Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BRAGA DIVULGA DOMUS DA ESCOLA VELHA DA SÉ

Actividades divulgam Domus da Escola Velha da Sé

O Município de Braga promove nos dias 28 de Novembro, 5 e 12 de Dezembro no ‘Domus da Escola Velha da Sé’ a actividade ‘Cantar Histórias’.

Domus__1_

Esta actividade é direccionada para o público sénior (utente dos Centros de Dia) e vai decorrer a partir das 14h45. O “Cantar Estórias” conta com a participação de António Castanheira e integrará ainda uma visita guiada ao espaço musealizado.

Para o dia 1 de Dezembro, no mesmo local, está agendado o ateliê ‘Mosaicos’. Esta é uma actividade, direccionada para o público em geral, serão abordadas técnicas de execução de um mosaico romano, materializando-se na criação de objectos uteis do dia-a-dia, tais como caixas porta presentes, porta lápis, mealheiros, marcadores de guardanapos ou outros, sempre decorados com motivos de mosaicos romanos.

A participação nestas actividades é gratuita mas carece de marcação prévia junto do pelouro do Património – Gabinete de Arqueologia, através do telefone 253 203 150 ou do e-mail gab.arqueologia@cm-braga.pt

BARCELOS: PROGRAMA "ARQUEOLOGIA À NOITE" CHEGOU AO FIM

Programa “Arqueologia à Noite” prestou grande contributo na divulgação do património do concelho. Novos projetos vão prolongar o espírito da iniciativa

Chegou ao fim o programa Arqueologia à Noite, uma atividade promovida pelo Município de Barcelos e que contou ao longo dos últimos dois anos com cerca de 800 participantes.

bar3

Na última sessão, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, os intervenientes tiveram a oportunidade de interpretar e explorar o património local e descobrir a história dos monumentos e dos sítios do passado de Barcelos, através do manuseamento de diferentes tipos de materiais arqueológicos, na sua maioria utensílios com o mesmo tipo de função, mas com milhares de anos de intervalo entre eles.

Os participantes, munidos de luvas, puderam experimentar materiais do Paleolítico, caso dos seixos talhados e dos bifaces, ou os utensílios do Neolítico, como por exemplo os machados de pedra polida e as pontas de seta e, ainda, alguns artefactos da Idade do Bronze. Puderam, também, manusear os pesos de tear e fragmentos de telha produzidos durante a dominação Romana.

O programa Arqueologia à Noite iniciou-se em setembro de 2015 e registou um total de 16 sessões com a visita a uma dúzia de sítios arqueológicos e monumentos classificados existentes no concelho.

As atividades passaram pelas gravuras do Monte de São Gonçalo, pelo Mosteiro de Banho, pelas gravuras rupestres de Remelhe, pela Igreja de Santa Maria de Abade de Neiva, pelo Balneário Castrejo de Galegos, pela Igreja e Convento de Vilar de Frades, pelo centro histórico medieval de Barcelos, pelo Mosteiro de Palme, pelo Paço dos Condes de Barcelos e ainda pelo edifício da Câmara Municipal, tendo-se repetido a visita à estação arqueológica do Castelo de Faria e às gravuras da Laje dos Sinais. As visitas foram sempre gratuitas e abertas ao público, tendo-se registado uma média de 50 participantes em cada sessão.

Este programa de visitas noturnas chega agora ao fim para dar lugar a um projeto de divulgação do passado de Barcelos através de outras vias, mas sempre com o objetivo de informar e formar o  público para o património do concelho.

bar1

bar2

MUNICÍPIO DE FAMALICÃO ADQUIRE TERRENO DE INTERESSE ARQUEOLÓGICO EM CALENDÁRIO

Castro de S. Miguel-O-Anjo pode vir a integrar Rede de Castros do Noroeste Peninsular

A Câmara Municipal de vila Nova de Famalicão é, desde esta quarta-feira, proprietária de mais de 95 por cento do terreno do Castro de S. Miguel-O-Anjo, na freguesia de Calendário. O espaço que está classificado como imóvel de interesse público desde 1990, acolhe as ruínas de um povoado fortificado cujos achados arqueológicos apontam para uma datação que se situa entre o séc. I a.C. e o séc. I d.C..

