Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

CERVEIRA HOMENAGEIA MÃES, ESPOSAS E NAMORADAS DOS COMBATENTES DO ULTRAMAR

Reposição de Memorial: “Às mães, às esposas e às namoradas da Guerra Colonial”

Uma sentida e reconhecida homenagem aos que partiram para a Guerra do Ultramar, mas também aos que por cá ficaram com muitas incertezas e saudade. Foi com esta mensagem que o autarca cerveirense apresentou, no Dia de Portugal, a escultura de uma mulher com olhar longínquo e uma na mão uma carta com estados de alma. Novo Memorial de Homenagem aos Heróis do Ultramar mantém assinatura do escultor Sousa Pereira.

Como diz o ditado popular, “por detrás de um grande homem está sempre uma grande mulher”, e os jovens combatentes cerveirenses da Guerra Colonial foram prova disso. “Às mães, às esposas e às namoradas”, disse o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira. Com o descerramento da Bandeira de Portugal que cobria a escultura, a expressão dos presentes foi um uníssono “Wow!” e seguida de aplausos quando se vislumbrou a figura feminina.

Sublinhando o momento solene “simples, mas carregado de forte simbolismo”, o edil cerveirense explicou que o novo memorial “recorda os que deram a vida em nome de um bem superior de honrar a pátria, mas também a memória daqueles que viram partir os entes queridos para a incerteza”. Fernando Nogueira sublinhou que o sentimento da saudade está bem presente nesta obra, “desde logo pela imagem da carta na mão, cujo conteúdo fica à imaginação e sensibilidade de cada um”.

O escultor Sousa Pereira realçou que a conceção feminina da escultura assenta em várias razões: não repetir a temática da primeira escultura centrada na figura do combatente, homenagear a coragem das mulheres desta Guerra por estarem muito esquecidas, e o seu próprio exemplo. “Estive na guerra, sofri muito, mas senti que os meus pais sentiram muito a minha partida. Quando parti, a minha mãe tinha os cabelos castanhos, e quando regressei, a cor branca predominada. Pode ter sido coincidência, mas foi um momento muito marcante para mim. Mãe é mãe”, recordou.

O ato solene contou ainda com a interpretação do Hino Nacional pelo Coro Polifónico de Vila Nova de Cerveira e com a deposição de uma coroa de flores. Recorde-se que o memorial aos militares do concelho falecidos na Guerra Colonial, inaugurado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, a 01 de Outubro de 2008, na Avenida dos Heróis do Ultramar, foi vandalizado em 2014.