Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

EMBAIXADOR DA ALEMANHA CLASSIFICA FAMALICÃO COMO “BUSINESS FRIENDLY”

Christof Weil apresentou aos empresários famalicenses oportunidades de negócio no mercado germânico

O Embaixador da Alemanha em Portugal não tem dúvidas na hora de classificar Vila Nova de Famalicão quanto à sua capacidade de chamar a si protagonismo económico a nível nacional. Christof Weil considera o concelho como “business friendly (amigo dos negócios)”.

AFS_9056.jpg

O diplomata esteve em Vila Nova de Famalicão, ontem, 23 de março, a convite do Presidente da Câmara Municipal, tendo participado numa conferência do ciclo Famalicão Made INternational sobre as oportunidades de negócio no mercado alemão e que lotou o auditório da Casa do Território. A iniciativa enquadra-se na estratégia de diplomacia económica que Paulo Cunha tem vindo a promover para estimular o fortalecimento da competitividade e internacionalização das empresas famalicenses.

O embaixador germânico não poupou nas palavras para descrever um concelho que diz conhecer pelas suas “grandes empresas” onde se incluem as poderosas alemãs Continental Mabor, Leica e Olbo&Mehler. “Exemplos fortes de exportação, inovação e criatividade”, disse, realçando a atratividade de Famalicão para o investimento empresarial. “Sei o quão amigo dos negócios é. Quero demonstrar o meu apreço por isso e dar os parabéns pelo evidente sucesso que tem.”

O passo seguinte a esta visita, admitiu Christof Weil, passa pelo robustecimento das relações comerciais, colaborando com os empresários famalicenses na entrada ou consolidação dos seus negócios na Alemanha, quarta economia mundial, como é, aliás, desígnio da ação da Câmara Municipal no plano económico. 

“Ecossistema favorável ao investimento”

Paulo Cunha descreveu a visita do Embaixador da Alemanha em Portugal como “mais uma etapa no processo de internacionalização da economia famalicense”, recordando que estas conferências têm o intuito de assumir a vocação internacional de Vila Nova de Famalicão.

“Somos um concelho com marca exportadora, que aposta no desenvolvimento industrial, que faz investimento público a pensar na criação de condições para atrair investimento privado”, sublinhou o edil famalicense. Aliás, Paulo Cunha insistiu na “grande ambição” que Famalicão tem e que passa por criar as condições ótimas para cativar o interesse de empresas e investidores de qualquer quadrante geográfico.

Isso é o “ecossistema favorável ao investimento”, ou seja, “reunir as condições necessárias para que um investidor olhe para nós e nos escolha para fazer investimento”, ilustra Paulo Cunha. O edil lembrou finalmente que estão a ser feitos “enormes investimentos” na formação profissional dos trabalhadores locais para que estejam à altura dos projetos que estão em curso no concelho famalicense.

Embaixadores Empresariais de Famalicão na Alemanha

Ponto alto desta conferência foi a apresentação dos ‘Embaixadores Famalicenses na Alemanha’. Pedro Carreira (Continental Mabor), Paulo Maravalhas (Leica), Marcelo Garcia (Olbo&Mehler) e António Abreu (Deinzer) são os empresários que conhecem bem o mercado germânico e que se disponibilizaram para aconselhar outras empresas famalicenses na entrada ou consolidação dos seus negócios na Alemanha.

Famalicão Made INternational é uma iniciativa da Câmara Municipal que conta com a cooperação da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e da ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional. 

AFS_9097.jpg

AFS_9163.jpg

AFS_9277.jpg

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO NO MERCADO ALEMÃO APRESENTADAS EM FAMALICÃO

Conferência com o Embaixador da Alemanha e as empresas Continental, Leica, Olbo&Mehler e Deinzer, dia 23 de março, na Casa do Território  

Considerada a cidade portuguesa das empresas alemãs, como as incontornáveis Continental Mabor e Leica, com grande peso na economia local e no emprego, Vila Nova de Famalicão vai acolher uma conferência sobre as oportunidades de negócio que o mercado germânico tem para oferecer aos empresários famalicenses.

AFS_3993.JPG

Caberá a Christof Weil, Embaixador da Alemanha em Portugal, as honras da sessão, bem como o protagonismo no principal ponto do programa, desta que é a próxima conferência do ciclo Famalicão Made INternational, agendada para dia 23 de março, a partir das 14h30, na Casa do Território, Parque da Devesa.

Presenças confirmadas também do Diretor Executivo da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã, Hans-Joachim Böhmer, e do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha.

