Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

JORNALISTA IDALINA CASAL LEMBRA NO JORNAL “ALTO MINHO” TRAGÉDIA DOS FOGOS OCORRIDA NO ANO PASSADO NA CABRAÇÃO

No ano passado, a Freguesia da Cabração, em Ponte de Lima, foi violentamente assolada por enormes fogos que devoraram quase toda a sua floresta e atingiram algumas casas de habitação e barracões agrícolas.

16388230_10154622091954934_3234121089398744264_n.jpg

Nessa ocasião, a jornalista Idalina Casal, do Jornal de Notícias, encontrava-se em serviço de reportagem no local. Seguiu para o Lugar da Escusa onde lavrava a frente de fogo e acabou ela própria cercada pelas chamas.

Na edição de ontem do jornal “Alto Minho”, mais concretamente na coluna de opinião que dá pelo nome “chá das três”, a jornalista publicou um artigo de opinião onde procura fazer o “mea culpa” mas cujo conteúdo possui uma actualidade incrível e merece uma leitura atenta. Não resistimos em publicar o recorte do artigo!

19366380_1520082158053852_6532843788548475245_n.jpg

JUNTA DE FREGUESIA DE CABRAÇÃO E MOREIRA DO LIMA SONEGA INFORMAÇÃO A MEMBROS DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA

Alguns membros da Assembleia de Freguesia de Cabração e Moreira do Lima solicitaram no passado dia 14 de Abril, ao respectivo Presidente da Junta de Freguesia, a consulta de “todos os documentos contabilísticos de despesa e receita referentes à gestão de 2016” e alguns anos anteriores.

18951511_1529888727078804_6373187739385720406_n.jpg

Não obstante os actos administrativos serem considerados actos públicos e os pedidos possuírem um prazo de satisfação legalmente instituído, aqueles autarcas não viram até ao momento o seu pedido satisfeito por razão inexplicável. A democracia e a administração pública possuem normas de funcionamento estabelecidas. E, quem não deve não teme!

PONTE DE LIMA: CABRAÇÃO RECLAMA RESTAURAÇÃO DA FREGUESIA

Mais de dois terços dos cidadãos inscritos nos cadernos eleitorais da extinta Freguesia de Cabração e ainda outros moradores e proprietários na mesma localidade subscreveram um abaixo-assinado reclamando a restauração da Freguesia da Cabração, no concelho de Ponte de Lima.

Este abaixo-assinado foi entregue ao Presidente da Assembleia da república, com pedido de distribuição a todos os grupos parlamentares, devendo seguidamente ser enviada cópia ao Primeiro-ministro, Dr. António Costa. Entretanto, os promotores da iniciativa esperam em breve reunir com as organizações locais de todos os partidos políticos com assento na Assembleia da República, não excluindo a possibilidade de virem a recorrer a instâncias superiores para fazerem valer os direitos dos habitantes da extinta Freguesia da Cabração.

De referir que, aquando da chamada “Reorganização Administrativa Territorial Autárquica”, os moradores da Freguesia da Cabração jamais foram consultados acerca da decisão de agregação à vizinha freguesia de Moreira do Lima, tendo a decisão lhes sido imposta de forma prepotente e antidemocrática, apesar da sua autonomia remontar aos começos da própria nacionalidade ou seja, com seculares raízes históricas.

As gentes da Cabração não se conformam e têm ao longo dos últimos anos vindo a manifestar o seu descontentamento através das mais variadas formas, mas sempre de uma forma civilizada, na expectativa de que as suas justas reclamações sejam favoravelmente atendidas por quem de direito e venham a obter a solidariedade nomeadamente do próprio município pontelimense. De nada valerá governar contra a vontade dos cidadãos como sucede em relação aos moradores da Cabração que desejam ver os seus órgãos autárquicos restaurados!

Cabração-Lugar da Igreja3

PONTE DE LIMA: CONSELHO DIRECTIVO DOS BALDIOS DE SANTA MARIA DA CABRAÇÃO APRESENTA CANDIDATURA AO PDR2020

O Conselho Diretivo dos Baldios de Santa Maria da Cabração, no concelho de Ponte de Lima, acaba de apresentar uma candidatura ao PDR2020 ação 8.1.4 com vista à recuperação de infraestruturas afectadas com os recentes incêndios florestais, prevenção da contaminação e assoreamento das linhas de água e diminuição da perda de biodiversidade.