DSC_1355

Aos mil metros quadrados que o município já detinha, somou-se agora 115 mil metros quadrados do terreno, adquiridos através de uma permuta com os proprietários. O Castro detém uma área total de 120 mil metros quadrados.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “a aquisição do terreno por parte do município representa um passo de gigante na salvaguarda e preservação deste património milenardando-nos a possibilidade de aprofundar o estudo e investigação sobre um passado que apesar de longínquo, nos pertence e deixou marcas”. Além disso,“dá-nos a possibilidade de apresentar candidaturas a fundos comunitários”.

Quem também fez questão de marcar presença na assinatura da aquisição do terreno foi o arqueólogo e professor da Universidade do Porto, Armando Coelho, que é também um dos responsáveis da Rede de Castros do Noroeste Peninsular.

Para Armando Coelho, a aquisição desta grande parcela de terreno por parte do município “é uma excelente notícia porque vai permitir um conjunto de ações como a realização de um levantamento topográfico e geofísico do terreno e área envolvente, que irão contribuir para uma investigação castreja mais completa e mais exigente”.

“É uma porta muito ambiciosa que se abre para o território de Vila Nova de Famalicão e para toda a região, que virá a facilitar uma candidatura deste espaço à Rede de Castros do Noroeste Peninsular”.

De resto, Paulo Cunha adiantou que a autarquia irá, em breve, preparar um Plano de Ação tendo em vista um conjunto de objetivos. “Para além da proteção deste património queremos também fazer uma gestão deste espaço numa vertente cultural, patrimonial e pedagógica associada a um espaço verde de qualidade onde será possível conjugar atividades de cariz desportivo e de lazer muito diversas, complementando assim a oferta já existente de espaços públicos de qualidade existentes no concelho”, explicou Paulo Cunha.

Refira-se que para além do Castro de S. Miguel-o-Anjo já classificado desde 1990, o município aguarda a classificação do Conjunto Arqueológico das Eiras, nas freguesias de Pousada de Saramagos, Joane, Vermoim e Vale (São Martinho) e na União das Freguesias de Vale (São Cosme), Telhado e Portela.

BRAGA: RICARDO RIO INAUGURA NÚCLEO MUSEOLÓGICO DE SÃO MARTINHO DE DUME

Ricardo Rio inaugurou segunda fase do conjunto arqueológico. Núcleo Museológico de São Martinho de Dume é activo ‘importantíssimo’ para Braga e para o País

Braga apresenta agora mais um ponto de interesse na componente patrimonial. A segunda fase do Núcleo Museológico de São Martinho de Dume foi inaugurada este Sábado, 26 de Agosto, revelando-se um espólio muito significativo e exemplar da antiga arquitectura cristã da Europa Ocidental.

3

A musealização das ruínas da antiga Catedral, localizadas sob a actual igreja paroquial de Dume e seus espaços circundantes, foi promovida pelo Município de Braga e pela União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe, assumindo uma importância impar pela sua singularidade e valia patrimonial, constituindo-se como exemplar único. A sua valorização permitirá projectar as Ruínas Arqueológicas de São Martinho de Dume para o mesmo patamar dos grandes conjuntos europeus similares, integrando-o nos circuitos internacionais de arquitectura cristã antiga.

“Este é um activo importantíssimo para Braga, para a região e para o país. Olharmos para a nossa história e preservarmos o nosso património é algo fundamental para podermos evoluir como sociedade”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante a cerimónia de inauguração, elogiando a “determinação de todos aqueles que ao longo os anos sempre pugnaram pela valorização deste espaço e pela criação deste Núcleo Museológico”.

5

Como explicou o Autarca a concretização de um projecto desta natureza “tem forçosamente que obedecer a questões técnicas e financeiras” que exigiram o compromisso de todos. “Em 2013, quando chegamos à Câmara Municipal, faltava dar este impulso para que este projecto se concretizasse, e tivemos o privilégio de ter a liderar a componente do Património o vereador Miguel Bandeira, o que facilitou a articulação com os diversos serviços, para que este projecto fosse agora uma realidade”, sublinhou Ricardo Rio.