A Alemanha enquanto destino de investimentos para os empresários famalicenses é assim o foco de uma sessão que tem por objetivo capacitar as empresas do concelho no sentido do reforço da sua competitividade e potenciar a vocação exportadora junto das startups e das PME, tendo em vista o alargamento da base exportadora do concelho.

A Continental Mabor, a Leica, a Olbo&Mehler e a Deinzer vão testemunhar as suas experiências e aconselhar outros empresários que pretendam entrar no mercado alemão, assumindo o papel de “embaixadores famalicenses na Alemanha”.

A conferência é promovida pela Câmara Municipal, através do Famalicão Made IN, em parceria com a AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, a ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave, e a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Alemã.

O programa da conferência e o calendário das quatro oficinas de exportação, que se lhe seguem, estão disponíveis para consulta em www.famalicaomadein.pt.

AFS_3995.JPG

BRAGA DEBATE ESTRATÉGIA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL COM PARCEIROS EUROPEUS

Encontro da rede Urbact CityMobilNet decorreu na Alemanha

A Cidade de Braga esteve representada no último encontro internacional da rede Urbact CityMobilNet, que se realizou entre 15 e 17 de Fevereiro, em Bielefeld, na Alemanha, onde apresentou a estratégia municipal para a mobilidade sustentável aos parceiros europeus.

16864129_1451350301562819_7647459228403921946_n.jpg

Neste encontro, que contou com a presença do vereador do Urbanismo da Câmara Municipal de Braga, Miguel Bandeira, foram abordadas questões referentes à repartição modal, aos problemas de mobilidade e aos projectos que estão em desenvolvimento em toda a rede de cidades.

“Este encontro potenciou uma maior partilha de experiências, onde ficou bem patente a necessidade de implementação dos projectos em curso, que visam a promoção da mobilidade sustentável e a descarbonização da Cidade”, referiu Miguel Bandeira, lembrando que “estes objectivos são uma imposição da própria União Europeia e que há muito estão definidos por outras cidades, cujas metas Braga não poderá descurar”.

Braga foi a Cidade escolhida para ser a anfitriã do próximo encontro desta rede de Cidades, que terá lugar em Junho, tendo disputado a organização com as cidades de Gdansk e Agii Anargyri-Kamatero.

A rede CityMobilNet visa a elaboração de Planos de Mobilidade Sustentável um pouco por toda a Europa, com base na troca de conhecimento e experiência das cidades parceiras.

Além da Cidade de Braga, a rede incorpora as cidades de Bielefeld (Alemanha), Székesfehervar (Hungria), Slatina (Roménia), Burgos (Espanha), Agii Anargyri-Kamatero (Grécia), Marselha e Marne a l’Eau (França), Gdansk (Polónia), Palermo (Itália), Valletta (Malta) e Zadar (Croácia).

MULTINACIONAL ALEMÃ INVESTE EM FAMALICÃO

Multinacional alemã lança projeto LousAgro em Lousado para fabrico de pneus agrícolas. Continental investe 50 milhões de euros em Famalicão

O poderoso grupo alemão Continental escolheu Vila Nova de Famalicão para investir 50 milhões de euros numa nova unidade de produção de pneus radiais agrícolas que irá gerar mais de uma centena de empregos. E fê-lo por cinco razões que o seu administrador, Nikolai Setzer, hoje no lançamento do projeto LousAgro, elencou: qualificação dos recursos humanos, custos, qualidade, infraestruturas e localização e o apoio do poder nacional e local (Governo e Câmara Municipal).

Nova unidade industrial da Continental de Lousado vai produzir pneus de ....jpg

“A capacidade instalada em Vila Nova de Famalicão foi decisiva para que a Continental Mabor de Lousado tenha sido a escolhida, entre as vinte unidades que o nosso grupo detém a nível mundial, para desenvolver esta nova área de negócio”, enfatizou o gestor responsável pela divisão de pneus do grupo, por ocasião da assinatura do contrato de investimento, que decorreu na Continental Mabor e que, pelo seu significado e relevo, foi protagonizada pelo Primeiro-Ministro, Ministro da Economia, Secretário de Estado da Indústria, Presidente da AICEP, para além do Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. 

A nova unidade, considerada de “última geração para o exigente sector agrícola”, está a ser construída no complexo industrial da Continental Mabor e permitirá a criação de 125 postos de trabalho diretos, 15 dos quais qualificados. O arranque da produção está previsto para 2017.

António Costa sublinhou que este projeto “é um bom exemplo de investimento direto estrangeiro, com capacidade de dinamização da economia local e nacional, e um sinal de grande confiança de um investidor exigente e com anos de experiência acumulada no nosso país”.