15326542_1279912705365617_5616091322485361444_n.jpg

Caros amigos:

Como é sabido, o incêndio do dia 08/08/2016 destruiu todo o baldio, foi a maravilhosa floresta, restaram as cinzas, um enorme prejuízo patrimonial ambiental e ecológico.

O Conselho Diretivo, não se rende a um ato covarde e criminoso, nem baixa os braços.

É tempo de meter mãos a obra e reconstruir tudo, mas faze-lo, não só para recuperar o baldio da Cabração, a nossa floresta, paisagem e ambiente, mas também de forma, a que no futuro não fiquemos expostos a bandidos sem escrúpulos e que se perca tudo outra vez.

Todos temos essa obrigação perante os nossos ante passados mas sobretudo pelas próximas gerações

Por isso metemos mãos a obra, aproveitamos a oportunidade, e após vários dias de intenso trabalho, reuniões e burocracias e para cumprir os prazos muito curtos, apresentamos candidaturas ao PDR2020 ação 8.1.4.

Sem a colaboração de pessoas com alta capacidade profissional e dedicação seria tudo mais complicado ou mesmo impossível.

Por isso agradecemos o trabalho de todos os que estiveram connosco em particular da Sra. Engenheira Elisabete Abreu, da AFL, e Sr. Engenheiro Ivo Gomes do ICNF

Este é o primeiro passo de um longo caminho cheio de dificuldades que não será fácil, exigira muito de nos, do nosso tempo e ate da nossa família e de todos os verdadeiros amigos da Cabraçao

Temos pela frente um enorme desafio, mas estamos certos que com toda a comunidade da Cabração unida, com apoio dos nossos amigos vamos conseguir.

Depois do pesadelo do fogo resta-nos sonhar em ter de novo um baldio que nos orgulhava, uma floresta como sempre tive, um ambiente natural e uma paisagem verde deslumbrante

Deus quer o homem sonha e obra nasce!

O Conselho Directivo

15541223_1279912202032334_7324299751063854897_n.jpg

15578477_1279912682032286_7627907418617877486_n.jpg

15589737_1279912205365667_1490454965674494765_n.jpg

15590636_1279912218698999_6861576939345502705_n.jpg

PONTE DE LIMA: BENS CULTURAIS DA CABRAÇÃO FORAM ARROLADOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA REPÚBLICA

Em 4 de Outubro de 1911, precisamente um ano após a implantação do regime republicano em Portugal, a então criada Comissão Jurisdicional dos Bens Culturais procedeu ao arrolamento dos bens cultuais situados na freguesia de Cabração, concelho de Ponte de Lima, constando de Igreja Paroquial de Cabração.

A Junta de Paróquia de Cabração reclamou do arrolamento que considerou indevido, de 11 inscrições do valor nominal de 100$00 cada, bem como títulos particulares no valor de 131$50.

O processo encontra-se no Arquivo Contemporâneo do Ministério das Finanças.

screenshot_20161215_150114.png

screenshot_20161215_150215.png

screenshot_20161215_150245.png

screenshot_20161215_150324.png

screenshot_20161215_150352.png

PONTE DE LIMA EVOCA ALVES DOS SANTOS

Município de Ponte de Lima assinala os 150 anos de nascimento de Alves dos Santos

O Município de Ponte de Lima vai assinalar o 150.º aniversário de nascimento de Augusto Joaquim Alves dos Santos (1866-2016) – personalidade limiana notabilizada nas áreas da Educação e da Psicologia – com um destaque biobibliográfico patente na Sala de Adultos da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima (BMPL), de 14 a 31 de Outubro.

PL-AlvesSantos.jpg

Uma oportunidade para descobrir a vida e a obra de uma figura menos conhecida do grande público, mas que se destacou em diferentes esferas de atuação. Alves dos Santos foi precursor da Pedologia em Portugal, criou o primeiro laboratório nacional de Psicologia, em Coimbra, exerceu vários cargos políticos de notoriedade e chegou a Ministro do Trabalho na Primeira República.

