Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

DANIEL CAMPELO PÕE PORTUGAL A PRODUZIR ERVAS AROMÁTICAS

Suecos reforçam produção de ervas aromáticas em Portugal

O grupo Spisa vai mais do que duplicar a produção da Aromáticas Vivas, dirigida pelo “deputado Limiano” Daniel Campelo em Viana do Castelo, e estuda terceira unidade em solo nacional para aumentar a quota em Espanha.

img_817x460$2017_04_18_18_02_18_307403_im_636281478894525090.png

O grupo sueco Spisa, que contratou Daniel Campelo para voltar "à terra" depois de despir o fato de governante, prepara-se para reforçar a produção de ervas aromáticas em Portugal, adiantou ao Negócios o histórico autarca de Ponte de Lima, que no início do século ficou conhecido como "deputado Limiano" por ter ajudado a aprovar dois orçamentos do Governo de Guterres.

Além da Aromáticas Vivas, a unidade de Viana do Castelo gerida pelo ex-dirigente do CDS, a maior empresa europeia de ervas aromáticas em vaso detém também a Fresh Cut, em Tavira. Depois de iniciar há três anos a operação algarvia, a mais recente e que abastece também o mercado inglês, os nórdicos têm uma terceira unidade "em estudo", para avançar em dois anos.

Com o objectivo de aumentar a quota no mercado espanhol, onde "há ainda muito para crescer", a nova estrutura vai produzir ervas aromáticas em vaso e cortadas. Daniel Campelo justificou que "em Portugal a escala não é atractiva para ter estas actividades completamente separadas e os clientes também querem as duas coisas".

A localização não está definida, mas o projecto avançará "sempre em complemento" com as unidades já existentes no país, pois há "grandes vantagens [para o grupo] em ter estratégias de Verão e Inverno". "No Algarve é difícil fazer ervas de Verão, não resistem a grandes temperaturas. Mas produz no Inverno com menos custos de energia. Temos de aproveitar a natureza para baixar custos de produção", frisou.

Produzir para expandir

No Alto Minho já está a avançar um investimento de dois milhões de euros para aumentar em cinco hectares a área de produção da Aromáticas Vivas, actualmente limitada a dois hectares na freguesia de Carreço. É ali que a Spisa tem a principal operação do país, com vendas de três milhões de euros e capacidade anual para cinco milhões de plantas em vaso e mais dois milhões de unidades em ervas cortadas. Espanha absorve 40% da produção.

Com estes investimentos, o grupo, que está também na Polónia, Reino Unido e República Checa, prevê "disparar" a produção em Portugal, em particular nas ervas cortadas, admitindo passar a vender por grosso a embaladores na Europa, deficitária no segmento. Porém, avisa, para entrar nesses clientes é preciso investir em "áreas de produção adequadas".

"Diferenciamo-nos por sermos produtores. Não somos nem queremos ser controlados por comerciantes de ervas. Temos de ponderar seriamente criar mais áreas próprias. Só depois podemos pensar em novos mercados", insistiu o homem que tutelou as áreas rurais entre 2011 e 2014. Há um ano e meio passou a liderar esta unidade, que tem como sócios locais uma organização de produtores da Póvoa de Varzim (PAM) e um sírio radicado em Portugal, Ziad Albarazi, que antes de 2009 produzia flores naquele mesmo espaço.

Insectos e ácaros já são negócio

É numa pequena arrecadação, junto às estufas onde crescem os vasos de ervas, que a Aromáticas Vivas produz os insectos e os ácaros que utiliza para prevenir as pragas e as doenças e que lhe permitem ter uma produção livre de pesticidas químicos e a certificação biológica. Apontando-o como "uma grande mais-valia para que o negócio não vá à ruína", Daniel Campelo calcula que a empresa gasta por mês cerca de 11 mil euros com este processo de controlo através de agentes biológicos, tendo a parceria de uma firma dinamarquesa com quem está a desenvolver novos projectos para expandir a produção e oferta destes pesticidas biológicos.

Para a empresa minhota, que produz mais de 20 variedades de ervas aromáticas e emprega 42 pessoas, os insectos e ácaros "começam a ser negócio". Começou por produzi-los apenas para aplicar nos seus terrenos, mas já fornece para as outras unidades do grupo na Suécia, Inglaterra, República Checa e Polónia.

António Larguesa / http://www.jornaldenegocios.pt/

MELGAÇO PROMOVE AÇÃO DE SENSIBILIZAÇÃO PARA PRODUZIR FERTILIZANTE NATURAL

Dia 21 de Abril. Inscrições efectuam-se até 19 de abril

A maioria do lixo que se deita fora são resíduos biodegradáveis – restos de comida, resíduos de jardim ou da horta. Em vez de serem enviados para aterros sanitários ou incinerados, estes podem ser reciclados, produzindo um excelente fertilizante natural – o composto – através de um processo de transformação biológica a que se dá o nome de compostagem. Os Melgacenses vão ter a oportunidade de conhecerem todo este processo, numa ação de sensibilização e comunicação sobre a compostagem doméstica que o Município de Melgaço leva a cabo no dia 21 de abril, na Casa da Cultura, pelas 10h00. A participação é gratuita.

Cartazxxccc.png

A ação, ‘Compostar, outra forma de reciclar’ acontece no âmbito do projeto POSEUR-03-1911_FC-000069 – Promoção da Valorização Orgânica de Resíduos Verdes no Concelho de Melgaço e pretende sensibilizar para a prevenção da produção de lixo, ajudando os participantes a produzirem fertilizante natural, contribuindo assim para um melhor ambiente. Podem participar agregados familiares constituídos, no mínimo, por três pessoas que residam no concelho de Melgaço e possuam habitações com quintal, horta ou jardim. Os participantes receberão um compostor, assim como um guia de compostagem.

As inscrições estão abertas em www.cm-melgaco.ptaté ao dia 19 de abril. O número de inscrições é limitado a 50 participantes.

O COMPOSTO

De modo geral, todos os materiais naturais provenientes da cozinha, do jardim ou do quintal podem ser colocados no compostor. Ao fi­m de alguns meses, os resíduos orgânicos dentro do compostor transformam-se em composto – material orgânico estável com aspeto de terra, escuro, sem odor e com excelentes qualidades fertilizantes para hortas, jardins, vasos e sementeiras.

NI_Compostagem.png

BRAGA INAUGURA 50ª EDIÇÃO DA AGRO

Inauguração da 50ª edição da AGRO. Amanhã, Quinta-feira, dia 23 de Março, pelas 12h00, no Parque de Exposições de Braga

O Município de Braga inaugura a AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, que terá lugar amanhã, Quinta-feira, dia 23 de Março, pelas 12h00, no Parque de Exposições de Braga.

16999039_1668419413184778_2317690736462924264_n.jpg

A iniciativa contará com as presenças de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e do ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos.

A AGRO celebra ainda o Dia da Galiza, pelo que contará com as presenças da delegada do Governo da Galiza em Ourense, do vice-Presidente do Governo Provincial e presidente do Instituto Ourenseano de Desarrollo Económico e do diretor-geral da Expourense e presidente da AGAFE – Associação Galega de Feiras e Eventos.

A AGRO decorre entre os dias 23 e 26 de Março.

TERRAS DE BOURO PROMOVE DIVERSIDADE NAS ACTIVIDADES AGRÍCOLAS

Abertura de candidaturas/Diversificação de Atividades na exploração agrícola até dia 28 de Abril

Abordagem LEADER

DLBC Rural “Cávado com…vida!”

Abertura de candidaturas

Acão 10.2.1.3 – Diversificação de Atividades na exploração agrícola de 17 de março a 28 de Abril de 2017

Cávado com vida - TBR.JPG

O Município de Terras de Bouro informa que o anúncio de abertura e demais informação relevante, nomeadamente legislação, formulário, orientação técnica que inclui a lista de documentos a apresentar, estão disponíveis no portal do Portugal 2020, em www.portugal2020.pt , no portal PDR 2020 em www.pdr-2020.pt  e nos sítios do GAL em www.atahca.pt  ou www.cavadocomvida.atahca.pt  podendo ainda ser obtidos esclarecimentos junto do Contact Center do PDR2020, a contactar através do nº 800 500 064, ou junto do GAL da ATAHCA através do telefone 253321130 ou do endereço de email altocavado@mail.telepac.pt.

O QUE É O DLBC?

O Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) é um termo utilizado pela Comissão Europeia para descrever uma nova abordagem de desenvolvimento local, que inverte a tradicional política de desenvolvimento «descendente».

No âmbito do DLBC, a população e os vários agentes locais de um território assumem a liderança sob a forma de uma parceria local, que concebe e executa uma Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL). Esta estratégia é concebida de forma a valorizar os pontos fortes, ou «ativos territoriais», sociais, ambientais e económicos do território, além de resolver ou atenuar os problemas identificados, minimizar as ameaças e aproveitar as oportunidades existentes na envolvente externa.

A metodologia DLBC está assim prevista no acordo de parceria assinado entre Portugal e a União Europeia, assim como nos regulamentos dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI). O DLBC engloba três tipologias: DLBC Rural; DLBC; Urbano e DLBC Costeiro, consoante a localização e características físicas e humanas dos territórios.

cavadocomvin.JPG

TERRAS DE BOURO PROMOVE SESSÕES DE ESCLARECIMENTO AOS AGRICULTORES

Gabinete de Apoio ao Agricultor proporcionou no Salão Nobre colóquio destinado aos agricultores de Terras de Bouro

Depois de Carvalheira e Rio Caldo, decorreu a 6 de março, na câmara municipal, mais uma das três sessões destinadas a prestar apoio e esclarecimento aos agricultores do concelho.

CAPAtbtbtbb (1).JPG

Perante uma numerosa plateia, já que estiveram presentes muitos agricultores e interessados, o Engenheiro Domingos Godinho da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas do Crédito Agrícola de Portugal, CCRL (CONFAGRI), prestou as mais diversas e detalhadas informações, assim como esclarecimentos de dúvidas sobre os seguintes assuntos: o Regime de Pagamento Base; o Pagamento Ecológico – Greening; o Pagamento Redistributivo – NOVA; o Apoio aos Jovens Agricultores; os Pagamentos Ligados à Produção (Vacas Leiteiras, Aleitantes e Ovelhas e Cabras); o Regime da Pequena Agricultura – NOVIDADES; as Medidas Agroambientais (Agricultura Biológica, Produção Integrada, outras)  e ainda a Manutenção da Atividade Agrícola em Zona Desfavorecida. 

CAPAtbtbtbb (2).JPG

CAPAtbtbtbb (3).JPG

AGROLIMIANA É 100% LIMIANA

Feira 100% Agrolimiana este fim-de-semana em Ponte de Lima – Expolima. 25 e 26 de fevereiro

O Município de Ponte de Lima realiza este fim-de-semana, 25 e 26 de fevereiro na Expolima, a 2ª edição da Feira 100% Agrolimiano.

16681828_1268326956554718_8083698843060113697_n.jpg

Com a inauguração oficial marcada para as 18 horas de sábado, o evento abre portas logo pela manhã, às 10 horas.

O certame tem como principal objetivo a mostra de um pouco do que se faz no setor agroalimentar em Ponte de Lima, sendo esta uma das áreas que tem vindo a ser mais desenvolvida nos últimos tempos, devido a uma maior valorização por parte da população dos recursos endógenos, empregando cada vez mais pessoas no concelho. A par deste crescimento, existe ainda a aposta em produtos singulares e de máxima qualidade, com destaque para a produção do mel, da sidra mas também do vinho verde, enchidos e fumados, fruta, cogumelos e a criação de animais, entre outros produtos inteiramente limianos.

Durante os dias da feira serão expostos e apresentados vários produtos produzidos no concelho, por pessoas que viram no setor agroalimentar uma oportunidade de mostrar as potencialidades desta região. Irão, ainda, estar representados alguns comerciantes e prestadores de serviços ligados ao mundo agrícola. Em simultâneo desenvolver-se-ão diversas atividades desde workshops e palestras, mas também showcookings e degustações.

Com um programa abrangente, dirigido a profissionais e ao público em geral, esta II Feira 100% Agrolimiano pretende cativar profissionais, distribuidores, empresários e consumidores para a excelência do mundo rural de Ponte de Lima.

Promovida pelo Município de Ponte de Lima no âmbito do projeto ‘Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta’, durante este fim-de-semana referência para as campanhas especiais de alojamento, com 15% de desconto, em Hotéis e Casas de Turismo aderentes, e a oferta do leite-creme por cada dose, nos restaurantes aderentes ao Ponte de Lima em Alta.

Confira o programa da Feira 100% Agrolimiana:

Sábado, 25 de fevereiro

10h00» Abertura

12h00» Arruada pela “Ronda do Sol Poente” – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h00» Degustação de Sidra, Corrupia

15h00» Arruada pela “Ronda do Sol Poente” – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h00» Workshop “A Rega na Culturas do Minho”, Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

15h00 │17h00» Atividades Equestres, Passeios de Charrete e Batismo a Cavalo Gratuito

16h00» Workshop “Compota de Abóbora com Nozes”, Teresa Queiroz

18h00» Cerimónia de Inauguração

            Animação Musical “Cantares a Ponte”

21h00» Animação Musical “Ympério Show”

23h00» Encerramento

Domingo, 26 de fevereiro

10h00» Abertura

12h00» Arruada pelo “Grupo de Música Popular da Feitosa” – Largo de Camões │ Alameda de S. João

15h00» Palestra “O setor do mel em Portugal” – Prof. Paulo Garrido, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

15h00» Arruada pelo Grupo de Música Popular da Feitosa – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h45» Workshop “Bombons” – Prof. Daniel Pinheiro e alunos de Cozinha e Pastelaria da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

16h30» Palestra “Do leite ao queijo” – Prof. António Sá, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

17h15» Palestra “Licores artesanais” – Prof. Rodrigo Cadima, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

18h00» Workshop “Produção de cogumelos” – Prof. Rodrigo Cadima, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

20h00» Encerramento

PONTE DE LIMA REALIZA AGROLIMIANA

Feira 100% Agrolimiana este fim-de-semana em Ponte de Lima – Expolima. 25 e 26 de fevereiro

O Município de Ponte de Lima realiza este fim-de-semana, 24 e 25 de fevereiro na Expolima, a 2ª edição da Feira 100% Agrolimiano.

16681828_1268326956554718_8083698843060113697_n.jpg

Com a inauguração oficial marcada para as 18 horas de sábado, o evento abre portas logo pela manhã, às 10 horas.

O certame tem como principal objetivo a mostra de um pouco do que se faz no setor agroalimentar em Ponte de Lima, sendo esta uma das áreas que tem vindo a ser mais desenvolvida nos últimos tempos, devido a uma maior valorização por parte da população dos recursos endógenos, empregando cada vez mais pessoas no concelho. A par deste crescimento, existe ainda a aposta em produtos singulares e de máxima qualidade, com destaque para a produção do mel, da sidra mas também do vinho verde, enchidos e fumados, fruta, cogumelos e a criação de animais, entre outros produtos inteiramente limianos.

Durante os dias da feira serão expostos e apresentados vários produtos produzidos no concelho, por pessoas que viram no setor agroalimentar uma oportunidade de mostrar as potencialidades desta região. Irão, ainda, estar representados alguns comerciantes e prestadores de serviços ligados ao mundo agrícola. Em simultâneo desenvolver-se-ão diversas atividades desde workshops e palestras, mas também showcookings e degustações.

Com um programa abrangente, dirigido a profissionais e ao público em geral, esta II Feira 100% Agrolimiano pretende cativar profissionais, distribuidores, empresários e consumidores para a excelência do mundo rural de Ponte de Lima.

Promovida pelo Município de Ponte de Lima no âmbito do projeto ‘Em Época Baixa, Ponte de Lima em Alta’, durante este fim-de-semana referência para as campanhas especiais de alojamento, com 15% de desconto, em Hotéis e Casas de Turismo aderentes, e a oferta do leite-creme por cada dose, nos restaurantes aderentes ao Ponte de Lima em Alta.

Confira o programa da Feira 100% Agrolimiana:

Sábado, 25 de fevereiro

10h00» Abertura

12h00» Arruada pela “Ronda do Sol Poente” – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h00» Degustação de Sidra, Corrupia

15h00» Arruada pela “Ronda do Sol Poente” – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h00» Workshop “A Rega na Culturas do Minho”, Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo

15h00 │17h00» Atividades Equestres, Passeios de Charrete e Batismo a Cavalo Gratuito

16h00» Workshop “Compota de Abóbora com Nozes”, Teresa Queiroz

18h00» Cerimónia de Inauguração

            Animação Musical “Cantares a Ponte”

21h00» Animação Musical “Ympério Show”

23h00» Encerramento

Domingo, 26 de fevereiro

10h00» Abertura

12h00» Arruada pelo “Grupo de Música Popular da Feitosa” – Largo de Camões │ Alameda de S. João

15h00» Palestra “O setor do mel em Portugal” – Prof. Paulo Garrido, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

15h00» Arruada pelo Grupo de Música Popular da Feitosa – Largo de Camões │Alameda de S. João

15h45» Workshop “Bombons” – Prof. Daniel Pinheiro e alunos de Cozinha e Pastelaria da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

16h30» Palestra “Do leite ao queijo” – Prof. António Sá, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

17h15» Palestra “Licores artesanais” – Prof. Rodrigo Cadima, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

18h00» Workshop “Produção de cogumelos” – Prof. Rodrigo Cadima, Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima

20h00» Encerramento

MUNICÍPIO DE BRAGA CRIA GABINETE DE APOIO AO AGRICULTOR

Serviço funciona na Quinta Pedagógica, em Real

O Município de Braga acaba de criar o Gabinete de Apoio ao Agricultor. O serviço, a funcionar na Quinta Pedagógica, na freguesia de Real, visa contribuir para o desenvolvimento económico do Concelho, dando seguimento à estratégia de promoção sustentável do mundo rural.

jalberto.fernandes-pedagogica-18.jpg

Com este gabinete, o Município pretende de forma gratuita, profissional e personalizada, “informar, sensibilizar e impulsionar o sector agrícola, na vertente vegetal e animal, dando particular ênfase aos modos de produção agrícola mais sustentáveis”, refere o vereador Altino Bessa.

O serviço tem como missão incentivar os modos de produção agrícola sustentáveis; promover apoio a jovens como forma de combate à desertificação dos meios rurais; divulgar a metodologia da Bolsa Nacional de Terras, com vista à angariação de terrenos no Concelho de Braga e à atracção de interessados no seu arrendamento.

O vereador Altino Bessa explica ainda que o gabinete “irá prestar informação sobre a existência de programas de desenvolvimento rural comunitários, direccionados para o investimento na vertente agrícola e para a transformação de produtos agrícolas, assim como planear e apoiar acções técnicas de sensibilização em conjunto com outros parceiros para o esclarecimento de procedimentos que visam o apoio a jovens empresários”.

No sentido de divulgar este serviço, o Município de Braga promoveu na passada Quarta-feira, 15 de Fevereiro, uma sessão de esclarecimento sobre os diferentes apoios existentes para jovens agricultores, que contou com a presença do vereador Altino Bessa e de Mota Alves, da Associação de Desenvolvimento das Terras Altas do Homem, Cávado e Ave (ATAHCA), entidade parceira da iniciativa e que divulgou a metodologia da Bolsa de Terras.

De referir que o Gabinete de Apoio ao Agricultor funciona na Quinta Pedagógica de Braga (junto à Capela de S. Frutuoso), em Real. Os interessados em beneficiar deste serviço devem fazer marcação prévia, de Segunda a Sexta-feira, das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30, por telefone (253 623 560) ou através do e-mail quinta.pedagogica@cm-braga.pt.

PAREDES DE COURA INCENTIVA TROCA DE SEMENTES

3ª Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura. sáb | 11 fev | Centro Cultural

A Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura regressa este sábado, 11 de fevereiro, ao Centro Cultural. A partir das 14h00 decorre a 3ª edição da Feira de Troca de Sementes, organizada pelo Município de Paredes de Coura e a Associação Quinta das Águias, em colaboração com o Agrupamento de Escolas de Paredes de Coura.

P1070922.jpg

O objetivo desta iniciativa é proporcionar o encontro e convívio entre pessoas que valorizam as sementes e plantas locais e que ativamente contribuem para a sua preservação, face ao perigo de extinção provocado pela concorrência de variedades híbridas e transgénicas, que prejudicam o equilíbrio dos nossos ecossistemas.

Recorde-se que a preservação das sementes autóctones assume uma importância vital, uma vez que são cada vez mais raras, sendo progressivamente substituídas por sementes comerciais, que são as mesmas em todo o mundo, enquanto as sementes locais se foram adaptando durante muitas gerações às condições de solo e clima específicas da sua região de origem. Uma vez que as sementes contêm o futuro da vida, é importante mantê-las vivas. A Troca de Sementes vai proporcionar às pessoas o acesso às sementes originais que as poderão cultivar para sua própria utilização e para as manter vivas. Todos os que quiserem participar poderão trazer as suas sementes ou plantas para partilhar e trocar. 

P1100061.JPG

A Feira de Troca de Sementes está inserida no Projeto Educar para o Futuro – Terra orientado pelo Serviço Educativo do Município, em parceria com o Agrupamento de Escolas e com a Associação Quinta das Águias. Neste sentido estão a decorrer, com os alunos do 5º e 6º anos, a realização de várias atividades tais como: a apresentação do Banco de Germoplasma, o banco nacional de preservação de sementes; o projeto da bolota, com diferentes fases, desde a sua recolha, secagem e moagem de forma a transformá-las em farinha para preparação de pão, biscoitos, hamburguers e também o processo de germinação das bolotas na estufa do Município, dando origem a jovens carvalhos para sua posterior plantação na floresta, contribuindo desta forma para a reflorestação com árvores autóctones.

Ainda no âmbito deste projeto que envolve os alunos em todas as atividades, está em execução a horta biológica; um jardim de ervas e flores comestíveis e um pomar com árvores e arbustos de frutos, com os alunos envolvidos em todas as etapas, desde o semear e plantar, ao cuidar e finalmente o colher e preservar para futura utilização ao nível de alimentação e para no próximo ano "lançar à Terra".

Ainda no âmbito destas iniciativas, decorre a ação de recolha de sementes locais, sua preservação e organização de eventos de troca de sementes, criação de um banco de sementes locais, visitas à Quinta das Águias -- um projeto sustentável para a preservação da biodiversidade e de proteção animal --, da mesma forma que há a intenção de que estes projetos evoluam favoravelmente e tenham continuação nos anos futuros.

P1130798.JPG

Programa:

14h00: Apresentação do Curso Design em Permacultura por Yassin Benderra & Joana Costa, professores certificados da escola de Bill Mollison's PDC 

14h30: Mensagem de Vandana Shiva

Segue-se a Troca de Sementes onde, para além de sementes, também se poderá trocar plantas, ervas aromáticas, árvores e estacas, como por exemplo de macieiras autóctones e outras árvores de fruto. Ficam excluídas as sementes e plantas comerciais híbridas e transgénicas.

Troca Sementes.jpg

TERRAS DE BOURO ESCLARECE AGRICULTORES

Colóquios sobre novos apoios aos agricultores de Terras de Bouro

0CAPAtbagro.jpg

O Gabinete de Apoio ao Agricultor do Município de Terras de Bouro irá organizar três sessões destinadas aos agricultores do concelho e a todos os que manifestarem interesse em assistir e participar e onde serão abordados os seguintes temas:

Regime de Pagamento Base;

Pagamento Ecológico – Greening;

Pagamento Redistributivo – NOVA;

Apoio aos Jovens Agricultores;

Pagamentos Ligados à Produção (Vacas Leiteiras, Aleitantes e Ovelhas e Cabras);

Regime da Pequena Agricultura – NOVIDADES;

Medidas Agroambientais (Agricultura Biológica, Produção Integrada, outras);

Manutenção da Atividade Agrícola em Zona Desfavorecida. 

As atividades, que decorrerão na sede da Junta de Freguesia de Carvalheira, dia 11 de fevereiro, pelas 20:30h, na sede da Junta de Freguesia de Rio Caldo, dia 18 de fevereiro, pelas 20:30h e no Salão Nobre dos Paços do Concelho, dia 6 de Março, pelas 10:30h, contarão com a presença e participação de técnicos da Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas do Crédito Agrícola de Portugal, CCRL (CONFAGRI) na função de oradores.

tboagr (1).jpg

tboagr (2).jpg

tboagr (3).jpg

 

VIANA DO CASTELO REALIZA WORKSHOP AGRICULTURA BIOLÓGICA E DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL

Museu das Artes Decorativas

A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar em Viana do Castelo, no Museu das Artes Decorativas, no próximo dia 5 de Janeiro com o Workshop “Agricultura Biológica e Desenvolvimento Rural Sustentável”. A iniciativa acontece numa parceria com o Município de Viana Castelo que demonstra grande disponibilidade para a divulgação do setor na região.

O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meioambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.

A Naturena estará presente para testemunhar a experiência da produção biológica assim como um conceito multidisciplinar que envolve a agricultura biológica e diferentes áreas tais como saúde, turismo, entre outros.   Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores. A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.

Folheto Wsdesenvolvimentoruralvcastelo850px.jpg

FAMALICÃO FREALIZA FEIRA DE PRODUTOS BIOLÓGICOS

“Ambientar-se” alerta para as consequências do consumo excessivo

A Casa do Território, no Parque da Devesa, recebe esta sexta-feira, dia 16 de dezembro, a última sessão do ano do ciclo de cinema e debate “Ambientar-se”, centrada no consumo desenfreado de bens materiais e nas consequências sociais e ambientais desse comportamento.

Concerto de Cantares Natalícios.jpg

O tema será lançado para discussão depois da visualização do documentário “A História das Coisas”, produzido pela ativista Annie Leonard e escolhido para a sessão pela associação juvenil famalicense YUPI - Youth Union of People With Initiative.

Para além da visualização do filme, a sessão desta sexta-feira à noite contemplará ainda um espaço de discussão moderado também pela YUPI.

Organizadas todos os meses pela autarquia famalicense em parceria com instituições locais ligadas à proteção do ambiente, recorde-se que as sessões de cinema “Ambientar-se” pretendem promover o debate sobre temas ambientais. 

A iniciativa está marcada para as 21h30 e é de entrada gratuita. 

Pedome recebe concerto de cantares natalícios

Este domingo, dia 18 de dezembro, a Igreja Paroquial de Pedome vai ser palco de um concerto de cantares natalícios promovido pela autarquia famalicense.

A iniciativa, de entrada gratuita, insere-se na programação da campanha de Natal e decorrerá a partir das 15h00, com a participação do Grupo Coral Litúrgico de Pedome, do Grupo Etnográfico Rusga de Joane, Grupo Natal Português e Grupo Coral CNE 558 Pedome.

Feira de Produtos Biológicos (1).jpg

Feira de Produtos Biológicos sugere um Natal mais saudável

O Natal está à porta e a pensar na mesa da consoada dos famalicenses, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão promove este sábado, dia 17 de dezembro, mais uma edição da Feira de Produtos Biológicos.

A iniciativa, promovida pelo Gabinete de Sensibilização Ambiental da Câmara Municipal, vai decorrer na Praça Cupertino de Miranda, entre as 09h00 e as 13h00.

Recorde-se que a Feira de Produtos Biológicos decorre quinzenalmente, com numa verdadeira montra de saborosos produtos amigos da saúde e do ambiente, levando o melhor da produção biológica aos famalicenses.

Feira de Produtos Biológicos (2).jpg

FEIRA NACIONAL DE AGRICULTURA BIOLÓGICA ABRE AS PORTAS AMANHÃ EM LISBOA

Assinatura de Protocolo com Ecovalia promove Agricultura Biológica Ibérica Terra Sã Lisboa 2016

A Terra Sã Lisboa 2016 – Feira Nacional de Agricultura Biológica começa já este sábado, dia 3 de Dezembro, abrindo as portas às 10h00 e tendo lugar a cerimónia de inauguração pelas 11h00. A inauguração da feira irá contar com o Secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Amândio Torres e André Silva do PAN. Após a inauguração será assinado o protocolo entre a Agrobio e a maior associação de Agricultura Biológica de Espanha, a Ecovalia.

CARTAZ-TERRASÃ_IMAGEM-WEB-01 (2).jpg

O protocolo que será assinado com a Ecovalia tem por objetivo promover a cooperação e intercâmbio entre as duas instituições, de modo a que possam beneficiar de ações de colaboração nos diferentes âmbitos da Agricultura biológica tais como: atividades nos domínios da formação; cooperação técnica e cientifica; estágios científicos, técnicos e profissionais; cooperação no domínio da politica agrícola comunitária; organização conjunta de eventos de promoção da agricultura biológica/ ecológica ibérica.

A Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura biológica terá lugar nos dias 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé, no Terreiro do Paço. A feira, que acontece desde 1988, tem vindo a crescer desde então, ganhando novas formas em novos espaços. 

O Tema da feira será a Alimentação saudável e sustentável e contará com a presença das maiores marcas de agricultura, alimentação e cosmética biológica do mercado, com as diferentes quintas biológicas do país assim como as principais organizações ambientais de Portugal.

AMARES SENSIBILIZA PARA A COMPOSTAGEM

Na Semana Europeia de Prevenção de Resíduos o Município de Amares sensibiliza para a Compostagem

O Município de Amares escolheu a Semana Europeia de Prevenção de Resíduos, que decorreu de 19 a 27 de novembro, para iniciar uma campanha de sensibilização para a compostagem. Manuel Moreira, presidente da Câmara Municipal de Amares, chamou a atenção “para o impacto que o lixo produzido tem no ambiente e apelou ao envolvimento de todas as pessoas uma vez que, a este nível, o comportamento de cada cidadão se reflete no todo”.