Com a concretização deste projecto estão criadas as condições para que o Núcleo Museológico de Dume, enquanto centro de interpretação do monumento, funcione como polo cultural e lúdico, podendo albergar exposições, recepcionar visitas organizadas de público escolar e público indiferenciado mas também de especialistas em Arqueologia e História.

6

Referindo-se à “grande mais-valia” que este projecto representa em termos turísticos e económicos, o Edil lembrou que, neste particular da valorização patrimonial, “a União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe, sai extremamente privilegiada, uma vez que a este Núcleo Museológico, há que juntar o projecto do Convento de São Francisco que está a ser desenvolvido, mais uma vez, em parceria com a Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho, e que vai possibilitar a criação de uma rede de activos turísticos fundamental para criar uma grande dinâmica a este território”, conclui Ricardo Rio, felicitando a União de Freguesias e o seu presidente pela perseverança para que este projecto fosse possível.

7

Por seu turno, o presidente da União de Freguesias de Real, Dume e Semelhe, Francisco Silva, lembrou que esta é uma obra que todos os Dumienses anseiam há 30 anos. “Trata-se de uma obra grandiosa. Foram precisas três décadas para que os Dumienses tivessem acesso a este património que vai valorizar a freguesia e engrandecer o seu povo e, certamente, vai levar Dume a uma escala internacional. Para isso queremos aproveitar o grande fluxo turístico da Cidade em termos de turismo religioso e criar um roteiro que passe por Dume”, referiu Francisco Silva, lembrando o esforço dos anteriores executivos da Junta de Dume que, ao iniciar a primeira fase, abriram caminho para que esta nova fase fosse possível.

“Esta segunda fase só foi possível devido ao trabalho de muita gente. Trata-se de uma obra que preserva o património, a cultura e a grande história de Dume”, concluiu Francisco Silva, agradecendo à Universidade do Minho e ao Município de Braga “por todo o apoio e dedicação que prestaram a este projecto ao longo destes anos”.

Mandada construir pelo Rei Suevo Charrarico no ano 550, a antiga Catedral foi consagrada a S. Martinho de Tours, como voto de agradecimento pela cura do filho. Ao longo dos tempos até ao presente, todo o espaço em causa e envolvente, foi vivido e marcado pelas várias épocas sendo os períodos mais significativos, os vividos pelos Romanos, Suevos e Visigodos, Época Medieval e o passado mais próximo com a construção de uma Igreja e Capela.

10

14

ARQUEÓLOGOS INVESTIGAM CULTURA DOLMÉNICA EM PÓVOA DE LANHOSO

Escavação arqueológica de monumentos sob tumuli, na Serra do Carvalho

Estão concluídos os trabalhos arqueológicos de valorização de dois monumentos sob tumuli (antas ou dólmens), localizados na Serra do Carvalho.

Escavacao serra do Carvalho 1.jpg

Esta intervenção arqueológica, que contou com uma dezena de voluntários de dentro e de fora do concelho da Póvoa de Lanhoso, resultou numa parceria entre a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, a Junta de Freguesia de Lanhoso e a empresa de arqueologia NEXO.

Nesta primeira fase do processo de valorização dos monumentos, foi possível identificar e definir a couraça pétrea (conjunto de pedras pequenas que impedia o deslizamento de terras e profanação da mamoa) destes monumentos, associada a algum material cerâmico distribuído pela superfície. A fase da musealização é a próxima etapa destes trabalhos que têm como objetivo a futura fruição pública.

No decorrer dos trabalhos arqueológicos, o Vereador da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, e o Presidente da Junta de Freguesia de Lanhoso, António Machado, visitaram a área de trabalho com o propósito de se inteirarem do desenvolvimento dos mesmos e enaltecer os presentes por se terem disponibilizado para contribuir para o estudo e valorização do património arqueológico do nosso território.