Além de dois painéis biográficos e da disponibilização para consulta de documentos de e sobre Alves dos Santos, a BMPL facultará um folheto com o essencial do tributo.

Associe-se à homenagem a Augusto Joaquim Alves dos Santos, cujo currículo eclético enobrece o legado cultural de Ponte de Lima, e visite a Biblioteca Municipal.

MUNICÍPIO DE PONTE DE LIMA COBRA CONSUMO DE ÁGUA PERTENCENTE AO BALDIO NA CABRAÇÃO

A água de consumo doméstico na Cabração é proveniente nas nascentes existentes na área de baldio ou seja, propriedade comunitária das gentes locais. A sua prospeção e distribuição para as habitações começou a ser feita sobretudo a partir da década de 80 do século passado, incluindo a construção de depósitos. Os trabalhos efetuados foram pagos com os rendimentos provenientes do baldio ou seja, sem qualquer investimento por parte da Câmara Municipal de Ponte de Lima.

13906706_998788423571832_1779550304601270550_n.jpg

Entretanto, há alguns anos, o município decidiu construir a sua própria rede a partir das nascentes existentes no baldio e colocar contadores para registar e cobrar o consumo doméstico de água.

No mês passado, em consequência dos incêndios florestais ali registados, registou-se um elevado consumo de água uma vez que a população recorreu a todos os meios para combater o fogo que ameaçou a localidade ao ponto de destruir várias habitações. Não obstante as circunstâncias no qual o consumo foi feito, os serviços camarários insistem em cobrar aquilo que não lhes pertence ou seja, a água das nascentes locais empregue no combate ao sinistro!

Um grupo de moradores da União de Freguesias de Cabração e Moreira do Lima solicitou à Câmara Municipal que “fosse levado em consideração o elevado consumo de água” derivado do combate aos incêndios feito pela população local. Mas, o pedido dos habitantes foi indeferido a pretexto de que “a República obriga em caso de extrema necessidade a participação de terceiros”. Resta saber se, o incêndio florestal que atingiu várias habitações na Cabração não constitui um “caso de extrema necessidade” e ainda, com que legitimidade o município de Ponte de Lima cobra aquilo que não lhe pertence?

ATENTADO AMBIENTAL: EMPRESA PARTICULAR DESPEJA LIXOS TÓXICOS NOS BALDIOS DA CABRAÇÃO, EM PONTE DE LIMA

Uma empresa particular tem vindo a proceder a despejos de amianto e outros lixos tóxicos á mistura com produtos de compostagem em terrenos baldios da freguesia de Cabração, no concelho de Ponte de Lima. Já foi participada a ocorrência à GNR no passado dia 3 de agosto e aguarda-se que sejam tomadas as providências necessárias com vista à identificação e responsabilização dos seus autores.

13937075_10210077151076347_253712184_n.jpg

Os lixos têm vindo a ser lançados junto à estrada que liga ao lugar da Escusa e incluem fragmentos de amianto de grandes dimensões, material considerado altamente cancerígena.

A Comissão de Baldios da Freguesia da Cabração procedeu ao aluguer de uma área de baldio a uma empresa que não respeitou as condições do contrato efetuado, passando a utilizar o local para a descarga indevida de lixos de toda a espécie, o que constitui um grave atentado à saúde pública e ao ambiente. A população local está alarmada perante a situação e receia que venha em breve, com a época das chuvas, a ocorrer em breve a destruição dos solos agrícolas através da contaminação dos lençóis freáticos.

Conforme se pode ver nas imagens, a situação apresenta um estado de tal gravidade que requer a intervenção urgente das autoridades.