15203205_1514837098533752_5299457924533754573_n.jpg

Fruto dessa campanha de sensibilização, foi criado o manual de boas práticas de compostagem, um documento de consulta simples e rápida que proporciona ao munícipe um conjunto de recomendações úteis, com o intuito de sensibilizar a população para a gestão dos resíduos e dar a conhecer a compostagem, incentivando a sua realização em moradias com jardim, nas escolas, nos centros de dia, lares de idosos e demais instituições do concelho.

O manual surge no âmbito do projeto “Amares mais Verde” – Valorização de Resíduos Orgânicos e enquadra-se num conjunto amplo de ações, que visam o aumento da recolha seletiva de materiais que, de outra forma, seriam depositados em aterro.

É objetivo do projeto “Amares mais Verde” a redução da quantidade de resíduos orgânicos enviados para o aterro, através de incentivos à compostagem, uma técnica ancestral tantas vezes utilizada pelos nossos antepassados, e que se prende com um conjunto de técnicas aplicadas para estimular a decomposição de materiais orgânicos (cascas de frutas, restos de vegetais, resíduos de jardins, entre outros), através de organismos heterótrofos aeróbios. Tem como finalidade obter, no menor tempo possível, um material estável, rico em substâncias húmidas e nutrientes minerais.

Note-se que cerca de 30% dos resíduos produzidos são orgânicos, podendo ser valorizados e transformados em adubo para plantas e que cada amarense produz em média 320 kg de resíduos indiferenciados ao longo do ano, pelo que constitui uma preocupação para o Município Amarense sensibilizar a população para a problemática da gestão dos resíduos.

DSC09638.JPG

Compostagem dada a conhecer aos mais novos

No âmbito desta política de gestão eficaz dos resíduos e valorização ambiental, uma equipa de técnicos do Município de Amares tem visitado nos últimos dias os centros escolares do concelho para dar a conhecer aos mais novos o que é a compostagem, explicando, entre outras, as suas vantagens.

Entre os benefícios desta técnica destaca-se, a título de exemplo, o facto do uso de composto aumentar os nutrientes do solo reduzindo o recurso ao uso de fertilizantes químicos, dando origem a alimentos mais saudáveis, assim, como, o facto da compostagem doméstica ou comunitária diminuir os resíduos que vão para o lixo, reduzindo significativamente a quantidade a depositar em aterro.

Além disso, a compostagem fornece um material rico em nutrientes para o solo, que melhora o desenvolvimento das plantas, das hortas e dos jardins, entre outras vantagens.

1compostag (1).jpg

1compostag (2).jpg

1compostag (3).jpg

1compostag (4).jpg

1compostag (5).jpg

1compostag (6).jpg

1compostag (7).jpg

1compostag (8).jpg

1compostag (9).jpg

1compostag (10).jpg

1compostag (11).jpg

1compostag (12).jpg

TERRA SÃ MARCA COMPASSO BIO NA CIDADE DE LISBOA

Saiba o que vai acontecer!

A Terra Sã Lisboa 2016 - Feira Nacional de Agricultura está prestes a começar!

Nos dias 3 e 4 de Dezembro, no Pátio da Galé, vão acontecer múltiplas atividades, um conjunto vasto de oportunidades de aprendizagem. A feira, que acontece desde 1988, tem vindo a crescer desde então, ganhando novas formas em novos espaços.

CARTAZ-TERRASÃ_IMAGEM-WEB-01.jpg

O Tema da feira será a Alimentação saudável e sustentável e contará com a presença das maiores marcas de agricultura, alimentação e cosmética biológica do mercado, com as diferentes quintas biológicas do país assim como as principais organizações ambientais de Portugal.

SÁBADO

Na inauguração espera-se a presença do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, do Vice-Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro e Jaime Ferreira, presidente da direção da Agrobio. Logo depois os visitantes poderão participar em duas oficinas de alimentação saudável com Isabel Costa e com a associação Com Medida. Maria João Parreira estará responsável pelas atividades com as crianças e à hora do almoço a Vitis Tuna, Tuna Académica da Escola Superior Agrária de Coimbra, vai atuar, trazendo calor ao início de tarde de dezembro. Depois do almoço as plantas tomam conta da saúde com a participação de Fernanda Botelho e Miguel Boieiro. Pela tarde, as oficinas continuam passando pelas Hortas com o livro “Uma Horta em Casa” de Isabel Mourão.

O painel principal de Sábado acontecerá a partir das 16h30 com o tema “Alimentação Biológica e Segurança Alimentar”. Neste painel participarão Jorge Ferreira, com o tema do Glifosato e dos Organismos geneticamente modificados. Convidado está também o bastonário da Ordem dos Médicos para falar sobre os pesticidas e o impacto na saúde pública. Confirmada está já a presença de Daniela Seabra que irá dar o contributo para a compreensão da importância da alimentação biológica na saúde humana. Finalmente, o Presidente da Direção da Agrobio, Jaime Ferreira falará sobre o tema da sustentabilidade alimentar. Porque dançar faz bem ao corpo e à mente, André Cid Lauret animará o final do dia de sábado com um Baile de Danças Europeias.

Projeto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita. DOMINGO Domingo de manhã, a feira abrirá as portas com uma oficina de meditação com mantra, dada pela escola Ananda Marga. Logo depois decorrerá a apresentação da Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica. Neste painel será também abordado o tema da conversão para a agricultura biológica e será apresentada a plataforma “Agro Smart Coop” pela Uninorte. Um projeto em que cooperativas espanholas, francesas e portuguesas se unem, com objetivos comuns. Imperdíveis serão as passagens pelas oficinas Farmácia Bio e pelas palestras sobre os novos regimes alimentares com Beatriz Batista, sobre o Veganismo, e Iara Rodrigues, com as Intolerâncias Alimentares.

Numa parceria com o espaço A Sociedade, no final da feira, vai acontecer o painel sobre a importância do solo. Neste painel será apresentada a campanha europeia “People 4 Soil” pela Quercus, Cláudia Villax falará sobre o solo como um organismo vivo, Miguel Andrade abordará o tema do desperdício alimentar e da influência no solo e Nelson Silva fechará o painel com o tema da importância do solo.

programa_TS2016-25.jpg

AGRICULTURA BIOLÓGICA VAI TER BENEFÍCIO FISCAL

Orçamento do Estado 2017: PAN conquista benefício fiscal para agricultura biológica

  • Agricultores que produzam em modo biológico vão usufruir de um benefício fiscal na Certificação
  • Gastos com a Certificação biológica serão majorados a 140% do montante em sede de IRC e IRS
  • Promover uma equidade comercial e concorrencial e valorizar quem produz alimentos de forma sustentável e com benefícios para a saúde

O PAN viu acolhida pelo governo a medida para o Orçamento do Estado de 2017 que prevê que os gastos suportados com a certificação biológica do produtor agrícola, que não se verificam na produção convencional/integrada, sejam majorados, em valor correspondente a 140% do respetivo montante, para efeitos da determinação do lucro tributável ou do rendimento coletável.

Isto significa que, a partir de agora os agricultores que queiram produzir em modo biológico irão usufruir de um benefício fiscal na certificação das suas produções, ou seja, esta majoração vem permitir inflacionar o valor da dedução para que o agricultor biológico possa ter uma compensação na devolução (ou menor montante a liquidar) no seu IRC ou IRS.

Esta é uma medida que pretende promover uma justa equidade comercial e concorrencial, visto que atualmente, um agricultor que produza em modo biológico, ou seja, de forma mais sustentável, com práticas regenerativas e que contribui para uma alimentação mais saudável, livre de agrotóxicos, tem sido económica e concorrencialmente prejudicado face ao agricultor convencional, cujo modo de produção tem enormes impactos ambientais e que faz entrar no mercado alimentos com agentes químicos, sem uma despesa acrescida, que se verifica para os produtores biológicos com a necessária certificação.

Esta é uma das medidas que integra o documento “20 Contributos para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica desenvolvido pelo PAN e apresentado ao Governo no início da atual sessão legislativa, que inclui vinte medidas integradas que pretendem contribuir com soluções para alguns dos principais problemas desta fileira nas suas diversas áreas.

GOVERNO VAI FORMAR TÉCNICOS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

Orçamento de Estado 2017: Governo vai formar técnicos em Agricultura Biológica por proposta do PAN

  • Agricultores que pretendem converter ou proceder a investimentos em Agricultura Biológica têm muitas dificuldades por falta de especialistas
  • Formação de dois técnicos em cada uma das Direções Regionais de Agricultura e Pescas
  • Compromisso com soluções para alguns dos principais problemas do sector nas suas diversas áreas

O Governo está de acordo com o PAN – Pessoas-Animais-Natureza: o Ministério da Agricultura deverá promover a formação em agricultura biológica de, pelo menos, dois técnicos do quadro de cada uma das Direções Regionais de Agricultura e Pescas, numa fase inicial. O PAN acaba assim de ver aprovado pelo governo uma medida que irá ser votada durante a tarde de amanhã (nº155c) e que pretende contribuir para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica até agora inexistente em Portugal.

Esta proposta pretende atenuar um problema do sector, uma vez que os agricultores que pretendem converter ou proceder a investimentos em Agricultura Biológica têm muitas dificuldades junto da entidade de tutela por falta de técnicos com formação em Agricultura Biológica. Os projetos de investimento submetidos aos programas de apoio são muitas vezes subavaliados por falta de conhecimento teórico e de domínio de práticas culturais.

São conhecidos e estão amplamente documentados e estudados os benefícios da agricultura biológica nas mais diversas áreas: na saúde, uma vez que está isenta de produtos químicos de síntese, como adubos, inseticidas, fungicidas ou herbicidas e que não usa antibióticos e outros produtos que aceleram o crescimento dos alimentos; no ambiente, porque evita a contaminação dos solos, dos recursos hídricos e tem um contributo menor para as emissões de gases com efeito de estufa – é mais eficiente que a agricultura convencional e agrotóxica, utilizando 30 a 50% menos energia e libertando menos 30% de Gases com Efeito de Estufa (GEE).

Foi com este enquadramento que o PAN desenvolveu o documento “20 Contributos para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica no início da atual sessão legislativa, que inclui vinte medidas integradas que pretendem contribuir com soluções para alguns dos principais problemas do sector nas suas diversas áreas.

“Procurando acompanhar positivamente a alteração de hábitos alimentares que se assiste na sociedade Portuguesa, acredito que a sensibilidade e vontade política é mais ou menos consensual sobre a necessidade de cooperação em torno de políticas que fortaleçam uma fileira com forte potencial de proporcionar bem-estar social e uma elevada sustentabilidade económica, mas também ambiental”, reforça André Silva, Deputado do PAN.

As negociações com o Governo sobre outras medidas propostas pelo PAN para integrar o Orçamento de Estado estão ainda a decorrer.

JOEL SÁ, DEPUTADO DO PSD, QUESTIONA MINISTRO DA AGRICULTURA SOBRE O ENCERRAMENTO DOS SERVIÇOS DA DELEGAÇÃO REGIONAL

O deputado Joel Sá questionou o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, sobre o encerramento dos serviços da Delegação Regional do Cávado e Vouga, na Quinta do Sancho, em Barcelinhos, durante a audição na Comissão de Agricultura e Mar no dia 9 de Novembro.

Joel_Sábar.jpg

Ministro da Agricultura respondeu que está em negociações com a Câmara Municipal de Barcelos para encontrar uma solução, por sua vez o Secretário de Estado da Agricultura responde que está aguardar o projecto de protocolo que o Presidente da Câmara ficou de enviar para a realização de um Protocolo tripartido entre o Ministério da Agricultura, Instituição e a Câmara Municipal.

Pergunta de Joel Sá (2h 58m 00s)

https://youtu.be/X5hxMjDZyy0

Respostas do Ministro e do Secretário de Estado (3h 58m 59s)

http://canal.parlamento.pt/?cid=1433&title=oe2017-audicao-do-ministro-da-agricultura-florestas-e-desenvolvimen

Roteiro Social

Na passada sexta-feira, 11 de Novembro, o deputado Joel Sá visitou o Centro de Solidariedade Social de S. Veríssimoe a Casa do Menino de Deus.

Nas próximas semanas o deputado Joel Sá continuará o seu Roteiro Social pelas instituições do concelho de Barcelos. 

FEIRA NACIONAL DE AGRICULTURA BIOLÓGICA REALIZA-SE EM LISBOA

Terra Sã Lisboa 2016 – Feira Nacional de Agricultura Biológica - Alimentação Saudável e Sustentável, 3 e 4 de dezembro, Pátio da Galé 

A Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura biológica – está de volta à cidade de Lisboa, mais uma vez em época natalícia e no centro da cidade, tendo lugar nos dias 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé, no Terreiro do Paço. A feira, que acontece desde 1988, tem vindo a crescer desde então, ganhando novas formas em novos espaços.

cartazatualizadossemlogos (2).jpeg

O Tema da feira será a Alimentação saudável e sustentável e contará com a presença das maiores marcas de agricultura, alimentação e cosmética biológica do mercado, com as diferentes quintas biológicas do país assim como as principais organizações ambientais de Portugal. Convidados para a abertura da feira estão o Ministro da Agricultura, das Florestas e Desenvolvimento Rural Luís Capoulas Santos, Duarte Cordeiro, Vice-Presidente da Câmara de Lisboa, Duarte Cordeiro, Hélder Muteia, representante da FAO em Portugal e a madrinha da Agrobio, a atriz Joana Seixas.

Na sexta-feira anterior à feira, dia 2 de Dezembro, nos Paços do Concelho, na Sala do Arquivo, vai ter lugar a Conferência + Bio “O Futuro da Agricultura Biológica”. Esta vai contar com diferentes especialistas na área da economia e da agricultura biológica que desenharão as perspetivas do setor para os próximos tempos. A participação na Conferência + Bio é gratuita.

No fim-de-semana de 3 e 4 de dezembro, a Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura Biológica, vai marcar o compasso do centro da cidade de Lisboa, no terreiro do Paço. Do lado de fora, fora o cheiro a Castanhas biológicas assadas vai certamente atrair os visitantes e dentro do espaço glamouroso do Pátio da Galé cheiros, sabores, palestras diversas e workshops vão animar o fim-de-semana + Bio da Capital.

Na Terra Sã terá Show Cookings, Oficinas diversas e no primeiro dia o destaque para a alimentação infantil e para os riscos associados à alimentação convencional. Como é dia de festa, haverá espaço para dançar com a oficina de Danças Europeias com o André Cid Lauret. No segundo dia, em destaque estará a estratégia nacional para a Agricultura Biológica, o solo e a proteção da nossa saúde através da natureza com as oficinas de fitoterapia e farmácia Bio.

Terra Sã – Feira Nacional de Agricultura Biológica – 3 e 4 de dezembro no Pátio da Galé. A entrada é gratuita, graúdos e crianças são bem-vindos.

PASSOS COELHO DESTACA EM VILA VERDE IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA

Líder nacional do PSD realçou a importância económica do setor agrícola em visita à Festa das Colheitas de Vila Verde

O líder nacional do Partido Social Democrata esteve ontem, 08 de outubro, de visita à Festa das Colheitas – XXV Feira Mostra de Produtos Regionais. Pedro Passos Coelho deixou rasgados elogios à iniciativa promovida pelo Município de Vila Verde e realçou a posição determinante que o setor agrícola desempenha na balança económica nacional, contribuindo para o harmonioso e equilibrado desenvolvimento do território, lembrando que o Governo que liderou ajudou a transformar uma agricultura de subsistência numa agricultura mais produtiva.

A14 (1).JPG

O programa do penúltimo dia começou com o habitual Concurso Pecuário Regional e Concelhio, que juntou mais de uma centena de animais de gado bovino de toda a zona Norte do país, enquanto, em paralelo, decorria o Concurso de Raças Avícolas Regionais. Duas iniciativas que premiaram os produtores nacionais e fizeram o pulsar genuíno do mundo rural sentir-se com ainda mais intensidade.

No final do concurso os animais de gado bovino seguiram em cortejo por uma das principais artérias vilaverdenses, em direção ao Campo da Feira, e regressaram depois ao ponto de partida. No final ganharam todos. Os vencedores tiveram direito a um prémio monetário, mas todos levaram para casa um saco de ração e a certeza de que o Município de Vila Verde e as associações locais, AMIBA e Cooperativa Agrícola de Vila Verde, encetam esforços no sentido de promover e valorizar o trabalho que desenvolvem no setor agropecuário.

A tarde começou com mais um hino a tradição minhota na XVIII Feira Tradicional – Reviver o Passado. A recriação de uma feira tradicional em que não faltaram os produtos do campo, os pregões e os trajes de outrora. Uma atividade emblemática da Festa das Colheitas, que voltou este ano a gozar de forte adesão popular. Nota de destaque ainda para o habitual Concurso da Broa e para o concurso ‘Rainha das Colheitas, uma iniciativa que se estreou este ano no certame. A tarde terminou com dois espetáculos musicais de grande qualidade, com a mestria a que a Academia de Música de Vila Verde já nos habituou e com a animação do grupo Popular ABB Show.

DSC_0042.JPG

DSC_0098 (1).JPG

DSC_0626.JPG

DSC_0632 (1).JPG

VILA VERDE TEM O SABOR DA TRADIÇÃO

O sabor da tradição atraiu milhares a Vila Verde para a ‘Festa do Caurdo’

Os sabores da tradição minhota são um dos grandes atrativos da Festa das Colheitas de Vila Verde. Diariamente, milhares de visitantes aproveitam a oportunidade única de se deliciarem com os petiscos e as iguarias regionais. Ontem, 08 de outubro, a afluência foi tal que ‘deu para tudo’.

DSC_0039.JPG

Enquanto os restaurantes e tasquinhas recebiam o habitual banho de multidão, a Festa do Caurdo era inundada por um mar de gente. Milhares de pessoas que se deslocaram ao coração do Minho para degustarem os deliciosos caldos confecionados à moda antiga, com ingredientes produzidos pelos agricultores locais. No final da refeição, já com as energias retemperadas, tempo para a assistir a dois espetáculos musicais de grande qualidade, o concerto da Banda Musical de Vila Verde e o Festival Folclórico Concelhio.

A ‘Festa do Caurdo’ voltou a provar que é um dos grandes atrativos do certame e trouxe milhares de pessoas ao recinto da Festa das Colheitas – XXV Feira Mostra de Produtos Regional. A azáfama era grande e a oferta bastante diversificada. Mais de duas dezenas de variedades de caldo, confecionado como manda a tradição minhota por outros tantos grupos folclóricos do concelho. A indumentária não foi esquecida e as sopas eram servidas por homens e mulheres trajados à moda antiga. Com o caldo vinha também a broa e o vinho à discrição. Os mil e quinhentos litros de diferentes caldos que foram preparados para o evento desapareceram num ápice, numa iniciativa que continua a crescer anualmente e que tem já uma posição consolidada a agenda gastronómica regional e nacional.

DSC_0068.JPG

Um serão com muita música ao vivo

Depois de aconchegarem o estômago com os deliciosos ‘caurdos’ minhotos, os visitantes puderam alimentar o espírito com duas atuações musicais de enorme qualidade. Primeiro, as harmoniosas melodias da Banda Musical de Vila Verde ecoaram pelo recinto, num repertório diversificado e extremamente interessante. De seguida, começou o Festival Folclórico Concelhio, que levou ao Palco das Colheitas vários grupos vilaverdenses. Uma mostra genuína da etnografia local, marcada pela animação e alegria que caracterizam o folclore. A plateia brindou as atuações com chuvas de aplausos e houve várias pessoas que não resistiram a acompanhar com um pezinho de dança os contagiantes ritmos da tradição minhota.

DSC_0102.JPG

Visitantes nacionais e internacionais

A reputação da Festa das Colheitas de Vila Verde também continua a aumentar e já extravasou as fronteiras do país, como sublinhou o presidente do Município. “Vila Verde está a internacionalizar as suas festas, há pessoas de fora que reservam férias para esta altura para visitarem a Festa das Colheitas, a festa mais genuína de Portugal!”, afirmou António Vilela, deixando de seguida um caloroso cumprimento para os obreiros de mais uma extremamente bem sucedida edição da ‘Festa do Caurdo’. “Quero saudar a Associação de Folclore de Vila Verde pela organização do festival de folclore e da ‘Festa do Caurdo’, que foi um sucesso tremendo, com muito caldo e de grande qualidade. Mais de 1500 litros de caldo que esgotaram rapidamente. Os meus parabéns para a Associação, as cozinheiras e aos visitantes que se juntaram a esta festa”, referiu.

DSC_0315.JPG

TVI com direto de seis horas a partir de Vila Verde

O edil concluiu a sua intervenção deixado um convite a todos os presentes para regressarem hoje, 09 de outubro, a Vila Verde para se fechar com chave de ouro a edição de 2016 da Festa das Colheitas. O destaque da manhã de hoje foi para o passeio do cicloturismo, a mega aula de zumba, o desfile de carros clássicos e a Missa das Colheitas. Durante a tarde, nota de particular relevo para as centenas de artistas que vão participar no XX Encontro de Tocadores de Concertina, para a Corrida de Cavalos e para a emissão do programa ‘Somos Portugal’, da TVI, seis horas em direto a partir de Vila Verde para todo o planeta.

DSC_0468.JPG

DSC_0507.JPG

DSC_0589.JPG

TOCADORES DE CAVAQUINHO FORAM MAIS DE MEIO MILHAR A ANIMAR A FESTA DAS COLHEITAS EM VILA VERDE

A força da tradição e a irreverência da Pop na primeira noite da Festa das Colheitas

A primeira noite da Festa das Colheitas, 04 de outubro, ficou marcada por uma dicotomia bem à moda vilaverdense, com modernidade e tradição a caminharem lado a lado numa aliança harmoniosa. Os grandes destaques do serão vão para o magusto tradicional, um momento de diversão e partilha tão característico da nossa região, e para um espetáculo musical vocacionado para o público mais jovem, com a atuação da banda ‘À Toa’, que já goza de forte reputação no panorama nacional da música.

colhei.JPG

 O final da tarde trouxe consigo os inebriantes aromas das iguarias regionais, com os restaurantes e tasquinhas do recinto a registarem uma forte afluência desde o primeiro dia. Depois de retemperarem energias com uma deliciosa refeição minhota, os visitantes foram contagiados pela vibrante música popular, à medida que as rusgas iam percorrendo o recinto e deixavam um rasto de animação e alegria à sua passagem. Um pouco mais tarde, pouco passava das 21h00, quando os tons de dourado e vermelho começaram a romper o crepúsculo. As labaredas pintaram o recinto com novas tonalidades, aqueceram o ambiente e deram o tónico para um momento de diversão e partilha.

Magusto tradicional encantou miúdos e graúdos

As castanhas forram assadas à moda antiga, colocadas no chão da eira improvisada sobre um leito de pruma. Em redor, miúdos e graúdos, homens e mulheres, crianças e idosos, juntavam-se em torno do calor de uma fogueira que também serviu para aquecer a alma e aconchegar o estômago. A partilha é predicado obrigatório das recriações de práticas tradicionais e, uma vez mais, a plateia foi presenteada com cartuchos de castanhas e vinho regional. Um momento de convívio e partilha, de gargalhadas contagiantes e longas conversas, que fez a sede de concelho reviver a tradição do mundo rural.

O serão não terminaria sem um espetáculo vocacionado para o público mais jovem, que acabou por atrair ao recinto largas centenas de pessoas de todas as idades. Os ‘ÀToa’ desfilaram em palco a irreverência da música Pop, num concerto eletrizante que colocou a plateia a vibrar do primeiro ao último minuto. O grupo de Évora não deixou créditos por mãos alheias e voltou a mostrar os predicados que lhe garantiu uma forte reputação no panorama nacional da música.

Mais de meio milhar de tocadores de cavaquinho durante o dia de hoje

Recorde-se que ao final da tarde, às 17h00, o recinto foi palco da ação de informação e sensibilização ‘A importância da floresta’, organizada pela Associação Florestal do Cávado. Presente na sessão, o vereador do Ambiente e Proteção Civil do Município de Vila Verde recordou que já foram efetuadas quase duas centenas de ações de limpeza em terrenos particulares, numa ação conjunta entre a GNR, o GIPS e a Câmara Municipal de Vila Verde, entre outras diligências de prevenção e manutenção de áreas florestais.

Hoje, 05 de outubro, o maior destaque da programação vai para o Encontro Nacional de Cavaquinhos, entre as 10h00 e as 20h00, que traz à Festa das Colheitas mais de 500 artistas, vindos de vários pontos do país. Durante o dia, os interessados podem ainda visitar a exposição e oficina de instrumentos de cordas. Ao serão, destaque para a recriação fiel de uma tradicional desfolhada do linho. Mais tarde, a animação musical regressa ao recinto com a atuação de ‘Cristiana e Companhia’.

colhei (2).JPG

colhei (3).JPG

colhei (4).JPG

ARCOS DE VALDEVEZ RECUPERA REGADIOS TRADICIONAIS

Cerca de 1 milhão de euros para recuperar regadios em Arcos de Valdevez

Considerando a tipologia da propriedade agrícola existente no Concelho, os regadios tradicionais assumem uma importância crucial para o desenvolvimento da atividade agrícola. Os regadios tradicionais são ainda importantes pela preservação de características de comunitarismo e entre ajuda entre os agricultores que urge preservar como marca indelével da cultura Minhota.

No âmbito do Pacto para o Desenvolvimento e Coesão Territorial vai ser publicado muito em breve um aviso para abertura de período de apresentação de candidaturas para a melhoria da eficiência dos regadios tradicionais existentes.

A este aviso podem candidatar-se as juntas de regantes pré-selecionadas e legalmente constituídas e homologadas pelo Ministério da Agricultura.

No concelho de Arcos de Valdevez vão ser melhoradas as condições de 6 regadios tradicionais, no valor global de 900 mil euros. Estes investimentos contam com financiamento de 85% por parte do FEDER.

MINISTRO DA ECONOMIA INAUGURA 40ª EDIÇÃO DA AGRO BASTO

O Ministro da Economia, Dr. Manuel Caldeira Cabral, presidiu esta tarde, dia 24 de setembro, à abertura oficial da 40ª Exposição/Feira das Atividades Económicas de Basto – Agro Basto, um certame que decorre até ao dia 29 de setembro em Cabeceiras de Basto, integrado no âmbito da Feira e Festas de S. Miguel 2016.

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (1).JPG

Acompanharam o Ministro nesta visita ao certame os presidentes da Câmara e da Assembleia Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves e Eng. Joaquim Barreto, respetivamente, os vereadores da Câmara Municipal, os presidentes das Juntas de Freguesia, bem como representantes das associações comerciais, culturais, sociais, recreativas e desportivas do concelho, entre outros convidados e público em geral.

Depois de saudar todos os presentes, o Ministro da Economia falou da importância de associar às Festas de S. Miguel a vertente económica, promovendo a economia e os produtos locais. “A feira deu um salto, afirmando-se hoje em toda esta região”, disse.

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (2).JPG

Na sua intervenção, Caldeira Cabral falou, ainda, de um conjunto vasto de medidas que está em discussão para a promoção e desenvolvimento do interior do país. “Um conjunto de medidas integrado, que pensa o desenvolvimento do interior como aspeto essencial do desenvolvimento do país”, sublinhou, realçando que “o Governo põe o desenvolvimento integrado e sustentável do país como prioridade”.

Por fim, desejou “bons negócios” a todos os expositores presentes na feira.

Na oportunidade e depois de cumprimentar e agradecer a presença do Ministro da Economia em Cabeceiras de Basto, o presidente da Câmara Municipal salientou que “a promoção do desenvolvimento passa também pela organização deste tipo de eventos nos quais os diferentes parceiros, os fornecedores/vendedores e os potenciais clientes e interessados podem estabelecer contactos imediatos mas, também, assegurar contactos futuros para a realização de negócios.

Francisco Alves destacou que a Câmara Municipal tem “mantido uma atenção permanente no sentido de criar condições para que os investidores possam concretizar aqui, em Cabeceiras de Basto, os seus negócios, os seus investimentos”. Para tal, mantém-se em funcionamento um Gabinete de Apoio ao Empresário que recebe todos os potenciais interessados em investir, informando-os ou encaminhando-os para os diferentes serviços no sentido de poderem conhecer oportunidades ou legislação, disponibilidade de apoio, etc.

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (3).JPG

“Isentamos de taxas a construção de edifícios que se destinam a atividade agrícola. Sempre que os investimentos se mostrem importantes para o desenvolvimento de Cabeceiras de Basto, reconhecemos o interesse municipal dos mesmos para que os promotores possam vê-los valorizados em sede de candidaturas a fundos comunitários. Mantemos taxas de derrama mais baixas para empresas que tenham volume de negócios mais baixos. Criámos recentemente um apoio financeiro para a instalação e ou reinstalação de empresários nos setores agrícola, florestal ou agropecuário. Criámos apoio financeiro à produção pecuária. Vendemos lotes nas Zonas Industriais a preços reduzidos e oferecemos, ainda, desconto de 25% a jovens empresários até aos 35 anos de idade. Isentamos neste ano de 2016 a instalação de esplanadas nos espaços públicos para a dinamização da atividade hoteleira e de restauração. No âmbito das nossas atribuições e competências e num quadro de legalidade prestamos todo o apoio possível aos investidores que pretendam estabelecer-se em Cabeceiras de Basto”, enumerou o presidente da Câmara Municipal.