E não poupou nas palavras para elogiar a Continental Mabor: “a visão de ambição com que a Continental Mabor encara o futuro é inspiradora para o país. Com este projeto a empresa estima atingir um valor de exportações anual de 855 milhões de euros, o que a manterá como uma das principais exportadoras nacionais”.

Para além deste investimento na fábrica de Lousado, a Continental prepara-se também para investir 2,5 milhões de euros num novo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento com o objetivo de obter um crescimento mais rápido no portfólio de pneus agrícolas, em colaboração estreita com o centro que a multinacional tem na Alemanha.

O projeto LousAgro tem assim, nas palavras do Presidente do Conselho de Administração da Continental Mabor, “um forte conteúdo de inovação produtiva, para além de incluir uma componente importante de formação profissional”. Pedro Carreira classificou este investimento como “crucial para a sustentabilidade da empresa, pois irá dotá-la de uma unidade de negócios completamente nova”.

Por sua vez, o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, reiterou a importância da captação de investimento na dinamização e no crescimento da economia. “O novo projeto internacional da Continental será desenvolvido integralmente no nosso concelho. É mais um grande investimento que vai gerar novos empregos e reforçar a performance exportadora de Vila Nova de Famalicão”, argumentou.

Presente em Famalicão desde 1990, a Continental Mabor é o principal motor da economia deste município, ocupando o primeiro lugar no ranking das exportações. No final de 2015 a empresa teve um volume de vendas de 820,56 milhões de euros.

Novos Pneus Made In Lousado chegam ao mercado em 2017.jpg

ATLETA ESPOSENDENSE JONINHAS VILAR CONQUISTA BERLIN OPEN 2016

Decorreu no dia 20 de fevereiro, em Berlim-Alemanha, o BERLIN OPEN 2016, uma grande competição de karaté, que contou com a presença de cerca de 1.000 atletas oriundos de diversos países europeus e também asiáticos. O atleta da BUSHIDO AK, Joninhas Vilar, voltou a conseguir, mais uma vez, um excelente resultado numa competição internacional de Karaté, sagrando-se campeão no escalão cadetes -52 kg.

PARA QUANDO O ENCONTRO DAS CASAS REGIONAIS DO MINHO ESPALHADAS PELO MUNDO?

Calcula-se em cerca de duas dezenas o número de casas regionais do Minho existentes em todo o mundo, incluindo as que possuem apenas referência concelhia. Não obstante alguns contactos estabelecidos entre algumas dessas associações, não foi possível até ao momento reuni-las num grande encontro com vista a estabelecerem laços de cooperação entre si.

11059898_507372099412332_5922888807708304974_n

Para além da Casa do Minho e das seis casas concelhias existentes em Lisboa referentes a Arcos de Valdevez, Valença, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Ponte da Barca e Vila Nova de Cerveira, existem ainda casas regionais do Minho nomeadamente em França, Suíça, Alemanha, Brasil, Estados Unidos da América, Canadá e Venezuela. No Brasil existem pelo menos duas casas do Minho – no Rio de Janeiro e em São Paulo.

No que se refere às casas regionais de âmbito concelhio, destaca-se o concelho de Arcos de Valdevez com diversas representações nomeadamente em França, Estados Unidos e na Venezuela.

Para além das representações já existentes, existem ainda condições excelentes com vista ao aparecimento de novas casas regionais do Minho noutros países, como se verifica na Argentina em cuja capital se encontra uma comunidade minhota bastante unida e dinâmica, organizada sobretudo através de ranchos folclóricos.

São conhecidas as excelentes relações entre as associações regionalistas minhotas nos Estados Unidos da América e Canadá, estabelecendo constantes permutas para a atuação dos respetivos ranchos folclóricos. Também foi estreita a ligação outrora existente entre a Casa do Minho em Lisboa e a Casa do Minho no Rio de Janeiro. Porém, o associativismo regionalista minhoto tem vindo a registar novos desenvolvimentos, sobretudo com o aparecimento de várias casas concelhias, aliás à semelhança do que se verificou em Lisboa.

A promoção de um encontro de casas regionais do Minho permitiria uma maior entreajuda e partilha de informações, contribuindo para uma maior projeção do Minho a nível internacional. A colaboração entre todas as comunidades minhotas, em Portugal e no estrangeiro, poderia inclusive favorecer uma melhoria da representação do nosso folclore e a divulgação mútua, nomeadamente através do estabelecimento de eventuais permutas e outras formas de colaboração.

Também a este respeito, o Minho necessita de falar a uma só voz, superando os condicionalismos naturalmente resultantes da inexistência de uma entidade congregadora de todas as vontades da região. Mas, importa que, com o apoio nomeadamente das autarquias, os regionalistas minhotos saibam construir essa unidade em prol da nossa região.

