Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CASA CHEIA NA APRESENTAÇÃO DOS PLANOS DO MUNICÍPIO DE CAMINHA PARA O CENTRO HISTÓRICO DE CAMINHA

Intervenção, financeiramente garantida, é também uma grande oportunidade para os particulares

O Centro Histórico de Caminha, numa área de 10,37 hectares, vai sofrer uma profunda intervenção, num investimento já garantido de cerca de 800 mil euros, a que poderá acrescer a ação dos particulares em matéria do edificado de que são proprietários, uma vez que estão disponíveis importantes incentivos financeiros e fiscais.

apresentação plano estratégico Caminha 1

O Município intervirá em matéria de espaço público e infraestruturas, de acordo com as quatro prioridades de investimento definidas: Rua de S. João, Rua Ricardo Joaquim de Sousa e Travessa do Tribunal, Largo do Turismo e Largo Dr. Luís Fetal Carneiro. O Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para o Centro Histórico de Caminha foram ontem à noite apresentados à população, numa sessão aberta, longa e bastante participada, que decorreu no salão nobre dos Bombeiros Voluntários de Caminha.

Os planos da Câmara Municipal para o Centro Histórico encontram-se em fase de discussão pública e serão posteriormente submetidos à Assembleia Municipal. A sessão de ontem não era obrigatória, mas foi uma opção do Município, no sentido da promoção do diálogo com os moradores e comerciantes, do incentivo à participação cidadã e de sensibilização para a importância dos projetos que estão em causa.

A área de intervenção inclui as zonas urbanas mais consolidadas, abrangendo o património histórico e cultural, os espaços públicos geradores de atratividades e equipamentos de utilização coletiva, que integram a centralidade da Vila.

Conforme explicou o vice-presidente da Câmara, Guilherme Lagido, o processo foi iniciado há três anos, com a deliberação da Assembleia Municipal, que definiu duas grandes áreas de intervenção no concelho (a esta acresce a da Sandia, em Vila Praia de Âncora).

No caso ontem em discussão, está em causa a Área de Reabilitação Urbana (ARU) do Centro Histórico de Caminha, que foi seguida da correspondente elaboração de uma Operação de Reabilitação Urbana (ORU). A estratégia de intervenção no Centro Histórico de Caminha decorre também da revisão do Plano Diretor Municipal.

Espaço público e infraestruturas

A qualificação do espaço público e a renovação das infraestruturas são os dois grandes eixos. Guilherme Lagido recordou que algumas redes são muito antigas e encontram-se deterioradas, causando sucessivos problemas, como os vem acontecendo recorrentemente com a rede de água, na Rua Direita, com extrema frequência.

O responsável da Câmara lembrou que algumas destas infraestruturas somam mais de meio século, estando inseridas num subsolo frágil, que ainda agrava os problemas.

Também ao nível das acessibilidades nunca foi feita uma intervenção mais profunda e não temos até hoje um Centro Histórico amigo dos peões, disse Guilherme Lagido.

A grande oportunidade surgiu no âmbito do Norte 2020 e a Câmara não perdeu tempo, apresentando a fazendo aprovar a candidatura. Seguiu-se todo o trabalho técnico e chegou-se aos instrumentos agora em discussão.    

Grandes objetivos das intervenções

Importa, pois, referir as grandes linhas da intervenção preconizada para cada uma das prioridades de investimento definidas, quatro como referimos, que foram apresentadas pelo arquiteto João Brás. Assim, na Rua de S. João, o propósito é a reabilitação (devolução) da dinâmica comercial desta artéria (desde o topo norte - edifício das Finanças - até ao encontro com a Rua Visconde Sousa Rego).

Quanto à obra a executar na rua Ricardo Joaquim Sousa e na Travessa do Tribunal, está em causa uma intervenção nos dois eixos do núcleo histórico que assumem maior vivência, com vista à renovação e qualificação urbana.

Sobre os trabalhos a desenvolver no Largo do Turismo, o arquiteto da Câmara Municipal de Caminha referiu-se à recuperação da importância e do papel daquele largo, face à localização privilegiada (charneira), destacando a intenção de promover a condição de espaço de encontros e fixação de atividades, e a de induzir a reabilitação dos imóveis situados na área de influência do largo.

Intervenção no Largo Dr. Luís Fetal Carneiro, por seu lado, visa genericamente a qualificação do espaço público.

Aplauso generalizado para uma grande oportunidade

Exibidos as primeiras imagens das intervenções, o “aplauso” do público presente foi generalizado, destacando-se a grande oportunidade para Caminha. Os projetos foram especialmente saudados pelo presidente da Junta de Freguesia de Caminha e Vilarelho, Miguel Gonçalves. A discussão acabou por se centrar em questões ligadas ao estacionamento automóvel, designadamente na Rua de S. João, com os comerciantes a dividirem-se sobre o interesse (ou não) da sua manutenção, sendo consensual que os moldes em que atualmente é praticado não beneficiam as atividades comerciais.

Conforme referiu o presidente da Câmara, Miguel Alves. no final da sessão, que durou cerca de duas horas e meia, poderá voltar-se a este debate no futuro, sendo certo (como já tinham referido alguns comerciantes) que o atual estacionamento é “falso”, no sentido de que há viaturas que permanecem estacionadas ao longo de todo o dia. Os próprios estabelecimentos comerciais têm como que uma barreira visual em frente às suas montras.

apresentação plano estratégico Caminha

BALANÇO DO ALTO MINHO TREX’ EM CAMINHA E CERVEIRA

Balanço do ‘Alto Minho TrEx’ em Caminha e Cerveira

Terceiro dia de trabalho no terreno, no âmbito da iniciativa ‘Alto Minho TrEx’. As duas equipas multifacetadas foram distribuídas pelos concelhos limítrofes de Caminha e de Vila Nova de Cerveira para ações de fogo controlado em parcelas previamente identificadas e tratadas. No entanto, dadas as condições de prescrição, os trabalhos em Caminha não avançaram por razões de segurança, pelo que as equipas uniram esforços e atuaram num total de 24 ha de parcelas do concelho cerveirense.