Afirmando que “não podemos substituir-nos aos empresários, mas podemos trabalhar em conjunto para promover o desenvolvimento”, Francisco Alves referiu que a Câmara Municipal tem “mantido parcerias importantes com as associações representativas dos comerciantes e industriais”.

A finalizar a sua intervenção, o presidente da Câmara desejou os maiores sucessos aos expositores desta 40ª edição da Agro Basto e a todos os visitantes que possam aproveitar o tempo e também divertir-se, já que associado ao evento existe um vasto programa de animação que valoriza a tradição e a cultura popular.

Na sua intervenção, o presidente da Assembleia Municipal de Cabeceiras de Basto, Eng. Joaquim Barreto deixou palavras de esperança e confiança no futuro, expressando a sua satisfação pela realização da 40ª edição da Agro Basto e salientando que os estímulos ao interior e às suas gentes são muito importantes não só para o desenvolvimento do território, como também para a fixação da população.

Realçando a proximidade do Ministro da Economia às terras do interior, Joaquim Barreto falou ainda das importantes medidas que são criadas a pensar na valorização dos produtos endógenos e que servem de incremento à economia local.

Note-se que a Agro Basto, além de um espaço de promoção de produtos autóctones, de uma mostra de artesanato, de uma exposição de equipamentos e materiais ligados a setores como a agricultura, a pecuária e a floresta, integra também um concurso pecuário e uma exposição de fauna.

Trata-se de um dos mais importantes eventos das Terras de Basto onde participam mais de uma centena de expositores, provenientes não só desta região mas de todo o país.

O Programa da Feira e Festas de S. Miguel encerra no dia 30 de setembro.

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (4).JPG

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (5).JPG

Ministro da Economia inaugurou 40ª edição da Agro Basto (6).JPG

MUNDO RURAL MOSTRA-SE EM BRAGA

De 29 de Setembro a 02 de Outubro, Braga acolhe III Edição da Semana do Mundo Rural

O Município de Braga, em parceria com a Associação Artesãos do Minho, irá realizar de 29 de Setembro e 2 de Outubro, a III Edição da Semana do Mundo Rural. Este evento decorre, como vem sendo habitual, no Campo da Vinha, em pleno centro da Cidade de Braga.

Com o intuito de enfatizar as tradições rurais e valorizar este sector no Concelho, o Município propõe um vasto programa, diversificado e representativo do mundo rural. O Programa prevê a representação de tradições antigas como a desfolhada, a vindima e a confecção do pão à moda antiga,  bem como uma Feira com produtos típicos, tradicionais, gourmet, inovadores, biológicos e mais sustentáveis ambientalmente.

A gastronomia regional estará também presente, na Praça da Alimentação, designada este ano por "Tascas e tabernas". Aqui, os visitantes terão a oportunidade de saborear os típicos pratos minhotos, ao som de música tradicional ao vivo.  

O espaço da Feira estará organizado por duas áreas distintas; no espaço exterior estarão expostos produtos regionais, frutas e legumes, estando também representados os sectores industriais e institucionais ligados à agricultura, exploração e defesa da floresta. Numa área interior, o vinho verde e a cerveja tradicional estarão em destaque. A tempo inteiro existirá ainda um espaço dedicado à Quinta Pedagógica, com a presença de animais e passeios de charrete pela cidade.

Um dos momentos a destacar neste evento irá ocorrer no Domingo, dia 2 de Outubro, com a realização do cortejo etnográfico, com a presença de 37 freguesias/união de freguesias do Concelho de Braga. Desafiadas a apresentar as suas tradições e cultura, estas freguesias irão revelar a todos os Bracarenses os seus costumes, crenças e tradições que, transmitidas de geração em geração, permitem a continuidade da sua identidade. Este ano contará com uma competição saudável entre freguesias, que premiará as três melhores representações, sendo o júri constituído pelos Presidentes de Junta do Concelho de Braga.

PONTE DE LIMA PARTICIPA NA RURALBEJA

Município de Ponte de Lima participa na RURALBEJA 2016 de 6, 7, 8 e 9 de outubro

MOSTRA DE VINHOS E PRODUTOS REGIONAIS DO CONCELHO DE PONTE DE LIMA”, é com este slogan que Ponte de Lima participa num dos maiores eventos de promoção de produtos endógenos, a decorrer em Beja de 6 a 9 de outubro, a RURALBEJA 2016.

PTLIMA _RURALBEJA.JPG

A RuralBeja, tal como em edições anteriores, continua a apostar na divulgação da ruralidade, através da forte ligação dos vinhos à gastronomia tradicional e ao turismo, onde irão merecer especial atenção o SALÃO DO CAVALO LUSITANO, a FESTA BRAVA, a CANIBEJA e O CANTE ALENTEJANO.

A Feira RuralBeja inclui também mais uma edição da VINIPAX, que teve início em 2007 e atualmente é considerada, pelos especialistas a maior feira de vinhos que se realiza no Sul de Portugal. Nesta Mostra de Vinhos poderão ser degustados os melhores vinhos de algumas das mais emblemáticas regiões vitivinícolas portuguesas.

PAN APRESENTA AO GOVERNO 20 MEDIDAS PARA UMA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA

  • Documento propõe soluções para alguns dos principais problemas do sector
  • Medidas de política orçamental são meio para atingir objetivos de saúde pública e ambientais como a erradicação da poluição provocada por pesticidas e fertilizantes
  • Contribuir para um Plano Nacional para a Agricultura Biológica, até agora inexistente em Portugal
  • Em Portugal e no mercado europeu a evolução da procura é superior à oferta

No seguimento do anúncio do Governo sobre a abertura de uma consulta pública à Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica e Plano de Ação para a Produção e Promoção de Produtos Biológicos, o PAN - Pessoas-Animais-Natureza acaba de apresentar, em reunião com o Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres, um conjunto de vinte medidas que pretendem contribuir para uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica, até agora inexistente em Portugal.

Em Portugal e no mercado europeu a evolução da procura é superior à da oferta, sendo que o país importa excessiva e desnecessariamente estes produtos, contribuindo para um aumento do défice da balança comercial. Tendência que pode ser invertida com políticas ajustadas às necessidades do mercado e à capacidade produtiva do país.

São conhecidos e estão amplamente documentados e estudados os benefícios da agricultura biológica nas mais diversas áreas, na saúde uma vez que está isenta de produtos químicos de síntese, como adubos, inseticidas, fungicidas ou herbicidas e que não usa antibióticos e outros produtos que aceleram o crescimento dos animais. Além de que protege o ambiente, porque evita a contaminação dos solos, dos recursos hídricos e tem um contributo menor para as emissões de gases com efeito de estufa.

Num momento em que se prepara o Orçamento de Estado para 2017, o apoio à agricultura biológica deve, na perspetiva do PAN, ser amplamente considerado na política orçamental uma vez que é um meio para atingir objetivos de saúde pública e ambientais como a erradicação da poluição provocada por pesticidas e fertilizantes. Foi com este enquadramento que o partido desenvolveu um documento que inclui várias medidas integradas, que pretendem contribuir com soluções para alguns dos principais problemas do sector nas suas diversas áreas.

CENTRO DE COMPETÊNCIAS DO AGROALIMENTAR EM FAMALICÃO GANHA FORÇA

Assinatura de protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal e mais quinze entidades da região e do país

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, convida os órgãos de comunicação social para a assinatura do protocolo de cooperação para a criação do Centro de Competências do Agroalimentar para o Sector das Carnes, a realizar amanhã, quinta-feira, pelas 15h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O documento será assinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que desde sempre assumiu a liderança do processo de implementação desta infraestrutura tecnológica estratégica para o concelho e a região, e por mais treze entidades da região e do país. A saber: AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal; Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Universidade do Minho; Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto; Universidade Lusíada Norte; CESPU – Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário; CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal; CeNTI – Centro de Nanotecnologia, Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes; CONFAGRI – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola; FPAS – Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores; PortugalFoods; INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária; ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave.

Este é assim um grupo de peso que pretende congregar esforços e canalizar energias para a implementação deste centro de competências para o sector das carnes que terá como missão potenciar a competitividade e a inovação das empresas através do desenvolvimento científico e tecnológico e ser agente proporcionador do aumento das exportações e da criação de valor neste sector, de forma integrada e sustentável.

CENTRO DE COMPETÊNCIAS DO AGROALIMENTAR EM FAMALICÃO GANHA FORÇA

Assinatura de protocolo de cooperação entre a Câmara Municipal e mais quinze entidades da região e do país

O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, convida os órgãos de comunicação social para a assinatura do protocolo de cooperação para a criação do Centro de Competências do Agroalimentar para o Sector das Carnes, a realizar amanhã, quinta-feira, pelas 15h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

O documento será assinado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que desde sempre assumiu a liderança do processo de implementação desta infraestrutura tecnológica estratégica para o concelho e a região, e por mais treze entidades da região e do país. A saber: AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal; Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; Universidade do Minho; Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto; Universidade Lusíada Norte; CESPU – Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário; CITEVE – Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal; CeNTI – Centro de Nanotecnologia, Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes; CONFAGRI – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola; FPAS – Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores; PortugalFoods; INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária; ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave.

Este é assim um grupo de peso que pretende congregar esforços e canalizar energias para a implementação deste centro de competências para o sector das carnes que terá como missão potenciar a competitividade e a inovação das empresas através do desenvolvimento científico e tecnológico e ser agente proporcionador do aumento das exportações e da criação de valor neste sector, de forma integrada e sustentável.

PONTE DE LIMA PARTICIPA NA FEIRA AGRÍCOLA DO NORTE

Município de Ponte de Lima presente na AgroSemana – Feira Agrícola do Norte

Promover as potencialidades do sector agropecuário do concelho de Ponte de Lima, apostando na valorização do agroturismo e do seu património natural e rural, marcaram a presença de Ponte de Lima em mais uma edição da AgroSemana – Feira Agrícola do Norte, que decorreu de 1 a 4 de setembro, no espaço Agros na Póvoa de Varzim.

IMG_0619 (Small).JPG

Considerado como um evento de constante e sustentado crescimento e de referência no Norte de Portugal, esta 4ª edição da AgroSemana, impulsionou, confirmou e valorizou o setor Agropecuário e Cooperativo Nacional, visando também promover o consumo e os benefícios do leite, a nossa matéria-prima de excelência.

O Município de Ponte de Lima participou em parceria com a Coopalima – Cooperativa Agrícola de Agricultores do Vale do Lima, com um espaço próprio, no qual promoveram vários produtos do sector agropecuário do concelho de Ponte de Lima.

Dirigida às Cooperativas Associadas e aos Produtores de Leite Agros, o evento para além de valorizar o Setor Agropecuário e Cooperativo Nacional, divulgou o leque acrescido de produtos e serviços das Empresas do Grupo Agros, que desde 2013 apostou neste evento.

IMG_0613 (Small).JPG

VILA VERDE: AGRIDOCE FOI UM SUCESSO E SUPEROU AS MELHORES EXPECTATIVAS

A Feira de Agricultura e Doçaria ganha terreno na agenda cultural da região

A AgriDoce é já uma das imagens de marca da freguesia de Cabanelas e continua a consolidar a sua posição na agenda cultural da região, atraindo a Cabanelas milhares de visitantes durante os três dias do evento.

A (10) (1).JPG

A edição deste ano, que decorreu de 02 a 04 de setembro, foi um sucesso e superou as melhores expectativas da organização. A garantia foi dada pelo presidente da Junta de Freguesia, que, naturalmente, faz um balanço extremamente positivo do evento, vincando que o objetivo primeiro da Feira de Agricultura e Doçaria é a promoção da cultura minhota e, subsequentemente, a divulgação da freguesia e do concelho em toda a região.

A iniciativa incluiu ainda uma componente solidária, uma vez que as receitas revertem a favor das obras na residência paroquial.

Vários motivos de interesse

Durante três dias, a freguesia de Cabanelas celebrou a sua herança cultural. As grandes estrelas da festa foram os alimentos frescos, cultivados de forma tradicional pelos agricultores locais, e a doçaria, confecionada com mestria por mãos muito experimentadas nestas andanças. Os animais vivos e o artesanato juntaram-se aos produtos hortícolas e aos doces, numa mostra do pulsar genuíno do mundo rural, num programa alargado que incluiu um leque bastante diversificado de atividades. O maior destaque vai para a recriação de uma desfolhada de milho à moda antiga, em que não faltou sequer a malga de vinho a rodar entre os trabalhadores para fortalecer o corpo e o espírito, e para o cortejo etnográfico, com um desfile que retratou algumas profissões de outrora.

Um tributo ao mundo rural

O célebre vinho doce, as iguarias típicas da cozinha regional (em que ganha lugar de destaque a broa com chouriço e sardinhas, um dos pitéus mais apreciados pelos visitantes), a concentração de motorizadas, o folclore e a música popular foram outros dos atrativos do evento. Um tributo ao mundo rural, de um povo que tem orgulho nas suas origens e nas suas tradições, como vincou o presidente do Município de Vila Verde. António Vilela deixou também rasgados elogios às largas dezenas de populares, que de forma abnegada e voluntária uniram uma vez mais esforços para promover a cultura popular, a freguesia de Cabanelas e o concelho de Vila Verde.

Valorização da freguesia e do concelho

Por sua vez, o presidente da Junta de Freguesia local não escondeu a satisfação com o crescimento da AgriDoce, que apresentou este ano um número de visitantes e um volume de receita bastante superiores aos de anos transatos. António Esquível aproveitou também para agradecer o empenho de todos os voluntários que se associaram à organização do evento e frisou a importância da Feira de Agricultura e Doçaria na divulgação e valorização da freguesia e do concelho.

DSC_0067.JPG

DSC_0073.JPG

DSC_0108.JPG

DSC_0246.JPG

DSC_0319.JPG

GUIMARÃES É LABORATÓRIO DA PAISAGEM

Workshop Agricultura Biológica: Desenvolvimento Rural e Sustentável

A Agrobio, Associação Portuguesa de Agricultura Biológica, vai estar em Guimarães, no Laboratório da Paisagem, no próximo dia 9 de Setembro com o Workshop “Agricultura Biológica – Desenvolvimento Rural e Sustentável”.

Folheto Wsdesenvolvimentoruralguimaraes.jpg

A iniciativa acontece numa parceria com o Município de Guimarães cada vez mais focado na sustentabilidade do concelho. O Workshop “Agricultura Biológica e o Desenvolvimento Rural Sustentável” acontece no âmbito da Campanha + Bio e tem como propósito levar os participantes a entenderem o caminho para a conversão em Agricultura Biológica, o impacto desta no meio ambiente, as possibilidades da política agrária comum para o desenvolvimento de uma ruralidade sustentável e a aprendizagem direta com um produtor Bio em diferente áreas de produção.

Este Workshop estará em digressão pelo país, em parceria com diferentes municípios e diferentes instituições: Quercus, DRAP, Bolsa de Terras e diferentes produtores.

A iniciativa insere-se na Campanha + Bio, cofinanciada pela comissão europeia.

SENADOR NARCISO ALVES DA CUNHA PROPÔS EM 1911 A CRIAÇÃO NO MINHO DE ESCOLAS AGRÍCOLAS MÓVEIS

O Sr. Senador Narciso Alves da Cunha apresentou na sessão de 15 de dezembro de 1911, do Senado da República, um projeto-lei para o estabelecimento de escolas móveis agrícolas no norte do país, justificando largamente a sua proposta e tecendo várias considerações acerca das gentes do Minho, sobretudo de Paredes de Coura, Soajo, Peneda e Castro Laboreiro. A referida intervenção transcreve-se do respetivo Diário do Senado.

untitled

O Sr. Alves da Cunha: - Sr. Presidente e Srs. Senadores: vou mandar para a mesa um projecto de lei, que há tempo tenho nesta carteira. Talvez o demorasse ainda por mais algum tempo se não fora ter lido, há dias, um substancioso artigo escrito pelo nosso ilustre e estimado colega o Sr. Miranda do Vale, e publicado num jornal agrícola, A Gazeta das Aldeias, da cidade do Pôrto.

Achei tão judiciosas as afirmações de S. Exa.. afiguram-se-me de tanto interesse as suas observações, que bastaram para me determinarem a apresentar hoje ao Senado o meu modesto projecto, unicamente como uma experiência, que, se não der resultado, amanhã, com uma penada, pode deixar de ser lei do país.

Creio que está em moda discutirem-se, e com muita razão, assuntos que se prendem com a instrução, sobretudo com a instrução popular, que sempre me tem merecido a maior solicitude há dezenas e anos, e por isso entendi que devia associar-me a êste movimento, mandando para a mesa êste projecto de lei, que versa sôbre a criação duma escola agrícola, prática, móvel, pelo sistema das escolas conhecidas pelo nome de Maria Cristina, e que tem dado óptimos resultados. (Muitos apoiados).

Para justificar os pontos em que baseei o meu trabalho, peço licença a V. Exa. para ler, apenas, dois artigos, e depois formularei as considerações que julgar convenientes para justificação do meu projecto.

O artigo 1.° diz:

Leu.

Artigo 3.°: Chamo a atenção dos Srs. Senadores para êste artigo, que é um dos mais interessantes do projecto e de mais utilidade, segundo se me afigura, para a democratização do norte do país.

Diz assim:

Leu.

Sr. Presidente: eu não sou profissional, não sou pedagogo, nunca fui pedagogista, mas a verdade é que, desde há muitos anos, me tem, como disse, merecido especial cuidado a instrução popular, a instrução dessas massas anónimas, que vivem do campo, que vivem da terra e para a terra, que mourejam todo o dia, hora a hora, desde manhã até de noite, debruçadas sôbre a mesma terra para lhe pedirem pão para comer e até para o dar ao Estado. Estas classes considero-as eu como o verdadeiro nervo da Nação (Apoiados), e por isso hão-de permitir-me que lhes diga que elas tem sido, precisamente, as mais esquecidas. (Apoiados).

Eu vejo, porque está escrito em estatísticas oficiais, que a população das oficinas, da indústria, do comércio e da viação regula por 1.500:000 habitantes do país, emquanto que as massas agrárias representam 3.000:000 habitantes. Mais ainda: as classes agrárias estão desseminadas por todo o país, absolutamente por todo (Apoiados), embora nas cinco províncias do norte sejam mais densas.

Êsse povo, ou essa classe do povo, donde venho e com o qual me criei, cujas dores tenho auscultado desde há muitos anos, à cujas festas tenho assistido e com quem ainda há pouco privei perto de quatro anos para lhe estudar e registar a linguagem numa modestíssima monografia que escrevi acêrca duma terra do Alto Minho (Paredes de Coura), é de índole naturalmente boa, sofredora e ordeira. (Apoiados).

O povo do norte, e (mando digo norte não me refiro a esta ou aquela província determinada, mas a uma grande parte, senão á maior parte do país, é essencialmente trabalhador, respeitador das autoridades, pontual no cumprimento dos seus contractos e verdadeiramente amorável.

Haja vista o que se passa no Alto Minho, naquelas montanhas da Peneda, Suajo e Castro-Laboreiro, quando algum forasteiro (e são bem poucos os que por lá aparecem) se abeira do tugúrio do mais pobre dos habitantes que estão encerrados nas ravinas daqueles montes: o hóspede é, para êles, uma pesca sagrada e é tratado com o melhor que há em casa que, na maior parte dos casos, é pão de centeio e leite.

Nestas condições, e porque tantas vezes, aqui se tem falado na instrução do povo, julgo ter oportunidade a apresentação do meu projecto, não para ser uma lei geral do país, porque penso que o Estado, pelo menos é o que dizem os Ministros, não tem dinheiro para a instrução, mas porque nada se perderá com esta experiência e ensaio.

O ensaio dá resultado?

Está lançada a semente.

A semente frutifica?

Então alargue-se a sementeira, estenda-se por todo o país.

Pelo contrário, o ensaio não dá resultado?

Nós, que estamos aqui, ou aqueles que vierem, com uma penada de tinta, retiramos a êste diploma o seu valor legal e desaparece a escola agrícola, com os seus encargos, que, aliás, são bem modestos.

Sr. Presidente: tem sido com o maior agrado que eu tenho registado a forme, tão distinta como os nossos colegas Srs. Ladislau Piçarra, Eusébio Leão, Miranda do Vale e outros mais, se tem referido, aqui, a assuntos que se prendem com a instrução do povo. Tenho, porém, ouvido dizer, e a minha observação assim o comprova, que no nosso país não há a escola primária, nem a instrução popular, porque a escola até hoje tem-nos dado, apenas, o seguinte: saber ler e escrever.

Saber? Dicant Paduani.

Tenho observado crianças que. tendo feito exame de instrução primária há menos de dois anos, não sabem ler.

Na escola ensina-se adecorar, porque, infelizmente, no nosso país a instrução é considerada como um fim e não como meio.

E, todavia, a escola deve dar um capítulo que se há-de desdobrar na educação, como, há pouco, muito bem disse o Dr. Ladislau Piçarra? para da educação sair a formação do carácter, a disposição para o trabalho, a predisposição para lutar pela vida e uma tal lapidação das faculdades intelectuais da criança que possam actuar na modificação das desgraçadas condições das classes trabalhadoras e no progresso da pátria. (Apoiados).

Mas como é que, não tendo nós casas para escolas, não tendo professores, apropriada e convenientemente preparados, como muito bem disse e acentuou o nosso estimado colega Sr. Miranda do Vale; não tendo nós programas bem orientados, não tendo suficiente verba orçamental, se hão-de preparar crianças sadias, cheias de vida, que amanhã sejam os homens fortes da República?

Como é que se hão-de alumiar estas inteligências infantis que, num futuro proximo hão-de ser as fôrças vivas da Nação, se tudo falta?

Sr. Presidente, e Srs. Senadores, exepção feita Lisboa, Pôrto e mais algum centro populoso, afigura-se me que no nosso país não há, como já disse, instrução popular.

Para mim, e não sou profissional, a escola portuguesa, para dar o resultado que devia dar, e que temos direito deesperar dela, quando convenientemente modificada, é indispensável que, entre outras, satisfaça ás seguintes condições: primeira, ser prática: segunda, agrícola; terceira, regionalista e quarta, um tanto ou quanto, individualista.

Duas palavras apenas sôbre cada uma destas feições. Deve ser prática por isso que o carácter especulativo, que tem por isso tido, é que a não tem deixado frutear, antes a lançou nesse lastimoso estado em que se encontra. Além disso os grandes mestres da sciência pedagógica acentuam que deve ser êste o seu carácter fundamental, como o mais próprio para a vida de trabalho, positiva, a que é destinado o homem.

Agrícola, porque se conta em 65 por cento a população portuguesa que vive nos campos, dos campos e para os campos, espalhada, por todas as províncias do país, isto é, a sua grande maioria, que por isso mesmo, deve ser tida em toda a consideração.

Seria uma temeridade distribuir a instrução primária com a mesma igualdade de processos, de matérias a estudar, por todo o país. Seria uma verdadeira calamidade se tentássemos plantar no Algarve a vinha que produz o vinho verde, só próprio do Alto Minho: inversamente se quiséssemos adaptar ao Alto Minho a plantação da figueira e da alfarrobeira, para criar a indústria do figo seco, ou da alfarroba.

É preciso que na escola se tenha tudo isto em vista, para não resultar improfícua a instrução que ela ministra.

A segunda característica - ser regional - tem dado na Bélgica, os melhores resultados, porque aí a organização da escola varia conforme a região a que ela é destinada.

Para os cantões industriais o ensino primário tem uma parte manual, e para os agrícolas, compreende o ensino da agricultura.

Veja-se agora num só facto, o que nos fazemos e o que se faz na Bélgica: os nossos campos estão separados uns dos outros por verdadeiras muralhas chinesas, que são as suas vedações, mas na Bélgica a divisão e vedação das propriedades é feita por sebes vivas, de macieiras e pereiras, de forma que na primavera, cada propriedade é um jardim enflorado, e no estio, proveitoso pomar, que aumenta o valor da seara.

Deve ainda a escola ter uns laivos de individualista, como na Inglaterra, para que o homem se habituai a contar mais consigo do que com o Estado providência.

A escola primária que eu desejaria ver implantada no nosso país, já não falo da Suíssa, seria a da Suécia, por três razoes:

A primeira, por ser um país pequeno como o nosso, a segunda, por a sua população ser pouco mais ou menos igual à nossa - 5 milhões de habitantes - e a terceira, porque na Suécia pode dizer-se que não há analfabetos. As duas nacionalidades sob êste aspecto, merecem ser postas em confronto.

E o que vou fazer. Na Suécia, para 5 milhões de habitantes, ha 12:000 escolas; o nosso país terá 6:000.

Eu não quero, para não fatigar a atenção do Senado, descrever o sistema da escola primária na Suécia. Entretanto sempre desejo consignar que o ensino é ali dividido em três classes: escola popular ordinária, pequena escola e escola superior.

Há, ainda, depois, uma outra ordem de escolas que muito convinha introduzir no nosso país, que são as destinadas aos filhos do povo dos campos que estão fora da idade escolar, chamadas altas escolas populares, que tem dado os melhores resultados, e que para nós seriam de grande conveniência prática porque as crianças, passados dois anos depois de saírem da escola, deixam esquecer o pouco que lá aprenderam, por falta de continuação em exercícios práticos de leitura e escrita.

Como as altas escolas populares são destinadas a adultos e podem funcionar de noite, seria fácil compelir, quem precisasse, ou por não saber, ou por ter perdido o que aprendeu, a frequentá-las.

Na Suécia há 25 escolas destas; há fixas 9:058, e ambulantes ou móveis 2:923, mas devo declarar que estas notas foram extraídas duna relatório oficial de 1901.

Hoje devem ser muitas mais.

Sr. Presidente: nós somos dominados pelo espírito de rotina, e a rotina é teimosa; por isso cumpre contrapor àquela teimosia, a teimosia da escola agrícola, fazendo-a móvel, de forma tal que apareça, uma e muitas vezes, onde aquele prejuízo está mais inveterado.

Tal foi o meu propósito ao dar-lhe êste carácter de mobilidade.

Deixando, porém, generalidades, desçamos a factos concretos, porque êsses melhoramentos demonstram o rotineirismo do povo do norte.

O povo do norte é assim: há cerca de doze ou quinze anos, um benemérito do meu concelho e que tambêm ocupou um lugar nesta casa, quando ainda estávamos no regime monárquico, o conselheiro Miguel Dantas, aquém eu quero prestar, tambêm aqui, à sua memória, o preito de saudade e respeito que a minha terra lhe deve, quis tornar lá conhecido o trabalho da charrua Brabant, e para isso fez transportar para a sua localidade esta máquina agrícola.

Convidou pequenos lavradores para verem a nova forma de sulcar a terra, procedendo a vários trabalhos, tomando parte algumas mulheres na direcção e manejo da charrua.

Apurou-se que o trabalho era mais perfeito que o das charruas ali usadas; que não precisava mais gado para a tracção, e que havia economia de tempo e pessoal.

Todos ficaram satisfeitos, todos admiraram os trabalhos e, por fim, aquele benemérito aconselhou aquela gente a que se agrupasse, comprando cada grupo uma charrua, visto ser um pouco cara.

Pois, Srs. Senadores, nunca se falou mais. até hoje, naquela charrua, e ninguém a comprou.

Mais.

Eu tentei fazer um pequeno ensaio de aplicação de adubos minerais.

Dividi uma propriedade em dois talhões, aplicando num só estrume do curral, e no outro, o mesmo adubo e o mineral.

Fiz tambêm convites para os trabalhos e, mais tarde, convoquei alguns agricultores, que haviam tomado parte na semente, para observarem o resultado e a diferença na cultura e na novidade.

Pois quer a Câmara saber o que se disse, ao apurar-se que a terra, assim trabalhada e preparada, dava uma melhor produção?

"E do ano".

A escola prática, móvel, que eu preconizo é, pois, duma altíssima vantagem e necessidade, porque vai, de terra em terra, ensinar os novos processos agrícolas.

A escola móvel é duma absoluta necessidade, porque o povo do norte não sai da sua paróquia para aprender os nossos processos de trabalhar a terra e de desenvolver a agricultura e, conseguintemente, a riqueza pública.

Eu já, decerto, tenho cansado excessivamente a Câmara pelo que vou pôr ponto nas minhas considerações.

Vozes: - Não apoiado, não apoiado!

O Sr. Presidente: - V. Exa. já foi alêm da hora.

O Orador: - Então, se V. Exa. o ordena, eu termino.

O Sr. Presidente: - Eu não ordeno nada. O Regimento é que manda.

Vozes: - Fale, fale.

O Orador: - Agradeço á Câmara a gentileza da sua deferência e serei breve.

O meu projecto tem uma grande vantagem, que consiste na obrigação imposta ao professor de fazer propaganda das leis da República.

Eu, por causa do Regimento, que não permite reunir no mesmo projecto de lei matérias que não a tenham entre si intima ligação, é que não dei a esta parte do projecto a amplitude que êle merecia.

O meu fim era estatuir que o director da escola fizesse propaganda agrícola e democrática ao povo daquele distrito, mas, desde que o Regimento não deixa ir longe, limitei-me a consignar a doutrina que se lê no seu artigo 3.°

Em todo o caso a porta está aberta para um bom serviço à República, desde que, criteriosamente, queira ser aproveitada.

Poderá alguém dizer: mas se não há professores competentemente habilitados, como se pretende estabelecer uma escola agrícola?

Felizmente para uma escola temos onde escolher, pois, há muitos professores com os conhecimentos necessários. Porque, diga-se em abono da verdade, uma das nossas classes sociais, que mais tem progredido, é exactamente aquela que diz respeito ao professorado que tem a seu cargo a agricultura superior - a dos agrónomos.