O BLOGUE DO MINHO será sempre o elo de ligação entre o Minho e todos os minhotos espalhados pelo mundo!

1920417_669077956539989_8000314688441775493_n

1517394_462784153871803_7144135727552206666_n

PRIMEIRA MARCA DE ALVARINHO EM MELGAÇO PRESENTE NA ALEMANHA EVENTO GASTRONÓMICO INTERNACIONAL DO CAMPO

19 de julho, em Dagobertshausen, Alemanha

A Quinta de Soalheiro, a primeira marca de alvarinho em Melgaço, vai marcar presença no histórico evento gastronómico no celeiro de Dagobertshausen (Alemanha), no próximo domingo, 19 de julho, das 12h00 às 19h00. A iniciativa, a Landpartie de Dagobertshausen, com um espaço suficiente até 200 pessoas, vai já na sua terceira edição e pretende mostrar o melhor da gastronomia mundial.

image012

No evento, as várias colheitas do Soalheiro vão demonstrar a evolução de uma casa que tanto tem apostado na qualidade, na tradição e na agricultura/viticultura biológica. A Quinta de Soalheiro tem um cariz familiar e dedica-se à exploração vitícola há 41 anos. Tudo tem feito para implementar as melhores tecnologias vitícolas e enológicas, de forma a potenciar a expressão dos seus “terroirs”.

Com uma cozinha de primeira classe, com os melhores chefs, e novas delícias culinárias, o evento promete ser um dia inesquecível, com um ambiente maravilhoso e um grande entretenimento. A Landpartie de Dagobertshausen reunirá produtores de referência mundial e dá a oportunidade de o Soalheiro se internacionalizar ainda mais, dando a conhecer os verdadeiros paladares de um delicioso Alvarinho.

O VINHO SOALHEIRO

O Soalheiro é considerado um especialista em Alvarinho pelos líderes de opinião internacional e nacional, pelo que na sua gama de vinhos se destacam a trilogia composta pelo Soalheiro clássico, efetivamente um clássico e o vinho com maior presença internacional; o Soalheiro Primeiras Vinhas, uma referência nos Alvarinhos e, por quatro vezes consecutivas, considerado o Melhor Vinho Branco Nacional e o Soalheiro Reserva, a expressão máxima da casta alvarinho com a fermentação em barrica. Aos quais se juntam os dois espumantes Soalheiro, o clássico Bruto e, mais recentemente, o Bruto Rosé, não esquecendo ainda os inovadores ALLO e Soalheiro 9% que se distinguem pelo teor alcoólico moderado com enorme elegância e frescura, que procuraram explicar que o álcool moderadamente baixo também está associado a vinhos de grande qualidade.

RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO SOALHEIRO

A Quinta de Soalheiro tem vindo a conquistar os mercados internacionais, ganhando já cinco medalhas de ouro. O Soalheiro 2014 e o Soalheiro Reserva 2013 são os vinhos galardoados e que têm elevado o nome Soalheiro a vários pontos do mundo. Estas distinções não representam apenas um prémio na história do Alvarinho, representam um alavancar da economia local e do enoturismo da região.

PRÉMIOS

Soalheiro 2014 -  Dupla medalha de ouro no Sakura Japão

Soalheiro 2014 - Medalha de Ouro e Melhor Vinho Verde no Mundus vini Alemanhã

Soalheiro Reserva 2013 - Medalha de Ouro no Internacional Wine Challenge em Inglaterra

Soalheiro Reserva 2013 - Medalha de Ouro no Challenge International du Vin em França

Soalheiro 2014 - Medalha de Ouro e Troféu Regional no Decanter Wine Awards em Inglaterra 

Soalheiro 2014 - Prémio de Excelência na 3.ª edição do concurso Uva D'Ouro  organizado com o apoio do Diário de Notícias, o Jornal de Notícias, Continente e a rádio TSF

QUINTA DE SOALHEIRO - UM REGISTO FAMILIAR

A Quinta de Soalheiro é uma empresa familiar, com quatro gerações. O mentor foi João  António Cerdeira que, com a ajuda do seu pai António Esteves Ferreira, plantou a primeira vinha de Alvarinho em  1974. Desde então envolveu toda a sua família neste projeto, sendo que atualmente são os filhos, Maria João e António Luís, juntamente com a matriarca da família, Maria Palmira, que continuam o Sonho. Nos netos já se vislumbra o gosto pela Terra!

