Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

POVO DE LISBOA AFLUIU AO LARGO DO CARMO PARA CELEBRAR O 25 DE ABRIL

O Largo do Carmo e as ruas que lhe dão acesso encontravam-se hoje de manhã apinhadas de gente, porventura mais gente ainda do que aquela que há quarenta anos ali se concentrou para apoiar os militares no cerco ao Convento do Carmo onde então se havia refugiado o Presidente do Conselho de Ministros, Prof. Marcello Caetano. A explicação é simples e, parafraseando o próprio Capitão Salgueiro maia, encontra-se no estado a que o país chegou.

40Anos25Abril 068

Em nome da Associação 25 de abril, Vasco Lourenço usou da palavra para lembrar que “a situação atual é inaceitável”, acrescentando que “em nome da pátria, há que mudar urgentemente de caminho, ou este governo tem de ser apeado”. Bastante aplaudido pelo povo, disse ainda que “Chegou o momento de dizer Basta!” e que “é preciso repensar a nossa pertença ao euro e à União Europeia”.

A propósito da ausência dos capitães de abril nas cerimônias oficiais que tiveram lugar na Assembleia da Republica, Vasco Lourenço foi perentório ao referir que “os detentores do poder assumem-se cada vez mais como os herdeiros dos derrotados do 25 de Abril”.

A comemoração no largo do Carmo serviu ainda para homenagear o Capitão Salgueiro Maia e os demais militares já falecidos, tendo no local sido depositada uma coroa de flores.

As celebrações prosseguiram na rua António Maria Cardoso, junto à sede da extinta Direcção-Geral de Segurança, vulgo PIDE/DGS, com a homenagem às vítimas mortais que ali ocorreram no 25 de abril de 1974.

Durante a tarde, o habitual desfile comemorativo contou com a participação de um número maior de pessoas em relação ao que tem sido habitual nos últimos anos, caraterizado por um constante declínio da participação popular.

Fonte: http://bloguedelisboa.blogs.sapo.pt/

40Anos25Abril 021

40Anos25Abril 007

40Anos25Abril 029

40Anos25Abril 035

40Anos25Abril 129

40Anos25Abril 049

40Anos25Abril 140

40Anos25Abril 183

40Anos25Abril 187

40Anos25Abril 273