Não será, por conseguinte, muito difícil, desde que haja boa vontade, escolher e propor quem tenha interesses pelas cousas da República, para ir reger essa escola: creio mesmo que é muito fácil reunir o povo aos domingos para levar ao seu conhecimento aquilo que, presentemente, mais lhe interessa, que é viver num Estado democrático, cujos órgãos, funcionamento, garantias, direitos e deveres, não conhece ou conhece mal.

Interrupção do Sr. Ladislau Piçarra, que não se ouviu.

Sr. Presidente: Todos reconhecem que o norte está por democratizar.

É verdade; e contudo, eu, que nasci lá e lá tenho vivido, pude observar que o povo do norte, se não abraço a República, na sua proclamação, com entranhado afecto, tambêm a não recebeu na ponta das baionetas. Conheço muito o povo do norte, sobretudo o do Alto Minho, e na sei que o das montanhas é muito positivista; só acredita obra, no facto, no que vê, porque está cheio de retórica e farto de promessas não cumpridas.

E porque é assim, foi que eu registei com o maior agrado as considerações aqui feitas, antes de mim, pelo ilustre Senador o Sr. Anselmo Xavier, pois penso sôbre o assunto, como S. Exa., mais obras e menos palavras.

Nós é que devemos ir procurar o povo; nós é que temos de ir ao encontro das populações agrícolas, não esperando que elas venham para nós, sem primeiro lhes mostrarmos; que, sincera e lealmente, nos interessamos por elas.

Não é só por meio da palavra, com uma tal ou qual retórica, mas sobretudo e especialmente com obras e com a instrução que nós nos elevemos dirigir ao povo.

De mais a mais, dá-se o seguinte: o povo do norte não é muito exigente, e tanto não é exigente que o das montanhas do Suajo e da Peneda, onde é preciso percorrer uma distância de 40 quilómetros para levar uma certa ao correio, tem-se mantido nesta situação incomportável, sem grandes reclamações.

O Sr. Presidente: - V. Exa. já excedeu, e muito, o tempo concedido pelo Regimento para falar antes da ordem do dia.

Vozes: - Fale, fale, fala.

O Orador: - Mais uma vez agradeço, muito reconhecido, a deferência de V. Exas. e prometo ser meio breve.

Sr. Presidente: Quando esteve reunida a Assembleia Nacional Constituinte, nós ouvimos dizer e informar ao Dr. Alfredo de Magalhães, que esteve na Gavieira e Suajo, isto é, no extremo norte do país, qual o estado de alma e de espírito da pobre gente que por lá habita.

Não há cemitérios, não há escolas, nem correio, nem médico; aquela gente, écran, vive uma vida semi-nómada, e vou dar a razão: é porque a gente desta região, desde Maio até Outubro, vive no alto das montanhas, depois retira para o fundo delas, onde vive em choupanas, quási promiscuamente com o gado, para ter mais calor.

Nestas circunstâncias, desde que nós trabalhemos com vontade para a integrar na República, posso garantir a todos que havemos de encontrar ali a primeira guarda avançada da República.

Se quiserem encontrar os primeiros atiradores do pais, tem de ir lá procurá-los.

E, depois, para mim, há uma circunstância que eu desejo registar com especial agrado nesta casa do Parlamento.

Acusa-se por toda a parte o clero paroquial de reaccionário e de intentos jesuíticos; mas a verdade é que D Dr. Alfredo de Magalhães foi encontrar àquelas montanhas párocos dedicados à República, como se não encontrem em outras regiões.

Um pobre velho, que eu conheço, e que ter lá vivido quási toda a sua vida, disse ao Dr. Alfredo de Magalhães que a sua arma de combate era a oração. Aceitamos a Republica, disse o bom ancião, se bem que, até aqui, ninguém nos tenha falado nela.

Vozes: - Muito bem. Os das freguesias próximas ofereceram ao Dr. Alfredo de Magalhães opíparos jantares, e trataram-no com todas as deferências e atenções, como êle próprio reconheceu na Constituinte.

Outro pároco, daquela região montanhosa, que foi excelente caçador, que é muito inteligente e um pároco na verdadeira acepção da palavra, que, quando foi para a sua paróquia, não se cultivando lá a vinha, conseguia, graças à sua inteligente direcção e salutar exemplo, que já se colham aí dezenas e dezenas de pipas de bom vinho verde, êsse pároco, avisado pelos fregueses para fugir, como êles, ao aproximarem-se uns militares que foram àquela freguesia fazer um reconhecimento por ordem do nosso colega na outra Camara o Sr. Simas Machado, quando esteve a comandar as forcas no norte, respondeu-lhes: "está aberta só meia porta da residência; pois vou abrir-lhes a outra meia".

E foi.

E as portas da casa do bom abade foram abertas, de par em par, e os militares ali foram hospedados, com aquela gentileza e afabilidade que êle sabe dispensar a todos que dele se acercam.

É claro que uma boa propaganda não se pode organizar sem elementos locais, em quem o povo deposite confiança. (Apoiados).

Acerca da propaganda no país, recebi, há pouco tempo, uma carta circular do Directório Republicano, e tenho e maior prazer em ver aqui alguns Srs. Senadores, que são membros sse Directório, porque desejo prestar-lhes esclarecimentos, subsídios e elementos, que reputo fundamentais, para se fazer uma propaganda eficaz, de resultados estáveis.

E a qualquer missão de propaganda, que se destine às províncias do norte, é preciso que dela faça parte, antes de mão, um elemento local, isto é, que tenha autoridade moral. (Apoiados).

Se não for assim, como o povo é ignorante, e à beira da ignorância está a desconfiança, êle receberá com pouco agrado aqueles que se lhe apresentarem.

Devem, portanto, figurar nesta classe de rnissões, os elementos locais, ou da freguesia, ou de perto, a quem e povo respeite, em quem deposite confiança; homens que serem como que seus juízes de paz, seus liais conselheiros e amigos sinceros.

Também deve fazer parte dessas missões o elemento militar, mas o elemento militar fardado, porque o povo tem muita consideração e até estima pela farda do oficial do exército: é uma espécie de culto externo, que não é para desprezar.

Quando alguns oficiais do Sr. Simas Machado foram a uma Sociedade sertaneja, no concelho dos Arcos, fazer uma missão de propaganda, encontraram o povo assistindo à missa paroquial.

Entraram no templo e aí se conservaram, até o fim, com todo o respeito, como é próprio de homens bem educados e prudentes, qualquer que seja a sua crença.

Bastou êste facto para, como se diz vulgarmente, empalmarem todo o auditório. Até o próprio párocho assistiu à conferência.

Não se imagina a influência que no povo exerceu essa compostura e respeito por parte dos oficiais, que se apresentaram devidamente fardados, dentro do templo, porque, assim, êles dão uma prova da sua boa educação e do respeito que deve merecer a crença alheia, embora não seja a que êles professam.

Deve, ainda, esta missão conter um membro, de preferência do Ministério do Fomento, que leve autorização para prometer e fazer logo, umas pequenas cousas, umas pequenas despesas, tais como uma caixa de correio, ou estabelecer um posto de registo civil, etc.

Com êstes elementos, eu garanto a V. Exa. que, em pouco tempo, teremos republicanizado o país.

De contrário, se continuarmos a mandar gente desconhecida, se continuarmos neste sistema de irmos para lá fazer discursos muito bonitos, que são bem recebidos naquela ocasião, mas que logo esquecem, não se conseguirá nada.

Eu digo a V. Exa., que já ouvi, a propósito dum orador distinto, que foi a uma daquelas aldeias pregar um sermão, e que fez, realmente, um discurso brilhante. O facto que aponto observei-o eu próprio.

Ao terminar êsse discurso, dirigi-me a um grupo de pequenos lavradores e perguntei:

"Então o que pensam, a respeito do sermão?"

"Oh, muito bem, muito bem, pena foi ser em latim!"

(Riso).

É e que acontece a esta pobre gente, muito rude e ignorante, que está um tanto desconfiada por nunca ter sido atendida em cousa alguma pelos governos da monarquia, e por isso só com obras, que atestem o nosso interesse por ela, é que a podemos integrar na República.

Sr. Presidente: embora isto custe um pouco ao Estado, fiquem certos de que a propaganda nestes termos ha-de ser duradoura e de bons resultados para a República.

Eu podia alongar-me em considerações, mas quero apenas frisar um ponto para V. Exa. e o Senado verem como aquela gente é patriota e respeitadora da autoridade.

Lembram-se de que, quando os paivantes tentaram entrar, como entraram no país, se fez uma chamada das reservas.

Nos jornais de Lisboa nós vimos pejadas as suas colunas de oferecimentos para ir para a raia, chegando o facto a ser moda.

Pois bem: eu posso citar factos de filhos do povo do norte, que bem mostram o seu amor pátrio.

Dois trabalhadores, um do campo, e outro, que depois de ser praça da armada, é hoje carpinteiro, escreveram-me nos seguintes termos:

O primeiro, pedindo que intercedesse junto do Sr. Ministro da Guerra para que o deixasse fazer parte daquelas fôrças do norte, e acrescentava "que ainda tinha boa pontaria".

O segundo pedia a mesma cousa e dizia: "O meu maior prazer seria apresentar em Lisboa a cabeça de Paiva Couceiro".

E um velho pai, que não pude apresentar o filho por estar no Brasil, voltou-se para a autoridade e disse: Estou eu aqui, senhor, para ir servir no lugar de meu filho".

Então esta gente não é patriota? Até faz bem ouvir falar o povo por esta forma.

O que falta, é nós estendermos-lhe os braços, ir procurá-lo ás ravinas e encostas dos seus montes, com o duplo fim de o educar, para ser útil á Pátria, e de melhorarmos as suas precárias condições, que, no norte, são bem mesquinhas.

Vou mandar para a mesa o meu projecto, e V. Exas. hão-de apreciá-lo como êle merecer e for de justiça.

Tenho dito.

Vozes: - Muito bem.

O orador foi cumprimentado por muitos Srs. Senadores presentes.

zcounarc.jpg

MONÇÃO: “A FEIRA DO 27 AJUDA A REVITALIZAR O MUNDO RURAL”

Certame, dedicado à comercialização de gado e produtos do campo, realizou-se no passado sábado, 27 de agosto, no lugar de Santo Amaro, em Ceivães. Sucesso da segunda edição garante alargamento no próximo ano que passará a decorrer durante todo o fim-de-semana.

feira 11 (Large).JPG

Com organização da União de Freguesias de Ceivães e Badim e da Associação Cultural, Desportiva e Social dos Jovens de Ceivães, realizou-se no passado sábado, 27 de junho, a Feira do 27, em Ceivães. O resultado é claramente positivo, tendo o autarca local, Carlos Vilarinho, informado que, no próximo ano, também em agosto, o certame terá dois dias, sábado e domingo.

À semelhança da feira do ano passado, que regressou após um interregno de mais de quatro décadas, o lugar de Santo Amaro decorou-se a preceito para receber os visitantes que, em número significativo, tiveram a oportunidade de assistir às recriações à moda antiga, batendo o pé ao som da música tradicional e cantares regionais.

A feira do gado trouxe animais fortes e robustos “recrutados” em Monção, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Vila Nova de Cerveira e Vila Verde. Ao todo, apresentaram-se aos diversos concursos 65 animais. Um número revelador da importância que o certame começa novamente a ter na região apesar dos constrangimentos sentidos pelos produtores de gado.

Mais que um, com vários anos de experiência na criação de animais, confidenciaram que as dificuldades são imensas, os subsídios “não chegam para as encomendas” e a alimentação dos animais “está pela hora da morte”. Juntando-se o facto de “os jovens não quererem saber disto”, esta atividadetem “os dias contados”. “Por este andar, qualquer dia ninguém cria gado” sintetizou Fernando Coelho.

Neste dia, abafado pelo sol abrasador, muitas pessoaspassaram pelo recinto da feira. Muitas delas, quase com a mala feita para o regresso ao trabalho no estrangeiro, aproveitaram para recordar tempos passados e confraternizar com os familiares e amigos. À sombra, José, na casa dos cinquenta, referiu: “Em França, é só trabalho. Aqui, podemos passar bons momentos. Ainda não fui embora e já tenho saudades”

Presente na sessão de abertura, Augusto de Oliveira Domingues, sublinhou que “Monção é um enorme palco cultural ” com “manifestações várias nas freguesias do concelho” num verão que “está a trazer muita gente à nossa terra desejosa de conhecer os nossos monumentos, a nossa gastronomia e as nossas tradições”

Recordou que “este género de iniciativas ajuda a valorizar o que é nosso e a facilitar o escoamento de produtos” e enalteceu “o empenho e dedicação da organização na realização do certame”. Por fim, agradeceu aos bombeiros pelo trabalho difícil de proteger bens e pessoas e aos emigrantes por ajudarem a revitalizar a economia local.

“Não queremos que o Portugal das aldeias morra. Teimamos na sua preservação. Este exemplo, como outros, demonstram bem que os autarcas locais, as associações de jovens e a iniciativa privada, estão apostados na revitalização de tradições e nodesenvolvimento de conceitos ligados ao mundo rural” adiantou. 

Apoiada pela Câmara Municipal de Monção, a Feira do 27 compreendeu um concurso de gado, animação popular com concertinas e ranchos folclóricos, verbena pela noite dentro e expositores com artesanato local, doçaria tradicional e produtos de campo como hortaliças, legumes, ovos, feijão etc.

O objetivo central assentou na recuperação de um certame vocacionado para a promoção e comercialização de gado que ainda está vivo na memória dos mais velhos, uma vez que esta feira, recuperada no último ano após um pousio superior a quarenta anos, era bastante conhecida e procurada pelos comerciantes de gado da região.

No âmbito do certame, foi celebrada uma cerimónia simbólica de abertura oficial de um terminal ATM (caixa multibanco), no lugar da Valinha, Ceivães. Para assinalar o ato, marcou presença o Presidente do Conselho de Administração Executivo do Crédito Agrícola do Noroeste, José Correia da Silva.

feira 2 (Large).JPG

feira 3 (Large).JPG

feira 6 (Large).JPG

feira 7 (Large).JPG

feira 9 (Large).JPG

feira 13 (Large).JPG

feira 17 (Large).JPG

feira 25 (Large).JPG

feira 31 (Large).JPG

feira 32 (Large).JPG

feira 33 (Large).JPG

FAMALICÃO PROMOVE PRODUTOS BIOLÓGICOS

Feira de Produtos Biológicos, este sábado, no centro de Famalicão

A Praça Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, acolhe este sábado, dia 27, mais uma Feira de Produtos Biológicos. A iniciativa, promovida pelo Gabinete de Sensibilização Ambiental da Câmara Municipal, irá decorrer da parte da manhã, entre as 09h00 e as 13h00.

Recorde-se que a Feira de Produtos Biológicos decorre quinzenalmente, transformando a Praça Cupertino de Miranda numa verdadeira montra de saborosos produtos amigos da saúde e do ambiente, levando o melhor da produção biológica aos famalicenses.

Feira de Produtos Biológicos.jpg

BRAGA: PROJECTO “SEMEAR PARA COMER” PROMOVE AGRICULTURA AMIGA DO AMBIENTE

Final do ano de actividades do projecto assinalado na Quinta Pedagógica

O Banco Local de Voluntariado (BLV) do Município de Braga assinalou, na Quinta Pedagógica, o final de mais um ano de actividades do projecto socioeducativo e ambiental ‘Semear para Comer’.

brg.jpg

Da iniciativa constou o almoço, confeccionado com os legumes cultivados no projecto, e muita animação, da responsabilidade do Grupo de Cantares Tradicionais do BLV. A actividade contou com a presença de Firmino Marques, vice-presidente da Câmara Municipal de Braga.

O projecto ‘Semear para Comer’ tem como objectivo a promoção da saúde e de uma agricultura amiga do ambiente. As actividades decorrem uma vez por semana na Quinta Pedagógica de Braga, onde os cerca de 20 utentes do CAO da Associação de Paralisia de Braga participam em todo o processo de cultivo da horta, desde a sementeira, limpeza das ervas, rega até à colheita.

brg (2).jpg

O projecto é ajustado às características dos beneficiários e as acções visam o retorno educacional, emocional, integrativo e terapêutico. Incluído neste projecto está também um conjunto de actividades desenvolvidas junto dos técnicos e responsáveis da instituição por forma a obter bons resultados com uma cultura estimulada de proximidade.

Firmino Marques destacou o “precioso contributo dos voluntários que ajudam a concretizar o ‘Semear para Comer’, um projecto com claros benefícios para os utentes do CAO da Associação de Paralisia Cerebral de Braga”. O Vice-presidente do Município salientou igualmente a parceria com a Quinta Pedagógica de Braga, um local de excelência para o desenvolvimento deste projecto.

Após o período de férias da instituição o projecto retomará em Setembro de 2016.

brg (3).jpg

VILA VERDE SEGUE NA ROTA DAS COLHEITAS

A tradição continua viva em Gondomar com mais uma malhada de centeio à moda antiga!

Entre as tradicionais casas de campo e de lavoura, as dezenas de espigueiros e os milhares de hectares de natureza verdejante, a chama da tradição continua bem viva na freguesia de Gondomar, uma das mais pitorescas e tradicionais aldeias da nossa região. Hoje, 06 de agosto, o centeio voltou a ser espalhado na eira para uma malhada à moda antiga. Os homens, divididos em duas equipas de cinco ou seis elementos, brandem em uníssono o malho de madeira, num compasso acelerado e vigoroso que quebrava o centeio dourado. Uma prova de vitalidade e destreza que leva a um despique saudável entre as duas ‘equipas’.

DSC_0945.JPG

Entre malhadas, tempo para matar a sede e procurar uma sombra para fugir do sol abrasante, ainda que por apenas alguns instantes, porque cedo regressarão ao trabalho. Durante a pausa, cabe às mulheres reorganizar as meadas e recolher as sementes que se libertam, porque o pulsar do mundo rural não abranda e é preciso preparar as próximas sementeiras para voltar a colher da terra o sustento. Pelo meio, houve ainda direito a um intervalo mais prolongado em que a alegria e animação do folclore minhoto tomou conta do espaço e a contagiar a plateia vasta que acompanhava o evento. Uma tarde convívio, de preservação e promoção da herança cultural, de transmissão às gerações mais jovens dos saberes e dos sabores do mundo rural, que terminou com uma generosa merenda, à boa moda do Minho.

DSC_0675.JPG

Preservar a tradição e projetar o futuro

Presente na iniciativa, o presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, António Vilela, confessou que estes momentos lhe permitem recuar algumas décadas no tempo, até à casa de lavoura dos seus avós, onde acompanhava bem de perto os ritmos da vida rural, desde a sementeira ao tempo das colheitas. Uma nostalgia que não impede o edil de ter metas bem definidas e os olhos postos no futuro. “Procuramos manter a tradição e recriar quadros do passado, mas sem esquecer que é necessário projetar o futuro e isso passa também pela agricultura. As práticas agrícolas modernizaram-se, mas o sector pode-se ajustar e adaptar para melhor responder às necessidades dos mercados atuais. É isso que temos vindo a fazer em Vila Verde e é por isso que surge hoje por todo o concelho uma variedade de explorações modernas. Há uma grande dinâmica nesse sentido. Ao longo dos últimos anos aprovámos inúmeros projetos agrícolas, fomos um dos maiores concelhos em toda a região Norte nesse indicador”, afirmou.

DSC_0474.JPG

António Vilela deixou também uma palavra de agradecimento e reconhecimento à Junta da União de Freguesias de Aboim da Nóbrega e Gondomar pela organização de um evento que é já um dos momentos emblemáticos da Rota, sublinhando que “é uma terra de tradição, de onde saiu um dos maiores ícones do concelho de Vila Verde, os Lenços de Namorados, que são hoje autênticos embaixadores da nossa cultura no país e no mundo”. O presidente do Município de Vila Verde concluiu recordando que este é o primeiro fim de semana de uma programação extensa de descoberta ou reencontro comas raízes da tradição minhota, que se estende de agosto a novembro e que abarca mais de 35 iniciativas.

DSC_0970.JPG

DSC_1075.JPG

TERRAS DE BOURO DÁ INCENTIVOS À AGRICULTURA

Agricultura em Terras de Bouro - sessão de esclarecimento: “Pequenos investimentos na exploração agrícola” a 18 de julho

O Município de Terras de Bouro informa que o Grupo de Ação Local da ATAHCA abriu concurso para a ação 10.2.1.1 - Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola, podendo ser apresentadas candidaturas entre o dia 11 de Julho e 9 de Setembro de 2016, nos termos da aprovação pela AG e conforme anúncio de abertura de período de apresentação de candidaturas, publicitado em dois jornais regionais, no site da ATAHCA e no site do PDR 2020.

PDR2020.jpg

Os termos da candidatura e as condições de acessibilidade constam no anúncio publicado nos sítios da ATAHCA www.atahca.pt, http://cavadocomvida.atahca.pt e do PDR 2020 www.pdr-2020.pt.

A ATAHCA está a preparar o anúncio para a ação 10.2.1.2, estando nesta data a decorrer o período de negociação com a AG do PDR 2020.

A ATAHCA tem marcadas sessões de informação e esclarecimento sobre o anúncio das ações 10.2.1.1., 10.2.1.1.2 e 10.2.1.1.3, a decorrer uma em cada um dos 6 concelhos de intervenção, sendo que, em Terras de Bouro ocorrerá a sessão a 18 de julho, pelas 10horas, no Salão Nobre da Câmara Municipal.

Para mais informações, contactar o Gabinete de Apoio ao Agricultor do Município de Terras de Bouro ou os serviços técnicos da ATAHCA.

PAN LEVA MINISTRO DA AGRICULTURA AO PARLAMENTO

Ministro da Agricultura vai ao Parlamento por requerimento do PAN para debater tema do Glifosato e impactos na saúde pública, Quarta-feira, dia 6 de Julho, às 09h00 na Assembleia da República 

- O Glifosato é o herbicida mais vendido em Portugal 

- A OMS através Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro declarou o Glifosato como carcinogénico provável para o ser humano

- Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural responde a ronda inicial de perguntas sobre o tema seguida de uma audição regimental

Após o alerta lançado pela RTP sobre as graves preocupações para a saúde pública decorrentes do uso do Glifosato, o PAN – Pessoas-Animais-Natureza pediu para ouvir, com carácter de urgência, o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, para este se pronunciar sobre o tema no parlamento. Esta audição está agendada para a próxima quarta-feira, dia 06-07-2016, na Assembleia da República, com uma ronda inicial de questões sobre Glifosato entre as 09h00 e as 10h00, seguida de uma audição regimental às 10h00.

Recorde-se que na passada sexta-feira, 1 de Julho, foi chumbado pelo PS o projeto de resolução do PAN que pedia ao governo a realização de um programa de análise a águas destinadas a consumo humano e a alimentos vegetais, com o objetivo de apurar a presença de Glifosato. Ainda recentemente o PS acompanhou a proposta de lei do Bloco de Esquerda, mais ambiciosa, que defendia “um relatório de avaliação dos efeitos do glifosato na saúde humana” e que defendia ainda "a proibição da aplicação de quaisquer produtos fitofarmacêuticos contendo glifosato em zonas urbanas, zonas de lazer e vias de comunicação", pelo que esta inviabilização da proposta do PAN sugere um recuo incompreensível num tema chave da história da agroindústria, pelos comprovados efeitos nocivos que este conhecido herbicida tem na saúde humana e na biodiversidade.

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza apresentou durante a sessão legislativa um projeto de resolução que recomenda ao Governo que se oponha à renovação da autorização do uso do Glifosato na União Europeia e que proíba a sua utilização em Portugal que foi chumbado, tendo apresentado posteriormente, no dia 20 de Abril, um outro que recomenda ao Governo um conjunto de medidas para a verificação da presença de resíduos de glifosato na água e em produtos agrícolas de origem vegetal.

O comissário europeu para a Saúde e Segurança Alimentar, Vytenis Andriukaitis, em Bruxelas anunciou na Terça-feira passada que o glifosato, o herbicida mais utilizado na União Europeia, foi autorizado por mais 18 meses, resultado da falta de consenso para uma maioria qualificada dos peritos que acompanharam as várias reuniões do Comité Permanente de Plantas, Animais, Alimentos de Consumo Humano e Animal da Comissão Europeia, com representantes dos 28 Estados-membros.

Desta forma, até ao final de Dezembro de 2017, o glifosato está autorizado na União Europeia e a Agência Europeia de Produtos Químicos (Echa), responsável pela classificação das substâncias químicas, irá avaliar se a exposição humana ao glifosato provoca cancro.

“A nossa saúde começa precisamente na aposta em modos de produção agrícola sustentáveis e livres de tóxicos, que comprovadamente prejudicam a saúde humana. Parece-me muito sensato que, quando esteja em causa a saúde das pessoas, dos animais e a potencial degradação ambiental, vigore o princípio da precaução e da preservação da vida”, realça André Silva, deputado do PAN.

“FAMALICÃO BIO CAPITAL” PROMOVE AGRICULTURA BIOLÓGICA

Ciclo de workshops arranca a 13 de julho, dinamizado pela Câmara Municipal no âmbito da Rede Famalicão Empreende

‘Famalicão Bio Capital’ é a mais recente iniciativa voltada para a agricultura, neste caso a biológica, que a Câmara Municipal abraça e vai promover já a partir de julho.

A agricultura biológica em foco em Famalicão Bio Capital.jpg

Da produção à industrialização de produtos biológicos, sem esquecer a comercialização e a gastronomia, a abordagem ao assunto pretende ser o mais abrangente possível. Por um lado, pelo caráter transversal aos sectores primário, secundário e terciário e, por outro, pelas tendências atuais de saúde e bem-estar e de alimentação saudável que convergem no tema da agricultura biológica.

‘Famalicão Bio Capital’ vai desenvolver-se sob a forma de um ciclo de workshops, denominado ‘Produtos biológicos: da produção à transformação’, que explorará o percurso produção, transformação, comercialização e marketing. As inscrições decorrem em www.famalicaomadein.pt.

A primeira de sete sessões está agendada para 13 de julho, entre as 18h00 e as 20h00, no Gabinete de Apoio ao Empreendedor, com o tema “Como começar a produzir biológico?”. O convidado é Augusto Coelho Gomes, engenheiro técnico agrário e professor da Escola Profissional Agrícola Conde de S. Bento, em Santo Tirso. 

‘Famalicão Bio Capital’ é uma iniciativa dinamizada pela Câmara Municipal, através do Famalicão Made IN, no contexto da Rede Famalicão Empreende.

FAMALICÃO LANÇA BOLSA DE TERRAS PARA ESTIMULAR AGRICULTURA

Município, Fagricoop, Frutivinhos e Caixa de Crédito Agrícola assinaram hoje protocolo de cooperação para o desenvolvimento do sector

A Câmara de Famalicão vai lançar uma Bolsa de Terras, medida que facilitará o acesso a terrenos agrícolas para investimento e produção por parte de promotores de todo o país. O objetivo é claro: potenciar a utilização do território rural, facilitando o encontro entre a oferta e a procura de terrenos agrícolas, porque tanto a autarquia como as entidades suas parceiras nesta iniciativa têm lidado diariamente com novas pretensões de negócio.

image48137.jpeg

Hoje apresentada publicamente, a Bolsa de Terras de Famalicão faz parte da estratégia da Câmarapara o sector agrícola, assente num contexto municipal facilitador da iniciativa agrícola empresarial, e dá sequência a um protocolo de colaboração que foi também neste dia assinado pelo Município, a Fagricoop – Cooperativa Agrícola e dos Produtores de Leite, a Frutivinhos – Cooperativa Agrícola de Famalicão e a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Médio Ave.

“Uma convergência de vontades muito importante em torno deste desígnio de estimular a agricultura através da utilização da terra para fins produtivos”, elucidou Paulo Cunha, garantindo que a autarquia que lidera encetará todos os esforços para que este projeto seja bem-sucedido. Até porque, confidenciou, “não escondo que gostaria de ver Famalicão também notado a nível nacional pelo trabalho que está a ser feito na agricultura, uma atividade que gostaria de voltar a ver pujante”.

Na prática, a Bolsa de Terras permitirá que os proprietários que não utilizam os seus terrenos garantam mais rendimento e, ao mesmo tempo, que os promotores de projetos disponham de terras agrícolas para investir e produzir. A bolsa integra a que já existe a nível nacional, criada há três anos pelo Ministério da Agricultura e do Mar e disponível em www.bolsanacionaldeterras.pt.

No total serão mil as explorações agrícolas existentes em Famalicão, sendo que a grande parte do volume de negócio é gerado pelas explorações do setor do leite (cerca de 200), seguindo-se a carne e o vinho.

Com este protocolo fica acordado que os vários parceiros devem “colaborar no domínio da promoção e acompanhamento das empresas do sector instaladas, bem como no fomento à instalação de novas empresas agrícolas no concelho famalicense”, aproveitando as linhas de financiamento disponíveis e o programa comunitário PDR 2020. Caberá à autarquia agir como um “facilitador” de forma que novos projetos agrícolas e projetos em curso sejam desenvolvidos em parceria, agilizando procedimentos.