13900628_10210077471084347_1564578164_n.jpg

13900639_10210077422363129_248923611_n.jpg

13933124_10210077463364154_1907348103_n.jpg

13956945_10210077489324803_525922075_n.jpg

13956984_10210077488644786_224089553_n.jpg

13988734_10210077448323778_977603903_n.jpg

13989470_10210077456203975_1931996515_n.jpg

13989600_10210077506285227_1995407757_n.jpg

13989655_10210077517205500_1840572434_n.jpg

14011823_10210077473084397_556867229_n.jpg

14012132_10210077156156474_847000373_n.jpg

14030612_10210077443563659_757075268_n.jpg

14030612_10210077443563659_757075268_n (1).jpg

14031059_10210077472644386_1012113504_n.jpg

14031156_10210077423883167_680602347_n.jpg

PONTE DE LIMA: MORADORES DA CABRAÇÃO ESTÃO CADA VEZ MAIS DESCONTENTES COM A FUSÃO DAS FREGUESIAS DE CABRAÇÃO E MOREIRA DO LIMA

A fusão das freguesias de Cabração e Moreira do Lima nunca foi vista com agrado por parte dos habitantes da Cabração que viam nesse processo um expediente para a utilização nomeadamente dos seus recursos florestais provenientes dos baldios para cobrir situações deficitárias da autarquia vizinha.

427439_3172274279170_2005616129_n

Entretanto, a recente condenação dos autarcas da Junta de Freguesia de Cabração e Moreira do Lima por meio de sentença transitada em julgado, divulgada inclusivamente na imprensa regional, veio agravar o mal-estar que já vinha existindo. Trata-se da Sentença n.º 25/2015 do Proc. n.º 21/2015 — PAM, publicada em Diário da República, 2ª Série, nº. 54, de 27 de Março de 2016, a qual pode ser consultada em https://dre.pt/application/file/73894565.

Conforme se pode ler da referida sentença, “1 Nos presentes autos estão Sérgio Alcides Trigueiro de Castro Fernandes, Manuel Matos Lima e José Fernandes Leones, respetivamente, presidente, secretário e tesoureiro da junta de freguesia de Cabração e Moreira do Lima — Ponte de Lima, indiciados pela prática de factos que preenchem uma infração processual financeira, prevista na alínea a) do n.º 1 do artigo 66.º da LOPTC (1) (na nova redação dada pela Lei n.º 20/2015, de 9 de março), traduzida na «remessa intempestiva e injustificada das contas ao Tribunal», resultando em síntese o seguinte:

1.1 — Não obstante tivesse sido enviado em abril de 2015 ofício circular, acompanhado do Despacho n.º 3/2015 -EC (2) proferido pelo Juiz Conselheiro da Área, ao presidente do órgão executivo, as contas de gerência de 2014 da junta de freguesia de Cabração e Moreira do Lima — Ponte de Lima, não deram entrada no Tribunal, dentro do prazo legalmente estabelecido.”

As gentes da Cabração são gente séria e não mereciam ver o nome da sua freguesia arrastado na lama sob a acusação de “infração processual financeira”. E, como é costume dizer-se, antes só do que mal acompanhado…

A fusão entre as freguesias de Cabração e Moreira do Lima jamais constituiu um enlace feliz pelo que, na revisão que se prepara da Reforma Administrativa Territorial Autárquica, o bom senso recomenda o regresso à situação anterior, restituindo a cada uma delas a sua autonomia administrativa independente uma da outra, constituindo tal medida uma garantia de bom relacionamento e vizinhança entre os povos.

Cabração-Lugar da Igreja3

ALVES DOS SANTOS: UM LIMIANO QUE FOI UM DOS MAIORES PEDAGOGOS DO SÉCULO XX

Figura controversa, padre apóstata, monárquico convertido ao republicanismo, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. É apontado como o principal autor da reforma do ensino primário de 1911. Pioneiro em Portugal da Psicologia Experimental, criou o primeiro laboratório nesta área. Conhecia em profundidade os principais psicólogos europeus do seu tempo, tendo privado com Henri Piéron (colaborador de Binet), cursou no Instituto Jean-Jacques Rosseau, em Genebra, com Edouard Claparède e Paul Godin.