Imagem1

Estava-se perante um dia meteorologicamente diferente dos anteriores, nomeadamente devido às fortes rajadas de vento, e que se revelou um verdadeiro teste para especialistas, técnicos e operacionais partilharem conhecimentos e experiências de gestão de combustível em ciclo de retorno.

De realçar que nesta ação estiveram envolvidos meios de apoio complementares das duas comunidades, desde as equipas de sapadores florestais, dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira e da Unidade Local de Covas.

Até ao momento, o ‘Alto Minho TrEx’ esteve em seis dos 10 concelho do distrito, tendo abrangido uma área total de cerca de 70ha. As ações práticas terminam esta sexta-feira, perspetivando-se depois a realização de uma análise e avaliação desta iniciativa inédita na Europa, promovida pela CIM Alto Minho em parceria com a "Nature Conservancy”, organização internacional, sem fins lucrativos, líder na conservação da biodiversidade e do meio ambiente.

Imagem2

Imagem4

OBRA DE REQUALIFICAÇÃO DO NÓ DA ERVA VERDE EM FASE DE CONCLUSÃO

Empreitada vai custar mais de meio milhão de euros

A empreitada 2ª fase da requalificação do Nó da Erva Verde, em Vila Praia de Âncora, está em fase de conclusão. Estima-se que a obra fica pronta até ao Natal. Trata-se de uma obra estruturante para Vila Praia de Âncora, orçada em mais de meio milhão de euros. “Esta é uma obra que era urgente. E, é uma obra que faz justiça com Vila Praia de Âncora e com uma zona central de grande visibilidade de Vila Praia de Âncora. É um investimento fortíssimo da Câmara Municipal de Caminha.  É um investimento em termos absolutos e sem fundos comunitários. É o investimento de todo o concelho nos últimos anos que tem um esforço mais significativo da parte da Câmara Municipal, mas é um investimento justo, justo para esta zona”, realçou ontem o presidente da Câmara durante uma visita ao local com o objetivo de acompanhar os trabalhos.

22.11.2017 - visita obra Nó da erva Verde (1)

Miguel Alves sublinhou a importância da Vila: “estamos fortemente empenhados em apostar em Vila Praia de Âncora. É uma das nossas prioridades poder requalificar o espaço público que ainda tem muitos problemas por resolver e vamos continuar dentro das possibilidades da câmara, dentro dos recursos que nós temos a apostar neste que é um dos grandes centros do concelho de Caminha e um dos fatores de atratividade da nossa região”.

Decorreu ontem uma visita à obra de requalificação do Nó da Erva Verde, em Vila Praia de Âncora. A visita contou com a presença do presidente e vereadores da Câmara Municipal de Caminha; empreiteiro e técnicos responsáveis pela obra e pelo projeto. Para Miguel Alves, Vila Praia de Âncora ganhou uma nova centralidade: “ganhamos uma nova centralidade em Vila Praia de Âncora. Ganhámos um espaço de usufruto público, que permitirá potenciar a utilização da Ludoteca e dar uma visibilidade diferente a toda esta zona do Nó da Erva Verde”. A obra está em fase de conclusão. Está a ser colocado o tapete betuminoso e estão a ser realizados os acabamentos de pavimentos na área envolvente à Ludoteca e a ultimar alguns espaços verdes. A previsão é de que a obra fique pronta até ao Natal.

22.11.2017 - visita obra Nó da erva Verde (2)

Esta obra estruturante vai trazer muitos benefícios à população de Vila Praia de Âncora. Recorda-se que, esta era uma zona que se encontrava degradada e pouco funcional, no que respeitava à desorganização viária, ao desgaste de pavimentos, tanto dos passeios como das vias de circulação. Esta zona ainda apresentava deficiências ao nível de infraestruturas de águas pluviais e carência de bolsas de estacionamento. O presidente da Câmara realçou as mais valias desta obra para os ancorenses: “esta obra vai beneficiar a população com mais estacionamento, com passeios que permitem a locomoção, com uma pavimentação, que agora sim entra no século XXI, e com toda a infraestrutura que está por baixo, que vai permitir resolver muitos problemas de encaminhamento de águas pluviais de Vila Praia de Âncora”.

De facto, esta intervenção vai permitir várias melhorais. Foi eliminado o conflito existente nas ligações entre a Rua Miguel Bombarda, a Rua Lourenço Rocha e a EN13, procedendo-se à hierarquização das redes viárias. Previu-se a promoção da acessibilidade a pessoas com mobilidade condicionada através da definição de percursos pedonais e criação de passadeiras sobre-elevadas, niveladas com os passeios, inibidoras de velocidade, de forma a promover e garantir a travessia das vias existentes sem barreiras arquitetónicas e em segurança. Foi criada uma nova entrada para a Ludoteca/Biblioteca de Vila Praia de Âncora, através da cedência de área de terreno ao domínio público e o acesso de viaturas por uma entrada lateral, possibilitando o estacionamento privativo e, por conseguinte, o desafogo de área de estacionamento público. Ao nível das águas pluviais foram requalificadas as infraestruturas existentes e adaptadas ao novo arranjo urbanístico, bem como, se construiu uma nova galeria hidráulica, com grande capacidade de escoamento.

Sobre a obra, o presidente da Câmara mostrou-se satisfeito: “estamos muito satisfeitos. Esta é uma obra possível através do empenhamento dos técnicos da Câmara, dos arquitetos, dos engenheiros, do trabalho da empresa que ganhou o concurso, e também da compreensão da população que durante estes meses viu afetado esta zona toda em virtude destas obras”.

22.11.2017 - visita obra Nó da erva Verde (3)

22.11.2017 - visita obra Nó da erva Verde (4)

CÂMARA VAI APRESENTAR PUBLICAMENTE O PLANO ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA PARA ÁREAS DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

A primeira sessão decorre já na quarta-feira, em Caminha

A Câmara Municipal vai promover duas sessões públicas para apresentar o Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para as áreas do Centro Histórico de Caminha e Sandia (Vila Praia de Âncora), numa altura em que o novo documento se encontra em fase de discussão pública. O objetivo proporcionar um processo participado, na sequência do que tem vindo a ser a política do Executivo. A primeira destas sessões é já na quarta-feira, em Caminha.