É também objetivo deste compromisso a criação de parcerias com escolas, universidades e centros de investigação para a valorização de atividades.

image48140.jpeg

FAMALICÃO PROMOVE AGRICULTURA

Assinatura de protocolo entre o Município, a Caixa de Crédito Agrícola, a Fagricoop e a Frutivinhos, amanhã, 14 de junho, pelas 14h30, na Fagricoop, em Antas

O Município de Vila Nova de Famalicão, a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Médio Ave, a Fagricoop - Cooperativa Agrícola e dos Produtores de Leite de Vila Nova de Famalicão, e a Frutivinhos - Cooperativa Agrícola de Vila Nova de Famalicão, assinam amanhã, terça-feira, 14 de junho, pelas 14:30, na Fagricoop (Rua Senhor da Agonia, 372, Antas), um protocolo de cooperação que tem como objetivo estratégico a promoção do desenvolvimento do setor agrícola baseado na promoção de um contexto municipal facilitador da iniciativa agrícola empresarial.

Através do acordo que vai ser firmado, os subscritores acordam colaborar no domínio da promoção e acompanhamento das empresas do setor instaladas, bem como no fomento à instalação de novas empresas agrícolas no concelho famalicense.

A promoção e capacitação da prática agrícola, a criação de parcerias com escolas, universidades e centros de investigação para a valorização das atividades e o incentivo à utilização das novas tecnologias e promoção de sistemas de exploração sustentáveis, são alguns dos objetivos concretos que as partes envolvidas nesta parceria se propõem a prosseguir.

PAN QUER PROIBIR O USOS DOS GLIFOSATOS

Pedidos de audições do PAN sobre Glifosatos foram hoje aprovados

  • Audições com Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Bastonário da Ordem dos Médicos e Plataforma Transgénicos Fora
  • A OMS através Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro declarou o Glifosato como carcinogénio provável para o ser humano
  • Palavra final sobre comercialização assumida pela Comissão Europeia em Junho

Foram hoje aprovados na Comissão de Agricultura e Mar os requerimentos do PAN, Pessoas-Animais-Natureza, apresentados a 02 de Maio, para audição do Senhor Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, do Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos e da Plataforma Transgénicos Fora, antes de dia 18 de Maio. O objetivo é que estas entidades possam prestar esclarecimentos sobre os dados apresentados num recente estudo sobre a presença de glifosato em urina em níveis inesperados e bastante elevados e sobre o sentido de voto português na reunião do comité científico de dia 18 de Maio em Bruxelas.

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza apresentou recentemente na Assembleia da República um projeto de resolução que recomenda ao Governo que se oponha à renovação da autorização do uso do glifosato na União Europeia e que proíba a sua utilização em Portugal que foi chumbado, tendo apresentado posteriormente, no dia 20 de Abril, um outro que recomenda ao Governo um conjunto de medidas para a verificação da presença de resíduos de glifosato na água e em produtos agrícolas de origem vegetal, que foi distribuído hoje e aguarda data para discussão na Comissão de Agricultura e Mar, esperando-se que venha a acontecer durante a próxima semana.

O Parlamento Europeu acaba de aprovar a renovação da licença de comercialização do glifosato para uso agrícola profissional no espaço comunitário por mais sete anos, (374 votos a favor, 225 contra e 102 abstenções). No entanto, esta é uma resolução não-vinculativa. A decisão final será tomada pela Comissão Europeia em junho (a licença expira a 30 de junho deste ano), depois de avaliadas as conclusões do comité científico, que tem uma reunião agendada para 18 e 19 de maio, em Bruxelas. Uma decisão aguardada com muita expectativa pelas indústrias que produzem este e outros herbicidas, uma vez que poderá impactar fortemente um negócio que faz dos cidadãos cobaias humanas. Para o PAN é fundamental que o governo português se posicione de forma assertiva e vote contra.

MUNICÍPIO ARCUENSE APOIA PRODUTORES NA LUTA BIOLÓGICA CONTRA A VESPA DAS GALHAS DO CASTANHEIRO

A vespa das galhas do castanheiro já está presente no concelho de Arcos de Valdevez desde 2015, e, de forma a ajudar os agricultores a combate-la, a DRAPN e a Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca, com o apoio da Câmara Municipal, procederam ao tratamento biológico das culturas, através da largada do inseto Torymus sinensis em Rio Cabrão e em Távora.

vespa_castanheiro_

A Vespa das galhas do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus Yasumatsu) é um inseto minúsculo, originário da China, que ataca as plantas do género Castanea, causando a formação de galhas nos gomos e nas folhas. Provoca a diminuição do crescimento dos ramos e impede a frutificação, podendo conduzir ao declínio e morte dos castanheiros, constituindo assim uma séria ameaça à sustentabilidade de soutos, pomares e castinçais.

De referir que as quebras de produção podem atingir os 60%-80% nas regiões atingidas caso não se intervenha eficazmente.

Vespa_castanheiro (2)

Vespa_castanheiro (3)

Vespa_castanheiro (4)

vespa_castanheiro

LAVOURA TRADICIONAL PROMOVE CONVÍVIO INTERGERACIONAL EMM CABECEIRAS DE BASTO

A Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto e a Basto Vida promoveram hoje, dia 30 de abril, a realização da Lavoura Tradicional, uma iniciativa que teve lugar na Quinta da Portela, nas imediações do centro da vila e que juntou centenas de pessoas.

Lavoura Tradicional promoveu convívio intergeraci

Os participantes, jovens e menos jovens de sacholas em punho, concentraram-se junto ao Monumento de Homenagem ao Agricultor, no Campo do Seco, onde foi servido o típico ‘mata-bicho’ (broa e aguardente), rumando depois, em desfile, atrás de três juntas de gado até à quinta.

O presidente da Câmara Municipal, Francisco Alves, e o presidente de Junta da União de Freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela, Leandro Campos, associaram-se à iniciativa que pretendeu reviver e recriar os trabalhos de outrora, dando a conhecer aos mais novos a atividade rural dos nossos antepassados e simultaneamente promover o intercâmbio intergeracional.

Lavoura Tradicional promoveu convívio intergeraci

Oriundos das várias freguesias do concelho, os lavradores trabalharam a terra, preparando-a para o cultivo do milho, uma jornada que contou com a animação das concertinas e das cantigas de outrora. A lavoura começou cedo. Depois de espalhado o estrume, foi lavrada a terra e semeado o milho.

Lavoura Tradicional promoveu convívio intergeraci

A meio da manhã, os ‘lavradores’ degustaram o pequeno-almoço composto por pataniscas, tremoços, azeitonas, figos e doces, seguindo-se a sementeira do milho que será doravante regado, sachado e tratado, para que em setembro, por altura das Festas de S. Miguel, seja desfolhado à moda do Minho.

A lavoura à moda antiga proporcionou assim aos Cabeceirenses e a todos os visitantes uma jornada campestre onde imperou o ambiente de festa e de boa disposição.

Lavoura Tradicional promoveu convívio intergeraci

Lavoura Tradicional promoveu convívio intergeraci

FAMALICÃO ASSINALA ANO INTERNACIONAL DAS LEGUMINOSAS

Pequeno auditório da Casa das Artes esgota para falar sobre leguminosas

Vila Nova de Famalicão vai assinalar o Ano Internacional das Leguminosas, com uma conferência que já esgotou o pequeno auditório da Casa das Artes. “Leguminosas com todos”, assim se chama o fórum que este sábado, dia 30, vai por todos a falar sobre os benefícios nutricionais deste tipo de alimentos.

Leguminosas

A conferência arrancará com a palestra “Sementes Nutritivas para um Futuro Sustentável”, com a presença de Hélder Muteia, representante em Portugal da FAO.

Pelas 10h15, o professor da Faculdade de Ciências da Nutrição da Universidade do Porto, Nuno Borges, e a nutricionista Cátia Borges falarão sobre “As leguminosas na alimentação portuguesa”.

Seguem-se depois as palestras “As leguminosas: onde a gastronomia se cruza com o ambiente” por Ricardo Novais, da empresa Erva Limão, e “A importância das leguminosas na agricultura”, por António Strecht, diretor da revista de agricultura biológica “ O Segredo da Terra”.

As leguminosas estarão também presentes no encerramento da iniciativa, que terminará com um momento de degustação preparado pelo conceituado chef de cozinha e proprietário do restaurante Ferrugem, Renato Cunha.

Refira-se que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) declarou o ano de 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas. Aumentar a consciência pública para os benefícios nutricionais das leguminosas, dar a conhecer o impacto positivo que estes alimentos podem ter nas questões de segurança alimentar e na redução da fome a nível mundial, bem como abordar o seu importante papel na agricultura, no ambiente e na gastronomia, são os principais objetivos desta conferência, inserida na agenda nacional do Ano Internacional das Leguminosas.

CABECEIRAS DE BASTO CELEBRA DIA MUNDIAL DA DANÇA

Município celebra Dia Mundial da Dança e prepara Lavoura Tradicional

A Câmara Municipal celebra também amanhã, 29 de abril, o Dia Mundial da Dança com uma noite de apresentação de danças que têm como objetivo dar a conhecer os vários ginásios e associações existentes no concelho, sensibilizando os Cabeceirenses a melhorar o seu estado físico geral através da dança, bem como da prevenção das doenças associadas ao sedentarismo, assim como da ocupação dos tempos livres.

Esta iniciativa, com início prevista para as 21h30 no Pavilhão Gimnodesportivo de Refojos, contará com a presença de cerca de 300 pessoas.

No sábado, dia 30 de abril, Câmara Municipal e a Basto Vida promovem a realização da Lavoura Tradicional, uma iniciativa que terá lugar na Quinta da Portela, com concentração prevista para as 08h00 junto ao Monumento de Homenagem ao Agricultor, no Campo do Seco.

CICLO DE CONFERÊNCIAS - JOVEM AGRICULTOR REALIZA-SE EM CAMINHA COM CASA CHEIA

Caminha acolheu ontem, com casa cheia, a primeira das sete conferências do “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”, da AJAP - Associação dos Jovens Agricultores de Portugal. “Encontrar as melhores soluções para resolver os problemas da agricultura portuguesa. É essa a nossa obrigação e é isso que os agricultores portugueses também nos pedem”, sublinhou ontem em Caminha Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

A sessão de abertura contou com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, de Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, João Pedro Borges, presidente do Conselho de Administração da CA Seguros, José Gonçalves Correia da Silva, representante do Crédito Agrícola Noroeste e Eduardo Almendra, presidente da AJAP e mais de uma centena e meia de pessoas.

Para Miguel Alves este evento, de alcance nacional, “é o primeiro de muitos em que debatemos as oportunidades, os anseios, os desafios e as dificuldades da agricultura e da jovem agricultura em particular”.

O presidente realçou a importância desta iniciativa para a dinamização da agricultura no concelho, enquanto fator de desenvolvimento e criação de riqueza: “a importância que nós damos para encontrarmos caminhos que viabilizem a nossa própria economia, nos ajudem a sustentar as nossas empresas e as nossas atividades. Hoje temos aqui na agricultura um caminho de esperança para o qual precisamos de contributos válidos, para percebermos as oportunidades”, acrescentando ainda: “da parte do município de Caminha que tem uma vocação virada para o turismo, virada para a prestação de serviços que valoriza as pessoas que aqui vivem e aquelas que aqui passam férias, mas não pode deixar de valorizar a atividade agrícola e a atividade ligada às nossas florestas. É isso que temos feito no contacto direto com os agricultores com os produtores”.

“Estou certo de que com todos os agricultores e todos os jovens agricultores, a nossa agricultura portuguesa no futuro irá ser uma agricultura sustentável, moderna e competitiva integrada num Portugal que todos queremos mais desenvolvido e solidário”, disse Luís Medeiros Vieira durante a sua intervenção.

O Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação deu conta do conjunto de desafios “a que temos de dar resposta, não só à agricultura portuguesa, mas à agricultura europeia” e que são: “mais mercado, mais segurança e qualidade alimentar, mais coesão territorial, mais internacionalização da nossa cadeia agroalimentar”.

Eduardo Almendra fez um breve enquadramento da atividade da AJAP sublinhou o papel dos promotores e dos municípios na realização deste ciclo de conferências. O presidente da AJAP solicitou celeridade ao Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação no que respeita ao processo de apoio para o reconhecimento do jovem empresário rural.

São objetivos deste ciclo de conferências: debater as oportunidades do PDR 2020, conhecer a análise de peritos em Investimento Agrícola e testemunhos locais de entidades, empresas e jovens agricultores de sucesso.

Subordinada ao tema “Ser Jovem Agricultor – desafios e oportunidades”, esta conferência contou com as intervenções de Miguel Freitas, especialista em assuntos agrícolas europeus; Pedro Santos, consultor de projetos de investimento agrícola da empresa Consulai, José Martins, Jovem Agricultor da empresa Raiz da Terra e Firmino Cordeiro, diretor geral da AJAP.

O “Ciclo de Conferências – Jovem Agricultor” conta com os patrocínios da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, do Crédito Agrícola Seguros, da Epagro e da Magos Irrigation Systems.

SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO ABRE CICLO DE CONFERÊNCIAS - JOVEM AGRICULTOR EM CAMINHA

Caminha recebe amanhã a primeira conferência do “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”

Caminha acolhe amanhã o “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”, da AJAP - Associação dos Jovens Agricultores de Portugal.A iniciativa terá inicio pelas 14h30, no Valadares, Teatro Municipal e conta com a presença do Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

Caminha é um dos sete concelhos que vai receber o “Ciclo de Conferências - Jovem Agricultor”. As restantes vão decorrer em Faro, Peso da Régua, Nelas, Estremoz, Funchal e Lisboa.São objetivos deste ciclo de conferências: debater as oportunidades do PDR2020, conhecer a análise de peritos em Investimento Agrícola e testemunhos locais de entidades, empresas e jovens agricultores de sucesso.

Em Caminha, a sessão de abertura será presidida pelo Secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, a que se seguem as intervenções de Miguel Alves, presidente da Câmara de Caminha, João Pedro Borges, presidente do Conselho de Administração da CA Seguros, José Gonçalves Correia da Silva, representante do Crédito Agrícola Noroeste e Eduardo Almendra, presidente da AJAP.

Subordinada ao tema “Ser Jovem Agricultor – desafios e oportunidades” esta conferência apresenta como oradores: Miguel Freitas, especialista em assuntos agrícolas europeus; Pedro Santos, consultor de projetos de investimento agrícola da empresa Consulai, José Martins, Jovem Agricultor da empresa Raiz da Terra e Firmino Cordeiro, diretor geral da AJAP.

A sessão de encerramento estará a cargo de Guilherme Lagido Domingos, vice-presidente da Câmara Municipal de Caminha e de Eduardo Almendra.

Trata-se de uma iniciativa que visa ajudar a dinamizar a agricultura no concelho, enquanto fator de desenvolvimento e criação de riqueza.

O “Ciclo de Conferências – Jovem Agricultor” conta com os patrocínios da Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, do Crédito Agrícola Seguros, da Epagro e da Magos IrrigationSystems.

PONTE DE LIMA INCENTIVA USO DE TERRAS ABANDONADAS

Município de Ponte de Lima celebra Protocolo de Cooperação com a Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural sobre a Bolsa Nacional de Terras Agroflorestais

O Município de Ponte de Lima e a Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, no âmbito da promoção e dinamização da Bolsa Nacional de Terras Agroflorestais, celebraram um protocolo de cooperação no passado dia 13 de abril. A Direção Geral de Agricultura de Desenvolvimento Rural fez-se representar, pelo Diretor de Serviços de promoção da Atividade Agrícola, o Engº Agrónomo Fernando Costa, acompanhado pelo Interlocutor Nacional para a Bolsa Nacional de Terras, o Engº Agrícola Norberto Correia.

IMG_7458 (Small)

Este protocolo visa uma articulação entre a Bolsa de Terras Agroflorestais de Ponte de Lima e a Bolsa Nacional de Terras Agroflorestais, cujo objetivo é divulgar a disponibilidade de terras agroflorestais cujos proprietários não lhes concedem uso. É através da implementação deste projeto, que o Município de Ponte de Lima procura combater o abandono das terras, promovendo e incentivando o uso de terras abandonadas e estimulando a especialização de atividades agropecuárias como forma de salvaguarda das paisagens rurais. O vereador do Desenvolvimento Rural, Paulo Barreiro de Sousa, adiantou que “o Município apenas coloca os terrenos na plataforma, dando visibilidade aos mesmos junto dos interessados”, sendo que posteriormente o processo “é tratado em privado, entre os interessados e os proprietários, e as entidades públicas em nada interferem”.

IMG_7463 (Small)

Com a implementação deste protocolo, o Município Limiano pretende dar continuidade à valorização económica e à dinamização da economia local, impulsionando o setor agroflorestal; promover a utilização das terras abandonadas, salvaguardando em simultâneo as paisagens rurais, minorando o risco de incêndios florestais. Este protocolo assenta, entre outros pontos, no comprometimento das duas partes em informar o segundo sobre iniciativas que venham a surgir, em partilhar informação sobre a cedência de terras através do projeto, que “em boa hora” nasceu, considerou o Diretor de Serviços de promoção da Atividade Agrícola, Fernando Costa.

Para aderir à Bolsa de Terras Agroflorestais de Ponte de Lima, os interessados devem entrar no Portal da Bolsa de Terras ou no Gabinete de Atendimento ao Munícipe e pedir um formulário próprio.

Atualmente a Bolsa de Terras de Ponte de Lima conta mais dois novos terrenos, totalizando assim 20 terrenos disponíveis, o equivalente a aproximadamente 20 hectares; enquanto o número de interessados em terrenos para implementar projetos agrícolas é de 84 registos.

Os terrenos disponíveis encontram-se localizados nas freguesias de:

Labruja – 12 terrenos;

Anais – 3 terrenos;

Correlhã – 1 terreno;

Queijada – 1 terreno;

Calheiros – 1 terreno;

Refoios do Lima – 1 terreno;

Ribeira – 1 terreno.

Consulte a Bolsa de Terras de Ponte de Lima: www.cm-pontedelima.pt/bolsaterras/bolsaterras.php

Bolsa de Terras_

COURENSES TROCAM SEMENTES

2ª Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura. sáb | 16 abril | Museu Regional

A Feira de Troca de Sementes de Paredes de Coura regressa amanhã, sábado, 16 de abril, ao Museu Regional. Entre as 14h30 e as 17h00 decorre a 2ª edição da Feira de Troca de Sementes, organizada pelo Município de Paredes de Coura e a Associação Quinta das Águias, precedida pela manhã, das 9h30 às 12h00, por um passeio na região da praia fluvial do Taboão, com a Rita Roquete da Bloom Sativum, que ajudará a identificar diferentes plantas silvestres.

Seeds 3

Neste passeio junto às margens do Taboão, Rita Roquete explicará as propriedades das diferentes plantas, bem como os seus usos na culinária e as suas propriedades medicinais destes tesouros de Paredes de Coura.

Recorde-se que a preservação das sementes autóctones assume uma importância vital, uma vez que são cada vez mais raras, sendo progressivamente substituídas por sementes comerciais, que são as mesmas em todo o mundo, enquanto as sementes locais se foram adaptando durante muitas gerações às condições de solo e clima específicas da sua região de origem. Uma vez que as sementes contêm o futuro da vida, é importante mantê-las vivas. A Troca de Sementes vai proporcionar às pessoas o acesso às sementes originais que as poderão cultivar para sua própria utilização e para as manter vivas. Todos os que quiserem participar poderão trazer as suas sementes ou plantas para partilhar e trocar.

A Feira de Troca de Sementes está inserida no Projeto Educar para o futuro – Terra, a decorrer no Museu Regional. Neste sentido estão a decorrer, com os alunos do 5º e 6º anos, a realização de várias atividades tais como: a apresentação do Banco de Germoplasma, o banco nacional de preservação de sementes; o projeto da bolota, com diferentes fases, desde a sua recolha, secagem e moagem de forma a transformá-las em farinha para preparação de pão, biscoitos, hamburguers e também o processo de germinação das bolotas na estufa do Município, dando origem a jovens carvalhos para sua posterior plantação na floresta, contribuindo desta forma para a reflorestação com árvores autóctones.

Ainda no âmbito deste projeto que envolve os alunos em todas as atividades, está em execução a horta biológica; um jardim de ervas e flores comestíveis e um pomar com árvores e arbustos de frutos, com os alunos envolvidos em todas as etapas, desde o semear e plantar, ao cuidar e finalmente o colher e preservar para futura utilização ao nível de alimentação e para no próximo ano "lançar à Terra".

Ainda no âmbito destas iniciativas, decorre a ação de recolha de sementes locais, sua preservação e organização de eventos de troca de sementes, criação de um banco de sementes locais, visitas à Quinta das Águias -- um projeto sustentável para a preservação da biodiversidade e de proteção animal --, da mesma forma que há a intenção de que estes projetos evoluam favoravelmente e tenham continuação nos anos futuros.

CABECEIRAS DE BASTO APOIA O INVESTIMENTO NA AGRICULTURA, PECUÁRIA E NA FLORESTA

Executivo Cabeceirense aprovou Regulamento Municipal de Apoio à Iniciativa Empresarial e Económica nas Áreas Agrícola, Pecuária ou Florestal

O Executivo Municipal de Cabeceiras de Basto, sob a presidência de Francisco Alves, aprovou por unanimidade, na sua última reunião, no dia 8 de abril, o Regulamento Municipal de Apoio à Iniciativa Empresarial e Económica nas Áreas Agrícola, Pecuária ou Florestal, documento que será agora remetido à Assembleia Municipal para deliberação.

Cabeceiras de Basto - paisagem rural

Note-se que o Município de Cabeceiras de Basto pretende criar condições que contribuam para a concretização de investimentos e iniciativas económicas e empresariais nas áreas agrícola, pecuária ou florestal no concelho, como forma de potenciar o seu desenvolvimento económico e social e contribuir para a criação de emprego e fixação da população.

O apoio a conceder pelo início ou reinício de atividade, no montante pecuniário de 1.000 euros, visa promover o empreendedorismo, melhorando a competitividade local e regional, travando a tendência para o despovoamento e a desertificação, e para a fragilização, o estreitamento e a dependência de base económica.

Os destinatários deste apoio são aqueles que tenham iniciado ou reiniciado uma atividade principal nas áreas agrícola, pecuária ou florestal, com investimento e/ou exploração no concelho de Cabeceiras de Basto. Podem ser promotores destas atividades as sociedades comerciais e os empresários em nome individual.

As comparticipações financeiras a atribuir pelo Município de Cabeceiras de Basto resultantes da aplicação deste Regulamento são financiadas através de verbas inscritas anualmente no orçamento municipal, podendo as mesmas serem revistas pelo Executivo Municipal face às candidaturas apresentadas.

As candidaturas ao apoio a conceder nos termos do presente Regulamento serão apresentadas no Serviço de Atendimento Único, mediante o preenchimento de formulário próprio.

Os beneficiários dos apoios comprometem-se a manter a atividade no concelho por um prazo não inferior a 5 anos, a contar da data do pagamento do apoio; e a fornecer ao Município de Cabeceiras de Basto, sempre que este o solicite, os documentos e as informações necessárias ao acompanhamento, controlo e fiscalização, dos termos do presente regulamento.

De salientar que fica vedado o apoio a candidaturas que, embora apresentadas por promotor diferente, se destinem a investimentos ou explorações que já tenham sido beneficiadas de igual apoio, nos termos do presente regulamento.

No decorrer desta última reunião camarária, o executivo municipal aprovou por unanimidade vários apoios às associações no que se refere à cedência de transporte gratuito e ainda um apoio financeiro, no valor de 1.000 euros, a atribuir à Banda Cabeceirense para a sua participação no Concurso de Bandas Filarmónicas a decorrer em Vila Verde.

A Câmara Municipal aprovou também, por unanimidade, uma proposta, a remeter à Assembleia Municipal, que visa isentar, no corrente ano, a instalação até 20 metros quadrados de ocupação de espaço público de esplanadas anexas aos estabelecimentos e respetivo funcionamento, bem como uma redução de 50% das taxas a pagar relativas à animação a desenvolver naquelas esplanadas.

Foram, ainda, renovados os protocolos com a União de Freguesias de Refojos, Outeiro e Painzela para a cedência da EB1 de Painzela e com a Associação Cultural e Desportiva de S. Nicolau para a cedência temporária das instalações da Praia Fluvial de S. Nicolau.

O Executivo Cabeceirense aprovou, ainda, diversos ajustes diretos para prestação de serviços vários, entre outros assuntos.

FAMALICÃO ASSOCIA-SE AO ANO INTERNACIONAL DAS LEGUMINOSAS

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) declarou o ano de 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas. Vila Nova de Famalicão não vai deixar passar a efeméride em branco e tem já agendada para o próximo dia 30 de abril, sábado, a conferência “Leguminosas com todos”.

Leguminosas

A iniciativa, que decorrerá na Casa do Território, é de entrada gratuita, mas de inscrição obrigatória, através do portal do Parque da Devesa, em www.parquedadevesa.com, até ao dia 22 de abril.

A conferência arrancará com a palestra “Sementes Nutritivas para um Futuro Sustentável”, com a presença de Hélder Muteia, representante em Portugal da FAO.

Pelas 10h15, o professor da Faculdade de Ciências da Nutrição da Universidade do Porto, Nuno Borges, e a nutricionista Cátia Borges falarão sobre “As leguminosas na alimentação portuguesa”.

Seguem-se depois as palestras “As leguminosas: onde a gastronomia se cruza com o ambiente” por Ricardo Novais, da empresa Erva Limão, e “A importância das leguminosas na agricultura”, por António Strecht, diretor da revista de agricultura biológica “ O Segredo da Terra”.

As leguminosas estarão também presentes no encerramento da iniciativa, que terminará com um momento de degustação preparado pelo conceituado chef de cozinha e proprietário do restaurante Ferrugem, Renato Cunha.

Aumentar a consciência pública para os benefícios nutricionais das leguminosas, dar a conhecer o impacto positivo que estes alimentos podem ter nas questões de segurança alimentar e na redução da fome a nível mundial, bem como abordar o seu importante papel na agricultura, no ambiente e na gastronomia, são os principais objetivos desta conferência, inserida na agenda nacional do Ano Internacional das Leguminosas.

"A GUERRA DOS CEREAIS" CHEGA A FAMALICÃO

“Ambientar-se” exibe documentário “A Guerra dos Cereais”

O uso das sementes agrícolas vai dar o mote para a sexta sessão do ciclo de cinema “Ambientar-se”, que decorre já na próxima sexta-feira, 15 de abril, na Casa do Território, em Vila Nova de Famalicão. A sessão contará com a exibição do documentário “A Guerra dos Cereais”, realizado em 2014, por Clément Montfort and Stenka Quillet. 

A Guerra dos Cereais

“São as sementes um bem comum ou uma mercadoria? Devem ser partilhadas, trocadas como um recurso natural ou comercializadas em toda a linha e patenteadas?”, são algumas das questões levantadas pelo filme, escolhido pelo Grupo Famalicão em Transição.

Como já vem sendo habitual, depois da visualização do filme haverá ainda lugar para um momento de debate, que contará com a presença de dois convidados que têm dedicado uma boa parte da sua vida à preservação do património genético de variedades regionais - o professor da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima, Raúl Rodrigues, e Elsa Aroso, do movimento Atimati, formadora em agricultura urbana e guardiã de sementes.

Refira-se que as sessões “Ambientar-se” são organizadas, todos os meses, pela autarquia famalicense em parceria com instituições locais ligadas à proteção do ambiente, e pretendem promover o debate sobre temas ambientais. A entrada na iniciativa é gratuita. 

EXPLORAÇÕES VITIVINÍCOLAS LESADAS DO TEMPORAL DE FEVEREIRO VÃO RECEBER AJUDAS DO GOVERNO

O período de submissão das candidaturas ao regime da reestruturação e reconversão das vinhas afetadas decorre entre 16 a 30 de abril, junto dos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAP-Norte)

Lugar Souto mendo_Pousafoles2.1Fiães

Face aos prejuízos provocados pelas intempéries registadas na região norte do país, inclusive em Melgaço, ocorridas entre 12 e 15 de fevereiro de 2016, o Governo acionou mecanismos de apoio visando minimizar os danos causados nas explorações vitivinícolas. Neste contexto, e no que respeita especificamente às parcelas de vinha danificadas, o governo adotou, com essa finalidade, um conjunto de normas especiais, de caráter mais benéfico, para a campanha de 2016 -2017, aplicáveis às candidaturas aos apoios constantes do regime da reestruturação e reconversão da vinha, previsto na Portaria n.º 357/2013, de 10 de dezembro, alterada pelas Portarias n.os 67/2014, de 12 de março, e 219/2015, de 23 de julho, que têm por objeto parcelas de vinha afetadas pelas referidas intempéries.

Em Melgaço as freguesias atingidas pelas intempéries e que vão receber ajudas do Governos são: Penso, União das freguesias de Vila e Roussas, Alvaredo, Cousso, Cristóval, Fiães, Gave, Paderne, São Paio, União das freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro, União das freguesias de Chaviães e Paços, União das freguesias de Prado e Remoães.

Pretende-se, com este conjunto de normas especiais, que os apoios constantes da Portaria n.º 357/2013, de 10 de dezembro, contribuam para a recuperação do património vitícola danificado e para a reposição das parcelas de vinha destruídas em consequência dos fenómenos climatéricos observados na região Norte. Para tal o Governo estabeleceu um período de candidaturas: entre 16 a 30 de abril, junto dos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAP-Norte).

OS BENEFICIÁRIOS

De acordo com a Portaria n.º 71/2016 - Diário da República n.º 66/2016, Série I de 2016-04-05 podem beneficiar deste apoio as pessoas singulares ou coletivas que explorem parcelas de vinha situadas nas freguesias da região afetada, registadas no Sistema de Identificação da Vinha e do Vinho (SIVV), relativamente às quais foram declarados prejuízos, até 2 de março de 2016, na Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN), confirmados em relatório de levantamento dos prejuízos das intempéries.