Estes trabalhos arqueológicos de valorização de dois monumentos sob tumuli terminaram no passado dia 18 de abril.

Escavacao serra do carvalho 2.jpg

ARQUEOLOGIA À NOITE VISITA IGREJA DE SANTA MARIA DE ABADE DE NEIVA

O programa “Arqueologia à Noite” está de regresso e o destino é a Igreja de Santa Maria de Abade de Neiva. A iniciativa realiza-se na próxima sexta-feira, dia 5 de maio, pelas 21h00.

ArqueologiaNoite.png

Trata-se de uma iniciativa que pretende promover as potencialidades turísticas do concelho, na vertente cultural, paisagística e o turismo religioso que predominam no património construído e natural do concelho de Barcelos, desta vez na freguesia de Abade de Neiva. A visita tem início às 21h00, diante do portal da igreja. O Gabinete de Arqueologia Municipal irá guiar os participantes pelos sete séculos deste templo românico/gótico, classificado como Monumento Nacional desde 1927.

As inscrições estão abertas e são limitadas. Podem ser feitas através do correio eletrónico arqueologia@cm-barcelos.pt ou por telemóvel para 915 288 428, recomendando-se que participem na atividade munidos de lanterna e com vestuário adequado às baixas temperaturas.

PÓVOA DE LANHOSO ENTREGA CERTIFICADOS DA ESCAVAÇÃO ARQUEOLÓGICA DA VILLA ROMANA DE VIA COVA

O Vereador da Cultura e Turismo da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, e o Presidente da Junta de Freguesia de Lanhoso, António Machado, entregaram os certificados de participação referentes aos trabalhos arqueológicos das ruínas da villa romana de Via Cova, em Lanhoso, na sede da Junta de Freguesia de Lanhoso.

Entrega certificados 1.jpg

Esta intervenção arqueológica, que contou com 25 participantes em regime de voluntariado, além de ter posto a descoberto uma parte das ruínas romanas, foi o alicerçar das raízes para o desenvolvimento do espírito colaborativo, de interajuda e sentido de responsabilidade de cada participante, incutindo, desta forma, valores que permanecem para a vida.

“O Municipio deve muito ao trabalho destes voluntários, que tanto contribuíram para dignificar ainda mais o nosso património histórico. Já no próximo mês realizaremos uma nova intervenção, que só será concluída com sucesso com a ajuda dos voluntários”, salienta o Vereador da Cultura e Turismo, André Rodrigues.

No final da cerimónia, no passado dia 4 de março, o Vereador da Cultura e Turismo voltou a desafiar os presentes para participarem na próxima intervenção arqueológica, que terá como objetivo, estudar e valorizar três monumentos pertencentes à necrópole megalítica do Planalto da Pena Província, na Serra do Carvalho, que se realizará no próximo período de interrupção letiva, de 5 a 18 de abril de 2017.

Brevemente, serão disponibilizadas mais informações sobre a intervenção arqueológica dos três monumentos megalíticos.

Entrega certificados 2.jpg

ARQUEOLOGIA À NOITE VISITA PAÇO DOS CONDES DE BARCELOS

Dia 3 de março, às 21h30

No próximo dia 3 de março, pelas 21h30, o programa de visita aos monumentos do concelho "Arqueologia à Noite" vai dar a conhecer o Paço dos Condes de Barcelos.

Arqueologia à Noite_Paço dos Condes.jpg

As ruínas do palácio mandado construir pelo conde D. Afonso entre 1406 e 1414 - o «castelo», como os barcelenses o designam - ocupa um lugar de destaque no conjunto edificado do centro histórico de Barcelos, sendo um dos ícones da cidade. Com uma história que acompanha os destinos na vila medieval e a história nacional, foi transformado em Museu Arqueológico, em 1920, recebendo os vestígios arqueológicos e arquitetónicos recolhidos no território do concelho.

A visita tem a duração de uma hora, com entrada livre, mas a inscrição é obrigatória; não é aconselhável a menores de oito (8) anos e os participantes devem munir-se de vestuário adequado às condições atmosféricas noturnas e às baixas temperaturas.

