Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

GALIZA DESCEU À RUA NO DIA DAS LETRAS GALEGAS E MANIFESTOU-SE CONTRA OS ATAQUES À LÍNGUA GALEGA

No dia em que se celebram as Letras Galegas, mais de cinquenta mil pessoas desceram às ruas e concentraram-se na Praça do Obradoiro, em Santiago de Compostela, em defesa do galego. Em causa, para além das agressões de que tem vindo a ser alvo por parte das elites políticas, financeiras e da comunicação social, estão as tentativas da Xunta da Galiza sob a presidência de Núñez Feijóo, do Partido Popular, de reduzir a expressão do galego, tornando o castelhano a língua predominante na Galiza.

1337263885_0

A manifestação foi convocada pela Plataforma “Queremos Galego” e reuniu mais de setecentas entidades, desde associações culturais e de defesa da língua, partidos políticos e sindicatos, além de personalidades destacadas das letras e da cultura. Em simultâneo, uma greve de professores em idêntico protesto parou quase todos os estabelecimentos de ensino na Galiza.

Sempre na Galiza, sempre em galego” e “Paremos o decretazo contra o galego” foram algumas das palavras de ordem mais ouvidas, acompanhadas dos sons de grupos de gaitas e pandeiretas caraterísticas do folclore galego.

De acordo com o depoimento concedido por Carlos Callón, porta-voz da Plataforma “Queremos Galego”, ao jornal El Mundo, “não se verificou um único avanço para o galego mas antes, por outro lado, muitos contratempos nos meios de comunicação, na justiça, na educação, na administração”.

O desfile terminou na Praça da Quintana onde Fernández Paz leu um manifesto no qual realçou as agressões de que tem sido alvo a língua galega, tornando claro que se trata de uma investida cujo objetivo é “fazer do galego uma língua socialmente invisível, que permaneça detida no gueto e não chegue a um uso padrão do galego. Que o espanhol seja a língua padrão e o galego uma raridade, uma língua oculta.”

Fotos: http://www.elmundo.es/ e http://www.publico.es/espana/