As despesas são elegíveis após a verificação e validação pela DRAP-Norte, dos prejuízos declarados pelos beneficiários que podem iniciar os investimentos mesmo antes da verificação e validação, desde que comuniquem o início dos trabalhos à DRAP-Norte, com uma antecedência mínima de 48 horas.

CANDIDATURAS

É condição indispensável para a submissão de candidaturas que os beneficiários providenciem a atualização do Registo Central Vitícola, o pedido de emissão de autorizações de plantação e a georreferenciação das parcelas; procedam à sua inscrição como beneficiários do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, I. P. (IFAP, I. P.) para obtenção do Número de Identificação do IFAP, I. P. (NIFAP), ou atualização dos dados, nomeadamente do IBAN e endereço eletrónico; e que procedam à sua inscrição ou atualização dos dados da exploração no Sistema de Identificação Parcelar (iSIP) do IFAP, I. P., para identificação dos novos locais de investimento e comprovação da posse de terra.

LARANJA DE AMARES É DAS MAIS APRECIADAS DE PORTUGAL

“Showcooking” deu a conhecer as potencialidades da laranja de Amares na AGRO

O Município de Amares despertou a atenção dos visitantes na 49ª edição da AGRO - Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação através de um showcooking no qual foram apresentados alguns produtos confecionados à base da laranja do concelho. Uma iniciativa complementar à promoção realizada no stand do Município, onde a própria laranja e seus derivados, o vinho verde e o azeite - produtos emblemáticos do concelho, estiveram em destaque durante o evento.

DSC00649

No decorrer do “showcooking”, protagonizado pela “Quelha Branca”, uma empresa que se dedica à transformação da laranja em diversas iguarias doces e salgadas, Arminda Costa preparou uma compota de laranja e uma tarde de compota de laranja, uma mousse com base no mesmo citrino e, ainda, uns pequenos doces denominados “laranjinhas”, dando a conhecer aos visitantes as imensas possibilidades de transformação deste fruto.

DSC00643

Antes do “showcooking”, que contou com a presença da vereadora do Município de Amares, Cidália Abreu, uma das principais produtoras de laranja do concelho (Natália Almeida) apresentou ao público as particularidades que distinguem a laranja de Amares.

O momento serviu também para uma degustação da laranja ao natural, abrindo o apetite aos presentes a uma visita ao stand do Município de Amares que, este ano, ocupou um lugar de destaque, situando-se logo à entrada do pavilhão da exposição.

DSC00639

DSC00638

BRAGA APOIA SETOR PRIMÁRIO

Ricardo Rio encerrou Seminário sobre produção de leite no Entre Douro e Minho. Apoios ao sector primário são ´essenciais´ para assegurar coesão do território

Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, participou hoje, dia 1 de Abril, na sessão de encerramento do Seminário intitulado ´Produção de Leite no Entre Douro e Minho: Questões da Actualidade”, organizado pela Confagri e inserido na programação da AGRO 2016.

CMB01042016SERGIOFREITAS0000001578

Na ocasião, o Edil sublinhou que o Município tem mantido uma ´ligação extraordinária´ com as associações de produtores e com as instituições representativas do sector, que têm assento no Conselho Económico e Social e com quem tem sido estabelecido um diálogo profícuo em diversas matérias, como mais recentemente sucedeu com a revisão do PDM.

CMB01042016SERGIOFREITAS0000001577

“Braga tem um imenso orgulho em manter esta matriz heterogénea no tecido económico, com um projecto que se desenvolve em meio urbano e que, ao mesmo tempo, se mantém fiel à ligação ao meio rural e ao sector primário, que tem a capacidade de garantir a produção de activos importante para a nossa subsistência e que é fonte de criação de emprego para uma franja importante da população. É fundamental esta articulação para o desenvolvimento local e para a coesão e sustentabilidade do território”, referiu, adiantando que a Autarquia tem procurado criar os estímulos certos, através de incentivos fiscais e isenções de licenças associados a esta actividade económica, para que a mesma continue a desenvolver-se em plenitude no Concelho.

CMB01042016SERGIOFREITAS0000001576

“Queremos igualmente reforçar a regularização da actividade deste sector. Houve um período excepcional de licenciamento que foi aproveitado por um número restrito de unidades de produção de leite, pelo que pretendemos estimular esta atitude por parte da generalidade dos produtores no sentido de garantir a continuidade destas explorações. Continuaremos a dar todo o apoio técnico e económico para o processo de regularização e a defender a abertura de um novo período extraordinário para que todos possam dele beneficiar e adequar as explorações aos normativos legais”, afirmou.

De acordo com o Autarca, é muito importante que o Governo continue a fazer valer a voz dos produtores de leite nacionais junto das instâncias de Bruxelas de modo a salvaguardar a subsistência de um sector crucial para a actividade económica da região e do país. “Em cada um dos patamares da intervenção, seja ao nível da União Europeia, Estado Central ou Autarquias Locais, é essencial darmos um contributo para que esta actividade seja o mais protegida e estimulada possível”, salientou.

Por fim, Ricardo Rio referiu que esta edição da AGRO marca novamente um crescimento do certame, que vai ao encontro de públicos diferenciados e cumpre as expectativas de visitantes, expositores e profissionais do sector.

CMB01042016SERGIOFREITAS0000001575

AGRO É O GRANDE CERTAME INTERNACIONAL DEDICADO À AGRICULTURA, PECUÁRIA E ALIMENTAÇÃO QUE SE REALIZA EM BRAGA

AGRO é uma marca incontornável de Braga. Certame decorre até ao próximo Domingo no PEB

Durante quatro dias, Braga será um palco privilegiado para dar a conhecer o que de melhor que se faz em Portugal nas fileiras mais representativas do sector agrícola. Até ao próximo Domingo, 3 de Abril, a 49.ª edição da AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, espera atrair mais de 100 mil visitantes ao Parque de Exposições de Braga (PEB), fazendo desta a melhor e maior edição de sempre.

CMB31032016SERGIOFREITAS0000001553

“A AGRO faz parte da vida de Braga há quase 50 anos e é uma marca incontornável da Cidade. Nos últimos anos temos vindo a devolver esse estatuto a este certame atraindo cada vez mais visitantes e queremos continuar a reforçar essa representação, tronando a AGRO cada vez mais atractiva para profissionais do sector e para o público em geral”, referiu Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, durante a abertura do certame que decorreu esta Quinta-feira, 31 de Março.

O Autarca considera que a AGRO “contribui para que Braga seja vista como uma referência do sector agrícola”, uma vez que se trata do maior evento na região do Norte de Portugal e da Galiza e do segundo a nível nacional. “Para uma Região que possui uma fortíssima relação com as actividades agro-pecuárias, é muito extremamente importante contar com um evento com estas características”, sublinhou Ricardo Rio.

CMB31032016SERGIOFREITAS0000001555

Chocolates, patês, doçaria diversa, queijos, compotas, vinhos, gins, licores e cervejas artesanais são alguns dos produtos em destaque no Salão Gourmet, uma área da AGRO reservada para produtos gastronómicos e sabores de requinte. Ainda com o intuito de aguçar o apetite dos visitantes, a feira apresenta uma área de restauração com a presença de sete restaurantes de Carnes DOP, nos quais podem ser degustadas, entre outras, carnes da raça Arouquesa, Barrosã, Marinhoa, Maronesa, Mertolenga, Minhota, Mirandesa e Porco Preto Alentejano. E porque o certame não ficaria completo sem os habituais sabores regionais dos enchidos e petiscos, há ainda tasquinhas para completar a oferta.

CMB31032016SERGIOFREITAS0000001523

Conferências e seminários dedicados a vários temas da actualidade do sector, também fazem parte do programa, assim como os habituais concursos pecuários, Showcooking e os espectáculos musicais com a actuação do grupo ‘Átoa’, os ‘Diabo na Cruz’, e os ‘Sons do Minho’.

Os bilhetes para a AGRO 2016 estão disponíveis online na Ticketline e na bilheteira do PEB com um custo único de 3,5 euros. As crianças até aos 12 anos têm entrada gratuita. À semelhança do ano transacto a CP – Comboios de Portugal associa-se a esta iniciativa disponibilizando um bilhete especial de 2 euros (ida e volta) nos comboios urbanos do Porto (linhas Urbanas de Braga, Guimarães, Caíde e Aveiro), a que apresentar o ingresso para a AGRO.

CMB31032016SERGIOFREITAS0000001543

BRAGA ABRE 49ª EDIÇÃO DA AGRO

Amanhã, Quinta-feira, dia 31 de Março, pelas 12h00, no Parque de Exposições de Braga

O Município de Braga procede à abertura da 49.ª edição da AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, que terá lugar amanhã, Quinta-feira, dia 31 de Março, pelas 12h00, no Parque de Exposições de Braga (PEB).

A iniciativa contará com a presença de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga.

A 49.ª edição da AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, será a melhor e maior de sempre. O certame que decorre de 31 de Março a 3 de Abril, no Parque de Exposições de Braga (PEB), terá 250 expositores, mais 10% em relação ao ano transacto, e espera atingir mais de 100 mil visitantes.

Organizada pela InvestBraga, a maior feira do sector primário do norte do País e da Galiza, é a única a nível nacional que faz parte da EURASCO (European Federation of Agricultural Exhibitions and Show Organizers), e promete continuar a apoiar as fileiras mais representativas do sector agrícola, dando a conhecer o que de melhor se produz em Portugal aos visitantes nacionais e estrangeiros.

BRAGA REALIZA FEIRA INTERNACIONAL DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ALIMENTAÇÃO

Maior e melhor AGRO de sempre espera mais de 100 mil visitantes. Certame decorre de 31 de Março a 3 de Abril

A 49.ª edição da AGRO – Feira Internacional de Agricultura, Pecuária e Alimentação, será a melhor e maior de sempre. O certame que decorre de 31 de Março a 3 de Abril, no Parque de Exposições de Braga (PEB), terá 250 expositores, mais 10% em relação ao ano transacto, e espera atingir mais de 100 mil visitantes.

CMB29032016SERGIOFREITAS0000001476

Organizada pela InvestBraga, a maior feira do sector primário do norte do País e da Galiza, é a única a nível nacional que faz parte da EURASCO (European Federation of Agricultural Exhibitions and Show Organizers), e promete continuar a apoiar as fileiras mais representativas do sector agrícola e dar a conhecer o que de melhor se produz em Portugal a visitantes nacionais e estrangeiros.

“Esta feira é uma das referências do sector a nível nacional. Desde que iniciamos funções, a AGRO tem vindo a crescer de ano para ano, quer em qualidade que em área de exposição. Para esta edição, e fruto de um conjunto de parcerias que conferem ainda mais qualidade ao evento, estão reunidas as condições para que esta edição seja a maior e melhor de sempre”, garantiu Carlos Oliveira, presidente da InvestBraga, durante a apresentação do certame que decorreu esta Terça-feira, 29 de Março, no PEB.

CMB29032016SERGIOFREITAS0000001477

Conferências e seminários, showcooking, concursos pecuários e espectáculos musicais, prometem atrair muito público durante os quatro dias da AGRO, facto que comprova que áreas económicas como a agro-indústria, a pecuária e a alimentação, “são sectores em que a Câmara e a InvestBraga apostam com muita intensidade”, e a “revitalização deste certame vai de encontro ao trabalho de afirmação do Concelho neste sector”, sublinhou Carlos Oliveira.

A “gestão rigorosa” por parte InvestBraga, e o “permanente apoio ao desenvolvimento económico da Região”, foi um dos aspectos evidenciados pelo vereador do Desenvolvimento Rural do Município de Braga. Como explicou Altino Bessa, a actual administração da InvestBraga, “trouxe o equilíbrio financeiro a este evento, impondo um cunho de profissionalismo nunca antes atingido”. Essa nova forma de actuar, fez com que a AGRO “deixasse de ser um encargo financeiro para o Município e passasse a dar lucro de um ano para o outro, atingindo números fantásticos em termos de visitantes e expositores”.

Nesta edição vão ser debatidos vários temas que fazem a actualidade e que contarão com a presença do Ministro da Agricultura, Capoulas Santos. Segundo Altino Bessa, “a temática do sector leiteiro irá estar em evidência e, uma vez que acabaram as cotas leiteiras, e como estarmos inseridos numa zona onde está instalada a maior ‘bacia leiteira’ do País, este assunto reveste-se de enorme importância para a economia local”, referiu, mostrando a sua “curiosidade” para saber “quais as medidas que o Governo vai implementar para minimizar o impacto do fim das cotas leiteiras”.

Também os sectores das carnes, da agricultara biológica e o sector florestal são áreas com presença garantida nesta edição da AGRO, sendo que este último representa cerca de 1,5% do PIB nacional e 140 mil postos de trabalho, representando 9% das exportações. “A fileira florestal é um sector a ter em conta e um dos mais importantes a nível de exportações”, referiu Altino Bessa, abrindo as portas para a realização de um certame direccionado apenas para este sector.

Programa ecléctico pretende envolver vários públicos

Com um programa ecléctico, a edição de 2016 da AGRO pretende atrair vários tipos de público. A abertura ao público está marcada para as 10h00 do dia 31 de Março, sendo que o primeiro dia do evento é destinado à Galiza, com uma cerimónia evocativa a ter lugar às 12h30.

São quatro dias preenchidos com várias conferências e seminários dedicados a vários temas da actualidade do sector, estando prevista a presença do Ministro da Agricultura, Capoulas Santos, durante os primeiros dois dias do evento. Showcooking, concursos pecuários e espectáculos musicais completam o programa, com destaque para a actuação do grupo ‘Átoa’, na Sexta-feira, dia 1 de Abril, pelas 22h00, os ‘Diabo na Cruz’, no dia seguinte às 21h30 e os ‘Som do Minho’, no Domingo dia 3 de Abril, pelas 15h30.

“Depois de consolidada e afirmada, é fundamental continuar fazer com que a AGRO cresça e contribua para o crescimento económico do sector agrícola que em 2015 registou um crescimento de 6,3%”, referiu o Humberto Carlos, administrador da InvestBraga, adiantando que este ano o evento conta com cerca de 25% de novos expositores, “o que reflecte a preocupação em inovar e contribui para que os profissionais do sector encontrem aqui novas soluções para aumentarem a produtividade”.

Os bilhetes para a AGRO 2016 estão disponíveis online na Ticketline e na bilheteira do PEB com um custo único de 3,5 euros. As crianças até aos 12 anos têm entrada gratuita. À semelhança do ano transacto a CP – Comboios de Portugal associa-se a esta iniciativa disponibilizando um bilhete especial de 2 euros (ida e volta) nos comboios urbanos do Porto (linhas Urbanas de Braga, Guimarães, Caíde e Aveiro), a que apresentar o ingresso para a AGRO.

CMB29032016SERGIOFREITAS0000001483

PARTIDO PAN É CONTRA O USO DO GLIFOSATO

PAN pede ao Governo que se oponha ao uso do Glifosato na União Europeia e que proíba a sua utilização em Portugal

  • Um dos herbicidas mais utilizados na agricultura mundial com conhecidas causas de intoxicações acidentais e profissionais
  • Comissão Europeia decide até 19 de maio a possibilidade de renovação por mais 15 anos da autorização do uso de glifosato
  • Existem evidências científicas suficientes de que o glifosato pode causar cancro e induzir resistência a antibióticos

O PAN – Pessoas-Animais-Natureza apresenta hoje na Assembleia da Republica um projeto de resolução que recomenda ao Governo que se oponha à renovação da autorização do uso do Glifosato na União Europeia e que proíba a sua utilização em Portugal.

A Comissão Europeia discute, neste momento, a possibilidade de renovação por mais 15 anos da autorização do uso de glifosato, tendo a prorrogação da licença a oposição de vários países. Tendo sido realizada, recentemente, reunião com a comissão de peritos dos 28 países da União Europeia, não foi possível alcançar a maioria necessária para aprovar a autorização de uso do herbicida da Monsanto na Europa até 2031. O tema volta ao debate na próxima reunião do grupo de peritos nos dias 18 e 19 de maio de 2016. No grupo de opositores ao glifosato aparecem países como a França, a Itália e a Suécia e a Alemanha pronunciou-se no sentido da abstenção. Não tendo sido possível obter consenso quanto a esta matéria, a Comissão Europeia decidiu pela prorrogação da autorização de comercialização por mais seis meses, autorização essa que termina em julho deste ano. (…)

Na Europa, o tipo de agroquímico mais vulgarmente detectado na água é o dos herbicidas. Os herbicidas, para além da sua toxicidade, têm diversos outros efeitos negativos, destacando-se a diminuição da biodiversidade do solo o que contribui para uma diminuição significativa da atividade de bactérias e fungos benéficos ao desenvolvimento das plantas.

A Organização Mundial de Saúde, através da sua estrutura especializada IARC - Agência Internacional para a Investigação sobre o Cancro sediada em França, declarou em Março de 2015 o Glifosato (junto com outros pesticidas organofosforados) como "carcinogénio provável para o ser humano". Na sequência de vários estudos efectuados, esta classificação significa que existem evidências suficientes de que o glifosato causa cancro em animais de laboratório e que existem também provas diretas para o mesmo efeito em seres humanos.

De acordo com um estudo científico recente da Sociedade Americana de Microbiologia sobre o glifosato e outros herbicidas ficou demonstrado que estes químicos têm um outro lado negativo até agora ignorado: induzem resistência a antibióticos nas bactérias com que entram em contacto. Do ponto de vista médico, e considerando o enorme desafio de saúde pública que a perda de eficácia dos antibióticos está a representar, não podem ter lugar numa sociedade desenvolvida quaisquer químicos que tornam mais fortes os microrganismos patogénicos. (…)

O PAN apresentou uma recomendação na Assembleia Municipal de Lisboa, em Novembro de 2014, pelo abandono do uso do glifosato na cidade, tendo sido aprovada por unanimidade. Todavia, são várias as juntas de freguesia que ainda o utilizam.

BARCELOS DEBATE FUTURO DA AGRO-PECUÁRIA

Agropecuária em Barcelos. Que futuro? – Dia 24 de março, quinta-feira, às 14h, no Fórum S. Bento Menni

A Câmara Municipal de Barcelos, a Cooperativa Agrícola de Barcelos e a CONFAGRI (Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Portugal) promovem um colóquio intitulado “Agropecuária em Barcelos. Que futuro?”, no dia 24 de março, às 14h, no Fórum S. Bento Menni.

O setor agropecuário é um dos mais representativos do concelho, nomeadamente com a produção de leite, que tem vindo a subir de forma sustentada ao longo dos últimos anos, colocando a Cooperativa Agrícola de Barcelos no pódio da produção de leite nacional.

Este seminário versa sobre três temas dedicados à agropecuária: as ajudas ao rendimento; o licenciamento das explorações; e a controvérsia dos hábitos do consumo do leite.

O primeiro tema - as ajudas ao rendimento do leite - subdivide-se em principais alterações do regime de pagamento base, apresentado por Domingos Godinho (CONFAGRI), e novas regras para a implementação do Greening - certificação, por Fernando Cardoso (FENALAC).

O licenciamento das explorações agropecuárias, segundo tema, versa sobre a renovação de títulos de exploração REAP, apresentado por José Botelho (DRAPN), e o licenciamento de construções – o trabalho desenvolvido em Barcelos e os benefícios no futuro, apresentado por Alexandre Maciel (vereador da Câmara Municipal de Barcelos) e por Domingos Pereira (vereador da Câmara Municipal de Barcelos e deputado da Assembleia da República).

Já o terceiro tema, centrado na controvérsia dos hábitos do consumo de leite, os mitos do leite – o que está a mudar, é apresentado por Maria Antónia Figueiredo (Presidente do Observatório dos Mercados Agrícolas).

Findas as apresentações dos temas, terá lugar um espaço para debate seguido da sessão de encerramento, onde marcarão presença o Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes; José Carlos Miranda, Presidente da Cooperativa Agrícola de Barcelos; Joaquim Barreto, Presidente da Comissão Parlamentar da Agricultura e do Mar; José Capela, Presidente da AGROS; Manuel Cardoso, Diretor Regional da DRAP; e Santos Gomes, Presidente da CONFAGRI.

MUNICÍPIO DE CAMINHA APOIA CURSOS SOBRE APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

Formação da responsabilidade da AJAP decorre amanhã

O Município de Caminha associou-se à AJAP – Associação de Jovens Agricultores de Portugal, para a organização de cursos sobre a aplicação de produtos fitofarmacêuticos, que permitam aos agricultores do concelho cumprir a nova legislação e ter acesso à formação obrigatória a preços mais baixos. O primeiro curso, com 39 inscritos, decorre já amanhã.

Os produtos fitofarmacêuticos destinam-se à defesa das plantas e da produção agrícola e são vulgarmente conhecidos por pesticidas. A transposição para a legislação portuguesa de uma Diretiva Comunitária que pretende proteger os utilizadores, defender a saúde pública e o meio ambiente veio introduzir novas regras e causar algumas dores de cabeça aos agricultores, designadamente por causa da formação.

Com o objetivo de facilitar a vida aos agricultores do concelho, a Câmara e a AJAP juntaram-se para a organização de cursos, estando assegurados neste momento dois, mas está em aberto a possibilidade de um terceiro, se houver inscrições nesse sentido. No âmbito desta colaboração, o Município fornece as instalações e o formador, beneficiando os formandos, que usufruem dos cursos obrigatórios por um preço reduzido, em cerca de metade, face aos valores normalmente praticados.

Quem desejar mais informação sobre o assunto deverá dirigir-se ao Gabinete do Agricultor.

TERRAS DE BOURO ESCLARECE AGRICULTORES SOBRE PLANO DE DESENVOLVIMENTO RURAL

Gabinete de Apoio ao Agricultor de Terras de Bouro promoveu sessão de esclarecimento

O Salão Nobre da Câmara Municipal de Terras de Bouro acolheu, na manhã do dia 7 de março, uma sessão de esclarecimento sobre as temáticas “Pagamentos Diretos” e o “Plano de Desenvolvimento Rural”.

1

Perante uma plateia de interessados que encheu por completo o salão nobre e contando com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Terras d e Bouro, Dr. Joaquim Cracel, que introduziu a apresentação temática da Dr.ª Isabel Santana da CONFAGRI, o Gabinete de Apoio ao Agricultor do Município de Terras de Bouro proporcionou uma reunião onde foram esclarecidas todas as dúvidas sobre a questão dos pagamentos diretos e respetivas implicações e fundamentos, sendo que, foram apresentadas também as diretrizes do Pano Desenvolvimento Rural, assuntos que são da maior importância para todos os agricultores.

Relembramos ainda que a CONFAGRI, “Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal, CCRL”, foi constituída em Outubro de 1985, com a finalidade essencial de contribuir para o crescimento e desenvolvimento equilibrado e eficaz do Sector Cooperativo e, em especial, da Agricultura Portuguesa e é a estrutura de cúpula de praticamente todo o Universo Cooperativo Agrícola do nosso país.

2

3

PARTIDO PAN QUESTIONA GOVERNO SOBRE APOIO AO CULTIVO DE TRANSGÉNICOS

Elegibilidade dos OGM´s nas medidas agroambientais será revogada

  • PAN expôs as suas preocupações sobre alteração de portarias que prevê apoios a cultivos transgénicos
  • Capoulas Santos reconheceu que o acesso dos produtores de milho transgénico a fundos do PDR 2020 é “absurdo”
  • Compromisso do governo de revogação da portaria e de forte investimento na agricultura biológica e produção integrada

O deputado do PAN, Pessoas - Animais - Natureza, André Silva, questionou esta terça-feira o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, durante a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, para debater a proposta de Orçamento do Estado de 2016 (OE), sobre vários assuntos que não estão comtemplados no documento e, especificamente, sobre a falta de verbas que compromete o fomento de medidas agroambientais de agricultura biológica e produção integrada previstas, pelo anterior governo, no Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020).

O anterior programa (Portaria n.º 229-B/2008, de 6 de Março) que terminou em 2014 previa que não fossem atribuídos quaisquer apoios a cultivos transgénicos e o atual (Portaria n.º 25/2015 de 9 de fevereiro) é omisso quanto a esta questão, o que permite que os produtores de milho transgénico, o único OGM (Organismo Geneticamente Modificado) permitido em Portugal, se candidatem a estes fundos com plantações de regadio no Ribatejo e Alentejo.

O PAN pediu o apoio do Governo para revogar esta portaria e impedir que a “gigante” indústria mundial dos transgénicos tenha acesso a fundos públicos que poderiam ser canalizados para apoiar os pequenos agricultores e os modos de produção em agricultura biológica, que se assumem cada vez mais como uma oportunidade para a agricultura portuguesa.

Em resposta a esta exposição do PAN, o Ministro Capoulas Santos esclareceu que a “elegibilidade dos OGM´s nas medidas agroambientais foi uma enorme surpresa”, considerando-a um “absurdo” e que irá revogar a portaria para que, se houver alguma margem de abrir novas candidaturas por desistências, essa norma seja retirada.

PONTE DE LIMA APRESENTA PRODUTOS DE EXCELÊNCIA DO SETOR AGRO-ALIMENTAR

I Feira 100% Agrolimiano revelou-se um êxito

A Feira 100% Agrolimiano, que captou milhares de visitantes este fim-de-semana a Ponte de Lima, afirmou-se como um meio de desenvolvimento que fomenta e dinamiza a economia local.

100% Agrolimiano

Lançada pelo Município de Ponte de Lima, com o objetivo de promover todo o setor agroalimentar do concelho, um território onde a produção de qualidade é uma marca distintiva e um fator de promoção e atração, motivou o interesse de diversos parceiros, que se revelaram imprescindíveis na organização do certame.

Esta aposta passa pela seleção e potencialização de um conjunto de atributos específicos do nosso concelho, cujo reconhecimento permite definir as vantagens competitivas sustentáveis e baseadas em recursos endógenos e únicos.

Feira 100% Agrolimiano

Assim, em colaboração com os parceiros, produtores, expositores e empresários presentes nesta 1ª edição da feira, foi possível apresentar uma mostra de excelência do mundo rural, com venda e exposição de Vinho Loureiro e Vinhão, Enchidos e Fumados, Leite, Carne de Raças Autóctones, Cavalos, Fruta, Sidra, Mel, Cogumelos, Caracóis, e outros produtos 100% limianos! Realizaram-se vários workshops e showcookings, alusivos à temática, nomeadamente sobre, “Produção de cogumelos”, pela Engª Adelina Reis e “Produção de Mel”, pelo Dr. Paulo Garrido, ambos promovidos pela Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima. “Poda de Mirtilos”, apresentado pela empresa limiana Fragâncias Vermelhas, e “O Loureiro – da Viticultura à Enologia” apresentado pela Blue Wine, completaram o painel.

Feira Agrolimiano

Os temas em debate despertaram o interesse de profissionais e do público em geral, com “Novas Culturas/Novas Oportunidades” da responsabilidade do Engº Nelson Lima do Viveiro Lima, os “Subsídios Agrícolas RPB, MZD, MAA e Animais”, foi apresentado pela CAP – Confederação de Agricultores entre Douro e Minho; e a temática sobre “Bolsa Nacional de Terras” esteve a cargo da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas do Norte.

As atividades equestres e a exposição de animais concluíram um programa que enalteceu o melhor de Ponte de Lima, reforçando a promoção do concelho.

Horticolas

PONTE DE LIMA APOSTA NOS PRODUTOS DE EXCELÊNCIA

I Feira 100% Agrolimiano

O Município de Ponte de Lima promove nos dias 27 e 28 de fevereiro a I Feira 100% Agrolimiano – certame que visa promover todo o setor agroalimentar do concelho, um território onde a produção de qualidade é uma marca distintiva e um fator de promoção e atração.

Visite a excelência do mundo rural de Ponte de Lima, onde pode encontrar a venda e exposição de Vinho Loureiro e Vinhão, Enchidos e Fumados, Leite, Carne de Raças Autóctones, Cavalos, Fruta, Sidra, Mel, Cogumelos, Caracóis, e outros produtos 100% limianos! Vai ser apresentada uma mostra dos diversos produtos endógenos, de prestadores de serviços para o mundo rural, atividades equestres, workshops, showcookings, degustações, entre outros.

Assim, em colaboração com os parceiros deste evento, estão agendadas sessões de esclarecimento sobre “Subsídios Agrícolas RPB, MZD, MAA e Animais”, às 15 horas do dia 27, promovido pela CAP – entre Douro e Minho; segue-se a temática sobre “Bolsa Nacional de Terras” a cargo da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas do Norte. Para o primeiro dia estão ainda programados três workshops sobre “Produção de Cogumelos”, pela Engª Adelina Reis e “Produção de Mel”, pelo Dr. Paulo Garrido, ambos promovidos pela Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima.

Novas Culturas/Novas Oportunidades” é o terceiro workshop do dia, será às 18h45, da responsabilidade do Engº Nelson Lima do Viveiro Lima.

O programa do dia 28 inclui a apresentação da “Poda de Mirtilos”, um workshop que está sob a chancela da empresa limiana Fragâncias Vermelhas. Segue-se mais um tema, sobre um produto de excelência do concelho e da região, “O Loureiro – da Viticultura à Enologia” apresentado pela Blue Wine.

Em análise estarão ainda os queijos com o tema “Queijo fresco e iogurte de leite de vaca Minhota” promovido pela APACRA – Associação Portuguesa dos Criadores de Bovinos de Raça Minhota.