Antonio Luís, desde cedo descobre a sua paixão pelo vinho. Enólogo de formação e conhecedor profundo da casta Alvarinho, desde criança vive este projeto, sendo ele um pilar inspirador para criação dos novos Soalheiros. O gosto pela terra faz com que Maria João siga a tradição vitícola da família e certifique toda a vinha em agricultura biológica, defendendo a viticultura sustentável baseada no respeito pelo solo, pelas plantas e pelo homem, exaltando a riqueza do terroir de origem.

É esta história familiar, onde a tradição marca encontro com a modernidade, que confirma que não há vinhos sem pessoas dedicadas de forma contínua à paixão pelo vinho e pela vinha. 

EMBAIXADOR DA ALEMANHA VISITA BRAGA

Visita do Embaixador da Alemanha: Braga assume-se como centro de investigação e inovação

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, recebeu hoje, 07 de Julho, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, o Embaixador da Alemanha em Portugal, Ulrich Brandenburg.

1

Na cerimónia, o Autarca lembrou que a visita dos embaixadores tem como objectivo mostrar o potencial de Braga nos mais diversos domínios. Ricardo Rio salientou que Braga é muito conhecida na Alemanha por força de ser, de há muitos anos a esta parte, a Cidade de acolhimento de multinacionais alemãs como a Delphi, a Fehst e a Bosch, e por ser um “centro de investigação e inovação das próprias empresas alemãs, com capacidade de replicar esse conhecimento e inovação a nível internacional”.

3

O Edil sublinhou ainda a relação entre os dois países do ponto de vista turístico. Portugal recebe anualmente cerca de um milhão de turistas alemães e cerca de 25 mil têm residência no nosso país. Segundo Ricardo Rio, estes números representam, por si só, uma “grande margem de crescimento em termos de atractividade para o Concelho de Braga”.

O Embaixador da Alemanha afirmou que Braga, além das grandes empresas alemãs já instaladas, pode ser também um bom mercado para as pequenas empresas. Ulrich Brandenburg salientou igualmente a importância da Universidade do Minho. “É uma universidade muito activa que tem ligações com a Alemanha e que é muito interessante para os estudantes alemães”, disse.

Já Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga, sublinhou a importância da visita do Embaixador da Alemanha numa altura em que aquela agência está a discutir potenciais investimentos com empresas alemãs.

5

BOSH DESENVOLVE TECNOLOGIA DO FUTURO A PARTIR DE BRAGA

Empresa prevê criar mais mil postos de trabalho até 2020

O presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, acompanhou esta Segunda-feira, 29 de Junho, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, numa visita que o governante realizou às instalações da Bosch Car Multimedia Portugal, sediadas em Braga, no âmbito do encerramento da primeira fase do projecto Human Machine Interface Excellence (HMIExcel), uma parceria entre a Bosch e a Universidade do Minho, que visa o desenvolvimento e produção do futuro conceito de mobilidade no sector automóvel.

CMB29062015SERGIOFREITAS0000002071

O projecto, que teve o seu início há dois anos representa um investimento de 19 milhões de euros, resultando em 14 projectos e dez patentes registadas no desenvolvimento do ‘cockpit do futuro’, envolvendo cerca de 300 pessoas. A parceria prevê, para os próximos três anos, um investimento de 56 milhões de euros na evolução de 38 novos projectos, sendo que a empresa alemã, sediada em Braga, aposta na contratação de mais mil colaboradores até 2020.

Este foi um dado enaltecido por Ricardo Rio, lembrando que Braga tem sido, neste particular, ‘fonte de boas notícias e de sinais de esperança no futuro’. “Do ponto de vista económico, os indicadores de redução do desemprego, de criação líquida de novos postos de trabalho e de atracção de investimento, de projectos que ajudem ao desenvolvimento do território, Braga tem tido um papel notável nas diversas áreas de actividade”, referiu.

CMB29062015SERGIOFREITAS0000002065

Lembrando as palavras do primeiro-ministro numa recente visita à capital do Minho, em que Pedro Passos Coelho afirmou que “era importante que o País soubesse acompanhar a ‘pedalada’ de Braga”, o Autarca afirmou que este o projecto HMIExcel, “é uma das muitas comprovações de uma estratégia que está delineada entre todos os agentes do território e que passa por aproveitar os muitos recursos que Braga tem para oferecer”, destacando, neste particular, a Universidade do Minho e a Bosch, “um dos principais agente económicos de Braga” e que tem tido uma postura de “grande interacção com a comunidade Bracarense”.