PERU _ARU_ Caminha_ VPA

Quem quiser conhecer melhor o Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para as áreas do Centro Histórico de Caminha e Sandia (Vila Praia de Âncora) poderá fazê-lo nos dias 22 e 27 de novembro, nas duas sessões de apresentação que a Câmara vai promover, respetivamente em Caminha e em Vila Praia de Âncora.

A primeira destas sessões decorre já quarta-feira, dia 22, pelas 21H30, em Caminha, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários de Caminha. A segunda sessão terá lugar no dia 27 de novembro, pelas 18H00, na Casa do Benfica, em Vila Praia de Âncora.

Recorda-se que, o Município viu aprovada uma candidatura para reabilitação urbana do Centro Histórico de Caminha e da zona da Sandia, em Vila Praia de Âncora, estando assegurado um apoio comunitário de 1,5 milhões de euros, dos quais 800 mil serão para a zona da Sandia e Vista Alegre, contemplando uma população da zona alta da freguesia, maioritariamente envelhecida, e que até agora não tinha conseguido fazer ouvir a sua voz junto da Câmara Municipal.

CÂMARA DE CAMINHA VAI APRESENTAR PUBLICAMENTE O PLANO ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA PARA ÁREAS DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

A primeira sessão decorre já na quarta-feira, em Caminha

A Câmara Municipal vai promover duas sessões públicas para apresentar o Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para as áreas do Centro Histórico de Caminha e Sandia (Vila Praia de Âncora), numa altura em que o novo documento se encontra em fase de discussão pública. O objetivo proporcionar um processo participado, na sequência do que tem vindo a ser a política do Executivo. A primeira destas sessões é já na quarta-feira, em Caminha.

PERU _ARU_ Caminha_ VPA

Quem quiser conhecer melhor o Plano Estratégico de Reabilitação Urbana e Operação de Reabilitação Urbana para as áreas do Centro Histórico de Caminha e Sandia (Vila Praia de Âncora) poderá fazê-lo nos dias 22 e 27 de novembro, nas duas sessões de apresentação que a Câmara vai promover, respetivamente em Caminha e em Vila Praia de Âncora.

A primeira destas sessões decorre já quarta-feira, dia 22, pelas 21H30, em Caminha, no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários de Caminha. A segunda sessão terá lugar no dia 27 de novembro, pelas 18H00, na Casa do Benfica, em Vila Praia de Âncora.

Recorda-se que, o Município viu aprovada uma candidatura para reabilitação urbana do Centro Histórico de Caminha e da zona da Sandia, em Vila Praia de Âncora, estando assegurado um apoio comunitário de 1,5 milhões de euros, dos quais 800 mil serão para a zona da Sandia e Vista Alegre, contemplando uma população da zona alta da freguesia, maioritariamente envelhecida, e que até agora não tinha conseguido fazer ouvir a sua voz junto da Câmara Municipal.

CAMINHA PARTICIPA NO TREX - TRAINING EXCHANGES

No concelho a ação de fogo controlado vai decorrer no dia 22, em Arga de São João, pelas 10H00

Caminha vai participar num evento pioneiro na Europa no âmbito do fogo controlado denominado ‘TREX - Training Exchanges  - sobre metodologias inovadoras no uso do fogo’, que decorre de 18 a 24 de novembro. No concelho de Caminha a ação prática de ação de fogo controlado vai decorrer no dia 22, em Arga de São João.

A iniciativa ‘Alto Minho TREX’ promovida no âmbito da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho pretende promover a divulgação, intercâmbio e capacitação técnica dos operacionais envolvidos no uso do fogo. Integrado no projeto da CIM “Protec|Georisk: Alto Minho 2020” (apoiado pelo PO SEUR), este evento conta com a colaboração de especialistas da conceituada organização “The Nature Conservancy”.

Para além do uso do fogo, os técnicos oriundos de Portugal, Espanha, Brasil, EUA e Canadá, reunidos durante 7 dias em regime de internato no Centro de Educação e Interpretação Ambiental da Paisagem Protegida de Corno do Bico, em Paredes de Coura, abordarão temas como a ecologia do fogo, organização e gestão de incidentes (ICS/IMT) e gestão do fumo e seus impactos.

O ‘Alto Minho TREX’ terá início, no dia 18 de novembro, com um workshop que contará com a participação de oradores nacionais e estrangeiros, que apresentarão diversos pontos de vista e experiências inovadoras no contexto europeu. Nos dias seguintes e até ao dia 24 de novembro, serão realizadas ações piloto de treino e intercâmbio de técnicas de gestão de eventos de riscos e de uso do fogo controlado em ambientes e ecossistemas diversificados dos dez municípios do Alto Minho. Refira-se que estas ações estão previstas nos planos de fogo controlado desenvolvidos pelos gabinetes técnicos florestais dos municípios e inserem-se no “Plano Regional de Fogo Controlado do Alto Minho”, que está a ser promovido pela CIM Alto Minho no âmbito do projeto “Protec|Georisk: Alto Minho 2020”.

No caso de Caminha, a ação piloto de treino e intercâmbio de técnicas de gestão de eventos de riscos e de uso do fogo controlado acontecerá no dia 22 de novembro, se as condições climatéricas assim o permitirem, a partir das 10H00, em duas parcelas de Arga de São João, num total de 48,02 hectares. Esta ação de prevenção foi articulada com o Baldio de Arga de São João e com os pastores, cujos objetivos são: a proteção do edificado, a proteção florestal e a criação de áreas de pastoreia.