O Shwcooking sobre “Caracóis” pelo Chef Daniel Pinheiro, da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural está marcado para as 16h30 de domingo, seguindo-se às 17h30 “Variedades Regionais de Macieira: Recuperando um Património Perdido”, a cargo do Dr. Raul Rodrigues, da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima. A temática dos workshops termina com a degustação de Sidra, pela marca Sidra Corrupia.

Com um programa abrangente, dirigido a profissionais e ao público em geral, com exposição de animais e atividades equestres, esta I Feira 100% Agrolimiano, pretende cativar profissionais, distribuidores, empresários e consumidores para a excelência do mundo rural de Ponte de Lima.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA APOIA AGRICULTORES PREJUDICADOS PELAS INTEMPÉRIES

Intempéries – Apoios aos Agricultores

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez informa todos os agricultores que pretendam usufruir dos apoios do Ministério da Agricultura/DRAPN (Direção Regional de Agricultura e Pesca do Norte), no âmbito das intempéries ocorridas nos meses de janeiro e fevereiro de 2016, que deverão preencher até ao próximo dia 29 de fevereiro o formulário eletrónico disponível no seguinte endereço:http://www.drapnorte.pt/drapn/intemperies/.

Para mais informações poderão contactar os Serviços do Ministério da Agricultura, a Câmara Municipal, a Cooperativa Agrícola de Arcos de Valdevez e Ponte da Barca ou as Juntas de Freguesia.

Caso se dirijam a estes locais, deverão fazer-se acompanhar do NIFAP e documentos do Parcelário – IE e P3 – das parcelas onde ocorreram os prejuízos, e deverão ainda saber identificar e quantificar os estragos ocorridos.

BICMINHO APOIA EMPRESAS DO SECTOR AGROALIMENTAR NA INTERNACIONALIZAÇÃO E FINANCIAMENTO

26 de fevereiro, Salão Nobre da Câmara Municipal de Melgaço, 14h00

Seminário de encerramento do projeto LANPYMEXPORT vai discutir as principais oportunidades, apoios e incentivos que as PME da Euro-região Norte de Portugal - Galiza têm ao seu dispor para entrarem e se destacarem nos mercados internacionais.

agroalimentar 1

O BICMINHO, em cooperação com a Câmara Municipal de Melgaço, a ANFACO-CECOPESCA, a Confederación de Empresarios de Lugo e o Centro Tecnolóxico da Carne, reúne convidados nacionais e galegos de áreas como o apoio ao financiamento e investimento, governo e internacionalização, em Melgaço. O evento acontece na próxima sexta-feira, 26 de fevereiro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Melgaço, pelas 14h00, e marca o encerramento do projeto LANPYMEXPORT. A tendência para a crescente globalização da concorrência e dos mercados, o número cada vez mais vasto de setores e de atividades e a explosão da Internet fazem com que a Internacionalização faça parte integrante das preocupações estratégicas das empresas. Surgem novos desafios e é necessário definir com clareza uma estratégia sustentável. É nesse sentido que o evento, intitulado “Indústria Agroalimentar – Desafios e Soluções para o Financiamento e a Internacionalização”, vai dar a conhecer às empresas as principais soluções de financiamento e internacionalização que estão ao seu dispor, bem como identificar e dinamizar um conjunto de contactos comerciais que se concretizem em vendas e oportunidades de negócio.

A abertura do seminário estará a cargo do Presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista; do Presidente do BICMINHO, André Vieira de Castro; do Adjunto a Secretaria General de ANFACO-CECOPESCAO

CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO PEDE AJUDA AO GOVERNO

LESADOS DEVERÃO DIRIGIR-SE AOS SERVIÇOS LOCAIS DA DIREÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE ATÉ 3 DE MARÇO

A Câmara Municipal de Melgaço e a Proteção Civil, após o temporal que se fez sentir nos últimos dias no território, estão a realizar um levantamento exaustivo de todos os danos. Perante a gravidade da situação, o Presidente da Câmara, Manoel Batista, entende ser necessário adotar medidas excecionais com vista a repor a normalidade das condições de vida nas zonas mais abrangidas por tais acontecimentos. Neste sentido, é necessário que os agricultores lesados se dirijam aos serviços locais da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (Engº Afonso/Engº Sousa) para proceder ao seu registo, até ao dia 3 de Março.

Manoel Batista afirma estarmos perante “um cenário grave que exige do Governo a declaração da situação de calamidade pública e a consequente consignação de apoio para fazer face à situação vivida em Melgaço e para a qual os recursos financeiros da autarquia são escassos perante a intervenção que se impõe”.

PONTE DE LIMA APOSTA NA EXCELÊNCIA!

I Feira 100% Agrolimiano: Ponte de Lima aposta nos produtos de Excelência

O Município de Ponte de Lima promove nos dias 27 e 28 de fevereiro a I Feira 100% Agrolimiano – certame que visa promover todo o setor agroalimentar do concelho, um território onde a produção de qualidade é uma marca distintiva e um fator de promoção e atração.

Visite a excelência do mundo rural de Ponte de Lima, onde pode encontrar a venda e exposição de Vinho Loureiro e Vinhão, Enchidos e Fumados, Leite, Carne de Raças Autóctones, Cavalos, Fruta, Sidra, Mel, Cogumelos, Caracóis, e outros produtos 100% limianos! Vai ser apresentada uma mostra dos diversos produtos endógenos, de prestadores de serviços para o mundo rural, atividades equestres, workshops, showcookings, degustações, entre outros.

Assim, em colaboração com os parceiros deste evento, estão agendadas sessões de esclarecimento sobre “Subsídios Agrícolas RPB, MZD, MAA e Animais”, às 15 horas do dia 27, promovido pela CAP – entre Douro e Minho; segue-se a temática sobre “Bolsa Nacional de Terras” a cargo da Direção Regional de Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas do Norte. Para o primeiro dia estão ainda programados três workshops sobre “Produção de Cogumelos”, pela Engª Adelina Reis e “Produção de Mel”, pelo Dr. Paulo Garrido, ambos promovidos pela Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima.

Novas Culturas/Novas Oportunidades” é o terceiro workshop do dia, será às 18h45, da responsabilidade do Engº Nelson Lima do Viveiro Lima.

O programa do dia 28 inclui a apresentação da “Poda de Mirtilos”, um workshop que está sob a chancela da empresa limiana Fragâncias Vermelhas. Segue-se mais um tema, sobre um produto de excelência do concelho e da região, “O Loureiro – da Viticultura à Enologia” apresentado pela Blue Wine.

Em análise estarão ainda os queijos com o tema “Queijo fresco e iogurte de leite de vaca Minhota” promovido pela APACRA – Associação Portuguesa dos Criadores de Bovinos de Raça Minhota.

O Shwcooking sobre “Caracóis” pelo Chef Daniel Pinheiro, da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural está marcado para as 16h30 de domingo, seguindo-se às 17h30 “Variedades Regionais de Macieira: Recuperando um Património Perdido”, a cargo do Dr. Raul Rodrigues, da Escola Superior Agrária de Ponte de Lima. A temática dos workshops termina com a degustação de Sidra, pela marca Sidra Corrupia.

Com um programa abrangente, dirigido a profissionais e ao público em geral, com exposição de animais e atividades equestres, esta I Feira 100% Agrolimiano, pretende cativar profissionais, distribuidores, empresários e consumidores para a excelência do mundo rural de Ponte de Lima.

OS BALDIOS SÃO DO POVO!

À exceção do PSD e do CDS, todos os grupos parlamentares com assento na Assembleia da República aprovaram por maioria os projetos de resolução de BE, PCP e PEV para a cessação do decreto-lei do Governo PSD/CDS-PP, que regulamentavam a lei dos baldios, a qual impunha regras mais restritivas ao usufruto daqueles terrenos por parte de comunidades locais, nomeadamente através dos “compartes”.

SOBERANIA ALIMENTAR: UMA MERA QUESTÃO DE SOBREVIVÊNCIA

O BLOGUE DO MINHO agradece a colaboração dispensada pelo Partido PAN (Pessoas-Animais-Natureza), traduzido na oferta do artigo de opinião da Drª Bebiana Cunha, psicóloga na Câmara Municipal de Matosinhos e Comissária Política Nacional do PAN.

Por Bebiana Cunha, Comissária Política Nacional do PAN (Pessoas – Animais – Natureza)

Tenho assistido a acesas discussões sobre a aceitação dos organismos geneticamente modificados. Considero que tal como devemos ser capaz de decidir se aquilo que comemos implica a morte de um animal, ou se traz sangue e crueldade nas mãos, devemos ter o direito a ser informados sobre as consequências reais do consumo de organismos geneticamente modificados, nos animais, no ambiente, nos agricultores, nas pessoas em geral. Aliás, sempre defendi um rótulo sobre a história de cada produto, isento e neutro que nos permitisse decidir quais as empresas que queremos suportar, apoiar, através do consumo, um rótulo que nos ajudasse a sermos consumidores conscientes, sem termos que andar a investigar cada empresa ao pormenor.

Quando se fala de soberania alimentar recordo-me sempre do documentário “sementes da liberdade”, resultado de uma colaboração da Fundação Gaia e a Rede Africana de Biodiversidade (narrado pelo actor Jeremy Irons – o então embaixador da Boa Vontade das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), que nos mostra como apenas cinco empresas (Monsanto, DuPont, Syngenta, Bayer e BASF) estão a tentar controlar o mercado mundial de sementes, com consequências dramáticas na biodiversidade e qualidade dos alimentos. Ficou muito conhecida a história do agricultor Schmeiser que perdeu tudo o que tinha quando, após mais de 50 anos a reproduzir e selecionar as próprias sementes de colza, os seus campos foram contaminados por sementes geneticamente modificadas patenteadas, provenientes de colheitas adjacentes. Nesta situação, sob a lei de patentes, a colheita torna-se propriedade da empresa produtora da semente geneticamente modificada, tendo o agricultor perdido tudo por violação da patente, quando as suas culturas é que haviam sido objecto de contaminação.

Como podemos aceitar que se patenteie a vida de plantas e de animais (cf. Vacas “leiteiras” geneticamente modificadas)? Como se pode aceitar que a sobrevivência de pessoas – animais fique na mão de meia dúzia de empresas? Como se pode aceitar que sejam DDT (vulgo donas disto tudo)? A substituição das sementes naturais por sementes geneticamente modificadas envolve vários aspectos perversos, como o surgimento de super-pragas que obrigam os agricultores a recorrer aos pesticidas que os organismos geneticamente modificados prometiam dispensar, e daí a consequente poluição dos lençóis freáticos e a morte dos ecossistemas.Não esquecer também o empobrecimento dos solos devido aos consequentes usos dos agro-químicos e o endividamento dos agricultores, que todos os anos têm de comprar sementes novas, por estas serem estéreis.

No final da Segunda Guerra Mundial, quando as empresas dearmas químicas precisaram encontrar novas funções paraos seus produtos, desenvolveramfertilizantes e pesticidas. Entretanto, com a ajuda da Organização Mundial do Comércio, sob pressão de poderosas empresas, determinou-se que microorganismos e processos microbiológicos pudessem ser patenteados. Estava aberto caminho para as sementes geneticamente modificadas controlarem o mercado. Aquilo que é real, concreto e criador de vida dá lugar a mediações financeiras artificiais, leva ao desaparecimento da democracia e a fortes desigualdades económicas, sem qualquer controlo dos agricultores sob aquilo que produzem, sem qualquer controlo de cada um de nós sobre aquilo que cultiva na sua horta de subsistência.

Torna-se urgente uma união de forças entre agricultores e consumidores, premente pressionar todas as forças políticas para estarem do nosso lado nesta batalha de sobrevivência, para que possamos usufruir e deixar às gerações vindouras, aos nossos filhos e netos, um sistema alimentar diverso e rico. Guardar e trocar as nossas sementes sem ogm e sem patentes tem que ser um direito, ao mesmo tempo que o planeta precisa ser protegido do domínio das multinacionais, do uso de agro-químicos e os comércios justo e local devem ser incentivados. Não podemos permitir a imposição de leis baseadas no uniformismo, que criminalizam a diversidade e a liberdade das sementes, da natureza e consequentemente a nossa liberdade. É a altura de, em profunda solidariedade, defendermos juntos a liberdade alimentar e construirmos um presente e um futuro em que a nossa comida protege a vida e o bem-estardos ecossistemas, nos quais nos inserimos.

VIANENSES DEBATEM AGRICULTURA BIOLÓGICA

A Associação Portuguesa de Agricultura Biológica vai estar em Viana do Castelo, no dia 5 de Fevereiro, entre as 18h00 e as 20h30, no Auditório do Museu de Artes Decorativas, para um Seminário intitulado “Agricultura Biológica: Apoios numa Política Agrícola Comum mais verde”.

Na abertura do seminário estarão José Maria Costa, Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Manuel Cardoso, diretor regional da DRAP Norte e Jaime Ferreira, Presidente da direção da Agrobio.

Na segunda parte do seminário António Lopes da Agrobio falará sobre a alimentação, produção e comercialização da Agricultura Biológica assim como da formação existente e Nuno Russo dará a conhecer a Bolsa Nacional de Terras, uma medida do Ministério da Agricultura. A terceira parte do evento será dedicada aos Apoios da Política Agrícola Comum com a apresentação de Jaime Ferreira, presidente da direção da Agrobio.

A entrada é gratuita, mas a participação no seminário está sujeita a inscrição. A inscrição pode ser feita num formulário digital aqui.

Para informações gerais o número de contacto é o 213 641 354.

Contacto: Andrea

PARLAMENTO DEBATE PROJETO DE LEI APRESENTADO PELOS "OS VERDES" CONTRA O CULTIVO DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS

Iniciativa do PEV que impede cultivo de OGM em discussão no Parlamento

Discutiu-se hoje, dia 20 de janeiro, na Assembleia da República o Projeto de Lei 17/XIII/1 de Os Verdes que impede o cultivo e a libertação deliberada em ambiente de organismos geneticamente modificados (OGM).

O risco dos transgénicos para a saúde levou já a que muitos países da União Europeia tenham recusado o cultivo de OGM e, com esta iniciativa, o PEV pretende apelar a um olhar sério sobre o assunto, para que Portugal não se converta num “paraíso” da Monsanto, rejeitando, também ele, o cultivo de culturas transgénicas que comportam enormes riscos de contaminação de culturas tradicionais e biológicas.

Os Verdes relembram que esta iniciativa legislativa foi entregue na Assembleia da República em Novembro do ano passado e integrava um conjunto de 10 iniciativas sobre matérias que o PEV considerava de discussão urgentes.

PROJETO DE LEI Nº 17/XIII/1ª

IMPEDE O CULTIVO E A LIBERTAÇÃO DELIBERADA EM AMBIENTE DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS (OGM)

Nota justificativa

A rejeição dos organismos geneticamente modificados (OGM), por parte dos cidadãos dos diversos Estados da União Europeia, tem sido confirmada através de diversos estudos. Esta atitude crítica sustenta-se sobretudo nos riscos que os transgénicos podem representar para a saúde e para o ambiente, designadamente ao nível da perda de biodiversidade e de contaminações acidentais ou deliberadas. Desta forma, mais de 70% dos cidadãos recusam consumir alimentos transgénicos e cerca de 95% não admitem prescindir do direito de poderem rejeitar OGM.

A União Europeia não foi respeitadora da vontade dos cidadãos quando determinou que a informação ao consumidor em geral, e as normas de rotulagem em particular, não teriam que se suportar num esclarecimento cabal sobre a presença de transgénicos nos alimentos. A título exemplificativo, quando um alimento contém matéria transgénica em quantidade inferior a 0,9%, dispensa-se informação ao consumidor; em relação a produtos de origem animal, não se presta informação ao consumidor sobre se os animais foram alimentados com ração transgénica. A União Europeia preferiu deixar a porta aberta à salvaguarda dos interesses das multinacionais do setor agroalimentar.

Já em relação ao cultivo, foi em 1998 que a União Europeia autorizou o cultivo do milho transgénico MON810, no seu espaço geográfico. Esta decisão da União Europeia foi muito contestada, mas, ignorando o sentimento maioritário dos cidadãos, os organismos europeus preferiram ceder aos interesses da Monsanto (com 80% da quota de mercado mundial dos transgénicos) e, assim, dar entrada à realidade transgénica no mundo agrícola da União Europeia.

Em Portugal, o Partido Ecologista Os Verdes empenhou-se de várias formas, incluindo através de iniciativas legislativas, na aplicação de uma moratória relativa ao cultivo e à comercialização de OGM. Considerávamos que não estavam salvaguardados nem os direitos dos agricultores, nem dos cidadãos, nem a salvaguarda dos ecossistemas, e que, não sendo possível garantir a não contaminação entre culturas transgénicas e tradicionais ou biológicas, importava aplicar o princípio da precaução.

Infelizmente, as diferentes maiorias parlamentares assumiram sempre uma postura de aceitação incondicional da autorização europeia, referindo que não era possível proibir o que a União Europeia aceitara. O PEV nunca aceitou esta argumentação e, por isso, insistiu mais do que uma vez na questão da moratória. A verdade é que outros Estados Membro, face às incertezas sobre os efeitos dos OGM na saúde e no ambiente, decidiram proibir o cultivo de OGM no seu território. Assim fizeram a Alemanha, a Áustria, a França, a Polónia, entre outros. Enquanto isso, em Portugal continuou-se a abrir portas ao cultivo de OGM e garantiram-se procedimentos que não permitissem aos cidadãos ter um conhecimento rigoroso sobre a localização de culturas transgénicas, o que é absolutamente inadmissível se tivermos em conta casos como, por exemplo, o de um agricultor que se quer instalar e apostar em culturas biológicas e que, para garantir a segurança da sua produção, quer ter a certeza que não fica aproximado de uma propriedade agrícola que faz cultura OGM. Tratou-se de um profundo desrespeito para com os cidadãos.

Entretanto, a União Europeia determinou que a decisão de proibição do cultivo de OGM nos respetivos países passará a competir a cada Estado Membro. Nestas circunstâncias, um dos argumentos usados pelas consecutivas maiorias parlamentares e pelos consecutivos Governos, que consistia numa desresponsabilização própria, para se assumirem submetidos ao que a União Europeia autorizasse, deixa de poder ser usado. É tempo, portanto, de Portugal se desvincular da profunda leviandade com que tem permitido a presença de OGM nos nossos campos agrícolas e seguir o exemplo de uma grande parte de países da União Europeia (como Alemanha, Áustria, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Letónia, Lituânia, Polónia, entre outros) que proibiram o cultivo de OGM, por aplicação direta do princípio da precaução.           

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar Os Verdes apresenta o seguinte Projeto de Lei que toma como objetivo a proibição de produção e cultivo de OGM:

Artigo 1º

Objeto

Em conformidade com o princípio da precaução e tendo em vista a proteção da saúde humana e do ambiente, o presente diploma proíbe o cultivo de organismos geneticamente modificados, ou que por eles sejam constituídos, assim como a libertação deliberada no ambiente de organismos geneticamente modificados para qualquer fim.

Artigo 2º

Proibição de cultivo de OGM

A proibição de cultivo de organismos geneticamente modificados, ou que por eles sejam constituídos, inclui a aquisição e a receção na exploração agrícola das sementes de variedades geneticamente modificadas, bem como as operações do processo de produção e armazenamento na exploração agrícola, e ainda a entrega, pelo agricultor, dos produtos vegetais produzidos nas instalações de comercialização ou transformação.

Artigo 3º

Proibição da libertação deliberada em ambiente de OGM

A libertação deliberada no ambiente de organismos geneticamente modificados refere-se a qualquer introdução intencional no ambiente de um organismo geneticamente modificado ou de uma sua combinação, independentemente de intenção ou tentativas de limitar o contacto com a população e com o ambiente.

Artigo 4º

Exclusão do âmbito de aplicação

A presente lei não se aplica às ações controladas com fins de investigação científica ou com fins medicinais.

Artigo 5º

Regime aplicável às autorizações já existentes

1.Para efeitos do cumprimento dos números anteriores, são revogadas todas as autorizações já existentes e ficam sem efeitos as notificações rececionadas relativas à libertação deliberada no ambiente para fim diferente da colocação em mercado, bem como da colocação em mercado de organismos geneticamente modificados.

2.É estabelecido um período transitório, a regular por portaria, com vista à reconversão de culturas, para o caso em que os pequenos agricultores utilizem organismos geneticamente modificados.

Artigo 6º

Contraordenações

1.Constitui contraordenação punível com coima de € 15.000 a € 150.000,00, no caso de pessoas singulares, e de € 35.000,00 a € 350.000,00, no caso de pessoas coletivas, a violação do disposto no artigo 1º do presente diploma.

2.Constitui contraordenação punível com coima de € 10.000 a € 100.000,00, no caso de pessoas singulares, e de € 30.000,00 a € 300.000,00, no caso de pessoas coletivas, a violação do disposto no artigo 2º do presente diploma.

3.A tentativa e a negligência são sempre puníveis.

Artigo 7º

Sanções acessórias

Consoante a gravidade da contraordenação e a culpa do agente, podem ser aplicadas, simultaneamente com a coima, nos termos da lei geral, as seguintes sanções acessórias:

  1. a) Interdição do exercício da atividade;
  2. b) Privação do direito a subsídios ou benefícios outorgados por entidades ou serviços públicos;
  3. c) Privação do direito de participar em concursos públicos que tenham por objeto o fornecimento de bens e serviços e a concessão de serviços públicos;
  4. d) Encerramento do estabelecimento e destruição das culturas.

Artigo 8º

Regulamentação

O Governo regulamenta a presente lei no prazo máximo de 180 dias, a contar da data de publicação.

Artigo 9º

Norma revogatória

São revogadas todas as disposições legais que contrariem o disposto na presente lei, designadamente o Decreto-Lei nº 72/2003, de 10 de abril e o Decreto-Lei nº 160/2005, de 21 de setembro.

Artigo 10º

Entrada em vigor

A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Assembleia da República, Palácio de S. Bento, 3 de novembro de 2015

Os Deputados

Heloísa Apolónia                                                                  José Luís Ferreira

PONTE DE LIMA LANÇA 1ª FEIRA 100% AGROLIMIANO

Este evento, a realizar nos dias 27 e 28 de fevereiro, tem como principal missão promover todo o setor agroalimentar do concelho de Ponte de Lima, um território onde a produção de qualidade é uma marca distintiva e um fator de promoção e atração.

A Feira 100% Agrolimiano pretende transformar-se num espaço dedicado à exposição dos variados produtos de cultivo e fabrico local, assim como dos serviços associados ao mundo rural do concelho de Ponte de Lima, como a produção de vinho verde, leite, enchidos e fumados, animais, sidra, fruta, caracóis, cogumelos, mel, entre muitos outros, que contribuem para a dinamização da economia Limiana.

Perspetiva-se a realização de um evento inovador e único no âmbito do setor do Desenvolvimento Rural de Ponte de Lima, no sentido de motivar todos os parceiros envolventes, desde a produção, à distribuição e à comunicação.

Assim sendo, os empresários limianos ligados a este setor podem inscrever-se na 1ª Feira 100% Agrolimiano através desta ficha de inscrição, que deverá ser preenchida e devolvida o mais brevemente possível, para: terra-eventos@cm-pontedelima.pt.

PARTIDO “OS VERDES” QUESTIONA GOVERNO ACERCA DO PROCESSO DE PATENTEAMENTO DE PLANTAS E SEMENTES

PEV quer esclarecimentos por parte do Governo e entrega pergunta no Parlamento sobre a matéria

O Deputado José Luís Ferreira, do Grupo Parlamentar Os Verdes, entregou na Assembleia da República uma pergunta em que questiona o Governo, através do Ministério da Justiça, sobre os processos de patenteamento de plantas e sementes.

1003141_139756409564853_38033895_n

Pergunta

O Instituto Europeu de Patentes (IEP) tem vindo a possibilitar processos de patenteamento sobre plantas e sementes resultantes de cruzamento tradicional. Recentemente, o Instituto levou a cabo a audiência final sobre uma patente de tomate com conteúdo de água reduzido (EP1211926). Em março deste ano, o IEP usou o caso desta patente e de uma outra (semente de bróculos, EP1069819) para criar jurisprudência e assim definir como patenteáveis tanto plantas como animais derivados de cruzamentos tradicionais.

Apesar do Artigo 53(b) da Convenção Europeia de Patentes (CEP) proibir as patentes sobre variedades de plantas e processos de criação essencialmente biológicos, o IEP tem vindo a passar por cima das proibições existentes.

Estas decisões têm levado ao aumento generalizado dos protestos por parte dos cidadãos, organizações e países contra este tipo de patentes: a Áustria, França, Alemanha e a Holanda estão entre os países que criticam publicamente esta decisão do IEP.

O recente apelo da coligação internacional “No Patents on Seeds!” para impedir estas patentes foi subscrito por várias centenas de organizações em toda a Europa. Em Portugal, a coligação é apoiada por várias organizações não-governamentais com intervenção regular. Todos apelam a uma revisão da Lei Europeia de Patentes, de forma a excluir do seu regime, os meios e processos de cruzamento tradicional, as plantas, os animais e as suas características, bem como as colheitas e alimentos daí procedentes.

Os Verdes salientam a necessidade urgente de estancar este avanço do patenteamento da vida que não é mais do que privatizar património da Humanidade para benefício das grandes empresas. O INPI - Instituto Nacional de Propriedade Industrial, na dependência do Ministério da Justiça e que representa Portugal no IEP, deve defender o interesse dos cidadãos.

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito a S. exª O Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte Pergunta, para que o Ministério da Justiça possa prestar os seguintes esclarecimentos:

1 – Tem o Ministério da Justiça acompanhado a questão da concessão de patentes por parte do Instituto Europeu de Patentes?

2 - Qual é o posicionamento do Ministério e do Governo Português em relação a esta matéria?

3 - Qual é o posicionamento do Ministério e do Governo Português em relação à urgência de revisão da Lei Europeia de Patentes, de forma a excluir do regime de patentes, os meios e processos de cruzamento tradicional, as plantas, os animais e as suas características, bem como as colheitas e alimentos daí procedentes.

O Grupo Parlamentar Os Verdes

PAN QUER PROIBIR PRODUÇÃO E CULTIVO DE ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS

PAN apresenta Projeto de Lei pela proibição de produção e cultivo de OGM

O PAN – Pessoas – Animais – Natureza apresenta esta sexta-feira, na Assembleia da República, juntamente com outros partidos políticos, um Projeto de Lei com o objetivo de proibir a produção e cultivo de OGM.

Os organismos geneticamente modificados (OGM) patenteados por multinacionais da engenharia genética são apresentados como a solução para males como a fome no mundo, as alterações climáticas, a agricultura química, as doenças ou a subnutrição. Porém, o seu cultivo e consumo acarretam riscos para a agricultura, para a economia, para o ambiente, para a saúde humana e para a saúde dos animais não humanos.

Se, durante muitos anos, a legislação comunitária foi usada para justificar a não aprovação de projetos que visavam impedir o cultivo de OGM em Portugal, esse argumento caiu por terra quando, em Janeiro de 2015, a União Europeia passou para os Estados-membros a decisão de proibir ou não os cultivos de organismos geneticamente modificados. Rapidamente, vários Estados aproveitaram a ocasião para tomar medidas que asseguram uma maior segurança alimentar aos seus cidadãos e um ambiente mais saudável.

No que diz respeito aos vinte e oito Estados-Membros que compõem a União Europeia, dezanove já proibiram totalmente o cultivo de OGM’s ou aprovaram algum tipo de limitação ao seu cultivo. Posto isto, mais de 50% dos Países da União Europeia mostram resistências ao cultivo de OGM.

No nosso país, a nível regional e local também têm havido declarações de intenções claras face aos OGM. A Região Autónoma da Madeira declarou-se livre de cultivo de variedades de organismos geneticamente modificados a partir de Janeiro de 2008, um passo seguido pelos Açores em Maio de 2012. No continente, o Algarve e pelo menos 27 municípios de norte a sul do país também se declararam livres de OGM.

Com a produção de OGM, um agricultor dito “tradicional” está claramente em desvantagem e a situação será ainda mais evidente se se tratar de uma produção biológica (a qual se encontra em expansão). Isto acontece porque o produtor OGM consegue reduzir os seus custos de produção e assim ter maior rentabilidade, o problema é que que os seus custos não incorporam as externalidades, por esse motivo o preço dos alimentos que colocam no mercado estão abaixo do preço que na verdade deveriam estar.

De considerar ainda a extrema riqueza genética vegetal de Portugal, cujo valor científico e económico incontornável, aconselha, tendo por base o princípio da precaução, a não introdução de material com OGM, uma vez que, atendendo às dúvidas ainda existentes sobre a matéria, essas substâncias podem criar um risco negativo, atendo à probabilidade de poderem vir a alterar alguns aspetos ambientais, como também pela possibilidade, não desprezável, de existirem intromissões no nosso valioso património genético.

“Até que seja cabal e inequivocamente comprovado pela comunidade científica que estes organismos não têm impactos negativos no ambiente, na saúde, na agricultura, na economia e no desenvolvimento sustentável, o PAN defende a sua proibição. Parece-me muito sensato que, quando esteja em causa a saúde das pessoas, dos animais e a potencial degradação ambiental, vigore o princípio da precaução. E ao proibir o cultivo comercial de OGM, a Assembleia da República estará, sensatamente, a aplicar este princípio da precaução,”, recorda André Silva, Deputado do PAN.