O projecto já tinha sido ‘apadrinhado’ pelo primeiro-ministro no início do processo. Agora, passados dois anos, Pedro Passos Coelho mostrou a sua satisfação por “testemunhar o sucesso do projecto e a renovação dessa ambição para o futuro próximo”. “A economia nacional precisa de beneficiar muito da inovação e da melhoria de qualidade do seu capital humano e o Governo está empenhado em apoiar projectos que, como este, são uma clara mais-valia para o desenvolvimento do nosso País”, referiu, acrescentando que “parcerias entre empresas sólidas e globais como a Bosch e instituições dinâmicas como a Universidade do Minho, são um exemplo que deve ser repercutido em todo o território nacional”.

Por seu turno o reitor da Universidade do Minho, António Cunha, referiu que este é “um projecto fantástico com muita ambição e que constitui um desafio para as duas partes, com o objectivo de moldar o futuro e ser uma referência na área tecnológica a nível mundial”.

Já Sven Ost, administrador da Bosch, referiu que este é um “momento muito especial” para a empresa, para a Universidade, para a Região e para todo o País, no reconhecimento de “um dos mais ambiciosos projectos de investigação e desenvolvimento tecnológico alguma vez realizado em Portugal e considerado de interesse estratégico nacional”, agradecendo todo o apoio do Governo Português na concretização do projecto HMIExcel.

A empresa continua a olhar para a Bosch em Braga “como uma localização competitiva para as actividades de desenvolvimento e produção”, sustentando que com este projecto a empresa alemã tem “contribuído activamente para a construção da boa reputação da tecnologia desenvolvida e produzida em Portugal, e exportada a nível mundial”, concluiu.

CMB29062015SERGIOFREITAS0000002063

MINHOTOS DEPORTADOS DE FRANÇA PARA OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DO NAZISMO

O jornal “O Público” encontrou os nomes de 40 portugueses deportados de França para os campos de concentração nazis e a indicação de que uma portuguesa a residir na Bélgica também teria morrido em Auschwitz. Entre eles, contam-se 10 minhotos, oriundos nomeadamente de Vila Verde, Vila Nova de Famalicão, Guimarães e Ponte de Lima. Uma parte deles não sobreviveu. Esta lista faz parte de um trabalho de reportagem publicada pelo jornal “O Público”, da autoria dos jornalistas Patrícia carvalho e Nelson Garrido.

Arbeit_macht_frei

Abel Carvalho

n. 04.02.1890, Vila Verde. Deportado a 9 de Agosto de 1944 para Dachau, prisioneiro n.º 94100. Transferido para authausen, desconhece-se o que lhe aconteceu.

Cândido Ferreira

n. 17.04.1922, Castelões, Vila Nova de Famalicão. Deportado para Buchenwald a 31 de Julho de 1944, prisioneiro n.º 69209. Morre no campo a 24 de Fevereiro de 1945. Causa: gastrenterite.

Emílio Pereira

n. 02.02.1910, Prado, Santa Maria, Vila Verde. Deportado para Buchenwald a 22 de Janeiro de 1944, prisioneiro n.º 42352. Sobreviveu à guerra.

Francisco Barbosa da Costa

n. 12.02.1924, Ponte de Lima. Deportado para Dachau a 29 de Junho de 1944, prisioneiro n.º 75950. Transferido para Buchenwald e Bergen-Belsen, morre neste campo em data e de causa desconhecidas.

João Faria de Sá

n. 15.03.1910, Sezures, Vila Nova de Famalicão. Deportado para Buchenwald a 17 de Janeiro de 1944, prisioneiro n.º 41109. Sobreviveu à guerra.

João Fernandes

n. 05.06.1908 ou 1911, Gondariz (?). Deportado para Dachau a 9 de Agosto de 1944, prisioneiro n.º 93945. Transferido para Mauthausen (prisioneiro n.º 98.030) e Natzweiler-Struthof (prisioneiro n.º 42733). Sobreviveu à guerra.

Luiz Ferreira

n. 18.10.1902, Figueiredo, Guimarães. Deportado para Buchenwald a 31 de Julho de 1944, prisioneiro n.º 69369. Sobreviveu à guerra.

Manuel Alves

n. 29.11.1910, Vila Verde. Deportado para Buchenwald a 17 de Janeiro de 1944, prisioneiro n.º 40953. Transferido para Flossenburg (prisioneiro n.º 6670). Sobreviveu à guerra.

Maria Barbosa

n. 23.02.1922, Ponte de Lima. Deportada para Ravensbruck a 31 de Janeiro de 1944, prisioneira n.º 27864. Foi transferida para Neuengamme (prisioneira n.º 5575) e Bergen-Belsen. Sobreviveu à guerra.

Venâncio Dias

n. 14.05.1904 ou 1914, S. Vicente, Vila Verde. Deportado para Buchenwald a 31 de Julho de 1944, prisioneiro n.º 69553. Sobreviveu à guerra.