Informações e inscrições para arqueologia@cm-barcelos.pt ou para 915288428.

HISTÓRIAS “CORREM” NA FONTE DO ÍDOLO EM BRAGA

Iniciativa decorre de Fevereiro a Julho

A partir de Fevereiro e até Julho, vai ser possível ouvir histórias na Fonte do Ídolo. ‘Da Fonte Correm as Histórias’ é o tema desta actividade que o Município de Braga promove no âmbito da divulgação e promoção daquele espaço arqueológico musealizado.

Fonte do Ídolo.jpg

A iniciativa conta com a coordenação de António Castanheira e consiste no relato de um conjunto de histórias, sendo algumas delas cantadas e musicadas.

No início decorre uma visita à Fonte do Ídolo e é destinada ao público em geral, sendo privilegiados os alunos do 1º, 2º e 3º ciclo do ensino básico. As actividades realizam-se nos dias 2, 9 e 23 de Fevereiro; 7, 9 e 14 de Março; 20 e 27 de Abril; 9 e 16 de Maio; 6 e 13 de Junho, e em Julho nos dias 4 e 6.

As actividades começam às 10h00 com a duração aproximada de uma hora e meia, sendo necessário a marcação prévia pelo endereço electrónico fonte.idolo@cm-braga.pt ou telefonicamente através do número 253 218 011

BRAGA DIVULGA FONTE DO ÍDOLO

‘hojÀfonte’ divulga espaço museológico da Fonte do Ídolo. Iniciativa do Município de Braga decorre entre Fevereiro e Maio

No âmbito da promoção e divulgação do espaço museológico da Fonte do Ídolo, o Município de Braga promove nos meses de Fevereiro a Maio mais uma edição da actividade ‘hojÀfonte’.

Fonte do Ídolo.jpg

Orientada pelo Gabinete de Arqueologia da Autarquia, a actividade consiste na realização de quatro visitas guiadas mensais, combinadas com ateliês pedagógicos, recorrendo-se nestes à técnica de modelagem da porcelana fria para a construção dos elementos julgados mais caracterizantes e singulares deste monumento.

A iniciativa, que começa sempre por uma visita guiada ao espaço musealizado, é destinada ao público em geral, mas com maior incidência sobre o infanto-juvenil.

Com duração aproximada de duas horas, os ateliês realizam-se às segundas-feiras, iniciando-se às 10h00, ou às 14h15, sendo que a participação implica, obrigatoriamente, a marcação prévia.

As marcações devem ser feitas no serviço de Arqueologia da Câmara Municipal, na Fonte do Ídolo, através do e-mail fonte.idolo@cm-braga.pt ou ainda pelo telefone 253 218 011.

BARCELENSES FAZEM INCURSÃO NOCTURNA NO MOSTEIRO DE PALME

Arqueologia à Noite arranca em 2017 com visita ao Mosteiro de Palme

Um programa de sucesso que tem como objetivo dar a conhecer e interpretar os monumentos e sítios arqueológicos do concelho. Arqueologia à Noite arranca em 2017 com uma visita noturna ao Mosteiro de Palme, no próximo 6 de janeiro.

Foram milhares os que, em 2016, passearam pelo passado histórico de Barcelos e tiveram a oportunidade de lembrar e conhecer as tradições, lendas e estórias de locais únicos. Neste novo ano, a iniciativa Arqueologia à Noite, que antes de arrancar já tem interessados, o que reflete o êxito deste tipo de programas, promete novos “descobrimentos” e surpresas.

Para Cláudio Brochado, o arqueólogo municipal, o sucesso deste programa prende-se com o facto de “a noite apelar à imaginação e evidenciar os elementos e pormenores mais significativos de cada espaço. Pormenores que à luz do dia não se conseguiriam ver ou apreciar”. Sublinha ainda que “o facto de ser à noite atrai um público muito diversificado e é a oportunidade de quem trabalha conseguir ter acesso à cultura e à história. Uma das coisas curiosas que grande parte das pessoas que participaram nestas iniciativas realça é o facto de não haver hora para acabar”. E não há de facto – há uma hora para começar mas… a viagem acaba quando acaba a vontade do grupo.