As suas ideias pedagógicas assentavam num pressuposto, comum a todo o republicanismo, a educação o principal factor de regeneração do país. Figura controversa, padre apóstata, monárquico convertido ao republicanismo, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

É apontado como o principal autor da reforma do ensino primário de 1911. Pioneiro em Portugal da Psicologia Experimental, criou o primeiro laboratório nesta área. Conhecia em profundidade os principais psicólogos europeus do seu tempo, tendo privado com Henri Piéron (colaborador de Binet), cursou no Instituto Jean-Jacques Rosseau, em Genebra, com Edouard Claparède e Paul Godin.

As suas ideias pedagógicas assentavam num pressuposto, comum a todo o republicanismo, a educação o principal factor de regeneração do país.

Obras sobre o ensino e pedagogia: Estatística Geral da Circunscrição de Coimbra relativa ao ano de 1903-1904(1906); A nossa escola primária (o que tem sido, o que deve ser), (1910); O Ensino primário em Portugal nas suas relações com a história geral da nação (1913); Para a história do ensino público em Portugal( um documento importante), artigo (1916); O "crescimento"da criança portuguesa. Subsídios para a constituição duma pedologia nacional (1917); Educação Nova - As bases. O corpo da criança (1919); Assistência às crianças normais, de ambos os sexos, desde os 7 aos 18 anos, em perigo moral, artigo (1919-1921); Um Plano de Reorganização do Ensino Público- Projecto Lei (1921); Laboratório de Psicologia Experimental, artigo (1922-1925); A Medida em Psicologia, artigo (1922-1925); Psicologia Experimental e Pedagogia ( Trabalhos, observações e experiências realizadas no Laboratório) (1923).

Obras sobre Alves dos Santos: Álvaro Garrido, A Utopia pedagógica de Alves dos Santos (lente republicano: 1866-1924), (1998)

Fonte: http://www.filorbis.pt/educar/pedagogos.htm

UNIVERSIDADE DE COIMBRA PRETENDE ASSOCIAR-SE A HOMENAGEM AO DR. ALVES DOS SANTOS

O BLOGUE DO MINHO solicitou ao Diretor da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra a informação possível acerca da eventual realização de qualquer iniciativa de evocação por parte daquela entidade em relação ao Dr. Augusto Joaquim Alves dos Santos. Como resposta e de acordo com a mensagem que a seguir se transcreve, recebida há instantes, a Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra terá o maior gosto em associar-se a uma eventual iniciativa de homenagem ao ilustre limiano que foi Alves dos Santos.

Exmº Sr

Dr Carlos Gomes

Agradecendo muito o seu contacto, venho informar que, não estando nos nossos planos, de momento, tomar nenhuma iniciativas próprias, teremos, no entanto, o maior gosto em associarmo-nos a qualquer ação que venha ser empreendida com o objetivo de lembrar a figura insigne do Doutor Augusto Joaquim Alves dos Santos.

Ficando ao dispor de V. Exª para o mais que entender necessário, cumprimenta

muito grata e respeitosamente

o

  1. Bernardes (Diretor da Biblioteca Geral da Universidade)

SENADO DA REPÚBLICA PRESTOU TRIBUTO DE HOMENAGEM A ALVES DOS SANTOS

O Senado da República, reunido em 18 de janeiro de 1924, prestou o devido tributo de homenagem a Augusto Joaquim Alves dos Santos. Presidiu à sessão António Xavier Correia Barreto, secretariado pelo ilustre caminhense Luís Inocêncio Ramos Pereira e ainda por António Gomes de Sousa Varela. Transcrevemos do respetivo “Diário do Senado” a parte respeitante à homenagem realizada, bem assim a lista de presenças.

Sumário. — - Verificando-se a presença de 20 Srs Senadores, foi aberta a sessão.

Leu-se a acta, que foi aprovada, e deu-se conta do expediente.

Leu-se a acta, que foi aprovada, e deu-se conta do expediente.

Antes da ordem do dia.— O Sr. Presidente propôs que na acta te exarasse um voto de pesar pelo falecimento dos Srs. Drs. José de Pádua e Alves dos Santos, a que se associaram todos os lados da Câmara,

O Sr. Pereira Osório refere-se ao facto de as sessões não abrirem à hora regimental, dando o Sr. Presidente cabais explicações.