Foto: http://de.creepypasta.wikia.com/

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL COMEÇOU HÁ CEM ANOS: OS MINHOTOS DA “BRIGADA DO MINHO” FORAM MÁRTIRES E HERÓIS NA FLANDRES!

Comemora-se este ano o centenário da Primeira Guerra Mundial. Faz no próximo dia 28 de julho que as grandes potências europeias se envolveram num conflito que custou mais de 9 milhões de mortos em combate e 22 milhões de incapacitados e feridos graves, para além da fome, miséria e doença causada às populações civis de ambos os lados do conflito.

De um lado a Alemanha, o Império Austro-Húngaro e a Itália. Do outro, a França, o Reino Unido e o Império Russo. Em Portugal, após uma posição inicial de defesa dos territórios ultramarinos das intromissões alemãs, o governo da República viria em 1917 a decidir-se pelo envio de tropas portuguesas para o teatro de guerra europeu, tendo o Corpo Expedicionário Português (CEP) atingido perto de 200 mil mobilizados.

Com destino ao campo de batalha foi constituída a 4ª Brigada do Corpo Expedicionário Português, a célebre “Brigada do Minho” que, no dia 9 de abril de 1918, haveria de bater-se de forma heroica pela defesa das suas posições, acabando impiedosamente massacrada com um elevado número de mortos.

CCF18052009_000004

IV Brigada, o Minho em nós confia

Seu nome honrado entrega em nossas mãos

E seu nome, que soou, de sempre, a valentia

Aos quatro batalhões, - unidos como irmãos

Tudo a mesma Família - há-de servir de guia

Canção da «Brigada do Minho»

França - Julho de 1917

“A 4ª Brigada de Infantaria que desde 7 de Fevereiro do corrente ano de 1918 guarnecia e tinha a seu cargo a responsabilidade do sector de “Fauquissart”, tendo a cooperar com ela tacticamente o 6º Grupo de Metralhadoras Pesadas e as 4ªs baterias de morteiros médios e morteiros pesados, tinha as suas forças distribuídas no referido sector no dia 8 de Abril da seguinte forma:

Batalhão Infantaria 20: com sede do comando em Temple-Bar, ocupava o S.S.1. (Fauquissart I) com 3 companhias na 1ª linha e uma em apoio.

Batalhão Infantaria 8: com a sede do comando em Hyde-Park, ocupava o S.S.2. (Fauquissart II) com 3 companhias em 1ª linha e uma em apoio.

Batalhão Infantaria 29: com sede do comando em Red-House, constituía o apoio dos batalhões em primeira linha, tendo as suas companhias distribuídas pelos postos de apoio da 2ª linha.

Batalhão Infantaria 3: com sede do comando em “Laventie” constituía a Reserva tendo todas as companhias acantonadas nesta posição.

Morteiros médios e pesados, 4ª B.M.L., grupo de metralhadoras pesadas, achavam-se distribuídos pelas respectivas dos dois sub-sectores.

A 4ª Brigada de Infantaria ligava-se no seu flanco direito com a 6ª Brigada de Infantaria e no flanco esquerdo com uma Brigada Escocesa (119ª Brigada da 40ª Divisão Britânica) que havia dias ocupava o sector de "Fleurbaix", vinda da ofensiva do "Somme" de 21 de Março.

O efectivo da brigada achava-se extremamente reduzido, pois em principio de Abril faltavam-lhe em pessoal e animal, para o seu completo, aproximadamente 51 oficiais, 1300 praças e 85 solípedes, o que era devido não só ás baixas que dia a dia a brigada vinha sofrendo nas operações com o inimigo nas ainda ao rigor do clima a que os Portugueses não estavam habituados e ao violentos e árduos trabalhos que sem descanso eram exigidos ás tropas da Brigada, desde que seguiu da zona da retaguarda para a frente em 21 de Julho de 1917, primeiro para instrução em 1ª linha por enquadramento sucessivo de companhias, e depois de batalhões sem e com responsabilidade, nos sectores ocupados por tropas inglesas desde "Fleurbaix" a "Armentiére" e em "Beuvry" depois nas reparações do sector "Neuv-Chapelle", ocupado pela 2ª Brigada, durante o período intensivo de instrução no mês de Agosto e parte de Setembro de 1917; mais tarde na ocupação do sector de “Ferme du Bois” desde o dia 23 de Setembro, emq eu se rendeu a primeira B.I. até 30 de Dezembro porque foi rendida pela 2ª B.I., vindo, então, constituir a reserva da 2ª Divisão, e, logo em seguida além da instrução, empregada para o enterramento do cabo, e execução de urgentes reparações dos postos da linha das aldeias, do corpo, e ocupação efectiva de alguns dos mesmos, que eram batidos com insistência pelo inimigo e finalmente na ocupação do sector de “Fauquissart”, desde 7 de Fevereiro, em que rendeu a 6ª B.I., até ao dia 9 de Abril em que se deu a ofensiva alemã contra a frente portuguesa