CELORICO DE BASTO SENSIBILIZA AS CRIANÇAS PARA AS TÉCNICAS DA COMPOSTAGEM

“Contos de Jardim” elucidam crianças de Celorico de Basto para comportamentos amigos do Ambiente

O Município de Celorico de Basto em parceira com a Suma desenvolveram, durante o dia de ontem, 27 de outubro, uma campanha ambiental de sensibilização direcionada aos alunos do 4º ano 1º ciclo do Ensino Básico sobe a valorização por compostagem “Contos de Jardim”. A ação contemplou 152 alunos.

_DSC4554

“É cada vez mais urgente atuar no sentido da sensibilização para comportamentos amigos do ambiente. As crianças aprendem com facilidade e são muitas vezes, os grandes responsáveis pela mudança de comportamento do seu agregado familiar. Estas campanhas são feitas de forma divertida para que as crianças adquiram conhecimentos que muito facilmente possam reproduzir. Vivemos num meio rural por isso a compostagem deverá ser um comportamento habitual das famílias depois de conhecidas as mais-valias deste comportamento para o ambiente” reforçou o presidente da Câmara municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva.

_DSC4540

A ação apoiou-se no livro de estórias “Contos de Jardim” e atividades para jovens ecológicos que, e apelando à fantasia através de fábulas cujas personagens principais são animais promove a realização de atividades de grupo, de exterior e de contacto com a Natureza. Genericamente pretendeu-se incentivar a população para práticas de valorização de resíduos e para a poupança de recursos naturais.

Foi objetivo sobretudo, evidenciar as mais-valias da compostagem doméstica (transformação de resíduos orgânicos em adubo): redução da quantidade de resíduos que vão para aterro e, consequentemente, diminuição das idas ao contentor, e obtenção de um novo produto com utilidade a custo zero, que irá tornar plantas, flores e alimentos mais saudáveis e com mais qualidade.

_DSC4530

MUNICÍPIO DE BRAGA PROMOVE PALESTRA SOBRE SOLOS

Bracarenses desafiados a conhecer Bolsa Nacional de Terras

Potenciar o máximo aproveitamento e utilização do território rural é o objectivo da Bolsa Nacional de Terras, um projecto inovador do Ministério da Agricultura e do Mar que facilita o acesso às terras que não são utilizadas, facilita o encontro entre a oferta e a procura e promove a utilização das terras para fins produtivos.

REF8525

A temática foi abordada na palestra técnica sobre solos que o Município de Braga realizou na semana passada, no GNRation, em parceria com a Minhorigem - Associação Agro-Ecológica do Minho, integrada na Semana do Mundo Rural.

Durante a sessão, que contou com a participação de Altino Bessa, vereador do Ambiente, Energia e Desenvolvimento Rural, foram dadas a conhecer as potencialidades e os princípios da Bolsa Nacional de Terras. Altino Bessa desafiou os Bracarenses a conhecer melhor este instrumento inovador direccionado para quem procura terras para produzir ou investir, para quem é proprietário e não utiliza as suas terras e, ainda, para quem pretende concorrer às terras do Estado.

Nesta palestra, os participantes ficaram a saber que a bolsa de terras disponibiliza para arrendamento, venda ou para outros tipos de cedência as terras com aptidão agrícola, florestal e silvopastoril do domínio privado do Estado, das autarquias e outras entidades públicas, ou pertencentes a entidades privadas.

A bolsa dispõe de um Sistema de Informação da Bolsa de Terras, de acesso livre (www.bolsanacionaldeterras.pt), que centraliza e divulga informação sobre os prédios e os terrenos baldios disponibilizados na bolsa de terras (área, aptidão agrícola, florestal ou silvopastoril, características do solo, restrições à utilização, tipo de cedência pretendida e valor).

Na sessão, Nuno Russo, coordenador nacional do projecto revelou que, até 30 de Setembro deste ano, a Bolsa de Terras disponibilizou uma oferta total de 14.690 hectares, maioritariamente com aptidão agrícola.

Além da Bolsa Nacional de Terras, a palestra realizada no GNRation abordou as medidas de apoio à conservação do solo e a importância da matéria orgânica para as funções do solo e agricultura biológica.

A temática dos solos foi, de resto, um tema transversal à Semana do Mundo Rural. No âmbito desta iniciativa, o Município de Braga, em parceria com a Minhorigem, desafiou as instituições de ensino do Concelho a participar em diversas oficinas sobre sementeira de hortícolas, interacção entre solo e plantas e sobre a rotação de culturas para um bom equilíbrio do solo e raças autóctones.

MartaCMB23012014SERGIOFREITAS000001

BRAGA MOSTRA POTENCIALIDADES DO MUNDO RURAL

‘Semana do Mundo Rural’ começou hoje, no Campo da Vinha

Valorizar as actividades e tradições rurais, agrícolas e artesanais do Concelho é o objectivo da ‘Semana do Mundo Rural’, que o Município de Braga realiza entre hoje e o dia 11 de Outubro, no Campo da Vinha, no centro da Cidade.

IMG_7719

Organizada pelo Pelouro do Ambiente, Energia e Desenvolvimento Rural, a iniciativa inclui um vasto conjunto de actividades que terão como ponto alto o Cortejo Etnográfico das Freguesias, marcado para a tarde de Domingo, dia 11 de Outubro, a partir das 14h30.

Na abertura do certame, que decorreu hoje, 8 de Outubro, o vereador Altino Bessa salientou que a iniciativa constitui uma oportunidade para mostrar as potencialidades do mundo rural, reavivar as tradições e promover o património das freguesias do Concelho. “O evento é uma forma das freguesias mais rurais do Concelho mostrarem o que de melhor têm, as suas tradições, as ruas raízes culturais e os seus produtos”, referiu.

IMG_7710

Este ano, a Semana do Mundo Rural apresenta-se com mais stands e tem associada uma ‘Festa da Cerveja Artesanal’. Outra das apostas prende-se com a animação e concertos diários que irão decorrer no Campo da Vinha.

Altino Bessa salientou ainda a participação das freguesias que, além de terem sido convidadas para o cortejo etnográfico agendado para o próximo Domingo à tarde, foram desafiadas a ocupar um stand no recinto do certame e divulgar as suas actividades. “A este repto aderiram seis freguesias que vão estar cá durante todo o certame a divulgar as suas actividades e a sua dinâmica associativa”, referiu o vereador.

Artigos de artesanato, produtos hortícolas e frutícolas, fumeiro e queijos são os produtos que os visitantes poderão adquirir e degustar no mercado instalado no Campo da Vinha.

A Semana do Mundo Rural arrancou hoje, 8 de Outubro, com a animação a cargo do Grupo de Cavaquinhos da Academia Sénior, com o Mercado de Rua e a realização de jogos tradicionais. Para esta noite está agendado o concerto da Azeituna e a realização de uma palestra sobre solos, no GNRation.

Amanhã, dia 9, às 10h00, destaque vai para uma desfolhada com crianças e idosos, às 14h30, para a visita ao Banco Português de Germoplasma Vegetal e, à noite, para os concertos de ‘Zeca Torres & Luís Muxima’ e do Grupo de Cantares ‘Raízes do Cávado’.

No Sábado, dia 10, na Quinta Pedagógica, decorre o Curso de Agricultura Biológica e um ‘show cooking’ de ‘Papas de Sarrabulho’ e ‘Fidalguinhos’. Para este dia estão ainda agendadas visitas a produtores de Vinho Verde, ao Monte de Panoias e ao Mosteiro de S. Martinho de Tibães onde irá decorrer a tradicional desfolhada. Neste dia, a animação estará a cargo do Grupo de Cavaquinhos de Santa Tecla, Grupo de Concertinas e Cavaquinhos de Parada de Tibães, do ‘Canto D’Aqui’ e de Hugo Torres.

No Domingo, último dia do certame, o destaque vai para o Cortejo Etnográfico das Freguesias com saída do Campo da Vinha, às 14h30. Neste cortejo que irá percorrer as principais artérias do Centro Histórico, as freguesias do Concelho vão mostrar o seu património rural e cultural. No final do desfile, realiza-se uma desfilhada com a participação da Rusga de S. Vicente e Rusga de Merelim S. Paio. O programa de domingo inclui ainda, de manhã, oficinas sobre ‘Sementes Regionais – um património vivo’, sobre propagação de plantas aromáticas e medicinais e sobre vermicompostagem.

De referir que todas as actividades acima descritas poderão sofrer alterações.

IMG_7702

PONTE DE LIMA MOSTRA-SE EM BEJA

Ponte de Lima em destaque na Rural Beja, de 9 a 11 de outubro, um município alentejano liderado pelo vianense João Rocha da Silva, natural da freguesia de Perre

O vasto e rico património do concelho de Ponte de Lima vai estar em destaque mais uma vez na Rural Beja, a realizar de 9 a 11 de outubro.

PA175983__ (Small)

Ponte de Lima apresenta uma mostra de artesanato, o afamado vinho verde e os grandes eventos que o Município de Ponte de Lima dinamiza ao longo do ano. A par da mostra haverá ainda a degustação de produtos típicos do concelho.

Ponte de Lima associa-se a um certame estratégico que promoverá as potencialidades e recursos naturais do nosso território, com o objetivo de suscitar o interesse e a curiosidade de quem visita o certame.

PA175985 (Small)

Desta forma, esta presença na Rural Beja, visa trazer novos públicos a visitar in loco o concelho de Ponte de Lima que, ao longo dos tempos foi somando à sua beleza natural, toda uma rede de oferta cultural, patrimonial, ambiental, recreativa e enogastronómica de excelência.

O conjunto de infraestruturas de lazer criadas para dar resposta aos diversos projetos, eventos e iniciativas são parte de uma estratégia municipal que assenta num desenvolvimento turístico sustentável, sendo uma referência obrigatória em roteiros, guias e mapas turísticos.

O vasto Património Ambiental merece igualmente ser referenciado, sendo os trilhos, as ecovias e a Área de Paisagem Protegida das Lagoas de Bertiandos e de S. Pedro de Arcos, verdadeiros “templos” e ícones da preservação ambiental.

PA175986_ (Small)

CABECEIRAS DE BASTO INAUGURA AGROBASTO

Festas do Concelho: Agrobasto é aposta ganha

O presidente da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto, Francisco Alves, acompanhado pelo presidente da Assembleia Municipal, Eng. Joaquim Barreto, e pelos presidentes das Câmaras Municipais de Mondim de Basto e de Ribeira de Pena, Eng. Humberto Cerqueira e Arq. Rui Alves, inaugurou esta tarde a 39ª edição da Agrobasto –Exposição/Feira das Atividades Económicas de Cabeceiras de Basto, certame que decorre até ao dia 29 de setembro na Praça Arcipreste Francisco Xavier de Almeida Barreto e na cave da Casa da Juventude de Cabeceiras de Basto (Mercado Municipal).

Exposição pecuária

À comitiva juntaram-se os vereadores da Câmara Municipal, bem como os presidentes das Juntas de Freguesia.

Na oportunidade, o presidente da Câmara salientou que “a Agrobasto é a afirmação do potencial económico e turístico do nosso concelho e da nossa região”, onde estão representados os quatro concelhos das Terras de Basto – Cabeceiras de Basto, Mondim de Basto, Celorico de Basto e Ribeira de Pena.

Exposição - tratores e alfaias agrícolas

Para Francisco Alves, a 39ª edição da Agrobasto “é uma aposta ganha”, não só pelo número de produtores/expositores participantes neste certame, como também pela excelência dos produtos e do numeroso público que atrai anualmente.

“A Agrobasto engrandece as Festas do nosso Concelho e nós estamos muito satisfeitos. E, por isso, temos de continuar a apostar nestas atividades que são uma mais-valia para o concelho e para toda esta região”, realçou o presidente da Câmara Municipal.

De acordo com as palavras do autarca, “esta organização representa um investimento” na economia local.

Por fim, Francisco Alves deixou um convite a todos para que visitem as Festas do Concelho de Cabeceiras de Basto e para que degustem a nossa “gastronomia de excelência”.

Stand do Município de Cabeceiras de Basto na Agro

Organizada pela Câmara Municipal, a Agrobasto para além de se assumir como uma grande montra de equipamentos, produtos e serviços, visa também a promoção socioeconómica das Terras de Basto. No total, mais de 100 expositores marcam presença nesta edição 2015 do certame.

Tratores e alfaias agrícolas, máquinas para a construção civil, viaturas automóveis, artesanato urbano, produtos do lar, tasquinhas, produtos agroalimentares, artesanato local, instituições, criadores de gado bovino (Barrosã, Maronesa e Minhota), caprino (Bravia), ovino (Bordaleira D’entre Douro e Minho), cavalar (Garrano) e suíno (Porco Bizaro) estão em destaque nesta 39ª exposição. O fumeiro tradicional, os vinhos, a doçaria tradicional, o mel, as compotas, os licores, o artesanato de lã, linhos e tanoaria também estão representados. O recinto compreende ainda espaços destinados à exposição pecuária, à fauna e flora.

De salientar que a promoção gastronómica acontece nas várias tasquinhas, num espaço montado para o efeito no recinto da feira, onde serão servidos os pratos tradicionais da região acompanhados pelos vinhos verdes de Basto.

Esta noite, a partir das 21h30, o grupo de música tradicional portuguesa ‘Sons do Minho’ atua no palco da Agrobasto, estando agendado para amanhã, nesse mesmo palco, o Encontro de Folclore com o Rancho Folclórico S. João Baptista de Cavez, Rancho Folclórico ‘Os Camponeses de Arosa’, Rancho Folclórico De S. Nicolau de Basto e o Grupo Folclórico ‘As Lavradeiras da Vila de Cavez’. Na noite de domingo, o palco será entregue aos cantadores ao desafio Sara Cristina de Gaia, Lopes de Travassô e Carvalho de Cucana, e no domingo e na segunda-feira às concertinas.

Do programa das Festas de S. Miguel destaca-se amanhã à noite, dia 26 de setembro, a atuação do popular artista português Mickael Carreira, jovem cantor do momento que arrasta consigo multidões e que levará ao rubro o Parque do Mosteiro. O espetáculo acontece a partir das 22h30 e a entrada é gratuita.

AGROBASTO TEM MAIS DE UMA CENTENA DE EXPOSITORES

Mais de 100 expositores na edição 2015 da Agrobasto

Mais de 100 expositores estarão presentes na edição 2015 da Agrobasto –Exposição/Feira das Atividades Económicas de Cabeceiras de Basto, certame cuja abertura ao público está marcada para amanhã, dia 25 de setembro, a partir das 17 horas.

Tratores e alfaias agrícolas, máquinas para a construção civil, viaturas automóveis, artesanato urbano, produtos do lar, tasquinhas, produtos agroalimentares, artesanato local, instituições, criadores de gado bovino (Barrosã, Maronesa e Minhota), caprino (Bravia), ovino (Bordaleira D’entre Douro e Minho), cavalar (Garrano) e suíno (Porco Bizaro) estarão em exposição na Praça Arcipreste Francisco Xavier de Almeida Barreto e na cave da Casa da Juventude de Cabeceiras de Basto (Mercado Municipal).

O fumeiro tradicional, os vinhos, a doçaria tradicional, o mel, as compotas, os licores, o artesanato de lã, linhos e tanoaria também vão estar representados neste certame.

De salientar que a promoção gastronómica estará a cargo da ‘Casa do Coucieiro, Enchidos Regionais’, no restaurante na Cave do Mercado, que servirá os pratos tradicionais da região acompanhados pelos vinhos verdes de Basto.

O recinto compreenderá ainda espaços destinados à exposição pecuária à fauna e flora.

No que se refere à animação, pelo palco da Agrobasto vão passar o grupo de música tradicional portuguesa ‘Sons do Minho’, os cantadores ao desafio Sara Cristina de Gaia, Lopes de Travassô e Carvalho de Cucana, a Ronda das Concertinas, folclore, entre outros.

Organizada pela Câmara Municipal, a Agrobasto para além de se assumir como uma grande montra de equipamentos, produtos e serviços, visa também a promoção socioeconómica, cultural e turística das Terras de Basto.

FEIRA AGRÍCOLA E DOS PRODUTOS TRADICIONAIS ANIMA VILA PRAIA DE ÂNCORA DE 25 A 27 DE SETEMBRO

Baile tradicional vai marcar a noite de sábado

Vila Praia de Âncora vai acolher de 25 a 27 de setembro a Feira Agrícola e dos Produtos Tradicionais. Exposição de alfaias agrícolas antigas, passeios a cavalo, produtos e artesanato tradicionais, workshops, palestras, passeio botânico e animação com destaque para o Baile Tradicional que terá lugar no sábado, são as propostas desta edição do certame.

Esta mostra visa a divulgação da agricultura e a comercialização dos seus produtos, bem como a promoção de debates sobre questões relacionadas com o setor primário.

O Parque Dr. Ramos Pereira vai servir de cenário a esta edição. Durante os três dias, as propostas de animação são muitas. No sábado, vão decorrer os workshops de culinária “os vegetais em compotas” e sobre plantas aromáticas “Bebidas com sabor”. Durante os três dias, os mais pequenos podem participar nos workshops infantis “A minha horta” e “A viagem da sementinha”.

As palestras também ocupam um lugar de destaque. No sábado, vai decorrer a palestra “os cães de gado – caraterísticas e potencialidade” e no domingo “A legislação aplicada à apicultura”, seguida de provas de mel e broas comentadas.

Este cartaz integra um Passeio Botânico pelas margens do Rio Âncora, que terá lugar no sábado à tarde.

A animação vai ser constante e está a cargo de grupos do concelho, com destaque para: o Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora, o Grupo de Danças e Cantares Genuínos da Serra d’Arga, o Grupo de Cantares de Orbacém e a Academia de Dança e Música Tradicional de Caminha.

Para além da animação, no Parque Dr. Ramos Pereira, estarão patentes a exposição/venda de produtos e artesanato tradicionais, a troca de sementes de variedades tradicionais, a exposição de alfaias agrícolas antigas e o visitante ainda poderá fazer passeios a cavalo.

Caminha, 23 de setembro de 2015

Gabinete de Informação ao Munícipe

Programa:

Sexta-feira, 25 de setembro

19H00 – Abertura Oficial

Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora

Animação de rua

21H30 –Atuação do Grupo de Danças e Cantares Genuínos da Serra d’Arga

Local: Palco do Parque Dr. Ramos Pereira

24H00 – Encerramento

Sábado, 26 de setembro

10H00 – Abertura

Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora

Animação de rua

11H00 – “Os Vegetais em Compotas” – workshop de culinária

Colaboração: Licomda – Licores e Compotas

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

14H30 – Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora

Animação de rua

15H00 – “Bebidas com Sabor” - workshop sobre plantas aromáticas

Colaboração: Aromáticas Vivas e Carlos Venade

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

16H00 – Passeio Botânico

Colaboração: Carlos Venade

Local: margens do rio Âncora

17H00 - “Os Cães de gado – Características e Potencialidades” - palestra

MUNICÍPIO DE CAMINHA

Colaboração: Associação Portuguesa do Cão de Castro Laboreiro

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

18H00 – Atuação do Grupo de Cantares de Orbacém

Local: Palco do Parque Dr. Ramos Pereira

22H00 – Baile Tradicional

Concertinas, cavaquinhos e outros instrumentos tradicionais

Colaboração: Academia de Dança e Música Tradicional de Caminha

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

24H00 – Encerramento

Domingo, 27 de setembro

10h00 – Abertura

Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora

Animação de rua

10H30 – A legislação aplicada à apicultura

(produtos homologados, rotulagem e georreferenciação)

Colaboração: Miguel Maia - APIMIL

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

11H30 – Provas de mel e broa comentadas

Colaboração: APIMIL e Escola Superior Agrária de Ponte de Lima

Local: Parque Dr. Ramos Pereira

14H30 –Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora

Animação de rua

15H30 – Atuação da Academia de Dança e Música Tradicional de Caminha

Local: Palco do Parque Dr. Ramos Pereira

19H00 - Encerramento

HORTA PEDAGÓGICA DE GUIMARÃES É FINALISTA DO GREEN PROJECT AWARDS 2015

Adiada cerimónia de entrega de prémios

Anúncio dos vencedores da 8ª edição estava inicialmente marcado para esta terça-feira, 15 de setembro, em Lisboa. Horta Pedagógica de Guimarães, com 10 hectares de terreno no coração da cidade, é projeto finalista.

Green_Project_Awards_2015

A organização alterou a data da entrega dos troféus aos vencedores da 8ª edição do Green Project Awards, iniciativa de âmbito ambiental na qual Guimarães é uma das cidades finalistas, tendo candidatado a Horta Pedagógica à categoria “Consumo Sustentável”, à qual concorrem mais seis projetos a nível nacional. Os vencedores serão conhecidos durante a realização de uma cerimónia cuja data será oportunamente divulgada pela entidade promotora.

O Green Project Awards é um projeto internacional, com edições em Portugal, no Brasil e em Cabo Verde. Após a receção de mais de 1000 candidaturas e a distinção de mais de 80 projetos e iniciativas, este concurso, que já vai na sua 8ª edição, mantém o seu propósito inicial de reconhecer as boas práticas em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Premiar e reconhecer boas práticas como complemento ao movimento de sensibilização para as temáticas da sustentabilidade, alertando e consciencializando a sociedade civil para a importância do equilíbrio ambiental, económico e social, são alguns dos objetivos do Green Project Awards Portugal 2015, que procura uma repercussão positiva no comportamento dos cidadãos e decisores em geral, fazendo da inovação e eficácia um caminho para a sustentabilidade.

A Horta Pedagógica de Guimarães, uma das primeiras do país, está inserida numa área agrícola por excelência, na Veiga de Creixomil, a uma altitude média de 152 metros, inserida na sub-bacia hidrográfica do rio Selho, sendo atravessada pela Ribeira de Couros. 525 utentes ocupam um total de 6,5 hectares de terreno no coração da cidade, num espaço privilegiado de lazer e convívio com a natureza, juntando aos 3,5 hectares para projetos inovadores da base agrícola. Os solos da Horta Pedagógica estão classificados na Reserva Agrícola Nacional, Reserva Ecológica Nacional e Domínio Hídrico.

CELORICO DE BASTO DÁ A CONHECER A QUINTA DE SANTA CRISTINA

Quinta de Santa Cristina convida a viver a tradição das vindimas na região demarcada dos Vinhos Verdes

A vindima é o culminar de um ano árduo de trabalho, sendo um momento de celebração do vinho e das tradições. A Quinta de Santa Cristina, em Celorico de Basto, na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, terá disponível o programa de vindimas de 7 a 30 de setembro. Os visitantes poderão experienciar um dia na vindima, desde a apanha da uva, até à pisa a pé no tradicional lagar de pedra, não esquecendo a gastronomia regional típica desta época.

20150903_183513

A experiência inicia-se com um café de boas vindas onde o visitante é desde logo convidado a degustar o espumante branco Quinta de Santa Cristina, acompanhado por biscoitos tradicionais.

Após a entrega do kit de vindimas que inclui uma t-shirt, chapéu, fita de pescoço, garrafa de água e tesoura de poda, será dada uma pequena explicação sobre o processo de vindima. De seguida, os visitantes são convidados a dar um passeio pelas vinhas, observando as diferentes castas e a participar ativamente na vindima.

Pela hora de almoço, será servido um piquenique regional, junto à vinha, sendo possível degustar algumas iguarias típicas da região, como pataniscas, salada de bacalhau, bola de carne, broa de milho, enchidos e queijos variados, compotas e tostas, acompanhadas dos vinhos Quinta de Santa Cristina Escolha, rosé e tinto.

Na parte da tarde, os visitantes terão a possibilidade de conhecer a adega e todo o processo de vinificação e participar em jogos tradicionais, como o jogo da malha ou da corda. No dia, em que estiver a decorrer a vindima das castas tintas, os visitantes poderão ainda usufruir da experiência de pisar a pé as uvas no tradicional lagar de granito.

A tarde termina ao som de música tradicional, com uma degustação de vinhos Quinta de Santa Cristina (Alvarinho, Alvarinho-Trajadura e Loureiro-Alvarinho) acompanhada de queijo de ovelha, com cura de 60 e 90 dias.

No final, será entregue um diploma de participação a todos os visitantes.

O programa está disponível para grupos de 6 a 25 pessoas, mediante reserva antecipada e tem o valor de 55 euros por pessoa. Existe a possibilidade de incluir jantar, num restaurante da região, sendo o valor, neste caso, de 75 euros por pessoa.

Contacto para informações e reservas:

E-mail: enoturismo@garantiadasquintas.com

Tlf: +351 912 527 396

A Quinta de Santa Cristina, com cerca de 50 hectares, tem uma história secular, pertencendo à família há várias gerações. Em 2004, foi criada a Garantia das Quintas, empresa responsável pela gestão da Quinta de Santa Cristina desde essa altura, que se dedica preferencialmente à elaboração e comercialização de vários produtos na área da vitivinicultura.

Situada em Veade, Celorico de Basto, a Quinta de Santa Cristina faz parte da Região Demarcada dos Vinhos Verdes, sub-região de Basto, uma das maiores e mais antigas regiões demarcadas do mundo. Encontra-se a 85 km (45 minutos) do Porto, a 25 km de Amarante, 35 km de Guimarães e 60 km da cidade de Braga, usufruindo de bons acessos.

Nas vinhas, a uma altitude entre 300 e os 400 metros, estão plantadas diferentes castas da região, incluindo a Batoca, uma casta típica e praticamente limitada à sub-região de Basto.

Na adega, construída de raiz em 2012 e com uma capacidade instalada de 1 milhão de litros, são atualmente produzidos cerca de 500 mil litros entre vinhos e espumantes brancos, tintos e rosés, que contam já com vários prémios e distinções em concursos nacionais e internacionais. São produzidas 14 referências que são comercializadas em Portugal e outros países como Brasil, Alemanha ou Luxemburgo.

Saiba mais sobre a Quinta de Santa Cristina em:

www.garantiadasquintas.com

https://www.facebook.com/quintadesantacristina

https://instagram.com/quintadesantacristina/

https://twitter.com/Qt_Sta_Cristina

https://www.pinterest.com/qtastacristina/

https://www.youtube.com/channel/UCwcoZxK87dVo52TGOyKTJhA

Vista geral adega Frente

HORTA PEDAGÓGICA DE GUIMARÃES É FINALISTA DO GREEN PROJECT AWARDS

Vencedores anunciados na próxima semana

Candidatura vimaranense enaltece um total de 10 hectares de terreno no coração da cidade. Património ambiental de elevada qualidade e importância é, também, um espaço privilegiado de lazer e convívio com a natureza.

Horta_Pedagogica_Social

Guimarães é uma das cidades finalistas da edição deste ano do Green Project Awards, tendo candidatado a Horta Pedagógica à categoria “Consumo Sustentável”, à qual concorrem mais seis projetos a nível nacional, cujos vencedores serão conhecidos na cerimónia de entrega de prémios que terá lugar em Lisboa, na próxima terça-feira, 15 de setembro.

O Green Project Awards é um projeto internacional, com edições em Portugal, no Brasil e em Cabo Verde. Após a receção de mais de 1000 candidaturas e a distinção de mais de 80 projetos e iniciativas, este concurso, que já vai na sua 8ª edição, mantém o seu propósito inicial de reconhecer as boas práticas em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Premiar e reconhecer boas práticas como complemento ao movimento de sensibilização para as temáticas da sustentabilidade, alertando e consciencializando a sociedade civil para a importância do equilíbrio ambiental, económico e social, são alguns dos objetivos do Green Project Awards Portugal 2015, que procura uma repercussão positiva no comportamento dos cidadãos e decisores em geral, fazendo da inovação e eficácia um caminho para a sustentabilidade.

A Horta Pedagógica de Guimarães, uma das primeiras do país, está inserida numa área agrícola por excelência, na Veiga de Creixomil, a uma altitude média de 152 metros, inserida na sub-bacia hidrográfica do rio Selho, sendo atravessada pela Ribeira de Couros. 525 utentes ocupam um total de 6,5 hectares de terreno no coração da cidade, num espaço privilegiado de lazer e convívio com a natureza, juntando aos 3,5 hectares para projetos inovadores da base agrícola. Os solos da Horta Pedagógica estão classificados na Reserva Agrícola Nacional, Reserva Ecológica Nacional e Domínio Hídrico.

Novas formas de ocupação do solo

Com um diversificado programa de atividades pedagógicas, culturais e sociais, visando sensibilizar a adoção de boas práticas agrícolas associadas à agricultura biológica, com a atribuição de talhões às escolas, a Horta Pedagógica apresenta um conjunto de iniciativas de educação ambiental, nomeadamente um espaço dedicado à compostagem, eventos relacionados com as boas práticas de cultivo, celebração de datas comemorativas do calendário rural e ambiental, entre outras iniciativas com temáticas de proximidade.

Ao mesmo tempo, a Horta Social e Pedagógica de Guimarães desenvolveu uma base de inovação e experimentação relacionada com as práticas agrícolas, novas formas de ocupação do solo, nomeadamente a implementação recente de um laboratório de experimentação horto-florícola/frutícola, e projetos inovadores incorporando novas experiências e novas fileiras, considerando-se o início de uma incubadora de empresas de base agrícola.

A Horta Pedagógica de Guimarães, cuja 3ª e última fase foi inaugurada a 20 de dezembro de 2014, é um espaço de domínio público onde se possibilita a melhoria da qualidade de vida das populações e o aumento da experiência prática e sensorial na ligação com a natureza, que se traduz na possibilidade de contacto entre a população e as espécies agrícolas utilizadas na alimentação, através do envolvimento das pessoas nas mais diversas atividades. A agricultura periurbana e urbana assume um papel fulcral de interesse cultural, social, recreativo e económico, na medida em que, além do abastecimento da família, se foca na ocupação sadia dos tempos livres.