O Mosteiro de Palme foi fundado na primeira metade do século XI, sendo uma das estruturas monásticas mais antigas do Norte de Portugal. A sua influência na região do Vale do Neiva foi fundamental para o desenvolvimento do povoamento nesta região durante a Idade Média.

A inscrição é obrigatória e o número está limitado a quarenta (40) participantes devido à limitação do espaço.

O ponto de encontro está marcado para os portões do mosteiro, em Aldreu, iniciando-se a visita às 21h30.

Informações e inscrições para arqueologia@cm-barcelos.pt ou 915288428.

ARCUENSES CAMINHAM PELO TRILHO DA ARQUEOLOGIA

O Mezio foi um local de eleição das comunidades humanas da Idade da Pedra, há pelo menos 5000 anos atrás.

Cartaz_Trilho_Arqueologia.jpg

Aqui caçavam, encenavam rituais e criavam muita mas mesmo muita arte.

No próximo dia 4 de Dezembro, venha com a Ardal-Porta do Mezio, descobrir e conhecer várias Antas (túmulos) e gravuras (um dos complexos de arte rupestre pré-histórico mais importantes do Noroeste da Península Ibérica) desvendando mistérios de um mundo perdido.

Trata-se de um percurso, ora paisagístico, ora panorâmico que permite contactar com este valores arqueológicos, históricos e naturais.

Inscreva-se nesta caminhada da iniciativa “12 Trilhos 12 Experiências” e não perca a oportunidade de vivenciar a última experiência do ano de 2016!

Após o trilho, poderá desfrutar de um excelente almoço convívio com iguarias típicas tradicionais.*

Venha daí e traga toda a família! Venha viver uma experiência diferente!

Características do Trilho:

Nome do trilho: Trilho da Arqueologia

Data da realização: 4 de Dezembro de 2016

Local de encontro: Porta do Mezio (Coordenadas GPS - 41o53'05"N | 8o18'48"W)

Hora de encontro: 8h30

Hora de saída: 9h00 – Porta do Mezio

Distância: 7 km

Âmbito do percurso: Arqueológico, Histórico e Paisagístico

Duração: 3h00

Dificuldade: Fácil

Inscrições: 258510100/258522157 ou portadomezio@ardal.pt

Nota: Os participantes devem trazer roupa e calçado adequado, reforço alimentar e água.

* Almoço mediante marcação prévia até às 12h00 do dia 02/12/2016.

PORTA DO MEZIO QUER VALORIZAR PATRIMÓNIO ARQUEOLÓGICO

ARDAL/Porta do Mezio aprova candidatura para a promoção e valorização da Área Arqueológica Mezio-Gião

O projeto Vozes das Pedras - Promoção e Valorização da Área Arqueológica Mezio-Gião visa dar resposta a uma crescente procura do turista do Parque Nacional da Peneda-Gerês e da Porta do Mezio, em particular, por estes monumentos culturais, oferecendo-lhe novos suportes e experiências relativas a esta temática.

anta-do-mezio-2.jpg

Esta iniciativa irá remeter os turistas para a relação do Homem com os elementos culturais e naturais. Com pedras enquadradas numa paisagem delimitada, o Homem do Mezio-Gião criou arte rupestre e espaços de rituais de enterramento (mamoas), mas criou-os num profundo relacionamento com o espaço natural, lendo-o, interpretando-o e experienciando-se a si e à paisagem como um só. Com este projeto a ARDAL/Porta do Mezio vai valorizar e promover as 100 rochas identificadas num dos maiores santuários de arte rupestre do Noroeste Peninsular – o Gião, bem como nas 11 mamoas da Área Arqueológica do Mezio.

Pretende-se que o conhecimento que estes espaços encerram seja partilhado com o grande público, num trabalho coordenado pelo Arqueólogo Martinho Baptista, diretor Parque Arqueológico Vale do Côa.