O Sr. Júlio Ribeiro apresentou e justificou um projecto de lei alusivo à compra e venda de cambiais.

O Sr. Alfredo Portugal discorda da interpretação que se dá ao artigo 32." da Constituição em vista do oficio recebido da Câmara dos Deputados por motivo da promulgação de leis.

O Sr. Ribeiro de Melo protesta contra o desconto feito nas colónias pelo Danço Nacional Ultramarino nas notas de 100 escudos, e apresenta um projecto anulando os concursos do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Responde o Sr. Ministro das Colónias (Mariano Martins).

O Sr. Aragão e Brito alude à elevação do preço das libras e apresenta um projecto de lei (preenchimento pelos propostos das vagas de tesoureiros interinos da Fazenda Pública).

Ordem do dia.— Continua a discussão do debate político.

Falam os Srs. José Pontes, Querubim Guimarães e Presidente do Ministério e Ministro das Finanças (Álvaro de Castro}.

A requerimento do Sr. Ernesto Navarro havia sido prorrogada a sessão até concluir o debate político.

Antes de se encerrar a sessão.— O Sr, Ministro das Colónias (Mariano Martins mandou para a Mesa uma proposta de nomeação do Governador da provinda da Guiné (Velez Caroço).

Abertura da sessão, às l5 horas e 30 minutos.

Presentes à chamada 31 Srs. Senadores.

Entraram durante a sessão 19 Srs. Se-Dadores.

Srs. Senadores presentes à chamada:

Abílio do Lobão Soeiro.

Afonso Henriques do Prado Castro

Alfredo Narciso Marcai Martins Portugal;

Álvaro António do Bulhão Pato.

António da Costa Godinho do Amaral.

António Gomes do Sousa Varela

António Maria da Silva Barroto

Artur Augusto da Costa.

Artur Octávio do Rego Chagas.

Augusto Casimiro Alves Monteiro.

Augusto César do Almeida Vasconcelos Correia.

César Justino do Lima Alves.

Constantino José dos Santos.

Duarte Clodomir Patten do Sá Viana.

Ernesto Júlio Navarro.

Francisco José Pereira.

Herculano Jorge Galhardo.

Joaquim Manuel dos Santos Garcia.

Joaquim Pereira Gil de Matos.

Joaquim Xavier do Figueiredo Oriol Pena.

Jorge Frederico -Velez Caroço.

José Augusto Ribeiro de Melo

José Duarte Dias de Andrade.

José Joaquim Pereira Osório.

José Machado Serpa.

José Mendes dos Reis

José Nepomuceno Fernandes Brás.

Júlio Augusto Ribeiro da Silva.

Luís Inocêncio Ramos Pereira.

Pedro Virgolino Ferraz Chaves.

Rodolfo Xavier da Silva.

Srs. Senadores que entraram durante a sessão:

Aníbal Augusto Ramos de Miranda.

António Alves de Oliveira Júnior.

António Xavier Correia Barreto.

Elísio Pinto de Almeida e Castro.

Francisco de Sales Ramos da Costa.

Frederico António Ferreira de Simas.

João Carlos da Costa.

Joaquim Crisóstomo da Silveira Júnior.

José Joaquim Fernandes Pontes.

Júlio Ernesto de Lima Duque.

Luís Augusto de Aragão e Brito.

Nicolau Mesquita.

Querubim da Rocha Vale Guimarães.

Raimundo Enes Meira.

Ricardo Pais Gomes.

Roberto da Cunha Baptista.

Rodrigo Guerra Alvares Cabral.

Silvestre Falcão.

Tomás de Almeida Manuel de Vilhena (D.).

Sr a. Senadores que não compareceram à sessão:

António de Medeiros Franco.

Augusto de Vera Cruz.

César Procópio de Freitas.

Francisco António de Paula.

Francisco Vicente Ramos.

Francisco Xavier Anacleto da Silva.

João Alpoim Borges do Canto.

João Catanho de Meneses.

João Manuel Pessanha Vaz das Neves.

João Maria da Cunha Barbosa.

João Trigo Motinho.

Joaquim Teixeira da Silva.

José António da Costa Júnior.