REUNIÕES DESCENTRALIZADAS DO EXECUTIVO CAMINHENSE COMEÇAM ESTE MÊS NA FREGUESIA DE ARGA

Reunião pública decorre no dia 29 de novembro, no edifício da Junta de Freguesia de Arga de Baixo, pelas 18h30

As reuniões públicas descentralizadas vão iniciar este mês na Freguesia de Arga. Miguel Alves e o restante executivo vão a Arga de Baixo para esclarecerem e ouvirem as questões levantadas pela população de Arga de Baixo, Cima e São João. A reunião descentralizada vai decorrer no dia 29 de novembro, no edifício da Junta de Freguesia de Arga de Baixo, pelas 18h30.

.

As sessões públicas descentralizadas continuam a fazer parte da agenda do executivo caminhense. Recorda-se que estas sessões tiveram inicio em 2014, aquando do primeiro mandato de Miguel Alves.  

As reuniões públicas descentralizadas são um instrumento de participação que os munícipes têm à disposição para dialogar diretamente com as pessoas que comandam os destinos do concelho. Além de favorecerem a proximidade junto da população, estas reuniões permitem ao presidente e vereadores da Câmara Municipal ouvir, esclarecer e prestar contas da gestão municipal, contribuindo assim para uma democracia local mais participativa.

Recordamos que estas reuniões apresentam como único ponto da ordem de trabalhos a audição dos munícipes. Assim, os munícipes interessados em intervir deverão proceder à respetiva inscrição, com uma antecedência mínima de 48 horas, na Câmara Municipal, através do telefone 258 710 300 ou do e-mail geral@cm-caminha.pt. Ainda o podem fazer na sede da Junta de Freguesia Arga de Baixo, Cima e São João. É de realçar que, no momento da inscrição, os munícipes deverão indicar o contacto telefónico e o assunto a tratar. Será dada prioridade aos assuntos relacionados com as freguesias em questão e de interesse coletivo e/ou público.

AUTARCAS DOS CONCELHOS RIBEIRINHOS DO MINHO ASSINARAM ATAS ANUAIS DE RECONHECIMENTO DE FRONTEIRA A BORDO DO N.R.P. RIO MINHO

As atas foram assinadas ontem no Estuário do Rio Minho

Os presidentes e os alcaides das câmaras municipais dos concelhos ribeirinhos do Minho assinaram ontem as Atas anuais de Reconhecimento de Fronteira, a bordo do N.R.P. Rio Minho. É a segunda vez na História do Troço Internacional do Rio Minho (TIRM) que se realiza este evento. O objetivo é valorizar o Rio Minho como um todo. Caminha assinou duas atas de vistoria de fronteira com os municípios de A Guarda e do Rosal.

assinatura ata vistoria de fronteira (1)

Na cerimónia participaram os presidentes das Câmaras Municipais de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Melgaço e um representante da Câmara Municipal de Monção; os alcaides de A Guarda, Rosal, Tominho, Arco, As Neves, Salvaterra do Minho e Arbo, e ainda o Capitão do Porto de Caminha, o Comandante Naval Portugal Minho, a Comandância Naval Espanhola, entre outros.

A assinatura anual destes documentos, prevista nos termos do artigo XXV do Tratado de Limites entre Portugal e Espanha, assinado a 29 de setembro de 1864 e nos termos do artigo VIII do seu anexo I, assinado a 4 de novembro de 1866, tem por objetivo ratificar o reconhecimento efetuado de alguns pontos da fronteira, pelos respetivos delegados municipais, com o apoio das Autarquias situadas nas margens do TIRM.

Com esta iniciativa pretende-se partilhar e fomentar o intercâmbio de ideias e iniciativas entre os vários intervenientes, com o objetivo de preservar, impulsionar e valorizar este Troço Internacional.

Este evento conta com o apoio da Marinha Portuguesa, da Autoridade Marítima Nacional e da Armada Espanhola.

assinatura ata vistoria de fronteira (2)

EXECUTIVO CAMINHENSE REÚNE QUARTA-FEIRA

Pelas 15H00, no Salão Nobre do Edifício dos Paços do Concelho

O executivo caminhense vai reunir em sessão ordinária esta quarta-feira, dia 15 de novembro. Da ordem de trabalho fazem parte várias propostas. A reunião vai decorrer no Salão Nobre do Edifício dos Paços do Concelho, em Caminha, pelas 15H00.

O executivo vai analisar o concurso público da Rede de Defesa da Floresta Conta Incêndios – aprovação da minuta do contrato – submeter à Assembleia Municipal a autorização de compromisso plurianual. É de referir que o concurso em causa foi adjudicado por 494.709,63€, a que acresce o valor do IVA.

Da ordem de trabalhos faz parte ainda a proposta de concurso público da Rede de Distribuição de Água e Saneamento – Freguesia de Argela – submeter à Assembleia Municipal a autorização de compromisso plurianual, no montante de 1.164.809,74€.

O executivo vai pronunciar-se sobre a atualização de tarifas do ferryboat Santa Rita de Cássia.

Integra também a ordem do dia a atribuição de subsídios: ao Atlético Clube de Caminha para apoio nas comemorações do 25º aniversário do clube, no valor de 2500€. O executivo vai votar igualmente um subsídio ao Clube de Praticantes de Karaté de Caminha para apoio nas despesas com a participação no Campeonato Internacional de Karaté – “18Th Open Karate Championship – Dhammika Cup 2017” – ratificação. Este campeonato decorreu nos dias 11 e 12 de novembro, na Alemanha.

O executivo vai igualmente deliberar sobre a nomeação dos representantes do Município no Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais – ratificação.

Por último, a ordem de trabalhos integra a prorrogação de incentivos à dinamização das Feiras do Município de Caminha.