Durante todo este período de tempo, em que decorreu de 21 de Julho de 1917 a 9 de Abril de 1918, comportaram-se as tropas da Brigada sempre de molde a merecer o elogio e louvor das instâncias superiores, quer Portuguesas quer Inglesas, repelindo com energia todos os "raids" e ataques inimigos e tendo evidenciado sempre uma alto espírito ofensivo, sempre que se encontrava em 1ª linha. É uma prova flagrante o enorme dispêndio de munições de metralhadoras, e de muitos morteiros especialmente em permanência no sector de “Ferme du Bois”, em que chegou a atingir o extraordinário consumo de 1352 projécteis de morteiros ligeiros no prazo de 24 horas, como deve constar dos mapas estatísticos existentes no C.E.P.

Não obstante a impecável disciplina e boa vontade sempre manifestada pelas tropas das unidades da Brigada no cumprimento dos seus deveres, era bem evidente o cansaço e a fadiga física das tropas, especialmente nos últimos tempos e, já, na ocupação do sector de “Fauquissart”, resultante do progressivo acréscimo de actividade de operações de bombardeamentos por parte do inimigo, especialmente de bombardeamentos a todo o momento, que demoliam quási por completo as trincheiras, impedindo a continuidade e regularidade das operações e aumentando o já de si duro, extremamente fatigante, trabalho das tropas da Brigada, sendo cada vez maiores as faltas no pessoal em virtude das baixas e dos doentes por fadiga, evacuados para os hospitais e, não sendo as mesmas preenchidas, resultava com o decréscimo dos efectivos num excessivo trabalho para os restantes, a acrescentar ao que já lhes competia”.

- Relatório da 4ª Brigada de Infantaria (do Minho). Corpo Expedicionário Português – 2ª Divisão

img659

FAM TRIP: OPERADORES TURÍSTICOS INTERNACIONAIS VISITAM CAMINHA PARA CONHECER O POTENCIAL DA REGIÃO

Seis operadores turísticos internacionais e três nacionais rumam este fim-de-semana a Caminha para conhecer as potencialidades turísticas da região

São nove, são operadores turísticos, vêm da Suécia, Inglaterra, Espanha, Alemanha e também de cá de Portugal e estão em Caminha para conhecer as potencialidades do concelho e da região. Até domingo, estes profissionais vão poder visitar locais históricos, provar a gastronomia típica e experimentar o que de melhor a natureza tem para oferecer. Tudo na iniciativa Fam Trip.

Hoje, sexta-feira, a comitiva vai conhecer a Serra d’Arga. Através de uma caminhada pelos trilhos, os operadores turísticos vão contactar com pastores locais, disfrutar das lagoas e ver os moinhos da serra. O Mosteiro de São João d’Arga é também local de passagem obrigatória.

Da parte da tarde, Vila Praia de Âncora é o destino a visitar, sendo que está também prevista a passagem pelo Dólmen da Barrosa e pelo Monte do Calvário.

Já amanhã, sábado, os profissionais vão poder descer o rio Coura em Kayak a partir de Vilar de Mouros. Vão depois conhecer o Centro Histórico de Caminha e fazer a travessia de Ferry-Boat até La Guardia, com visita a Santa Tecla.

A noite termina com um jantar no Santoinho, em Viana do Castelo, e com uma visita ao Monte de Santa Luzia. Para terminar a viagem até Caminha, os operadores turísticos vão ainda passar pela Rua Direita, para se divertirem e conhecerem a animação noturna da vila.

Trata-se de uma iniciativa conjunta entre empreendimentos turísticos do concelho e o Município de Caminha que pretendem desta forma promover Caminha e toda a região, levando o seu nome aos roteiros internacionais de Turismo. Assim, estes operadores vão ser recebidos pelo Hotel Porta do Sol, Hotel Meira, Aldeamento Turístico do Camarido e Casa da Eira. A esta iniciativa associam-se ainda as empresas de animação turística Descubra Minho e MinhAventura e os restaurantes Fortaleza e Solar do Pescado.

A Câmara Municipal de Caminha apoia a iniciativa Fam Trip, por considerar uma boa oportunidade de promoção das potencialidades turísticas do concelho, numa altura em que os operadores preparam os pacotes turísticos para 2014.