que as jornadas reflectiram.

Sobre o Caminho Português de Santiago, Ricardo Rio realçou a necessidade de uma maior articulação entre os diversos agentes no terreno. “Essa é a dimensão em que estamos mais atrasados. É perceptível a inexistência de uma estrutura que junte o turismo, estruturas regionais e culturais. Esse é um dos grandes desafios que lançamos ao Governo, o de replicar do lado português uma estrutura com as funções do Xacobeo em Espanha, que possa ter uma acção eficiente. Essa é a prioridade das prioridades”, salientou.

Apesar da necessidade de maior articulação, o autarca enfatizou as melhorias e o crescimento da notoriedade do caminho português nos últimos anos, reflectido num aumento considerável de utilizadores. “Passamos de mais de 20 mil visitantes há 5 anos atrás para quase 40 mil em 2016, o que representa já uma parcela próxima dos 20% dos visitantes que chegam a Santiago. Esta realidade tem um elevado valor económico e mobiliza os actores colectivos a responder aos desafios, nomeadamente à muita qualificação física que falta concretizar e à promoção internacional que tem de continuar a ser desenvolvida, sendo a candidatura a classificação do caminho português como património imaterial da humanidade um importante passo nesse sentido”, disse.

Presentes nas Jornadas estiveram personalidades como Vítor Ramalho, Secretário-Geral da UCCLA, Joám Evans Pins, secretário-geral da Academia Galega da Língua Portuguesa, Valentín Garcia Gómez, Secretário-geral de política linguística, Lídia Monteiro, directora-coordenadora do Turismo de Portugal, Gonçalo Mello Mourão, representante permanente do Brasil junto da CPLP, e Martiño Noriega Sánchez, Alcaide-Presidente do Concello de Santiago de Compostela, bem como representantes empresariais portugueses e galegos.

CMB10072017SERGIOFREITAS0000008148.jpg

CMB10072017SERGIOFREITAS0000008149.jpg

CMB10072017SERGIOFREITAS0000008151.jpg

“150 ANOS DE MIGUEL VENTURA TERRA” EM DEBATE NO MUSEU MUNICIPAL DE CAMINHA

Conferência sobre o arquiteto seixense vai ter lugar no dia 10 de julho

O arquiteto seixense Ventura Terra volta a estar no epicentro das atividades cultuarias do concelho. A Câmara Municipal de Caminha e a Associação Ventura Terra vão promover a conferência “150 anos de Miguel Ventura Terra”, na próxima segunda-feira, dia 10 de julho, no auditório do Museu Municipal de Caminha.

Miguel_Ventura_Terra.jpg

Aconferência “150 anos de Miguel Ventura Terra” é o culminar das comemorações dos 150 anos do nascimento de Miguel Ventura Terra, que o Município promoveu, durante um ano, no concelho. As comemorações tiveram inicio a 14 de julho de 2016, com a inauguração do Monumento Comemorativo dos 150 anos do Nascimento do Arquiteto Miguel Ventura Terra, no Largo de São Bento em Seixas e com a inauguração da exposição móvel “Miguel Ventura Terra (1866 – 1919)”, que visou dar a conhecer o trabalho notável levado a cabo pelo arquiteto seixense. Em dezembro de 2016, foi apresentado o livro “Açôr – o Cão de Ventura Terra”, de Gisela Silva. E recentemente, o Museu Municipal teve patente ao público a exposição “Ventura Terra – Arquiteto, Nobre Filho de Seixas”.

Recorde-se que Ventura Terra nasceu em Seixas, a 14 de julho de 1866. Foi um ilustre arquiteto, autor de muitas obras emblemáticas, como por exemplo a Assembleia da República, o Teatro Politeama, o Santuário de Santa Luzia, a Maternidade Alfredo da Costa, o Liceu Camões, o Liceu Pedro Nunes, a Sinagoga de Lisboa e o edifício do Banco Totta& Açores, também em Lisboa.

Com inicio pelas 10H00, a conferência vai apresentar como moderador o prof. Fernando Capela Miguel. A conferência dedicada ao ilustre seixenseintegra as seguintes comunicações:  “Ventura Terra e a Arte Pública”, por Ana Duarte; “Ventura Terra no Porto”, por José Pedro Tenreiro; “Ventura Terra, Arquiteto e Cidadão”, por Maria Calado; “Ventura Terra e o Hospital do Porto”, por Helena Gonçalves Pinto; “Ventura Terra, um Filho de Seixas”, por Alda Terra; “Ventura Terra e a sua Casa de Férias”, por José Manuel Carvalho Araújo e “Ventura Terra e a sua Casa de Veraneio”,por Fernando Baptista Pereira.