PROBLEMAS DE INUNDAÇÕES NA ROTUNDA DA A28 CHEGAM AO FIM

Câmara de Caminha e Ferrovial encontram solução para problema de águas pluviais criado há 12 anos

Os problemas de inundações na zona da Sandia, nomeadamente na Rua Luís de Camões, em Vila Praia de Âncora estão com os dias contados. Passados 12 anos, a Câmara Municipal de Caminha conclui com êxito a negociação com a Ferrovial e consegue resolver este problema com a obra de construção de uma bacia de retenção de águas pluviais junto à Rotunda da A28 (junto às pedreiras dos "Aurélios"), com capacidade para 1560 m3, criado aquando da construção da A28 e até agora sem solução.

visita obra bacia de retenção águas pluviais (1)

A obra está a ser executada pela Ferrovial e vai custar cerca de 250 mil euros. Miguel Alves cumpre assim mais um compromisso assumido: “estamos a cumprir aquilo que foi um compromisso que assumimos com as pessoas de Vila Praia de Âncora que é de resolver os problemas crónicos de inundações que prejudicam as pessoas, inundações da A28 e é isso que estamos agora a fazer com esta bacia de retenção”. A obra estará concluída em meados de dezembro”.

Na passada sexta-feira, Miguel Alves e Guilherme Lagido estiveram no local, de modo a acompanharem a evolução da obra que vem acabar com muitos problemas que se prolongavam há 12 anos. “Nos últimos anos temos assistido a inundações periódicas em toda esta zona da Sandia, principalmente, na Rua Luis de Camões, que agora com esta intervenção e com aquelas que já fizemos, queremos que terminem. É uma questão de justiça para com estas pessoas”, assegurou o presidente da Câmara.

A bacia de retenção de águas pluviais que está a ser construída será capaz de travar o equivalente ao volume de água registada em inundações nos dias de maior pluviosidade nos últimos 50 anos.

Miguel Alves sublinhou a importância desta obra e garantiu que o executivo está há três anos a tentar solucionar este problema que tem lesado e muito os ancorenses: “este projeto tem vindo a ser negociado nos últimos três anos entre o vice-presidente e a empresa responsável e vem dar resposta a um problema que tem precisamente 12 anos. Porque há 12 anos, em novembro de 2005, foi inaugurado este troço da A28 sem que tivessem sido acautelados, nem por parte do Governo, nem por parte da Autarquia soluções para o escoamento de águas pluviais. Isso na altura foi muito falado, mas pouco resolvido”.

No local, o presidente ainda referiu: “acabando com as inundações temos também a possibilidade de agora avançar com a obra de requalificação da Sandia e Vista Alegre que está hoje em discussão pública e que de acordo com as nossas expectativas poderá já avançar no inicio do ano de 2018”.

visita obra bacia de retenção águas pluviais (2)

visita obra bacia de retenção águas pluviais (3)

visita obra bacia de retenção águas pluviais (4)

ALUNOS DO 3.º E 4.º ANOS DE ESCOLARIDADE EM CAMINHA JÁ EXPERIMENTARAM AS “PRIMEIRAS REMADAS”

Em curso o Projeto Nautismo – Atividades Náuticas no 1º Ciclo

Os alunos do 3.º e 4.º anos de escolaridade do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, do concelho de Caminha, começaram ontem a sua formação desportiva em Remo. “Primeiras Remadas”, uma atividade a desenvolver ao longo do ano letivo, é uma das apostas no desenvolvimento da náutica, e resulta de uma nova política na área do desporto, com parcerias entre a Câmara Municipal de Caminha, Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Nautiminho e Sporting Club Caminhense (SCC).

3M1A9870

As crianças do concelho de Caminha estão a iniciar-se no Remo, com aulas nas instalações do Centro de Formação Desportiva Remo Caminha. Esta é uma atividade destinada a todos os alunos do 3.º e 4.º anos de escolaridade do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais. Decorre nas instalações do Sporting Clube Caminhense, nas tardes de quinta-feira, de acordo com a calendarização estabelecida.

“Primeiras Remadas” integra o Projeto Nautismo – Atividades Náuticas no 1º Ciclo, e as aulas envolvem três professores do Centro de Formação, sendo os alunos acompanhados pela professora titular de turma. A primeira aula foi acompanhada pelo vereador do Desporto da Câmara Municipal de Caminha, Rui Lages.

3M1A9922

O Remo é uma das novidades deste ano letivo em matéria de desporto. Os alunos do 2º e 3º ciclos do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais vão ter também nas aulas de Educação Física, pela primeira vez, as modalidades de SUP (Stand Up Paddle) e Canoagem. O Surf vai igualmente, em breve, ser uma realidade. Para concretizar estas práticas, foram assinados em setembro último dois protocolos, entre a Câmara Municipal de Caminha, Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Nautiminho e Sporting Club Caminhense (SCC).

Conforme salientou o presidente da Câmara, Miguel Alves, na cerimónia de assinatura do protocolo, “isto vai colocar o concelho de Caminha na vanguarda da prática desportiva no futuro e, hoje, na vanguarda daquilo que é a especial ligação do desporto, da comunidade e da escola. Hoje podemos ter os nossos meninos naquilo que faz parte da nossa história, que faz parte das nossas condições e honra aquilo que deve ser o trabalho dos políticos e dos responsáveis que estão à frente das instituições do concelho”.

As novas aulas respondem também a um anseio antigo do Agrupamento. A diretora, Maria Esteves, destacou na mesma ocasião a importância dos protocolos para o Agrupamento: “Os desportos náuticos eram aqueles que não tínhamos em prática desportiva, porque o Agrupamento não tinha e não tem as condições necessárias. Só é possível com a colaboração da Câmara Municipal. Sempre foi um anseio da escola que a prática da Natação e do Remo fossem incentivadas, para podermos dar aos miúdos as condições necessárias ao desenvolvimento físico e lúdico, para podermos criar neles o gosto pela modalidade, para que continuem tradição que Caminha tem. Obrigada pela possibilidade e pela formação mais integral dos nossos alunos”.

3M1A9934

CINETEATRO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA COM CARTAZ DE CINEMA REFORÇADO ATÉ AO FINAL DO ANO

Mais de três dezenas de filmes exibidos no primeiro ano em que a Câmara assume gestão cultural do equipamento

“ThorRagnarok”,uma história marcada pela ação e aventura, é o filme que pode ser visto hoje e amanhã no Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora. O bilhete para a sessão tem um preço simbólico, de três euros, revertendo toda a receita a favor da corporação. Até ao final deste ano, a sala exibe um total de seis filmes e dois deles são sessões especiais de Natal, com quatro apresentações e entrada livre. Estes filmes juntam-se a muitos outros exibidos durante este ano, perfazendo mais de três dezenas.