José Augusto de Sequeira.

José Joaquim Fernandes de Almeida.

Luís Augusto Simões de Almeida.

Manuel Gaspar de Lemos.

Vasco Crispiniano da Silva.

Vasco Gonçalves Marques.

Vítor Hugo do Azevedo Coutinho.

Pelas l5 horas e 30 minutos, o Sr. Presidente manda proceder a chamada. Fez-se a chamada.

O Sr. Presidente:— Estão presentes 30 Srs. Senadores. Está aberta a sessão. Vai ler-se a acta. Leu-se. Pausa,

O Sr. Presidente: — Como nenhum Sr. Senador pede a palavra considero a acta aprovada.

Vai ler-se o Expediente

(…)

Antes da ordem do dia

O Sr. Presidente: — Acabam de falecer dois ilustres cidadãos que prestaram relevantes serviços à Pátria, um deles o Sr. Dr. José de Pádua, médico distintíssimo, ex-Deputado da Nação e antigo Senador, o outro o Sr. Alves dos Santos, Deputado da Nação e professor também muito distinto da Universidade de Coimbra.

Proponho que na acta se lavre una voto de sentimento pela perda destes ilustres homens de sciência e que se comunique às famílias a deliberação da Câmara.

O Sr. Pereira Osório: — Sr. Presidente: pedi a palavra para em nome deste lado da Câmara me associar ao voto de sentimento proposto por V. Ex.a pelo falecimento de dois parlamentares, os quais •eram figuras de destaque no mundo da sciência e das letras.

Refiro-me especialmente ao Sr. Dr. José de Pádua, deixando para o meu colega desta Câmara o Sr. Pereira Gil, visto ter-mo feito essa solicitação, o referir-se mais pormenorizadamente ao Sr. Dr. Alves dos Santos.

No que respeita ao Sr. Dr. José de Pádua, habituei-me desde muito novo, desde o início das lutas de propaganda, a respeitá-lo como um sincero republicano, como um médico distintíssimo, e ainda como um grande artista e compositor musical, que procurava na cultura da música suavizar as agruras da sua vida de incessante estudo e trabalho.

Também não deixarei de lembrar o alto papel que, como oficial miliciano, prestou na organização do corpo expedicionário para a Grande Guerra, na parte referente á assistência médica e serviços de saúde.

Não esquecerei jamais o carinho e proficiência com que tratou do meu filho numa doença grave, e bastava esta circunstância para me sentir verdadeiramente compungido quando, ao chegar à Câmara, me comunicaram a notícia do seu falecimento, pois até ignorava que ele se encontrasse doçnte.

Associo-me, por isso, e comovidamente ao voto de sentimento proposto por V. Ex.a

O Sr. Pereira Gil: — Sr. Presidente: representando o círculo de Coimbra, não posso deixar de me associar ao voto proposto por V. Ex.a pelo falecimento do ilustre professor Dr. Alves dos Santos.

S. Exa foi Deputado, foi Ministro.

Tornou-se distinto como professor da Universidade, sobretudo no ramo da puericultura, porque ele dedicava todos os seus esforços e toda a sua inteligência ao "bem das crianças.

Prestou relevantes serviços à cidade de Coimbra, sondo por várias vezes presidente do Município daquela cidade, Município esse de tão gloriosas tradições, sobretudo desde que o Dr. Marnoco e Sousa por lá passou.

Em Coimbra, a sua falta faz-se sentir em todas as classes, principalmente na Universidade e no Município.

Como representante de Coimbra nesta casa do Parlamento, não podia deixar de me associar ao voto de sentimento proposto por V. Ex.a

O orador não reviu.

O Sr. Dias de Andrade: — Sr. Presidente: é para me associar ao voto do sentimento proposto por V. Ex.a

O Sr. Augusto de Vasconcelos: — Sr. Presidente: é hoje verdadeiramente um dia do luto para o Parlamento e para o País.

Temos de registar a morte do duas eminentes personalidades, de dois prestantes cidadãos, e Portugal não está tam rico em cidadãos ilustres, que não sinta profundamente dois deles desaparecerem do número dos vivos, deixando de prestar à Nação os altos serviços, que lhe prestaram em vida.

