Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

EM 1911, JUIZ DA COMARCA DE ARCOS DE VALDEVEZ REFUGIOU-SE NA GALIZA PARA ESCAPAR À SANHA PERSECUTÓRIA DOS REPUBLICANOS

Segundo notícia publicada no jornal “República Portuguesa”, de 11 de março de 1911, o Dr. Assis Teixeira, Juiz da Comarca de Arcos de Valdevez, refugiou-se em Espanha para se subtrair às autoridades republicanas daquele concelho por alegadamente ter instigado diversos sacerdotes a ler uma pastoral que havia sido proibida pelo regime então vigente. O artigo, enviado pelo correspondente local do referido periódico, apenas vem assinado com um enigmático “C.” mas o seu autor identifica-se claramente com a linha ideológica seguida pelo jornal que se intitula “Diário Republicano Radical da Manhã” e, sob o cabeçalho, ostenta o lema “intransigência, verdade e justiça”. Transcreve-se o artigo em questão respeitando-se a grafia da época.

Fuga de juiz da comarca – Impressos Jesuíticos ocultos n’uma floresta – O bispo de Beja

Valença d Minho, 8. – Há dias refugiou-se em Tuy, Hespanha, subtrahindo-se às auctoridades dos Arcos de Val de Vez, o juíz d’esta comarca, dr. Assis Teixeira, por instigar diversos sacerdotes d’aquelle concello a lêr a pastoral.

O referido juiz foi proposto, há tempos, a deputado pelo partido nacionalista. E foi um homem d’estes que, na visita do governador civil, dr. Alfredo de Magalhães, a esta villa, foi convidado pelo administrador a presidir à sessão no Theatro Valenciano, n’uma conferencia de propaganda republicana feita pelo ilustre estadista!

Como encarará o administrador o caso, tão triste, da fuga do juiz, ao vêr o erro que cometeu, julgando que a presidência estava confiada a um homem, “adesivo”, que defendia a causa republicana?

“Pater demitie illi quod nescit quid facit”.

- Foi encontrado n’uma floresta, junto à estrada de Valença a Monsão, um caixote com impressos jesuíticos que se achava oculto entre os arbustos.

O achado foi conduzido para a administração do concelho, onde se acha desde hontem.

D’onde vinha e para onde ía? Da Hespanha ou para a Hespanha?

Às autoridade locaes é a quem compete averiguar o caso e castigar com pena severa o ocultador do arrojado crime.

- Esteve há dias em Tuy o celeberrimo bispo de Beja com todo o seu séquito jesuítico, retirando-se ante-hontem para Vigo, onde celebra a sua missa quotidiana. “Sua reverendíssima”, tambem há dias, atravessou a fronteira pelo Torrão, Hespanha, e foi entender-se com uns barqueiros a S. pedro da Torre d’este concelho.

Que confidencias seriam essas? As auctoridades locaes indaguem quaes são os barqueiros e chamem-nos a capítulo, pois ellas que se fecharam em copas, é por que são alguns attentadores da Republica. – (C.)