Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

BLOGUE DO MINHO

Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes do Minho e Galiza

POETA ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA DEIXOU-NOS HÁ DOIS ANOS!

                                                ESTERTOR

 

                                             Amei o meu Portugal

                                             Dei-lhe a minha poesia

                                             E assisto ao seu final

                                             Dia após dia.

 

                                             Não há ninguém que lhe acuda

                                             Com verdade combatente.

                                             Só avisto quem o iluda

                                             Só avisto quem lhe mente.

 

                                             Pobre povo, onde, a raiz

                                             Do que foi o "nobre povo"?

                                             Não escutes quem te diz

                                             Que está a erguer-te de novo.

 

                                             Portugal, perdeste a estrada

                                             Do império e do brasão.

                                             Hoje não és nada, nada…

                                             Nem pra quem estenda a mão.

 

                                             Morreu em Évora-Monte,

                                             E a coroa ao abandono

                                             Serviu pra cingir a fronte

                                             Da república no trono.

 

                                             Já ninguém sabe de nós

                                             Nem nos conforta a saudade,

                                             Calou-se a voz dos avós:

                                             A que me foi mocidade.

 António Manuel Couto Viana

(Poema inédito declamado pelo actor Vítor de Sousa, após a missa de corpo presente, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa, em 10 de Junho de 2010)