Desde que a Câmara assumiu a gestão cultural do Cineteatro, em janeiro deste ano, além de espetáculos diversificados e de outros eventos, o cinema passou a ser presença regular no cartaz, com pelo menos dois filmes por mês, sempre atuais, com as exibições a decorrerem em simultâneo com as dos cinemas de todo o país. Com a recuperação e reabertura do Cineteatro, o cinema regressou em força a Vila Praia de Âncora, sendo parte importante da dinâmica cultural da Vila.

Sucessos como o premiado “La La Land”, “Velocidade Furiosa”, “Piratas das Caraíbas – Homens Mortos não contam Histórias”, “Guardiões da Galáxia 2”, “A Bela e o Monstro” e muitos outros títulos do momento passaram pela tela do Cineteatro de Vila Praia de Âncora, sempre com a bilheteira a reverter a favor da corporação de Bombeiros, em pelo menos quatro sessões por mês.

Agora, além, de “ThorRagnarok”, este mês será ainda exibido “Gang do Parque 2”, nos dias 24 e 25, de Cal Brunker, dobrado em português, onde os animais têm o papel principal, e vão enfrentar “o diabólico presidente da câmara”, quepretende demolir o “Parque da Liberdade” para construir um parque de diversões, num espaço que é considerado pelos animais como o seu santuário.

Época de Natal com muito cinema

Em dezembro, mês do Natal e de férias para muitos, a Câmara Municipal reforçou o cartaz de cinema. Dias 1 e 2 é exibido “OnlytheBrave”, de Joseph Kosinski, uma trama que vem mesmo ao encontro do perfil desta sala, já que conta “a história heróica de uma unidade elite de bombeiros”.

A primeira sessão especial de Natal chega no dia 7 e repete no dia seguinte, e a entrada é livre como referimos. “Coco” é um filme deanimação, para toda a família, de Lee Unkrich, e é dobrado em português. Fala de um menino, Miguel: “apesar da proibição da sua família em relação à música, Miguel sonha em tornar-se num grande artista, como o seu ídolo, Ernesto de la Cruz. Desesperado para conseguir provar o seu talento e após uma série de misteriosos eventos, Miguel dá por si na maravilhosa e colorida Terra dos Mortos. Ao longo do caminho, encontra o encantador e vigarista Hector e juntos, partem numa viagem extraordinária, para desvendar a verdadeira história de família de Miguel”.

Nos dias 15 e 16 de dezembro há ação e drama, com “Liga da Justiça”, assinado por ZackSnyder.

As segundas sessões especiais de Natal acontecem nos dias 22 e 23. Na tela reina a boa disposição, com acomédia “Pai só há um…. ou dois”, de Sean Anders. O Natal é também a inspiração da história, que a sinopse resume da seguinte forma: “pai e padrasto, Dusty e Brad, juntam forças para proporcionar o Natal perfeito aos seus filhos. A nova parceria é posta à prova quando o pai de Dusty, um machão da velha guarda, e o pai de Brad, um homem ultra afetivo e emocional, chegam a tempo de tornar esta época festiva num caos completo...” A entrada é livre.

Um ano a gerir o Cineteatro

A Câmara Municipal assumiu, desde janeiro último, a gestão cultural do Cineteatro dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora, com base num protocolo entre o Município e a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Praia de Âncora, quetambém assegura uma verba mensal, que permitiu à Associação garantir o pagamento das obrigações assumidas com as obras.

O protocolo é, aliás,“fundamental para a sustentação financeira dos Bombeiros, para suporte do pagamento das obrigações assumidas com a reabilitação do Cineteatro e para fomento da programação cultural em Vila Praia de Âncora e no concelho de Caminha”, conforme explicou na altura Miguel Alves.

Recorde-se que, nos termos do documento, a Câmara assumiu a gestão cultural, o que implica a definição da linha programática, contratação, divulgação, promoção e procedimentos em geral. A Câmara responsabiliza-se também pelo pagamento de todas as despesas relativas a energia, água, limpeza, manutenção e recursos humanos, pagando ainda à Associação Humanitária, mensalmente, a quantia de mil euros.

O protocolo tem a duração de dez anos, com início em janeiro de 2017, sendo automaticamente renovável se as partes assim o entenderem.

BRASILEIRA GABI BUARQUE APRESENTA POEMAS E CANÇÕES INÉDITAS NO VALADARES, TEATRO MUNICIPAL DE CAMINHA

Concerto terá lugar no dia 25 de novembro, pelas 22H00

Gabi Buarque, cantora e compositora brasileira, é a próxima aposta do Valadares Teatro Municipal de Caminha. A artista vai apresentar o seu novo espetáculo no dia 25 de novembro, pelas 22H00. Os bilhetes já estão disponíveis nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora.

Gabi Buarque

Gabi Buarque está em digressão pela Europa. Em Portugal, nomeadamente, em Caminha, vai apresentar um espetáculo de poemas e canções inéditas, num diálogo com as músicas gravadas em dois CD: “Deixo-me acontecer” e “Fiandeira”, sob direção cénica de Duda Maia.

No Valadares, os caminhenses vão ouvir “Roda de Coco”, “Prosa em Lá”, “Rio Grande”, “Sá Dona Fiandeira”, entre outros sucessos da artista brasileira.

Os bilhetes têm o valor de 5€ e já estão à venda nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora.

Sobre a sua música Gabi Buarque escreve: “a minha música é um espelho do que ouço, vejo, sinto, penso e vivo.” O processo de composição surge por influência de amigos da Escola Portátil de Música, um ambiente com profusão de encontros musicais. Ali também desenvolve seu violão e cavaquinho, além do canto de samba-choro. A escrita veio depois, através do livro ‘Água Viva’ de Clarice Lispector que lhe apontou a poesia em prosa, o fluxo de ideias e o nome do seu primeiro CD”.