Com um valor elegível de cerca de 350 mil euros, apoiado no âmbito do Programa Operacional da Região Norte – Património Cultural, pretende-se que este trabalho venha, também, reforçar a atratividade da Porta do Mezio, enquanto estrutura de promoção, receção, animação e interpretação do território do Parque Nacional da Peneda Gerês.

BARCELOS PROMOVE "ARQUEOLOGIA À NOITE"

Arqueologia à Noite visita Igreja e Convento de Vilar de Frades. Dia 4 de novembro, às 21h30, em Areias de Vilar

O programa “Arqueologia à Noite” está de volta no dia 4 de novembro, às 21h30, e o destino é a Igreja e o Convento de Vilar de Frades, em Areias de Vilar.

Converted_file_e6c73271.jpg

Trata-se de uma iniciativa que pretende promover as potencialidades turísticas do concelho, na vertente cultural, paisagística e o turismo religioso que predominam no património construído e natural do concelho de Barcelos, desta vez na freguesia de Areias de Vilar.

O Mosteiro beneditino de Vilar de Frades, que foi da Congregação dos Cónegos Seculares de S. João Evangelista (Ordem dos Lóios), é um dos espaços mais imponentes de toda a região Norte do país, possuindo recortes artísticos de grande centralidade ao nível da linguagem arquitetural como são bons exemplos os tetos construídos pelo arquiteto João Castilho. O mosteiro, que terá sido fundado em 566 pelo bispo S. Martinho de Dume, foi classificado como Monumento Nacional em 1910.

O programa Arqueologia à Noite este ano já visitou as Ruínas do Mosteiro de Banho em Vila Cova, o Balneário Castrejo de Galegos Sta. Maria, as Gravuras Rupestres do Monte de São Gonçalo e os Paços da Câmara Municipal de Barcelos.

As inscrições estão abertas e são limitadas. Podem ser feitas através do correio eletrónico arqueologia@cm-barcelos.pt ou por telemóvel para 915 288 428.

BARCELOS: ARQUEOLOGIA À NOITE VISITA PAÇOS DO CONCELHO

Sábado, dia 10 de setembro, às 21h30

No próximo sábado, dia 10 de setembro, pelas 21h30, o programa de visitas ao património, designado por «Arqueologia à Noite», vai visitar os Paços da Câmara Municipal de Barcelos.

zbararque.jpg

Este edifício central da vida do concelho resultou da fusão de cinco equipamentos públicos, construídos em épocas diferentes, e com funções distintas.

Propõe-se uma visita pelos espaços normalmente vedados ao grande público, devidamente ilustrada com as histórias e algumas surpresas, mesmo para aqueles que visitam o edifício todos os dias.

A entrada é livre, aconselhada a maiores de seis (6) anos, mas carece de inscrição prévia, obrigatória, limitada aos primeiros 40 inscritos.

Para mais informações contacte através do e-mail arqueologia@cm-barcelos.pt ou pelo nº. 915288428.

FAMALICÃO: OBRAS NA ENVOLVENTE DA IGREJA DE ANTAS PÕEM A DESCOBERTO ANTIGA NECRÓPOLE DO SÉCULO XII

Trabalhos arqueológicos no local detetaram a presença de 60 sepulturas

As obras de revitalização do espaço envolvente da Igreja de Antas, promovidas pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, deram a conhecer a presença no local de uma antiga necrópole que remonta ao século XII.

Desde o início dos trabalhos, em maio,  foram identificados e intervencionados cerca de 60 enterramentos.jpg

A descoberta foi feita por uma equipa de arqueólogos que, sob a orientação da Direção Regional de Cultura do Norte e tendo em conta o interesse patrimonial do monumento, tem acompanhado as obras junto à igreja românica.  

Desde o início dos trabalhos, em maio, e até ao momento foram identificados e intervencionados cerca de 60 enterramentos, a grande maioria com esqueletos associados.

De acordo com os especialistas no terreno, pelo espólio encontrado junto às sepulturas -moedas, pregos, contas, terços, anéis e material cerâmico - bem como pela tipologia dos enterramentos, é possível determinar três fases distintas de ocupação desta necrópole.