FAMALICENSES DEBATEM EM SEMINÁRIO TERRORISMO E FRAUDE ALIMENTAR

Amanhã, 5 de julho, a partir das 14h00, na Casa das Artes, com entidades de relevo

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, abre amanhã, quarta-feira, 5 de julho, pelas 14h00, na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, o seminário “Terrorismo e Fraude Alimentar”, promovido pela Câmara de Vila Nova de Famalicão, em parceria com a SGS, empresa líder mundial em inspeção e certificação de produtos alimentares.

Entre os conferencistas presentes contam-se, entre outros, Pedro Queiroz, Diretor Geral da Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares (FIPA), António Nunes, Presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), Fernando Santos Pereira, Subinspetor-Geral da ASAE, e Evangelia Komitopoulou, da Global Customised Audits Manager, Food Safety&Quality.

O mote da iniciativa é tão pertinente como atual. Nos últimos anos as empresas do sector alimentar têm sido afetadas pelos efeitos de polémicas relacionadas com a contaminação de produtos alimentares e fraude nas refeições pré-preparadas, com consequências que podem ser graves para a saúde humana.  

Este seminário irá abordar vários aspetos relativos à prevenção da adulteração alimentar, nomeadamente a certificação do produto, e contará com as presenças de representantes das entidades com mais know-how na matéria: a Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares (FIPA), o Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT) e a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Presentes estarão também as entidades que cooperam com a autarquia famalicense na criação, em Vila Nova de Famalicão, do Centro de Competências do Agroalimentar para o Sector das Carnes. Como se sabe, Vila Nova de Famalicão é um dos mais relevantes municípios portugueses no agroalimentar, com empresas de referência nacional e internacional. A importância crescente deste sector económico levou a autarquia a definir como prioridade do Plano Estratégico 2014-2025 a criação de um Centro de Competências do Agroalimentar para o Sector das Carnes.

PROGRAMA
14h00 |  Abertura
Paulo Cunha, Presidente da Câmara Municipal de Famalicão 
14h30 |  O papel da indústria na defesa alimentar
Pedro Queiroz, Diretor Geral da Federação das Indústrias Portuguesas Agroalimentares (FIPA)
14h50 |  New developments in the global food protection system
Evangelia Komitopoulou – Global Customised Audits Manager, Food Safety & Quality
15h10 |  O sistema alimentar no conceito estratégico de defesa nacional
António Nunes, Presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT)
15h30 |  Food defense nos referenciais FSSC 22 000, BRC Food e IFS Food (SGS)
Raquel Silva, Gestora de Produto de Certificações Agroalimentares da SGS
16h10 |  Food defense e fraude alimentar: a realidade nacional e internacional
Fernando Santos Pereira – Subinspetor-Geral da ASAE
16h30 |  Biologia molecular para evitar a fraude
Mário Gadanho, Diretor Técnico do Laboratório SGS Molecular
16h50 |  Metodologias para o Food Defense
Paula Severino, Investigadora e autora do livro, ISA
17h15 |  Debate
17h45 |  Lançamento do livro  “Food Defense” e networking com autores

PONTE DE LIMA EVOCA CONDE DA BARCA

Município de Ponte de Lima promove palestra sobre António de Araújo de Azevedo - Conde da Barca

O Município de Ponte de Lima vai assinalar os 200 anos da morte de António de Araújo de Azevedo (1817-2017) com uma palestra de tributo agendada para o próximo dia 7 de julho, pelas 19h00, no Auditório da Biblioteca Municipal. Intitulado “António de Araújo de Azevedo (Conde da Barca): trajetória de um intelectual, político e diplomata iluminista”, a conferência orientada por Joaquim Pintassilgo, professor associado do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, permitirá divulgar o essencial da vida e obra de uma notável personalidade ponte-limense que marcou a vida portuguesa no final do século XVIII e nos primeiros dezassete anos do século XIX.

palestra_condebarca_2-01.png

Associe-se às comemorações do bicentenário de António de Araújo de Azevedo e marque presença na palestra de homenagem.

Esperamos por si!

Sobre o palestrante:

Licenciado em História pela Universidade de Lisboa (1982), Mestre em História Cultural e Política pela Universidade Nova de Lisboa (1987) e Doutor em História pela Universidade de Salamanca (1996), Joaquim António de Sousa Pintassilgo é autor, coautor e organizador de diversas obras, sobretudo dedicadas à área de História da Educação, de que se destaca o título de 2014 “O 25 de abril e a educação: discursos, práticas e memórias docentes”. De entre os numerosos artigos publicados, salienta-se o texto “A Revolução Francesa na perspetiva de um diplomata português: (a correspondência oficial de António de Araújo de Azevedo), lançado na Revista de Histórias das Ideias de 1988.

01 - CONDE da BARCA.jpg