Em 2015, o seu trabalho “Fiandeira” constou na lista de melhores CD pelas revistas japonesas LATINA e FÍGARO. Também já ganhou vários prémios: prémio Grão de Música, pela canção “Roda de Coco” (2014); 2º lugar no Festival Samba e Petiscos em Miraí-MG, com as canções “Alguidar” (2013) e “Gafieiríssima” (2014); troféu de Melhor Intérprete no Festival das Rádios Públicas do Brasil, com a canção “Sofro, Sim” (2010). A canção “Lea” é banda sonora do filme “Ibiti, o que?” (2015).

Em dezembro, no dia 8, os Palankalama sobem também ao palco do Valadares. Este quarteto dedicado à música instrumental, baseia as suas composições na música tradicional/folk de diversas regiões e imaginários. Cada música é uma procura de um cenário onde se desenvolve um argumento. Recorrendo à energia do rock, a narrativa é traçada pelos quatro elementos da banda, numa busca de lugares de "ficção”. Em palco estarão: Pedro João (bandolim, cavaquinho, guitarra); José Ricardo Nogueira (guitarra); Aníbal Beirão (contrabaixo) e Rui Guerreiro (bateria, percussão).  Os bilhetes custam 3€ e também já estão disponíveis nos Postos de Turismo de Caminha e de Vila Praia de Âncora.

“À CONVERSA COM ISABEL PIRES DE LIMA” NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CAMINHA

A escritora vem a Caminha no dia 11 de novembro

Isabel Pires de Limaé a próxima convidada de “À conversa com…”. ‘Caminho da Leitura: Ciclo de Conversas’ vai ainda trazer à Biblioteca de Caminha Isabel Pires de Lima. Trata-se de mais uma iniciativa promovida no âmbito da candidatura da valorização dos Caminhos de Santiago que o Município está a desenvolver. “À conversa comIsabel Pires de Lima” vai decorrer no dia 11 de novembro, pelas 17H00, na Biblioteca Municipal de Caminha.

“À Conversa com …” já trouxe a Caminha Richard Zimler, Joel Cleto e Ana Saldanha. Dia 28, a convidada é Isabel Pires de Lima. “Foi Professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde se licenciou em Filologia Românica e doutorou com uma tese sobre Eça de Queirós. É especialista em Literatura Portuguesa, em especial do século XIX e da segunda metade do século XX. É autora de inúmeros textos publicados em revistas e jornais na área da crítica e dos estudos literários e de vários livros, entre os quais ‘As Máscaras do Desengano - Para uma abordagem sociológica de ‘Os Maias’ de Eça de Queirós’ e ‘Vozes e Olhares no Feminino’. Foi deputada e exerceu as funções de Ministra da Cultura do XVII Governo Constitucional e, atualmente, é vice-presidente do Conselho de Administração da Fundação de Serralves”.

Isabel Pires de Limavai trazer “À conversa com” o seu livro ‘As Máscaras do Desengano - Para uma abordagem sociológica de ‘Os Maias’’. Esta ação carece de inscrição obrigatória. Assim, os interessados deverão proceder à respetiva inscrição para cultura@cm-caminha.pt.

PEDALAR E CAMINHAR NA 3ª MELHOR ECOPISTA DA EUROPA

Os municípios do Vale do Minho organizam a iniciativa “Pedalar e Caminhar Pelas Greenways”, domingo, 12 de novembro, celebrando o título de 3ª melhor Via Verde da Europa.

unnamed

46 Kms de ecopista mereceram o título de 3ª Melhor Via Verde da Europa – Via de Excelência, atribuído recentemente pela Associação Europeia Greenways (E.G.W.A.) e pela União Europeia.

“Pedalar e Caminhar Pelas Greenways” começa em Seixas (Caminha), às 9h00 e termina às 12h15, junto à ponte internacional de Monção. Ao longo do percurso, em bicicleta, estão programadas passagens do testemunho entre Lanhelas (Caminha) e Gondarem (Cerveira), às 9h30, entre Vila Meã (Cerveira) e São Pedro da Torre (Valença), às 10h30 e entre Friestas (Valença) e Lapela (Monção), às 11h45. Em cada um dos pontos, os interessados, podem participar em bicicleta, a pé, em patins e em skate juntando-se à iniciativa.

Corredor Verde do Rio Minho

A aposta concertada dos municípios de Monção, Valença, Cerveira e Caminha permitiu potenciar a Ecopista criando um corredor verde, paralelo ao rio Minho, com 46 Kms de extensão.

Património e Natureza Singulares

A Ecopista proporciona passeios por vinhedos, campos de cultivo, contactos com o rio Minho, ribeiros e vistas sobre um vasto património edificado. Alguns miradouros proporcionam vistas privilegiadas para o rio Minho e as veigas. As pesqueiras, as praias fluviais e ínsuas, inseridas na Rede Natura 2000 e um vasto património edificado permitem pequenas escapadas complementares à ecopista.

Reforço da Oferta Turística

A Ecopista está destinada a passeios pedonais, de bicicleta, patins em linha, skate e tem reforçado a oferta turística da região com um produto de natureza que mostra alguns dos aspetos mais cativantes do Vale do Minho.

CONCELHO DE CAMINHA ASSUME HOJE O DESAFIO DE IDENTIFICAR E REGISTAR GRATUITAMENTE 95% DOS SEUS PRÉDIOS RÚSTICOS

Balcão Único do Prédio já funciona na Conservatória de Caminha e uma unidade móvel vai deslocar-se às freguesias

Durante este ano o registo é gratuito e facultativo, daqui a um ano será obrigatório e será pago

Noventa e cinco por cento dos prédios rústicos (agrícolas e florestais) do concelho de Caminha não estão registados. Inverter esta realidade é o desafio que agora começa, através projeto-piloto de registo de terras que hoje arrancou formalmente, com a presença da secretária de Estado da Justiça. Esta é uma grande oportunidade para todos os proprietários, uma vez que todo o processo é gratuito, durante um ano. O Balcão Único do Prédio (BUPi) está centralizado na Conservatória de Caminha, mas o Município dispõe também de uma unidade móvel que em breve vai começar a percorrer as freguesias. É uma autêntica “conservatória sobre rodas”, conforme frisou Miguel Alves, que vai auxiliar as pessoas.  