A primeira e mais antiga corresponde à época de construção da Igreja de Santiago de Antas, no Século XII. A segunda remonta aos Séculos XIV e XVI e, finalmente, uma terceira e última fase de utilização estabelecida entre os Séculos XVIII e XIX.

Apesar dos trabalhos ainda não estarem concluídos e dos resultados até agora apurados serem de carácter preliminar, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, salienta a importância histórica desta descoberta. 

Atualmente a realização de escavações arqueológicas ocorre predominantemente no contexto da implementação de projetos de obras como medida de minimização face a eventuais impactes sobre o património arqueológico.

Projetada pelos arquitetos Hugo Correia e Jorge Maia, recorde-se que a revitalização do espaço envolvente às duas igrejas, cemitério e centro escolar de Antas implicou um investimento municipal superior a meio milhão de euros. Da obra resultará um espaço integrador, funcional e harmonioso e uma nova centralidade à cidade.

DIRETOR REGIONAL DE CULTURA DO NORTE VISITA ESCAVAÇÕES ARQUEOLÓGICAS EM MELGAÇO

Amanhã, pelas 11h00, na Estação arqueológica de Remoães, Melgaço

A decorrerem há cerca de cinco semanas, as escavações arqueológicas na freguesia de Remoães já geraram descobertas importantíssimas para os estudos da presença do Homem na região do Vale do Minho. É neste âmbito que o Diretor Regional de Cultura do Norte, António Ponte, visita amanhã, pelas 11h00, a Estação arqueológica de Remoães, em Melgaço.

Escavações em Remoães (3).jpg

No local estão equipas investigadoras de universidades portuguesas e espanholas. De acordo com o Coordenador do projeto, João Ribeiro, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ‘os promissores trabalhos de Melgaço permitiram reconhecer a diversidade de estratégias de ocupação da região pelo homem paleolítico tanto no tempo como no espaço, tendo mesmo permitido reconhecer a presença do homem de Neandertal na região’.

As escavações acontecem no âmbito do projeto transfronteiriço ‘Os primeiros habitantes do baixo Minho’, previsto decorrer nos vários municípios portugueses e espanhóis do troço internacional do rio Minho.

Escavações em Remoães (1).jpg

Escavações em Remoães (2).jpg

MUNICÍPIO DE CERVEIRA APOIA INVESTIGAÇÃO NO ÂMBITO DO PATRIMÓNIO CULTURAL

Uma equipa de cinco investigadores da Universidade do Minho encontra-se em Vila Nova de Cerveira, até ao final do mês, para estudar a arte rupestre do concelho, no âmbito do projeto de investigação de pós-doutoramento “Paisagem e representação do poder na Pré-história Recente: Arte Atlântica e Estátuas-Menir”.

Gravura rupestre da Chã Longa – Vila Nova de Cerveira.JPG

 Gravura rupestre da Chã Longa – Vila Nova de Cerveira

  

O grupo de investigadores é constituído por alunos do Mestrado e Licenciatura em Arqueologia da Universidade do Minho, sob a coordenação do Doutor Manuel Santos Estévez, pós-doutorando da Universidade do Minho, e da Prof.ª Doutora Ana Maria dos Santos Bettencourt, Professora Auxiliar com Agregação da mesma instituição de ensino.

O trabalho consiste na contextualização física e arqueológica do local gravado: na limpeza do afloramento; no estudo técnico e formal das gravuras; no decalque com plástico polivinilo e no seu levantamento fotogramétrico. Serão, igualmente, observadas outras rochas na área, com o intuito de se encontrarem novas gravuras rupestres.

O Município de Vila Nova de Cerveira apoia esta investigação, sublinhando a importância da proteção e valorização do património do concelho, neste caso pré-histórico, através da requalificação e procura de vestígios histórico-arqueológicos. No sentido de dar continuidade à estratégia de promoção de Vila Nova de Cerveira enquanto polo de turismo cultural, a Câmara Municipal pretende, ainda, a constituição de trilhos e sinalizações que divulguem este legado.