Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

COMUNICADO CONJUNTO CEVAL, CÂMARA MUNICIPAL DE CERVEIRA E CÂMARA MUNICIPAL DE VALENÇA

Acessibilidades no Alto Minho – Conclusão da A 28 até Valença e conexão às áreas empresariais

Em recente Assembleia de CECOTRAN – Centro de Cooperação Empresarial Transfronteiriça, que agrega Estruturas Empresariais do Norte de Portugal e da Galiza, as acessibilidades na região e a internacionalização das nossas empresas mereceram, mais uma vez, o destaque no conjunto dos temas abordados. Referimos–nos muito concretamente às ligações rodoviárias e ferroviárias no Noroeste Peninsular, onde se destaca a ligação ferroviária para passageiros e mercadorias Porto – Viana do Castelo – Vigo, com seguimento para Ourense e Madrid, e a A28, Porto – Viana do Castelo – Valença.

Quanto à primeira, a CEVAL – Confederação Empresarial do Alto Minho, a Câmara Municipal de Valença e a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira congratulam–se com o lançamento do concurso para a modernização da linha do Minho, no troço Viana do Castelo – Valença, que agora se realiza, complementado com outros procedimentos já executados, que evidenciam a sua prioridade e respondem às reivindicações, cumprindo-se a calendarização prevista, de Empresários e Autarcas.

Quanto à A 28, mantêm–se integralmente os motivos de insatisfação, protesto e reivindicação de toda uma região. Está também em causa, com fortíssima incidência para Valença e Vila Nova de Cerveira, a não conclusão da ligação até Valença com a imprescindível conexão às áreas empresariais dos dois concelhos. O trabalho e esforço quotidiano de Empresários e Autarcas na diplomacia económica, na negociação e instalação de novos projetos, na criação de emprego, cada vez mais qualificado, e na criação de riqueza para a região terá de ser acompanhado pela criação de infraestruturas que facilitem mobilidade, a coesão territorial e a cooperação intermunicipal.