07.11 (1)

Caminha integra desde hoje o “pelotão da frente”, composto por dez municípios (entre os 308) e assume um grande desafio, uma vez que detém entre os dez (e porventura entre muitos outros) a pior situação em termos de cadastro agrícola e florestal, com apenas 5% das terras registadas, ou seja, entre todo este território, só se encontram formalmente identificados através com competente registo 5% dos proprietários. 

 

07.11 (2)

“Há um longo caminho a percorrer. Quando sabemos que destes 10 municípios, Caminha na relação entre a   área registada e área existente, é o concelho com a percentagem mais baixa, compreendemos que temos um longo caminho a percorrer, que está mensurado, são 95%. Assumimos o desafio”, sublinhou o presidente da Câmara, que pediu o apoio, nesta grande tarefa, das juntas de freguesia, baldios, associações florestais, paróquias e pessoas.

Em Caminha, como nos restantes nove municípios, houve um trabalho de retaguarda que antecedeu o arranque deste projeto. A Secretária de Estado explicou que foi decidido reunir quatro ministérios, que juntaram as suas fontes de informação e chegaram à conclusão do que falta registar, no caso de Caminha, 95% do território.

Os ministérios da Justiça, Finanças, Agricultura e Ambiente construíram a informação de base – “e foi com essa informação de base que pudemos saber de onde partimos. Já sabemos por onde vamos começar em cada um dos dez municípios e esperamos que o sucesso nos dê a massa crítica para estender o projeto ao resto do país”, disse Anabela Pedroso.

Na cerimónia desta manhã, em que participaram, entre outros, o bastonário da Ordem dos Solicitadores, José Carlos Resende; João Paulo Catarino, coordenador da Unidade de Missão para a Valorização do Interior; presidentes de juntas de freguesia do concelho, responsáveis dos baldios e vários outros responsáveis, ficou claro que este é um projeto de vanguarda: “o concelho de Caminha teve a confiança do Governo, teve a confiança das instituições. Vamos agarrar a oportunidade que temos para identificar os proprietários de todos os terrenos rurais e florestais”, frisou Miguel Alves.

Além disso, continuou, “este é um dever de cidadania, de contribuir para que sejamos um país mais forte, em que as instituições possam comunicar entre si. Estamos hoje a começar a descobrir o nosso país. Nós descobrimos mundos e agora estamos a descobrir o nosso país. E estes sistemas informáticos, os técnicos das conservatórias e das câmaras são os nossos descobridores. Navegando na Internet.  É uma obrigação, é uma responsabilidade e é um privilégio”.

Remetendo para as recentes catástrofes provocadas pelos incêndios florestais, Miguel Alves disse: “olhamos para a televisão e temos a tentação de dizer que há responsáveis políticos que não fazem nada. Que temos de identificar o território, que não sabemos de quem são as parcelas. Agora a responsabilidade já não é só dos políticos. Estamos aqui a assumir as nossas responsabilidades. É das pessoas também e queremos pedir às pessoas que nos ajudem a identificar os proprietários. Vamos trabalhar em conjunto. Deixo um grande apelo – é gratuito fazer o que tem de ser feito. Durante este ano o registo é gratuito e facultativo, daqui a um ano será obrigatório e será pago”.

07.11 (3)

CÂMARA VAI CRIAR CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL DO CONCELHO DE CAMINHA

A Câmara Municipal de Caminha vai criar o Conselho Económico e Social do Concelho de Caminha (CESCC). O projeto de regulamento, que define a sua organização e objetivos, foi submetido para discussão pública. Trata-se de um órgão de consulta, concertação e estudo no domínio das políticas económicas e sociais do Município. Posteriormente, será submetido à Assembleia Municipal de Caminha.

O CESCC tem como competências: elaborar e aprovar o respetivo regimento; pronunciar-se sobre as politicas económicas e sociais no Concelho de Caminha, bem como sobre a sua execução;pronunciar-se sobre as propostas de planos setoriais de âmbito municipal e, em geral, sobre as políticas de reestruturação e de desenvolvimento socioeconómico que a Câmara Municipal entenda submeter-lhe;dar parecer sobre a regulamentação das atividades económicas, ao abrigo da legislação em vigor;apreciar regularmente a evolução da situação económica e social do Concelho;promover o diálogo e a concertação entre os parceiros sociais;propor à Câmara Municipal a realização de colóquios, seminários, ou conferencias bem como a edição de materiais de informação ou formação, dirigidas a públicos-alvo que contendam com as esferas económica e social locais;e elaborar estudos, bem como apresentar propostas ou recomendações de caráter económico e social à Câmara Municipal ou a outras entidades públicas.

O CESCC será composto peloPresidente da Câmara Municipal, ou Vereador por ele designado, que preside ao Conselho; o vereador do Pelouro da Ação Social, quando não for o Presidente da Câmara; o Vereador do Pelouro do Ordenamento do Território, quando não for o Presidente da Câmara; o Vereador do Pelouro da Juventude e Desporto, quando não for o Presidente da Câmara; um representante da Assembleia Municipal de Caminha; um representante das Juntas de Freguesia, eleito entre os seus pares; um representante da CGTP; um representante da UGT; um representante da Associação Empresarial de Viana do Castelo; um representante da Cooperativa Agrícola de Viana Do Castelo e Caminha, Crl; um representante da Associação Profissional de Pescas do Rio Minho e Mar; um representante da Associação de Pescadores Profissionais e Desportivos de Vila Praia de Âncora; dois membros indicados pela Rede Social de Caminha; um representante do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais; um representante da ETAP – Escola Profissional; um representante da Academia de Música Fernandes Fão; um representante do Instituto de Emprego e Formação Profissional; um representante do Centro Distrital de Segurança Social; um representante da Administração Regional de Saúde e um representante do Arciprestado de Caminha.