Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

FÁBULA ANTIGA

ANTNIO~1

                        No princípio do mundo o Amor não era cego;

                        Via mesmo através da escuridão cerrada

                        Com pupilas de Lince em olhos de Morcego.

                       

                        Mas um dia, brincando, a Demência, irritada,

                        Num ímpeto de fúria os seus olhos vazou;

                        Foi a Demência logo às feras condenada,

                       

                        Mas Júpiter, sorrindo, a pena comutou.

                        A Demência ficou apenas obrigada

                        A acompanhar o Amor, visto que ela o cegou,

                       

                        Como um pobre que leva um cego pela estrada.

                        Unidos desde então por invisíveis laços

                        Quando a Amor empreende a mais simples jornada,

                        Vai a Demência adiante a conduzir-lhe os passos

                       

António Feijó, Sol de Inverno, 1922