O Sr. Dr. José de Pádua foi um republicano de todos os tempos. Médico e artista notável, afirmou-se nesta casa do Parlamento notavelmente pela forma como estudava e tratava as questões, sobretudo aquelas que se prendiam a higiene e a evolução da sociedade.

Foi portanto um ornamento do Parlamento que desapareceu novo, quando ainda havia muito a esperar do seu trabalho, da sua inteligência e virtudes de cidadão.

Sinto profundamente a sua perda, quer corno seu correligionário, embora ele não estivesse ultimamente na actividade política, quer como cidadão, por ver desaparecer um ornamento ilustre da sociedade.

O Sr. Dr. Alves dos Santos era um correligionário meu, era um professor distintíssimo, um orador brilha ate. e foi um estadista que deixou assinalada a sua passagem pela pasta do Trabalho em factos que demonstram o que havia a esporar da sua acção, se nela se tivesse demorado.

Aceitou fazer parte de um Governo em condições críticas e graves da sociedade portuguesa e, nessa ocasião, todos aqueles que se sacrificaram em tomar conta do Poder deram provas de coragem a que não podemos deixar de prestar elogio.

Associo-me aos votos propostos por V. Ex.a, na certeza do que a sociedade portuguesa perdeu hoje dois homens ilustres.

O Sr, Mendes dos Reis: — Sr. Presidente: é para me associar aos votos de sentimento propostos por V. Ex.a, o ao aditamento proposto pelo Sr. Pereira Osório.

O elogio de qualquer dos ilustres extintos já foi feito pelos Srs. Pereira Osório o Augusto de Vasconcelos, limitando-me eu a fazer minhas as palavras de S. Ex.as

O Sr. Querubim Guimarães: *— Sr. Presidente: pedi a palavra para, em nome da minoria monárquica, me associar aos votos de sentimento propostos por V. Ex.a

O Sr. José de Pádua não o conheço senão através dos jornais, com todas as referências agradáveis ao seu nome e para o seu espírito. Sei que foi uma pessoa que marcou no seu tempo e neste país.

No tocante ao Sr. Alves dos santos, foi meu contemporâneo em Coimbra, foi um professor distinto, e seguiu orientação diversa da minha em política, embora noutros tempos partilhasse das minhas ideias.

Daqui lhe tributo as homenagens do meu respeito e da minha muita consideração.

O Sr. Presidente: — Em vista da manifestação de todos os lados da Câmara considero aprovados os votos de sentimento propostos.

ALVES DOS SANTOS E OS “ESTUDOS DE MEMÓRIA HUMANA NA DÉCADA DE 1920 NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA”

Em 1993, o Professor Dr. Amâncio da Costa Primo publicou na revista científica “Psychologica” um artigo intitulado “Estudos de memória Humana na Década de 1920 na Universidade de Coimbra”. Este artigo debruça-se nomeadamente sobre a obra “Psicologia Experimental e Pedologia”, da autoria de Augusto Joaquim Alves dos Santos. Para melhor se conhecer a obra neste domínio do Dr Alves dos Santos, transcreve-se com a devida vénia o referido artigo que se encontra no Repositório Aberto da Universidade do Porto.

ALVES DOS SANTOS: UM RAMO DA FAMÍLIA SANTOS EMIGROU PARA O BRASIL

Como já foi referido, o Dr. Alves dos Santos faleceu sem deixar descendentes. Os seus familiares mais próximos pelo lado materno são oriundos da freguesia de São João da Ribeira cujo estudo genealógico ainda não efetuámos e, pelo lado paterno, provenientes da freguesia da Cabração da qual ele próprio era natural. Não se conhecendo irmãos, possuía nesta freguesia quatro primos em primeiro grau – José Rodrigues dos Santos, Narcizo Rodrigues dos Santos, Maria Joaquina dos Santos e Aires Libório dos Santos – sendo que os dois primeiros emigraram para o Brasil. De José Rodrigues dos Santos não existe notícia enquanto Narcizo Rodrigues dos Santos veio a fixar-se em Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo, deixando bastante descendência.